Revista PC e CIA

  • Published on
    10-Aug-2015

  • View
    136

  • Download
    1

Transcript

Editora Saber Ltda.Diretor Hlio FittipaldiTudo pela metade do dobroFiz questo de acompanhar a ltima Black Friday com grande ateno. Para quem no associou o nome pessoa, a Black Friday a sexta-feira aps o dia de ao de graas, quan-www.revistapcecia.com.brdo lojistas americanos tradicionalmente promovem grandes liquidaes. um sucesso por l. E como acontece com muitos elementos da cultura americana, o Brasil assimilou a ideia da Black Friday. sua maneira, Daniel AppelEditor e Diretor Responsvel Hlio Fittipaldi Editor de Tecnologia Daniel Appel Conselho Editorial Roberto R. Cunha Colaboradores Daniel Netto, Eduardo Siqueira, Fabio Hara, Fernando Mollon, Igor Beserra, Ronnie Arata Reviso Eutquio Lopez Designer Carlos Tartaglioni claro. Diferente do que acontece l fora, o que mais chamou a ateno na Black Friday brasileira no foram as ofertas, mas sim o combate entre consumidores e lojistas. Ocorre que, nas redes sociais, mentira tem perna curta. Todas aquelas lojas que tentaram maquiar preos, inflando-os artificialmente para promover um desconto que na verdade no existe, se deram mal e ficaram queimadas no mercado, perdendo a confiana de muitos clientes. Analisar o conflito da Black Friday deixou uma coisa muito evidente: o consumidor brasileiro no est mais disposto a aceitar qualquer coisa. Com os incentivos do governo ao mercado de computadores, muita gente que antes no tinha acesso agora j est no seu segundo PC. E mais: muitos tiveram uma m experincia com seu primeiro computador (normalmente escolhido pelo preo baixo) e aprenderam com isso, tornando-sePARA ANUNCIAR: (11) 2095-5333 publicidade@editorasaber.com.br Capa Arquivo Ed. Saber Impresso Neograf Indstria Grfica e Editora Ltda Distribuio Brasil: DINAP Portugal: Logista Portugal Tel.: 121-9267 800 ASSINATURAS www.revistapcecia.com.br Fone: (11) 2095-5335 / fax: (11) 2098-3366 Atendimento das 8:30 s 17:30h Edies anteriores (mediante disponibilidade de estoque), solicite pelo site ou pelo tel. 2095-5333, ao preo da ltima edio em banca. PC&CIA uma publicao da Editora Saber Ltda, ISSN 0101-6717. Redao, administrao, publicidade e correspondncia: Rua Jacinto Jos de Arajo, 315, Tatuap, CEP 03087-020, So Paulo, SP, tel./fax (11) 2095-5333. Associada da:consumidores que pesquisam mais antes de comprar. Um consumidor 2.0, mais maduro, disposto a gastar mais, mas menos propenso a acreditar em ofertas impossveis. No estou dizendo que os lojistas praticam o preo que querem. Com todos os impostos, as margens no so to confortveis assim, e dar desconto normalmente muito suado. Ainda assim, maquiar preos para enganar o consumidor no justificvel em hiptese nenhuma. Portanto aqui vai uma dica aos lojistas: enxergue esse novo consumidor. Esse a de cima, o que teve a m experincia com o primeiro computador e que agora amadureceu e no quer ser levado na conversa de novo. Ele o retrato de como ser o nosso mercado nos prximos anos.A Revista fica ainda mais rica quando conta com o conhecimento coletivo. Se voc tem uma ideia, ou deseja publicar um artigo de sua autoria na revista, entre em contato atravs do e-mail artigos@revistapcecia.com.br.Atendimento ao Leitor: leitor@revistapcecia.com.brOs artigos assinados so de exclusiva responsabilidade de seus autores. vedada a reproduo total ou parcial dos textos e ilustraes desta Revista, bem como a industrializao e/ou comercializao dos