Revista PC e CIA 96

  • Published on
    10-Aug-2015

  • View
    150

  • Download
    0

Transcript

Editora Saber Ltda.Diretor Hlio Fittipaldi

Modismos passam, tecnologias ficamVivemos tecnologia no nosso dia a dia, e s vezes parece que no somos rpidos o suficiente para acompanhar o surgimento de novas e o esquecimento de outras mais velhas.

www.revistapcecia.com.br Editor e Diretor Responsvel Hlio Fittipaldi Editor de Tecnologia Daniel Appel Conselho Editorial Roberto R. Cunha, Colaboradores Brener Sena, Bruno Coelho, Daniel Netto, Luis Augusto Garcia, Marcelo Loschiavo, Renann Fortes, Rodrigo Resegue, Ronnie Arata, Srgio C. Jnior Reviso Eutquio Lopez Designers Carlos Tartaglioni, Diego M. Gomes Produo Diego M. Gomes PARA ANUNCIAR: (11) 2095-5339 publicidade@editorasaber.com.br Capa Arquivo Ed. Saber Impresso Parma Grfica e Editora. Distribuio Brasil: DINAP Portugal: Logista Portugal tel.: 121-9267 800

Mas muito raro uma tecnologia ser substituda, normalmente elas evoluem e, gradativamente, se tornam algo novo. Isso acontece com todas, at mesmo com aquelas que parecem inovadoras demais. Daniel Appel

No poderia ser diferente com as APUs, por exemplo. H um certo mito, uma certa desconfiana em relao a essa tecnologia, pois trata-se da maior mudana nos processadores para PCs vista nos ltimos anos. Mas no h motivos para tal receio, afinal, como disse h pouco, essa no uma tecnologia nova, todos os principais elementos dela vm amadurecendo h anos nos nossos processadores e placas de vdeo. Est para l de testada. O que faz dessa tecnologia algo to incerto na cabea de alguns a necessidade de atualizao de muitos softwares para suport-la. Mas desde quando isso novidade? Foi assim com cada novo conjunto de instrues lanado: MMX, 3DNow!, SSE e at o AMD64. Quando surgiram os primeiros processadores com suporte a 64 bits, muitos diziam que no valia a pena adot-los pois no haviam softwares de 64 bits. Mas quem acreditou na tecnologia e comprou um sistema com esse suporte, hoje pode executar o Windows 7 em 64 bits, bem como o GNU/Linux tambm, e usufruir do melhor que a tecnologia tem a oferecer. Passou-se um tempo at que a indstria de softwares reagisse , ento, nova tecnologia. Mas as atualizaes dos softwares vieram, e os usurios no ficaram na mo. Estamos prestes a ver isso acontecer novamente, agora com as APUs. Quem no entendeu o novo conceito poder at dizer que ainda no vale a pena adotar os novos processadores, mas isso no passa de p atrs. O suporte dos softwares vir, j aprendemos isso. Tenha uma tima leitura!

ASSINATURAS www.revistapcecia.com.br Fone: (11) 2095-5335 / fax: (11) 2098-3366 Atendimento das 8:30 s 17:30h Edies anteriores (mediante disponibilidade de estoque), solicite pelo site ou pelo tel. 2095-5330, ao preo da ltima edio em banca. PC&CIA uma publicao da Editora Saber Ltda, ISSN 0101-6717. Redao, administrao, publicidade e correspondncia: Rua Jacinto Jos de Arajo, 315, Tatuap, CEP 03087-020, So Paulo, SP, tel./fax (11) 2095-5333. Associada da:

Submisses de ArtigosArtigos de nossos leitores, parceiros e especialistas do setor, sero bem-vindos em nossa revista. Vamos analisar cada apresentao e determinar a sua aptido para a publicao na Revista PC&CIA. Iremos trabalhar com afinco em cada etapa do processo de submisso para assegurar um fluxo de trabalho flexvel e a melhor apresentao dos artigos aceitos em verso impressa e online.

Atendimento ao Leitor: leitor@revistapcecia.com.brOs artigos assinados so de exclusiva responsabilidade de seus autores. vedada a reproduo total ou parcial dos textos e ilustraes desta Revista, bem como a industrializao e/ou comercializao dos aparelhos ou idias oriundas dos textos mencionados, sob pena de sanes legais. As consultas tcnicas referentes aos artigos da Revista devero ser feitas exclusivamente por cartas, ou e-mail (A/C do Departamento Tcnico). So tomados todos os cuidados razoveis na preparao do contedo desta Revista, mas no assumimos a responsabilidade legal por eventuais erros, principalmente nas montagens, pois tratam-se de projetos experimentais. Tampouco assumimos a responsabilidade por danos resultantes de impercia do montador. Caso haja enganos em texto ou desenho, ser publicada errata na primeira oportunidade. Preos e dados publicados em anncios so por ns aceitos de boa f, como corretos na data do fechamento da edio. No assumimos a responsabilidade por alteraes nos preos e na disponibilidade dos produtos ocorridas aps o fechamento.

Associao Nacional das Editoras de Publicaes Tcnicas, Dirigidas e Especializadas

2011 # 96 # PC&CIA

Editorial

Indice

Chegou o

AMD Fusion10Accept

HARDWARE

Smart Clientde 8 da Nitere

13 Monitor LCD

24Fusion Embarcado:

16

Linha

AOC Edge LEDTESTES

4

Tradecomp Sequoia 35 Switch Gerencivel 54

18 Zotac MAG e Zotac ION 40 Como limpar PCsREDES

corretamente

46 Intelbras

Solues de acesso remoto

LogMeIn

50 Desvendando a ITIL V3 Parte 3

Editorial Notcias Tendncias Entrevista Opinio

03 06 58 60 62

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Notcias

Zotac lana mini PC ZBOXA Zotac, fabricante de placas-me, placas grficas e mini PCs, reconhece que os usurios de computadores esto cada vez mais exigentes e pretende reunir desempenho, esttica e praticidade no seu lanamento mundial do ZBOX nano AD10. Este modelo, que mede apenas 127 mm x 127 mm x 45 mm, tem sada HDMI e capacidade para reproduzir contedo com qualidade de Blu-ray, alm de vir compatvel com as tecnologias Dolby TrueHD e DTS-HD, recursos que garantem performance de som e vdeo em alta definio. O novo mini PC nano traz um processador AMD Fusion E-350 (Brazos Dual Core) que conta com uma GPU AMD Radeon HD 6310 integrada. A nova srie ZOTAC ZBOX nano AD10 ainda suporta tecnologia de IR (infravermelho), integrada ao pacote do Windows Media Center, para ser usada com um controle remoto compatvel. So duas as verses do aparelho, ambas vm com duas portas USB 3.0, mas so diferentes, pois o AD10 personalizvel com um slot para memria DDR3-1066 SO-DIMM e suporte a um HD SATA de 2,5 enquanto a verso AD10 Plus conta com 2 GB de memria DDR3 e um HD de 320 GB com 5400 RPM. A nova srie ZOTAC ZBOX nano est prevista para chegar ao Brasil no final do ano, mas ainda no tem preo definido. Especificaes: APU AMD E-350, DualCore de 1,6 GHz; GPU AMD Radeon HD 6310; 80 shaders unificados; Frequncia: 500 MHz; 2 portas USB 3.0; Sadas HDMI e DisplayPort; Tecnologia AMD UVD (hardware H.264 acelerada); Dolby TrueHD e DTS-HD: Master Audio bitstream; Gigabit Ethernet; WiFi 802.11n; Bluetooth 3.0.

Usurios de PCstm costumes que ameaam sua prpria seguranaA Nodes Tecnologia, distribuidora das solues Avira no Brasil, notou que os usurios domsticos so induzidos a erros pelas aplicaes de antivrus e destaca as trs ocorrncias mais preocupantes: Sistema operacional e aplicaes desatualizados; Existncia de incompatibilidade entre vrias aplicaes de segurana, sendo utilizadas ao mesmo tempo; Criao de exceo para o antivrus executar um arquivo que est infectado. Aps anlise de logs, a empresa constatou que, na maioria dos casos, a falta de atualizao do sistema operacional, e de boa parte dos programas instalados, no repara as brechas de segurana, usadas para invases de malwares. Segundo Eduardo Lopes, diretor comercial da Nodes Tecnologia, o usurio tambm tem a iluso de estar mais protegido ao instalar mais de um programa antivrus, no entanto, criam-se incompatibilidades que deixam os computadores e o carregamento de pginas na internet lentos, alm de fazer o computador acessar, indevidamente, a memria. Sobre as excees de arquivos executveis, a grande maioria dos usurios no sabe que, uma vez inseridos como exceo na lista do antivrus, podem infectar outros arquivos. O usurio que no quer ser incomodado com os avisos de ameaas do programa, acaba dando a permisso para esse executvel malicioso. O executivo da Nodes Tecnologia ainda acredita que, por meio de informao, a cultura de segurana digital se fortalece e os casos de infeco sero reduzidos em nmero e gravidade.

LibreOffice

verso final 3.4.3A nova verso do pacote de aplicativos para escritrio LibreOffice, de nmero 3.4.3, lanada com as correes mais importantes que foram reportados pelos usurios nas outras verses. At ento os desenvolvedores recomendavam utilizar a verso 3.3.x para uso corporativo, visto que a 3.4.x era considerada ainda imatura. Com a atualizao para a 3.4.3, os desenvolvedores garantem que j possvel usar os aplicativos no ambiente profissional sem preocupaes. Os principais motivos para atualizar a antiga verso 3.3.x so:

A exportao HTML melhorada comgaleria de imagens em thumbnail na pgina de contedo; A renderizao de texto no Linux feita pela biblioteca Cairo, o que resulta em uma subpixelizao melhor; A adio e remoo das paletas de cor possvel pelo menu Tools/Options/Charts/Default Colors. Este lanamento indicado pela The Document Foundation como idntico verso 3.4.3 RC 2, no sendo necessrio reinstalar ou fazer um novo download. Algumas correes e melhorias foram identificados e sero implementadas no prximo pacote 3.4.4, prevista para o final do ano.

PC&CIA # 96 # 2011

Tablet OptiView XG, da Fluke Networks,para anlise de redes lanado globalmenteO OptiView XG, lanado globalmente pela Fluke Networks, o primeiro tablet para anlise de redes e suporta conexo de 10 Gbps, visualizao NetFlow e virtualizao. O aparelho integra, em uma nica ferramenta, as principais tecnologias que os engenheiros de rede necessitam e tambm disponibiliza solues para problemas de redes, tanto cabeadas quanto sem fio, de maneira rpida. Segundo Gary Ger, vice-presidente da diviso Enterprise Network Analysis da Fluke Networks, o novo aparelho instantneo e mostra toda a infraestrutura da rede em uma nica janela, podendo ser usado desde o centro de processamento de dados at a rea de produo (desktop dos funcionrios). O OptiView conta com muitos recursos que so destacados pela empresa:

Interface intuitiva de usurio e painis personalizveis:Alm de uma interface amigvel e de fcil leitura, o OptiView XG apresenta painis (dashboards) que podem ser personalizados pelos usurios e ajudam a transformar dados em relatrios, para os funcionrios em todos os nveis da organizao - de tcnicos a gerentes.

Soluo WLAN integradaProduto desenvolvido com trs interfaces de rdio (Wi-Fi) para reduo do tempo de implementao, resoluo de problemas e permitindo ao mesmo tempo a descoberta da rede, anlise do desempenho sem fio e deteco de interferncias, utilizando tecnologias AirMagnet, lderes da indstria. Na anlise sem fio, a mobilidade permite ao usurio monitorar a sade dos dispositivos-chave da rede e fazer simultaneamente a anlise dos ambientes Wi-Fi em tempo real. O OptiView XG ajudar a resolver problemas e a restabelecer o funcionamento das redes com uma rapidez jamais vista, diz Mike Pennacchi, proprietrio e analista-chefe de redes da empresa de consultoria de troubleshooting Network Protocol Specialists LLC. Os painis (dashboards) permitem ao usurio configurar a informao no modo como deseja v-la, e descobrem automaticamente os aspectos com fio e

Path and application infrastructure analysis:Descobre automaticamente a trajetria entre dois pontos da rede e monitora o desempenho ao longo deste link, a fim de identificar problemas da rede que possam prejudicar o desempenho. Isto reduz o tempo necessrio para isolar problemas de rede vs. aplicao.

Troubleshooting dirigido e proativo:Oferece a vantagem da rpida visualizao de problemas por meio da coleta e anlise de dados granulares (incluindo o NetFlow) coletados ao longo de 24 horas, de modo que o usurio possa retroceder no tempo para verificar em que momento o problema ocorreu. O equipamento tambm identifica automaticamente mais de 40 diferentes problemas da rede e mostra causas, impactos e solues.

sem fio das redes, o que incrivelmente importante para os usurios numa ferramenta porttil. O design porttil do OptiView XG oferece os seguintes recursos avanados de hardware: Tela 1024 x 788 de 10,25 polegadas, exibida num tablet de duas polegadas de espessura, que pesa aproximadamente 2,5 quilogramas; Duas baterias que podem ser trocadas com o sistema em operao (hot-swappable) e que permitem aproximadamente trs horas de operao; Porta 10G SFP+, portas 10/100/1000M RJ-45 e porta 100/1000M SFP+; Dois rdios embutidos 802.11N (3x3) Wi-Fi e um rdio on-board para anlise de espectro. Para maiores informaes sobre o OptiView XG, acesse o site www.flukenet works.com/xginfo.

2011 # 96 # PC&CIA

Notcias

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Notcias

AMD, Nvidia e VIA

Lenovo traz o primeiro tablet da linha

abandonam SYSmark 2012Trs fabricantes de processadores: AMD, Nvidia e VIA anunciaram suas sadas da organizao BAPCo (Business Applications Performance Corporation) e no aprovaro mais o benchmark BAPCo SYSmark 2012. A tecnologia est evoluindo em um ritmo incrvel, e os clientes precisam de medidas claras e confiveis para entenderem o desempenho esperado e o valor de seus sistemas, disse Nigel Dessau, vice-presidente snior e diretor de marketing da AMD. A AMD no acredita que o SM2012 atinge este objetivo. Por consequncia, ela no pode endossar ou apoiar o SM2012, ou continuar a fazer parte do consrcio BAPCo. Ainda segundo Dessau, os benchmarks devem fornecer resultados imparciais com informaes teis e relevantes. A AMD avalia alternativas de benchmark e incentiva a criao de um consrcio da indstria para estabelecer um benchmark franco para desempenho geral. Apesar de nenhuma das trs empresas ter feito acusaes formais, o motivo por trs disso conhecido: a tendncia do software da BAPCo em favorecer processadores Intel e ignorar o efeito de processadores como GPUs no desempenho do sistema. No importa se o computador testado tem uma controladora de vdeo onboard ou uma placa de vdeo de altssimo desempenho, segundo o SYSmark o desempenho do sistema sempre o mesmo. A BAPCo se defendeu, argumentando que a AMD votou a favor de 80% das decises de implementao do SYSmark 2012 e que a organizao aceitou 100% de suas contribuies. Portanto, a empresa estaria apenas tentando denegrir a imagem do software para evitar que os consumidores utilizem-no para testar sistemas baseados em produtos AMD. A discusso certamente ainda vai longe, mas uma dvida persiste: para a BAPCo, a AMD est agindo de m-f, mas, nesse caso, por que a Nvidia e a VIA tambm resolveram sair? Das quatro fabricantes de chips que faziam parte da organizao, trs saram juntas e aparentemente pelo mesmo motivo. Como a BAPCo explica isso?

ThinkPad para o BrasilA Lenovo traz ao Brasil o ThinkPad Tablet, modelo que apresenta a mesma segurana e confiabilidade da reconhecida linha ThinkPad, com uma interface operacional otimizada para facilitar a navegao. O aparelho oferece sincronizao com outros equipamentos, compartilhamento de arquivos e virtualizao de aplicativos. Vem equipado com SSD de 16 GB, 32 GB ou 64 GB, bateria com durao de at 8 horas com WiFi e conexes USB 2.0, Micro USB, entrada 3 em 1 para cartes SD e Mini HDMI para conexo a projetores externos e monitores. A tela de 10,1 utiliza o Gorilla Glass, vidro fortalecido quimicamente que garante alta resistncia e durabilidade. Com um software pr-instalado, possvel personalizar o layout do aparelho, movendo aplicativos que so licenciados e gratuitos, disponibilizados pela Lenovo App Store. J vem configurado com diversos aplicativos de redes sociais e servios, como Skype, Adobe Flash, Adobe Air, Facebook, Twitter, Google Maps, Google Busca, Audio/MP3, Youtube, Calendrio, Accuweather, Amazon Media, Games, SecureWave, e outros. O tablet focado em negcios oferece tambm: Encriptao AES 128 Bits; Encriptao do carto SD: Console de gerenciamento ThinkManagement; Transferncia de arquivos Secure XML via LANDesk; Capacidade de trocas de diretivas Mobile Iron XML; Suporte ao Active Sync; Integrao de Senhas com o Active Directory; Controle de interfaces (desativao da cmera, desativao

do memory stick, desativao do rdio); Anti-theft (desativao em caso de perda); O Lenovo ThinkPad Tablet j est disponvel pelos canais de venda da Lenovo com preo sugerido a partir de R$ 1.699,00. Os preos podem variar de acordo com a regio do Pas. Especificaes: SO: Android 3.1/ NVIDIA Tegra 2; Memria RAM: 1GB; Armazenamento: SSD de 16 GB, 32 GB ou 64 GB; Tela: 10,1 WXGA (1280x800), IPS 16:10 com tecnologia Gorilla Glass; Multitouch Capacitivo; Caneta Digitalizadora (opcional); Conectividade: WiFi e 3G, USB 2.0, Micro UBS, entrada 3 em 1 para carto SD e Mini HDMI; Bateria: at 8 h com WiFi; Peso: 713,5 g (WiFi) ou 730,5 g (WiFi + 3G); Cor: Preto.

PC&CIA # 96 # 2011

AVG apresenta

Internet Security 2012A nova verso do software de segurana AVG Internet Security 2012 traz novas tecnologias de proteo, melhorias no desempenho e acelerao de downloads. Segundo a empresa, os recursos AVG Accelerator e AVG Advisor oferecem download at 50% mais rpido, reduo de at 45% no espao em disco e 20% a menos no uso de memria do que as verses anteriores. O AVG Accelerator otimiza os downloads para diminuir o tempo de espera e o Advisor monitora os equipamentos para aconselhar o usurio com possibilidades de reparao de vrios problemas. Ainda vm inclusos no AVG Internet Security 2012: o firewall de segurana integrada e o AVG LinkScanner que protege os usurios na navegao, compras e transaes bancrias. Principais evolues do AVG 2012 em comparao com o AVG Internet Security 2011: 50% menor no tamanho do download e instalao mais rpida; reduo de 45% no espao em disco, em mdia; 20% menos processos e uso de memria; 10% mais rpido em tempo de carregamento. A empresa ainda afirma que utilizou o feedback dos seus usurios para ajudar no desenvolvimento da nova verso do software e, assim, buscou trazer a facilidade de uso e uma segurana confivel. O AVG 2012 est disponvel em 24 idiomas em 170 pases, com sua tradicional verso grtis. As verses pagas tm valores a partir de R$ 65,00 (AVG Anti-Virus) e R$ 89,00 (AVG Internet Security). O download dos novos produtos pode ser feito no endereo www. avgbrasil.com.br/download.

APC by Schneider Electric lananobreaks senoidais por aproximaoEspecialista em solues e servios para ambientes crticos de energia e refrigerao, a APC by Schneider Electric lana dois modelos de nobreaks senoidais por aproximao, o Back-UPS BE600H-BR e o Back-UPS BE600P-BR. Desenvolvidos para fornecer energia durante as falhas na rede eltrica e proteo contra surtos, os modelos so voltados para o uso residencial e ambientes de pequenos escritrios. As tomadas dos equipamentos so espaadas para evitar o bloqueio das demais e permitir a conexo com blocos transformadores, so seis tomadas de sada com potncia de 600 VA e ainda contam com LEDs que indicam as funes de proteo contra sobrecarga e curto-circuitos que ocorrem graas a um pequeno disjuntor que se rearma e possibilita a recuperao rpida do sistema sem a necessidade de troca de fusveis. O gerenciamento feito pela plataforma PowerChute, da prpria empresa, que se comunica com o aparelho atravs de um cabo USB e pode ser baixada gratuitamente no site www.apc.com.br. Este software permite que o usurio configure o nobreak para desligar automaticamente, o que evita problemas e perda (ou corrompimento) de dados, principalmente no caso de longos cortes de energia. O BE600P-BR bivolt automtico na entrada e suporta tenses eltricas de 120 V ou de 230 V, j o BE600HBR monovolt, e suporta apenas a tenso de 120 V. Com dois anos de garantia, podem ser encontrados em lojas de revendas da APC by Schneider Electric, espalhadas por todo o Brasil. Os preos sugeridos so R$ 252,00 para o modelo BE600H-BR e R$ 300,00 para o BE600P-BR.

Na edio n95, com o artigo 8 Grandeza (pg. 38 e 39) foram publiConverso Sistema binrio byte 1.000.000.000.000,000 cadas quatro tabelas. Entre elas, a Tabela 4, que mostra os exemplos byte para kibibyte 976.562.500,000 de perdas aparentes em um HD de 1 TB sofreu erros. byte para mebibyte 953.674,316 Na ltima coluna, queremos mostrar a porcentagem de perda aparenbyte para gibibyte 931,323 byte para tebibyte 0,909 te, que aumenta dependendo da unidade (kibibyte, mebibyte etc.). T4. Exemplo de perda aparente em um HD de 1 TB. Confira a nova tabela corrigida com os dados corretos.

Perda aparente0,00% 2,34% 4,63% 6,87% 9,05%

Errata

2011 # 96 # PC&CIA

Notcias

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

AcceptUm computador com a cara do escritrio brasileiro. Baixo consumo, silencioso, gil e prtico, assim o Smart Client, a viso da Accept de como deve ser um computador de trabalho. Daniel Appel

Smart ClientN10

os ltimos anos a informtica se inseriu dentro das empresas brasileiras de forma irreversvel. No comeo, foi entrando nas reas de engenharia e projetos, depois, na rea financeira e de contabilidade, at que hoje praticamente todos, do diretor secretria, tm um PC na mesa de trabalho. Muitas vezes, o PC est l pela convenincia de poder anotar recados e disparar mensagens s partes interessadas. E mesmo funes ligeiramente mais complexas como edio de textos, e-mails, notas fiscais, softwares de controle de estoque e inclusive planilhas de clculo de tamanho razovel no demandam mais do que um computador de baixo poder computacional. At mesmo softwares de ERP se encaixam nessa categoria, pois na maioria das vezes eles rodam no servidor e o usurio se conecta por meio de um cliente remoto ou interface WEB e nenhum deles exige um processador poderoso.

entre as diferentes tarefas com agilidade. Um computador ideal para esse tipo de usurio pode muito bem ser o Smart Client (figura 1). Ao analisarmos suas especificaes, ficou evidente que a Accept conhece muito bem o perfil do usurio encontrado nas empresas.

Hardware

Usurio tpico

F1. Pequeno, tem apenas 23 cm de altura.

Ao contrrio do leitor da PC&Cia, que vive a informtica, a maioria dos trabalhadores que tm que usar PCs nas empresas no est muito interessada no computador (ainda menos sendo da empresa). Em geral, esses usurios tm o pssimo hbito de no fechar os programas que no esto utilizando, deixando abertos o cliente de e-mail, navegador (com mais de vinte abas abertas), quatro planilhas, um powerpoint, um PDF, antivrus (por obrigao neste caso), player de MP3 e ainda o MSN ou o Gtalk. Todos esses aplicativos exigem pouco poder de processamento, na maioria so contedos estticos, o problema est em manter isso tudo na memria e alternar

A base do sistema a placa-me Intel D525MW, que conta com um processador Atom D525, Dual Core de 1,8 GHz e com suporte a HyperThreading. Ele capaz de manter quatro threads em execuo simultaneamente, o que permite que o sistema responda bem e tambm tire proveito de todo o poder de processamento do diminuto processador, consumindo muito pouca energia, outro fator importante nas empresas. Esta placa oferece dois slots para memrias DDR3 do tipo SODIMM, o tipo usado em notebooks, com suporte para at 4 GB. Apesar dos dois slots, o barramento single-channel e as frequncias de operao so de 1066 MHz ou 800 MHz. Um dos maiores impeditivos para a multitarefa eficiente a falta de memria, o que fora o sistema a realizar swap em disco. Isso no problema com o Smart Client, pois ele vendido nas verses com 2 GB e 4 GB, memrias mais do que suficientes para bom desempenho em aplicaes de escritrio. Assim, fica fcil manter vrios documentos abertos ao mesmo tempo. O disco rgido de 320 GB tem interface SATA e formato de 2,5, ou seja, trata-se de um HD de notebook, portanto tem consumo de energia baixssimo e no produz rudo. Esse tipo de disco est sendo cada vez mais usado em computadores de mesa compactos.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br No painel traseiro (figura 2) so encontrados dois conectores PS/2, o de vdeo, uma porta serial RS-232, uma paralela, quatro USB 2.0, rede Gigabit e trs jacks de udio. Para o ambiente empresarial, a oferta de interfaces legadas tima: a porta paralela til para conexo com impressoras antigas, a serial usada para relgios de ponto, impressoras de cheque e fiscais, e as PS/2 podem receber leitores de cdigo de barras (que se comportam como teclados, do ponto de vista do software). Sim, fato que j existem verses USB da maioria desses equipamentos, mas muitas vezes a empresa j os tem, e nesse caso o Smart Client ser garantidamente compatvel. A qualidade da montagem excelente. Poucos PCs compactos so to bem projetados e montados quanto este. Considerando que usa uma placa-me padro Mini-ITX e no um layout prprio, a integrao foi muito bem feita.

