Revista PC e CIA 98

  • Published on
    10-Aug-2015

  • View
    232

  • Download
    55

Transcript

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Editora Saber Ltda.Diretor Hlio Fittipaldi

Virtualizao mvelQuando falamos de virtualizao, logo vem a nossa mente um servidor, certo?

www.revistapcecia.com.br

Pois , de fato essa tecnologia casa muito bem com servidores e datacenters, mas j passamos do ponto em que ela s se prestava para isso. Hoje, ela est presente em desktops e at notebooks. Se pensarmos na virtualizao como uma forma de executar mais de um sistema operacional ao mesmo tempo, estaremos vendo apenas parte das vantagens dessa tecnologia. Por abstrair o hardware e adicionar uma camada de controle e monitoramento entre ele e o sistema operacional, a virtualizao tambm pode servir como uma ferramenta de segurana, oferecendo recursos como backups eficientes, manuteno remota e tambm proteo no acesso de dados. Tudo isso muda radicalmente a forma como as empresas veem suas mquinas virtuais. At hoje, a forma de trabalho mais comum sempre foi executar as mquinas virtuais no servidor e acessar a interface com o PC (semelhante a um thinclient), de forma que cada3

Editor e Diretor Responsvel Hlio Fittipaldi Editor de Tecnologia Daniel Appel Conselho Editorial Roberto R. Cunha Colaboradores Daniel Netto Denis Eustquio Diego Vivncio Ricardo Calimanis Ronnie Arata Reviso Eutquio Lopez Designers Carlos Tartaglioni, Diego M. Gomes Produo Diego M. Gomes

Daniel Appel

PARA ANUNCIAR: (11) 2095-5333 publicidade@editorasaber.com.br Capa Arquivo Ed. Saber Impresso Grfica Ideal Distribuio Brasil: DINAP Portugal: Logista Portugal Tel.: 121-9267 800 ASSINATURAS www.revistapcecia.com.br Fone: (11) 2095-5335 / fax: (11) 2098-3366 Atendimento das 8:30 s 17:30h Edies anteriores (mediante disponibilidade de estoque), solicite pelo site ou pelo tel. 2095-5333, ao preo da ltima edio em banca. PC&CIA uma publicao da Editora Saber Ltda, ISSN 0101-6717. Redao, administrao, publicidade e correspondncia: Rua Jacinto Jos de Arajo, 315, Tatuap, CEP 03087-020, So Paulo, SP, tel./fax (11) 2095-5333. Associada da:

usurio possa ter seu prprio SO, mas com manuteno e segurana facilitadas devido centralizao. O lado negativo que isso dificulta a mobilidade, pois uma vez fora da rede local os notebooks perdem acesso com seu sistema. Isso vai contra todas as tendncias de crescimento da mobilidade dentro das empresas. Felizmente, com a maturidade dos hypervisors para clients podemos ter o melhor dos dois mundos: virtualizao com manuteno centralizada, mas com mobilidade garantida e excelente desempenho sem perder o controle da segurana. Assim, no h mais motivos para deixar seus usurios presos no escritrio e desconectados fora dele, basta se inteirar das mais novas tecnologias nos artigos que preparamos para voc.

Tenha uma tima leitura!

Atendimento ao Leitor: leitor@revistapcecia.com.brOs artigos assinados so de exclusiva responsabilidade de seus autores. vedada a reproduo total ou parcial dos textos e ilustraes desta Revista, bem como a industrializao e/ou comercializao dos aparelhos ou idias oriundas dos textos mencionados, sob pena de sanes legais. As consultas tcnicas referentes aos artigos da Revista devero ser feitas exclusivamente por cartas, ou e-mail (A/C do Departamento Tcnico). So tomados todos os cuidados razoveis na preparao do contedo desta Revista, mas no assumimos a responsabilidade legal por eventuais erros, principalmente nas montagens, pois tratam-se de projetos experimentais. Tampouco assumimos a responsabilidade por danos resultantes de impercia do montador. Caso haja enganos em texto ou desenho, ser publicada errata na primeira oportunidade. Preos e dados publicados em anncios so por ns aceitos de boa f, como corretos na data do fechamento da edio. No assumimos a responsabilidade por alteraes nos preos e na disponibilidade dos produtos ocorridas aps o fechamento.

Associao Nacional das Editoras de Publicaes Tcnicas, Dirigidas e Especializadas

2012 # 98 # PC&CIA

Editorial

Indice

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

HARDWARE

Lenovo

ThinkPad X1

10 C3 Tech Charger Pro 16 Notebooks Vaio series S e C 21 Endurance Engine 1.6 24 Sem energia no funciona!TESTES

12

4 4

30 Gigabyte GA-A75M-D2H

26MSI

REDES

E350IA-E45

45 Instalando o Citrix XenServer 6 54 Storage iSCSI acessvel com FreeNAS

36Citrix

61 iOmega StorCenter ix2 - Cloud Edition 64 SEO: estratgia digital a seu favor

PC&CIA # 98 # 2012

Virtualizao para viagem! Parte 1

XenClient:

Editorial Notcias

03 06

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Notcias6

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

SMS anuncia nobreakscorporativos de 10 a 100 kVaCom o lanamento, a SMS Tecnologia Eletrnica expande sua linha de nobreaks corporativos Sinus Triphases. Esses equipamentos chegam ao mercado com potncias de 60 kVA, 75 kVA e 100 kVA. Devido a grande aceitao dos equipamentos com potncia entre 10 kVA e 50 kVA, decidimos investir no desenvolvimento de produtos mais potentes, diz Auster Moreira Nascimento, Diretor Geral da SMS. Manter operaes em pleno funcionamento e sem interrupes uma necessidade constante para companhias dos mais diversos portes, independentemente do setor de atividade explica o diretor geral.

Sinus Triphases 60 kVA, 75 kVA e 100 kVAOs nobreaks Sinus Triphases 60 kVA, 75 kVA e 100 kVA so de dupla converso, senoidal e trifsicos. Um dos principais benefcios a otimizao das instalaes eltricas, pois conta com corretor de fator de potncia (PFC) que minimiza os problemas de distoro harmnica, reduz o consumo da corrente eltrica e ainda diminui o aquecimento de cabos e transformadores. Desenvolvido com tecnologia de blocos IGBTs, o Sinus Triphases um equipamento que garante maior confiabilidade, para que as aplicaes de misso crtica no apresentem falhas em caso de problemas com o fornecimento de energia eltrica. O equipamento oferece um completo relatrio de eventos atravs do display inteligente que armazena o registro com data e hora das ltimas 1.000 ocorrncias. Alm disso, o sistema

Linha Sinus TriphasesA linha Sinus Triphases composta por 24 modelos de nobreaks de dupla converso e trifsicos, com potncias de 10 kVA, 20 kVA, 30 kVA, 40 kVA, 50 kVA, 60 kVA, 75 kVA e 100 kVA. Estes nobreaks podem ser utilizados por indstrias que contam com grandes equipamentos que precisam de energia ininterrupta. Entre outros segmentos, a linha Sinus Triphases um importante recurso para ambientes corporativos, laboratrios e hospitais, para garantir a continuidade dos negcios. Mesmo em instalaes providas de geradores, os nobreaks so indispensveis, pois garantem o funcionamento ininterrupto dos equipamentos durante o processo de start up do gerador., finaliza Auster.

microprocessado que gerencia este nobreak, garante preciso e rapidez a todas as operaes. Para garantir maior proteo carga, o Sinus Triphases tem inversor isolado da entrada, por meio de isolao galvnica. Com proteo contra descarga total das baterias, este equipamento tem um sistema de recarga automtica. Dessa forma, as baterias esto sempre em plena carga, proporcionando maior tempo de autonomia. Outra caracterstica importante do equipamento a proteo contra sobreaquecimento no inversor e contra sub e sobretenso da rede eltrica. Isso porque um sistema de autoproteo evita avarias, caso o consumo dos equipamentos conectados ao nobreak exceda a potncia nominal determinada. Ou seja, o Sinus Triphases suporta a sobrecarga por um tempo, aciona automaticamente o bypass que passa a fornecer a energia diretamente da rede eltrica.

Internet 0800

ter primeiros testes no DFA ideia criar uma conexo pela internet, semelhante das ligaes telefnicas. Os primeiros testes, do modelo de acesso com tarifao reversa, devero iniciar em maro na regio administrativa de Varjo, no DF. O servio, tambm chamado de Internet 0800, ser operacionalizado pelo Ministrio das Comunicaes, Anatel e pelo Comit Gestor de Internet no Brasil (CGI.br) e tem o objetivo principal de atendimento ao cliente. Segundo Paulo Bernardo, ministro das Comunicaes, o servio no pretende substituir as chamadas telefnicas, mas, como alternativa, ainda poder baratear os custos de uma empresa de call center, ao substituir atendentes por um site de autoatendimento. Instituies bancrias tambm se beneficiaro do servio, economizando e melhorando na parte operacional.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Novos termovisoresda FlukeA Fluke Corporation, especializada em tecnologia eletrnica e porttil de medies e testes, apresenta cinco novos termovisores: Fluke Ti110 e Ti125 para aplicaes industriais/comerciais, TiR110 e TiR125 para aplicaes de diagnstico predial e Ti100 para uso geral, inclusive no ramo de TI. So ideais para datacenters e CPDs, no monitoramento da eficincia da refrigerao do ambiente, que pode se traduzir em economia de energia. Alm disso permitem diagnosticar problemas de superaquecimento em racks e servidores, antes que se tornem crticos. Os produtos foram desenvolvidos para atender diferentes usurios, aplicaes e preos: Ti110 e Ti125 - para tcnicos de fbrica, eletricistas e profissionais de HVAC/R (sistemas de aquecimento, ar condicionado, ventilao e refrigerao) que precisam fazer manuteno e inspecionar componentes e equipamentos mecnicos e eltricos. TiR110 e TiR125 - para inspeo de instalaes e profissionais de auditoria de energia que avaliam e relatam problemas de isolamento, vazamento de ar, umidade ou defeitos de construo. Ti100 - para aplicaes gerais. A mesma resistncia e facilidade de uso para profissionais conscientes de seu valor. Ti110, Ti125, TiR110 e TiR125 incluem o sistema de foco IR-OptiFlex, o sistema de anotaes IR-PhotoNotes, vdeo com foco fixo, tecnologia IR-Fusion e SmartView. Todos os termovisores so fornecidos completos: adaptador de energia CA, bateria "inteligente" de on de ltio (os modelos Ti125 e TiR125 possuem duas baterias cada; os outros uma cada), cabo USB para transferir imagens diretamente para o computador, carto de memria SD, maleta rgida, bolsa para transporte, ala de mo (podendo ser utilizada na esquerda ou direita) e manual do usurio (5 impressos, 18 eletrnicos). Os modelos Ti125 e TiR125 tambm vm com uma base para carregamento com espao para duas baterias, leitor de carto de memria USB multifuncional e um cabo USB maior separado para uso com vdeo em transmisso. Apresentando diversos recursos, que mesmo avanados, so fceis de usar, os novos produtos podem se tornar parte regular de rotinas de diagnstico e soluo de problemas. Sistema de foco IR Optiflex - Elimina a necessidade de ajuste de foco, ou seja, est sempre em foco para distncias maiores de 1,2 m. Alm da opo de foco manual para distncias menores. Com o IR Optiflex, mais fcil e rpido tirar fotos precisas e com foco ntido. Tecnologia IR-Fusion - Aproveite a nica cmera com IR-Fusion do setor. A tecnologia patenteada da Fluke e j conhecida pelo mercado que mescla imagens digitais e infravermelhas em uma nica imagem para documentar com preciso reas com problema foi melhorada. Operao apenas com uma mo - Os termovisores foram projetados para encaixar perfeitamente na mo e todos os botes podem ser alcanados com o polegar, mesmo usando luvas. So leves o suficiente para apontar vertical ou horizontalmente, e para o uso por longos perodos sem cansar a mo. Construo durvel - Os termovisores da Fluke so projetados para o trabalho duro. Qual outra cmera resistente o suficiente para no quebrar ao cair de 2 metros e continuar sendo utilizada no trabalho logo aps a queda? Gravao de vdeo Multi-Mode - Grava vdeos sem a necessidade de ajuste de foco em luz visvel e infravermelha com recursos completos do IR-Fusion. Monitora os processos ao longo do tempo, cria relatrios de vdeo infravermelho e soluciona problemas quadro a quadro. IR PhotoNote - Capture at trs fotos digitais por arquivo de imagem trmica e faa um registro preciso dos modelos de equipamentos, placas de identificao e outras informaes teis. Bssola eletrnica - Salve a leitura da bssola com a imagem trmica, garantindo que voc e as outras pessoas saibam o local do problema. Software profissional SmartView para anlise e emisso de relatrios de IR - Pacote profissional de ferramentas de anlise e emisso de relatrios para visualizar, comentar e editar imagens infravermelhas. Software sem necessidade de licenas e com upgrades vitalcios gratuitos. Os termovisores podero ser encontrados nos distribuidores em todas as localidades do pas. Para obter mais informaes, acesse: www.fluke.com.br Para saber mais sobre a termografia aplicada a TI, baixe j a edio n 97 (http:// www.revistapcecia.com.br/index. php/edicoes/672-edicao-97.html).

2012 # 98 # PC&CIA

Notcias7

Notcias8

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Idec entra com ao civilpblica contra AnatelO Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) ingressou com uma Ao Civil Pblica para que a Justia determine a excluso da ABR Telecom (Associao Brasileira de Recursos em Telecomunicaes) - associao formada por operadoras - do processo seletivo da EAQ (Entidade Aferidora da Qualidade) que dever fazer a medio oficial da qualidade dos servios de banda larga - fixa e mvel. A escolha da empresa deve ocorrer, conforme previsto em edital, at 29/02/2012. A EAQ ter atribuio especialmente de avaliar o cumprimento dos critrios ligados conexo, como velocidade mnima e mxima, disponibilidade do servio, perda de pacotes, entre outros. Vale esclarecer que, apesar de haver previso nos regulamentos da disponibilizao de um software de medio aos consumidores, a medio oficial ser realizada pela Entidade Aferidora da Qualidade e repassada Anatel. Portanto, a ao do Idec inclui a Anatel, a prpria ABR Telecom e contra as empresas contratantes (Algar, Cabo Telecom, Claro, Embratel, GVT, NET, Nextel, Oi, Sercomtel, Telefonica, TIM e Vivo) e componentes da Comisso de Seleo (GVT, TIM, Telefonica/Vivo, Algar Telecom, Nextel, Embratel, Claro e Net Servios e Oi), com o entendimento de que essa aferio precisa ser realizada por uma entidade imparcial, autnoma e com neutralidade decisria. "Manter a ABR Telecom nesse processo atenta contra os princpios da impessoalidade e da moralidade administrativa, previstos na Constituio Federal, e que devem permear a atuao da Anatel como ente da Administrao Pblica indireta", conclui a gerente jurdica do Idec, Maria Elisa Novais. A ao, distribuda em 27/02/2012, tem pedido de antecipao de tutela pela imediata excluso da empresa ABR Telecom, ainda no analisado pela Justia. participao do Idec, ficou previsto que, no prazo de 120 dias da publicao dos regulamentos no Dirio Oficial da Unio (ambos publicados em 31/10/2011), as empresas prestadoras dos SCM (Servio de Comunicao Multimdia) e do SMP (Servio Mvel Pessoal) deveriam selecionar e contratar a Entidade Aferidora da Qualidade (EAQ), que ficaria responsvel pela aferio dos indicadores de rede e pelo software de medio. Porm, todo esse processo de seleo no conta com a adequada transparncia, o que foi reclamado pelo Idec em 03/02/2011, em carta enviada Anatel, pedindo que fossem publicadas no site da agncia reguladora a composio da Comisso de Seleo e as empresas candidatas, ocasio em que foi divulgada a participao da ABR Telecom. A ABR Telecom uma associao composta pelas prestadoras do SCM e do SMP, ou de empresas do mesmo grupo, criada para operacionalizar a portabilidade numrica. Enquanto responsvel pela portabilidade numrica, h maior equilbrio, tendo em vista que as empresas associadas tm o interesse comum de aprimorar o processo de portabilidade, reduzindo o perodo para que ela ocorra e mantendo a qualidade do servio, o que beneficia o consumidor. Contudo, apesar do pedido escrito de inadmissibilidade de candidata elaborado pelo Idec e enviado em 07/02/2012, a resposta da Anatel, em 14/02/2012 foi evasiva e, at o momento, a ABR Telecom permanece no processo seletivo, cuja deciso sobre a escolha da empresa deve ocorrer, conforme previsto em edital, at 29/02/2012. Vale esclarecer que a Anatel no est isenta de observncia dos princpios da Administrao Pblica por no se submeter lei geral de licitaes, tendo em vista que o princpio constitucional e a Lei Geral de Telecomunicaes determina que os processos licitatrios devem ser observados, tais como a consulta e o prego, para a contratao de empresas para atividades de apoio na fiscalizao.

Kingston anuncianovos cartes SDHCCom vazo minima de 10 MB/s e capacidade de at 16 GB, os novos produtos foram desenvolvidos especialmente para gravao de contedo em alta definio. Disponveis nas capacidades de 4 GB, 8 GB e 16 GB, os novos cartes so compatveis com equipamentos SDHC e SDXC, contam com suporte aos sistema de arquivos FAT32, trazem boto de proteo contra gravao integrado que, quando ativado, evita a perda acidental de dados e so certificados pela ltima especificao da SD Association (www. sdcard.org/home). Especificaes: Capacidade: 4 GB, 8 GB e 16 GB Dimenses: 24 mm x 32 mm x 2,1 mm (0,94" x 1,25" x 0,08") Velocidade de transferncia de dados: Class 10 (10 MB/s) Temperaturas de armazenamento: - 40C a 85C Temperatura de operao: - 25C a 85C Voltagem: 3,3 V Os dispositivos so 100% testados pela Kingston, possuem garantia vitalcia e suporte tcnico gratuito. Preos: SD10V / 4GB: R$ 24,90; SD10V / 8GB: R$ 34,90; SD10V / 16GB: R$ 69,90 A Kingston oferece uma Tabela de Armazenamento por Capacidade (www.kingston.com/br/usb/storage_chart), onde os usurios podem consultar qual a capacidade mais adequada s suas necessidades. Para informaes mais detalhadas, visite www.kingston.com/br/flash.

Contexto e reivindicaes do Idec:Com a aprovao dos regulamentos, os quais foram submetidos a consultas pblicas entre 2010 e 2011, com ativa

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Encerrado processo sobre direitosautorais dos fusos horrios da TerraEm mais um estranho caso de disputa por direitos autorais, a empresa americana Astrolabe Inc. processou Arthur Olson e Paul Eggert, at ento principais mantenedores da Time Zone Database (tambm conhecida por tz database). O Time Zone Database era um banco de dados que continha informaes histricas, utilizado por milhes de computadores. Ele carregava cdigos de fusos horrios e dados empregados por softwares e sistemas operacionais como Unix, Linux, Java e Oracle para determinar hora e data correta para um determinado local. Prem, tudo isso no impediu que, em outubro de 2011, ele fosse retirado do ar como resultado da ao judicial movida pela Astrolabe, que especializada no desenvolvimento de softwares astrolgicos. A empresa alegou ser a detentora dos direitos autorais de parte das informaes utilizadas na composio do banco de dados, pois, ela tinha comprado os direitos sobre o The American Atlas, que foi indicado algumas vezes como fonte pelos mantenedores. claro que um banco de dados to importante e amplamente utilizado no sairia do ar sem prejudicar milhes de usurios. Para evitar isso, a ICANN (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers), a pedido da IETF (Internet Engineering Task Force), entrou na briga. A entidade sem fins lucrativos, responsvel pela coordenao dos sistemas de identificadores nicos da Internet, no s assumiu a operao do banco de dados e o recolocou no ar (www.iana. org/time-zones) ainda em outubro, como tambm se prontificou a lidar com quaisquer assuntos jurdicos que eventualmente surgissem. Diante de tamanha mobilizao, em 22 de fevereiro de 2012 a Astrolabe Inc. retirou a acusao e, em comunicado, lamentou o incmodo causado aos acusados e aos usurios da Internet, informando que o processo foi fruto de uma falha na interpretao da legislao. Agora, e s agora, eles reconhecem que dados histricos no so propriedade de ningum.

Fundao Mozilla liberaBaseado nas verses oficiais, o Firefox ESR (Extended Support Release) contar com atualizaes de segurana por 54 semanas com sobreposio de 12 semanas entre novas verses para qualificao do software. Segundo a Mozilla, o Firefox ESR foi desenvolvido especialmente para escolas, universidades e empresas, onde a nova poltica de lanamento (RapidRelease), de liberar uma nova verso a cada seis semanas, no foi bem aceita. Com isso, essas organizaes tero mais tempo para o processo de certificao, antes da implantao, e tambm um perodo maior com atualizaes.

primeira verso do Firefox com tempo de suporte estendidoO primeiro Firefox Extended Support Release tem como base a verso 10.0, e a data de seu lanamento coincidiu com a do Mozilla Firefox 10.0 oficial. De acordo com a fundao Mo zilla, as atualizaes de ambas verses sero liberadas sempre em conjunto. A nova verso pode ser encontrada em http:// download.mozilla. org/?product=firefox-10.0.2esr .