aparelhos ou idias oriundas dos textos mencionados, sob pena de sanes legais. As consultas tcnicas referentes aos artigos da Revista devero ser feitas exclusivamente por cartas, ou e-mail (A/C do Departamento Tcnico). So tomados todos os cuidados razoveis na preparao do contedo desta Revista, mas no assumimos a responsabilidade legal por eventuais erros, principalmente nas montagens, pois tratam-se de projetos experimentais. Tampouco assumimos a responsabilidade por danos resultantes de impercia do montador. Caso haja enganos em texto ou desenho, ser publicada errata na primeira oportunidade. Preos e dados publicados em anncios so por ns aceitos de boa f, como corretos na data do fechamento da edio. No assumimos a responsabilidade por alteraes nos preos e na disponibilidade dos produtos ocorridas aps o fechamento.Associao Nacional das Editoras de Publicaes Tcnicas, Dirigidas e Especializadas2012 # 101 # PC&CIAEditorial3Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brIndice12NovosTESTESProcessadores AMD424 48 EVGA Geforce GTX 660 Ti 14 FX-4170 16 FX-6200 18 FX-8150 19 A8-3870K 20 FX-8350 22 A10-5800K 24 Testes de desempenhoHARDWARE33 Monitor/TV Philips 36 Adaptadores WiFi Edimax 39 Tradecomp CactusTENDNCIASMonitor profissionalBenQ BL240056 Heat Assisted Magnetic Recording 61 CIO e BYOD - enfim juntos 62 BYOD: em busca do equilbrio perfeitoENTREVISTAS E OPINIES58 Sistemas antigos e economia de energia 60 Reduo de custos comseguro para celulares48Windows64 BYOD: se no pode venc-los...Server 2012PC&CIA # 101 # 2012Editorial Notcias03 06Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brNotcias6VIA lana placa mini-ITXcom processador quad-coreA VIA Technologies lana a placa VIA EPIA-M920, a primeira placa da marca, com formato mini-ITX, a apresentar o mais recente processador MSP VIA VX11H de quatro ncleos. O foco deste tipo de produto est em aplicaes de sistemas de sade, entretenimento, sinalizao digital, entre outros mercados. Alm da configurao com o processador VIA QuadCore-E de 1,2 GHz, ainda possvel escolher entre um processador dual core de 1,0 GHz, o VIA Eden X2, que se torna interessante para projetos de sistemas com refrigerao passiva. A VIA EPIA-M920 Mini-ITX possui as mais avanadas tecnologias dominadas pela VIA, oferecendo aos criadores de sistemas com eletrnica embarcada a plataforma ideal para criar dispositivos inovadores, sustenta Epan Wu, lder da diviso VIA Embedded Platform.VIA EPIA-M920 Mini-ITXSuporta at 16 GB de memria DDR3 de 1333 MHz, udio HD, HDMI e conectividade para displays VGA e LVDS. Tambm apresenta performance de hardware em decodificao de vdeo HD atualizado pelo mais recente processador de vdeo VIA Chromotion 5,0 que possui acelerao de hardware abrangente aos mais recentes padres MPEG-2, MPEG-4, VC1, WMV9, HD e H.264 com resoluo de tela de at 1080p.Seu painel traseiro conta com duas portas opcionais para Gigabit LAN, duas portas USB 3.0 e mais duas USBs 2.0. Duas sadas para HDMI, uma para VGA e uma COM. Na parte de udio, esto os conectores de fone de ouvido, paraline-out/in e Mic-in. Nas prprias placas existem pinos conectores que asseguram suportepara duas LVDS, uma porta USB 3.0, quatro portas adicionais para USB 2.0, duas portas SATA, trs para RS232 com suporte 5 V/12 V, conexo Digital I/O, LPC, uma porta SD (SDHC/ SDXC), alm de um slot PCIe x4. A VIA EPIA-M920 tambm est disponvel com suporte para fontes de energia ATX ou DC-in.Avell lana notebook com SSDe duas placas