Hardware

F2. Montagem bem feita e muitas opes de conectividade.

Pacote de softwares

O Smart Client pode tanto ser adquirido com o Windows 7 Professional pr-instalado (infelizmente s em 32 bits), quanto com o sistema operacional Ubuntu Linux 10.04. A unidade qual tivemos acesso, veio com sistema operacional Ubuntu. A inicializao do sistema muito rpida e j coloca o usurio no desktop, personalizado pela Accept (figura 3). O Ubuntu muito fcil de usar e capaz de se conectar a redes Windows, podendo acessar e compartilhar documentos. Dessa forma, o Smart Client com Ubuntu pode se integrar facilmente mesmo em uma empresa que j utilize o sistema operacional da Microsoft. O pacote de softwares que acompanha o Ubuntu farto. A sute de aplicativos de escritrio OpenOffice.org excelente e substitui com facilidade o MS Office, at porque o formato ODF norma ABNT (o formato do MS Office no ). O editor de imagens GIMP satisfaz as necessidades de praticamente todos, exceto pela notvel exceo de no trabalhar com CMYK. E o Firefox, ento, nem precisa ser apresentado, pois mesmo no Windows ele vem dominando a preferncia dos usurios. H ainda muitos outros softwares com os mais diferentes propsitos.

Problemas

Apesar do fato do Smart Client ser oferecido em uma verso Linux ser muito empolgante, nem tudo maravilhoso. A personalizao da Accept se resumiu em trocar o papel de parede e parou por a. H uma srie de faltas de cuidado com o sistema, algumas bem graves como, por exemplo, o fato do OpenOffice.org estar em ingls! Ora, um sistema vendido no

mercado brasileiro deveria, no mnimo, ter suas principais ferramentas, o editor de texto e a planilha de clculos, corretamente configurados para o idioma portugus. Extenses como os corretores Vero (ortogrfico) e o CoGrOO (gramatical) tambm seriam muito bem-vindas. A impresso que fica que a imagem do sistema Linux usado pela Accept foi criada por pessoas sem a menor familiaridade com este sistema.

11

F3. Falta de capricho na verso com Linux: o papel de parede da empresa est l, mas a sute de escritrio est em ingls.

2011 # 96 # PC&CIA

HardwareO que salva a verso Linux deste produto que os usurios GNU/Linux dificilmente usam um sistema como ele veio de fbrica, normalmente reinstalam o SO de acordo com suas preferncias, e, nesse caso, a falta de capricho da Accept no sistema operacional se torna irrelevante. A propsito, o Smart Client no tem drive de CD, portanto a instalao de um novo sistema operacional dever ser feita por HD externo USB, pendrive ou pela rede (hoje isso no mais nenhum mistrio, a maioria dos SOs j prev esta opo de instalao). Ento, o Smart Client com Linux ruim? Nem um pouco! Esse certamente o ponto de vitria da Accept: ela permite que o consumidor escolha. Uma das coisas que mais incomoda quem usa sistemas opensource a obrigao de pagar pelo Windows que vem pr-instalado na mquina. A Accept nos permite escolher: o Smart Client com Windows 7 custa R$ 999,00 , enquanto a verso com Ubuntu custa apenas R$799,00. Isso tudo que os adeptos do Linux queriam, e tambm acaba beneficiando os usurios de Windows que j contem com uma licena vlida. No ser forado a comprar um Windows embutido um alvio para o consumidor.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F4. Suportes para fixao em monitores.

Ficamos surpresos com o desempenho da controladora de vdeo integrada. A interface Gnome com extenses de composio e efeitos tridimensionais funcionou perfeitamente, sem sinal algum de gargalo de desempenho.

12

Consumo

Core2Duo muito mais rpido que o Atom e provavelmente a relao desempenho/watt favorvel ao E200. Quando alto desempenho necessrio, difcil bater o Lenovo. Mas na maioria dos casos ele grande demais e potente demais, e exatamente a que a Accept encaixa o Smart Client.

Desempenho

No faz sentido se apegar a grficos de desempenho para um sistema baseado em Atom. J sabemos que ele no veloz comparando-o com processadores mais robustos, mas que suficientemente rpido para executar a maioria das tarefas de trabalho. O Smart Client pode ser considerado um exemplo de como se faz um bom dimensionamento: ao invs de colocar desempenho no lugar errado, a Accept avaliou corretamente onde ele faria mais diferena e instalou bastante memria. Aqui cabe uma analogia que foge um pouco do mundo dos PCs: o Smart Client como um carro 1.0 equipado com direo hidrulica e ar condicionado. Seu motor no forte, mas anda sem dificuldades dentro dos limites de velocidade das zonas urbanas com todo o conforto que a direo hidrulica e o ar condicionado podem proporcionar. A agilidade do Smart Client para aplicaes de uso cotidiano excelente, e graas boa quantidade de memria o sistema permanece sempre gil. Poder de processamento no o forte, mas nem tem que ser, quem quiser editar imagens no deve usar um PC to enxuto.PC&CIA # 96 # 2011

Um dos pontos que mais chamam a ateno das empresas, escolas, universidades e rgos pbicos o consumo eltrico. Uma economia de alguns watts por PC em um parque com milhares de PCs representa muitos quilowatts de energia economizada. Os requisitos de energia variam bastante de PC para PC, mas, para fins de exemplificao vamos tomar como base um computador que testamos na edio n 90 e que consideramos ideal para escritrios e empresas: o Lenovo E200, equipado com processador Core2Duo E7400 e uma placa-me PCware IPM31 (fabricada pela Digitron). Este sistema consome 45 W em estado ocioso e 65 W sob demanda, nmeros que j so bons comparados com os de outros desktops. J o Smart Client consome apenas 22 W! Seu comportamento curioso pois no importa se ele est ocioso ou em atividade, ele consome sempre 22 W, com muito pouca variao (vimos alguns picos ocasionais de 24 W, porm muito rpidos). Mesmo em carga mxima o Smart Client consome metade da energia de um E200 ocioso (no fazendo nada), lembrando que o equipamento da Lenovo j bastante eficiente dentro do seu segmento. fato que o

Concluso

O Smart Client bem montado, bem dimensionado, tem visual discreto e ainda por cima pode ser preso traseira do monitor por meio de suportes especiais que o acompanham (figura 4). Com ele possvel manter vrias planilhas, documentos e janelas de navegador abertos ao mesmo tempo, sem gerar rudo, sem desperdiar energia e tudo isso com preo justo. Exatamente o que as empresas procuram! Para o usurio domstico ele um timo segundo PC, mas no o recomendamos como computador principal da famlia. Para empresas, no entanto, difcil pensar em um produto melhor. A Accept est de parabns por este produto. Alis, no s pelo produto como pela postura: enquanto outras empresas praticam a venda casada com o Windows e oferecem verses Linux de fachada, que custam a mesma coisa, a Accept realmente isenta o consumidor usurio de software livre de pagar por um software que no vai usar. No h o que no gostar no Smart Client. Este seguramente um dos melhores PCs compactos que j tivemos a oportunidade PC de testar, se no for o melhor.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Hardware

Monitor LCDEste pequeno e prtico monitor pode ser a soluo ideal para automao comercial e projetos personalizados. Daniel Appel

de 8, da Nitere

13

Q

uando pensamos em monitor, normalmente o raciocnio quanto maior, melhor. Estamos acostumados a pensar assim. Mas existem situaes em que no vantagem alguma ter um monitor grande, muito pelo contrrio, ele at atrapalha. Os exemplos so fceis de lembrar: caixas de supermercado, balces de lojas, pontos de venda, sistemas de vigilncia... so inmeras as situaes em que uma grande rea de tela ser dispensvel em favor de pequeno tamanho. Infelizmente, a maioria dos profissionais da informtica no tem acesso a monitores compactos e acaba por se virar com os tradicionais modelos de 14 mesmo em situaes em que um deles seria demasiadamente desajeitado. Para facilitar a vida destes profissionais e possibilitar a criao de solues funcionais e de pequeno porte, apresentamos um interessante monitor LCD compacto da Nitere.

A empresa tambm oferece monitores Open Frame, que so telas LCD sem a carenagem plstica, ideais para embutir em mquinas e totens de atendimento (figura 1). Para este artigo, a empresa disponibilizou uma unidade do modelo ISM-0800S com LCD de 8 para teste em nosso laboratrio.

ISM-0800S

Como fica evidente na figura 2, no h como descrever este monitor sem usar a palavra pequeno: ele tem apenas 217 mm de largura e 151 mm de altura. Sua tela tem 8 (oito polegadas) de diagonal, que so vinte centmetros (compare com o tamanho do CD de instalao, que tambm aparece na foto). Sim, ele pequeno. O fabricante o indica para substituio dos tradicionais monitores CRT preto-ebranco de 9 (figura 3) usados em automao comercial. Para quem no atua nessa rea: aquele monitorzinho que costumamos ver nos caixas de supermercado.2011 # 96 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F1. Um monitor Open Frame prprio para embutir em mquinas e totens.

O ISM-0800S F2. surge como opo para automao comercial.

14

F3. Pequeno monitor CRT muito comum em lojas e supermercados.

A substituio tem vantagens: a tela colorida e tem resoluo de 800x600 pixels, suficientes para aplicaes comerciais, automaes, escritrios e para uso com cmeras de vigilncia. Se no parece muito, lembre-se de que at mesmo filmes em DVD tm resoluo inferior (normalmente 720x480 em NTSC), portanto a resoluo certamente no um fator limitante para o uso deste monitor. O consumo eltrico deve ser inferior ao de um monitor de tubo, bem como o peso e o espao necessrio. Ao lado da tela h dois alto-falantes estreo de 2 W cada. A qualidade de som no muito boa, mas plenamente satisfatria para reproduzir bips com motivos diversos (alertas de erro, por exemplo). Essa outra vantagem sobre os conhecidos monitorzinhos CRT, que no tm alto-falantes e no podem emitir alertas ao usurio, exigindo que seja utilizada alguma outra forma de notificao. Botes Na lateral direita h cinco botes de controle do dispositivo (figura 4), responsveis por lig-lo, deslig-lo e tambm por acessar as funes do menu OSD (On Screen Display). Mas se o leitor observar bem a figura, perceber que na verdade os botes esto apenas desenhados na carcaa plstica. So falsos. Por trs de cada um deles h um sensor capacitivo que detecta a aproximao dos dedos e aciona a funo correspondente. Isso pode parecer um luxo desnecessrio, pois normalmente apenas produtos caros tm esse tipo de tecla, no entanto, h um motivo para us-las aqui tambm: a ausncia de teclas mecnicas aumenta a durabilidade do produto. Quem projetou este monitor sabia o que estava fazendo.

F4. Sensores de contato no lugar de botes: durabilidade.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Hardwarepara este monitor. Acontece que, ao contrrio de muitos monitores que no conseguem trabalhar com resolues maiores que a de sua tela, o ISM-0800S consegue ele capaz de interpolar a imagem e faz-la caber dentro dos limites da sua matriz. Essa capacidade importantssima para uso com sistemas de automao comercial, pois eles normalmente no so flexveis quanto resoluo da tela. Nesses casos, o monitor tem que ser e o ISM-0800S .

Concluso

F5. Conexes VGA e RCA permitem usar este monitor para vrias funes.

Conexes O ISM-0800S um produto flexvel e tem conexes de vdeo nos padres VGA e RCA (figura 5), que lhe permitem ser conectado a computadores, aparelhos de vdeo e circuitos de vigilncia. H tambm um conector P2 para a entrada de udio e, obviamente, um conector para alimentao do dispositivo. A alimentao de 12 VCC, muito comum, e isso torna sua fonte facilmente substituvel, alm de permitir aliment-lo diretamente de outro circuito de 12 V em projetos especiais. Touch Screen Ainda observando o painel traseiro do monitor, podemos ver um espao reservado para um conector USB, mas no utilizado. O motivo disso que a Nitere lanou uma variante deste monitor, chamada TMI-0800S que oferece uma controladora Touch Screen, que conectada ao PC pela porta USB. O monitor TMI-0800S idntico ao apresentado neste artigo, exceto pelo opcional do Touch Screen. Na nossa opinio esse mais um grande acerto do fabricante. O recurso de toque na tela permite dispensar o mouse e facilita muito a operao em pontos de venda, por exemplo. Alm disso, no precisamos pensar muito para lembrar de aplicaes que no usam mouses, como nos caixas de supermercado, mas que seriam beneficiadas pelo

touch screen (vrias vezes ficamos parados na fila esperando o atendente se entender com o teclado, quando um toque na tela bastaria para resolver isso). O ISM-0800S j um produto muito bom, e certamente a verso touch screen ainda melhor.

Qualidade de imagem

Com tamanho pequeno e resoluo limitada, o foco deste produto no est em oferecer qualidade de imagem de cinema. O que ele oferece, sim, uma imagem ntida e estvel. Quando operando com grficos em modo texto, como em alguns aplicativos de vendas e controle de estoque da era MS-DOS (que ainda so muito usados), a imagem clara, ainda que as letras sejam ligeiramente borradas. Na verdade essa uma caracterstica de qualquer LCD tentando exibir grficos em modo texto, pois ele obrigado a fazer interpolao da imagem para expandi-la ao tamanho da tela na resoluo nativa do monitor. Um CRT mais ntido operando neste modo, mas quem precisa de nitidez em aplicativos to simples? Em modo grfico, possvel explorar toda a nitidez de imagem do ISM-0800S configurando o sistema operacional para utilizar a resoluo nativa de 800x600 pixels. Entretanto, essa resoluo um tanto baixa e muitos sistemas hoje exigem no mnimo 1024x768 pixels, mas isso no problema

Este pequeno monitor de oito polegadas no tem foco no mercado desktop, portanto no espere encontr-lo venda em lojas de departamentos. Mas, longe das prateleiras do varejo de produtos de consumo, h sim mercado para monitores de pequenas dimenses, e a Nitere foi muito perspicaz em atend-lo com esta soluo simples, barata e muito funcional. Mais ainda com a verso Touch Screen, que infelizmente no pde ser enviada a tempo de entrar no artigo. Com a substituio do tradicional carto de ponto pelo ponto digital e das notas fiscais pela NFE (nota fiscal eletrnica), a exigncia pela informatizao s tem crescido e as empresas precisaro cada vez mais instalar computadores nos mais diversos departamentos, s vezes para fazer uma coisa simples como coletar uma impresso digital, ou emitir uma ordem de compra. Uma soluo compacta e prtica como a da Nitere se mostrar uma grande aliada da empresa. Claro que no so s as empresas que podem se beneficiar deste produto. Pequeno e com fonte prpria, este monitorzinho pode at fazer parte da maleta de ferramentas de qualquer tcnico de informtica. Quantas vezes voc que trabalha com manuteno no se viu sonhando com um monitor porttil? Pois, ento, ele pode muito bem ser esse. O mesmo acontece com quem trabalha com servidores: normalmente esses equipamentos so headless (no tm monitores) e so acessados remotamente at se recusarem a bootar. Quando isso acontece, no h outra sada a no ser carregar um monitor at l, um grande transtorno. Grandes datacenters tm estrutura para evitar isso, mas empresas menores no tm, e com um monitor to pequeno e prtico como esse, d at gosto diagnosticar um problema de inicializao em um servidor. PC2011 # 96 # PC&CIA

15

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Linha

EDGE LEDde Monitores AOCSe h um componente que passou a ser observado com ateno cada vez maior pelo consumidor, esse componente o monitor! Hoje h opes para todos os gostos: dos chamativos aos discretos, dos reforados aos mais finos, dos caros aos acessveis. Nesse mar de opes, encontramos monitores peculiares como os da linha EDGE LED, da AOC. Quer saber mais? Continue lendo...

16

O

monitor o principal responsvel pela experincia que o usurio tem com o computador. Depois que os modelos de tubo foram substitudos pelos de LCD, que evoluram para a iluminao por LED e agora para os monitores 3D, essa experincia passou a ser mais rica para o usurio, que sempre procura por maior qualidade nos filmes e jogos. Mais do que apenas uma tela para exibir imagens, o monitor hoje se tornou um elemento de estilo. O consumidor busca aquele modelo com o qual mais se identifica, e isso significa que h demanda para todo tipo de monitor: finos, imponentes, discretos, com telas grandes e pequenas. Assim, as empresas aprenderam a diversificar ao lanar seus modelos. A AOC, obviamente, no ficou de fora e lanou a linha de monitores ultra slim EDGE LED, que voc conhecer neste artigo.

Tela ultra slim

Membro da equipe de redao e laboratrio da revista, dedica-se ao estudo de jornalismo e Tecnologia da Informao.

Ronnie Arata

A linha EDGE LED conta com modelos de vrios tamanhos de tela (tabela 1). O modelo que testamos foi o e2243Fwk (figura 1) , que tem tela no tamanho de 21,5 ultra slim (a espessura de apenas 12,9 mm). A pequena espessura da tela a principal caracterstica da linha e, verdade seja dita, a AOC acertou em cheio o desejo

do consumidor. O mercado de monitores e televisores est vivendo uma febre pelas telas finas: quanto mais fina ela for, mais desejado ser o produto. Do ponto de vista tcnico, porm, difcil entender essa febre. Monitores com telas finas demais no tm nenhuma vantagem na qualidade de imagem, mas tm desvantagens em outros aspectos. Por exemplo, a base de sustentao do e2243Fwk enorme e anula qualquer vantagem de economia de espao da tela fina. Bonito fica, mas ocupa tanto ou mais espao que um monitor LCD tradicional. na base que est toda a eletrnica do monitor, que foi removida da parte de trs da tela para permitir que ela fosse to fina. Por consequncia esta base no pode ser removida e, se quisermos prender o monitor a um suporte, ser necessrio faz-lo com base e tudo. Outra desvantagem dos monitores com telas mais finas, que geralmente so mais frgeis. Ao tentar mudar a inclinao do EDGE LED, ele entorta e chega at a embaralhar a imagem. Alis, importante lembrarmos da trava, que fica na parte inferior da base. preciso destrav-la para inclinar a tela. Se o usurio no notar isso, ele pode forar a inclinao, sem necessidade, e danificar a tela.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Isso no faz dele um produto ruim, mas recomendamos que ele seja usado onde as pessoas no mexero constantemente. Por meio deles, possvel ajustar o brilho da tela ou programar o desligamento automtico do monitor, entre outras funes. J na parte traseira da base, ficam os conectores (figura 2) e, diferente de outros modelos, os cabos no ficam pendurados na parte traseira da tela. Se por um lado isso parece bom, por outro ruim: no podemos encostar o monitor na parede pois os cabos no deixam, o que novamente anula as vantagens de economia de espao de uma tela fina. Recomendamos o modelo e2243Fwk para o uso domstico, pois o preo de R$ 499,00 o faz muito competitivo. Tambm vemos nele um timo produto para escritrios de arquitetura e design alm de agncias de criao, onde muitas vezes o visual mais importante que a funo. Mas dificilmente esse monitor ser visto na mesa de profissionais que dependam de um equipamento especfico para sua funo, suas caractersticas no indicam esse tipo de uso. Quem faz questo de um monitor de tela fina, por motivos estticos, encontrar no EDGE LED um produto funcional, com resoluo Full HD, boa qualidade de imagem e preo acessvel. Se o usurio tomar os cuidados certos e planejar bem onde instalar o monitor, os problemas de ocupao de espao e fragilidade da tela no sero to srios. Quando voc for comprar um monitor, no deixe de considerar o EDGE LED. Ele no perfeito, mas faz muita coisa bem feita PC pelo preo que cobrado.Modeloe943Fwsk e2043Fk e2243Fwk e2343F2k

HardwarePolegadas18,5 20 21,5 23

Especificaes

O e2243Fwk tem resoluo Full HD (1920 x 1080 p), tempo de atualizao de 5 ms e, segundo a empresa, gasto mdio de energia de 20 W em uso e 0,5 W em standby. A relao de contraste dinmico (DRC) certamente o nmero que mais impressiona: 50.000.000:1. Sim, voc leu certo, a proporo de cinquenta milhes para um. Contudo preciso ter cuidado, esse nmero engana muito, j que o contraste dinmico diferente do contraste esttico. Esse nmero determina a diferena de luminncia do pixel mais escuro que o monitor capaz de produzir para o mais claro, entretanto isso no significa que esses 50.000.000:1 ocorram em uma mesma cena. Infelizmente, a AOC no informou o contraste esttico do monitor testado. Na prtica estamos falando de um nmero muito mais alcanvel, provavelmente 1000:1 ou 2000:1.

T1. No total, a linha EDGE LED tem quatro modelos.

Concluso

F1. A espessura de 12,9 mm coloca o EDGE LED como um dos mais finos do mercado. Pena que a enorme base anule essa vantagem. 17

Qualidade de imagem e funcionalidades

A fonte de energia externa, pois seria difcil colocar mais este elemento junto aos outros circuitos dentro da base do monitor. O cabo obedece ao padro de tomada NBR 14136. Apesar do monitor oferecer conexes DVI e D-sub 15, o fabricante inclui apenas o cabo analgico, o que uma pena, pois hoje at as placas-me com vdeo integrado j trazem o conector DVI. Para fins de testes, testamos os dois padres de conexo. A qualidade de imagem consistentemente boa. Por se tratar de uma tela com iluminao por LEDs, nenhuma regio ficou mais escura que a outra, a imagem homognea. Alis, uma das coisas que mais gostamos desse monitor, com certeza, foi do tratamento antirreflexo da tela. Pouca luz refletida, isso bom para no atrapalhar a visualizao da imagem em ambientes muito claros.

Controles

Os controles do monitor ficam na base. So apenas cinco botes em modo de painel com sensor do tipo capacitivo.

F2. Com os conectores na base, o produto passa uma imagem mais organizada.

2011 # 96 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

18

Solues ZOTAC MAG e ZOTAC IONNa edio n 91, apresentamos a plataforma ION e suas vantagens. Comentamos que o mercado brasileiro, na poca, era carente de opes com essa plataforma. Agora, com mais opes disponveis, apresentamos mais duas solues: o ZOTAC MAG e a ZOTAC ION.

V

Membro da equipe de redao e laboratrio da revista, dedica-se ao estudo de jornalismo e Tecnologia da Informao.

Ronnie Arata

amos relembrar alguns aspectos. Quando apresentamos a plataforma ION, vimos que o desempenho geral do processador Atom tem ganhos notveis quando auxiliado pela GPU da NVIDIA e, entre todos os benefcios, destacamos a possibilidade que o chipset ganha de trabalhar com memrias DDR2 de at 800 MHz, suporte a biblioteca DirectX 10, acelerao de vdeo em alta definio e suporte para Blu-Ray, alm do menor consumo de energia devido a vrias melhorias na estrutura dos chips e tecnologia Optimus da NVIDIA. No resultado dos testes, feitos com o 3D Mark 2006, no artigo da edio n 91, o Atom 330, com a plataforma ION, foi cerca de dez vezes superior plataforma da Intel (Atom 330 mais chipset 945GC), o que comprovou as vantagens de casar o chip da NVIDIA com o Atom.

importante relembrar que o chipset da NVIDIA oferece mais recursos que o 945GC da Intel, mas ele no aumenta o desempenho do Atom em si. Na verdade, as funes como 3D e exibio de vdeo em alta definio passam a ser assumidas pela GPU, o que deixa a CPU livre para outras atividades. Depois de relembrarmos estas vantagens, apresentamos mais duas opes com a plataforma ION, dessa vez oferecidas no Brasil pela ZOTAC, empresa fabricante de placas de vdeo, placas-me mini ITX e mini PCs. A principal diferena entre as duas solues que uma delas vem pronta enquanto a outra proporciona a montagem de uma plataforma personalizada. Porm, apesar das diferenas, ambas so indicadas para qualquer ambiente de entretenimento, pois, alm de reproduzirem contedo multimdia, passando at por alguns jogos leves, ainda so portteis, podendo ser levadas facilmente para diversos locais.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Testes

Propsito

O computador uma mquina feita com o propsito de uso geral, ou seja, possvel realizar diversas tarefas com ele, mas, quando equipado com hardware mais limitado, como a plataforma ION, obviamente, ele operar melhor se tiver um propsito especfico. No se deve pensar neste tipo de PC como um desktop convencional. Isso no quer dizer que solues com esta plataforma no consigam atender s necessidades de uso tpico como edio de texto e acesso a internet, passando at por alguns jogos casuais. O que acontece que dificilmente conseguiro substituir estaes de trabalho, sejam elas grficas, sonoras ou que utilizem aplicaes e softwares especficos que exigem configuraes mais pesadas, pelo simples fato de que falta poder computacional para isso. O leitor pode estar se perguntando se essa falta de poder no poderia ser sanada com a utilizao do GPU para funes de GPGPU, pois o ION capaz de suportar CUDA, OpenCL e DirectCompute. De fato, o GPU presente no ION tem 16 Stream Processors, que, alis, a NVIDIA comeou a chamar de CUDA Cores (ou Ncleos CUDA), mais recentemente. Mas essa quantidade pequena e insuficiente para oferecer grande desempenho, consegue sim aliviar a carga do processador, mas no torna o sistema comparvel a uma mquina de maior porte. Dessa forma, um computador com a plataforma ION ideal para atividades mais especficas, especialmente as relacionadas multimdia, pois os 16 ncleos CUDA, apesar de limitados para outras tarefas, so mais do que o necessrio para reproduzir filmes em alta definio sem qualquer transtorno. No a toa que as sadas HDMI e S/PDIF, alm das placas para conexo wireless, so comuns em plataformas ION.