2012 # 98 # PC&CIA

Notcias9

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

C3 Tech

Charger Pro Que tal um carregador porttil capaz de estender a bateria de praticamente qualquer equipamento?10

Daniel Appel

certo que existem pessoas e pessoas, algumas so mais tecnolgicas e gostam de aparelhos eletrnicos e gadgets, e fazem questo de carregar consigo seus tablets, smartphones, notebooks (ou netbooks), mp3 players, videogames portteis como Sony PSP e o Nintendo DS, e cmeras fotogrficas, entre outros. J em um universo completamente diferente, temos tambm pessoas que vivem bem com um mnimo de tecnologia. Na maioria das vezes, um celular j basta. quase impossvel agradar a esses dois pblicos, invariavelmente um produto desenvolvido para um tipo de usurio acaba por no agradar ao outro. Mas, acredite, encontramos uma exceo.

celular contm tipicamente uma bateria de 800 a 1150 mA.h. Ou seja, o Charger Pro capaz de reter energia suficiente para vrias recargas de um celular convencional. Mas no se engane: ele til tambm para dar vida extra a qualquer notebook. difcil mensurar exatamente, porque cada aparelho varia muito em termos de requisitos eltricos, mas pode-se esperar entre uma e duas horas extras de trabalho, tempo mais do que suficiente para terminar a tarefa ou encontrar uma tomada.

Praticidade

Com dimenses de apenas 11 x 7,5 x 2,3 cm, o Charger Pro pequeno e prtico, mas no o suficiente para caber no bolso.

Charger Pro

A nica coisa em comum que esses dois perfis de usurio tm a dependncia, em maior ou menor grau, de baterias. Mesmo quem no tem incontveis gadgets leva muito a srio essa questo, pois no pode se dar ao luxo de ficar sem celular porque faltou carga. Por isso o carregador Charger Pro, da C3 Tech, um dos poucos produtos que agrada a gregos e troianos. Trata-se de uma bateria de bolso, de polmero de ltio, com capacidade de 8.000 mA.h e um circuito regulador de tenso capaz de alimentar equipamentos com tenses de 5 a 19 V. Dessa forma, consegue carregar tanto aparelhos pequenos, como celulares, quanto aparelhos bem maiores e exigentes, como notebooks. S para ter uma ideia do que esses 8.000 mA.h representam, saiba que um aparelhoPC&CIA # 98 # 2012

F1. Charger Pro por dentro: uma enorme bateria e um circuito regulador.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Hardware

F3. Conexes frontais no UC-8000.

F2. Prtico saquinho evita perdas de ponteiras adaptadoras.

Seu peso causa espanto, e espiando em seu interior fcil ver o porque (figura 1). A maior parte do seu tamanho e peso devida enorme bateria, muito maior do que possvel colocar dentro de qualquer celular, tablet, ou console porttil. Os diversos conectores vm dentro de um saquinho de tecido com uma amarra na ponta (figura 2), que se torna fcil de carregar dentro da mala de viagem. Para uso no dia a dia, com certeza ser mais prtico deixar o pacote de conectores em casa e levar apenas aquele que se vai usar. Quatro conectores esto presentes na parte frontal do produto (figura 3), um deles a entrada para o prprio carregador, que leva cerca de quatro horas para encher uma bateria vazia. Alis, podemos conferir a quantidade de carga restante no dispositivo a qualquer momento, basta pressionar o boto Switch (figura 4). H uma porta USB capaz de alimentar 5 V com correntes de at 2 A, ideal para recarregar celulares, players de mp3 e, em geral, qualquer aparelho com esse tipo de conectorizao. Os dois ltimos conectores so para alimentao de notebooks, um deles para aparelhos de 9 a 12 V (com at 3 A) e o outro para 16 a 19 V (esse com 2 A). Com essas opes, o Charger Pro pode carregar at dois dispositivos simultaneamente. Na porta USB pode-se ligar qualquer dispositivo usando seu prprio cabo, mas tambm oferecido um chicote com quatro pontas, que inclui uma para iPad (figura 5). So oferecidos tambm vrios conectores do tipo concntrico, para os mais diversos modelos de notebooks.

Concluso

Display de nvel F4. de carga. Basta pressionar o switch para visualizar. Aqui, estava quase acabando...

Compatibilidade

H outras opes de baterias extras no mercado, mas a maioria no passa dos 1.500 mA.h e s oferece um conector USB. A capacidade de 8.000 mA.h excelente comparada com outros produtos, ainda mais pelo fato de que ele pode servir tanto para aparelhos pequenos, como celulares, quanto para os grandes notebooks. Alis, levando em considerao toda a oferta de conectores, difcil imaginar um aparelho que no seja compatvel com esse carregador da C3 Tech. O Charger Pro no um produto revolucionrio, mas faz muito bem aquilo PC a que se prope.Cabos para F5. notebooks com diversos adaptadores e chicote USB, que inclui conector para iPad.

11

2012 # 98 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

O profissional que depende de um notebook para trabalhar, encontrar no modelo X1 da linha ThinkPad, o parceiro ideal. Conhea o ultrafino que une por12

tabilidade e durabilidade sem deixar o desempenho de lado.

ThinkPad X1 CMembro da equipe de redao e laboratrio da revista, dedica-se ao estudo de jornalismo e Tecnologia da Informao.

Ronnie Arata

om a viabilidade e diminuio de preos gradual dos aparelhos portteis, muitas empresas passaram a substituir os desktops por notebooks como as principais mquinas de trabalho de seus funcionrios. Sabemos que PCs de mesa so proporcionalmente mais baratos, mas, por outro lado, os notebooks oferecem o benefcio da mobilidade, alm de economizarem espao e, em alguns modelos, at nos gastos com energia. Assim, no podemos afirmar qual deciso mais vantajosa (notebook ou desktop), mas devemos reconhecer que os portteis ganharam muito espao no mercado ultimamente. Alguns modelos focados na reduo de preo, sacrificam vrias tecnologias que os deixariam menos sujeitos a falhas e mais resistentes aos usurios descuidados.

No entanto, outros fabricantes desenvolvem suas linhas de notebooks com mais capricho e mesmo que estes produtos se tornem investimentos mais custosos, h os benefcios que os justificam e acabam convencendo muitos consumidores. Tivemos a chance de testar o modelo X1 da linha ThinkPad, da Lenovo, e vimos um grande aliado para o profissional que precisa de um notebook pela sua mobilidade, mas que tambm depende de desempenho e confiabilidade.

Aspectos fsicos

Como a linha ThinkPad tem o foco no pblico profissional, a Lenovo no aposta no uso de cores chamativas para o seu acabamento. Assim, o X1 utiliza seu o tradicional acabamento preto fosco (figura 1), mas confeccionado com uma mistura de plstico com fibra de carbono, que deixa o equipamento mais leve e mais resistente. Alis, resistncia a maior caracterstica desse modelo (como veremos mais adiante). Mesmo com a espessura de apenas 27 mm na parte mais alta, o X1 no transmite a aparncia de ser frgil. Pode ser levado na

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Hardware

F1. Aparncia sria sempre presente na linha ThinkPad.

mochila ou na mala de viagem sem preocupaes de sofrer danos. As dimenses de 335 mm x 230 mm e o peso de 1,70 kg tambm contribuem na hora do transporte e confirmam a sua caracterstica de portabilidade. O X1 ainda conta tanto com um trackpoint e com um touchpad (figura 2), chamado de clickpad, pois funciona inteiro como clique, alm do microfone e da cmera de 720p integrados na parte superior da tela, que de 13,3.

Outro item importante o sensor biomtrico, que adiciona uma camada de segurana e dificulta o acesso indesejado s informaes em caso de perda ou roubo do equipamento.

HT (hyper-threading), 8 GB de memria RAM DDR3, placa grfica integrada Intel HD Graphics 3000 e um SSD de 128 GB da Toshiba. O sistema operacional o Windows 7 Professional de 64 bits.

13

Conexes

Especificaes

O modelo que recebemos para teste veio equipado com o processador Intel Core i5-2520M de 2,5 GHz. So dois ncleos e quatro threads com tecnologia

Na parte traseira, ficam as conexes para rede ethernet com LEDs indicadores, entrada para carto SIM, o adaptador de energia, uma porta USB 3.0, sadas HDMI e Mini DisplayPort, alm de um conector combo eSATA e USB 2.0 (figura 3). Nas laterais ficam apenas o leitor de cartes e o conector combo de fone e microfone, alm de mais uma porta USB.

F2. Trackpoint caracterstico da linha e clickpad auxiliam o usurio na ausncia do mouse.

2012 # 98 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Box: Corning Gorilla Glass

F3. Mini DisplayPort e eSata so incomuns em notebooks, o ThinkPad X1 tem.

F4. Desempenho acima do encontrado em notebooks.

14

F5. O grfico do HD Tach mostra a taxa de leitura constante dos SSDs.

A Corning especializada na fabricao e aplicao de vidro e cermica (www. corning.com). A empresa explica que o Gorilla Glass feito por processo de troca de ons. O vidro banhado em sal fundido temperatura de 400 C. Os ons do sdio, que so menores, se desprendem do vidro original e do lugar aos ons de potssio do sal fundido. Quando o vidro esfria, os ons do potssio se expandem e criam um revestimento mais rgido. Dessa forma, o Gorilla Glass surpreende a todos que tentam (normalmente de forma tmida) atingir a tela com algum objeto para testar sua resistncia. Mas ele aguenta muito mais do que isso, e resiste mesmo a impactos muito fortes. Fizemos alguns testes de impacto com alguns objetos como uma chave de fenda. O monitor do X1 no sofreu danos, sequer foi possvel deixar um arranho. Obviamente no desferimos golpes usando toda a fora possvel, pois o Gorilla Glass resistente mas no inquebrvel, e uma pessoa determinada a danificar a tela intencionalmente provavelmente conseguir faz-lo. Mesmo simulando acidentes cotidianos, batidas e colises com outros equipamentos, com uma fora muito acima do que seria razovel, a tela no sofreu qualquer dano e o Gorilla Glass recebeu nossa aprovao.

Mquina que no para

A no ser pela curta durao da bateria (veja na parte de testes), o ThinkPad X1 dificilmente vai parar de funcionar, seja por conta de acidentes ou uso incorreto. Alm do SSD que, diferentemente dos HDs convencionais, mais resistente a movimentos bruscos e quedas, o modelo ainda conta com o dreno de lquidos no teclado e a tela Gorilla Glass (box 1). Ou seja, acidentes com lquidos e colises so duas preocupaes que o dono de um ThinkPad X1 no ter.

atingisse resultados muito bons, ideais para uma mquina de trabalho. 7-Zip A ferramenta de benchmarking do 7-Zip confirma o desempenho do processador Intel Core i5, que obteve os resultados de 8036 MIPS em compresso e 8732 MIPS na tarefa de descompresso. O tamanho do dicionrio usado foi o padro, de 32 MB. Obviamente, com as quatro threads do processador trabalhando em paralelo, os resultados ficam mais altos do que na maioria dos modelos no mercado. No grfico da figura 4 tambm vemos os resultados em kB/s, com uma grande diferena j esperada entre taxas de compresso e descompresso.

Cinebench 11.5 O Cinebench 11.5 tambm fornece um parmetro de comparao da CPU, alm de medir o desempenho da placa grfica com um teste em OpenGL. A pontuao do X1 no teste de CPU foi de 2.84, enquanto o teste de OpenGL apontou 8,62 fps. Esse resultado muito bom para uma placa grfica integrada, e deve atender muito bem aos requisitos da maioria dos profissionais. Reproduo de vdeos O vdeo integrado bom, mas para nos certificarmos, reproduzimos o vdeo Big Buck Bunny na resoluo 1080p, com as configuraes padronizadas do Windows Media Player. Assistimos ao vdeo inteiro

Testes

Os resultados dos benchmarks, confirmam que o X1 no s resistente. A combinao do processador Intel Core i5 com 8 GB de memria RAM, permitiram que este modeloPC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Hardware

F6. Poderoso, o X1 exige muito da bateria. Por isso, pode-se acoplar uma extra parte inferior do aparelho.

sem notar qualquer lentido ou perda de quadros. A resoluo mxima da tela do X1 de 1366 x 768p, mas pela sada HDMI a imagem pode ser exibida em Full HD em um televisor ou projetor. H ainda a alternativa de usar a tecnologia Intel Wireless Display (WiDi), que conecta notebooks e televisores compatveis com essa tecnologia (ou por meio dos adaptadores). SSD H algumas edies, tratamos das vantagens dos SSDs, mas dificilmente vemos mquinas pessoais equipadas com discos de estado slido no lugar de HDs. O preo dos SSDs ainda no considerado acessvel e, por limites da lei do PPB, os fabricantes no consegue viabilizar sua utilizao nos produtos vendidos no Brasil. Assim, o X1 um dos poucos notebooks a oferecer, de fbrica, um SSD como dispositivo de armazenamento. O modelo que recebemos para teste veio com um Toshiba de 128 GB, mas tambm h a disponibilidade de um modelo de 160 GB ou ainda um HD convencional de 320 GB. Na figura 5, comprovado o desempenho constante e o baixo tempo de acesso do SSD no teste do HD Tach, muito diferente do comportamento de um disco rgido. Autonomia O software Battery Eater 2.70 conseguiu esgotar a bateria do X1 em 48 minutos, uma autonomia no to boa. No entanto, junto com o X1, recebemos uma bateria

extra que pode ser acoplada embaixo do notebook e ajuda na autonomia (figura 6). A instalao fcil mas recomenda-se que seja feita com o notebook desligado. Com a segunda bateria, o resultado foi de 101 minutos de durao, bem mais confortvel para o usurio. claro que a bateria extra aumenta o peso e a espessura do X1, mas isso no atrapalha tanto assim a utilizao. O peso sobe para 2,08 kg, o que ainda bem menor do que muitos outros notebooks. Vale lembrar que o Battery Eater impe grande carga ao sistema e mede a durao mnima da bateria, ou seja, em uso normal esses 48 minutos se estendero muito alm.

15

Concluso

Gostamos de testar notebooks peculiares como o ThinkPad X1. Sem anlise, o consumidor pode no entender o motivo dessa grande diferena de preo e uma variedade de modelos, e pode no saber escolher o melhor para si. O X1 no foi desenvolvido para brigar por preo, especialmente contra a leva de notebooks baratos que podem ser encontrados no mercado por menos de R$ 1.500,00. O preo sugerido de R$ 6.499,00 parece caro para um Intel Core i5, mas com sensor biomtrico, carcaa com fibra de carbono, armazenamento em estado slido e tela com Gorilla Glass, o X1 um membro fiel da linha ThinkPad, um investimento na proteo dos seus dados e uma mquina para trabalhar por muitos anos. PC2012 # 98 # PC&CIA

Hardware

Notebooks VAIO,Sries S e CA nova linha de notebooks VAIO vem com a proposta de tentar novos mercados. Conhea os modelos VPCSB e VPCCA, pertencentes sries S e C, os primeiros a abrirem o caminho para essa nova postura da Sony.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

16 F1. O notebook da srie S tem acabamento fosco que sempre mais indicado para notebooks profissionais.

ORonnie Arata

Membro da equipe de redao e laboratrio da revista, dedica-se ao estudo de jornalismo e Tecnologia da Informao.

consumidor de informtica brasileiro j tem informaes suficientes ao seu alcance quando decide comprar um computador. Por no ser um investimento barato, a maioria das pessoas prefere no se arriscar na compra de um equipamento qualquer antes de consultar, pelo menos, uma de suas fontes. O que est correto. J passamos do tempo em que os portteis tinham pouco poder de processamento e sofriam com reclamaes de que eram lentos. Hoje, at os modelos mais fracos podem suprir a maioria das necessidades de uso. Assim, sem essa preocupao com o desempenho, o consumidor tambm passou a olhar outros aspectos do notebook, como aparncia, funcionalidades, peso, durao da bateria e tamanho da tela, por exemplo. Do outro lado, os fabricantes tambm no deixaram de aproveitar essa oportunidade e produziram seus modelos mais requintados.

Famosa por ser uma dessas marcas de grife, a linha Sony VAIO pretende mudar sua posio e j demonstra um novo comportamento ao desenvolver produtos para novos pblicos. Entre os lanamentos, tivemos a chance de testar os modelos da srie S, que oferecem maior portabilidade para profissionais, e o da srie C, que tem o foco no estilo e na praticidade para uso em ambientes caseiros.

Srie S

O notebook VAIO da srie S (figura 1) traz um processador Intel Core i5-2410M de 2,3 GHz (at 2,9 GHz com Turbo Boost), 4 GB de memria RAM DDR3, expansvel at 8 GB, chipset Intel HM65 Express, placa grfica AMD Radeon HD 6470M com 512 MB de memria dedicada, HD de 500 GB e o Windows 7 Professional de 64 bits como sistema de fbrica. Este modelo vem com tela de 13,3 do tipo LED e tem resoluo mxima de 1366 x 768 pixels.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br A maioria dos conectores desse modelo ficam em um nico lado (figura 2). Vemos os leitores de cartes Memory Stick HG, Duo e SD, as sadas de vdeo VGA e HDMI, duas portas USB 2.0, e outra com a tecnologia Super Speed USB 3.0, o conector Ethernet e o adaptador de energia. Apenas o drive ptico, que leitor e gravador de DVD, e a sada de som para fone de ouvido, ficam no lado oposto. A srie S prioriza a portabilidade, por isso, este modelo foi feito em alumnio e magnsio, materiais leves que resultaram em um produto de apenas 1,72 kg com a bateria padro. Alm disso, uma chave que alterna entre os perfis de uso Stamina e Speed (figura 3) foi implementada para ajudar na autonomia da bateria. No modo Stamina o notebook suspende o uso da placa grfica Radeon, passando a utilizar apenas a controladora de vdeo integrada da Intel, fazendo com que o consumo de energia do modelo fique menor. J no modo Speed, o desempenho de vdeo volta com a reativao da GPU Radeon. Essa opo boa para quem no depende tanto das aplicaes que utilizam mais recursos grficos. Assim, pode trocar este desempenho por um tempo extra de bateria. Para trocar entre os modos, todos os programas que utilizam a placa grfica devem estar fechados. O ideal escolher o modo de uso quando o notebook estiver desligado. Por fim, o sensor biomtrico, localizado entre os dois botes do touchpad (figura 4), completa os recursos de portabilidade deste modelo. J que ele acompanhar seu dono por muitos lugares, uma boa ideia se prevenir e proteger com todos os recursos possveis.

Hardware

F2. Destaque para a conexes HDMI e USB 3.0, incomuns em aparelhos portteis.

17

F3. O boto para desligar a placa grfica fica na parte superior do teclado.

Srie C

O hardware do modelo C (figura 5) praticamente o mesmo do anterior. Processador, chipset, placa grfica, quantidade de memria RAM e espao de HD so iguais, mas, alguns aspectos ainda se diferenciam entre os dois modelos, o sistema operacional da srie C, por exemplo, o Windows 7 Home Premium de 64 bits. Outras diferenas so a inexistncia do boto para alternar o perfil de uso, o que faz com que a placa grfica seja constantemente usada, o drive ptico, que leitor de Blu-ray 3D, e a resoluo da tela que maior (1600 x 900p).

F4. Sensor biomtrico adiciona uma camada de segurana para o notebook.

2012 # 98 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Este modelo da srie C no to leve quanto o da srie S, e tambm tem a espessura maior, seu peso de 2,45 kg com a bateria padro. As conexes deste modelo so mais distribudas, na direita, junto ao drive ptico, ficam duas portas USB e os conectores de fone e microfone (figura 6). No lado oposto, mais duas portas USB, uma delas com a tecnologia 3.0, os conectores de Ethernet, adaptador de energia e os adaptadores de vdeo, VGA e HDMI (figura 7).

Testes

Como o hardware dos dois modelos praticamente o mesmo, a diferena entre os resultados ser muito pouca, exceto no desempenho grfico do modelo S, quando a chave de stamina/speed desligar a placa grfica. 7-Zip O benchmark do 7-Zip, software de compresso muito usado em nossos testes, uma boa ferramenta para medir o desempenho do processador nas tarefas de compresso e descompresso de arquivos. Nos notebooks da srie VAIO, as taxas de 7916 MIPS de descompresso no modelo da srie S e 7943 MIPS no modelo da srie C, medidos com 32 MB de tamanho de dicionrio, mostram o poder de processamento da segunda famlia de processadores Intel Core para notebooks. Os resultados de compresso tambm podem ser vistos no grfico da figura 8. Normalmente as instrues de compresso exigem mais dos processadores, por isso os resultados so menores em ambos os modelos. HD Os HDs dos dois modelos vm com a capacidade de 500 GB, mas o modelo da srie C traz um disco da Samsung e o da srie S um Western Digital. Os resultados, no entanto, no diferem a ponto de serem incomuns, pelo contrrio, o resultado dos dois HDs atingiram vazes previsveis de 68,8 MB/s. Os grficos do HD Tach tambm no apresentaram sinais de que h falhas na leitura dos dados, o que confirma a sade mecnica dos HDs, como pode ser visto na figura 9. Cinebench 11.5 O Cinebench 11.5 um dos benchmarks

F5. Acabamento do modelo da srie C mais chamativo.

18

F6. Neste modelo, os conectores se dividem nos dois lados.