de vdeo NVIDIAO modelo G1743 D5LL/BD o notebook mais potente da linha FullRange e refora a imagem da empresa como especialista em fabricar notebooks para o pblico gamer. Equipado com duas placas de vdeo GeForce GX 680M, o modelo ainda apresenta um processador Intel Core i7-3610QM 2,3 GHz 3,3 GHz, tela de 17,3 Full HD e tecnologia LED Backlit (90% NTSC), SSD de tamanho configurvel pelo usurio na hora da compra, 16 GB de RAM DDR3 (expansvel at 32 GB) de 1600 MHz, espao para at trs HDs, teclado retroiluminado e som com subwoofer. O preo de R$ 9.999,00 e a garantia de 3 anos.PC&CIA # 101 # 2012Tecnologia padronizada da Fujitsudisponvel na nuvem para o BrasilA Fujitsu anuncia o lanamento dos servios Fujitsu Cloud para o mercado brasileiro. Um ambiente de TI on-demand, configurado de acordo com cada cliente, que promete baixo custo. Trs dos servios disponibilizados inicialmente, so: Infraestrutura como ser vio (IaaS): IaaS um ambiente de TI que fornece aos clientes acesso a servios de computao sob demanda (compartilhada ou dedicada), armazenamento e rede. A Fujitsu oferece uma seleo de plataformas a partir das quais possvel consumir IaaS: servios de cloud privado e local que esto situados no Brasil e a Fujitsu Global Cloud Platform, um servio de nuvem pblica confivel, entregue via rede global de data centers da Fujitsu. Juntas, estas solues IaaS permitem que os clientes forneam servios de sistema virtuais e cofigurveis on-demand, talhados para suas necessidades especficas; Gerenciamento de TI como um Servio (ITMaaS): ITMaaS contempla as organizaes de TI com solues inovadoras de infraestrutura de TI, monitoramento de aplicativos e service desk em uma base as-a-Service. ITMaaS baseia-se nos aplicativos Nimsoft, da CA Technologies, hospedados na Fujitsu Global Cloud Platform. Ainda possibilita a rpida instalao de capacidades de ITMaaS com funcionalidades que podem ser empregadas universalmente em seus ambientes de cloud privado, pblico e hbrido, bem como em sua infraestrutura de TI convencional; Global Enterprise Management Services for SAP: Global Enterprise Management Services for SAP oferece um modelo industrializado global para a entrega de servios de infraestrutura e suporte para solues SAP hospedadas em data centers Fujitsu. Global Enterprise Management Services for SAP integra quatro recursos essenciais da Fujitsu: Infraestrutura como um Servio (IaaS), Global Delivery Centers, centros de servios focados em solues SAP e Fujitsu Global Network.Kingston:25 aniversrioA data 17 de outubro de 2012 especial para a Kingston, pois o dia em que a empresa completa 25 anos. Os fundadores David Sun e John Tu agradecem: Fazer parte dessa companhia algo gratificante. As melhores lembranas dos ltimos 25 anos foram as pessoas que trabalharam aqui, os parceiros e as grandes relaes das quais fizemos parte Alm disso, no Brasil, a empresa comemora 15 anos. Quando comeamos a abrir novos mercados na Amrica Latina h mais de 15 anos, enfrentamos muitos desafios. Porm, superamos todos e hoje somos a regio que mais cresce no mundo, afirma Carolina Maldonado, vice-presidente para a Amrica Latina.Semp Toshiba amplia portfliodas marcas STi e ToshibaEntre os lanamentos esto: Linha de LED TV Ultra Slim de 32, 39 e 40, Blu Ray 3D com conexo Internet, dois modelos de Sound Bar, Speaker Multimedia e Dock Stations. J na rea de informtica, a STi apresenta modelos de ultrabooks e tablets, alm dos notebooks com tecnologia Eco Utility, que so