ZOTAC MAG, com F1. a aparncia bem discreta, pode ser colocado em qualquer local.

Instalado atrs de um F2. monitor, o ZOTAC MAG fica ainda mais prtico. Abaixo, detalhe do suporte para para este tipo de fixao.

19

ZOTAC MAG

O ZOTAC MAG (figura 1) a soluo ION completa, na forma de um mini PC. A ZOTAC o chama de Mini All-In-one Giant, da o nome MAG. Um produto de formato exclusivo, com as pequenas dimenses de apenas 186 x 189 x 38 mm, mas com um sistema inteiro dentro. Com esse tamanho porttil, o MAG pode ser instalado em qualquer lugar, ainda mais, com o auxlio do suporte que o acompanha

para mant-lo em p ou, caso seja a preferncia do usurio, o suporte VESA para instal-lo atrs de um monitor (figura 2). O sistema todo conta com apenas uma ventoinha de 50 mm, que fica acima da CPU e da GPU, mas as aberturas, tanto na parte superior quanto na parte inferior, fazem com que o fluxo de conveco de ar tambm resfrie o restante dos componentes. Essa estrutura (figura 3) permite que o ZOTAC MAG seja silencioso sem deixar a desejar na eficincia da dissipao de calor.

Configuraes O modelo que recebemos, veio com o processador Intel Atom 330 dual-core de 1,60 GHz (com Hyper-Threading), placa grfica NVIDIA ION MCP7A com memria compartilhada de at 256 MB que trabalham na frequncia de 450 MHz, 2 GB de memria DDR2 e HD SATA 2,5de 160 GB da Samsung. Em termos de rede, tem interface wireless 802.11n e porta LAN RTL8211CL Gigabit.2011 # 96 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Conexes No lado direito, h o boto de liga/desliga, com os LEDs de atividade do disco e status da conexo wireless, uma entrada USB, o leitor de cartes de memria SD, MS, MS Pro e xD, alm das conexes de fone e microfone. Na parte esquerda o MAG oferece uma porta eSATA, o conector ethernet, quatro portas USB, sadas de vdeo VGA e HDMI, sada de som S/PDIF ptico e o cabo de energia (figura 4). Para facilitar o uso, mais uma USB fica localizada na parte superior, somando um total de seis portas USB. Outras caractersticas Se o sistema j for iniciado com o cabo de rede conectado, a rede wireless permanecer desligada, assim que o cabo for removido, ela liga e procura as redes sem fio automaticamente. Em um computador feito para ambientes de entretenimento, a rede wireless se mostra como uma boa opo de conexo, pois, em muitos casos, o contedo a ser acessado fica na rede em algum servidor ou NAS, e no no prprio computador. Isso elimina a necessidade de esticar cabos de rede por todo o ambiente. Ainda, aconselhamos o uso de um sistema operacional que no seja o Windows 7 Starter que veio instalado, a fim de aproveitar de uma forma melhor os recursos da plataforma, seja o Windows 7 Home Premium ou Professional, por exemplo, ou at mesmo uma distribuio Linux mais intuitiva e, se o objetivo for us-lo definitivamente como um HTPC, que uma boa aplicao para o MAG, aconselhamos ainda o XBMC Live, uma distribuio Linux, com uma das melhores interfaces para HTPC que, alm de ser gratuito, ainda muito fcil de ser usado (conhea a interface e saiba como instal-la e us-la tambm na edio n 91). A segunda opo a placa-me ZOTAC IONITX-N-E (figura 5). Este produto segue o padro mini ITX e tem as dimenses de 171 x 171 mm, assim pode ser instalado em qualquer gabinete, seja ele mini ITX ou full ATX (o que certamente ningum quer fazer). Esta soluo direcionada para quem prefere montar um sistema mais personalizado. Ns montamos a IONITX-N-E no gabinete IT Mini da Mtek (Box 1).

F3. Ventoinha de 50 mm consegue resfriar todo o sistema, graas ao design compacto.

20

F4. Dentre as vrias conexes, destaques para o HDMI e o S/PDIF ptico que proporcionam melhor experincia em contedos de mdia.

ZOTAC ION

F5. Placa mini ITX com tamanho padro de 171 x 171 mm e cooler da prpria fabricante.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Testes

Box 1: ITMini, gabinete mini ITX da MtekPara fazer os testes da placa ZOTAC ION com segurana e organizao dos componentes, a instalamos no ITMini da Mtek (figura A) de tamanho ideal para ela. Este gabinete mini ITX vem com fonte externa adaptadora de 60 W, alm de furao para duas ventoinhas de 40 mm em um lado e uma de 60 mm no outro. O painel frontal conta com duas portas USB, entrada e sada de som com conectores do tipo P2. A porta eSATA e o encaixe do drive ptico tambm esto disponveis, mas o gabinete no vem com estes componentes. Outra boa caracterstica do gabinete ItMini o slot traseiro para placas de expanso no tamanho slim (8 cm de altura). O prendedor para ajudar na fixao da placa tambm merece reconhecimento (figura B), pois, com o seu design, ele pode prender praticamente qualquer placa. O preo sugerido de R$ 250,00.

F6. Impresso na placa indica a plataforma CULV, desenvolvida pela Intel para menor consumo de energia.

21

FA. Gabinete da MTek bem arejado.

O formato deste FB. prendedor pode fixar qualquer placa de expanso no tamanho slim.

Semelhante primeira opo, esta tambm considerada pela prpria ZOTAC uma soluo para entretenimento. Pelas especificaes e pelo prprio comportamento do sistema, concordamos com o fabricante. No entanto, h uma pequena diferena nessa plataforma: a CPU que integra esta plataforma no um Atom, mas sim um Celeron. Essa plataforma vem de um desenvolvimento da Intel, chamada CULV, Consumer Ultra-Low Voltage (produtos de consumo com voltagem ultra baixa), como podemos ver impresso na prpria placa (figura 6). Esta plataforma, quando foi lanada em 2009, era voltada para compor os portteis.

Configuraes Alm do processador Celeron de 1,3 GHz com apenas um ncleo, no final da montagem, nosso sistema ficou com a placa grfica ION MCP7A-LP com memria tambm compar, tilhada de at 256 MB e frequncia de 450 MHz. Instalamos 4 GB de memria DDR3 dual-channel e um SSD Patriot Warp II de 64 GB (figura 7). Esta placa tambm veio com interface de rede wireless, na forma de uma placa mini PCI Express Atheros AR9258, alm, claro, de uma placa de rede NVIDIA nForce gigabit ethernet. Conexes Esta placa vem com dez portas USB, sendo que seis delas ficam na parte traseira

e quatro no interior. Trs portas SATA internas e uma eSATA. udio com suporte 6-channel e suporte de vdeo VGA, DVI e HDMI. As possibilidades de expanso so uma Mini PCI Express e uma PCI Express x16. Ainda completam o painel traseiro as conexes S/PDIF e o conector PS/2 para teclado (figura 8). Outras Caractersticas Quando temos a opo de montar uma mquina com o tipo de armazenamento que queremos e o sistema operacional da nossa escolha, temos uma soluo muito mais malevel. Nesta ocasio, tambm recomendamos, assim como no ZOTAC MAG, a preferncia pelas verses mais completas2011 # 96 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br do Windows 7 ou uma distribuio Linux como XBMC Live. Instalado em um SSD, o sistema se inicia muito rapidamente. Outra boa caracterstica que podemos destacar o cooler. Alm de j contar com uma boa estrutura de dissipador passivo, a ventoinha de tamanho padro de 60 mm, garante uma boa dissipao de calor sem elevar os nveis de rudo.

Testes

F7. Gabinete da Mtek equipado com todo o sistema, tem espao para fixar o SSD. 22

Agora que j vimos as configuraes das duas plataformas, uma com processador de dois ncleos e 2 GB de memria e outra com processador Celeron de 1,3 GHz e 4 GB de memria, podemos ver como elas se saram nos testes. Nas duas plataformas, instalamos o Windows 7 Ultimate. Fizemos os testes do 7-Zip, 3DMark03, Cinebench 11.5, alm de medir o uso de CPU e o consumo de energia geral dos dois sistemas. 7-Zip Usamos a verso 9.20 do 7-Zip para medir o desempenho dos processadores. Para que os 2 GB de memria RAM do ZOTAC MAG no ficassem saturados pelo benchmark, ajustamos o tamanho do dicionrio para 32 MB, totalizando o uso da memria em 851 MB. Entretanto o uso de memria na ZOTAC ION ficaria menor, 420 MB, j que o Celeron s trabalha com uma thread (o Atom dual-core 330, suporta quatro). Era de se esperar que o resultado do Atom dual-core fosse superior ao do Celeron, mas podemos ver na figura 9 que a diferena na taxa de compresso no to relevante assim. J a velocidade de descompresso bem diferente, sendo que o Atom bem mais veloz. Para um sistema focado e multimdia, a velocidade de descompresso muito mais importante, pois praticamente todo seu contedo vem comprimido de alguma forma. 3DMark03 e 3DMark06 Testamos ambas as plataformas nas verses 2003 e 2006 do 3DMark, para permitir que o leitor possa comparar as solues deste artigo com outros computadores equivalentes da poca desse benchmark. Todos os resultados podem ser vistos na tabela 1. interessante observar como o Celeron ainda consegue se sair melhor que o Atom,

F8. Painel traseiro da placa ZOTAC ION com conectores para duas antenas wireless.3DMark03 4124 5312 3DMark06 1419 1650

ZOTAC MAG ZOTAC ION

T1. Apesar de no ser o foco dessas plataformas, o 3DMark serve para comparar com outros produtos.Cinebench 11.5 OpenGL ZOTAC MAG 4,77 fps ZOTAC ION 5,67 fps CPU 0,52 pontos 0,37 pontos

T2. No Cinebench 11.5 podemos ver o nico resultado de benchmark que equilibra as duas plataformas.

F9. A diferena entre compresso e descompresso enorme. Estes sistemas no foram feitos para produzir contedo, mas sim para consumi-lo.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

TestesCom o auxlio da GPU a situao ficou to boa quanto a do Celeron. O uso de CPU caiu para menos de 20%, em mdia metade do Celeron, resultado totalmente previsvel, pois o Atom tem o dobro de ncleos. Consumo de energia J comprovado que o processamento pela GPU faz com que o sistema seja mais eficiente energeticamente. Medimos o uso do ZOTAC MAG e da plataforma que montamos com a ZOTAC ION e, de fato, as duas plataformas mostraram baixo consumo de energia. Na reproduo de vdeo 1080p, o ZOTAC MAG no passou dos 29 W. Em um HTPC esse seria o consumo tpico, j que nenhuma atividade mais pesada seria executada em um HTPC. A ZOTAC ION consumiu apenas 1 watt a menos que o ZOTAC MAG, em mdia. Nenhum dos sistemas passou dos 36 W em carga total. Em repouso, o consumo do sistema com a placa-me ION ficou em 24 W e o ZOTAC MAG em 25 W.

F10. O Celeron s capaz de reproduzir 1080p graas GPU. O resultado timo.

F11. O Atom tambm se beneficia muito da presena da GPU.

Concluso

23

mesmo este tendo o dobro de ncleos. O Atom no foi feito para jogos e sim para consumo de contedo on-line (o Celeron tambm no foi feito especificamente para jogos, mas deriva de uma arquitetura que foi). Cinebench 11.5 Aqui podemos ver um equilbrio entre as duas plataformas. Um dos testes do Cinebench mede o desempenho da placa de vdeo, o teste de OpenGL, no qual a vencedora foi a placa ZOTAC ION com 5,67 FPS. No outro teste, o de CPU, vence o MAG com 0,52 pontos. Veja a comparao dos resultados na tabela 2. Acelerao de vdeo Mquinas indicadas para uso em ambientes de entretenimento, devem ser capazes de reproduzir filmes em resoluo Full HD, sem perda de frames. Os processadores das plataformas testadas so fracos, mas com o auxlio da GPU a reproduo desses vdeo no s possvel como extremamente fluente. A figura 10 deixa claro o quo importante a acelerao de vdeo proporcionada pela GPU. Utilizamos como referncia o vdeo 1080p Big Buck Bunny com o formato

H.264, reproduzido no Media Player Classic. Realizando a decodificao por software (na CPU) na placa ZOTAC ION, vemos que o uso de CPU atinge os 100% em vrios momentos do teste, e nesses casos houve perdas srias de frames. Mas o que esperar de um singelo Celeron de 1,3 GHz? J com o auxlio da GPU as coisas so muito melhores: o uso de CPU permaneceu abaixo dos 40% durante a maior parte do teste, no houve perda de frames e tudo funcionou perfeitamente bem. Usando o mesmo vdeo, nas mesmas condies, o MAG se saiu um pouco melhor (figura 11). Na decodificao por software, os dois ncleos do Atom foram capazes de reproduzir um vdeo 1080p com certo conforto, mas ainda houve perdas de frames em cenas muito complexas. O grfico mostra que o uso mdio de CPU da ordem dos 50%, mas isso deve ser interpretado com cuidado, pois em um sistema dual core pode significar que um dos ncleos est a 100% de carga enquanto o outro est ocioso. Dependendo do quo bem otimizado for o CODEC para processamento paralelo, poder haver perdas de quadros mesmo que um dos ncleos esteja disponvel.

Melhor que apenas conhecer os produtos novos do mercado, entender o conceito deles. Vimos que, nas duas solues apresentadas, o objetivo de diminuir o consumo de energia com a plataforma ION foi alcanado. Essas duas solues vm para reforar o conceito da plataforma ION e provaram, atravs dos testes, as suas eficincias. O ZOTAC MAG, pelo preo de R$ 1.199,00, pode at ser um pouco mais caro que outras solues de HTPC, mas o preo se justifica pela sua comodidade e praticidade. O nico trabalho que se tem instalar o sistema operacional, feito isso, o MAG vai funcionar por um bom tempo sem precisar de manutenes constantes. Alm de ser silencioso o suficiente para no atrapalhar as sesses caseiras de filmes, ainda o far com baixo consumo de energia. J a placa ZOTAC ION nos proporcionou uma montagem mais livre, como fizemos, mas exige um pouco de conhecimento tcnico. A possibilidade de trabalhar com at 8 GB de memria RAM DDR3 em dual-channel oferece muitas opes de montagem. O preo da placa ZOTAC ION s est disponvel sob consulta. Mais informaes de compra no site: www.zotacbrasil.com.br. PC2011 # 96 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Chegou oCom a chegada de suas primeiras APUs ao mercado, a AMD disponibiliza ao consumidor um novo paradigma de computao, que pode revolucionar a forma como programamos, compramos e utilizamos nossos PCs. Conhea a nova gerao de processadores, saiba o que muda, como o seu desempenho e descubra se o Fusion para voc.24

AMD Fusion!J faz tempo que os processadores so muito mais poderosos do que a maioria das pessoas realmente precisa. Alm disso, esse negcio de ficar montando mquinas cada vez mais poderosas vai contra a nova tendncia de conscincia ambiental. Partindo dessa premissa, os fabricantes e o setor de TI como um todo, entenderam que no precisamos de processadores muito fortes, mas sim de um processador com potncia adequada e a maior eficincia energtica possvel. Dito isso, no fica difcil entender porque o pequeno Atom da Intel, mesmo com seus defeitos, fez tanto sucesso. normal, toda vez que uma empresa do porte da AMD anuncia uma nova gerao de processadores, que se crie a expectativa de que a nova famlia seja mais rpida que a anterior. No isso que o leitor ver neste artigo, pois muito mais importante do que a velocidade dos novos processadores a criao de um novo patamar de eficincia em computao.

Surge o Fusion

Computao Visual

Especialista em TI com experincia nas reas de sistemas virtualizados e integrao de hardware para servidores e desktops. membro de diversas comunidades sobre hardware e GNU/Linux, ao qual dedica grande parte de seu tempo de estudo.

Daniel Netto

Por outro lado, a importncia da experincia visual na computao cotidiana cada vez maior. Novas interfaces de usurio, cada vez mais sofisticadas, surgem a cada momento. Temos tambm um aumento significativo do consumo de mdias como vdeo, udio, DVDs, Blu-rays e jogos, que vo na contramo desta tendncia de reduo dos processadores. Dessa forma ficamos com um srio conflito: devemos gastar mais processamento e energia com recursos visuais impressionantes ou devemos deixar isso de lado e fabricar processadores mais simples?

O Fusion surgiu como um passo evolutivo natural de dois componentes que j eram muito prximos: CPU e GPU. Ambos j tinham capacidade de processamento de propsito geral, cada um com seu ponto forte. A CPU muito eficiente para processamento sequencial de fluxos de dados interdependentes, enquanto a GPU forte no processamento paralelo e de vetores. Esses dois tipos diferentes de processadores j eram encontrados em praticamente qualquer PC, porm estavam separados fsica e logicamente. Dessa forma, um deles, a CPU, tinha de se responsabilizar pelo funcionamento do sistema inteiro, enquanto o outro, a GPU, era tratado como uma placa de expanso ou coprocessador que apenas entrava em ao quando solicitada. Do ponto de vista da AMD, desperdiar o poder de uma GPU tratando-a como um circuito acessrio um equvoco. O ideal seria unir CPU e GPU dentro do mesmo chip, para que ambas possam disponibilizar suas capacidades a todo momento, de forma transparente. Esse chip hibrido no poderia mais ser chamado apenas de CPU, dai surgiu o nome APU (Accelerated Processing Unit). Dessa fuso de duas tecnologias, a AMD criou o Fusion. Essa unio no significa apenas inserir dois circuitos distintos em um nico encapsulamento, mas sim, integr-los de modo que eles se transformem em unidades de um nico chip, a APU propriamente dita. Neste estgio no haver mais necessidade de um barramento entre os ncleos x86 e a GPU, pois eles estaro fisicamente unidos, e tambm compartilharo informaes por meio de um cache compartilhado.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br As primeiras APUs AMD ainda no apresentam este nvel de complexidade, CPU e GPU permanecem como componentes distintos. Do ponto de vista do sistema operacional e demais softwares, a separao lgica continuar inalterada por motivos de compatibilidade. layout de pinagem FT1, que usa o sistema BGA (Ball Grid Array) para a fixao na placa de circuito impresso. CPU Tanto o Zacate quanto o Ontario usam, em sua poro x86, uma nova arquitetura chamada de Bobcat, com foco na eficincia energtica. Segundo a AMD, com ela possvel desenvolver chips capazes de consumir menos de 1,0 watt por ncleo. E por falar em ncleo, cada um dos do Bobcat apresenta 64 KB de cache L1, sendo 32 KB para dados e 32 KB para instrues e 512 KB de L2. Mesmo se tratando de processadores modestos, a AMD se preocupou em incluir suporte aos cada vez mais usados sistemas operacionais de 64 bits e tambm virtualizao assistida por hardware. Alm disso, ao contrrio do Intel Atom, que um processador in-order, todo ncleo Bobcat out-of-order, ou seja, eles so capazes de reorganizar as instrues recebidas e

Hardwareexecut-las na ordem mais conveniente naquele momento, a fim de otimizar o uso das unidades de execuo. O Bobcat d suporte ao SSSE3, mas deixa de lado a extenso 3DNow+ da AMD. No estranhamos a remoo do 3DNow+ agora que h uma GPU inteira para substitu-lo. A dvida est na incluso do SSSE3, pois esse o primeiro processador da AMD a suportar estas instrues. Imaginamos que o motivo desse desenvolvimento tenha sido tornar o Brazos compatvel com todas as extenses presentes no Atom, permitindo que qualquer software escrito para ele possa ser executado no processador da AMD tambm. A deciso no poderia ser mais acertada: recentemente, o Google e a Intel revelaram estar trabalhando em parceria no desenvolvimento do sistema operacional Android para plataformas x86. A adio do SSSE3 no Brazos pode ser um sinal de que a AMD j esperava por isso, entretanto estamos apenas especulando, pois no obtivemos informaes oficiais sobre isso.25

Plataforma Brazos

O mercado escolhido para receber a primeira gerao de processadores hbridos foi o de netbooks e notebooks de entrada. Neste segmento, necessrio que os equipamentos sejam energicamente eficientes e compactos, mas que, ao mesmo tempo, tenham desempenho suficiente para reproduzir vdeos em alta resoluo e navegar por sites, principalmente em flash, cada vez mais complexos. A plataforma que serve como base para a construo desses aparelhos chamada de Brazos. Ela envolve o uso de dois pequenos chips: a APU e o FCH (Fusion Controller Hub, entraremos em detalhes mais adiante), ambos vistos no detalhe da figura 1. De incio, a AMD lanou quatro modelos de APUs para essa plataforma, duas sob o codinome Zacate e duas como Ontario. Apesar de visarem pblicos diferentes, todas pertencem mesma plataforma, por isso compartilham muitas caractersticas: o mesmo processo litogrfico de 40 nm, a controladora de memria integrada Single Channel com suporte para at 8 GB DDR3 ou DDR3L (baixa tenso) 1066 MHz e o

F1. Placa-me Asus E35M-M PRO com a plataforma Brazos.

F1A. A direita AMD E-350, 413 contatos em um encapsulamento de 271 mm.

2011 # 96 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br GPU Baseada na famlia Radeon HD 5000, a GPU que acompanha as APUs desta plataforma equipada com dois arranjos SIMD com 40 stream processors cada (a AMD tambm usa a nomenclatura Radeon Cores), operando a 500 MHz e com suporte a DirectX 11, OpenGL 4.0 e OpenCL 1.1. A decodificao acelerada por hardware dos principais CODECS de vdeo como, H.264, VC-1 e MPEG-2, tambm est garantida pelo UVD3 (Unified Video Decoder 3). Para segmentar a linha de produtos e controlar a dissipao trmica, a AMD reduziu, em algumas APUs, a frequncia dos ncleos x86 e tambm dos Radeon Cores. Por isso, mesmo ciente de que as GPUs so essencialmente as mesmas, no estranhe ao encontrar diferentes nomenclaturas entre uma famlia e outra de APUs integrantes da plataforma Brazos. Ontario Este o codinome dado a famlia C de APUs AMD, que, devido ao seu reduzido TDP (Thermal Design Power) de 9 W, so Power destinadas principalmente para o segmento dos netbooks. Os dois primeiros modelos lanados foram o C-30 e C-50. O primeiro apresenta apenas um ncleo Bobcat com frequncia de 1,2 GHz, enquanto o segundo j dual-core e cada ncleo trabalha a 1,0 GHz. O lado GPU das APUs Ontario recebe o nome de AMD Radeon HD 6250, e conta com 80 SPs a 277 MHz para o C-30 e 276 MHz para o C-50 (dados da AMD). Zacate Zacate o representante da famlia E e tambm apresenta duas variantes. A mais poderosa delas, a E-350 (veja o diagrama de blocos na figura 2), conta com dois ncleos Bobcat com frequncia de 1,6 GHz, ao passo que a E-240 traz somente um, de 1,5 GHz.

F2. Organizao bsica do Zacate.

26 F3. A placa-me MSI A75MA-G55 comporta as APUs da linha Llano.

Apesar de muito F3A. semelhante a um processador AM2/3, o encapsulamento FM1 novo e incompatvel com os anteriores.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Com TDP de 18 W, ambas so destinadas ao uso em notebooks bsicos e desktops do tipo All-in-One. Com 80 stream processors, a GPU nas APUs da srie E chamada de AMD Radeon HD 6310. No E-350 seu ncleo grfico trabalha a 492 MHz, j na E-240 a frequncia de 500 MHz. esperar nenhum ganho significativo de desempenho em aplicaes x86 (mesmo com extenses como SSE, etc). Existem quatro famlias diferentes de APUs: E2, A4, A6 e A8. As duas primeiras so formadas por modelos dual-core, enquanto as duas ltimas trazem processadores de trs e quatro ncleos. Os dois primeiros modelos introduzidos no mercado desktop foram o A6-3650 e o A8-3850 (no detalhe da figura 3). Ambos so fabricados com transistores de 32 nm, utilizam quatro ncleos Husky operando, respectivamente, a 2,6 GHz e 2,9 GHz com TDP de 100 W. Na figura 4 o leitor encontra o diagrama de blocos do Llano. Apesar de o ncleo Husky supostamente suportar, essas primeiras APUs no contam com a tecnologia Turbo Core, que ser introduzida em lanamentos futuros. Como era de se esperar, a controladora de memria de toda APU Llano tambm integrada. Ela suporta at 64 GB de memria DDR3 1866 MHz e Dual Channel, portanto sua vazo deve dobrar ao trabalhar com dois canais de memria paralelamente, ao contrrio do que acontece na plataforma Brazos.ExtensesMMX+ Ontario / Zacate Llano Sim Sim 3DNow+ No Sim SSE Sim Sim SSE2 Sim Sim SSE3 Sim Sim SSSE3 Sim No SSE4a Sim Sim AMD64 Sim Sim

Hardware

Husky

Plataformas Lynx

Enquanto a plataforma Brazos direcionada para sistemas enxutos e portteis, a Lynx visa aqueles usurios que precisam de equipamentos mais poderosos. adequada para quem busca um computador de trabalho ou uma estao de jogos com custo inicial baixo, capaz de executar aplicaes grficas com competncia mas sem exigir um grande investimento. Assim como ocorre com a plataforma Brazos, a plataforma Lynx tambm uma combinao de uma APU, codinome Llano, em conjunto com um FCH (h vrios modelos).