F7. As conexes HDMI e USB 3.0 tambm esto presentes no modelo da srie C.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br que comprova o desligamento da placa de vdeo AMD Radeon HD 6470M do modelo da srie S. Como citamos, quase no h diferena nos resultados dos testes, sendo que o srie S obteve 18.69 fps no teste de Open GL, enquanto que o da srie C teve 18.25 fps. Quando a chave do modelo S foi trocada para o modo Stamina, o resultado caiu para menos da metade e atingiu apenas 7,94 fps. Os resultado de CPU, obviamente no tiveram diferena e tambm foram equivalentes. O modelo C obteve 2,61 pts e o da srie S ficou com 2,57 pts. Autonomia A durao de bateria um aspecto com que o consumidor se preocupa e sempre deseja saber antes de comprar o seu notebook. Usamos o Battery Eater para medir o tempo mnimo de bateria, ou seja, a durao em uso tpico sempre ser maior do que o tempo que medimos, j que o Battery Eater funciona em estresse de HD, CPU e GPU. O modelo da srie C teve durao de 102 minutos, boa marca que supera grande parte dos modelos j testados na nossa redao. J o modelo da srie S teve resultados diferentes

Hardware

F8. Resultados do 7-ZIP mostram o desempenho da segunda famlia de processadores da Intel.

por conta do modo Stamina, que consome menos energia desligando a placa de vdeo. No melhor cenrio para o modelo da srie S, a bateria durou 113 minutos; j com a placa de vdeo funcionando (modo Speed), a durao diminuiu para 92 minutos. A autonomia do modelo S ainda aumentar se o usurio optar por adquirir a bateria extra que tambm recebemos para teste (box).

Outros aspectos

Os notebooks j deixaram de ser apenas computadores portteis e agora so os aparelhos inseparveis dos consumidores, assim, alm de funcionalidade e desempenho, o que tambm passou a chamar ateno foram os itens extras que agregam valor e diferem os modelos de cada fabricante. Os dois modelos testados neste artigo, por exemplo, contam

com sensor de luminosidade e iluminao por LED no teclado, para uso em ambientes escuros. Outro item, especfico da linha VAIO, so os botes ASSIST, WEB e VAIO presentes no teclado. Quando os notebooks esto ligados, a tecla ASSIST Inicia o VAIO Care, software que faz uma avaliao do sistema e fornece um relatrio com informaes e sugestes de reparo, alm de outras ferramentas teis para o bom uso da mquina. A tecla WEB abre o navegador de internet configurado como padro no sistema. E a tecla VAIO carrega o Media Gallery, outro software proprietrio com suporte a transferncia de contedo para ver fotos, msicas e vdeos de outros computadores. J quando os notebooks esto desligados, o boto VAIO no tem ao, mas o ASSIST

19

2012 # 98 # PC&CIA

Hardware

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Bateria Recarregvel Extra

Tambm recebemos para teste uma bateria recarregvel de on - Ltio, do tipo folha (figura B1), compatvel apenas com o modelo da srie S. Ela tem as mesmas dimenses do notebook e pesa apenas 512 g, o que, no total, deixa o notebook com 2,23 kg, que ainda mais leve que outros modelos. Para instalar a bateria, certifique-se de que o notebook est desligado e a tela est fechada. Primeiro, remova a pequena capa de proteo do conector e guarde-a para fechar novamente mais tarde, quando remover a bateria extra. Encaixe os dois pequenos ps e depois junte a folha at a primeira trava se fechar. Depois, s lembrar de travar a segunda chave e a bateria estar pronta para uso. Quando o sistema for iniciado, mostrar as duas baterias disponveis e qual o nvel delas (figura B2).

Para remover a bateria, faa o processo ao contrrio, solte as travas e desprenda-a do note, tambm com ele desligado. Enquanto a bateria est conectada e o note est ligado no adaptador de energia, as duas baterias sero recarregadas, mas se precisar carregar a bateria extra sem o notebook, pode usar o adaptador que acompanha (figura B3), bast conect-lo na bateria extra e a um adaptador tambm de 19,5 V, comuns em notebooks. Tambm fizemos os testes do Battery Eater no modelo conectado com a bateria extra. A autonomia subiu para 145 minutos em modo Speed e 163 minutos no modo Stamina.FB1. A bateria extra se encaixa na base inteira do notebook. FB2. O sistema mostrar que h duas baterias disponveis e qual o nvel de carga. FB3. A bateria tambm pode ser carregada separada do notebook.

20

FB1.

FB2.

FB3.

inicia a recuperao do sistema, o boto WEB abre o Splashtop, um software para acesso internet que funciona muito bem quando o usurio quer acessar uma pgina rapidamente. Para usar o Splashtop, basta configurar, apenas uma vez, a conexo que ser usada, depois s apertar o boto e, em poucos segundos, j possvel ver o navegador aberto na tela, sem a necessidade de logar no sistema operacional.

Concluso

A Sony est certa em querer alcanar a nova classe mdia, mas devemos identificar quem este tipo de consumidor. Os modelos da srie C e da srie S so voltados para o consumidor mais informado, ou seja, quem j teve sua primeira mquina e sabe que um notebook menos potente e com menos recursos no atende mais s suas expectativas. A nova classe mdia est nesta fase de compra do segundo computador. Sabemos que a marca VAIO tem o seu valor agregado e, talvez, esse seja o maior desafio para a empresa, pois a proposta de atingir um novo pblico no deixa de envolver a competio em preos tambm,PC&CIA # 98 # 2012

F9. Nenhuma anomalia foi detectada nos testes do HD Tach.

obviamente, sem perder as caractersticas dos produtos anteriores. Os dois modelos que testamos esto com preo sugerido de R$ 3.500,00, e dificilmente competiro com os modelos mais bsicos no mercado que esto na mdia de R$ 1.500,00, mais comuns para o consumidor brasileiro.

Os prximos modelos destinados a este novo pblico podem aprender com os primeiros e, assim, a empresa desenvolve novos produtos descartando as caractersticas menos requisitadas, podendo diminuir o preo tambm.PC

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Hardware

EnduranceF1. O Endurance no tem a aparncia de desktop nem de thinclient.

Engine 1.6

A Tradecomp, parceira oficial da AMD para o mercado de embarcados, oferece no Brasil o Endurance Engine 1.6, um sistema de alta resistncia e absolutamente silencioso, pois no tem partes mveis.

T

Ronnie Arata

ecnologia assim! Surge e, gradativa mente, vai dando margem para a criao de novos produtos. Com as APUs no seria diferente. Na edio anterior explicamos o surgimento do Fusion e suas plataformas, em conjunto com a apresentao do PC embarcado Sequoia, da Tradecomp. No entanto, o Sequoia um pequeno PC de mesa, tem a aparncia tpica de um thinclient, mas bastante poderoso, com possibilidades de aplicaes embarcadas, devido ao seu tamanho reduzido e ao baixo consumo de energia. Desta vez, conheceremos o Endurance Engine 1.6 (figura 1). Ele utiliza a mesma placa-me do Sequoia, baseada no AMD Fusion da famlia Brazos, mas

um produto com propsito completamente diferente. O Endurance foi desenvolvido para operar em ambientes hostis, um equipamento mais reforado e no tem nenhuma parte mvel, nem mesmo uma ventoinha.

21

Caractersticas

primeira vista, o Endurance no chama muita ateno. Graas ao seu gabinete preto de baixo perfil, se estiver em cima de uma superfcie junto a outros objetos, facilmente passar despercebido. Como se trata de um equipamento para uso em ambientes agressivos ou at dentro de mquinas, veculos, etc., seu visual no importante. As aplicaes para um sistema como esse so inmeras: caixas eletrnicos, totens de atendimento, veculos e at para algumas aplicaes de automao comercial e industrial. Computadores equipados com

F2. Com espao de sobra, possvel instalar um HD ou SSD, de 2,5.

2012 # 98 # PC&CIA

HardwareAPUs podem se beneficiar, normalmente, do bom desempenho grfico combinado ao pouco espao fsico que ocupam. No caso do Endurance, as dimenses da carcaa so de apenas 194 mm x 35 mm x 219 mm. Assim, tambm possvel a instalao de um SSD, ou HD, no espao livre em seu interior, visto que a placa-me no ocupa o espao todo (figura 2). O peso de 1,37 kg, o que indica praticidade, pois uma mquina pequena e leve pode ser facilmente fixada em praticamente qualquer lugar. Para ajudar, o Endurance ainda vem com furaes convenientes para fixao. Especificaes APU AMD Fusion T56N da srie G, dual-core de 1,60 GHz, com controladora grfica Radeon HD 6310 integrada; 2 GB de memria RAM DDR3; SSD de 16 GB. Armazenamento e resistncia O modelo que recebemos veio com um SSD 16 GB, da SanDisk (figura 3A), que conta com 500 MB de cache gerenciados pela tecnologia nCache, do prprio fabricante. O mdulo encaixado em um adaptador que o permite ficar em paralelo com a placa-me (figura 3B). Os 16 GB podem parecer poucos, ainda mais nos tempos atuais com os discos chegando a capacidades de 3 TB, no entanto um sistema embarcado costuma ter apena s sistema operacional, drivers e poucos aplicativos, e para isso os 16 GB so suf icientes. No modelo recebido temos o Windows 7 de 32 bits instalado, o qual ocupa cerca de 8 GB. Se as aplicaes do PC embarcado no dependerem de SO, ento a capacidade de armazenamento sequer ser toda utilizada. Normalmente equipamentos embarcados so acompanhados de sistemas operacionais muito enxutos e de propsito especfico, mas com a chegada das APUs, passa-se a ter poder de processamento suficiente para utilizar sistemas de grande porte como Windows e a maioria das distribuies GNU/Linux. A Tradecomp tambm oferece o Endurance Engine com um HD de 320 GB, mas essa no nos pareceu uma opo muito vivel, uma vez que outra das suasPC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Com este adapta- F3B. dor, o SSD pode ficar em paralelo com a placa-me para caber na carcaa. F3A. pSSD P4 da SanDisk conta com recurso nCache equipa o Endurance, contribuindo para a sua resistncia.

22

caractersticas a resistncia, proporcionada pela ausncia de partes mveis e o HD um dos componentes que sofre danos com a vibrao. Dissipao de calor e consumo de energia A dissipao do calor outra caracterstica digna de nota, j que o Endurance no tem qualquer parte mvel, nem sequer uma ventoinha. Toda a dissipao do calor

feita pela prpria carcaa de alumnio, que tem um postio metlico (figura 4) que encosta nos chips e se encarrega de transportar o calor para as aletas na superfcie. eficiente, mas s porque a plataforma Brazos muito eficiente energeticamente, e gera pouco calor. Medimos o consumo de energia do Endurance e encontramos mdia de 7 W em operao normal, com pico mximo de 22 W em carga mxima do sistema.

F4. A carcaa do aparelho capaz de dissipar o calor. Assim, elimina a necessidade de usar ventoinhas.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br O consumo baixo e a dissipao passiva de calor proporcionam um bnus para o Endurance: silncio. Sem HD e ventoinhas, o rudo do aparelho zero, assim, ele pode ser uma opo interessante mesmo para outras aplicaes, como um HTPC. Conexes O Endurance tem sada VGA, conexo de rede Ethernet, duas portas USB, a sada HDMI, conectores de entrada e sada de udio, uma eSATA combo + USB e a trava Kensington (figura 5). Sentimos falta da antena para wireless. O nosso modelo, que de teste, veio sem a antena, mas ela faz parte do pacote de acessrios do produto que estar no mercado. Tendo em vista que o projeto da placa-me de propsito geral, as conexes do Endurance no so limitadas a um nico propsito, mas faltam algumas importantes para certas aplicaes. Por exemplo, ele no traz nenhuma porta serial, ou sequer uma paralela, o que limita sua aplicabilidade em infraestruturas que ainda utilizem estas interfaces legadas. Por outro lado, a maior parte dos acessrios de automao comercial como leitores de cdigo de barras, relgios de ponto e impressoras fiscais j est disponvel com a interface USB, o que nos faz indicar o Endurance para projetos novos, e no para substituio em automaes antigas.

Hardware

Concluso

O Endurance um dos primeiros sistemas embarcados a oferecer a tecnologia das APUs. Com o tempo, esta tecnologia deve gerar novos projetos interessantes como esse. Apesar do foco em empresas e desenvolvedores de solues, o Endurance pode ser adquirido pelo consumidor final nos distribuidores autorizados, como a rion (www.orionpc.com.br) e a Tecsys do Brasil (www.tecsysbrasil. com.br). Os preos so de US$ 1015,00 com o HD de 320 GB e US$ 1118,00 com o SSD de 16 GB, j considerando PC os impostos.

F5. Conexes do Endurance so de um projeto genrico.

23

2012 # 98 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Sem energia no funciona!Com diferentes padres de tomadas pelo mundo afora, quase impossvel viajar com aparelhos eletrnicos e no ter problemas para carreg-los. Um adaptador pode ser a salvao. Ronnie Arata

P

24

or lazer ou a negcios, no mundo conectado de hoje, muita gente viaja e faz uso de celulares, notebooks, netbooks e tablets. Normalmente, em viagens que duram mais do que dois ou trs dias, o viajante se preocupa em descobrir se haver acesso internet no hotel de seu destino. No entanto, de nada adianta ter conectividade se no houver energia eltrica, e se a viagem for para outro pas, ser grande a chance de ter problemas de compatibilidade dos padres de tomadas locais com os dos carregadores dos aparelhos. Quem viaja sem saber dessa diferena entre conectores de diferentes pases (e mesmo quem j sabe, mas esquece), fica sem o suporte de seus aparelhos eletrnicos e impossibilitado de fazer as atividades que precisa. Se a viagem for apenas a passeio ser possvel contornar, mas se for a trabalho, os danos podero ser srios. No seja pego desprevenido. Para quem viaja muito e para lugares diferentes, um adaptador compatvel com as tomadas do pas de destino imprescindvel. No entanto, muito trabalhoso procurar por adaptadores para cada pas, nesse caso, uma boa opo procurar adaptadores universais como o PowerPal da Macally.

O carregador PowerPal funciona como qualquer outro adaptador, mas o seu diferencial um conector USB, encontrado em uma das laterais (figura 2). A sada padro de 5 V, 1 A carrega qualquer dispositivo USB, como MP3 players e smartphones, alm dos iPods e iPhones que utilizam um cabo prprio com conexo de 30 pinos (figura 3), j incluso no kit. Essa opo muito til, pois possvel carregar dois dispositivos ao mesmo tempo. No exemplo mais provvel, possvel carregar um notebook na tomada normal enquanto o celular recebe energia pelo conector USB. Outra boa caracterstica deste adaptador o fusvel de 5 A, inexistente na maioria dos adaptadores, e que garante uma camada a mais de proteo para seus aparelhos. O PowerPal vem com quatro plugues avulsos, um para cada regio diferente do mundo, como mostrado na figura 4. Alm dos plugues serem pequenos, permite que o adaptador funcione em vrias regies do mundo, ou seja, tanto a entrada quanto a sada da energia se encaixam com todos os padres, (teoricamente). Para trocar os plugues, necessrio solt-los apertando a trava de cor cinza-escuro (figura 5), prxima lateral do carregador USB. Tambm, ao inserir qualquer um deles, empurre o plugue at escutar o clique para ter a certeza de que ele est colocado corretamente.

Adaptador universal

A Macally uma empresa desenvolvedora de acessrios para portteis e tem foco em acessrios para a linha Apple. Alis, fcil perceber uma semelhana no design do PowerPal (figura 1), mas isso no tem nenhuma relao de exclusividade, nada impede que o adaptador seja usado com outros aparelhos de outras marcas.PC&CIA # 98 # 2012

USB Travel Charger

NBR 14136

Agora definitivo. Todos os aparelhos eletroeletrnicos, no Brasil, s sero vendidos com o novo padro de tomadas (norma NBR 14136, de novembro de 2002). Infelizmente, o PowerPal tem problemas de compatibilidade com o novo padro: ele pode ser conectado a uma tomada nova, mas no aceita que aparelhos com o novo plugue sejam conectados nele.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Testes

F1.

F2. F1. Seu design e cores lembra os produtos da Apple. F2. Uma porta USB extra carrega um segundo dispositivo simultaneamente. F3. Cabo prprio para iPods e iPhones j incluso. F4. A) Plugue para Amrica do Norte, Amrica do Sul, Taiwan e Japo; B) Plugue para Europa, China, Oriente Mdio e Rssia; C) Plugue para Reino Unido, Singapura, Hong Kong e frica; D) Plugue para Austrlia e Nova Zelndia. F5. A trava garante que o plugue no se solte facilmente.

Ou seja, impossvel ligar aparelhos brasileiros novos no PowerPal, mas aparelhos estrangeiros podero ser adaptados para as novas tomadas brasileiras, pois o plugue mostrado no compatvel.

Concluso

25

Somente pela funo de adaptador, o PowerPal no vale seu preo sugerido de R$ 120,00. Mas, levando-se em considerao a qualidade de construo, a praticidade de ter todos os adaptadores em um s, alm da presena do fusvel e da porta USB, o PowerPal tem mritos que podem justificar a compra. PC

F3.

C. B. D.

A.

F4.

F5.

2012 # 98 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

MSI aE350IA-E45: Esquenta briga no Mercado Mini-ITX!At ento dominado por solues Intel Atom e NVIDIA ION, o mercado brasileiro de desktops compactos j oferece placas-me baseadas na moderna plataforma Brazos. Conhea a pequena E350IA-E45, placa MiniITX da MSI com a APU AMD E-350.

A

pesar do foco principal da plataforma Brazos estar nos dispositivos mveis, os fabricantes so livres para desenvolverem outros tipos de equipamentos baseados nas APUs AMD. Apostando no segmento de pequenos formatos, a tradicional fabricante de componentes para computadores MSI est trazendo para o Brasil sua linha de placas-me equipadas com a APU E-350 e o FCH A50M.

E350IA-E4526

Gentilmente cedida pela MSI para a realizao deste artigo, a placa-me E350IA-E45 (figura 1) se enquadra dentro do compacto formato Mini-ITX (170 mm x 170 mm). Ao usar um PCB (Printed Circuit Board) de dimenses to limitadas, alguns sacrifcios precisaram ser feitos. Por exemplo, o nico slot para expanso presente um conectorEspecificaes TcnicasProcessador FCH Memria Rede udio Armazenamento Expanso AMD E-350 (1,6 GHz) A50M (Hudson-M1)

mecanicamente compatvel com dispositivos PCI Express x16, mas que, por ser composto pelas quatro linhas PCI Express provenientes da prpria APU, opera no modo x4. Mesmo assim, perfeitamente possvel instalar, por exemplo, uma controladora de rede extra, uma controladora RAID ou at uma placa de vdeo. A oferta de conectores SATA tambm precisou ser reduzida. O FCH A50M suporta at seis portas SATA 6 Gbps, mas essa placa-me conta com apenas quatro. Verdade seja dita, esse nmero bastante razovel, considerando que os gabinetes para placas-me Mini-ITX dificilmente acomodam mais do que dois dispositivos SATA, sendo eles, geralmente um HDD (ou SSD) e um leitor ptico. As APUs da plataforma Brazos podem ser refrigeradas por solues passivas, porm, a MSI decidiu incluir no projeto da E350IA-E45, um grande dissipador

2 DDR3 DIMMs 1066 MHz (Mx. 8 GB) Realtek 8111E 10/100/1000 Mbps Realtek ALC887 8 Canais HD Audio 4 x SATA 6 Gbps 1x PCIE x16 (eletricamente x4) 1 x PS/2 (mouse e teclado) 1 x VGA 1 x HDMI

Painel Traseiro

2 x USB 3.0 e 6 x USB 2.0 1 x SPDIF ptica e 1 x SPDIF Coaxial 1 x RJ45 6 x Conectores de udio 2 x USB 2.0 (4 portas no total) 1 x Porta serial

Especialista em TI com experincia nas reas de sistemas virtualizados e integrao de hardware para servidores e desktops. membro de diversas comunidades sobre hardware e GNU/Linux, ao qual dedica grande parte de seu tempo de estudo.

Daniel Netto

Conectores Internos

1 x TPM 2 x Conectores para ventoinha 1 x Conector de udio do painel frontal

Tamanho

170 mm x 170 mm (Mini-ITX)

T1. Especificaes tcnicas fornecidas pelo fabricante.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Testes

27

F1. Qualidade de construo: apenas capacitores com eletrlito slido.

F2. DVI cedeu seu lugar para o conector HDMI.

2012 # 98 # PC&CIA

Testeslocalizado no centro do PCB que, equipado com uma pequena ventoinha (muito silenciosa por sinal), responsvel por dissipar, simultaneamente, o calor gerado pela APU e pelo FCH. Prximo ao conector de energia ATX12V, existem dois headers para instalao do mdulo de criptografia e da porta serial. Mas, devido baixa procura, esses mdulos no sero oficialmente vendidos no Brasil. A figura 2 mostra que uma das laterais da placa de circuito impresso totalmente

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br ocupada com conectores. O painel traseiro da placa MSI, completo, carrega oito portas USB (as duas azuis suportam o padro 3.0 (NEC uPD720200F1), um conector PS/2, uma interface de rede Gigabit Ethernet (Realtek RTL8111E), seis plugues do udio de oito canais (Realtek ALC887), duas sadas SPDIF (coaxial e ptica), uma sada VGA e um conector HDMI (High-Definition Multimedia Interface). A tabela 1 apresenta as especificaes tcnicas do produto. No interior da embalagem encontramos um DVD com os drivers, dois cabos SATA, um livreto com o manual de usurio e o espelho do painel traseiro.