produzidos na fbrica de Salvador (BA). A linha de smartphones tambm faz parte dos lanamentos. Eles so equipados com processadores Snapdragon da Qualcomm, e rodam o sistema Android 2.3. Por fim, uma nova linha de desktops para varejo com Windows 8 completa o novo portflio. Os modelos corporativos ainda tm a opo com Windows 7 Professional. Todos os lanamentos esto de acordo com as expectativas dos nossos consu mid ores . Nosso objetivo oferecer o que h de mais moderno em eletroeletrnicos, valorizando qualidade, praticidade e comunicao visual, diz Eduardo Toni, diretor de Marketing e Assistncia Tcnica da Semp Toshiba.2012 # 101 # PC&CIANotcias7Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brGTX 660 Ti:O anncio da GeForce GTX 660 Ti criou grandes expectativas para o pblico gamer. E no foi toa! Ela foi desenvolvida na medida certa para quem procura excelente desempenho em jogos por um preo justo. Se voc estava esperando para comprar um placa de vdeo, saiba que sua espera8A melhor relao entre custo e benefcio da arquitetura KeplerAvaleu a penaGeForce GTX 660 Ti se mostra como uma opo muito interessante para quem procura uma placa com preo mais atrativo e apesar de no oferecer o mesmo desempenho bruto que suas irms mais velhas (GeForce GTX 670, 680 e 690), ela ainda muito potente e roda praticamente qualquer jogo atual com boa qualidade de grficos. Pudemos comprovar isso com o modelo da EVGA (figura 1) que recebemos para testes.A aparncia da placa simples, F1. mas isso no um demrito.Modelo EVGAO modelo da EVGA vem equipado com uma GPU GK 104 (figura 2), traz 2 GB de memria DDR5 e compatibilidade com uma grande gama de tecnologias da NVIDIA como: GPU Boost, PhysX, Surround Technology, Adaptive Vertical Sync, 3D Vision, SLI Ready (3-Way) e CUDA. Suportes ao OpenGL 4.2 e DirectX 11 tambm no ficam de fora. A aparncia do modelo bastante modesta. Apesar da GTX 660 Ti ter sido desenvolvida pensando nos pblicos gamer e entusiasta, a EVGA no optou por dar um acabamento muito sofisticado, a noMembro da equipe de redao e laboratrio da revista, dedica-se ao estudo de jornalismo e Tecnologia da Informao.Ronnie ArataPC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br ser pelos adesivos que lembram a aparncia de ao escovado. So necessrios dois conectores PCI-E de seis pinos para alimentar a placa. O TDP de 150 W e a NVIDIA recomenda que se utilize uma fonte de pelo menos 450 W. O calor gerado no muito, e h uma ventoinha de 80 mm para expelir o ar quente gerado pela placa. O modelo de referncia da NVIDIA tem 1344 ncleos CUDA que trabalham na frequncia de 910 MHz e, com a tecnologia GPU Boost a frequncia pode chegar at 980 MHz. No modelo da EVGA, porm, a frequncia nativa j 980 MHz. Outra caracterstica positiva que a NVIDIA optou por j deixar a GTX 660 Ti compatvel com a tecnologia PCI Express 3.0, independentemente da situao em que ela se encontra no mercado atual (at o momento em que ela foi lanada). Alm da sada HDMI, ainda so encontradas, na parte traseira da placa (figura 3), uma DisplayPort e duas DVIs, uma DVI-D e uma DVI-I. Essa combinao permite que quatro monitores sejam configurados para serem usados diretamente na placa, sem a necessidade de hubs.TestesF2. No detalhe, GPU GK104 que compe as placas de vdeo da srie 6. Processador AMD FX 8150; Dois mdulos de memria RAM Hyper X (1600 MHz), da Kingston, com 4 GB cada; SSD V Series, da Kingston, de 128 GB; Fonte de 1000 W da Cooler Master.muito, a taxa de 60 fps, que