Llano

Como APU, o Llano tambm um chip hbrido, com parte x86 e parte GPU. O codinome da sua parte x86 Husky. Ela herdou a mesma arquitetura STARS usada nos atuais Phenom II e Athlon II, recebendo alguns melhoramentos, como o cache L2 maior. Por isso, no devemos

O Husky de maior porte que o Bobcat, o ncleo utilizado na plataforma Brazos. Cada um deles carrega o dobro de cache de primeiro nvel, so 128 KB divididos em duas partes iguais para dados e instrues. O cache L2 tambm foi dobrado para 1 MB por ncleo (existem verses com apenas 512 KB). No h cache L3, um passo para trs do ponto de vista de desempenho em relao ao Phenom II. Apesar de ser o territrio do Brazos, o Llano tambm pode ser usado em equipamentos portteis. Nesse aspecto, a ausncia do terceiro nvel de cache benfica: geralmente esse cache no entra em modo de economia de energia pois compartilhado entre todos os ncleos, e isso influenciaria negativamente a autonomia de bateria dos equipamentos. No h novidade no conjunto de instrues em relao ao Phenom II, mas h uma pequena diferena em relao ao Bobcat. Conforme o leitor pode ver na tabela 1, o Husky suporta praticamente todas as extenses x86 mais comuns, exceto SSSE3, o que noAMD-V Sim Sim

27

T1. Conjuntos de instrues suportados pelas APUs.

F4. Diagrama de blocos do Llano.

2011 # 96 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brRadeon HD 6380G / HD 6379DMobile / Desktop E2 2 160 400 MHz / 443 MHz Dual Channel Sim 4.0 1.1 11.0 Sim

Radeon HD 6250Segmento Famlia de APUs Unidades SIMD SPs Frequncia Barramento Dual Graphics OpenGL OpenCL DirectX Blu-Ray 3D Mobile C 2 80 276 MHz ou 277 MHz Single Channel No 4.0 1.1 11.0 No

Radeon HD 6310Mobile e Desktop E 2 80 492 MHz ou 500 MHz Single Channel No 4.0 1.1 11.0 No

Radeon HD 6480G / Radeon HD 6520G / HD 6410D HD 6530DMobile / Desktop A4 3/2 240 / 160 444 MHz / 600 MHz Dual Channel Sim 4.0 1.1 11.0 Sim Mobile / Desktop A6 4 320 400 MHz / 443 MHz Dual Channel Sim 4.0 1.1 11.0 Sim

Radeon HD 6620G / HD 6550DMobile / Desktop A8 5 400 444 MHz / 600 MHz Dual Channel Sim 4.0 1.1 11.0 Sim

T2. Apesar de integradas ao processador, as GPUs so vistas pelo sistema como componentes independentes. Essas so as verses existentes.

CombinaesAPU GPU Discreta HD 6770M HD 6750M HD 6730M A8 (HD 6620G) HD 6650M HD 6630M HD 6490M HD 6470M HD 6450M HD 6770M HD 6750M HD 6730M A6 (HD 6520G) HD 6650M HD 6630M HD 6490M HD 6470M HD 6450M HD 6490M A4 (HD 6480G) HD 6470M HD 6450M HD 6430M A8 (HD 6550D) HD 6670 HD 6570 HD 6450 A6 (HD 6530D) HD 6670 HD 6570 HD 6450 GPU Resultante HD 6775G2 HD 6755G2 HD 6760G2 HD 6740G2 HD 6690G2 HD 6645G2 HD 6640G2 HD 6640G2 HD 6775G2 HD 6755G2 HD 6740G2 HD 6720G2 HD 6680G2 HD 6545G2 HD 6540G2 HD 6540G2 HD 6515G2 HD 6510G2 HD 6510G2 HD 6510G2 HD 6690D2 HD 6630D2 HD 6550D2 HD 6690D2 HD 6610D2 HD 6550D2

de se surpreender visto que o Phenom II tambm no tinha suporte a estas extenses. Soquete Um novo soquete foi adotado para essa gerao de processadores: o FM1, com 905 pinos. No havia possibilidade de utilizar o AM3, pois era necessria uma pinagem completamente diferente para poder acomodar os novos circuitos, tanto do ponto de vista eltrico quanto do lgico. Apesar do soquete e pinagem terem mudado, o formato do encapsulamento e do suporte para o cooler no. Por isso, o FM1 mecanicamente compatvel com qualquer soluo de refrigerao nos padres AM2/AM2+/AM3/AM3+. Alis, gostaramos de parabenizar a AMD por usar o mesmo layout de fixao desde a introduo do AM2.

28

Sabine (Mobile)

GPU

Logo aps o lanamento da Brazos, todos ficaram muito curiosos para conhecer as especificaes da GPU presente no Llano, afinal ela de longe a maior novidade desse lanamento. Tambm derivada da famlia 5000, com algumas atualizaes, a GPU presente no Llano, codinome Sumo, apresenta cinco arranjos SIMD com 80 Radeon Cores cada, totalizado 400 processadores paralelos que operam a 600 MHz. Devemos esperar um desempenho muito superior da GPU do Llano em relao usada no Ontario e no Zacate, pois alm da contagem superior de SPs (e da maior frequncia), ela ainda pode se beneficiar do barramento de memria Dual Channel.PC&CIA # 96 # 2011

Lynx (Desktop)

T3. Combinaes possveis para utilizao do Dual-Graphics.

Assim como na plataforma Brazos, encontraremos algumas variaes nas GPUs de diferentes modelos de processadores, como nmero de stream processors e frequncia de operao. Na tabela 2 esto planificadas as especificaes para os modelos recmlanados. Outra funcionalidade bastante interessante a possibilidade de se usar uma GPU discreta combinada com a APU. Essa

combinao chamada de AMD Radeon Dual Graphics e na verdade um CrossFire assimtrico, que combina o poder de ambas as GPUs para aumentar o desempenho grfico nos jogos. A maioria dos chipsets desativa suas c ont roladora s de v deo i nteg rad a s quando detectam a instalao de uma placa de vdeo discreta, o que se traduz em desperdcio, pois os circuitos de-

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brModelos de FCHsA50M Codinome Plataforma SATA RAID HD udio PCIe GPP UMI USB 3.0 / 2.0 / 1.1 Consumer IR Leitor SD/SDHC 33 MHz PCI Hudson-M1 Brazos 6 x 6 Gbps No Sim 4 x1 Gen 2 x4 Gen 1 0 / 14 / 2 Sim No No A60M Hudson-M2 Sabine 6 x 6 Gbps 0e1 Sim 4 x1 Gen 2 x4 Gen 1 + DP 0 / 14 / 2 Sim Sim No A70M Hudson-M3 Sabine 6 x 6 Gbps 0e1 Sim 4 x1 Gen 2 x4 Gen 1 + DP 4 / 10 / 2 Sim Sim No A45 Hudson-D1 Brazos / Lynx 6 x 3 Gbps No Sim 4 x1 Gen 2 x4 Gen 2 0 / 14 / 2 Sim No At 4 slots A55 Hudson-D2 Lynx 6 x 3 Gbps 0, 1, 10 Sim 4 x1 Gen 2 x4 Gen 2 + DP 0 / 14 / 2 Sim Sim At 3 slots A75 Hudson-D3 Lynx 6 x 6 Gbps 0, 1, 10 Sim 4 x1 Gen 2 x4 Gen 2 + DP 4 / 10 / 2 Sim Sim At 3 slots

Hardware

Plataforma de TestesHardware Plataforma APU Cooler Placa Me Memria Armazenamento Fonte Software Sistema Operacional Windows 7 Ultimate Service Pack 1 64 bits 7-Zip 9.20 64 bits CINEBENCH 11.5 64 bits Sandra 2011 SP4a Street Fighter IV Benchmark Benchmarks X: Terran Conflict Rolling Demo Metro 2033 Benchmark 3DMark 2011 OCCT Perestroka 3.1.0 Media Player Classic Home Cinema 64 bits v1.5.2.3456 Brazos AMD E-350 (1,6 GHz) Soluo ASUS ASUS E35M-M PRO 2 x 2 GB 1066 MHz (9-9-9-24) Sandisk C25-G3 60 GB Cooler Master 1000W RS-A00-EMBA Lynx AMD A8-3850 (2,9 GHz) BOX MSI A75MA-G55 2 x 2 GB 1866 MHz (9-9-9-24) Kingston SSDNow V-SERIES SATA-II 128 GB Cooler Master 1000W RS-A00-EMBA

T4. Especificaes dos diferentes FCHs.

Husky de 1,9 GHz que, com o auxlio do Turbo Core, podem atingir at 2,6 GHz. No quesito memria, o suporte ficou limitado a apenas 32 GB de memria DDR3 1600 MHz DDR3 / DDRL em Dual Channel. Nos equipamentos compactos, como nos notebooks, o espao para soldagem de componentes na placa-me bastante limitado. Assim, as APUs desta plataforma usam um encapsulamento diferente e com dimenses reduzidas. So 722 pinos no esquema uPGA ZIF (micro-pin-grid-array zero insertion force) e seu nome FS1. Com o lanamento das primeiras APUs, o South Bridge (o North Bridge est integrado) cedeu seu lugar para um novo componente: o Fusion Controller Hub, ou, simplesmente, FCH. Este ser o novo responsvel por intermediar toda comunicao entre a APU e o restante do sistema como, por exemplo, dispositivos SATA e USB. As GPUs dedicadas no entram nessa lista, pois devero ser conectadas diretamente s linhas PCI Express fornecidas pela prpria APU. Desde o Atlhon 64 os processadores AMD so ligados ao chipset da placa-me por meio do barramento HyperTransport, mas, com a chegada das novas APUs, elas sero diretamente conectadas ao FCH por um novo canal, formado por quatro linhas PCI Express, que a AMD chama de UMI (Universal Media Interface). Alm do suporte ao padro SATA 6 Gb/s, nativo nos chipsets AMD desde a srie 800, as verses mais incrementadas2011 # 96 # PC&CIA

29

Fusion Controller Hub

T5. Especificaes das plataformas usadas no teste.

sativados poderiam estar trabalhando em favor do usurio, que pagou por eles. Na maioria das vezes ningum se preocupa muito com isso, pois as solues de vdeo integrado costumam ser muito fracas. Mas o caso do Llano bem diferente, sua controladora de vdeo muito poderosa e no seria inteligente desperdi-la. A soluo Dual Graphics da AMD permite utilizar o poder da APU inteira mesmo na presena de uma placa de vdeo dedicada, e garante maior retorno pelo investimento do usurio. Na tabela 3 o leitor confere as combinaes possveis.

Plataforma Sabine

Os computadores de mesa no foram os nicos que receberam as APUs Llano. Para os notebooks, a AMD criou a plataforma Sabine, que no apresenta grandes diferenas em relao a Lynx. As APUs so praticamente as mesmas, mas como nos portteis necessrio encontrar um equilbrio entre desempenho e durabilidade da bateria, nesta plataforma os chips tiveram suas frequncias reduzidas. At o momento do fechamento desta edio, a APU mais poderosa da plataforma Sabine era a A8-3530MX. Com TDP de 45 W, ela conta com quatro ncleos

Hardwarede FCH tambm so compatveis com dispositivos USB 3.0. Na tabela 4 o leitor encontra as principais caractersticas dos FCHs lanados e suas respectivas plataformas.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Cliptografia GPGPU (OpenCL)

Testes

30

Para garantir a consistncia e a fidelidade dos resultados, utilizamos as verses mais recentes de BIOS e drivers, disponveis at o momento da realizao dos testes. Com exceo do jogo Metro 2033, todos os outros softwares usados esto disponveis para download gratuito nos sites de seus respectivos desenvolvedores e, salvo quando mencionado o contrrio, foram executados com suas configuraes-padro. Deste modo, garantimos a fcil reproduo dos procedimentos pelo leitor. Os testes a seguir no tm a finalidade de confrontar os dois processadores, nem as duas placas-me, mas sim apresentar os desempenhos da APU mais poderosa de cada plataforma, para que o leitor as conhea melhor e possa compar-las com seus prprios computadores. Por isso, a frequncia de operao do Brazos foi revertida para o padro da AMD de 1,6 GHz (a placa-me da ASUS adiciona um pequeno overclock de 3% por padro, interessante para o consumidor, mas que afetaria os testes). A tabela 5 fornece a descrio detalhada das plataformas usada nos testes. Sandra O aplicativo Sandra, da SiSoftware (www.sisoftware.net), carrega um interessante benchmark de criptografia compatvel com a API OpenCL e portanto pode ser executado em GPUs e CPUs. Isso faz do Sandra uma das melhores ferramentas do momento para avaliao de desempenho de APUs nesse tipo de workload. Realizamos o benchmark em trs situaes diferentes para cada plataforma: com os algoritmos de criptografia, AES256 e SHA256, rodando apenas nos ncleos x86, depois somente na GPU e, por fim, em ambos. A figura 5 mostra a vazo obtida em cada teste. Com a criptografia apenas na CPU, o desempenho dos dois ncleos Bobcat foi bastante tmido, apenas 29 MB/s com o algoritmo AES256. Essa vazo no suficiente para sustentar uma conexo Gigabit criptografada, muito menos se tiver dePC&CIA # 96 # 2011

MB/s

F5. Vazo de dados criptografados, segundo o software Sandra. Em OpenCL, o ganho de desempenho impressionante.

criptografar o disco simultaneamente. Para que isso no ocorresse, seria necessrio o uso de, por exemplo, um A8-3850 que conseguiu sustentar 167 MB/s no mesmo algoritmo. Entretanto, caro leitor, com a entrada dos Radeon Cores no teste, o cenrio mudou completamente de figura. Sozinha, a HD 6310 (a GPU do Zacate) ofereceu uma largura de banda oito vezes maior que a do processador x86 em AES256, ultrapassando at mesmo a taxa apresentada pelos quatro ncleos Husky do Llano. Claro que ficou muito aqum dos 2 GB/s obtidos pelos 400 SPs da HD6550D, mas ainda assim impressionante. Na configurao final, utilizando tanto CPU quanto GPU para o clculo OpenCL, os ganhos no foram lineares e no Zacate houve at uma ligeira queda de desempenho para o AES256. No era isso que espervamos. 7zip O 7-Zip (www.7-zip.org), um descompactador de arquivos muito eficiente com um timo algoritmo paralelizvel. Ele ainda conta com um benchmark embutido de uso bastante simples, que o transforma

em uma ferramenta muito til para aferir o poder de processamento bruto de processadores com vrios ncleos. Infelizmente este software exclusivamente x86, portanto no aproveita as inovaes da APU. Mas no deixa de ser um teste vlido, afinal ainda teremos aplicaes legadas por muito tempo. Na figura 6 vemos os ndices de desempenho aferidos com este programa. Com este tipo de workload, o A8-3850, teve desempenho comparvel com o de um Phenom II X4 955, o que j era de se esperar. O E-350 tambm se saiu muito bem, atingindo o desempenho parecido com o de um Atom 330. No parece estranho um produto que acabou de sair da fbrica, mostrar um desempenho semelhante de um processador lanado h trs anos? Retomando a ideia do incio do artigo, o Atom, mesmo trs anos atrs, j era muito mais do que o suficiente para o seu pblico-alvo, tanto que as novas revises no entregaram grandes saltos de desempenho. Do mesmo modo, o E-350 no precisa ser o mais veloz em processamento x86, sequer precisa ser mais veloz que o Atom, simplesmente no necessrio. O forte do E-350 sua poro GPU e a computao OpenCL (a GPU

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br do Atom sempre foi fraca, exceto quando combinado com a GPU da NVIDIA formando o ION). CINEBENCH Este software foi desenvolvido pela MAXON para aferir o desempenho de diferentes processadores e placas de vdeo em seu software CINEMA 4D, muito usado em estdios de criao e de cinema. Utilizamos os testes CPU e OpenGL. O primeiro executa a renderizao de uma complexa cena 3D que exige bastante do processador e o segundo avalia o desempenho da GPU em OpenGL. Veja na figura 7 que o Llano apresentou um desempenho bastante satisfatrio no teste de CPU, ficando praticamente empatado com Phenom 955, mas, no teste de OpenGL, seus 400SP mostraram para o que vieram, com 31,55 FPS, a cena 3D exibida de maneira totalmente fluida. Por outro lado, com o desempenho apresentado pelo E-350 fica claro que trabalhos profissionais no so o seu forte. Street Fighter IV Com tanto burburinho sobre o capacidade grfica das APUs, natural que as pessoas se perguntem sobre seu desempenho em jogos. Em nosso primeiro teste com um jogo, usamos o benchmark do Street Fighter IV, lanado em 2009, e que representa bem a categoria de jogos no to recentes e relativamente leves para controladoras de vdeo dedicadas. Na figura 8 o leitor confere o desempenho das duas APUs. Com o E-350 podemos executar o jogo em baixas resolues, o que condiz com o foco em aparelhos de tela pequenas, mas sem abusar dos detalhes e dos filtros. Neste hardware no pudemos habilitar o AA 8x, por isso ele no est presente no grfico. Por outro lado, com o A8-3850, mesmo em resoluo mais alta, foi possvel elevar o nvel de detalhes e texturas ao mximo e, mesmo assim, o desempenho mdio ficou acima de 30 FPS. Para jogadores no-profissionais, essa taxa de quadros considerada suficiente para uma boa experincia de jogo, mas o ideal mesmo que seja mais alta para evitar que, em cenas mais complexas, a taxa caia para menos de 30 FPS. X Terran Conflict O demo desse belo jogo de fico cientfica exigente tanto com a placa de vdeo quanto

Hardware

Dicionrio 32 MB

MIPS

F6. O desempenho no 7-Zip depende exclusivamente dos ncleos x86.

31

F7. As controladoras grficas Radeon integradas fazem toda a diferena.

FPS

F8. At hoje, as controladoras de vdeo integradas tinham baixo desempenho. Agora isso mudou.

2011 # 96 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br com a CPU. Alm disso, est disponvel gratuitamente no site do desenvolvedor (www. egosoft.com). Isso faz dele um dos nossos benchmarks prediletos, pois permite que o leitor reproduza os testes no seu prprio sistema com grande facilidade. O grfico do desempenho est na figura 9. Apesar de tambm ser um jogo antigo, este teste mostrou-se bem mais exigente. O pequeno Zacate no conseguiu sustentar uma mdia acima de 30 FPS mesmo na menor resoluo. Novamente o Llano mostrou sua fora at com filtros ativados e manteve uma taxa de quadros aceitvel em todos os testes. Metro 2033 O leitor j sabe que as GPUs das APUs so compatveis com o DirectX 11, mas ser que elas so capazes de rodar um dos jogos mais exigentes do momento? Na figura 10 o leitor encontrar a resposta. Neste teste o E-350 no apresentou desempenho suficiente em nenhuma resoluo, mas temos que levar em considerao o propsito dessa plataforma. O Brazos suficiente para a maioria dos jogos casuais e do tipo Free to Play (gratuitos). J com o Llano possvel ter uma experincia de jogo minimamente aceitvel, mas sem abusar dos detalhes e da resoluo. Podemos concluir que, quando falamos de jogos, mesmo tendo evoludo muito, as controladoras de vdeo integradas nas APUs ainda no substituem totalmente as placas de vdeo discretas, principalmente para jogadores mais exigentes. 3Dmark 11 Apesar de ser um benchmark sinttico, que no necessariamente expressa o real desempenho em jogos, esse software faz uso de importantes recursos presentes no DirectX 11 como Tessellation e DirectCompute, mostrando-se uma boa ferramenta para comparao direta entre plataformas. Os resultados esto na figura 11 e podem ser comparados com testes publicados em outras edies e tambm com o computador do leitor. Reproduo de vdeos No h dvida que o Llano capaz de reproduzir qualquer tipo de vdeo de maneira fluida, pois mesmo que a acelerao por hardware falhe, ele tem poder para

FPS

F9. O equilbrio de potncias de GPU e CPU garante excelente desempenho para o Llano. 32

FPS

F10. Jogadores mais exigentes ainda precisaro de placas de vdeo dedicadas.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Hardware

Performance Score

F11. Benchmark sinttico com suporte s ltimas tecnologias.

faz-lo por software tambm. Mas ser que o pequeno Zacate consegue? Para verificarmos o comportamento das novas APUs com vdeos de alta definio, reproduzimos com o Media Player Classic o curta-metragem Big Buck Bunny (download gratuito no site www.bigbuckbunny.org), codificado em H.264 na resoluo de 1080p. A carga do sistema foi registrada com o software AMD System Monitor e transformada em grfico, que voc pode conferir nas figuras 12 e 13. Consumo A preocupao com o consumo eltrico dos aparelhos vem se tornando cada vez maior. Neste aspecto, podemos prever que o E-350 vai se sair muito melhor que o A8-3850, pois sua arquitetura focada nesse quesito (o segundo descende do Phenom, que nunca foi um processador econmico). A fim de extrair o maior consumo energtico possvel, estressamos, simultaneamente, os ncleos x86 e os Radeon Cores. Para essa tarefa, contamos com a ajuda do software OCCT (www.ocbase. com) no modo POWER SUPPLY com os seguintes parmetros: Shader Complexity = 8, FullScreen (1680x1050), 64 bits Linpack. Na tabela 6 mostramos o consumo total, em watts, dos dois sistemas, tanto em repouso como sob carga. Tambm inclumos a leitura, em ampres, extrada diretamente do conector ATX12V que alimenta a APU. Em repouso e com o CoolnQuiet ativado, as duas plataformas consumiram praticamente a mesma coisa. Entendemos que isso ocorra pelo fato do Llano ter um processo de fabricao mais refinado que o do E-350, e apesar de ter muito mais transistores, conseguiu minimizar seu consumo em repouso.

Mas, sob carga total no h milagre: o consumo do Llano aumentou mais de cinco vezes, enquanto o Zacate nem atingiu os 40 W. Da forma como est hoje, o Zacate j apresenta nmeros de consumo eltrico bons, considerando que ele conta com o poder de uma Radeon integrada e que situaes de estresse extremo so muito raras. Mas, para fazer sucesso estrondoso no mercado de portteis, ele bem que poderia melhorar sua eficincia energtica mais um pouco. O TDP do E-350, a APU Brazos mais poderosa at o momento, de 18 W, mas, segundo nosso teste, ele no ultrapassou os 11 W. Em contrapartida, o Llano mostrou 10 A na linha ATX12V, o que excede o TDP declarado de 100 W. claro que temos algumas perdas em componentes do sistema de alimentao, mas dificilmente vemos uma diferena to grande. Ou o processador excedeu o TDP declarado, ou a placa-me muito ineficiente. S teremos essa resposta quando tivermos a oportunidade de testar outras placas-me.

33

Concluso

Finalmente as APUs da AMD chegaram e seu pulo do gato est no uso massivo de APIs como a OpenCL e DirectCompute, e no no desempenho dos seus ncleos x86, que no trazem nenhuma novidade ao mercado. Vrias desenvolvedoras de softwares j trabalham no suporte a OpenCL, e com certeza os jogos vo adotar DirectCompute como forma de acelerar clculos de fsica e inteligncia artificial. Grande parte do mrito disso , na verdade, da NVIDIA. Ao promover o CUDA e quebrar a resistncia dos desenvolvedores ao novo paradigma de programao, ela acabou beneficiando tambm o OpenCL e a AMD. A Apple tambm fomenta o OpenCL. Com tantas2011 # 96 # PC&CIA

Hardwareempresas empurrando o GPGPU, a indstria de softwares no tem como fugir. Da forma como o mercado se encontra hoje, o Llano concorrente em preo e desempenho para o Intel Core i3, mas, sua relao preo / performance faz com que ele possa, inclusive, adentrar ao mercado do i5. Em aplicaes x86 seu desempenho no est a par do i5, mas temos que lembrar que a APU ainda est seriamente subutilizada e os 400 SPs acabam sendo utilizados somente pelo driver de vdeo. No futuro, o Llano poder dar trabalho at mesmo onde o i5 mais forte, ou seja, no mercado corporativo, especialmente quando a APU puder acelerar as rotinas de criptografia e compresso. Se por um lado o Llano est sendo posicionado abaixo do mercado que ele realmente merece, o Brazos est sendo lanado exatamente no seu filo ideal: o de netbooks, HTPCs e desktops leves, at

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

ConsumwoRepouso E-350 A8-3850 24W 28W Estresse 39W 164W ATX12V Repouso 0,2A 0,5A ATX12V Estresse 0,9A 10,0A

T6. Consumo eltrico aferido nos sistemas testados.

ento territrio do Intel Atom. Em funo da Radeon integrada, no h muito o que o processador da Intel possa fazer para concorrer, a no ser em preo (ao menos por enquanto). Hoje, so boas compras? Com certeza. O bom desempenho grfico um benefcio imediato, e acontecer uma coisa muito interessante com esses sistemas: eles ficaro mais rpidos com o tempo. Ao contrrio do que acontece com um processador tradicional, que vai ficando mais lento (subjetivamente) conforme os softwares vo ficando mais ricos em funes (e pesados), as APUs esto come-

ando na contramo. Quanto mais tempo passar e mais o ecossistema de software amadurecer, maior ser o desempenho extrado destas APUs, at que se chegue a um nvel de otimizao compatvel com o que hoje temos no x86. Ento, o leitor deve correr para adquirir uma APU? Tambm no para tanto. Quem j tiver um sistema baseado em uma boa CPU, poder instalar uma placa de vdeo compatvel com OpenCL/DirectCompute e se beneficiar das novas tecnologias. Mas, quem estiver em busca de um novo computador dever, sim, pensar com carinho PC em uma APU.