Testes

Criptografia GPGPU (OpenCL)

Para garantir a consistncia e fidelidade dos resultados, utilizamos as verses mais recentes de BIOS e drivers disponveis at o momento da realizao dos testes. Todos os sof twares usados esto disponveis para download gratuito nos sites de seus respectivos desenvolvedores e, salvo quando mencionado o contrrio, foram executados com suas configuraespadro. Deste modo, garantimos a fcil reproduo dos procedimentos. Na tabela 2 o leitor encontra a descrio detalhada das plataformas usadas nos testes. Como a MSI E350IA-E45 construda sobre a mesma base (APU E-350 e FCH A50M) da ASUS E35M1-M PRO, no devemos esperar nada diferente do desempenho apresentado pela placa da ASUS nos testes realizados na edio n 96. Sandra O aplicativo Sandra, da SiSoftware (www. sisoftware.net), carrega um interessante benchmark de criptografia compatvel com a API OpenCL e, portanto, pode ser executado em GPUs e CPUs. Isso faz do Sandra uma das melhores ferramentas do momento para avaliao de desempenho de APUs nesse tipo de workload. Realizamos o benchmark em trs situaes diferentes para cada plataforma: com os algoritmos de criptografia, AES256 e SHA256, rodando apenas nos ncleos x86, depois somente na GPU e, por fim, em ambos. Como j era de se esperar, a figura 3 confirma a semelhana no desempenho. Consumo A fim de extrair o maior consumo e ne r g t ic o p o s s ve l, e s t r e s s a mo s , simultaneamente, os ncleos x86 e os Radeon Cores. Para essa tarefa contamos com a ajuda do software OCCT (www.ocbase.com), uma ferramenta muito usada para estressar sistemas e apontar falhas. O software foi executado no modo POWER SUPPLY com os seguintes parmetros: Shader Complexity = 8, FullScreen (1680x1050), 64 bits Linpack.

28

F3. Note o aumento no desempenho quando a Radeon HD 6310 solicitada.

Plataforma de TestesHardware Plataforma APU Cooler Placa Me Memria Armazenamento Fonte Software Sistema Operacional Drivers Windows 7 SP1 Ultimate 64 bits Catalyst Software Suite 11.9 AHCI for Windows 7 11.9 South Bridge Driver 11.9 Benchmarks Sandra 2011 SP4a OCCT Perestroka 3.1.0 Brazos AMD E-350 (1,6 GHz) Soluo ASUS ASUS E35M-M PRO (BIOS 0506 x64) 2 x 2 GB 1066 MHz Transcend (9-9-9-24) Sandisk C25-G3 60 GB Cooler Master 1000W RS-A00-EMBA Brazos AMD E-350 (1,6 GHz) Soluo MSI MSI E350IA-E45 (BIOS v1.4)

T2. Descrio do hardware e dos softwares usados nos testes.

ConsumoPlacas-me MSI E350IA-E45 ASUS E35M1-M PRO Repouso 20W 24W Estresse 36W 39W ATX12V Repouso 0,2A 0,2A ATX12V Estresse 0,9A 0,9A

T3. Tabela com consumo eltrico aferido em ambas as plataformas.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Na tabela 3 mostramos o consumo total, em watts, dos dois sistemas, tanto em repouso como sob carga. Tambm inclumos a leitura, em ampres, extrada diretamente do conector ATX12V que alimenta a APU. Se no quesito desempenho os dois produtos so semelhantes, quando o assunto consumo geral, a pequena MSI leva uma ligeira vantagem. Em repouso a E350IA-E45 foi aproximadamente 16,7% mais econmica, j sob estresse a diferena caiu um pouco, para quase 8%. Repare voc leitor, que o consumo, somente da APU E-350 nas duas placas, foi praticamente o mesmo, cerca de 2,4 W em repouso e 10,8 W com o OCCT rodando, mas, mesmo assim, o consumo geral foi diferente. No podemos afirmar, com certeza, qual a razo exata disso, entretanto, acreditamos que um dos motivos seja resultado direto da escolha do pblico - alvo. O produto da MSI foi pensado para trabalhar em gabinetes pequenos, onde geralmente o volume e o fluxo de ar so limitados. Isso prejudica o resfriamento de todos os componentes, logo, necessrio que eles sejam mais eficientes e gerem menos calor.

Testes

29

Concluso

Baseada em uma plataforma moderna que, como o leitor j sabe, apresenta desempenho mais do que suficiente nas tarefas dirias de um usurio comum, no h dvida de que a E350IA-E45 mostra-se como uma excelente opo para aquelas pessoas que esto procurando investir na compra de computador de mesa. Principalmente, porque as APUs provavelmente sero melhor aproveitadas com o passar do tempo, tornando o investimento duradouro. Silenciosa, energeticamente eficiente e baseada no padro Mini-ITX, o produto da MSI pode servir perfeitamente como upgrade para computadores baseados nas primeiras geraes do Intel Atom, bastando apenas trocar as placas. A linha de placas-me MSI baseadas na promissora plataforma Brazos composta por dois elementos. A top de linha E350IA-E45, com preo sugerido de R$ 375,00, e a E350IS-E45, que basicamente a mesma placa, mas com uma refrigerao menos elaborada e sem os conectores USB 3.0 e portanto, com um preo inferior, cerca PC de R$ 365,00.2012 # 98 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

GIGABYTE

GA-A75M-D2HA oferta de placas-me para o soquete FM1, lanadas oficialmente no Brasil, era bastante limitada, mesmo aps alguns meses do lanamento da famlia A de APUs AMD. Uma das primeiras placas que chegaram para os consumidores brasileiros foi a GA-A75M-D2H trazida pela GIGABYTE. Conhea-a!30

Daniel Netto

O

atraso entre o lanamento de uma nova plataforma e a chegada dos primeiros produtos no Brasil, por meio de canais oficiais, algo frequente. Neste intervalo, os usurios mais vanguardistas (tambm chamados de early adopters) acabam recorrendo ao mercado cinza, onde os equipamentos no so importados por distribuidores oficiais, e muitas vezes no contam com o suporte do fabricante e a garantia limitada a poucos meses. Este era o cenrio enfrentado pelos primeiros consumidores que optaram por construir computadores baseados na plataforma Lynx da AMD. Foi para mudar este cenrio que a GIGABYTE lanou oficialmente no Brasil, parte de sua linha de placas-me soquete FM1 com suporte para as APUs da famlia Llano.

GA-A75M-D2H

Apesar do lanamento oficial, a GAA75M-D2H no produzida no Brasil, mas sim importada por grandes distribuidores, e por isso tanto a caixa como o manual, infelizmente, ainda esto em ingls. Este ultimo, at a concluso deste artigo, no tinha verso traduzida no site brasileiroPC&CIA # 98 # 2012

da GIGABYTE (br.gigabyte.com). Em portugus encontramos somente um livreto com o guia de instalao (tambm em 16 outros idiomas) e o DVD de instalao, que suporta vrias lnguas. Por falar em DVD, o que acompanha o produto traz, alm dos drivers, alguns importantes softwares como o EasyTune6 (figura 1). Por ele, possvel fazer overclock, monitorar temperaturas e velocidades das ventoinhas. Mas o que realmente chamou a nossa ateno foi a qualidade dos dois softwares de backup inclusos no DVD. O SMART Recovery2 capaz de criar imagens do sistema operacional enquanto ele estiver em execuo, ou seja, enquanto o procedimento realizado, o usurio pode continuar usando normalmente o computador. Com a imagem criada (um arquivo do tipo Virtual Hard Disk), possvel restaurar todo o sistema ( preciso reiniciar o sistema) ou mesmo selecionar um arquivo avulso do backup (neste caso no h necessidade de reiniciar). J o Xpress Recovery2 (figura 2) um software de restaurao de sistema que funciona de forma semelhante aos que vm pr-instalados em PCs de grandes integradores. Para usar esse programa,

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br preciso que o usurio instale o Windows e deixe pelo menos 10 GB no alocados. Ao iniciar o computador pelo DVD pela primeira vez, o Xpress Recovery2 ir criar neste espao uma partio com o sistema de arquivos Ext2 e nela dividir em fragmentos de 2 GB a imagem compactada da partio principal. Geralmente, pelo menos uma parte dos softwares que acompanham as placas-me, ou so mal feitos e inteis, ou so verses de avaliao (muito comum com antivrus). Entretanto, a GIGABYTE incluiu dois programas de grande utilidade e fceis de usar que, sem dvida, agregam valor ao produto. No interior da embalagem ainda encontramos quatro cabos SATA, dois deles com uma das pontas em 90, e o espelho do painel traseiro.

Testes

Layout

Medindo 244 mm x 225 mm (A x L), a GA-A75M-D2H (figura 3) est dentro dos limites do formato Micro-ATX e assim como em boa parte das placas-me GIGABYTE, foram usados somente capacitores com eletrlito slido. Ao olharmos para a regio do circuito regulador de tenso da APU, no detalhe da figura 3, notamos que o dissipador de calor dos MOSFETs no foi instalado, apesar dos furos e da serigrafia na placa de circuito impresso indicar o local correto. Isso deixa a refrigerao por conta do fluxo de ar proveniente do cooler do processador, o que no to eficiente. O FCH A75 (Hudson-D3) est acomodado sob o belo dissipador cinza, cujo baixo perfil no atrapalha a instalao de placas em nenhum dos seus slots de expanso, sendo eles: um PCI Express x16 (prximo a bateria CR2032), um PCI Express x1, um PCI 32-bit e um PCI Express x4, mecanicamente compatvel com o padro x16. No manual do produto, a fabricante recomenda que uma placa de vdeo dedicada seja instalada no conector PCI Express x16 para no limitar seu desempenho. Todas as seis portas SATA podem funcionar com vazo de 6 Gbps (SATA III) e suportam os nveis RAID 0, 1 e 10. Porm, devido as suas posies no PCB (Printed Circuit Board), trs delas podem ficar inacessveis, dependendo do tamanho da placa que for instalada no PCI Express x4.

No vero, fique de olho F1. nas temperaturas. Tela do Xpress Recovery2 durante uma operao de F2. restaurao. 31

Logo abaixo dos slots de expanso, alm dos tradicionais headers para a instalao do painel frontal do gabinete (conectores de udio e duas portas USB 2.0) esto os conectores para mais duas USB 3.0/2.0, do mdulo de criptografia (cor preta) e da porta serial (branca). Os dois ltimos, devem ser adquiridos separadamente, entretanto, a GIGABYTE afirma que eles no sero comercializados no Brasil devido a baixa demanda, o que no nenhuma surpresa pois esses acessrios so mais utilizados no ambiente corporativo, que no o foco deste produto.

A f igura 4 apresenta ao leitor o painel traseiro da GA-A75M-D2H onde encontramos: seis portas USB, as duas azuis suportam o padro 3.0, um PS/2, uma sada VGA, um conector DVI (Dual Link), um HDMI (High-Def inition Multimedia Interface), uma sada SPDIF ptica, uma interface de rede Gigabit Ethernet (Realtek RTL8111E) e trs plugues do udio de oito canais (Realtek ALC889). Para habilitar a configurao 7.1 necessrio usar um plugue do2012 # 98 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br painel frontal (compatvel com HD Audio) e realizar os ajustes necessrios pelo driver. Na tabela 1 apresentamos as especificaes tcnicas do produto.

Testes

Para garantir a consistncia e fidelidade dos resultados, utilizamos as verses mais recentes de BIOS e drivers, disponveis at o momento da realizao dos testes. Para fins de comparao, trouxemos de volta a placa-me MSI A75MA-G55 que apresentamos na edio n 96. Na tabela 2 o leitor encontra a descrio detalhada das plataformas usada nos testes.

32

F4. Variedade de conectores suficientes para a grande maioria dos usurios. F3. Dissipador do VRM s esta presente em verses mais caras.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Como ambas as placas so baseadas no mesmo FCH, o A75, e estavam equipadas com a mesma APU, no espervamos ver diferenas de desempenho entre elas. De fato, foi exatamente isso que aconteceu, os nmeros de desempenho que os testes nos forneceram eram idnticos aos publicados no artigo da edio anterior, tornando desnecessrio repetir os nmeros aqui. Por isso, publicamos testes com dois softwares que no estiveram na edio anterior, a fim de fornecer mais informaes sobre o desempenho da APU A8-3850. A edio n 96 est disponvel para download gratuito no nosso site: www. revistapcecia.com.br. TrueCrypt O Tr ueCr y pt (w w w.t ruecr y pt. org) uma ferramenta open source para criptografia de discos, disponvel para sistemas operacionais Windows, Linux e Mac OS. Alm de muito utilizado, esse software foi um dos primeiros a oferecer otimizao para as instrues AES-NI desenvolvidas pela Intel. Nosso teste foi executado com buffer de 100 MB, utilizando os trs principais algoritmos de criptografia presentes no software: AES, Twofish e Serpent. A figura 5 mostra a vazo de dados criptografados obtida em cada teste. No TrueCrypt, a GA-A75M-D2H apresentou desempenho bem semelhante ao do produto concorrente. Ao contrrio do que ocorria h alguns anos, quando o chipset influenciava no desempenho do sistema, atualmente esperamos ver pouca diferena entre placas da mesma arquitetura em funo da presena das principais controladoras, como a de memria, dentro do processador. DiRT 3 Desenvolvido pela Codemasters, a terceira verso da franquia DiRT de simuladores de rally faz parte da nova gerao de jogos com suporte a API DirectX 11. Ao contrrio de jogos visualmente bem feitos mas exigentes nos requisitos de hardware, o DiRT 3 pode ser executado em computadores com GPUs mais simples e ainda assim com uma boa qualidade grfica. Usando a ferramenta de benchmark inclusa no jogo, criamos o grfico da figura 6, onde observamos que, mesmo executando o jogo com alguns detalhes habilitados e em resoluo relativamente alta, a controladora de vdeo do A8-3850 Especificaes TcnicasFCH Memria Rede udio Armazenamento A75 (Hudson-D3) 2 DDR3 DIMMs 1866 MHz (Mx. 16 GB) Realtek 8111E 10/100/1000 Mbps Realtek ALC889 8 Canais HD Audio 6 x SATA 6 Gbps RAID 0,1 e 10 1x PCIE x16 Expanso 1x PCIE x1 1x PCI 32-bit 1x PCIE x16 (eletricamente x4) 1 x PS/2 (Mouse e teclado) 1 x VGA 1 x DVI-D Painel Traseiro 1 x HDMI 2 x USB 3.0 e 4 x USB 2.0 1 x SPDIF ptica 1 x RJ45 3 x Conectores de udio 1 x USB 2.0 (2 portas no total) 1 x USB 3.0 (2 portas no total) 1 x Porta serial Conectores Internos 1 x TPM 2 x Conectores para ventoinha 1 x Conector de udio do painel frontal 1 x Conector SPDIF Tamanho 244 mm x 225 mm (Micro-ATX)

Testescapaz de entregar uma boa experincia ao usurio. A placa-me da GIGABYTE operou sem problema algum com as memrias configuradas em 1866 MHz.

33

T1. Especificaes tcnicas fornecidas pelo fabricante.

Plataforma de TestesHardware Plataforma APU Cooler Placa Me Memria Armazenamento Fonte Software Sistema Operacional Drivers Windows 7 SP1 Ultimate 64 bits Catalyst Software Suite 11.9 AHCI for Windows 7 11.9 South Bridge Driver 11.9 TrueCrypt 7.0 Benchmarks DiRT 3 OCCT Perestroka 3.1.0 Lynx AMD A8-3850 (2,9 GHz) BOX GIGABYTE A75M-D2H (BIOS F4) Lynx AMD A8-3850 (2,9 GHz) BOX MSI A75MA-G55 (BIOS 1.3)

2 x 2 GB Transcend 1866 MHz (9-10-9-24) Kingston SSDNow V-SERIES SATA-II 128 GB Cooler Master 1000W RS-A00-EMBA

T2. Descrio do hardware e dos softwares usados nos testes.

ConsumoPlacas-mes GA-A75M-D2H A75MA-G55 Repouso 28 W 28 W Estresse 195 W 164 W ATX12V Repouso 0,5 A 0,5 A ATX12V Estresse 12,1 A 10,0 A

T3. Consumo eltrico aferido nos sistemas testados.

2012 # 98 # PC&CIA

Testes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br bem longe do foco deste produto, que so os computadores para tarefas cotidianas. Apesar de no se destacar, no h nada que desmerea a GA-A75M-D2H como uma opo para quem quiser montar um novo computador baseado nas APUs AMD. Seu formato Micro-ATX melhor combinado com uma APU com baixo TDP, que tornar possvel construir um equipamento bastante compacto e com bom desempenho. Segundo a fabricante, o preo sugerido de venda ao consumidor final de R$ 330,00, mas, aps uma pesquisa entre algumas conhecidas lojas brasileiras de e-commerce, encontramos valores flutuando entre R$ 290,00 e R$ 450,00. Isso pode ser reflexo da ainda baixa oferta de placas-me para o soquete FM1. Por isso, se voc se interessou pelo produto, fique atento e pesquise pelo PC melhor preo.MB/s

Consumo

34

A fim de extrair o maior consumo e ne r g t ic o p o s s ve l, e s t r e s s a mo s , simultaneamente, os ncleos x86 e os Radeon Cores. Para essa tarefa contamos com a ajuda do software OCCT (www.ocbase.com), uma ferramenta muito usada para estressar sistemas e apontar falhas. O software foi executado no modo POWER SUPPLY com os seguintes parmetros: Shader Complexity = 8, FullScreen (1680x1050), 64 bits Linpack. Na tabela 3 mostramos o consumo total, em watts, dos dois sistemas, tanto em repouso como sob carga. Tambm inclumos a leitura, em ampres, extrada diretamente do conector ATX12V que alimenta a APU. Assim como j tinha ocorrido no teste da edio n 96, o A8-3850 novamente excedeu o seu TDP declarado de 100 W em ambas as placas-me. Porm, com a GA-A75M-D2H, registramos picos de consumo total de 195 W e 12,1 A na linha de 12 V (145,2 W) da APU, nmeros significativamente mais altos do que os obtidos com o produto da MSI. Questionada sobre os resultados, a GIG A BY T E i n for mou que e ste comportamento normal e j esperado. O fabricante argumentou que suas placasme so projetadas para manter estvel a tenso de alimentao da APU, mesmo sob estresse, e essa caracterstica melhoraria o potencial de overclock. No testamos ainda as capacidades de overclock de nenhuma plataforma baseada em APU, mas entendemos que manter a tenso estvel em overclock no deveria implicar no aumento do consumo quando em operao padro. J estamos solicitando uma nova amostra de APU para averiguar se esse comportamento se repetir.

F5. A APU A8-3850 apresenta desempenho muito semelhante ao de um Phenom II X4 955.

FPS

Concluso

timos softwares de backup, garantia de um ano, estvel, boa gama de conectores no painel traseiro, quatro slots para futuras expanses e ainda compatibilidade com toda a linha de processadores da famlia Llano. Porm, nem tudo so flores. A GIGABYTE poderia ter instalado um dissipador sobre os MOSFETs do VRM e posicionado melhor os conectores SATA. O suporte para apenas dois mdulos de memria limitante, mas no chega a ser um grande problema, e s ser um incmodo em casos muito especficos,F6. No Llano, o desempenho grfico depende muito da frequncia de operao das memorias.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Citrix XenClient:Com o XenClient, a Citrix promete levar, com segurana, os benefcios da virtualizao de desktops aos usurios de notebooks, sem engess-los no interior do escritrio. Conhea mais sobre esta soluo completamente gratuita e aprenda como implement-la passo a passo. Daniel Netto36

arte P 1

Virtualizao para viagem!

A

pesar de parecer recente, o conceito de virtualizao surgiu ainda na dcada de 1960 para aumentar a produtividade dos mainframes da IBM. Entretanto, durante as dcadas de 1980 e 1990, com o uso cada vez maior de servidores x86, mais baratos e com um bom desempenho, a virtualizao perdeu fora, ressurgindo mais tarde em 1999 para minimizar o mesmo problema enfrentado com os mainframes: a subutilizao do hardware. Perceba voc, leitor, que nesses 40 anos pouco se fez em relao aos usurios. Quando o assunto era virtualizao, a prioridade sempre foi dos servidores. Porm, esse cenrio iria mudar drasticamente com a introduo de um novo conceito, o de virtualizao de desktops. C om o cre sc ente n mero de computadores no interior das empresas, o aumento das despesas com manutenes e upgrades algo natural, apesar de indesejado. Isso sem contar os prejuzos decorrentes do tempo em que os usurios ficam ociosos, devido a falhas de hardware. Para minimizar esses problemas, uma das solues encontradas foi justamente a virtualizao de desktops. Essa tecnologia pode ser utilizada de varias maneiras e cada modo mais apropriado para determinados tipos de usurio e funo. A figura 1 mostra um diagrama que ilustra a estrutura de funcionamento do modo mais comum, o Virtual Desktop Infrastructure ou simplesmente VDI. Uma limitao presente em todas as formas de virtualizao de desktops a necessidade de sempre haver uma conexo ativa entre o equipamento usado para acessar o ambiente de trabalho virtual e o datacenter, como um thinclient por exemplo. Essa exigncia

praticamente inviabiliza a implementao de desktops virtuais para usurios de notebooks, pois esses dispositivos esto, muitas vezes, suscetveis a conexes de m qualidade e/ou baixa velocidade ou mesmo indisponibilidade total de sinal. Entretanto, com o aumento da demanda por mobilidade, cada vez mais empresas esto cedendo notebooks a alguns de seus funcionrios, enquanto outras permitem at mesmo que eles usem os seus prprios. Se do ponto de vista do usurio, essas polticas promovem maior conforto, para os profissionais de TI, que so os responsveis pela manuteno dos equipamentos, elas representam um verdadeiro desafio. Alm do ambiente profissional, esses notebooks so utilizados nos momentos de lazer. Portanto, infeces por malwares e o comprometimento total do sistema so ocorrncias corriqueiras, o que, alm de reduzir a produtividade do funcionrio pode colocar em risco a integridade dos dados da empresa.