considerada o ideal para rodar jogos sem perda de frames. Na tabela 1, por exemplo, vemos que o resultado, na configurao mais pesada e com a resoluo de tela em 1080 p, do jogo Street Fighter IV, atingiu quase 176 fps.9Plataforma A plataforma usada nos testes foi: Placa-me Sabertooth 990FX, da ASUS;Testes levesOs benchmarks que usamos anteriormente apresentam sinais de velhice com a GTX 660 Ti, ou seja, os resultados passam, emEste modelo vem com protetores para os conectores traseiros que F3. no esto em uso.2012 # 101 # PC&CIATestesOutro teste leve o do jogo X Terran Conflict, mas, se compararmos os resultados com os das placas- topo de linha, testadas na edio n 97, veremos que h uma faixa de 75 a 80 fps, que, dificilmente, superada. A prpria GTX 660 Ti obteve 79,4 fps com todas as configuraes do jogo no mximo e resoluo de 1920 x 1080 p. Neste caso, sabemos que o gargalo est em outro componente, a CPU, o que comprova que este benchmark no justo com placas de vdeo mais potentes.Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF4. O benchmark do Metro 2033 continua difcil de ser batido.Testes pesados10Com os testes mais pesados a perspectiva melhorou. Testamos o Metro 2033 que, por se tratar de uma mecnica que demanda mais desempenho, um dos benchmarks mais pesados e poucas placas conseguem atingir a taxa ideal de quadros por segundo na configurao mxima de detalhes. Por outro lado, ele no limita a GPU e nem limitado por outro componente. Alm dele, tambm procuramos mostrar o desempenho de alguns jogos atuais (The Elder Scrolls: Skyrim e Battlefield 3), mas, como eles no tm benchmarks reproduzveis, no servem como resultados cientficos. Os testes que fizemos apenas nos permitem perceber seus desempenhos em jogabilidade comum. Metro 2033 Com a GTX 660 Ti, o desempenho neste teste no chegou aos 60 fps. Apenas com o PhysX desabilitado, foi possvel alcanar os 41,22 fps com o mximo nvel de detalhes, um resultado que pode ser considerado jogvel, como vemos na figura 4. A boa notcia que o jogo em si mais leve do que o benchmark.F5. Os resultados do Unigine Heaven mostram a versatilidade do benchmark, que atinge resultados bastante variados de acordo com as configuraes.Battlefield 3 Ao rodar o Battlef ield 3 com as configuraes de detalhes no mximo, e com o auxlio do FRAPS vimos que, em uma cena de batalha comum, a taxa de quadros por segundo ficou em uma faixaStreet Fighter IVResolues Res. 1366 x 768 min Res. 1366 x 768 mid Res. 1366 x 768 max Res. 1920 x 1080 min Res. 1920 x 1080 min Res. 1920 x 1080 maxentre 56 e 63. J em uma cena mais simples, com menos elementos, como o cu ou em partes com pouca iluminao, a taxa de quadros por segundo sobe para a mdia de 120, qualquer uma das situaes proporciona boa fluidez no jogo.Quadros por segundo 452,07 279,3 196,75 406 269,33 175,97T1. At na configurao mais pesada, o Street Fighter IV roda com muita facilidade.F6. A diferena do FXAA mais perceptvel em formas diagonais.