1080p H.26434

F12. Carga na CPU e GPU do E-350 durante reproduo acelerada por hardware de um filme 1080p.

Min

1080p H.264

F13. Carga na CPU e GPU do A8-3850 durante reproduo acelerada por hardware de um filme 1080p.

Min

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Testes

Fusion Embarcado:Tradecomp Sequoia

A

o contrrio do que imediatamente pensamos ao ver o nome, o Sequoia um computador bem pequeno. Medindo apenas 192 x 128 x 53 mm, pequeno o suficiente para caber em uma mo adulta. Mas uma das mximas populares mais conhecidas Tamanho no documento, e isso no poderia ser mais verdade aqui. Acontece que a plataforma utilizada no Sequoia a AMD Fusion, mais especificamente um Brazos, que o leitor conheceu ainda nesta edio. Trata-se da primeira implementao embedded (em portugus, embarcada) da APU da AMD a chegar em nossas mos, de forma que precisamos olh-lo tanto do ponto de vista de produto (da Tradecomp) quanto de tecnologia (da AMD). Se considerarmos que o Brazos est chegando ao mercado de embarcados ao mesmo tempo em que chega ao de PCs, fica clara a importncia que a AMD d a esse mercado. O que cabe em um minsculo gabinete de vinte centmetros? Resposta: processador Dual-Core, aceleradora grfica Radeon, interface HDMI, 4 GB de memria, HD de 160 GB, interfaces de rede cabeada e wireless... Quer mais? Este o Sequoia, da Tradecomp, a parceira oficial da AMD para o mercado de embarcados no Brasil. Daniel Appel

internet, mas na mquina de lavar ele tem propsito especfico e nunca far nada alm de controlar os ciclos da mquina. Longe da lavanderia e mais perto do tcnico de TI, podemos usar um outro exemplo de eletrnica embarcada: um roteador domstico. Esses dispositivos tm processador, memria, armazenamento (flash) e at interfaces de rede, portanto so praticamente computadores, mas seu projeto dedicado a executar o encaminhamento de pacotes de rede e nada mais. Modems, aparelhos celulares, reprodutores de MP3 e dispositivos NAS so outros exemplos de embarcados que usamos no nosso dia a dia.

35

x86 embedded

Embarcados

O termo embarcado mais familiar para os profissionais de eletrnica, e significa um sistema computacional embutido em um equipamento com propsito especfico. Uma mquina de lavar roupa com controles digitais um exemplo de uso de eletrnica embarcada. Nela h um circuito eletrnico com um microcontrolador (ou at um microprocessador) que comanda todos os passos da mquina, e s. O chip em si programvel e poderia ser usado para qualquer outra funo, inclusive navegar na

A presena do x86 no mercado de embarcados sempre foi fraca. A verdade que esses processadores sempre foram grandes demais para esse mercado, exigindo energia demais e oferecendo poder de processamento demais muito mais do que era necessrio. Na maioria das vezes no eram necessrios mais do que 8 bits (16 bits s em aplicaes muito nobres), portanto no fazia sentido adotar um x86 de 32 bits onde um circuito bem mais simples poderia ser usado. Por isso esse mercado era dominado por arquiteturas mais simples (e adequadas, neste caso). Contudo a demanda por potncia nos embarcados cresceu e isso tem aberto oportunidades para o x86, especialmente no mercado de aplicaes no to enxutas. Thinclients, set-top boxes, home theathers e videogames, so todos exemplos de aplicaes embarcadas que podem se dar ao luxo2011 # 96 # PC&CIA

Testesde usar processadores x86 pois, apesar da eficincia energtica ser um fator muito importante, a ausncia de baterias permite que o desenvolvedor no tenha que ficar contando miliwatts ele pode aplicar seu tempo em outra coisa.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Tipicamente, um SoC Geode das sries GX e LX consome de 0,7 W a 1,5 W, dependendo da sua frequncia de operao. H ainda a srie NX, que deriva do Athlon XP e no um SoC, consumindo de 6 a 14 W, mas esta normalmente no utilizada em embarcados. Por causa de todas essas caractersticas, impossvel conceber um produto embarcado sem considerar o Geode. O Fusion no vem para substituir o Geode, pelo menos por enquanto, mas sim para complementar a linha da AMD com um produto capaz de competir com o Atom da Intel. Com o Fusion isso muda radicalmente. Sistemas de pequeno porte e baixo consumo podem ter grficos muito mais complexos, at mesmo mquinas totalmente montonas como caixas eletrnicos podem ganhar vida. So muitos os locais onde sistemas embarcados vo se beneficiar de maiores capacidades grficas, como os sistemas de entretenimento para uso em carros e avies, vending machines (mquinas de vendas automticas), set-top boxes, brinquedos, utenslios de cozinha (pense em geladeiras inteligentes e foges com display grfico para receitas) e at automaes residenciais.

Geode

36

A AMD comercializa um processador x86 para embarcados h anos, ele se chama Geode (figura 1). Esse chip foi desenvolvido pela National Semiconductor com base em tecnologia Cyrix, e a AMD comprou o projeto em 2003. Ele tem foco no baixo consumo eltrico e no baixo custo de produo, de forma a ser vivel comercialmente no mercado de embarcados. Um dos seus pontos fortes manter compatibilidade com instrues x86, o que permite aproveitar uma imensa base de cdigo e dispensa o programador de reescrever todos os seus programas. O Geode um SoC (sigla para System on a Chip), ou seja, um sistema inteiro dentro de um nico chip. Quem tem memria boa vai se lembrar do Cyrix MediaGX, um processador lanado em 1997 que continha controladoras de udio e vdeo, mas no era exatamente um SoC. exatamente dele que descende o Geode. Mas o Geode contm o northbridge inteiro, com controladoras de memria, PCI e de vdeo. O southbridge separado, de forma a permitir que desenvolvedores escolham quais interfaces seus circuitos devem oferecer.

Fusion embedded

O Fusion um salto enorme para a categoria dos embarcados, no s pelo ganho de processamento x86 mas tambm pelo de vdeo e pelo suporte a OpenCL e DirectCompute.

Muito mais do que vdeo...

Vdeo

At hoje os embarcados sempre foram fracos em termos de desempenho grfico. A controladora de vdeo do Geode, por exemplo, nunca foi grande coisa e na maioria das vezes trabalhava em modo de compatibilidade VESA, pois o driver para GNU/Linux foi abandonado e retomado vrias vezes (hoje apenas dois programadores da AMD contribuem com o driver, e provavelmente no seu tempo livre). Assim, at hoje, uma aplicao para uso em mquinas leves e embarcados tinha de ser visualmente simples.

Geode: a AMD est h F1. anos no mercado de embarcados.

No podemos esquecer que o Fusion uma APU, ou seja, sua GPU integrada compatvel com OpenCL e DirectCompute, sendo capaz de processar praticamente qualquer coisa, especialmente se for baseada em vetores e paralelismo. E existe um tipo de algoritmo que se beneficia enormemente desse tipo de processador e perfeito para uso em embarcados: o reconhecimento facial. Tornar um sistema embarcado capaz de reconhecer o rosto do usurio nunca foi vivel pois a carga de processamento imposta por esse tipo de algoritmo era alta demais para os embarcados antigos. Com o Fusion essas operaes podem ser aceleradas por hardware e ganharo muito desempenho. Isso tem implicaes enormes. Imagine um caixa eletrnico de banco capaz de reconhecer o rosto do cliente? O mercado para esse tipo de soluo pode ser gigante, e agora possvel fazer com um s chip. O mesmo pode acontecer com sistemas de segurana para veculos com a capacidade de reconhecer seu dono. Que tal limitar a velocidade mxima quando o carro detectar que quem dirige o filho, ainda com carteira provisria, ou ainda, um manobrista? Sem falar nos inmeros mimos de conforto como regulagem automtica de bancos e espelhos, seleo de msicas preferidas e at de temperatura do ar condicionado, tudo baseado no reconhecimento de quem est ao volante. As aplicaes so inmeras e o mercado para esse tipo de soluo pode ser gigantesco.

Tradecomp Sequoia

Agora que temos uma ideia do significado do Fusion para o mercado dos emPC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br barcados, vamos voltar ao Sequoia. O que o pequeno gabinete de alumnio esconde impressionante. A placa-me de formato proprietrio e, apesar de minscula (figura 2), consegue abrigar uma grande quantidade de perifricos. O principal a ser dito sobre essa placa : trata-se de um Fusion! H um slot de memria SODIMM para mdulos DDR3 1066 MHz, que no caso da unidade testada, j veio habitado por um mdulo de 4 GB da Asint. A plataforma Brazos tem barramento de memria Single Channel, portanto no h necessidade de um segundo slot, que no espao reduzido, sequer seria vivel. A placa conta com interface de rede Ethernet 10/100/1000 Mbps Realtek 8111C, placa de som baseada no CODEC Realtek ALC662, compatvel com o padro Intel HD Audio, quatro portas USB 2.0 (duas dianteiras, duas traseiras) e, claro, uma controladora de vdeo Radeon HD 6310 integrante da APU. No slot Mini PCI-Express encontramos uma interface de rede wireless da Ralink, modelo RT2571WF, que suporta velocidades de at 54 Mbps. A antena fica na traseira do gabinete e articulada, exatamente como as encontradas em roteadores Wi-Fi tradicionais, portanto no importa se o Sequoia ser usado em p ou deitado, sempre ser possvel erguer sua antena para uma posio adequada. Alis, com a antena levantada, ele parece mesmo um roteador wireless, tanto no tamanho quanto no jeito. A propsito, a antena rosqueadaAPUT56N T48N T40N T44R T40E T40R

TestesFrequncia1,6 Ghz 1,4 Ghz 1,0 Ghz 1,2 Ghz 1,0 Ghz 1,0 Ghz

Ncleos x862 2 2 1 2 1

TDP18 W 18 W 9W 9W 6,4 W 5,5 W

T1. Opes de APU

em um conector RP-SMA comum, portanto pode ser substituda com facilidade por uma antena com maior ganho, se for necessrio.

Disco rgido

APU

O processador principal do Sequoia que testamos um AMD G-T56N (figura 3). Sua parte x86 contm dois ncleos Bobcat de 1,6 GHz, cada um com 512 KB de cache L2, enquanto sua poro GPU traz duas unidades de processamento com 40 Stream Processors cada, para um total de 80. praticamente a mesma APU do E-350, que foi apresentado tambm nesta edio, por isso o desempenho o mesmo. A Tradecomp oferece vrias opes de APU alm da G-T56N, que podem ser conferidas na tabela 1.

Para a conexo com discos, h trs interfaces SATA, duas tradicionais e uma especial, que combina os conectores de dados e de energia em um s. A presena desse conector muito importante, pois ele permite ligar um disco rgido dentro do pequeno gabinete, algo que seria impossvel de outra forma pois o Sequoia no tem uma fonte interna. A placa-me recebe 12 V de uma fonte externa e faz toda a converso de tenso por conta prpria. Dessa forma, da prpria placa-me que deve ser tirada a energia para acionar o HD. O HD utilizado um Western Digital Scorpio Blue de 160 GB, modelo WD160BEVT (figura 4), com velocidade rotacional de 5400 rpm e 8 MB de cache. um disco de desempenho apenas mediano,

37

F3. direita a APU G-T56N. O chip da esquerda o FCH.

No se deixe enganar F2. pelo tamanho. Essa placa-me deixa muitos computadores grandes para trs.

2011 # 96 # PC&CIA

Testese muitas vezes percebemos que o Fusion solicita dados mais rpido do que o disco pode atender.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Interfaces

A conexo com perifricos feita por cinco portas USB 2.0, duas no painel frontal (protegidas por uma tampa), duas no traseiro e ainda uma porta USB + eSATA (figura 5). Mas no h nenhuma porta legada PS/2, serial ou paralela, portanto teclado, mouse e impressoras devero ser USB. Manter interfaces legadas pode ser vivel no desktop mas nem sempre faz sentido nos embarcados, e no vemos isso como um problema, pois j h bastante tempo que o USB o padro do mercado e no faltam perifricos com essa interface.

Radeon

38

Normalmente em embarcados a nica conexo de vdeo presente a DSub 15, mas o Sequoia oferece um conector HDMI tambm, o que permite conect-lo a televisores Full HD com excelente qualidade de imagem. Graas excelente controladora grfica Radeon HD 6310 integrada ao processador, ele perfeitamente capaz de trabalhar na resoluo de 1920x1080 pixels que o padro Full HD exige, e com desempenho de sobra.

F4. Usado em muitos notebooks, o Scorpio Blue tem desempenho mediano.

Consumo eltrico

Colocado em estresse, com todos os seus componentes trabalhando a plena carga, o Sequoia apresentou consumo total de 24 W. Ocioso, ele ainda mais frugal: apenas 8 W. interessante perceber que nesse tipo de soluo qualquer coisa, por menor que seja, afeta o consumo geral. o caso da interface Wi-Fi: enquanto ela estiver ativa o consumo eltrico sobe para 11 W, mesmo sem nenhuma transferncia ativa. Comparado com um desktop tradicional esses nmeros so impressionantes, mas com o veterano Geode no. J passaram pelas nossas mos sistemas baseados no Geode GX que dificilmente passavam dos 8 W e, sem HD mecnico, nem dos 4 W. O Fusion ainda tem um longo caminho a percorrer, a AMD precisa melhorar sua eficincia energtica.

Propsitos:

Pelo que vimos at aqui, o Sequoia um desktop extremamente enxuto, que podePC&CIA # 96 # 2011

atender com competncia as necessidades de um usurio normal. Mas ele se presta para muito mais do que isso. To pequeno e econmico, tambm pode dar um excelente terminal de atendimento ou computador de acesso pblico, pois fcil de esconder atrs do monitor (figura 6) ou dentro de um mvel e mais econmico para permanecer o dia inteiro ligado. Pode at mesmo ser utilizado como um ThinClient, mesmo que o desempenho seja alto demais para essa funo. primeira vista pode parecer um desperdcio utilizar um equipamento to poderoso como um simples cliente de rede, mas faz muito sentido por dois aspectos: economia de energia e longevidade. Consumindo apenas cerca de 20 W, o Sequoia mais econmico do que muitos thinclients encontrados no mercado, e seu grande poder computacional permitir que ele dure muitos anos na funo antes de ficar obsoleto (ele tem poder para suportar a prxima gerao de algoritmos de compresso e criptografia, um thinclient baseado em Geode no tem). O desempenho grfico acima da mdia permite controlar grandes telas e a decodificao de vdeo acelerada por hardware torna a tarefa de reproduzir vdeos totalmente trivial. Considerando tamanho, desempenho e eficincia energtica, o Brazos

seguramente a melhor arquitetura j criada para uma aplicao de Home Theater, e montar um com o Sequoia simples: basta instalar o software, pois o hardware todo j est na medida certa.

Tecnologia AMD

Deixando um pouco de lado o Sequoia e falando sobre a plataforma Brazos, a AMD tem um produto com todas as caractersticas tcnicas para deixar preocupados os outros fabricantes de chips para embarcados. Com ele passa a ser possvel criar produtos de sonhos. Por exemplo, cada vez mais os televisores tm funes de navegao na web, mas que tal embarcar um Brazos em uma linha de televisores e oferecer interface com recursos DirectX 11 (quem sabe at Touch Screen?), navegao web, Wi-Fi e streaming de vdeo Full HD, tudo isso adicionando no mais do que 20 W ao consumo do produto? Um televisor LCD Full HD de 42 consome entre 200 e 300 W, portanto mesmo em carga total o Brazos no far muita diferena (considerando o modelo que testamos, pois esto para ser lanadas verses muito mais econmicas). As possibilidades da tecnologia so inmeras. Existem, contudo, dvidas quanto eficincia do marketing da AMD, que

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Testes

Oferta de conectores F5. farta. At eSATA e HDMI esto presentes.

sempre foi o ponto fraco da companhia. No mercado de embedded, o preo por mil peas to ou mais importante que as caractersticas tcnicas do produto. Alm disso, para executar aplicaes antigas e simples qualquer outro chip serve, o Fusion se destaca ao oferecer uma APU capaz de fazer o que os outros chips embarcados no fazem. S que para isso necessrio desenvolver aplicativos com mais recursos grficos e de processamento, o que toma mais tempo e consome mais dinheiro do que um aplicativo simples. Se o desenvolvimento for mais caro e a plataforma tambm for mais cara, dificilmente o mercado preferir o Fusion aos produtos dos concorrentes.

suportar OpenCL em seus processadores). A aceitao, como dissemos, depender mais do departamento de marketing da AMD do que das caractersticas tcnicas do produto. Com o Sequoia, a Tradecomp lana em grande estilo a nova linha de embarcados da AMD no nosso mercado. uma compra efetiva no importa qual uso ser dado a ele. Pequeno, econmico e bastante poderoso, ele pode atuar em vrias funes, desde thinclients at home theaters. Pode ser encontrado diretamente no site do fabricante: PC http://www.tradecomp.com.br/.

F6. Suportes permitem usar o Sequoia de p ou preso atrs do monitor.

39

Concluso

Acreditamos que, conforme for evoluindo em termos de consumo eltrico, o Fusion possa substituir o Geode no mercado de embarcados. Uma grande vantagem que ele aproveita toda a base de cdigo do Geode, afinal um x86, mas tambm incentiva o desenvolvimento de cdigo novo. E como a arquitetura da APU precisa obedecer OpenCL e DirectCompute, o cdigo escrito hoje para o novo produto vai durar muito tempo, pois todos os principais fabricantes de chips vo suportar essas APIs (at a Intel vai2011 # 96 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Como limparQuem trabalha com manuteno de computadores sabe que o cuidado com a limpeza um fator mnimo necessrio para a execuo do seu servio. Mas h uma grande diferena entre quem a faz de qualquer maneira e o profissional que a realiza da maneira certa. Aprenda a agregar valor ao servio de manuteno com produtos de limpeza especficos para informtica da AF Inter40

PCs corretamente

national.

T

udo que limpo funciona melhor! importante ressaltar que a limpeza dos equipamentos no deve ser ignorada pelos usurios, afinal, limpar equipamentos delicados como computadores pode se transformar em prejuzo se feito de forma inadequada. Melhor do que limpar no sujar. Por isso, pode ser melhor ter cuidado ao escolher um bom lugar para deixar o gabinete, pois isso pode reduzir substancialmente o acmulo de sujeira. Evitar fumar perto do computador tambm ajuda. No entanto, mesmo com todos os cuidados, inevitvel que o computador e seus perifricos fiquem sujos conforme o tempo passa. Em geral, quando o usurio decide fazer uma limpeza, ele no pretende gastar muito tempo e a que est o perigo: basta um descuido ao usar qualquer produto qumico e uma flanela comum e o dano estar feito.Membro da equipe de redao e laboratrio da revista, dedica-se ao estudo de jornalismo e Tecnologia da Informao.

Ronnie Arata

Limpeza Profissional

Quando falamos de computadores, a limpeza considerada um procedimento

de manuteno. Por se tratar de um equipamento delicado, a limpeza no deve ser feita por qualquer um, sob risco no s de comprometer o aparelho como tambm os dados armazenados nele. Afinal de contas a sujeira inevitvel, mas isso no motivo para querer se livrar dela de qualquer maneira. Produtos comuns de limpeza geral podem ter o seu propsito, mas, se usados de modo incorreto, podem danificar os equipamentos. Dessa forma, a limpeza deve ser encarada como um procedimento de manuteno e realizada pelo tcnico responsvel. Alis, esse procedimento desprezado por muitos, mas , na verdade, uma excelente oportunidade para o tcnico vender seus servios. Como? Ora, no h cliente que no fique impressionado ao ver um profissional equipado com ferramentas e produtos adequados prestando um servio de qualidade. Ao mesmo tempo, fcil descartar um prestador de servios que trate os caros equipamentos de informtica da empresa com produtos de limpar a cozinha. Ao ser visto cuidando da limpeza dos equipamentos

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br com produtos adequados e procedimentos corretos, o tcnico estar garantindo que sua carteira de clientes permanecer sempre recheada. Um exemplo claro da combinao de produto incorreto com falta de cuidado pode ser visto no detalhe da figura 1. evidente que a pessoa tentou limpar utilizando gua e no tomou o menor cuidado para evitar que escorresse pela tela e entrasse no circuito de alimentao da lmpada do LCD. Provavelmente ela sequer tinha conhecimento de que, na maioria dos monitores LCDs, a fonte de alta tenso da lmpada fica situada na parte de baixo da tela. por isso que a limpeza s deve ser feita por quem conhece o funcionamento do equipamento.

TestesExistem muitas dvidas sobre quais produtos de limpeza convencionais podem ser usados para a limpeza de telas de monitores. Segundo os fabricantes, nenhum deles deveria ser utilizado. E h boas razes para isso. Uma delas que muitos monitores tm finas pelculas antirreflexivas aplicadas em suas telas. Essas pelculas em geral so sintticas, feitas de ligas plsticas, e portanto sensveis a diversos solventes. Por isso absolutamente errado utilizar lcool para limpar uma tela de monitor, seja ele LCD ou CRT, pois podemos causar danos pelcula, tornando-a esbranquiada, leitosa ou at fazendo-a escamar. E o lcool isoproplico? No confunda. S porque o lcool isoproplico utilizado

Produtos corretos

Para uma limpeza profissional, alm do cuidado de um tcnico, preciso utilizar os produtos corretos. Existem produtos desenvolvidos especificamente para esse fim, como os da AF International, uma empresa especializada na fabricao de produtos de limpeza para informtica e aparelhos eletrnicos. Tivemos acesso a uma ampla linha de produtos da empresa, que foram enviados ao nosso laboratrio para serem postos prova.

Monitores e telas

O monitor uma pea um tanto traioeira, devido sua sensibilidade e vulnerabilidade a lquidos.

Esse monitor passou por maus F1. bocados nas mos do seu dono. Ao mesmo tempo estava sujo e exibia oxidao, sinal de que o usurio tentou limp-lo da forma incorreta. 41

F1B. Descuido com gua oxidou este monitor.

F1B. Antes.

F1C. Depois.

2011 # 96 # PC&CIA

Testespara limpeza de componentes eletrnicos, por no conter gua na composio, no significa que seja adequado para a limpeza de telas, pois ainda se trata de um solvente muito forte e no deve ser usado. E que tal saponceo, esponjas e outros produtos? Nem pensar! Eles tm a funo de remover a sujeira mais encrustada, por isso so abrasivos e com certeza riscaro a tela de forma irrecupervel. Assim, recomendamos sempre consultar o manual dos monitores para saber quais so as indicaes do fabricante. Normalmente, com os modelos mais novos, os fabricantes incluem um pano especfico e recomendam utilizar apenas gua. Ainda assim, com muito cuidado. O que no fazer Se a pessoa que estiver fazendo a limpeza utilizar gua sem tomar o devido cuidado, ela poder escorrer e se infiltrar pelo espao existente entre a tela e a carenagem que a

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br protege, alcanando o circuito e possivelmente causando srios danos, exatamente como aconteceu com o exemplo da figura 1a. Como limpar corretamente Existem produtos desenvolvidos especificamente para no atacar as pelculas, e que podem ser usados com segurana em qualquer monitor, como o spray Multi-Screen Clene (figura 2) da AF International. A forma correta de aplicar um produto de limpeza espirr-lo em um pano, nunca diretamente na tela. Esse procedimento deve ser feito justamente para que o lquido no escorra e cause o problema citado anteriormente. Limpe normalmente, com movimentos circulares, sem aplicar fora demais. Se a tela em questo for muito fina (ou de um notebook), apoie a parte traseira com uma das mos para evitar a toro do LCD. Para demonstrar a eficincia do produto, precisvamos de um monitor sujo. Acredite ou no, no mesmo monitor que o leitor viu na figura 1 encontramos marcas de oxidao, por uso inadvertido de gua (figura 1a), e ao mesmo tempo uma grande quantidade de sujeira (figura 1b). As marcas deixadas pelo pano com gua podem ser vistas, o que deixa evidente que o usurio tentou limpar, percebeu que fez errado, e desistiu. Aplicamos o Multi-Screen Clene, mas, pelo estado deplorvel em que a tela se encontrava, uma nica limpeza no foi suficiente. Aps mais algumas tentativas, o estado do pobre LCD melhorou muito, como pode ser visto na figura 1c. Recomendao Recomendamos aos usurios adquirirem hbitos de limpeza antes de seus equipamentos chegarem no estado em que esse monitor se encontrava. O Multi-Screen Clene no eficiente para remoo de gordura, nem foi feito com esse propsito, mas, contra a poeira e respingos de saliva, ele no tem defeitos.

F3. O teclado foi apanhado no meio da limpeza para comparao.

42

pode causar oxidao de partes metlicas expostas, como a traseira do gabinete. Mouses e teclados, por serem os mais manuseados por ns, merecem uma ateno e pacincia especiais, pois, como no so superfcies planas, so mais difceis de limpar e um simples pano provavelmente no dar conta da empreitada. Tente limpar entre as teclas do seu teclado com um pano e sinta na prpria pele o trabalho que d. Alis, na pele mesmo que est a origem do problema. A gordura que sai naturalmente da pele humana se une aos poucos com a poeira e, sem percebermos, se acumula tanto no teclado quanto no mouse. A quantidade de sujeira que pode se acumular nesses perifricos beira o inimaginvel, e s com uma imagem com grande ampliao poderemos ter uma ideia da imundcie (figura 3). Como limpar No caso dos perifricos, partes externas de aparelhos (gabinete) e superfcies em geral, o produto indicado o Staticlene (figura 4). Esse produto tem uma caracterstica muito interessante: ele reduz a carga esttica gerada ao limpar uma superfcie com um pano. muito comum limparmos uma superfcie com todo o esmero para, logo em seguida, ver a poeira sendo praticamente atrada para ela. Na verdade, isso mesmo que acontece, ao friccionarmos um pano

Gabinete e Perifricos

F2. Spray para limpeza de telas em geral, sem lcool na composio.