F1. Em uma implementao tpica de VDI, cada usurio representa uma VM no datacenter.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Instalar um hypervisor de tipo 2, como, por exemplo o VMware Player ou VirtualBox, sobre alguma verso do Windows ou GNU/ Linux, na tentativa de isolar o sistema operacional exclusivo de trabalho, nem sempre funciona pois, alm do desempenho de vdeo da mquina virtual deixar a desejar, o sistema operacional hospedeiro continua vulnervel. Foi pensando nesses usurios, que necessitam da flexibilidade do ambiente virtual mas no podem abrir mo da mobilidade, que a Citrix criou o XenClient. Por ser baseado no Citrix XenServer, o XenClient herdou algumas caractersticas bastante interessantes, sendo a principal delas, a arquitetura bare-metal. Ao contrrio do VMware Server e VirtualBox, programas j bastante conhecidos pelos leitores da PC&CIA, que so instalados sobre um sistema operacional pr-existente (Windows ou GNU/Linux), o XenClient instalado diretamente sobre o hardware, sem a necessidade de um outro sistema operacional, por isso que ele considerado um hypervisor de tipo 1. Essa abordagem permite construir um sistema bastante enxuto, com somente o necessrio para viabilizar a execuo das mquinas virtuais, evitando desperdcio de processamento e memria oriundos de programas executados em segundo plano (indexao de disco e softwares antivrus). O maior controle sobre os drivers de dispositivos, que so, salvo algumas raras excees, instalados juntamente com o hypervisor tambm um fator crtico. No h interao direta entre o usurio e o hypervisor. Todo o gerenciamento das mquinas virtuais feita por meio de uma interface de controle totalmente isolada, que no caso do XenClient, recebe o nome de Citrix Receiver para XenClient. Tudo isso contribui para a construo de um sistema bastante robusto e seguro. Este tipo de arquitetura j era utilizada h bastante tempo nos servidores e agora comea a se popularizar entre os computadores dos usurios. Veja na figura 2 um diagrama com a estrutura tpica de um hypervisor de tipo 2 e a arquitetura bare-metal do Citrix XenClient. interessante para o ambiente corporativo. Entretanto, existem alguns outros recursos que chamam a ateno: Acesso direto a placa de vdeo Com a ajuda da tecnologia Intel VT-d (Intel Virtualization Technology for Directed I/O), presente em alguns modelos de processadores e chipsets, o XenClient capaz de passar todas as chamadas de vdeo realizadas na mquina virtual diretamente para a GPU. Com suporte a OpenGL e DirectX, o desempenho grfico da VM praticamente igual ao nativo. Este recurso

Redes importante tanto para uso pessoal, pois possvel assistir filmes em alta definio e at mesmo jogar, quanto para o profissional, pois d acesso a aplicaes como o AutoCad e 3ds Max. A figura 3 apresenta o diagrama de funcionamento desse recurso. Gerenciamento Remoto Mesmo funcionando de forma totalmente autnoma, trabalhando em conjunto com o Synchronizer que a soluo XenClient realmente mostra toda a sua fora. Com a ajuda do Synchronizer, os profissionais de TI podem gerenciar,

XenClient

37

Recursos

No h dvida de que somente os benefcios intrnsecos de sua arquitetura, j tornam o XenClient uma soluo muito

F2. O Control Domain e a Service VM so ambas mquinas virtuais baseadas em GNU/Linux . E nesta ltima, que a interface Citrix Receiver para XenClient executada.

2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br programa est efetivamente rodando. Assim, nem mesmo um keylogger (cavalo de troia que registra tudo que digitado pelo usurio) capaz de descobrir, por exemplo, a senha do usurio. Pudemos comprovar isso em nosso teste, utilizamos um keylogger em uma VM e realmente ele no foi capaz de capturar a entrada do teclado quando digitando na janela de aplicativo compartilhada da outra VM (essa sadia). Isolamento Apesar de no ser um recurso mas sim uma caracterstica, este um dos pontos em que a Citrix mais se apoia para promover o XenClient como um produto especialmente desenvolvido para empresas. Como era de se esperar, o software permite a execuo simultnea de vrias mquinas virtuais, porm, elas so totalmente isoladas uma das outras (pelo menos do ponto de vista interno). No h qualquer tipo de comunicao entre as mquinas virtuais, como por exemplo, compartilhamento de rea de transferncia, ou mesmo pastas compartilhadas. Esse isolamento garante que, caso a mquina virtual pessoal seja comprometida por um malware, a VM de uso profissional continue imune e funcionando como se nada tivesse acontecido.

F3. Apenas um mquina virtual por vez pode acessar diretamente a GPU.

38

remotamente, dezenas de notebooks. Por meio da interface web possvel, por exemplo, desabilitar notebooks roubados ou perdidos, definir polticas de backup, restringir o uso de dispositivos USB e at mesmo alterar (on-the-fly) o hardware virtual. Na segunda parte deste artigo, entraremos em mais detalhes sobre como instalar o Synchronizer e suas funcionalidades. Secure Application Sharing Com o Secure Application Sharing, ou Compartilhamento Seguro de Aplicativos, em traduo livre, possvel concentrar em apenas uma mquina virtual, os programas mais utilizados, mesmo aqueles que estejam sendo executados em outras outras VMs. Esse recurso permite ao usurio acessar aplicativos de qualquer VM diretamente na que estiver trabalhando. Assim, elimina-se a necessidade de ficar saltando de VM em VM para acessar o programa desejado (figura 4). Imagine um cenrio no qual, por incompatibilidade com o sistema operacional padro da empresa ou mesmo com algum outro programa j instalado, o usurio seja obrigado a carregar uma mquina virtual exclusivamente para rodar um ou dois programas especficos. No justo esperar que um usurio leigo alterne entre mquinas virtuais para usar um software, mas com o Secure Application Sharing o administrador do sistema pode deixar tudo configurado para que o usurio no tenha que sair da sua mquina virtual.PC&CIA # 98 # 2012

Outro bom uso deste recurso poder ter uma mquina virtual exclusivamente para acesso a sites de bancos, pois assim ela fica isolada da sujeira que enfrentamos diariamente na internet. Segundo a Citrix, mesmo com esse recurso habilitado, o isolamento continua perfeito, pois todos os comandos de mouse e teclado sequer so interpretados, eles so interceptados pelo hypervisor e enviados diretamente para a mquina virtual onde o

Comparti- F4. lhamento de aplicativos no compromete o isolamento.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

F5. Panasonic Toughbook CF-31

Especificaes TcnicasCPU Memria Armazenamento Tela Video Rede Wireless Bateria Intel Core i5-540M 2,53 GHz 2 GB DDR3 1066 MHz Hitachi SATA 250 GB 5,400 RPM 13,1 XGA 1024x768 TouchScreen Intel HD Graphics / Mobility Radeon HD 5650 Intel 82577LM 10/100/1000 Mbps Intel Centrino Advanced-N 6200 (802.11a/b/g/n - dual band) Li-ion 10,65 V 8,55 Ah

T1. Especificaes do Toughbook CF-31.

Mas no ache que este isolamento resolve todos os problemas com vrus e semelhantes. Essa estratgia no impede contaminaes por softwares que se espalham pela rede ou por mdias removveis. Para ambientes onde a confidencialidade das informaes extremamente critica (rgos pblicos por exemplo), existe uma verso especial, desenvolvida em parceria com a Intel, que implementa algumas camadas a mais de isolamento e criptografia. Denominada XenClient XT a soluo compatvel Intel TXT (Trusted Execution Technology) e tambm com criptografia dos discos acelerada pelas instrues Intel AES-NI (Advanced Encryption Standard New Instructions). Desde a primeira verso do XenClient, a Citrix vem sendo criticada pela comunidade devido ao limitado nmero equipamentos oficialmente suportados. poca do lanamento eram apenas 23 modelos compatveis, todos eles com processador e controladora grfica integrada Intel. Recentemente, com o lanamento da verso 2.1 do software, o nmero de dispositivos suportados mais que triplicou. Agora so setenta no total e alguns modelos so equipados com placas de vdeo discretas como a AMD Radeon HD 6470M, AMD FirePro M3900 e M5950. A lista de compatibilidade de hardware (Hardware Compatibility List ou HCL) completa pode ser encontrada no seguinte endereo www. citrix.com/ready. No manual, a Citrix ainda recomenda pelo menos 4 GB de memria RAM e armazenamento de 80 GB ou mais. Para este artigo, tivemos a sorte de contar, em nosso laboratrio, com um

Requisitos de hardware

Panasonic Toughbook CF-31 (figura 5), cujas principais caractersticas esto na tabela 1. O Toughbook um notebook robustecido, altamente resistente, muito usado pelas foras armadas de diversos pases e sujeito a carregar informaes crticas e vitais, que muitas vezes podem ser a diferena entre a vida ou a morte de um peloto inteiro. A adio de um hypervisor pode dar ao equipamento mais flexibilidade e segurana, pois pode-se ter dois sistemas operacionais, e ainda por cima contar com os recursos de criptografia do XenClient XT. No o Toughbook que ideal para o XenClient, mas sim o contrrio, o XenClient que um sistema ideal para o Toughbook. claro que no necessrio um equipamento to sofisticado quanto esse para utilizar o XenClient, basta levar em conta a HCL.

Alm do link para a imagem do ISO com o instalador do XenClient (de 493 MB), a mensagem carrega os endereos para os arquivos de atualizao para a verso 2.1 do Synchronizer (serve apenas para quem j tem uma verso anterior em execuo) assim como a virtual appliance completa, que pacote que vamos utilizar na segunda parte do artigo. Com os arquivos devidamente descarregados, grave o XenClient_2_1.iso em um CD. Por se tratar de um hypervisor bare-metal, o XenClient no um aplicativo instalado sobre o Windows, por exemplo. Para instal-lo, necessrio reiniciar a mquina e executar o BOOT pelo CD. Assim que o processo de boot terminar, ser exibida a tela da figura 6 na qual devemos escolher entre a instalao rpida (Quick install) ou a instalao avanada (Advanced install). Para

39

Instalao

O XenClient totalmente gratuito, e pode ser baixado e instalado em quantos computadores for necessrio. O Synchronizer tambm pode ser usado gratuitamente, mas na verso gratuita ele gerencia no mximo 10 equipamentos. A partir deste ponto, necessrio adquirir o XenDesktop, que a soluo de virtualizao de desktops da Citrix, cujo o XenClient um dos componentes. Para comear, acesse a pgina do XenClient em www.citrix.com/xenclient e, no canto superior direito da tela, clique no boto Try it. necessrio preencher um formulrio simples, que, apesar estar em ingls, no deve ser nenhum problema para o leitor. Em alguns instantes, um e-mail com os endereos para download dever chegar em sua caixa de entrada.

F6. Escolha a instalao rpida (Quick install).

F7. O VT-x mandatrio para o funcionamento da soluo.

2012 # 98 # PC&CIA

Redeso nosso ambiente, por enquanto, a primeira opo suficiente. A seguir, a licena de uso ser apresentada e, como de costume, necessrio aceit-la para prosseguir. Recomendamos que o leitor crie o hbito de ler com calma as licenas, pois nelas que esto declaradas as limitaes do software. Neste ponto o instalador far uma checagem para detectar se as instrues Intel VT-x e VT-d esto habilitadas. Caso uma das duas no esteja, um aviso parecido com o da figura 7 ser exibido. O VT-x indispensvel, sem ele o XenClient no funciona. J o VT-d opcional, sua presena permite utilizar a acelerao 3D da placa de vdeo, um recurso interessante, mas que pode ser deixado de lado.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Nas prximas duas telas (figura 8 e 9), escolha o idioma de instalao e o layout de teclado. Como ainda no h traduo para o portugus, o leitor dever selecionar a que mais for conveniente. J em relao ao padro de teclas, no h com o que se preocupar, pois o layout selecionado ser utilizado apenas pelo Citrix Receiver para XenClient. As mquinas virtuais so configuradas de forma independente. Agora, verifique se o dispositivo de armazenamento selecionado para a instalao mesmo o correto, pois, as informaes nele contidas sero sobre-escritas (figura 10). No estranhe que o nosso disco chamado VBOX HARDDISK, utilizamos o VirtualBox para ajudar na captura de algumas telas, no caso do leitor dever aparecer o nome do HD fsico da mquina. Aps a confirmao, digite a senha do usurio root e no prximo dilogo (figura 11) digite-a novamente para confirmar. importante frisar que, esta no a senha do usurio do equipamento, mas sim do usurio com poderes administrativos e ser usada apenas em tarefas administrativas muito especficas. A partir deste ponto a instalao seguir automaticamente, sem mais perguntas. Em poucos minutos ser exibida a tela da figura 12, informando que a instalao terminou. Basta remover o disco e pressionar Enter para reiniciar. A inicializao do XenClient bastante rpida, cerca de 30 segundos. Porm na primeira vez costuma demorar bastante, portanto no estranhe caso o computador fique, aparentemente parado, por mais de um minuto na tela da figura 13, pois logo seremos apresentados interface principal do Citrix Receiver para XenClient (figura 14), que bastante intuitiva e fcil de usar.

Explorando o Citrix Receiver para XenClient

40

F8. Entre os idiomas disponveis, escolha o mais conveniente.

Antes de partirmos para a criao da primeira mquina virtual, vamos conhecer um pouco melhor o Citrix Receiver para XenClient. No canto superior direito da tela esto os botes System e Network. O primeiro rene algumas opes de configuraes e personalizaes como: troca do papel de parede, comportamento do notebook ao fechar a tampa e definio de senha para autenticao local. Sinta-se vontade em explor-las melhor, mas por ora nenhum ajuste obrigatrio. O segundo, rene as opes relacionadas a rede. Todas as redes sem fio ao alcance sero exibidas em uma lista (figura 15), bastando um clique sobre o SSID da rede desejada para abrir o dilogo de autenticao. J do lado esquerdo da tela, tambm encontramos outros dois botes. Por meio do Power podemos realizar tarefas como desligar e reiniciar o equipamento, e o

F9. Mesmo que seu teclado seja ABNT2, com o layout United States no haver problemas durante a operao do Citrix Receiver para XenClient..

F10. Confirme o disco que ser usado para a instalao. Ele ser totalmente apagado.

Clique em F5. Connection Information para visualizar dados como endereo IP, MAC e servidor DNS.

F13. Inicializao do Citrix XenClient. F11. Escolha uma senha segura com nmeros, letras e caracteres especiais como @.

F12. Instalao concluda.

Interface do F14. Citrix Receiver para XenClient.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Add VM apresenta as mesmas opes que os dois grandes cones no centro da tela, a saber: iniciar a instalao de uma mquina virtual a partir de um CD/DVD (VM do tipo no gerenciada) e descarregar uma VM do tipo gerenciada do Synchronizer, que abordaremos na segunda parte do artigo. Para criar uma VM no gerenciada, clique no boto Create from Install Disk. Nesta primeira etapa, digite um nome para a mquina virtual e no campo Type: escolha, entre as cinco opes oficialmente suportadas, qual ser o sistema operacional instalado (figura 16). Antes de avanar, o campo Description: deve estar obrigatoriamente preenchido com uma breve descrio (de at 200 caracteres). Feito isto, clique em Next para, na prxima tela (figura 17), escolher um cone para a VM. Na etapa Memory (figura 18), defina qual ser a quantidade de memria disponvel para o sistema operacional da mquina virtual. Mas fique atento, pois, como o XenClient ainda no conta com nenhum tipo de compartilhamento de memria, as VMs alocam toda a quantidade de memria definida nessa etapa de forma exclusiva, o que pode inviabilizar a execuo simultnea de duas ou mais mquinas virtuais se elas exigirem mais memria do que o sistema capaz de fornecer. J na tela seguinte (figura 19), ajuste a capacidade do disco virtual (campo Virtual Disk Size) e decida como as interfaces de rede iro se comportar para esta VM em particular. O menu Wireless Network permite escolher entre Shared Wireless e Shared 3G (esta ltima, ainda uma funo em desenvolvimento). Apesar de estarem relacionadas a dispositivos diferentes (placa de rede sem fio e modem 3G, respectivamente) o resultado final do funcionamento de ambos os modos bastante parecido com o de um Roteador. Nos dois casos, o Citrix Receiver para XenClient adquire um endereo IP da rede externa e cria uma rede privada para as VMs onde o acesso para a rede externa permitido por meio de NAT (Network Address Translation). Para as redes cabeadas, o menu Wired Network apresenta, alm de Shared, os modos Bridged (as mquinas virtuais so conectadas diretamente a rede externa) e Internal (permite apenas a comunicao entre as VMs). Na quinta e ltima etapa, existem apenas duas opes: Start VM & Install OS encerra o assistente e liga a VM, e Create VM & Install OS later, que tambm finaliza a criao da mquina virtual, mas a mantm desligada. Como esta a nossa primeira VM, seria interessante se, antes de instalar o sistema operacional, explorssemos um pouco mais os parmetros de configurao

Redesdisponibilizados pelo XenClient. Assim, selecione a segunda opo e clique em Finish, como mostra a figura 20. Agora, na tela principal do Citrix Receiver para XenClient, o leitor notar que os dois grandes cones cederam seus lugares para o da VM recm-criada. Posicione o cursor do mouse sobre ele e clique no boto Details (figura 21). Nesta nova janela, o menu General permite alterar os parmetros configurados na primeira etapa de criao da mquina virtual. Tambm possvel trocar o atalho de teclado para ela, cujo funcionamento o leitor ver logo adiante. Em Devices, onde os dispositivos USB conectados VM so listados (funcionalidade s disponvel aps a instalao do XenClient Tools). Caso o leitor queira fazer alguma alterao em qualquer parmetro, basta clicar no boto Edit, realizar a modificao e depois clicar em Save. Por ora, o que realmente nos interessa so as opes oferecidas pela aba Advanced (figura 22). A opo Allow OEM Windows Install permite ao XenClient expor a tabela ACPI SLIC para as VMs. Isso garante que instalaes de verses OEM do Windows no tenham problemas com ativao. As prximas trs configuraes Expose Physical Hardware Information, Expose Physical OEM Hardware e Intel

Primeira mquina virtual

41

F17. Escolha um cone para a nova mquina virtual.

F19. A tecnologia Thin Provisioning permite criar discos virtuais maiores do que o armazenamento fsico do XenClient. F16. Suporte ao Ubuntu Linux ainda experimental. F18. Uma parte da memria no estar disponvel para as Vms, pois utilizada pelo prprio XenClient.

2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F20. ltima etapa de criao da mquina virtual.

F22. Alguns softwares de gravao de CD/DVD e at mesmo drivers de webcams checam se o hardware o correto.

Para criar F21. as prximas mquinas virtuais, utilize o boto Add VM.

F23. A qualquer momento, pressione Ctrl+0 para voltar a tela do Citrix Receiver para XenClient.

42

Os cones de F24. exclamao, ao lado nos nomes das Vms, alertam que o XenClient Tools no est instalado.

AMT ME Passthrough - esto relacionadas ao funcionamento de alguns softwares e dispositivos. Caso sua empresa use algum tipo de software de gerenciamento atrelado ao Intel vPro, ou se o fabricante do seu equipamento pr-instalou alguma ferramenta que dependa do hardware, deixe estas opes habilitadas. Com tudo devidamente configurado e salvo, basta clicar em Start para iniciar a instalao do sistema operacional escolhido. Ao fazer isso, um aviso aparecer na tela (figura 23) informando quais teclas devem ser pressionadas para voltar ao Citrix Receiver para XenClient (Ctrl + 0). A primeira mquina virtual criada adotar, por padro, o conjunto Ctrl + 1, a segunda Ctrl + 2 e assim por diante. Lembrando que possvel alterar esses atalhos na configurao de cada VM.PC&CIA # 98 # 2012

Ao clicar em Continue, para fechar o dilogo, o foco ser redirecionado para a tela de instalao do sistema operacional (Windows 7 Professional SP1 64 bits) e a partir deste ponto, o procedimento idntico ao realizado em um computador fsico. Seguindo o mesmo procedimento criamos uma segunda VM, mas com o Windows 7 Home Premium 32 bits para simular um ambiente pessoal e tambm para demonstrar o compartilhamento de aplicativos. Na figura 24 o leitor encontra a interface principal do Citrix Receiver para XenClient exibindo o cone das duas VMs.

de diversos dispositivos, sem os quais o desempenho bastante comprometido. Para instal-lo, acesse a unidade E: (por padro, uma imagem ISO mantida no drive virtual) e execute o arquivo Setup.exe. O procedimento bastante simples e no so necessrios grandes ajustes. Na primeira etapa, aceite a licena de uso; na segunda (figura 25), selecione apenas XenClient Tools e clique em Next. Na prxima tela, ser apresentado um resumo do que ser instalado, clique em Install. Durante o processo, necessrio confirmar a instalao de alguns drivers (figura 26), aceite todos para prosseguir. Ao trmino, clique em Finish e reinicie para completar a instalao. Assim que a mquina virtual iniciar, a resoluo tima do monitor ser automaticamente detectada e tambm ser possvel notar a presena de uma barra na parte superior da tela (figura 27), onde se pode verificar quais VMs esto ligadas e alternar entre uma e outra.