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br The Elder Scrolls: Skyrim J no Skyrim, algumas cenas sofreram com um pouco de lentido, com todas as configuraes no mximo. Porm, apenas ao diminuir a qualidade das sombras e dos objetos que ficam distantes da viso do jogador, a jogabilidade fica com tima fluncia tambm confirmada pelo FRAPS. As taxas mdias que medimos, foram de 47 em cenas mais pesadas e 73 em ambientes com menos detalhes. Com a GTX 660 Ti, ns vimos a diferena no jogo Elder Scrolls: Skyrim. Inclumos um screenshot que mostra o resultado das cenas do jogo com as opes de FXAA ligado e desligado. Confira a diferena na figura 6.ConclusoTestes sintticosOs benchmarks sintticos, diferentes dos jogos, permitem um panorama mais genrico sobre as GPUs. No 3D Mark 11, por exemplo, a pontuao exibida no final dos testes, independentemente do modelo utilizado. A GTX 660 Ti da EVGA obteve 7855 pontos no 3D Mark, o que muito bom, pois poucas placas que j testamos passaram sequer dos 6000 pontos. No Unigine Heaven, que faz bastante proveito dos recursos do DirectX 11, a pont u a o t a mbm foi boa . Na configurao mais pesada, a taxa de fps ficou em 36,8, mas com a qualidade de detalhes diminuda, os resultados melhoraram muito, quase dobrando a cada configurao, como vemos no grfico da figura 5.A arquitetura Kepler traz ainda, outra novidade que anima os usurios de placas de baixo perfil, alm dos modelos mais recentes: a melhoria no recurso de FXAA (Box 1). Essa melhoria no oferece maior desempenho em si. Na verdade, o recurso FX A A substitui qualquer tecnologia anterior de anti-aliasing e melhora a qualidade da imagem nativamente (basta apenas configurar o painel da NVIDIA se o driver utilizado for da verso 301.24 ou superior). Placas de baixo perfil tm menos poder de processamento e, por consequncia, alguns recursos, como o AA, se desligado, podem ser a diferena entre rodar um jogo ou no. Com o FXAA melhorado na arquitetura Kepler, o MSAA pode ser desligado e, mesmo assim, haver uma melhoria na imagem.Fast Approximate Anti-AliasingSabemos que no todo mundo que acompanha assiduamente o mercado de jogos e, por isso, quando utilizamos o termo jogos atuais possvel que o entendimento fique subjetivo. Por isso, achamos importante ressaltar que, na verdade, h alguns jogos que so lanados com mecnicas mais leves do que outros lanados anteriormente. Dependendo do gnero, da proposta do desenvolvimento do jogo, da sua finalidade, etc. Sabendo disso, conclumos que a GTX 660 Ti da EVGA roda praticamente qualquer jogo atual com um bom nvel de detalhes. Alguns jogos talvez necessitem de ajustes, uma reduo de detalhes, ou o desligamento de PhysX, mas nada que modificar a experincia que o jogo proposto a oferecer. O preo inicial sugerido deste modelo foi R$ 1.400,00, o que foi considerado amargo, por muita gente. Porm, com a nova arquitetura Kepler, vemos que a NVIDIA deu um grande passo e fez a GTX 660 Ti se apresentar como uma placa que, provavelmente, far companhia por muito tempo queles PC que a adquirirem.Box 1 FXAA No dia 9 de abril de 2012, Andrew Burnes, editor de jogos e tecnologia da NVIDIA, publicou uma explicao sobre o lanamento do driver verso 301.24 beta que, alm de tecnologias como Adaptive VSync e Frame Rate Target, ainda habilita o uso da tecnologia, baseada em shader, Fast Approximate Anti-aliasing (FXAA) para placas a partir da srie 8. O F X A A u m m e l h o r a m e nto e substituto para tcnicas antigas de anti-aliasing como o Multisample Antialiasing (MSAA). Segundo Burnes, a melhoria relatada em at 60% maior, com relao ao anti-aliasing de 4xMSAA.TestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br12PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTestesOs novos processadores da AMD e um pouco de histriaA nova safra de processadores AMD para desktops j est chegando ao mercado brasileiro, representada pela segunda gerao dos CPUs AMD FX e tambm pela segunda gerao de APUs. Mas, o que