A limpeza de gabinetes em geral no difcil. Exceto pelos cuidados de no deixar gua escorrer, eles no so to sensveis quanto as pelculas das telas de monitores. Ainda assim, o uso de produtos com solventes agressivos pode tornar a pintura opaca e a gua presente na composio desses produtos

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Testes

sobre qualquer superfcie, h acmulo de esttica e, por consequncia, atrao de partculas de poeira. O Staticlene foi desenvolvido justamente para driblar a esttica, e supostamente, evitaria a atrao de partculas para um objeto recm-limpado. No temos nenhum procedimento de teste para averiguar essa capacidade, at porque isso varia de acordo com o ambiente e condies de umidade relativa do ar. O que podemos dizer sobre o Staticlene que a limpeza efetiva, ele de fato soltou at mesmo a sujeira que sequer podamos perceber, o que aconteceu ao aplic-lo em um pano e pass-lo sobre uma superfcie que julgvamos limpa, para em seguida ver o pano sair preto. Esse tipo de limpeza mais simples, mas ainda deve-se adotar o procedimento de aplicar o produto no pano e utilizar este para limpar o perifrico. No h muito segredo nesse procedimento. Cantos difceis Os PC Buds (figura 5) alcanam os cantos difceis do gabinete e os espaos entre as teclas do teclado. Isso elimina a necessidade de desmontar o teclado inteiro, tecla por tecla. Infelizmente a espuma usada na ponta dos PC Buds no muito resistente e logo se rasga, assim, tivemos que usar vrias

F3A. Antes

F3B. Depois 43

unidades para limpar um nico teclado. O resultado, por outro lado, foi bastante satisfatrio, como o leitor pode ver na figura 3. Observe que deixamos metade do teclado suja para ficar fcil de comparar a diferena, e no detalhe ampliado 3a e 3b um exemplo do tipo antes e depois. No caso do mouse, a gordura costuma ficar nos botes e na parte inferior, nos ps dele. Pode-se utilizar um PC Bud, embebido com o Staticlene para limp-los tambm.

Dispositivos portteis

A necessidade de limpeza de celulares, tablets e notebooks se d tanto pelo acmulo de poeira quanto pela gordura da pele, proveniente dos dedos e das orelhas (em celulares com touch screen). O pior na verdade ter de limpar seu dispositivo durante uma viagem, pois no faz sentido levar consigo um frasco de 200 ml de Multi-Screen Clene. H solues muito mais prtica. Lenos umedecidos Na forma de lenos umedecidos, o Screen-Clene, o PC-Clene, o Laptop-Clene

e o Multi-Screen Clene (figura 6) trazem mais praticidade e portabilidade do que as verses lquidas maiores. O perfil de uso desses produtos para limpezas casuais, para atender o profissional que vive em trnsito, ou ainda para o tcnico de manuteno deixar como amostra para seus clientes. Estes produtos esto disponveis em dois formatos: o dispenser de lenos umedecidos, caso do Screen-Clene e do PC-Clene, e os envelopes de uso nico, o Laptop-Clene e o Multi-Screen Clene. Os dispensers de lenos umedecidos contm 25 unidades, sendo que cada uma capaz de limpar um monitor inteiro, portanto o pacote rende bastante. So muito prticos (figura 7) para manter em sua gaveta e ainda colocar em sua mala quando viajar. Depois de aberto pela primeira vez (e o lacre rompido), importante lembrar de fechar a embalagem corretamente para que o produto de limpeza, que umedece os panos, no evapore. Recebemos dois produtos neste formato. O PC-Clene indicado para aplicaes em superfcies plsticas ou de vidro, como2011 # 96 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

A carga esttica F4. tambm inimiga da limpeza.

F6. Estes lenos se apresentam como alternativas mais prticas.

44

F5. Os PC Buds so prticos, mas so necessrios vrios para limpar um teclado

mouses, gabinetes e carenagens dos aparelhos em geral. J o Screen-Clene serve para telas, monitores, displays e lentes de cmeras digitais, alm de superfcies de vidro presentes em scanners, fotocopiadoras e retroprojetores. Caso os equipamentos no necessitem ser limpos com tanta frequncia, pode ser interessante optar pelos envelopes de uso nico Laptop-Clene e Multi-Screen Clene. As vantagens dos envelopes so o seu menor tamanho (podem at ser levados no bolso), o fato de serem embalados individualmente e tambm de serem descartveis. Cada envelope formado por um par de panos. O primeiro deles umedecido e serve, efetivamente, para limpar, enquanto que o segundo apenas um leno seco, que ser usado para remover o excesso de produto da tela do notebook ou do celular. A composio qumica do Laptop-Clene exatamente a mesma da Screen-Clene, mas os propsitos de uso so diferentes. O Laptop-Clene suficiente para limpar a tela de um porttil e ser descartado em seguida, mas no dar conta de uma grande tela como a de um televisor de 40. Neste

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Testes

F8. Panos especiais que soltam menos apos. So lavveis, portanto, duram bastante tempo.

F7. Embalagem com 25 unidades de lenos umedecidos. O poder de limpeza desses lenos maior do que se imagina.

45

caso o Screen-Clene, por ser um pouco maior e vir em maior quantidade, tem melhor custo-benefcio.

Safecloths

A AF International ainda tem em seu portflio os Safecloths (figura8), panos de alta absoro que completam o time da limpeza. Desenvolvidos com o propsito de deixar a menor quantidade de fiapos possvel e, tambm, para no riscar os equipamentos, os Safecloths so ideais para a secagem e aplicao dos produtos qumicos apresentados neste artigo. Utilizamos os Safecloths em vrios equipamentos e superfcies para test-los e seria injusto dizer para o leitor que eles so totalmente isentos de fiapos, mas possvel perceber que eles soltam uma quantidade bem menor de fibras, diferentemente de algumas flanelas comuns. Se embebidos nos produtos de limpeza, a quantidade de fiapos ainda menor. No geral, gostamos deste produto. Outros panos e flanelas no so to absorventes ou se desfazem rapidamente, deixando uma grande quantidade de fiapos.

O Safecloths vendido em embalagens de 25 unidades, o que torna o seu preo bem interessante. importante lembrar que o Safecloth no um pano descartvel. Ele pode ser lavado para ser usado novamente.

Concluso

No queremos que a limpeza vire uma doena para o leitor, mas boas prticas de limpeza sempre so bem-vindas em qualquer lugar e melhor ser se ela for feita com produtos adequados. Para os tcnicos da rea de manuteno, utilizar produtos de limpeza especiais pode at atrair mais clientes, pois ningum v profissionalismo em um tcnico que limpaProdutoLaptop-Clene (sachs) Multi-Screen (sachs) Multi-Screen (spray) Staticlene (spray) PC-Clene (lenos) Screen-Clene (lenos) PC Buds Safecloths

PCs com detergente multiuso (aquele de limpar banheiro). Certamente, quando seus clientes perceberem que voc sabe fazer a limpeza corretamente e utiliza produtos de alto padro, daro preferncia aos seus servios e no chamaro outros tcnicos. A considerar o preo dos produtos que apresentamos neste artigo, no vemos motivos para no investir e elevar o seu servio para um nvel superior (veja na tabela 1 os preos sugeridos pelo fabricante). E mesmo para uso pessoal importante lembrar que a sujeira inevitvel, mas com os hbitos e produtos certos, os computadores e os aparelhos portteis duraro por muito mais tempo e dificilmente sofrero danos.Preo SugeridoR$ 10,00 R$ 10,00 R$ 25,00 R$ 18,00 R$ 10,00 R$ 10,00 R$ 19,00 R$ 20,00

QuantidadeCaixa 10 un. Caixa 10 un. Frasco 200 ml Frasco 250 ml Pacote 25 un. Pacote 25 un. Pacote 25 un. Pacote 25 un.

T1. Tabela de preos sugeridos.

2011 # 96 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Solues de acesso remoto, da LogMeInAcessar um computador a partir de outro parece ser uma tarefa complicada. Alguns softwares como, por exemplo, o VNC ou o SSH, exigem mais conhecimento para serem bem utilizados. No entanto, empresas como a LogMeIn desenvolveram produtos que facilitam e viabilizam as vantagens do acesso remoto para todos. Ronnie Arata46

A

tarefa de acesso remoto pode ajudar tanto os tcnicos de informtica e administradores de rede, quanto os usurios comuns, seja com um arquivo esquecido em casa ou no atendimento a clientes que estejam longe. Porm, para quem no habituado, a utilizao desse tipo de servio pode ser difcil e complicada. Com base nessa dificuldade, algumas empresas, como a LogMeIn, desenvolveram softwares para auxiliar na tarefa de acesso remoto. Muitos desenvolvedores de software oferecem a verso gratuita dos seus produtos principais, uma maneira de chamar a ateno de mais usurios. A LogMeIn tambm segue esse modelo com o LogMeIn Free. Essa verso tem algumas limitaes em relao s solues comerciais, mas oferece recursos que j resolvem boa parte dos problemas, por conta do seu funcionamento que acontece automaticamente. Assim, sabendo utilizar os painis de administrao, no necessrio entender o que ocorre por trs do programa (ainda assim, no deixamos de explicar no Box 1, como tudo acontece). A empresa oferece vrios tipos de soluo para usurios de todo tipo, mas neste artigoPC&CIA # 96 # 2011

abordaremos, passo a passo, o LogMeIn Free, pois uma soluo que beneficia qualquer pessoa. Obviamente, devido s suas limitaes, ele no resolver os problemas por completo. Mas, neste caso, tambm explicaremos um pouco sobre os demais produtos da linha LogMeIn Pro, que oferecem servios mais avanados.

Acesso remoto gratuito

A primeira coisa a ser feita criar uma conta no site da LogMeIn (www.logmein. com/BR). Nesta conta ser necessrio cadastrar um e-mail, o qual receber as notificaes de todas as aes feitas pelo administrador. Depois de criar a conta, ser preciso fazer o download do instalador do software da LogMeIn. Clique na aba Suporte do site e escolha a opo LogMeIn Free. Aparecero outras abas mais abaixo, entre elas, j ser possvel ver a opo downloads. Clique nela. A traduo total do site para o idioma portugus do Brasil ainda est em desenvolvimento, mas no h nada que atrapalhe o entendimento dos elementos.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brBox 1 Os bastidores do software LogMeIn Os produtos da LogMeIn utilizam um protocolo proprietrio de ambiente de trabalho remoto que transmitido por SSL (Secure Sockets Layer). A cada computador acessado, criado um certificado SSL, usado para assegurar, por criptografia, a comunicao entre os dois computadores, o acessado e o que est acessando (host e client respectivamente). Desse modo, o protocolo se encarrega de estabelecer a conexo atravs da internet, de modo seguro automaticamente por TCP (Transmission Control Protocol) ou UDP (User Datagram Protocol). Por isso, facilita a utilizao do acesso remoto. Diferente de outros programas, que normalmente precisam de configuraes manuais de proxy e das portas de firewall, alm de ter a necessidade de saber os nomes corretos de cada computador.

Redes

F1. Endereo e e-mail para informaes da LogMeIn tambm so dispostas nessa etapa.

F2. preciso concordar com os termos e condies de uso.

F3. A instalao personalizada necessitar de configuraes de proxy.

F4. importante saber escolher os nomes certos para se organizar no painel do administrador no site. 47

Sete opes de download estaro disponveis na pgina que se abrir. Usaremos a primeira: Instalador do LogMeIn Free/Pro (Windows), a segunda opo servir para quem utiliza a plataforma Macintosh. Certifique-se de manter uma cpia do arquivo logmein.msi, pois ele ser de grande ajuda para instalar o LogMeIn Free e Pro em outros computadores. Ter uma cpia deste arquivo em algum dispositivo de armazenamento uma opo mais prtica do que baix-lo em todos os computadores que sero acessados remotamente. Instalao no host O computador que ser acessado distncia chamado de host (significa hospedeiro, em ingls). Ele precisa do software LogMeIn instalado e rodando para manter uma conexo com o portal de acesso e administrao. neste computador que o arquivo logmein.msi ser executado. A primeira tela de instalao (figura 1) mostra apenas algumas informaes sobre o software. Clique em Avanar. Depois, ser necessrio indicar a conta qual o computador ser adicionado. Informe a mesma conta que criou anteriormente.

F5. Tambm possvel criar uma conta por meio do boto, caso o leitor tenha pulado a etapa de criao da conta.

Na prxima tela estaro descritos os termos e as condies de uso (figura 2). Se voc concordar com eles, a tela seguinte apresentar duas opes de instalao: a tpica (que usaremos) e a opo personalizada (figura 3).

Na tela da figura 4, preciso escolher o nome que o computador assumir no painel de administrao da sua conta do LogMeIn. Defina um nome e clique em avanar. A tela dada a seguir pedir os detalhes da conta do LogMeIn. Lembre-se de escolher a2011 # 96 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF6. A pasta de destino

para instalao vem no padro C:\Program Files (x86)\LogMeIn\.

Instalao concluda! O computador j est disponvel para acesso.

F7.

F8. Painel de controle do Client, todos os computadores disponveis ficam descritos aqui.

Box 2 Wake-on-LAN O padro Wake-on-LAN, como o prprio nome indica, uma implementao na placa-me que permite o ligamento de computadores atravs de um pacote de dados enviado pela rede, chamado de magic packets. O magic packet deve conter 6 bytes que fazem parte dos 255 totais do broadcast, os 6 bytes vm no formato FF FF FF FF FF FF que o correspondente ao endereo MAC de broadcast, seguidos de 16 repeties do endereo MAC de 48 bits da placa-me a ser acordada. Todas as placas-me, com Wakeon-LAN, conectadas na rede onde o broadcast foi enviado leem esses 6 bytes e entendem que os dados a seguir acionaro o ligamento de alguma delas, s falta saber qual. A, entram as 16 repeties do endereo MAC. Com tantas assim, a mquina correspondente no tem dvidas de que ela mesma que receber o comando de ligamento.

48

possvel perceber que o papel de parede removido e uma tela preta a substitui at que o acesso seja descontinuado. Isto ajuda no desempenho da conexo. Nas distribuies Linux, os computadores podem ser acessados por meio do Firefox sem a necessidade da instalao deste plugin, pois, neste caso, o LogMeIn utiliza-se de um plugin Java nativo.F9. Instalao de plugin necessria em plataformas Windows.

Recursos

opo do LogMeIn Free, pois a verso Pro deve vir marcada por padro (figura 5). Por fim, defina a pasta de destino da instalao (figura 6) e clique em avanar para a instalao se iniciar. Assim que a instalao terminar, uma janela com a mensagem de confirmao aparecer (figura 7). Basta clicar em Concluir. Uma janela com a mensagem do prprio programa indicar que o LogMeIn j est ativo no PC, possvel conferir pelo cone na barra de tarefas do Windows. Acesso pelo client O client (sim, significa cliente) o computador que acessa o(s) host(s) Neste no PC&CIA # 96 # 2011

preciso instalar nenhum software, mas ser necessrio um plugin do Firefox para acessar os outros computadores. O plugin pode ser instalado no prprio site da LogMeIn, logo que o boto Controle remoto, no painel de controle (figura 8) for clicado. Na prxima tela, clique em Instalar plugin para Firefox, talvez seja necessrio dar a permisso para o sistema (figura 9). Este plugin tem apenas 2,6 MB e, assim que terminar, basta reiniciar o Firefox. Outra tela pedindo o usurio e a senha do computador a ser acessado aparecer. Aps o login, a tela do host j estar disponvel como se voc estivesse sentado frente dele (figura 10).

O LogMeIn Free j conta com recursos teis como sincronizao de rea de transferncia e suporte a vrios monitores, mas um dos recursos que nos chamou bastante a ateno foi o Wake-on-LAN (box 2), que permite ligar mquinas desligadas a partir de outro computador.

Outros Produtos

Apesar de mostrarmos os passos do LogMeIn Free, que pode resolver os problemas mais simples por si s, a sute inteira ainda composta de outros produtos que oferecem uso mais avanado como transferncia de arquivos, servio de impresso do computador remoto para o local, compartilhamento de arquivos e som remoto.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

F10. Ambiente de trabalho acessado remotamente pelo firefox no Windows.

LogMeIn Ignition H uma opo para administrar o painel meus computadores atravs de aparelhos portteis, ou a partir de um dispositivo USB. Recurso bastante prtico e conveniente, principalmente para quem no est sempre na frente de um computador. No site, na aba de produtos, escolha a opo do LogMeIn Ignition. Poder escolher qual a opo desejada: iPhone/iPad, Android ou Windows (figura 11). Os aplicativos tambm podem ser comprados atravs da App Store e no Android Market. Para Windows o preo de R$ 57,00, por licena, ao ano. Os principais recursos so o acesso direto a todos os computadores com LogMeIn e o descarte da necessidade de decorar vrias senhas. LogMeIn Hamachi Montar uma VPN (Virtual Private Network) tambm pode ser uma tarefa de difcil execuo para pessoas menos habituadas. Neste caso, o LogMeIn Hamachi (figura 12) quem ajuda. A construo de uma VPN, de maneira simples, elimina a necessidade de conhecimentos tcnicos. Assim, os profissionais que trabalham constantemente em viagens ou fora do escritrio, podem estar conectados na mesma rede da empresa, como se estivessem

em uma rede LAN interna comum (Local Area Network). LogMeIn Central As vantagens do LogMeIn Fre, Pro e Hamachi podem ser combinadas, mas o uso de muitas ferramentas com tantos recursos pode ser difcil. Assim, a LogMeIn tambm desenvolveu o LogMeIn Central para ajudar a administrar todos os computadores instalados com qualquer um dos trs programas.

49

Concluso

Pequenas manutenes e suporte aos computadores de amigos e parentes podem ser menos sofridas com as facilidades do LogMeIn Free. Se a necessidade for apenas o acesso remoto, o custo zero. O nico trabalho a instalao do software nos computadores. J o preo do LogMeIn Pro de R$ 110,60 para cada computador, por ano. O preo fica menor se as licenas forem compradas em quantidades maiores. Algumas pessoas podem achar esse preo um pouco amargo, mas, devemos concordar que os recursos oferecidos permitem ao administrador de rede ter um melhor controle dos computadores sob seus cuidados de uma maneira mais organizada sem ter que entender todos os processos, nem faz-los todos mo. PC

Interface inicial F11. do LogMeIn Ignition. Acesso alternativo por um dispositivo USB.

A Interface F12. intuitiva do Hamachi permite o uso at pelos menos experientes.

2011 # 96 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Desvendando a ITIL V3Par te 3Na busca pela excelncia e conformidade na gesto da TI, continuamos nossa jornada de conhecimento do mundo ITIL, uma biblioteca de boas prticas nica e praticamente indispensvel para a obteno da maturidade na prestao50

dos servios da TI para o Negcio. Como lidar com mudanas internas e de cenrio? Como gerenciar os incidentes? possvel ser proativo e evitar que o negcio perca seu desempenho? Perguntas como essas nos so respondidas nesses trs ltimos livros da biblioteca ITIL.

Transio do Servio (Service Transition) 3 Livro

Analista de suporte da TI Sicoob Cofal com experincia em suporte ao negcio. Apaixonado por tecnologia e gesto estratgica de processos. Certificado em ITIL V3.

Brener Sena

Imagine-se diante de um gigante incontrolvel e imprevisvel, disposto a acabar com voc e com tudo o que voc tem a oferecer ao mundo. Assim o mercado voltil que habitamos. Mudanas constantes e algumas vezes at imprevisveis podem surpreender at mesmo quem j pensa estar preparado. Como voc se encontra agora? Preparado? Confiante? Consegue dizer para voc mesmo, com preciso, que todos os servios que a sua unidade de TI presta estaro seguros mesmo diante das reviravoltas do mercado e da grande exigncia dos clientes? Sabe dizer com preciso quantos ativos esto sob a responsabilidade da TI? Perguntas simples como estas necessitam de respostas claras, e por analisar esse livro poderemos tomar uma boa direo. Gerenciamento de Mudana (Change Management) O Gerenciamento de Mudana tem como principal objetivo minimizar o impacto das mudanas no Negcio, diminuindo a interrupo dos servios prestados pela TI.

Os processos do Gerenciamento de Mudana nos ajudam, como profissionais de TI, a garantir que as alteraes da infraestrutura tecnolgica sejam registradas, avaliadas, autorizadas, priorizadas, planejadas, testadas, implementadas, documentadas e revisadas de forma controlada. Dentro desse gerenciamento so abordados conceitos fundamentais para o entendimento, como: Mudana de Servio (Service Change): uma mudana inserida, modificada ou removida de um servio. Requisio de Mudana (Request for Change): A RDM ou RM, como amplamente conhecida, uma comunicao formal de uma realizao de alterao de um servio ou produto da TI. Para nos ajudar a tratar as mudanas de forma mais eficazes, existem trs tipos de mudanas: Mudana Padro: Uma mudana pr-aprovada. Custos previstos e aprovados, com riscos avaliados, e procedimentos pr-estabelecidos j aceitos e acordados.

Formado em Redes de Computadores, especializado em Gesto Estratgica de Negcios. Tem 10 anos de experincia em TI e atualmente Gestor TI Sicoob Cofal. Certificado em ITIL V3, CobiT e HDM. pesquisador assduo da integrao da Tecnologia ao negcio.

Srgio A. de Carvalho Jr.

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Mudana Normal: uma mudana complexa, que apresenta riscos desconhecidos e segue procedimentos ou instrues de trabalho no padronizados. Essas mudanas devem sempre ser registradas e rastreadas utilizando-se o mecanismo de Requisio de Mudana (RDM). Mudana Emergencial: uma mudana que deve ser implementada em carter de urgncia, o mais rpido possvel. Tambm, em nosso auxlio, abordado o conceito dos 7 Rs, onde encontramos questes que devem ser respondidas para todas as mudanas. Sem estas informaes, a avaliao de impacto no poder ser completada e os riscos calculados. Quem Requisitou a mudana? Qual a Razo para a mudana? Qual o Retorno requerido da mudana? Quais so os Riscos envolvidos na mudana? Quais so os Recursos necessrios para a entrega da mudana? Quem o Responsvel pela construo, teste e implementao da mudana? Qual o Relacionamento entre esta mudana e outras? Se no considerarmos os 7 Rs, a implementao pode resultar em uma mudana que no entrega benefcios para o Negcio, ou pode entregar resultados indesejados. Nesse processo ainda se tornam explcitas algumas atividades: Criar e registrar as mudanas; Rever a mudana; Estimar e avaliar mudana; Autorizar a mudana; Coordenar a implementao da mudana; Revisar e fechar o registro de mudana. Gerenciamento da Configurao e de Ativo de Servio O objetivo desse processo definir e controlar os componentes de servios e infraestrutura e manter com preciso a informao sobre histrico, o estado atual e planejado dos servios e infraestrutura. aqui tambm que passamos a conhecer alguns conceitos importantes como: Itens de Configurao (IC) qualquer Componente que necessite ser gerenciado para que possa entregar um servio de TI. Incluem hardware, software, instalaes, pessoas e documentos tais como os de Processos e ANS (Acordo de Nvel de Servio). Cada IC pode ter um relacionamento com outros ICs. Os relacionamentos entre eles criam informaes essenciais a serem consideradas. E a partir desses relacionamentos que poderemos avaliar, por exemplo, qual seria o impacto de uma mudana em um determinado servio ou componente do servio. Modelo de configurao Fornece um modelo de configurao dos servios, dos ativos e da infraestrutura, registrando os relacionamentos entres os Itens de Configurao. Basicamente, mostra os relacionamentos entre os ICs de um servio. Gerenciamento de Liberao e Implantao Aborda-se aqui a preocupao com todos os aspectos relacionados liberao de um servio da TI ao negcio. Nesse processo ocorre o planejamento e implantao de pacotes de software e hardware. O Gerenciamento de Liberao responsvel por garantir a estabilidade do ambiente de TI atravs da implantao controlada de novas liberaes e atualizaes de hardwares ou softwares na infraestrutura. Gerenciamento do Conhecimento Permite que as Organizaes melhorem a qualidade na tomada de deciso, garantindo que os dados e informaes confiveis e seguras estejam disponveis atravs do ciclo de vida do servio. O Gerenciamento do Conhecimento alcanado atravs de uma estrutura e Dados > Informao > Conhecimento > Sabedoria (DICS): Dados o conjunto de fatos sobre o evento; Informao proveniente do fornecimento do contexto do dado; Conhecimento composto das experincias tticas, ideias, percepes e valores; Sabedoria obtm a aplicao e conscientizao contextual para prover um forte senso de julgamento.

RedesEsse Gerenciamento nos ajuda a converter dados em informao e que essa informao seja aproveitada corretamente, gerando e facilitando conhecimento e sabedoria. Lembrando que a sabedoria algo que nenhuma ferramenta pode nos dar, ns, profissionais, precisamos de habilidades para usar o conhecimento disponvel e a partir dele tomar as decises corretas, e nisso a ITIL nos auxilia. Encontramos tambm dentro desse gerenciamento o SGCS (Sistema de Gerenciamento do Conhecimento de Servio), que um conjunto de ferramentas e bases de dados utilizados para gerenciar o conhecimento e informao sobre o servio.