XenClient Tools

Segundo a Citrix, o XenClient Tools deve ser o primeiro software instalado na mquina virtual. Ele contm drivers paravirtualizados

Compartilhamento de Aplicativos

Antes de utilizar esta funo, a Citrix recomenda que todas as atualizaes disponveis sejam instaladas via Windows

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

Os drivers paravirtualizados F26. somente entraro em ao aps o reincio.

F25. Por ora, marque para a instalao apenas o XenClient Tools.

43

Update. Enquanto isso, precisamos decidir qual das duas mquinas virtuais ficar encarregada de publicar os aplicativos, e qual receber. Essa deciso vai variar de acordo com o cenrio enfrentado, mas, apenas por motivos didticos, elegemos a VM Corporativa como publicadora (Publishing VM). Com tudo pronto, acesse a Subscribing VM, a VM Pessoal no nosso caso, execute o instalador do XenClient Tools e marque somente a opo Subscribe to Applications (figura 28). Ao trmino da instalao, ser necessrio reiniciar a mquina virtual. Feito isto, alterne para a Publishing VM e execute os mesmo passos porm utilize a opo Publish Applications. Para iniciar o compartilhamento, volte para a Subscribing VM e no menu Iniciar procure pelo cone Select more apps. Ao cliclo, ser aberto um programa chamado Citrix Receiver (no confundir com Citrix Receiver para XenClient) onde, na coluna da direita, existir um menu com o nome de computador (configurado pelo Windows) da Publishing VM, no nosso caso VM_CORPORATIVA, no qual todos os aplicativos disponveis estaro listados, bastando clicar no boto Add para compartilhar (figura 29). Depois

F27. O boto home, alterna para o Citrix Receiver.para XenClient.

Softwares F29. disponveis para o compartilhamento.

F28. Esta etapa deve ser realizada na Subscribing VM.

2012 # 98 # PC&CIA

Redesde adicionados, os softwares podero ser acessados diretamente pelo menu Iniciar da Subscribing VM. Por padro, so disponibilizadas, com exceo do Internet Explorer, quaisquer aplicaes no nativas do Windows. O controle feito pelo arquivo C:\ProgramData\Citrix\ Xci\Applications\XciDiscoveryConfig.xml, onde ProgramData uma pasta oculta na raiz do sistema operacional. Aps a instalao de um novo programa na PublishingVM, so necessrios alguns minutos at que ele aparea na lista de softwares disponveis do Citrix Receiver. possvel forar a atualizao, clicando na engrenagem, no canto direito da interface, e depois em Refresh Applications.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br cada nova verso, a Citrix vem trabalhando na correo deles, assim como na expanso da compatibilidade e tambm na introduo de novos recursos. Por falar em desenvolvimento, os fruns (http://forums.citrix.com/support) so bastante ativos e possvel fazer perguntas, ou mesmo sugestes, diretamente para os desenvolvedores. Na segunda parte deste artigo, abordaremos com mais detalhes Synchronizer e o PC gerenciamento remoto. No perca!

Acelerao grfica

44

Para permitir o acesso direto a GPU, certifique-se primeiro de ter habilitado, no BIOS, o VT-d. Alguns equipamentos habilitam esse recurso automaticamente quando a opo Intel TXT habilitada. Feito isso, com a VM desligada, acesse as configuraes dela e no menu Hardware deixe o campo 3D Graphics configurado como Enable. (figura 30). Salve e inicie a mquina virtual. Assim que o sistema iniciar, o driver de vdeo das controladoras Intel ser instalado automaticamente e ser necessrio reiniciar. To logo o Windows termine a iniciar, j ser possvel desfrutar de todas as possibilidades da GPU, como acelerao de vdeos e 3D (figura 31). Assim, conclumos a primeira parte deste artigo. O leitor deve enxergar estes passos como um guia que o ajudar na criao de um ambiente de testes para uma prova de conceito, a fim de testar a compatibilidade com os equipamentos e, principalmente, avaliar se a soluo se encaixa bem ao modo de funcionamento da empresa.

F30. Sem o 3D Graphics, os vdeos apresentam qualidade deteriorada.

Concluso

Lanada h pouco mais de dois anos, o XenClient ainda uma soluo jovem, por isso alguns bugs ainda esto presentes. Mas, aPC&CIA # 98 # 2012

F31. Com acesso direto a GPU, o desempenho grfico da mquina virtual muito prximo ao nativo.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

todo o processo de instalao e configurao inicial da verso grtis do hypervisor baremetal para servidores da Citrix.

Instalando o Citrix XenServer 6 DNeste artigo mostramos, passo a passo, Diego Vivencio Daniel Netto ominar apenas uma forma de virtualizao to limitante quanto dominar apenas um sistema operacional. Um dia nos veremos obrigados a trabalhar em conjunto com outra soluo e, ento, teremos muito mais trabalho do que seria necessrio se houvssemos feito o tema de casa. Por isso importante conhecer tambm o Xen, um hypervisor muito eficiente e maduro. Ele foi desenvolvido pela XenSource e a primeira verso veio a pblico em 2003, mas a instituio foi incorporada pela Citrix em 2007. A verso open source do Xen pode ser instalada sobre qualquer distribuio GNU/ Linux. Entretanto, podemos simplesmente escolher o XenServer, um sistema GNU/ Linux criado pela prpria Citrix, j com o hypervisor integrado, de fcil instalao e operao. Para tornar ainda mais conveniente sua adoo, o Citrix XenServer conta com uma verso gratuita que no tem todas as funcionalidades e recursos da verso comercial, mas que se mostra mais do que adequada para experimentao e para aplicaes de menor porte, afinal, boa parte dos recursos avanados s til para implementaes muito grandes. Para maiores informaes sobre as diferenas entre as verses acesse: www.citrix.com/ xenserver/editions. O Xen no tem nada em comum com as solues da VMware. Ele utilizaMnimoCPU Memria Armazenamento Rede x86-64 Single Core de 1,5 GHz 2048 MB Local com 16 GB livres (PATA, SATA/ SAS, SCSI) Uma interface de 100 Mbps

tcnicas de paravirtualizao para alcanar nveis impressionantes de desempenho, no entanto, precisa que o sistema operacional da VM seja especialmente preparado para o ambiente virtual. Sistemas operacionais que possam ser paravirtualizados tero um bom ganho de desempenho, mas infelizmente nem todos podem. Um exemplo o Windows (qualquer verso), que no pode ser modificado para aproveitar a estrutura de paravirtualizao, pois seu cdigo-fonte fechado. Dessa forma, a nica maneira de virtualizar o Windows utilizando a tcnica de virtualizao total (assistida ou no por hardware). O desempenho no o mesmo de um sistema paravirtualizado, mas nem por isso ruim.

45

Formas de Virtualizao

Falamos muito de virtualizao de uma forma geral, porm, na verdade, no existe apenas uma forma de realiz-la. Vrias abordagens e tcnicas diferentes j foram criadas para este problema. Mas para entender o XenServer preciso conhecer pelo menos trs delas: Virtualizao Total Nesta abordagem, o hypervisor fornece mquina virtual um ambiente muito semelhante ao de uma mquina fsica, com uma CPU, memria e dispositivos virtuais (controladoras de disco, rede, vdeo, USB, som, etc). Estes dispositivos apresentam um comportamento idntico ao de seusRecomendadox86-64 Multi Core de 2,0 GHz compatvel com Intel VT-x ou AMD-V 4096 MB ou mais Local com 60 GB livres (PATA, SATA/SAS, SCSI) ou SAN via HBA Uma ou mais interfaces de 1000 Mbps

T1. Para executar mquinas virtuais Windows, as extenses Intel VT-X e AMD-V devem ser habilitadas no BIOS da placa-me.

2012 # 98 # PC&CIA

Redesequivalentes fsicos, sendo possvel instalar os sistemas operacionais sem nenhum tipo de modificao. Apesar dessa tcnica no ser considerada a mais eficiente, vrias otimizaes permitem alcanar um desempenho muito prximo ao do nativo (rodando diretamente no hardware). a principal tecnologia utilizada nas solues da VMware, VirtualBox e VirtualPC. Paravirtualizao Apesar de no poder abandonar a estrutura tradicional utilizada por um computador (CPU, memria, rede e discos), no caso da paravirtualizao, esses dispositivos no seguem risca o funcionamento dos equivalente fsicos, pois eles contam com modificaes que os tornam mais adequados ao ambiente virtual e ao compartilhamento de recursos. Ou seja, o sistema operacional da mquina virtual sabe que est sendo virtualizado, e coopera com o hypervisor. Com isso, a compatibilidade fica restrita a SOs que tenham sido preparados para rodar neste tipo de ambiente. Este modelo adotado pelo Xen, pelo Hyper-V e tambm pode ser utilizado em algumas solues da VMware, atravs de uma tecnologia chamada VMI (Virtual Machine Interface). Virtualizao assistida por hardware O diferencial aqui que o hardware possui extenses que permitem contornar vrias das limitaes encontradas no modelo convencional de virtualizao total, pois algumas operaes que necessitariam de emulao por parte do hypervisor so executadas diretamente no hardware. a

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br soluo utilizada pelo KVM (Kernel Virtual Machine), pelo VMware, que necessita deste recurso para executar mquinas virtuais de 64 bits, e inclusive pelo Xen, logo o XenServer tambm, para a execuo de sistemas operacionais que no oferecem suporte a paravirtualizao (como o Windows). impor ta nte lembra r que essa classificao serve apenas como uma referncia, pois na prtica um pouco mais complicado classificar cada soluo em um determinado grupo. Por exemplo, as solues VMware utilizam drivers paravirtualizados para dispositivos de rede, sem quebrar a compatibilidade com o Windows, pois apenas um driver que deve ser instalado no sistema operacional, e caso este no seja instalado, a interface de rede virtual capaz de simular uma placa fsica cujo driver encontrado em grande parte dos sistemas operacionais. Alguns produtos baseados no Xen ainda oferecem pacotes de drivers paravirtualizados para Windows. O VMI, apesar de ser uma soluo de paravirtualizao, emprega dispositivos de hardware virtuais compatveis com hardware real. posteriores, recomendamos que o leitor, antes de iniciar o processo de instalao, visite a pgina da Hardware Compatibility List (Lista de Compatibilidade de Hardware) que pode ser encontrada no seguinte endereo hcl.vmd. citrix.com. A tabela 1 apresenta os requisitos descritos na documentao do software. Como nem sempre o oramento permite a aquisio de hardware especfico para servidores, mesmo que seu equipamento no seja oficialmente suportado, talvez, ainda seja possvel utiliz-lo. importante deixar claro que este cenrio no o ideal, mas, para uma prova de conceito, aceitvel. Neste caso, importante realizar pesquisas sobre o suporte do XenServer 6 em relao ao hardware escolhido, principalmente controladoras de disco e rede, e tambm redobrar a ateno quanto procedncia das peas, especialmente no caso das memrias e dos discos rgidos. H inmeras situaes de falsificao de mdulos de memria, e os discos rgidos sofrem com as pssimas condies s quais so submetidos, como quedas e transporte de forma inadequada. Para este artigo, contamos com o servidor HP ProLiant DL385 G7 (figura 1). Compatvel com o Citrix XenServer 6, equipado com 32 GB de memria RAM, dois processadores dodeca-core AMD Opteron 6176 (totalizando 24 ncleos) e dois HBAs (Host Bus Adapters) Fibre Channel de 4 Gbps, o equipamento mostra-se muitssimo adequado para aplicaes de virtualizao. Veja na tabela 2 as principais caractersticas deste servidor.

46

Requisitos de hardware

Quando falamos de solues deste tipo, dvidas em relao a compatibilidade com hardware so normais. O XenServer, apesar de geralmente ser instalado sobre hardware especfico para servidores, tambm oficialmente compatvel com muitos modelos de workstations. Por isso, para evitar surpresas durante a instalao, devido a incompatibilidade com o software, ou at mesmo instabilidades

Instalao

F1. HP Proliant DL385 G7

HP ProLiant DL385 G7CPU Memria Armazenamento Rede Fonte 2 x AMD Opteron Magny-Cours 6176 de 2,3 GHz 32 GB (4 x 8 GB) Hynix DDR3 RDIMM 1333 MHz 2 x 300 GB 10.000 RPM SAS 4 x Broadcom NetXtreme II BCM5709 (10/100/1000 Mbps) 2 x 460 W Redundante

T2. Especificaes tcnicas do hardware utilizado.

O XenServer 6 est disponvel no site www.citrix.com/xenserver/download. O cadastro no mais necessrio, portanto, basta clicar no boto Download. Quem j se aventurou com o XenServer, com certeza lembra que, alm do Install CD, era preciso descarregar tambm o Linux Pack para que fosse possvel criar mquinas virtuais baseadas em GNU/Linux. Porm a verso seis do software j carrega este suporte, de forma que, agora, apenas o download da imagem ISO de 533,2 MB do instalador (o nome do arquivo XenServer-6.0.0-install-cd. iso) necessrio. Feito isso, grave o arquivo salvo em um CD. Logo aps o boot voc dever selecionar o layout de teclado adequado que, provavelmente, ser o [qwerty] br-abnt2

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

F2. Escolha o layout de teclado adequado.

F3. O instalador alerta que As informaes seram totalmente apagadas.

47

F4. Este aviso s aparecer se o processador no suportar virtualizao assistida por hardware.

F5. O arranjo RAID 1 criado pela controladora HP Smart Array identificado como um volume lgico de 279 GB.

para teclado em portugus, ou o [qwerty] us em caso de teclado internacional (figura 2). A figura 3 carrega um aviso muito importante: todos os dados sero apagados do disco selecionado para instalao. Partindose do pressuposto que um computador com um hypervisor possivelmente ficar ligado 24 horas por dia, no se justifica adicionar a opo de realizar dual-boot. Certifique-se de que no h dados importantes nos discos do equipamento, pois o XenServer ir apagar todos. Caso algum dispositivo de hardware precise de um driver especfico, nesta mesma tela possvel carreg-lo pressionando F9. A seguir apresentada a licena de uso. Apesar de muitos negligenciarem as licenas e simplesmente prosseguirem sem ler, a leitura sempre recomendada. na licena que esto declaradas as possibilidades e as limitaes do software.

Se o seu processador no possuir as extenses de virtualizao por hardware, ou se esse recurso estiver desativado no BIOS, a tela da figura 4 o alertar para o fato. Sem este importante recurso, o XenServer trabalha somente no modo de paravirtualizao, o que significa na prtica que apenas mquinas virtuais GNU/Linux podero ser usadas. Agora, possvel selecionar quais discos locais faro parte do repositrio onde as mquinas virtuais ficaro armazenadas, ou deixar a opo desmarcada e posteriormente configurar, pelo XenCenter, um repositrio remoto por meio de uma rede SAN. Entretanto, para fazer uso do IntelliCache, recurso que, em conjunto com o Citrix XenDesktop, faz cache local das VMs armazenadas em um storage de rede, necessrio selecionar pelo menos um disco e

habilitar a opo thin provisioning (figura 5). Em seguida, o instalador perguntar qual o tipo de mdia utilizada para a instalao. Como usamos um pendrive USB, a opo selecionada foi Local media. A mesma opo se aplicar caso o leitor estiver utilizando um CD. A prxima tel exibir um dilogo perguntando se algum pacote suplementar deve ser instalado. Neste artigo no usaremos nenhum, portanto, selecione No para avanar. Neste ponto o instalador apresenta a possibilidade de verificar a integridade da mdia de instalao. um passo opcional, mas recomendvel realiz-lo, pois o tempo despendido pequeno (cerca de um minuto) e pode nos poupar de surpresas. Aps a verificao, ser solicitada uma senha para o root (figura 6), que o usurio com poderes administrativos. Essa senha2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F6. Cerifique-se de criar uma senha segura para o usurio root.

F7. Defina qual placa de rede ser a usada para administrao remota.

48

F8. Escolha entre configurao de rede automtica por DHCP, ou esttica.

F9. Atribua um Hostname para o equipamento e digite o endereo do servidor DNS.

ser exigida para realizar operaes de gerenciamento, para conexo atravs do XenCenter e pode ser alterada posteriormente. Caso haja mais de uma placa de rede, necessrio selecionar qual delas ser configurada para acesso interface de gerenciamento (figura 7). O uso de vrias interfaces de rede permite distribuir as VMs entre elas, e tambm existe a opo de utilizar um bond, que consiste em combinar vrias placas de rede como se fosse apenas uma, com a finalidade de oferecer redundncia caso uma placa apresente defeito ou um cabo seja desconectado acidentalmente, evitando que as mquinas virtuais percam conectividade. Essa opo ser mostrada mais adiante. A menos que na rede local exista um servidor DHCP com a possibilidade de definir um endereo IP dinmico fixoPC&CIA # 98 # 2012

(por mais contraditrio que isso possa parecer) pelo MAC Address da placa de rede, a melhor opo usar a configurao de IP esttico (figura 8). Logo aps (figura 9), defina o Hostname do servidor e o endereo do servidor de DNS (Domain Name System). Os servidores DNS servem para facilitar algumas operaes internas do sistema, como sincronizao de relgio e localizao de servidores de armazenamento, pois poderemos usar nomes ao invs de nmeros de IP. Caso sua rede conte com um servidor DNS local, seu endereo dever ser digitado nesta tela. Os quatro prximos passos esto envolvidos na configurao da localizao geogrfica do servidor. Nas telas das figuras 10 e 11 voc deve selecionar o continente e a cidade onde o servidor est localizado. Uma configurao que

deve funcionar para boa parte do Brasil America/Sao Paulo. A seguir, def ina se o relgio do equipamento ser configurado manualmente ou por NTP (figura 12). O Network Time Protocol, ou simplesmente NTP, um protocolo de sincronizao de relgios que permite manter o servidor sempre com a hora correta, algo muito importante em redes de computadores, principalmente em ambientes virtualizados. A fim de garantir melhor preciso, sugerimos utilizar os ser vidores do Observatrio Nacional, pois so eles que definem a Hora Legal Brasileira. Os endereos de trs servidores esto na figura 13 (para obter a lista completa acesse ntp.br). Agora que o relgio est devidamente configurado, e todas as informaes necessrias foram coletadas, resta apenas

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

F10. Selecione o continente mais prximo de voc.

F11. Selecione a cidade mais prxima de voc.

49

F12. Escolha pela sincronizao por NTP sempre que for possvel.

F13. Informe o endereo dos servidores desejados.

confirmar o incio da instalao (figura 14). a ltima chance de desistir antes que os dados do disco sejam totalmente apagados. Durante a instalao voc ver uma barra de progresso mostrando o andamento da cpia, que no muito demorada. Em poucos minutos ser exibida a tela da figura 15, informando que a instalao terminou. Basta remover o disco, ou pendrive, e pressionar Enter para reiniciar o servidor. O processo de boot de um hypervisor no uma coisa muito interessante. Tudo que voc v uma tela com o logo Citrix e uma barra de progresso (figura 16). Finalmente chegamos ao console de configurao (figura 17), que pode ser empregado para alterar muitos dos parmetros de configurao do servidor. Mas essa

tarefa mais prtica de ser feita por meio do XenCenter, que ser instalado na estao do responsvel por gerenciar o servidor. Pa r a g erenci a r remot a mente o XenServer, a Citrix oferece o XenCenter que, infelizmente, s est disponvel para a plataforma Windows (veja os requisitos completos na tabela 3). Para aqueles que usam GNU/Linux a nica alternativa o OpenXenManager (sourceforge.net/ projects/openxenmanager). Essa de longe a maior reclamao dos usurios, grande parte dos administradores de redes utilizam GNU/Linux e seria muito mais conveniente se a Citrix os suportasse diretamente. O XenCenter capaz de muitas coisas alm do gerenciamento dos servidores e das mquinas virtuais. Por exemplo, um

Instalando o XenCenter

Iniciando o XenServer

elemento muito importante (acessvel apenas por meio dele) so as estatsticas de uso de recursos, tanto do servidor como um todo quanto de cada mquina virtual. Podemos instalar o XenCenter de vrias formas diferentes. Pode-se utilizar o CD de instalao do XenServer, que contm tambm o instalador do XenCenter, ou ainda baix-lo do site da Citrix. Mas a melhor forma certamente copi-lo via rede local diretamente do servidor recm-instalado, que disponibiliza o instalador tanto no formado MSI (Microsoft Installer) quanto em ISO (para gravar um CD de instalao). Para isso, basta acessar o link http://ip_do_servidor com seu browser. Apesar de no estar traduzida para o portugus, a instalao bem simples, pois no h muito o que configurar. Ela segue o clssico estilo Avanar, Avanar, Concluir.2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F14. Agora s prosseguir com a instalao.

F15. Instalao concluda.

50

F16. Iniciando o servidor.