aconteceu at o ponto em que chegamos hoje?13QEspecialista em TI com experincia nas reas de sistemas virtualizados e integrao de hardware para servidores e desktops. membro de diversas comunidades sobre hardware e GNU/Linux, ao qual dedica grande parte de seu tempo de estudo.Daniel Nettouando uma empresa lana um novo produto, as primeiras perguntas que surgem so sempre as mesmas: quantos % ele melhor que a gerao passada? e ele mais rpido que o do concorrente?. De fato, essas perguntas so importantes, mas suas respostas contam apenas uma parte da histria. Poucos so os profissionais que nessas ocasies tentam imaginar qual a razo daquele produto, e qual o papel dele nos objetivos futuro da empresa. Apesar de parecer filosfico, ou at mesmo coisa de investidor, analisar o passado pode ajudar a entender o propsito e o posicionamento dos produtos atuais e tambm mostrar em qual estgio do desenvolvimento ele est situado. Esse tipo de atitude conta bastante no planejamento de uma grande compra, ou mesmo na hora de especificar um computador pessoal com uma plataforma longeva. Nas prxima pginas, o leitor encontrar breves artigos onde tentaremos mostrar, demaneira sucinta, quais foram os caminhos que a AMD decidiu trilhar. Nesses artigos, abordados desde o lanamento da inovadora arquitetura x86 Bulldozer, passando pelo surgimento das primeiras APUs at suas respectivas evolues, que culminaram nos novos processadores AMD FX Vishera e nas APUs de segunda gerao Trinity. Para esta tarefa contamos com a ajuda de oito processadores AMD: AMD FX-8350 (Vishera) AMD FX-8150 (Zambezi) AMD FX-6200 (Zambezi) AMD FX-4170 (Zambezi) AMD A10-5800K (Trinity) AMD A8-3870K (Llano) AMD Phenom II X6 1090T AMD Phenom II X4 955 Alm de representar bem o que a AMD ofereceu nos ltimos anos, com essa seleo, os leitores que tenham mquinas baseadas em processadores AMD podero comparar os resultados apresentados aqui com os dos PC seus prprios sistemas.2012 # 101 # PC&CIATestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brAMD FX-4170Daniel Netto14Aps mais de quatro anos desde o lanamento da primeira gerao de processadores Phenom e sua microarquitetura K10, a AMD precisava de um novo produto. Um que fosse capaz de lidar com as pesadas cargas de trabalhos multithreaded geradas nos Data Centers. Frente a esta necessidade, a empresa decidiu criar uma arquitetura totalmente nova e que fosse realmente otimizada para essa realidade. E foi assim que, em outubro de 2011, nasceu a microarquitetura Bulldozer. Para os servidores, essa nova arquitetura chegou com os processadores Opteron da srie 6200/4200; j para o mercado dos computadores de mesa, a AMD decidiu trazer de volta a famlia FX (quem nunca quis ter um PC com um Athlon 64 FX-60?).Especificaes TcnicasAMD FX-4170 Arquitetura Codinome do Ncleo Soquete Mdulos/Ncleos Frequncia (Base/Turbo) Cache L1/L2/L3 Memria Litografia TDP Instrues Bulldozer Zambezi AM3+ 2/4 4,2 GHz/ 4,3 GHz DDR3 1866 MHz 32 nm 125 WPerceba voc, caro leitor, que os Bulldozers foram originalmente desenvolvidos para serem utilizados em servidores, mas foram trazidos tambm para o mundo dos PCs. A famlia FX foi dividida em trs sries, sendo os processadores da srie FX-4000, os mais simples e por isso com os preos mais acessveis. Veja na tabela 1 uma comparao com todos os modelos desta srie. A AMD posicionava os FX-4000 como substitutos dos processadores Phenom II X4. Eles eram interessantes como ponto de partida para quem quisesse montar um computador bsico, mas j com uma placa de vdeo dedicada. Para a realizao dos testes de desempenho nos foi fornecido um exemplar do FX-4170, que o modelo de maior frequncia dentre PC os FX-4000.AMD FX-4130 AMD FX-41003,8 GHz/ 3,9 GHz3,6 GHz/ 3,8 GHz4 x 16 KB + 2 x 64 KB / 2 x 2 MB / 8 MB95 WMMX+, SSE (1, 2, 3, 3S, 4.1, 4.2, 4A), AMD64, AMD-V, AES, AVX, FMA4, XOPT1. Especificaes tcnicas dos processadores da famlia FX-4000.