Operao de Servio (Service Operation) 4 Livro

Quando incidentes e problemas ameaam o desempenho do Negcio, a TI tem de trabalhar rpido, visando o restabelecimento dos servios no tempo mais curto possvel. Mas, como conseguir isso? Ser que necessria a interveno de terceiros? E o fluxo e permisses de acesso, como devem ser gerenciados? Veremos. Gerenciamento de Incidente O Gerenciamento de Incidente tem como objetivo criar o restabelecimento dos servios de TI que sofreram alguma interrupo inesperada ou algum tipo de reduo em suas qualidades no menor tempo possvel. Porm, antes de entendermos mais profundamente o que realizado no Gerenciamento de Incidente, temos que entender os jarges implcitos aqui, como por exemplo: Incidente: uma interrupo no planejada ou reduo na qualidade de um servio prestado pela TI; Impacto: a mensurao do efeito causado pelo incidente baseado em como os servios sero afetados; Urgncia: o meio de medir o quo rapidamente o negcio necessita de uma resoluo; Prioridade: a identificao da importncia de um incidente, problema ou mudana. Determina o tempo para a realizao das aes a serem tomadas para restaurar algum servio a sua normalidade; Soluo de Contorno: uma soluo paliativa at que seja encontrada uma soluo definitiva. Minimiza o2011 # 96 # PC&CIA

51

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Encerrar (verificar se o incidente est definitivamente resolvido, se o usurio est satisfeito e se ele concorda em fechar o incidente). Ao final de todo esse processo, ilustrado na forma de um diagrama na figura 1, conseguimos obter os Indicadores de Desempenho que quantificam o total de incidentes dentro de um determinado perodo de tempo, tambm, avaliam os incidentes em seus respectivos estgios (como em espera, em andamento e encerrados, por exemplo), quantificam os incidentes no resolvidos, percentualizam e contabilizam os incidentes graves, exibem o tempo mdio decorrido para conseguir a resoluo ou o contorno do incidente, e inclusive definem a porcentagem de incidentes tratados no tempo de resposta acordado com o cliente. Gerenciamento de Problemas Esse gerenciamento tem por objetivo localizar as causas dos problemas, prevenir que os incidentes ocorram e minimizar o impacto de incidentes que no puderem ser prevenidos. Esse gerenciamento pode ser proativo quando se faz anlises de tendncias nos incidentes , ou ento reativo quando se tem um incidente onde no se conhece a causa- raiz e necessrio obter a soluo enquanto o incidente impacta o servio. Dentro desse gerenciamento, temos as seguintes atividades: Identificao (quando o problema levantado pela Central de Servios ou um grupo de suporte); Registro (tem a finalidade de acompanhamento do processo); Classificao (serve para escalonar, gerar relatrios, etc.); Priorizao (definida com base nas anlises da Urgncia x Impacto no Negcio); Investigao e Diagnstico (busca da identificao da causa- raiz do problema); Identificao de Soluo de Contorno; Identificao de Erros Conhecidos (que posteriormente so registrados no BDEC (Banco de Dados de Erros Conhecidos)); Resoluo de Problemas; Encerramento (este s efetuado aps a resoluo do problema);

52

F1. Processo de tratamento do incidente.

impacto do incidente. Tais solues devem ser documentadas; Modelo de Incidente: um passo a passo ou procedimento a ser seguido ao lidar com algum incidente. Para que um incidente seja tratado, necessrio seguir algumas etapas, que so basicamente: Identificar o incidente (detectar ou perceber que um incidente ocorreu); Registrar (registrar o incidente, independentemente da forma como foi identificado, seja por telefone, e-mail ou por uma ferramenta de deteco de eventos); Categorizar (nesse ponto identifica-se a solicitao do servio, categorizando-a como incidente, falha, solicitao, etc.);PC&CIA # 96 # 2011

Priorizar (urgncia da soluo do incidente com base no impacto causado ao Negcio); Realizar o Diagnstico Inicial (tentar descobrir com o usurio todos os detalhes e sintomas do incidente relatado); Escalonar (quando torna-se necessrio ter auxlio para resoluo do incidente em termo Funcional necessidade de competncia e Hierrquico necessidade de autoridade); Investigar e Diagnosticar (identificar o que est errado, entender a ordem dos eventos, verificar como os eventos podem ter gerado o incidente, identificar possveis solues); Resolver e Recuperar (testar a resoluo em potencial);

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redeslidades do Negcio o foco central de todo esse estudo, alm da melhoria contnua da prestao dos mesmos por parte da TI. Aqui teremos os chamados Princpios- Chaves que so os da figura 2. O modelo de Melhoria de Servio Continuada consiste em questionamentos como: Qual a nossa viso? Onde ns estamos agora? Onde queremos chegar? Como chegaremos onde queremos? Chegamos l? Como ns podemos manter nosso foco? Notaremos ainda que os indicadores de desempenho dos processos executados pela TI sero abrangidos dentro desse livro. Isso poder se dar, inclusive, por meio de comparaes entre servios de tempos em tempos. Enfim, teremos uma boa descoberta sobre como manter os nossos servios e aprimorlos a cada ciclo de vida deles com base nas necessidades e variveis do Negcio.

F2. Ciclo de vida do servio (PEVA / PDCA).

Conclusopara poderem usufruir dos servios de TI. Esse gerenciamento favorece a integridade e disponibilidade dos ativos de TI por dar e conferir identidade e nveis de acessos aos usurios. Conseguimos identificar vrios gerenciamentos dentro da Operao de Servios. Porm, ainda precisamos notar que esse livro nos fornece Funes de grande relevncia para que a Operao de Servio seja implementada com eficincia. Funes essas como a Central de Servios que responsvel pelo suporte aos usurios, o Gerenciamento Tcnico que fornece conhecimento tcnico para a gesto dos servios, o Gerenciamento de Aplicativo que gerencia os aplicativos e, finalmente, o Gerenciamento de Operaes de TI onde esto alocados os colaboradores responsveis por executar as operaes do dia a dia.

53

Reviso de Problema Grave (a ideia aqui trabalhar de uma maneira proativa para evitar novos incidentes/problemas). Gerenciamento de Evento Esse gerenciamento cobre eventos mais especficos, por detectar os eventos, analis-los e determinar a ao correta a ser tomada. Esse gerenciamento pode ser aplicado a qualquer aspecto do servio que precisa ser controlado e automatizado como, por exemplo, quando h deteco de invaso na rede, incidentes provocados por condies ambientais como fogo, gua, fumaa, etc. Eventos so alertas ou notificaes criadas por qualquer servio de TI, item de configurao ou ferramenta de monitoramento. So mudanas de estado que tm significado para o gerenciamento de algum Item de Configurao (IC) ou de um servio de TI. Os eventos podem ser classificados como Informativos, Alertas e Excees. Gerenciamento de Acesso O Gerenciamento de Acesso responsvel por conceder permisses aos usurios

Melhoria de Servio Continuada (Continual Service Improvement) 5 Livro

Dentro do livro de Melhoria de Servio Continuada so abordados os pontos de todo o ciclo de vida de um servio. A melhoria dos servios em meio s mudanas e sazona-

Qualquer profissional de TI que almeje ascender em gesto e amadurecer sua rea precisa conhecer a biblioteca ITIL. importante lembrar que no se trata de uma metodologia, nem mesmo de regras engessadas para evoluo da TI. Trata-se de modelos testados e comprovados internacionalmente e que trazem resultados realmente relevantes. Independentemente do tamanho da Organizao e da atuao do Negcio, h sempre espao para adotar os processos ITIL e por isso a expresso Adote e Adapte cabe muito bem nesse contexto. O certo que o amadurecimento do setor de TI iminente, seja por presso do mercado, dos clientes e at mesmo do prprio avano da tecnologia e segurana, portanto, o conhecimento dessas boas prticas nos ajudar a evitar imprevistos e enxergar alm do que se pode ver. Para a Organizao trar resultados tangveis, para a rea de TI trar reconhecimento e para o profissional de TI agregar conhecimento e fundamentos que se aplicaro em qualquer cenrio, em qualquer tempo e com resultados promissores, apesar do grande esforo. Manter-se ativo e competitivo, essa a arte da guerra moderna, e a ITIL pode ser uma boa arma para se sair bem! PC2011 # 96 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Switch Gerencivel IntelbrasSG 2622 PRAo contrrio do que muitos acreditam, um switch gerencivel no caro. Depois de ler este artigo, no haver mais desculpas para no utilizar um.54

T

alvez seja por preguia, talvez por falta de um pouco de conhecimento tcnico, mas o que vemos em muitas pequenas e at mesmo em mdias empresas que a infraestrutura de rede basicamente composta por um modem/roteador e vrios switches domsticos cascateados para se atingir o nmero de portas necessrio para atender os computadores presentes. No precisamos nem dizer que esse tipo de gambiarra causa problemas de desempenho e de segurana devido falta de segmentao. A tecnologia de redes de computadores um tema bastante complexo, mas basta um pouco de bom senso e informao para que as ms condutas sejam facilmente evitadas.Logo acima F1. do conector RS232 existem os parmetros de configurao da porta console.

Equipamentos adequados tambm so essenciais, mas muitos tm uma desculpa na ponta da lngua para no adot-los: o preo seria alto demais. Ser mesmo? Isso foi verdade at um tempo atrs. Mas hoje as coisas mudaram muito e fcil encontrar exemplos de bons produtos, que fazem diferena na rede, com preos viveis, como o caso do switch gerencivel Intelbras SG 2622 PR.

Intelbras SG 2622 PR

Fundada em 1976, a Intelbras bastante conhecida por seus produtos para telefonia e segurana eletrnica, porm muitos desconhecem que a empresa tem um portflio repleto de equipamentos para informtica, que vo desde notebooks at antenas para

Especialista em TI com experincia nas reas de sistemas virtualizados e integrao de hardware para servidores e desktops. membro de diversas comunidades sobre hardware e GNU/Linux, ao qual dedica grande parte de seu tempo de estudo.

Daniel Netto

PC&CIA # 96 # 2011

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br redes Wireless, passando pelos switches gerenciveis como o SG 2622 PR, que apresentamos neste artigo. Trata-se de um switch gerencivel com 24 portas Fast Ethernet (100 Mbps) e mais duas Gigabit (1000 Mbps) disponveis com conectores RJ-45 para cabo UTP e Mini-GBIC para fibra ptica (figura 1). importante frisar que nas portas G1 e G2, quando as interfaces RJ45 e Mini-GBIC estiverem simultaneamente conectadas, o switch deixar apenas as interfaces MiniGBIC ativas, desativando as portas RJ45 correspondentes automaticamente. Como era de se esperar de um equipamento para rack, todas as portas e seus respectivos LEDs esto distribudas na parte frontal do equipamento. Na parte traseira ele tem apenas o plugue para conexo do cabo de fora. A fonte interna e bivolt automtica de 110 V a 240 V. Na tabela 1, o leitor encontra um resumo com as principais caractersticas do switch. O produto acompanhado de um manual do usurio em CD, um guia rpido de instalao, um cabo RS-232, dois suportes padro (com parafusos) para rack de 19, quatro ps de borracha autoadesivos e um cabo de fora j de acordo com a norma NBR 14136. por departamento, ou lgica, por meio de um recurso chamado Virtual LAN (ou simplesmente VLAN) que oferecido apenas por switches gerenciveis como o SG 2622 PR. Utilizar VLANs vantajoso pelos aspectos de economia de espao e gerenciabilidade,

Redespois a separao das redes pode ser alterada remotamente pelo administrador da rede, por meio de uma interface Web ou console serial. Alm disso, switches gerenciveis apresentam interessantes capacidades como a agregao de links e tambm podem limitar o acesso a determinada porta para um endereo MAC

A VLAN 1 ser exclusivamente para o gerenciamento do switch, enquanto a 4 ser F2. para os servidores.

Especificaes tcnicas SG 2622 PRTaxa de transferncia 100BASE-TX: 10/100 Mbps (Half Duplex), 20/200 Mbps (Full Duplex) 100BASE SFP: 200 Mbps (Full Duplex) 1000BASE-T: 10/100/1000 Mbps (Half Duplex), 20/200/2000 Mbps (Full Duplex) Gigabit SFP: 2000 Mbps (Full Duplex) Buffer de memria Tamanho da tabela MAC Interfaces 384 KB 8k 24 Portas 10/100 Mbps 2 Portas 10/100/1000 Mbps 2 Slots Mini-GBIC 1 Porta RS232 Auto MDI/MDI-X LEDs indicadores Mtodo de transferncia Gerenciamento remoto Configurao do sistema Vazo Peso Fonte de alimentao Consumo mximo Dimenses (C x L x A) Deteco automtica (normal/crossover) Alimentao (power), Link/Atividade, velocidade de conexo Armazena e envia (store and forward) SNMP V1/V2c/V3, RMON 4, Syslog Porta Console, Telnet/SSH, HTTP/HTTPS, SNMP 8,8 Gbps 2,4 Kg 100 a 240 VAC / 50 a 60 Hz 1A (mx) 15 W 430 x 178 x 44 mm

55

Cenrio de uso

impossvel enumerar os cenrios de uso de um switch gerencivel, mas vamos utilizar como exemplo uma empresa com dois departamentos: administrao e produo, cada qual com regras distintas. A empresa tambm conta com alguns servidores. O grupo administrao tem acesso irrestrito internet e rede local de todos os departamentos. J o departamento produo tem acesso restrito internet e incapaz de acessar os computadores da administrao. A segmentao por departamentos pode ser fsica, usando um switch simples

T1. Especificaes tcnicas.

2011 # 96 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F3. Note na parte superior da pgina, o mapa virtual das portas do equipamento.

F4. Configurao de relgio pode ser feita manualmente ou por NTP.

especifico, evitando que algum invada a rede simplesmente trocando os cabos. Na figura 2 apresentamos um diagrama com o cenrio descrito.

Local Area Connection pelo nome da interface utilizada. Este nome pode ser obtido por meio do comando ipconfig. Para voltar a usar DHCP, execute:netsh interface ip set address Local Area Connection dhcp

Instalao56

O SG 2622 PR compatvel com qualquer rack de 19 pois tem medida padro 1U (44,45 mm). Pode tambm operar em superfcies planas, como uma mesa ou prateleira, bastando, para isso, colar as quatro sapatas que o acompanham, tomando o cuidado de escolher um local onde as tomadas de ar laterais no sejam obstrudas Esse equipamento conta com duas interfaces de administrao diferentes: a interface por linha de comando, que pode ser acessada via console serial, Telnet/SSH e SNMP, e uma amigvel interface Web (HTTP/HTTPS). Neste artigo no vamos explicar a operao do console serial, mas ela est muito bem documentada no manual do aparelho. Enquanto estivermos realizando os primeiros ajustes, prudente conectar somente o computador usado para este fim diretamente ao SG 2622 PR. Outro detalhe que esse computador deve estar na mesma faixa de IP do switch, que por padro 10.0.0.26. Para configurar manualmente o endereo de IP no Windows, use a seguinte linha de comando:netsh interface ip set address Local Area Connection static 10.0.0.20 255.255.255.0

No GNU/Linux podemos criar uma interface de rede virtual com o comando:ifconfig eth0:0 10.0.0.20 netmask 255.255.255.0 up

Para desativ-la repita o mesmo comando, porm substitua up pelo parmetro down. Essas configuraes tambm podem ser realizadas por meio da interface grfica, tanto no Windows quanto no Linux. Agora que estamos na mesma faixa de IP do SG 2622 PR, digite http://10.0.0.26 na barra de endereos de seu navegador Web. O usurio e a senha (por padro, admin/admin) sero requisitados em um pop-up, portanto fique atento pois seu anti-pop-up pode bloque-lo. Um cuidado tomado pela Intelbras, e que merece ser citado, a presena de um pequeno adesivo na parte inferior do produto, no qual constam o endereo IP, MAC, usurio e a senha padro da interface Web. Logo voc ser redirecionado para a tela principal da interface de gerenciamento Web (figura 3) do switch. Ajustes Iniciais Nossa primeira ao ser configurar corretamente a data e a hora do equipamento,

Se o computador em questo tiver mais de uma interface de rede, substitua o parmetroPC&CIA # 96 # 2011

principalmente para que os to menosprezados logs, sejam gravados corretamente. Acesse o menu Sistema/Data/Hora (figura 4), escolha o fuso horrio mais adequado e decida entre o ajuste manual ou automtico por meio de um servidor NTP (Network Time Protocol). Quando realizamos o login na interface Web usando o protocolo HTTP, todas as informaes, inclusive as senhas, podem ser capturadas usando um sniffer de rede, j que o envio feito em texto plano. Para minimizar as chances de interceptao, vamos recorrer ao HTTPS, que a implementao da criptografia SSL/TLS no protocolo HTTP. No SG 2622 PR, a ativao desse recurso extremamente simples: basta habilit-lo no menu Segurana/HTTPS e aguardar o equipamento reiniciar. Quando a pgina recarregar, o navegador pedir a confirmao do certificado. No se preocupe pois isso normal, uma vez que o certificado autoassinado - aceite e v em frente. Altere a senha padro do usurio admin no menu Ferramentas/Alterar Senha. Ainda no menu Ferramentas, porm agora na opo Backup/Restaurao (figura 5), aproveite para fazer uma cpia de segurana das configuraes que realizamos at agora. Crie o hbito de realizar esse tipo de backup pois, se houver necessidade de recuperar as configuraes de fbrica do switch (h um boto no painel frontal para isso) voc poder rapidamente recuperar suas configuraes fazendo o upload do arquivo .cfg.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

F5. O backup da configurao do aparelho ser usado em emergncias, portanto salve-o com um nome claro e auto explicativo.

F6. A interface de administrao pode receber seu IP por DHCP. Neste caso, consulte a tabela de leases do servidor para descobrir o endereo.

Por fim, altere o endereo IP da interface de administrao pelo menu Sistema/Rede (figura 6), onde h as opes de endereamento dinmico e esttico. Neste menu tambm podemos definir qual ser a VLAN de Gerenciamento, a nica por onde o acesso interface Web do equipamento ser permitido. VLAN Ao acessar o menu VLAN, o leitor ver que j existe a VLAN 1, que abrange todas as portas. Para atingir nosso objetivo vamos criar mais trs VLANs, o que pode ser feito colocando os ID desejados para a primeira e para a ltima (no nosso caso 2 e 4). O switch criar automaticamente as VLANs intermedirias (no nosso exemplo, a n 3 ser criada automaticamente). Feito isso, clique no boto Criar VLANs. J no menu VLAN/Configuraes (figura 7), vamos definir em quais portas do switch cada VLAN poder operar. Esse passo bastante simples, basta definir a condio de cada porta dentro da VLAN: se ela ser excluda (no far parte da VLAN), ser Untagged (far parte exclusivamente de uma nica VLAN) ou se ela ser Tagged (vrias VLANs usaro esta porta, os pacotes so identificados para que outros switches saibam a qual VLAN eles pertencem). Estamos trabalhando com apenas um switch em uma configurao muito simples, por isso definiremos as portas que faro parte de cada VLAN como Untagged. Deixe a configurao da VLAN 1 para o final, pois como no possvel deixar portas sem uma VLAN atribuda, somente

poderemos remover as portas da VLAN 1 quando elas j estiverem atribudas a pelo menos uma outra VLAN. O resultado dessa configurao que, em poucos minutos e com apenas alguns cliques, criamos separaes lgicas para nossa rede. Isso, sem dvida, alm de evitar perdas de desempenho, refletir em maior segurana, haja visto que a criao de regras de acesso para uma rede bem segmentada torna-se F7. Neste exemplo, apenas as portas de 4 a 13 esto associadas VLAN 2. bastante eficiente. importante citar ainda, que todo o Por ser um modelo de 10/100 Mbps, controle de trfego para redes externas, no serve para todos. Mas as duas portas como a internet, e entre as VLANs, no Gigabit podem ser agregadas com vazo responsabilidade do switch, mas sim do combinada de 2 Gbps para uso com os roteador. Na edio n 95 publicamos um servidores, garantindo vazo suficiente para artigo bastante completo sobre o Shorewall, todos os terminais. uma excelente ferramenta de firewall que Durante o perodo de testes e produo permitir configurar com facilidade as regras deste artigo, o produto se manteve estvel de roteamento para os diferentes segmentos e no observamos nenhum travamento ou da rede. qualquer outro comportamento estranho. O SG 2622 PR conta com trs anos de Concluso garantia e pode ser adquirido diretamente pela O Intelbras SG 2622 PR deixa claro que loja virtual da prpria Intelbras (http://loja. switches gerenciveis, que um dia foram caros e intelbras.com.br) por R$ 882,00 (este valor inacessveis, hoje esto ao alcance de todos. Com pode ser parcelado em at doze vezes sem ele, mesmo o administrador de redes de uma pe- juros). A verso Gigabit, modelo SG2404SR, quena empresa ou escritrio pode construir uma tambm est disponvel no mesmo site por PC infraestrutura organizada, estvel e eficiente. R$1.159,00.2011 # 96 # PC&CIA

57

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Tendncias58

Gartner SummitsA tecnologia costuma levar menos tempo para evoluir do que muitas empresas levam para entend-la, avali-la e migrarem seus processos. Para diminuir esse atraso, o ideal munir-se de informaes to frequentemente quanto possvel. A Conferncia de Tecnologias Empresarias, realizada pela Gartner, traz uma grande quantidade de palestras que ajudam os empresrios que precisam de mais informaes antes de adotar essas tecnologias. Ronnie Arata

Cassio Dreyfuss, Vice-presidente de Pesquisa para Amrica Latina do Gartner, estuda as reas de interface de TI, negcios, planejamento de TI, gesto e questes organizacionais.

Joseph Feiman, Vice-Presidente de Pesquisa, se concentra em segurana de aplicativos: tecnologias e metodologias que assegurem o ciclo de vida do software.

A

Gartner, especializada em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, promoveu a X Conferncia Anual de Tecnologias Empresariais, que reuniu especialistas para discutir as tecnologias mais relevantes de aplicao corporativa do momento. O evento aconteceu no Sheraton So Paulo WTC Hotel, nos dias 16 e 17 de agosto. As mais de 25 apresentaes abordaram, entre os temas principais, a computao em nuvem, SOA (Service-Oriented Architecture), BPM (Business Performance Management), EA (Enterprise Architecture), redes sociais com aplicao empresarial e gesto de aplicativos. H algumas edies, a PC&Cia abordou a computao em nuvem e seus vrios aspectos, mas, mesmo depois de um tempo, grande parte das empresas ainda no reconhece os valores da implantao ou no aprenderam os meios para realiz-la. Por isso, vemos que conferncias como esta tm muito valor para o crescimento do mercado com informaes trazidas por analistas, tcnicos e pessoas que vivem essas tecnologias no seu dia a dia.

A computao em nuvem conhecida por quem da rea de TI mas, segundo o palestrante Gene Phifer, a cloud computing j deveria ser levada em considerao pelos empresrios em geral. Nenhuma empresa deve se dar ao luxo de desconhecer esse modelo de computao. No entanto preciso tomar cuidado, pois o termo ainda utilizado de maneira exagerada e, muitas vezes, incorreta. H muita propaganda enganosa e saber reconhec-la faz a diferena entre a boa e a m experincia que as empresas podem ter no momento da implantao e uso da computao em nuvem. Gene diz ainda que viver na poca da cloud computing tambm no deve ser, somente, sonhar com a reduo de custos. Para que a migrao da plataforma de trabalho ocorra bem, preciso investir e arriscar para entender quais so as propostas das diferentes fornecedoras de cloud computing e escolher, conscientemente, qual a melhor opo para a empresa.

Separando a propaganda enganosa da realidade

Segurana na nuvem

Outro assunto sempre bem discutido pelas empresas a segurana. Afinal, se importante para os usurios, por que no

PC&CIA # 96 # 2011

Ross Altman, Vice-presidente de Pesquisa da equipe de desenvolvimento e integrao de aplicativos e tecnologias Web. Cuida de temas sobre Arquitetura Orientada a Servios.

David Mario Smith, Analista de Pesquisa Snior, onde cobre o espao de colaborao. Suas reas de cobertura incluem mensagens instantneas, conferncia via Web, colaborao de equipes, produtividade e seleo de produtos.

Jess Thompson, Vice-presidente de Pesquisa na rea de Arquitetura e Infraestrutura de Software. Sua pesquisa se concentra em tecnologia de integrao, gesto de processos de negcios e tecnologias de gerenciamento de metadados.

Ted Friedman, Vice-presidente e Analista Emrito, membro da equipe de infraestrutura da informao, enfoca a integrao de dados e a qualidade dos dados.

Terese Jones, Analista Snior de Pesquisa da equipe de software corporativo, cuida da pesquisa de provedores de tecnologia e servios.

Gene Phifer, Vice-presidente Administrativo, trabalha com amplo conjunto de tecnologias voltadas para cloud computing e para a Web.

seria para as empresas tambm? Na verdade muito mais importante para as empresas, que dependem, muitas vezes, de confidencialidade das informaes com que trabalham. A palestra, Escudo ou Neblina?, de Joseph Feiman, no entanto, trouxe novas questes sobre a segurana, pois o foco no foi na proteo ou na importncia da proteo de dados e informaes, mas sim na mudana de perfil dos profissionais de segurana, uma vez que a logstica muda com a computao em nuvem. Neste modelo de computao, os dados so armazenados em lugares desconhecidos pela empresa, e o profissional deve se adaptar a isso para no perder a importncia da sua funo. Outras questes como quais tecnologias so mais ou menos apropriadas para a nuvem tambm foram discutidas.