F17. Console de configurao do Citrix XenServer 6. As imagens de instalao foram feitas com o auxlio do HP Integrated Lights-Out 3 (iLO 3)

Conectando ao Servidor

Agora que o XenCenter est instalado, execute-o e logo o leitor ser apresentado tela da figura 18. Para conectar-se ao servidor recm-instalado, necessrio adicion-lo lista do XenCenter utilizando o boto ADD a server. Preencha as lacunas do dilogo com o endereo IP e a senha definida durante a instalao, exatamente como visto na figura 19. Feito isso, ser exibida uma tela perguntando se o usurio gostaria que o XenCenter guardasse as credenciais usadas para que na prxima inicializao a conexo seja feita automaticamente. Caso o leitor aceite esta sugesto, prudente marcar tambm a opo Require a master password (figura 20).

se existem atualizaes ou correes de segurana. No Citrix XenCenter essa verificao bastante simples, basta clicar no menu Help > Check for Updates. Ao selecion-la, u ma nova ja nela ser aberta no seu navegador, indicando quais componentes tm atualizaes disponveis (figura 21).MnimoSistema Operacional .NET Framework CPU Memria Armazenamento Rede Resoluo da tela

poca da confeco deste artigo, estavam disponveis quatro atualizaes para o XenServer, que devem primeiro ser salvas e descompactadas no computador, onde o XenCenter est instalado, para depois serem carregadas no servidor XenServer. Uma vez de posse de todos os arquivos, acesse a opo Tools > Install Software Update, selecione o arquivo de atualizao (figuraRecomendado

Windows 7, Windows XP, Windows Vista, Windows Server 2003, Windows Server 2008,Windows Server 2008 R2 (all editions and versions) Verso 3.5 750 MHz 1024 MB 100 MB Livres 100 Mbps 1024 x 768 1000 MHz ou mais 2048 MB ou mais -

Atualizando

Uma das primeiras tarefas ao se instalar um novo sistema operacional verificarPC&CIA # 98 # 2012

T3. A Citrix disponibiliza o XenCenter somente para Windows.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes22) e o servidor em que a atualizao deve ser aplicada (figura 23) Como, durante o processo, o servidor precisa ser reiniciado algumas vezes, o instalador permite selecionar se todo o processo ocorrer de modo manual ou automtico. Visto que ainda no temos mquinas virtuais rodando, no h problemas em deixarmos no modo automtico, como mostra a imagem da figura 24.

Ativao

F18.

Tela principal do Citrix XenCenter.

F19. Adicionando um servidor.

Como o leitor j sabe, a verso do XenServer 6 que utilizamos para este artigo, totalmente gratuita. Mesmo assim, a Citrix exige que seja feita a ativao em at 30 dias aps a instalao e que ela seja renovada anualmente. O procedimento bastante simples e leva apenas alguns minutos. Acesse o menu Tools > License Manager, clique no boto Activate Free XenServer e selecione a opo Request Activation Key... (figura 25). Ser preciso preencher um pequeno formulrio que, apesar de estar em ingls, no deve ser um grande obstculo. Aps o envio das informaes, o leitor dever receber um e-mail com um arquivo do tipo .xslic anexado, que por sua vez, dever ser salvo no mesmo computador onde o XenCenter est instalado. Feito isso, ainda na mesma janela, clique novamente no boto Activate Free XenServer, mas desta vez selecione a opo Apply Activation Key e procure pelo arquivo que salvamos. Com a licena aplicada, a instalao do XenServer est concluda.

51

F20. Est senha ser solicitada toda vez que o XenCenter for iniciado.

A tcnica conhecida por bonding ou teaming consiste no agrupamento de duas ou mais placas de rede em uma nica interface lgica. El usada tanto para balanceamento de carga quanto para adicionar redundncia. O Citrix XenServer suporta at oito agrupamentos de at duas placas de rede cada. A configurao de um bond no XenServer uma tarefa bastante simples, mas que merece ser detalhada, por no ser realizada habitualmente. Tendo selecionado o servidor na poro esquerda da tela, deve-se acessar a guia Networking (figura 26) e acionar a funo Add Network... para ento selecionar a opo Bonded Network (figura 27).

Configurando um bond de rede

2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Para acessar F21. a pgina de download da atualizao, clique no ponto de exclamao. 52

F22. Devido a existncia de dependncias, aplique as atualizaes em ordem crescente.

F23. Selecione o servidor a ser atualizado.

F24. Cuidado com o modo automtico! O servidor ser reiniciado vrias vezes.

F25. Apesar de gratuito, o Citrix XenServer 6 precisa ser ativado.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

F26. O gerenciamento das interfaces de rede feito por meio da guia Networking.

F27. Criando uma interface do tipo Bonded.

F28. At duas placas de rede por agrupamento.

F29. Aviso: a conexo pode ficar indisponvel por alguns instantes.

53

Na prxima tela (figura 28), devem ser selecionadas quais interfaces de rede sero adicionadas ao agrupamento. O HP ProLiant DL385 G7 conta com quatro placas de rede Broadcom NetXtreme II, portanto, para fins didticos, deixaremos as duas primeiras exclusivamente para o gerenciamento por meio do XenCenter, enquanto as outras duas sero agrupadas para assumir todo o trfego gerado pelas mquinas virtuais. Por esse motivo, nesta etapa, no marcaremos a opo Automatically add this network to new virtual machines. Nesta mesma janela, ainda podemos escolher se o agrupamento ser feito no modo Active-active ou Active-passive. No primeiro, as duas interfaces ficam ativas e dividem a carga estre si, sendo que qualquer uma pode assumir o trfego automaticamente caso a outra falhe. J no segundo modo, apenas uma das interfaces de rede fica ativa, a outra fica aguardando a falha da primeira. Segundo o manual do XenServer 6, o hypervisor capaz de detectar o tipo de trfego que est trafegando no bond. Se ele for compatvel com o da Management

Interface (Interface de Gerenciamento) apenas uma interface f icar ativa e portanto no haver balanceamento de carga, mesmo que o modo de operao esteja configurado para Active-active. Tendo em vista que uma das placas de rede selecionadas F30. Duas interfaces de rede lgicas com redundncia. foi definida durante a instalao como sendo a interface de gerenciamento, hypervisors. Alm disso, a Citrix oferece exibido o aviso da figura 29 onde avisado farta documentao em seu site. que o acesso ao servidor ficar indisponvel por alguns instantes, at que o bond esteja Concluso configurado e a conexo restabelecida. A dupla Citrix XenServer 6 e XenCenter A f igura 30 mostra o resultado apresenta uma facilidade de uso superior final da configurao, aps repetirmos a outras solues baseadas no Xen. Em o procedimento com as placas de redes momento algum o usurio tem que restantes. lidar com o SO do servidor, pois, aps a Com isso, seu servidor est pronto para instalao tudo poder ser feito por meio receber as primeiras mquinas virtuais. A da amigvel interface de administrao. administrao do XenServer bastante Boa sorte no seu novo mundo virtual. PC simples e objetiva, semelhante de outros At a prxima!2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Storage iSCSI acessvel com

FreeNASVoc precisa de uma soluo de Storage para disponibilizar discos para um servidor? Isso pode ser um grande problema, levando em conta o alto custo dos Hardwares e Licenas de Storage de grandes fabricantes.54

O que um Storage?

Mas, com o FreeNAS, podemos reutilizar um servidor ou at mesmo um computador para ser nosso Storage iSCSI. Veja neste artigo, como instalar e configurar um volume iSCSI usando esta soluo gratuita.

Existem vrias formas de responder essa pergunta, que vo desde as mais simples at as mais complicadas. Mas de um modo geral, podemos dizer que Storage uma forma de armazenar dados. A maioria dos equipamentos que utilizamos hoje em dia possuem, no mnimo, um Storage. Podemos citar os principais que so os nossos smartphones, MP3 Players, notebooks, computadores, servidores, entre outros. Antigamente cada computador ou servidor armazenava seus arquivos, mais conhecido como Armazenamento Distribudo. Nos tempos atuais, com a alta demanda de compartilhamento de dados e at mesmo por questes de desempenho necessitamos utilizar o que conhecemos como Armazenamento Centralizado. Para isso precisamos utilizar equipamentos e ferramentas que atendam a essa demanda. Existe uma variedade de formas de utilizar um Armazenamento Centralizado, podemos citar: Storages de grandes fabricantes conectados diretamente aos servidores, usando conexes de Fibra ptica; NAS (Network-Attached Storage) de grandes fabricantes utilizando conexes de Rede; entre outros.

O iSCSI (Internet Small Computer System Interface) um protocolo de Internet baseado em endereo IP para facilitar o acesso ao dados via rede. Maiores informaes podem ser obtidas no site en.wikipedia.org/wiki/ISCSI. Resumidamente, o iSCSI composto de dois elementos: Initiator: o cliente que vai acessar um disco iSCSI remotamente no Target. Target: o servidor que vai fornecer acesso do disco iSCSI ao Initiator. Fazendo uma analogia bsica, o Target um servidor de pginas web e o Initiator o navegador de Internet que vai acessar essas pginas web. O iSCSI utilizado para fornecer discos remotos para vrios tipos diferentes de ambientes, mas seu uso maior nos ambientes de virtualizao de servidores. No caso de um ambiente com virtualizao, todos os servidores (ou um grupo de servidores desse ambiente) precisam acessar os mesmos discos ao mesmo tempo. Para isso, os sistemas de virtualizao utilizam sistemas de arquivos de Cluster para que seja possvel compartilhar os arquivos e diretrios. Esses arquivos e diretrios, resumidamente, so as Virtual Machines.

iSCSI

NAS opensource

Administrador de Cloud Computing utilizando VMware (vSphere 5 e vCloud Director 1.5). Possui o ttulo de Tecnlogo em Redes de Computadores pelo CREA e as certificaes: VMware VCP-4/ VCP-5, Red Hat RHCE e LPI-3 Core.

Ricardo Calimanis

Nesse artigo vamos apresentar o FreeNAS (www.freenas.org), que um NAS (NetworkAttached Storage) Open Source baseado no FreeBSD (www.freebsd.org), desde a instalao e configurao at a utilizao do protocolo iSCSI. Resumindo, vamos construir um Storage para acessar nossos dados com conexo de Rede e endereamento IP.

FreeNAS 8

O FreeNAS no um programa comum, trata-se sim um sistema operacional desenvolvido especialmente para atuar como NAS. Alm do compartilhamento de dispositivos de blocos, por meio do iSCSI, com ele possvel compartilhar arquivos e diretrios entre redes Windows (SMB/CIFS), Apple (AFP), Unix / Linux (NFS).

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Abordaremos aqui somente a configurao de um dispositivo iSCSI, mas o FreeNAS uma soluo de storage completa, capaz de oferecer vrios outros servios. Para mais informaes, visite http://www.freenas.org/features/item/ feature-chart?category_id=108 Para fins didticos, o FreeNAS no exige muito do hardware e pode ser instalado em praticamente qualquer computador usado que se tenha disponvel. Porm para produo a coisa muda, e nesse caso somente estudando o tamanho da estrutura para dimensionar corretamente. A vantagem que, como se trata de uma ferramenta de uso livre, podemos experimentar vontade. Se a inteno for utilizar o sistema de arquivos ZFS, recomenda-se um mnimo de 8 GB de memria RAM (o que inviabiliza o uso de sistemas de 32 bits, que s endeream at 4 GB). Essa quantidade de memria comporta muito bem storages de at 8 TB, mas conforme a capacidade aumenta recomendvel adicionar memria razo de 1 GB de RAM por TB de armazenamento. Em sistemas com menos de 8 GB de memria, recomenda-se utilizar o sistema de arquivos UFS, que mais leve. importante frisar que o sistema do FreeNAS precisa ser instalado em um disco independente. Ele no pode ser instalado no mesmo disco no qual ficaro armazenados os dados, de forma que, se o computador em questo tiver apenas um disco, o FreeNAS iniciar mas no ter como hospedar dados. Por isso o computador precisa ter mais de um disco, ou ento pode-se instalar e iniciar o FreeNAS de um pendrive e deix-lo compartilhar o HD interno. Neste artigo, utilizamos a verso 64 bits do FreeNAS 8.0.3-RELEASE-p1, ultima verso estvel disponvel at a concluso texto, que pode ser obtida gratuitamente no seguinte endereo: www.freenas.org. Para os equipamentos cujo processador no tenha extenses 64 bits, os desenvolvedores oferecem tambm a variante de 32 bits. O FreeNAS funciona muito bem como mquina virtual de modo que perfeitamente possvel montar um ambiente de testes completamente virtualizado at que o leitor fique mais familiarizado com a soluo.

Redes

Requisitos de hardware

F1. Menu de boot do instalador do FreeNAS.

Selecionar F2. opo 1 para instalar o FreeNAS 8. O S.O. ser F3. instalado no da0. O disco da1 ser utilizado na criao do volume iSCSI.

55

Confirme o F4. disco que ser usado para a instalao.

Instalao

Depois da F5. instalao efetuada com sucesso, reinicie o sistema.

No esquea de F6. remover a mdia de instalao ou alterar a sequncia de BOOT.

2012 # 98 # PC&CIA

RedesAssim que o download dos 101,8 MB da imagem ISO (FreeNAS-8.0.3-RELEASEp1-x64.iso) terminar, grave-a em um CD e execute o BOOT do computador pelo drive ptico. Na figura 1 podemos observar a tela de inicializao da instalao do FreeNAS

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br 8, que ser iniciada automaticamente, caso nenhuma interao seja efetuada. Em poucos segundos aparecer a tela da figura 2, onde bastar pressionar Enter. No prximo passo (figura 3), selecione o disco onde o FreeNAS ser instalado e tecle Enter novamente. No nosso caso, selecionamos o dispositivo da0, chamado de VMware Virtual pois utilizamos o VMware Workstation 8 para ajudar na captura de algumas telas, no caso do leitor dever aparecer o nome do HD fsico, ou arranjo RAID, da mquina. A prxima tela (figura 4) solicitar a confirmao de que o dispositivo de armazenamento selecionado para a instalao mesmo o correto, pois, as informaes nele contidas sero sobre-escritas. Se estiver tudo certo, selecione Yes para prosseguir. A partir deste ponto a instalao seguir automaticamente, sem mais perguntas. Em alguns instantes aparecer a tela da figura 5, informando que instalao foi efetuada com sucesso. Basta pressionar Enter para voltar tela da figura 2 em que, desta vez, o leitor dever selecionar a opo Reboot System (figura 6) para reinicializar o FreeNAS 8.

F7. Tela do Console Setup do FreeNAS 8.

Configuraes iniciais

56

Assim que o sistema terminar de carregar, o leitor ser apresentado ao Console Setup (figura 7) que uma interface em modo texto onde possvel realizar diversos ajustes. Entre os mais importantes, esto os relacionados ao endereamento IP. Rede e Usurio root via Console Setup Na tela do Console Setup pressionar 1 para configurar o endereamento IP do FreeNAS 8, (figura 8). Agora vamos configurar o roteamento pressionando 4, (figura 9), em seguida o DNS, pressionando 6, (figura 10) e preenchendo os dados apropriados para a rede local. Precisamos configurar tambm a senha de root, o usurio administrador do FreeNAS 8, pressionando 9. Na linha de comando executar passwd root, e alterar a senha do root (figura 11). Idioma, Timezone e Usurio admin via Web GUI Com a rede devidamente configurada, agora podemos acessar o Web GUI para continuar a configurao do nosso FreeNAS 8. No seu navegador de Internet, digitar o endereo IP que configuramos via Console Setup, no nosso caso: http://10.0.0.10, (figura 12). Se for solicitado, o usurio e senha padro do FreeNAS 8 : usurio: admin e senha: freenas. Precisamos trocar a senha do usurio admin, para isso, no canto esquerdo, expandir My Account e clicar em Change Password (figura 13).

F8. Configurao de IP.

F9. Configurao de Rotas.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Agora precisamos configurar o idioma e o timezone de nosso FreeNAS 8, para isso no mesmo canto esquerdo, expandir System depois clicar em Settings, efetuar as alteraes e depois clicar em Save, (figura 14). Criao do Device Extents nessa configurao que vamos utilizar o disco da1, que no usamos na instalao. Na mesma tela de configurao do iSCSI clicar em Device Extents e depois clicar em Add Extent, (figura 24). Configurar um Extent Name que seja fcil de entender, no caso de possuir configurados vrios Extents no mesmo FreeNAS. Ns utilizamos DocsTIbr. net-iSCSI-01, no comentrio utilizamos o mesmo texto do Extent Name, em Disk device selecionar o disco da1 e clicar em OK, (figura 25). Informaes do nosso Device Extents. (figura 26). Criao do Target Agora, vamos criar um target para nosso disco da1. Na mesma tela de configurao do iSCSI, clicar em Targets e depois clicar em Add Target, (figura 27). Em Target Name vamos utilizar o mesmo iqn que usamos na configurao do iSCSI, somente adicionando no final o disco que estamos utilizando, no

Redescaso: da1. Dessa forma estamos empregando o Target Name: iqn.2012-02.docstibr.net. iscsi-da1. Em Target Alias estamos utilizando DocsTIbr.net.iSCSI-da1. Em Auth Method selecionar None. Clicar em OK, (figura 28). Informaes de nosso Target, (figura 29). Na configurao que estamos propondo no estamos usando nenhum tipo de autenticao CHAP. Porm, extremamente recomendvel utilizar pelo menos a autenticao CHAP caso esteja usando este artigo para configurar seu prprio FreeNAS 8 para produo. Criao do Associated Targets Agora vamos associar nosso Target com nosso Extent. Na tela de configurao do iSCSI clicar em Associated Targets e clicar em Add Extent to Target, (figura 30). Na nova janela (figura 31), use os menus para selecionar o Target e o Extent recm-criados, no nosso caso iqn.2012-02.docstibr.net.iscsi-da1 e DocsTIbr.net-iSCSI-01, respectivamente. Feito isso, clique em OK para concluir (figura 32).

Configurando o iSCSI

Neste artigo vamos abordar a criao do sistema de arquivos ext4 para somente um servidor. Caso seja necessrio testar o mesmo disco iSCSI para mais de um servidor, ser necessrio obter conhecimento de sistemas de arquivos de Cluster, como o LVM do Unix / Linux, VMFS da VMware, OCFS da Oracle, entre outros. Habilitar e configurar o Servio do iSCSI No canto esquerdo do Web GUI, expandir Services e depois clicar em Control Services, (figura 15). Em Control Services clicar em OFF no iSCSI para habilitar, (figura 16). Agora vamos configurar o Base Name do nosso FreeNAS 8, para isso clicar no cone que simboliza uma chave, ao lado do iSCSI. Em Base Name utilizar o padro que achar interessante desde que siga as regras para criar seu iqn (iSCSI Qualified Name). No nosso caso utilizamos o iqn.2012-02.docstibr.net. iscsi. Clicar em salvar, (figura 17). Criao do Portal Na mesma tela da configurao do iSCSI, clicar em Portals. Clicar em Add Portal para criar nosso Portal, (figura 18). Adicionar um comentrio para identificar nosso Portal. No nosso caso utilizamos Todas as Redes porque estamos habilitando esse Portal para qualquer rede acessar o iSCSI, clicar em OK, (figura 19). Informaes do nosso Portal na figura 20. Criao do Authorized Initiator Agora vamos criar um grupo para informar quais Initiators (servidores que vo iniciar uma conexo com nosso iSCSI) podem acessar nosso iSCSI. No nosso caso vamos permitir que qualquer servidor possa acessar nosso iSCSI. extremamente recomendado que autorize somente os servidores que devem acessar o iSCSI, se estiver utilizando esse artigo para criar seu FreeNAS para produo. Na mesma tela de configurao do iSCSI, clicar em Authorized Initiator e depois clicar em Add Authorized Initiator, (figura 21). Podemos colocar um comentrio, no nosso caso coloquei Todos, (figura 22). Informaes da nossa Autorizao, (figura 23).

57

F10. Configurao de DNS.

F11. Configurao da senha do root do FreeNAS 8.

2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F12. Tela da Interface Web do FreeNAS 8.

F13. Configurao da senha do usurio admin.

58

F14. Configurao do idioma e fuso horrio.

F15. Tela de configurao dos servios.

F16. Habilitando o servio iSCSI no FreeNAS 8.

F17. Configuraes globais dos Targets iSCSI no FreeNAS 8.

F18. Adicione um Portal iSCSI.

F19. ...e configure-o.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

F20. Todos os Portais criados sero exibidos nesta aba.

F21. Configurao do Authorized Initiator.

F22. Defina as redes que tero acesso ao Target.

F23. Verifique as informaes do Authorized Initiator.

59

F24. Configurao do Device Extents no FreeNAS 8.

F25. Defina um nome para o Device Extent.

F26. Esta tela lista os Device Extents.

F27. Configurao do Target no FreeNAS 8.

2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F28. Expanda o menu Auth Method para visualizar os mtodos de autenticao disponveis.

F29. Informao do Target recm criado.

60

F30. Configurao do Associated Targets.

F31. Adicionando um Extent ao Target.

F32. Informaes do Associated Targets.

F33. Relatrios de carga do sistema.

Neste ponto, o FreeNAS j estar disponibilizando o disco virtual na rede, bastando configur-lo em qualquer servidor que suporte o protocolo iSCSI. Para finalizar, o FreeNAS 8 possui um caracterstica muito importante que so os Relatrios de consumo do servidor. Eles tm uma variedade de informaes de consumo. E o mais importante que fica armazenado at 1 ano. Com essa caracterstica fica mais fcil descobrir problemas referentes ao Storage. Vale lembrar que para conseguir umPC&CIA # 98 # 2012

relatrio completo como esse em um Storage de grandes fabricantes muito complicado. Esses relatrios podem ser obtidos em Reporting, (figura 33).

Relatrios

Concluso

Neste artigo mostramos, em poucos passos, como criar um servidor iSCSI utilizando uma ferramenta open source, gratuita e compatvel com hardwares facilmente encontrados no mercado. Com as informaes passadas aqui, tambm possvel criar ambientes onde sistemas de virtualizao como: KVM, XenServer, VMware,

entre outros, necessitem de dispositivos de bloco em mais de um servidor para que seja possvel compartilhar o acesso s Virtual Machines utilizando um sistema de arquivos de Cluster. Mais informaes sobre virtualizao podem ser verificadas no site en.wikipedia.org/wiki/ Server_virtualization. Caso o leitor queira testar com mais profundidade as funcionalidades do FreeNAS 8, recomendamos a criao de um laboratrio virtual onde seja possvel realizar testes mais elaborados antes, para implementar a soluo em um ambiente de PC produo com segurana.

StorCenter ix2Cloud EditionNa edio n 92 apresentamos o servidor de arquivos StorCenter ix2, da Iomega. Agora, de olho na evoluo do mercado e no surgimento de diversos tipos de aparelhos, a empresa apresenta a verso cloud e permite a criao da nuvem pessoal no ambiente caseiro ou em pequenas empresas. Confira as novidades! Ronnie Arata61

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

A verso nova F1. do StorCenter ix2 no teve alteraes no design.

C

onhecemos o StorCenter ix2 e vimos que uma de suas principais caractersticas a segurana, pois ele permite RAID 1 com dois HDs, assim, tem-se um storage para backup e compartilhamento de arquivos com redundncia de dados. Se um dos HDs falhar, poder ser substitudo por outro sem perder as informaes, automaticamente a matriz ser reconstruda, apenas por conectar outro HD novo. Alm disso, com a interface bastante intuitiva do Iomega Stor Center, fica fcil para os usurios menos experientes fazerem seus backups e compartilhamento de arquivos sem a necessidade de maiores conhecimentos especficos.

As empresas que reconhecem os benefcios de um storage, sabem que investir nesse tipo de equipamento no jogar dinheiro fora. Pelo contrrio, um storage com backup e RAID 1, alm dos diversos benefcios, ainda elimina a necessidade de tarefas de recuperao de dados que, normalmente, so difceis para os leigos. Quem depende de uma infraestrutura digital no pode correr riscos de perder suas informaes, ou tempo de trabalho. Alm de j estarem cientes da diferena que trabalhar com os documentos centralizados e seguros, agora, as empresas e escritrios ganham mais um benefcio com o StorCenter ix2 Cloud Edition que recebeu funes e caractersticas da computao em nuvem.2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

F2. Parte traseira do produto traz o encaixe dos HDs e duas portas USB.

62

F3. Os dois modelos foram reconhecidos no mesmo computador equipado com duas placas de rede gigabit.

A no ser pela caixa do produto, difcil distinguir o StorCenter ix2 Cloud Edition da verso anterior. Visualmente, os dois modelos no diferem em nada (figura 1). A carenagem do produto a mesma e no h nenhuma indicao de que o produto da verso em nuvem. O tamanho do aparelho (93 mm x 144 mm x 200 mm) e as conexes tambm so iguais (figura 2), adaptador de energia, conexo para rede Ethernet, trava Kensington e trs portas USB (uma delas fica na parte frontal), que podem ser usadas para compartilhamento de impressoras ou para copiar dados rapidamente de um pendrive, nada mudou. As funes de storage e backup, obviamente, no deixaram de existir no modelo em nuvem, mas, pela forma como a nova verso monta as parties no Windows, possvel notar que o compartilhamento, principalmente de arquivos de mdia, teve mais enfoque, como podemos ver na figura 3. O que muda, ento? O segredo est no software. A interface web para configurao do storage (a interface pode ser acessada atravs do cone de engrenagem que fica no canto superior direito da tela de configurao do Iomega Store Manager), alm de mais intuitiva, tambm permite, de maneira fcil, acesso s configuraes do Iomega Personal Cloud, tecnologia desenvolvida pela Iomega para conectar vrios aparelhos dos usurios e a principal caracterstica que diferencia o Cloud Edition da verso anterior. Essas configuraes ajudam at os menos experientes a gerenciarem a nuvem pessoal da Iomega. Repare como a interface foi modificada, deixando os menus do lado esquerdo na vertical e as opes de cada aba na tela, em forma de cones (figura 4). Recomendamos, logo no incio da configurao do aparelho, habilitar a opo de segurana do aparelho, escolhendo um usurio e uma senha, assim, evita-se que outras pessoas tenham acesso s configuraes do aparelho.

Cloud Edition

Atualizao de Firmware

F4. O painel de administrao foi modificado, na direita, a verso atual.

A verso que recebemos instalada no aparelho foi a 3.0.9.37355 e a disponvel, indicada pela interface era a 3.1.12.47838. No entanto, vimos no site da Iomega que a verso mais atual era na verdade a 3.1.14.995. Obviamente, usar a verso mais nova recomendvel, e fcil atualizar.

PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

RedesAssim que a atualizao terminar, basta esperar ele reinicializar e estar pronto.

Iometer

F5. Depois de selecionar o arquivo .tgz espere pelo upload e aplica a alterao.

Igualmente ao que mostramos na edio n 92, usamos o Iometer para medir o desempenho dos storages. Colocamos o novo StorCenter ix2 Cloud Edition frente a frente com o modelo antigo, e pudemos compar-los na mesma plataforma. Aparentemente a Iomega fez algumas otimizaes que visam maior desempenho na tarefa de servir arquivos pequenos, dando menos nfase na performance de stream. Isso faz sentido, no tanto pela funo cloud, que se limita pelo link de internet, mas sim visando um melhor desempenho em uso cotidiano, na rede local. Esse , afinal, o tipo de desempenho que realmente importa. O Cloud Edition, com a verso de firmware que veio de fbrica, mostrou uma mdia de 96,12 IOPS, no perfil de servidor WEB e 75,05 IOPS em servidor de arquivos, resultados maiores do que a verso normal. J em Streaming, o StorCenter ix2 Cloud Edition sai perdendo, veja no grfico da figura 6 todos os resultados, inclusive com o firmware atualizado (a atualizao do firmware est disponvel na aba Sistema).

63

F6. Cada perfil apontou um produto que obteve melhores pontuaes, mas, em geral, a verso cloud melhor em arquivos pequenos.

Concluso

Atravs da interface de configurao do StorCenter ix2-200 Cloud Edition, clicando na aba Sistema, depois em atualizaes de software, ser disponibilizada uma tela que exibe as informaes da verso do firmware. Ao clicar no link da verso nova voc ser levado at o site http://go.iomega.com, mas tambm poder acess-lo diretamente no browser. No site, clique na aba SUPPORT , depois, na parte de Desktop Network Storage, escolha o StorCenter ix2-200 Cloud Edition. Escolha seu sistema operacional e, na tela seguinte, na parte de Download Software & Drivers, escolha a primeira opo StorCenter ix2-200, Cloud Edition Firmware Version 3.1.14: Read First.

A opo de Download Now estar mais abaixo. Ser necessrio criar uma conta no suporte da Iomega. Depois de baixar o arquivo (que vir em formato .tgz), acesse a interface novamente; na mesma tela de atualizaes de software, clique no boto com o smbolo + (mais/ adicionar), uma tela para adicionar o firmware ser exibida (figura 5). Clique no boto Procurar e selecione o arquivo do novo firmware baixado. Depois, clique em Fazer upload e espere o arquivo ser gravado no StorCenter ix2. Na coluna de Status, a nova verso estar pronta par ser aplicada. Clique no boto Aplicar e confirme a atualizao, uma mensagem lhe avisar para no desligar o StorCenter durante a atualizao.

O StorCenter ix2 no muda de pblico-alvo s porque, agora, tem funcionalidades em nuvem. Seu foco ainda est nas empresas pequenas e mdias, escritrios e tambm no uso domstico, pois, apesar de ter vrias funcionalidades e configuraes, sua instalao e uso so bem fceis. Para quem no gosta de complicaes, este storage ideal. No entanto, ainda reforamos a ideia de pelo menos definir a senha de segurana do dispositivo por motivos de segurana. O produto no nos desapontou. Pelo contrrio, a taxa de IOPS em arquivos pequenos, maior do que a verso anterior, mostrou que o firmware do produto foi otimizado. A Iomega poderia ter feito pelo menos um adesivo que diferenciasse o produto novo do antigo. O preo do Stor Center ix2 est menor do que quando o primeiro artigo foi publicado. O investimento, agora, fica em torno de R$ 900,00, j com os HDs inclusos. Isso faz com que o produto fique ainda mais atraente. PC2012 # 98 # PC&CIA

Redes

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Search Engine Optimization: estratgia digital a seu favorCom algumas tcnicas simples, possvel melhorar, e muito, o posicionamento de um website nos mecanismos de busca.

E

64

Diretor da B4W Consultoria em Internet, tem 12 anos de experincia como webdesigner e 5 como diretor de arte, tendo atuado em empresas como Thanden Websites, MT Design e Petrobras.

Denis Eustquio

xiste uma infinidade de oportunidades, pagas ou gratuitas, para as empresas gerarem trfego e obterem destaque para seus sites na internet. As pagas so as aes de gerao de trfego bsicas, como publicidade no Adwords do Google, Facebook Ads ou espao em blogs. Para gerar tr fego gratuito, so utilizadas estratgias de SEO, que consistem basicamente em escolher palavras-chaves para o texto de contedo dos sites. Estas palavras, quando digitadas nos buscadores, faro com que o endereo on-line deste site aparea nos primeiros lugares da consulta. Por exemplo, se voc possui uma empresa de materiais esportivos, a expresso materiais esportivos dever estar contida uma ou mais vezes no contedo de texto do seu site, para que um possvel cliente que digite materiais esportivos no Google ou noutro buscador possa encontrar rapidamente o seu website. Falar de estrutura de site para SEO , na verdade, falar sobre a forma de organizar um site. SEO ou Otimizao de Sites o conjunto de tcnicas e estratgias realizadas com o objetivo de potencializar e melhorar o posicionamento de um site nas pginas de resultados naturais (orgnicos) nos sites de busca. O termo SEO, do ingls Search Engine Optimization, tambm se refere indstria de consultoria que trabalha na otimizao de projetos e websites de seus clientes. Estratgias de SEO podem melhorar tanto o nmero de visitaes quanto a qualidade dos visitantes, onde qualidade significa que os visitantes concluem a ao esperada pelo proprietrio do site, como comprar, assinar ou aprender algo. A Otimizao para Sistemas de Busca oferecida, normalmente, como parte de um projeto de Webmarketing e pode ser muito eficaz quando incorporada no incio do desenvolvimento de um website.

Para entendermos a importncia do SEO devemos entender primeiramente a importncia dos buscadores para um website. Os buscadores como Google, Bing e Yahoo se baseiam em clculos de algoritmos que criam um ranking de todos os sites, ou seja, atravs de diversos clculos estes buscadores decidem qual a relevncia dos sites encontrados e os listam. Quando voc procura por qualquer termo, os sites so ordenados da forma que o buscador considera mais relevante, levando em conta diversos pontos como idade do site; originalidade do contedo; cdigos dentro dos padres internacionais; quantidade e qualidade de links externos; contedo de qualidade; entre vrios outros. Nos projetos da B4W, aproximadamente 93% dos visitantes de um site chegam atravs das buscas orgnicas, por isso temos a certeza de que investir em SEO uma das formas mais baratas e eficientes de Marketing, pois no necessrio pagar por cliques ou exibies, permite trfego de qualidade, alcana clientes em potencial, alm de nos permitir focar nas palavras mais importantes para alcanarmos boas vendas.

Por que SEO importante?

Quando deve ser utilizado?

As estratgias de SEO devem ser utilizadas desde o incio do projeto, na etapa de planejamento, mas o acompanhamento e a otimizao do site deve ser um trabalho contnuo e permanente. Estudar os resultados realizando melhorias extremamente importante para que novas pginas e palavras sejam indexadas, alm de garantir que as palavras j indexadas permaneam no topo das buscas.

Onde deve ser utilizado?

As tcnicas de SEO podem ser utilizadas na estrutura do site (cdigos bem organizados e dentro dos padres), no contedo do

PC&CIA # 98 # 2012

site (textos e contedos atualizados com frequncia e relevantes para o pblico-alvo do site), alm dos fatores externos, pois SEO no depende apenas do seu site. A maneira como ele se relaciona com outros sites tambm influencia muito no seu posicionamento, como nos exemplos: quantos sites apontam para o seu?, qual a credibilidade desses sites?, h quanto tempo o link foi publicado?, qual tipo de texto usado no link?, e atualmente com as Redes Sociais, qual a indexao de contedo?.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

Quem deve utilizar?

...Quando voc coloca um site no ar, naturalmente espera que as pessoas o encontrem. Sendo assim, sua maior preocupao deve ser disponibilizar contedo til, relevante e bem organizado...

Qualquer empresa pode e deve utilizar as tcnicas de SEO, uma vez que os benefcios so diversos e os resultados superam as expectativas. Resumindo: se a sua empresa deseja se destacar na web, deve utilizar SEO. A indexao de novas pginas em um mecanismo de busca ocorre, essencialmente, quando este varre todos os sites j indexados, procurando por alteraes nas suas pginas e por novos links. A indexao de sites novos tambm pode ocorrer via anlise de links, embora, para estes casos, seja possvel cadastrar sites recentes por meio de pginas especficas dos mecanismo de busca (ex: Google Webmaster - http://www.google. com.br/webmasters/). Na B4W utilizamos o Google por ser o mecanismo de busca mais acionado atualmente, mas as regras fundamentais do SEO so praticamente as mesmas para todos os buscadores. Contedo do site Quando voc coloca um site no ar, naturalmente espera que as pessoas o encontrem. Sendo assim, sua maior preocupao deve ser disponibilizar contedo til, relevante e bem organizado. As ferramentas de busca atualizam com alguma frequncia os critrios para criar o ranking dos resultados, para cada vez mais priorizar os resultados que trazem o que o usurio realmente procura. Ttulo da pgina () O contedo da tag usado pelos sites de busca como o ttulo dos resultados. Assim, cada pgina dentro do site deve ter um ttulo nico, que descreva seu contedo corretamente e a diferencie das demais.

Como feito o bsico do SEO?

Ttulos com mais de 64 caracteres so cortados pelo Google, portanto devem ser claros e conter as principais palavras-chave da pgina, evitando expresses como seja bem-vindo ao site. Ttulos do texto ( a ) As tags de ttulo - , , , , , e , - devem ser usadas para organizar seu texto em tpicos, tornando mais fcil para o visitante encontrar o que ele procura sem precisar ler a pgina toda, especialmente em textos muito longos. Por isso, seus ttulos devem ser claros e objetivos. necessrio fazer com que o aparea no incio do seu cdigo HTML, o mais perto possvel da tag , e preferencialmente apenas uma vez. A utilizao das principais palavras-chave da pgina nele essencial uma vez que o pode ser usado como breve descritivo do contedo, com as palavraschave secundrias e mantendo sempre a hierarquia entre os ttulos , , , , e . Palavras-chave no texto Da mesma maneira que as principais palavras-chave do seu site devem aparecer nos ttulos, importante que elas apaream tambm no texto. Porm, no exagere na repetio e procure utilizar sinnimos, deixando seu texto mais agradvel e dando aos mecanismos de busca mais algumas palavras-chave alternativas. No texto, voc pode dar peso maior s principais expresses deixando-as em negrito () ou itlico ().

Cuidados com a pgina inicial Quando o SEO comea a fazer efeito, muitos visitantes podem acessar o seu site diretamente das pginas internas, mas a pgina inicial continua sendo a mais importante. No apenas ela o carto de visita para quem acessa seu site diretamente, como tambm a primeira a ser indexada pelos mecanismos de busca. O texto da pgina inicial deve ser um resumo de tudo o que est disponvel no site, utilizando as principais palavras-chave sem exagero. No se esquea de que os mecanismos de busca vo visitar seu site, mas so os visitantes humanos que vo determinar a relevncia dele. Outro cuidado a respeito da pgina inicial que todas as pginas internas devem estar acessveis por meio dela para que a indexao seja feita corretamente. Os links devem ser descritivos e diretos (sem o uso de JavaScript). Se utilizar um menu em Flash, reconsidere o uso de um menu utilizando CSS para atingir os mesmos efeitos visuais, mas se no houver outra alternativa o ideal colocar links em formato de texto no rodap da pgina, tanto para os robs dos sites de busca quanto para garantir a usabilidade para os visitantes que no conseguem acessar um menu animado por alguma razo. Se o site tem muitas pginas internas, o contedo deve ser dividido em subpginas (como categorias ou sees) e linkar as pginas internas dentro delas. Na B4W criamos um mapa do site, uma pgina com a lista de todas as pginas internas do seu site, hierarquizadas corretamente. Isso ajuda no s os sites de busca, como tambm2012 # 98 # PC&CIA

65

Redesos visitantes que querem encontrar uma determinada pgina do seu site rapidamente. Por isso, o ideal que o link para o mapa do site aparea em todas as pginas, e no apenas na pgina inicial. Assim, todos os visitantes que entraram no site diretamente em uma pgina interna vo conseguir navegar por ele e encontrar o que procuram. Otimizao de imagens para SEO Ao trabalhar com otimizao de websites logo pensamos em otimizao de texto para SEO, mas nem sempre o usurio est apenas interessando em texto. s vezes, ele busca imagens, fotos ou figuras que lhe interessem. Por isso tambm devemos pensar em otimizao de imagens para SEO, o que pode fazer a diferena para que o usurio encontre seu site. Utilizar o parmetro alt para adicionar imagem um texto alternativo com algumas palavras-chave relacionadas a ela. Porm, a funo desse parmetro adicionar uma descrio alternativa, tanto para os mecanismos de busca quanto para os leitores de tela utilizados por deficientes visuais. No necessrio utilizar uma lista de palavraschave sem sentido, isso considerado black SEO, uma tcnica para trapacear nos resultados de busca, mas que pode levar o seu site a ser punido ou at mesmo banido. Se o site tem uma galeria de imagens, como um catlogo de produtos, por exemplo, evite publicar essas fotos em Flash. Alm de ser mais fcil de atualizar, uma galeria em HTML puro e semntico mais uma maneira de fazer com que os sites de busca consigam encontrar seu contedo. Da mesma maneira, se for utilizar algum recurso em JavaScript para adicionar efeitos nas suas imagens, verifique se o cdigo HTML gerado por ele semntico. Meta Tag Description Alm do contedo propriamente dito, uma pgina web possui metainformaes em seu cdigo. Essas metainformaes complementa m dados releva ntes a mecanismos de busca, browsers, webservices e padres para organizao de dados. Mesmo no estando acessveis diretamente, essas informaes ajudam a melhorar a experincia do usurio no site. Algumas dessas informaes adicionais so passadas no cdigo-fonte atravs de uma tag denominada meta.PC&CIA # 98 # 2012

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

...As tcnicas bsicas de SEO podem ser implementadas no seu site facilmente, especialmente se este aspecto for considerado desde a etapa de planejamento...

66

Meta Tags passam informaes sobre o assunto, o autor e at mesmo o idioma de uma pgina. A meta tag Description responsvel por fornecer uma descrio rpida sobre a pgina. A principal utilizao desse atributo nos resultados de um mecanismo de busca. A meta tag description que fornece o contedo do texto em destaque, e se isso no existir, o sistema de busca ir exibir um trecho do contedo que ele achar mais relevante. Assim, o uso da meta tag description pode ser utilizado para incentivar o usurio a clicar em um resultado, pois ela que fornece o resumo do assunto pesquisado. Para isso basta ter uma descrio bem redigida para cada uma das pginas. Os mecanismos de busca limitam a exibio dessa descrio a 155 caracteres, incluindo os espaos. No existe problema se a descrio for maior que esse valor, entretanto uma descrio demasiada longa no sinnimo de que o contedo ser melhor indexado. O interessante que a descrio tenha entre 50 e 300 caracteres e no parea um texto gerado automaticamente, quanto mais pessoal for o texto melhores sero os resultados. A meta tag description por si s no possui uma importncia to grande para melhorar o posicionamento nos resultados de busca, mas ela contribui na quantidade de cliques que o resultado recebe. Nomes de arquivos e o endereo do site A escolha dos nomes dos arquivos HTML das pginas internas e as pastas do seu site devem incluir a sua principal palavra-chave. Por exemplo, se voc est publicando um artigo sobre meta-tags, em vez de www.site. com.br/noticia01.htm prefira www.site.

com.br/noticia-meta-tags.htm, ou ainda www.site.com.br/noticias/meta-tags.htm, pois um dos critrios dos sites de busca o endereo da pgina. Caso voc esteja utilizando algum gerenciador de contedo para publicar seu site, como WordPress, Drupal ou Joomla, altere os permalinks das pginas internas. Um endereo www.site.com.br/?page_id=2 no muito bom do ponto de vista do SEO.

Sitemap

Ao contrrio do mapa do site citado anteriormente, que voltado para facilitar a navegao do usurio, um sitemap um arquivo XML com todos os links do site, voltado unicamente para os buscadores. Por meio dele, a indexao das pginas internas mais rpida e mais fcil para os mecanismos de busca. Alm disso, trata-se de um recurso utilizado por ferramentas como o Google Webmaster Tools para varrer as pginas do seu site em busca de erros. Esse arquivo XML (que geralmente recebe o nome de sitemap.xml) deve ficar na raiz do site, preferencialmente. Para sites que utilizam gerenciadores de contedo, existem plugins que montam e publicam o sitemap automaticamente avisando os sites de busca.

Concluso

As tcnicas bsicas de SEO podem ser implementadas no seu site facilmente, especialmente se este aspecto for considerado desde a etapa de planejamento. O contedo o foco da pgina, tornando a experincia do usurio agradvel, direcionando-o diretamente para a informao que deseja consultar rapidamente. E o principal: um bom posicionamento nos buscadores garantir muito mais acessos e PC credibilidade ao website.

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br

Redes

2011 # 97 # PC&CIA

Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br