David Mario Smith discutiu maneiras de desenvolver estratgias realsticas voltadas para aplicao empresarial das redes sociais, como a empresa deve se preparar antes de entrar em uma rede social efetivamente, alm de questes como o impacto nos negcios e como obter retorno de produtos e servios atravs de opinies publicadas na rede.

Entendendo e medindo o valor de negcio da SOA

Falando sobre o controle da nuvem, Gene Phifer explicou como a adoo deve ser feita com o tempo correto para no enfrentar problemas de compatibilidade de processos. O que muda na poltica, na governana e quais as melhores prticas para gerenciar os servios na nuvem. A plataforma muda e o modo de trabalho tambm. Os funcionrios e tcnicos de TI devem reaprender suas funes e adapt-las nova infraestrutura.

Estratgia Racional e Realstica para as Redes Sociais

Ross Altman falou sobre o valor da Arquitetura Orientada para Servios, alm da sua importncia, como ela agrega valor aos processos e ao negcio, e quais so as melhores prticas para aumentar o valor dos investimentos em SOA. O especialista ainda discorreu sobre como as empresas dificilmente reconhecem o valor de implementao dessa tecnologia, exatamente por dependerem de uma boa comunicao entre o pessoal de TI e a administrao para bons resultados.

Concluso

As redes sociais se transformaram em boas ferramentas para as empresas depois que passaram a observar a comunicao atravs delas com mais ateno. H muitos cuidados a serem tomados antes de se aventurar, pois, ao mesmo tempo em que elas fornecem informaes de outras pessoas e organizaes, tambm expem as informaes da prpria empresa.

Controlando a nuvem

Toda adoo de uma nova tecnologia leva tempo. A empresa que decide implementar a cloud deve estar ciente de que esse investimento, dificilmente, trar retorno a curto prazo. preciso avaliar todos os passos, assim como a administrao, governana e a gesto dos processos de TI da empresa.

Novas tecnologias continuaro a ser inventadas, mas algumas delas precisam do tempo certo at ganharem a aceitao do pblico e, principalmente, do mercado. isso que acontece com a cloud computing e as outras tecnologias citadas nesta conferncia. Por isso, vemos a importncia de eventos como esse da Gartner, para ajudar a convencer os empresrios de que as tecnologias, mesmo no sendo diretamente de suas reas, afetam seus negcios, pois envolvem seus processos que na grande maioria dependem de computadores. Sabendo como utilizlas, e utilizando as tecnologias certas, as empresas com certeza sero mais produtivas e competitivas. PC

2011 # 96 # PC&CIA

Tendncias59

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Entrevista60

Um gigante na palma da mo!

C

om a tendncia cada vez mais forte de demanda grfica para diversas aplicaes embarcadas, o lanamento do AMD Fusion para o mercado embarcado vem se destacando por possuir as caractersticas desejadas para atender as necessidades deste mercado. A Tradecomp, representante oficial da AMD Embedded na Amrica do Sul, viu no Fusion uma revoluo em tamanho, consumo de energia e desempenho. Luis Augusto Garcia, gerente de marketing e vendas da empresa, nos falou sobre a importncia do mercado de embarcados e o aparecimento do Fusion como novo objeto de desejo. PC: Qual a grande diferena das plataformas Embedded (embarcadas)? Luis: A diferena est no prprio conceito, solues embarcadas so desenvolvidas para atender uma aplicao especfica, onde seus componentes so diferenciados para suportarem ambientes agressivos de temperatura e operao. Outra grande vantagem a possibilidade de termos plataformas com fatores de forma extremamente reduzidos e I/Os especficos para atenderem tal aplicao, alm da garantia de fornecimento do produto desenvolvido que no sofre alteraes como as que ocorrem constantemente no mercado PC. PC: Qual o tempo de garantia de fornecimento? Luis: A AMD garante 5 anos de fornecimento do chip classificado como Embedded mais 2 anos sob contrato, mas isso apenas um mnimo que se estabelece no mercado e depende da plataforma oferecida. Ns temos o grande exemplo do GEODE LX, lanadoPC&CIA # 96 # 2011

em 2005 e que tem garantia de fornecimento at 2016, ou seja, mais de 10 anos! E com o sucesso que continua fazendo, no duvido que seja prorrogado. A importncia deste fato que se pode adquirir a mesma plataforma para substituio, ampliao ou manuteno do sistema por muito mais tempo, evitando a necessidade de um novo desenvolvimento de software, drivers e com os mesmos I/Os especificados no incio do projeto.

PC: O Embedded no Brasil diferente do resto do mundo? Luis: Sim, completamente. No Brasil temos que entregar todo o diferencial do embedded em um custo que no pode ser muito acima de uma plataforma tradicional PC. Existem ainda hoje vrias aplicaes embarcadas nas quais as empresas esto utilizando plataformas PC, seja por desconhecerem as vantagens do embedded ou, simplesmente, por as ignorarem. Mas isso est mudando, nada como o tempo para provar que os diferencias das solues embarcadas contribuem para um grande ganho para a empresa, reduzindo a manuteno, facilitando a logstica dos equipamentos instalados pelo Brasil, segurana e principalmente com solues que atendem perfeitamente a aplicao sem a necessidade de adaptaes. PC: Qual o diferencial da AMD Embedded? Luis: So definitivamente seus produtos e a flexibilidade do modelo de negcio. A deciso sempre do cliente; se existe a necessidade de um desenvolvimento completo de uma soluo especfica, a AMD e a Tradecomp contribuem com todo o suporte ou desenvolvimento completo. Ou seja, desde o primeiro rascunho, testes e

Luis Augusto Garcia Gerente de Marketing e Vendas da Tradecomp

...o AMD Fusion j virou objeto de desejo no mercado Embedded, principalmente naquelas solues que demandam desempenho grfico...

acompanhamento do desenvolvimento at a identificao dos principais clientes para aquela aplicao. Quando falamos em diferencias, o AMD Fusion j virou objeto de desejo no mercado Embedded, principalmente naquelas solues que demandam desempenho grfico, a tendncia na maioria das novas aplicaes. O AMD Fusion proporciona incrvel desempenho grfico com baixo consumo de energia. Hoje, temos solues de APUs que vo de 5,5 W a 18 W e todas possuem pelo menos a GPU HD RADEON 6250 integrada discretamente dentro do processador. Tudo isso em plataformas que cabem na palma da mo e podem suportar ambientes agressivos de operao. de massacrar! PC

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Monitor LED Ultra Slim Apenas 1,29 cm de espessura. Ser mnimo o mximo.JIMENEZ

Painel LED livre de HG As telas LEDs tem maior qualidade de imagem e so livres de Mercrio, o que ajuda a preservar a natureza.

Ultra low power consumption Economiza at 50% de energia em comparao a um monitor LCD normal.

Off Timer Programe em quanto tempo o EDGE dever desligar-se automaticamente.

e-Saver Reduz o consumo de energia quando o computador estiver no modo Proteo de Tela desligado ou sem usurio.

Power Saving Em modo texto, economiza at 50% de energia em relao utilizao normal.

18,5Full HD* A mais alta resoluo de imagem: maior definio e riqueza de detalhes.

20

21,5

23

FINO EM TODOS OS SENTIDOS.Quem entende de tecnologia sabe quando nmeros e dados se traduzem em ganhos de qualidade, economia e praticidade. E o novo Monitor EDGE LED AOC tem tudo isso, alm de um design surpreendente, com apenas 1,29 cm de espessura. Sua tela LED combina alta relao de contraste de 50.000.000:1 com resoluo Full HD*. Um espetculo de imagem e tambm de economia e sustentabilidade, com consumo de energia at 50% menor em comparao aos monitores LCD comuns. Monitor EDGE LED AOC. Tudo de melhor da tecnologia em quase nada de espessura.www.aoc.com.br/edgeled

Tendo em vista a constante atualizao tecnolgica dos produtos AOC, eventuais modificaes podero ser efetuadas sem aviso prvio. Em caso de dvida, consulte nosso SAC - 0800 10 9539. *Full HD exclusivamente nos modelos e2243Fwk e e2343F2k.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Opinio62

Carreira Web: s fica offline quem querMarcelo Loschiavo Diretor de marketing da DRC Treinamentos (www.drc.com.br)

V

oc nem mesmo terminou de ler o ttulo deste artigo e cinco novos blogs foram criados em alguma parte do planeta. Isso mesmo: no mundo virtual, nasce um blog por segundo. No total, estima-se em mais de 250 milhes o nmero de sites de internet e at 2012 seremos dois bilhes de internautas. Esses dados ilustram a velocidade com que a Internet passou a fazer parte e modificou nossas vidas e o prprio mercado de trabalho. Uma revoluo que comeou no Brasil h menos de vinte anos e ajudou a criar hbitos, culturas, tecnologias, formas de comunicao e expresso, tendncias, necessidades e at profisses. S para programadores de softwares e desenvolvedores h mais de 70 mil vagas no Pas e a estimativa que esse nmero triplique at 2013. preciso pessoal qualificado para cuidar dos layouts, da navegabilidade e do contedo de todas as pginas de internet, blogs e mdias sociais. Tanto que inconcebvel nos dias de hoje que um site criado h dois, trs anos continue igual, sem alterao no seu projeto. Nesse perodo, mudaram a linguagem de programao, a navegabilidade e a prpria forma de o internauta se relacionar com a internet. Enquanto escrevo, novas tecnologias esto sendo desenvolvidas e as que j existem, aperfeioadas. A capacidade de adaptao e a criatividade so alguns dos requisitos para fazerPC&CIA # 96 # 2011

carreira na rea. Sem contar a agilidade para acompanhar as ondas que vm e vo. Hoje vivemos a Web 2.0, amanh o que vai ser? O Orkut no Brasil foi um fenmeno mundial. Hoje todo mundo quer curtir no Facebook. A necessidade de estar sempre atento e atualizado reflete na corrida por cursos, palestras e workshops para tentar antecipar as tendncias. Isso porque em web no existe o clnico geral. O primeiro passo para tornar-se atraente neste mercado definir uma rea de especializao. Os experts so disputados a peso de ouro. Os salrios em web comeam em R$ 2 mil para estagirios e chegam rpido aos dois dgitos, dependendo do nvel de conhecimento do profissional. Entre as quatro principais profisses do segmento de web atualmente, podemos destacar duas mais conhecidas como webdesigner e programador (ou desenvolvedor). H ainda o estrategista de contedo, que responsvel por maximizar o impacto da comunicao na web de acordo com o objetivo, e tem uma viso geral que envolve pesquisa, estratgia editorial, gesto, produo e otimizao de contedo, alm, da avaliao de resultados. A que deve ter uma das maiores demandas tambm a mais recente. O analista de mdias sociais surgiu para suprir a necessidade das empresas de se expressarem no mundo virtual por meio das redes sociais, como Twitter, Facebook e YouTube. Sua funo

produzir contedo e fazer a interface entre a empresa e o cliente. Muitas empresas j vivem essa realidade. A maioria, porm, no se mexe por receio de abrir o canal e receber reclamaes. Parafraseando o inventor norte-americano Benjamin Franklin, que disse que as nicas duas certezas na vida so a morte e os impostos, eu incluiria uma terceira: as reclamaes dos consumidores. Saiba que elas viro, independentemente de os canais virtuais existirem ou no. H, nas redes sociais, muitos casos de clientes insatisfeitos ignorados pelos fornecedores, que expuseram seu problema na rede, na forma de vdeos no YouTube, perfis no Twitter ou blogs, criando um movimento negativo gigantesco. Se as companhias tivessem o canal aberto e bem administrado, teriam interagido com o cliente antes de o estrago ser feito. Hoje, quem fala na internet grita para multides. Abrir esse canal, mant-lo vivo e dinmico, tornou-se estratgico, porque ele divulga e vende o produto, tira dvidas, interage com os consumidores e protege a empresa, com uma caracterstica que vira um diferencial na conquista e fidelizao do cliente: a transparncia. As empresas no podem mais ignorar a fora da internet, o que criar milhares de oportunidades de trabalho. E voc, vai correr o risco de ficar offline? PC

A preveno sempre mais fcil e menos dolorosa

Renann Fortes Gerente de Produto da Site Blindado S/A, empresa especializada em segurana na internet

A

recente onda de ataques a sites de empresas e rgos do governo levantou um alerta para milhes de internautas em todo o pas: a preocupao com segurana louvvel e necessria, o motivo para esse terrorismo feito pela mdia, no. Ser mesmo que s agora apareceram essas brechas de segurana? Estvamos seguros e agora esto todos expostos? Comparo esse barulho todo que estamos vendo com as grandes tragdias, como aquela da escola em Realengo, no Rio de Janeiro. Logo aps a catstrofe, centenas de pessoas foram aos microfones pregar o desarmamento, mas a poeira abaixou e ningum mais fala no assunto. A preocupao com a segurana online (ou offline) deve ser constante. Igualmente ao cuidado com a nossa sade, a preveno sempre mais vantajosa e menos dolorosa. Essas invases a empresas e governos no passam de um trote, provocado por um ou outro motivo, pois o verdadeiro bandido online no se expe ou chama a ateno mas, sim, rouba dados, cartes de crdito, senhas, entre outras informaes para utilizar ou revender no mercado negro. Essa deve ser a maior preocupao dos usurios e profissionais de internet. A recomendao lembrar de digitar o endereo do site, que pretende visitar,

diretamente na barra de endereos, evitando assim clicar em links encurtados com vrus ou em imitaes de sites verdadeiros. Embora a maioria das recomendaes se refira a sites de compra, o usurio tem que tomar tanto ou mais cuidado ao navegar em sites, na teoria, inofensivos. Os hackers, na maioria das vezes se aproveitam de vulnerabilidades em sites inofensivos como blogs ou ainda site institucional de grande circulao, deixando, assim, milhares de computadores que passam por l vulnerveis a perder dados ou participar de ataques coordenados para derrubar empresas ou governos. Ento, preste muita ateno onde navega! Mesmo sem estar comprando algo, seu computador pode ser marcado e contaminado para quando for de fato comprar ou entrar em seu banco, todas as suas informaes estaro disponveis de bandeja para os criminosos virtuais. Pode parecer mais complicado do que realmente , mas, basta que voc tome os mesmos cuidados que se tm ao sair na rua, cuidados como procurar sempre circular por locais bem iluminados, policiados ou com uma boa segurana particular. Na internet a situao parecida: frequente lugares bem sinalizados, organizados e com credibilidade, alm de ter um antivrus sempre atualizado. Isso ir diminuir sensivelmente o risco de fraudes ou golpes.

...a preocupao com segurana louvvel e necessria, o motivo para esse terrorismo feito pela mdia, no.

Caso o site que voc visita seja de e-commerce, verifique se h telefone para contato, se h os indicadores de segurana como o cadeado no navegador, auditorias externas comprovando data e tipo de verificao e, se ainda tiver dvidas, use os mecanismos de busca para ter referncias da loja em que est prestes a te vender um produto. A Internet hoje um mundo a parte e passamos boa parte de nosso dia nela. No faz sentido a preocupao com a segurana existir apenas no momento da compra, ou aps sofrer com alguma fraude ou ataque. A preveno sempre mais fcil e menos dolorosa. Na internet o melhor ditado Diga-me por onde andas que saberei quem tu s. PC2011 # 96 # PC&CIA

Opinio63

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Opinio64

As dificuldades das empresas de TI na hora de contratar

Rodrigo Resegue Diretor de marketing da DRC Treinamentos (www.drc.com.br)

Q

uando se pensa no setor de TI, a imagem que nos vem a cabea a de um mercado aquecido, que oferece timos salrios e possui grandes oportunidades em aberto. De fato, essa uma imagem verdadeira. Quem decide, ou j decidiu seguir carreira na rea de TI, tem chances enormes de ter um futuro profissional promissor. Do ponto de vista do trabalhador, o cenrio parece ser de mil maravilhas. Contudo, chamo a ateno para o que as empresas andam enfrentando no momento em que decidem contratar funcionrios da rea. O que acontece que, como a oferta de vagas muito grande, os profissionais experientes dificilmente ficam sem emprego. E mesmo os mais jovens, com pouca experincia, querem ganhar salrios altos, pois sabem que oportunidades no faltaro. Por esses motivos, as empresas sofrem muito na hora de contratar.

Um caso real

Recentemente passei por essa experincia. Sou diretor da Blue Service, empresa que atua no desenvolvimento e licenciamento de softwares corporativos, consultoria em TI e desenvolvimento de sistemas para internet (mais informaes no Box 1). No incio do ano, aps a chegada de novos clientes, percebi que era a hora de aumentar minha equipe, contratando novos funcionrios. Minha ideia inicial era reforar o time com um web designerPC&CIA # 96 # 2011

e dois programadores plenos, que atuariam no desenvolvimento de softwares. A partir desse momento comearam as dificuldades. Recorri a amigos da rea e coloquei anncios em dez sites de emprego, ento comecei a receber currculos. Dos currculos que chegavam, pouqussimos atendiam o perfil da vaga. Foram trs meses de busca, durante os quais realizei mais de cinquenta entrevistas e gastei um tempo precioso. Resultado: consegui preencher apenas a vaga de web designer, nenhum outro profissional realmente me convenceu. Decidi ento trocar de estratgia, j que estava difcil contratar programadores plenos (leia-se, prximo do impossvel), resolvi dar a oportunidade para estagirios e prepar-los de acordo com a atuao da empresa. Contratei quatro universitrios que apresentaram um bom nvel de conhecimento e a promessa de comprometimento com a empresa. Os jovens esto atuando no desenvolvimento de sistemas e at o momento esto com um bom desempenho. O que aconteceu comigo acontece com vrias empresas

Estudantes

Gostaria de aproveitar esse espao para dar um recado aos estudantes da rea de TI, sejam eles dos cursos de engenharia da computao, cincia da computao, tecnologia em informtica ou sistemas de informao: aproveitem as oportunidades de estgio.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Estagiar o caminho para se tornar um profissional com o mnimo de experincia exigida pelo mercado. Uma soluo criativa, que permite moldar os profissionais de acordo com o perfil da empresa. Quando se fala de desenvolvimento de sistemas, muita gente me pergunta qual a melhor tecnologia ou linguagem para se iniciar no mercado de trabalho. Acredito que o profissional que atua no desenvolvimento de software deve ser especialista em uma linguagem, mas tambm ter boa familiaridade com as outras, pois haver momentos em que o mercado pedir por esses conhecimentos. Na nossa empresa, por exemplo, buscamos profissionais que tenham conhecimentos em tecnologias e linguagens de acordo com os nossos projetos, sejam eles em PHP, .Net ou JAVA. ao projeto elementos que surpreendero positivamente, isto o torna um profissional extremamente valioso.

O mercado brasileiro

Conhecimento tcnico, mas no s

Atualmente, o mercado de TI brasileiro o 6 maior do mundo e no novidade dizer que o bom desempenho da economia do pas e o potencial de crescimento mantero o setor bem aquecido. Apesar dos nmeros animadores, penso que o mercado em nosso pas ainda muito informal, tanto do lado dos trabalhadores, como dos contratantes. Tal crescimento exige uma mo de obra qualificada tecnicamente, com conhecimento estratgico e capacidade de operao. Em consequncia disso, os clientes esto cada vez mais exigentes e buscam por solues que atendam s suas necessidades de maneira personalizada.

Outra coisa que muito jovens no fazem, mas deveriam fazer, se interessar por matrias que vo alm dos conhecimentos tcnicos de TI. Digo isso, pois importantssimo ter boas noes de marketing e administrao para entender o dia a dia empresarial. Isso se torna um imenso diferencial para o profissional de TI. Alm disso, esse profissional deve estar super antenado aos novos conceitos e tendncias. O mundo da TI muda muito rapidamente, devemos tomar cuidado para no ficar para trs. Imagine o caso de um programador que trabalha no desenvolvimento de sistemas para portais de internet. Um grande diferencial competitivo desse profissional seria o conhecimento sobre design. No digo que ele precisa ser um especialista no assunto, mas algum que tiver feito cursos na rea e souber um pouco como funciona o trabalho da empresa, ir se destacar. Reforo que necessrio entender o negcio do cliente. Saber como e de que maneira o sistema vai ajudar. fundamental fazer buscas na internet para conhecer melhor a rea de atuao da empresa, devemos sempre ir alm daquilo que o ponto focal do cliente nos passa, pois seu conhecimento das regras de negcio geralmente so limitados ao modelo operacional das empresas em que trabalhou. Para superar as expectativas do cliente, temos que contribuir com mais do que ele pedir, o desenvolvedor que faz essa lio de casa naturalmente agregar

O perfil do brasileiro

A fuso tnica presente no Brasil faz de ns um povo muito criativo. O profissional brasileiro, de uma maneira geral, est acostumado a criar solues brilhantes, mas seu conhecimento muitas vezes emprico e o planejamento deixa a desejar. O que ainda falta a grande parte desses profissionais a capacitao tcnica de excelncia e a viso de projeto de longo prazo, quesitos onde o Leste Europeu, por exemplo, nos supera, e as faixas salariais por l, que antes equivaliam s nossas, atualmente so muito mais competitivas, isso sem falar nos astronmicos encargos sociais existentes em nosso pas, portanto poderemos nos prximos dez ou vinte anos perder mercado para pases como Bulgria e Romnia, no que tange ao desenvolvimento de sistemas. pc

Sobre a Blue ServiceA Blue Service uma empresa 100% brasileira que atua no desenvolvimento e licenciamento de softwares corporativos, consultoria em tecnologia da informao e desenvolvimento de sistemas para internet. Alm de plataformas prprias, como o CredBase e o BlueBase, a empresa tambm desenvolve solues personalizadas, tendo como foco atender o cliente da forma mais eficiente visando o relacionamento de longo prazo. uma empresa jovem, mas formada por profissionais com ampla experincia.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Opinio66

Copa e Olimpadas:

as chances de ouro do Brasil

S

e o fato de sediar uma Copa do Mundo de futebol j um grande feito, que traz inmeros investimentos e perspectivas grandiosas, imagine a oportunidade de ter, alm disso, as Olimpadas. Pois bem, este o cenrio do Brasil. A Copa do Mundo de futebol um torneio realizado a cada quatro anos pela Federao Internacional de Futebol (FIFA). A primeira edio aconteceu em 1930, no Uruguai, com a vitria da seleo da casa. As chances para todo o pas so promissoras em diversos mbitos: infraestrutura bsica, Tecnologia da Informao, moradia, transportes e muito mais. A tendncia que tudo melhore com o advento de tais eventos, no ? Deveria ser, mas (desculpem pelo termo) estamos no Brasil, conhecido pelas suas falcatruas e mamatas polticas para favorecer poucos e, por consequncia, desviar investimentos que so para o bem pblico. Est lanado o problema. O poder pblico deve ser o primeiro a pensar na magnitude e nas chances reais do Brasil emergir muito melhor do que entrou aps a Copa e as Olimpadas. A capacidade administrativa, o bom senso poltico e as lideranas sero postas prova, pois muito deve ser feito para criar a estrutura mnima capaz de suportar tamanhos eventos. Mas, e como comear? 1 Que o poder pblico cumpra seu papel e zele pelos investimentos, fazendo com que eles cheguem a 100% de cumprimento dos objetivos gerados. Criar rgos de controle e transparncia dos gastos o mnimo para que tudo ande conforme planejado; 2 Planejamento correto levar ao sucesso. Se este item no for cumprido, os eventos esto fadados ao fracasso. Por quePC&CIA # 96 # 2011

a mquina pblica (em sua maioria) no anda bem, enquanto empresas privadas crescem a passos largos? A palavra mgica planejamento. 3 Lideranas que faam acontecer. Este item a cereja do bolo. Essencial em qualquer conquista. Onde os distribuidores de T.I. e os revendedores de tecnologia entram nesse cenrio? Em vrias questes, mas principalmente no que tange parte tcnica, seja em produtos, suporte ou servios. neste nvel da cadeia de fornecimento que esto concentradas as mentes e braos com habilidade para suprir as novas demandas advindas dos eventos esportivos. impossvel pensar que um mero fornecedor de produtos comoditizados (notebooks, impressoras etc..) seja capaz de fornecer o que for necessrio para projetos mais complexos. Esse um movimento importante, pois distribuidores e revendedores esto indo para um caminho que no pode (pelo menos neste momento) ser trilhado por grandes varejistas, que tm por fim gerar volumes e no atender projetos e especificaes mais complexas que demandem tempo, relacionamento e conhecimento. Esse o papel do revendedor. E onde est o distribuidor neste contexto? Este deve fornecer os produtos, o crdito e a entrega para que todo o ciclo possa se completar e atender o cliente. Se distribuidores e revendedores no estiverem indo por este caminho, talvez vejamos uma derrocada de muitos em breve, causando um encolhimento no mercado. Por outro lado, se estes investirem em treinamentos, produtos e tudo mais que possa desenvolver e capacitar suas equipes de forma a antever e suprir com solues corretas as necessidades vindouras do mercado, orientando suas aes

Bruno Coelho Gerente de Marketing da AGIS

impossvel pensar que um mero fornecedor de produtos comoditizados seja capaz de fornecer o que for necessrio para projetos mais complexos.

aos clientes e assim abraar mais oportunidades de negcio, o sucesso certo. As perspectivas so as melhores possveis, mas a conscincia a vontade de todos, tanto o setor pblico quanto o privado, mesmo da populao. Todos tm papel fundamental para o sucesso. preciso que cada um cumpra perfeitamente seu papel para colhermos os melhores resultados em curto prazo. No h pas na histria que no deu passos largos rumo ao desenvolvimento aps tais acontecimentos. Todos esperamos realmente que o Brasil seja mais um caso de sucesso. Nestes jogos, s o ouro nos interessa. PC