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brAMD FX-6200Daniel Netto16Abase da microarquitetura Bulldozer chamada de Bulldozer module (figura 1). Ao contrrio do que acontecia em seus antecessores, em cada mdulo temos dois arranjos de execuo de nmeros inteiros e um de ponto flutuante, compartilhado entre os de inteiros. E cada processador FX composto por um ou mais mdulos Bulldozer (figura 2). Essa diviso transparente para o sistema operacional, e a quantidade de ncleos (inclusive a contagem feita pelo gerenciador de tarefas do Windows) dada pelo nmero de clusters de processamento de inteiros presentes no chip. Para deixar mais claro, vamos tomar como exemplo o FX-6200: ele conta com trs mdulos Bulldozer, e portanto dispe de seis arranjos de inteiros, assim ele reconhecido pelos sistemas operacionais (e tambm comercializado) como um processador hexa core. Essa organizao dos mdulos pode ser comparada com um ncleo HyperThreading, da Intel. A diferena que a AMD tem unidades de agendamento e de inteiros para cada thread, enquanto que a Intel no, compartilhando as mesmas entre ambas.Levando em considerao que a AMD adquiriu a ATI h alguns anos, e com ela, um poderoso processador de ponto flutuante, a Radeon, passou a fazer sentido para a empresa no enfatizar mais as unidades de processamento de FPU tradicionais dos ncleos x86. Para quem realmente precisasse, a empresaF1. Diagrama de blocos de um mdulo Bulldozer.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br tinha condies de oferecer desempenho em FPU muito mais elevado com suas Radeon, especialmente pelo fato de seus processadores custarem muito menos do que os do concorrente, possibilitando a compra da mencionada placa. Em tempo, a srie FX-6000 (a famlia do meio dos processadores FX) era voltada para um pblico que precisasse de um pouco mais desempenho, principalmente em aplicaes multithreaded, pois afinal estamos falando de processadores de seis ncleos. Na poca, ela estava posicionada entre os Phenom II X4 e os Phenom II X6. Na tabela 1, esto as especificaes dos PC dois representantes desta famlia.Testes17F2. Diagrama de blocos de um processador octa-core, com quatro mdulos Bulldozer.Especificaes TcnicasAMD FX-6200 Arquitetura Codinome do Ncleo Soquete Mdulos/Ncleos Frequncia (Base / Turbo) Cache L1/L2/L3 Memria Litografia TDP Instrues Bulldozer Zambezi AM3+ 3/6 3,8 GHz / 4,1 GHz 6 x 16 KB + 3 x 64 KB / 3 x 2 MB / 8 MB DDR3 1866 MHz 32 nm 125 W MMX+, SSE (1, 2, 3, 3S, 4.1, 4.2, 4A), AMD64, AMD-V, AES, AVX, FMA4, XOP 3,3 GHz / 3,9 GHz AMD FX-6100T1. Especificaes tcnicas dos processadores da famlia FX-6000.2012 # 101 # PC&CIATestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brAMD FX-8150Daniel Netto18Aprimeira verso da tecnologia Turbo Core fez sua estreia no lanamento dos processadores Phenom II X6, porm poucos foram os ganhos, uma vez que o aumento da frequncia de operao dos ncleos raramente entrava em ao, e quando entrava, era por pouco tempo devido a restries relacionadas ao consumo eltrico e temperatura do chip. Quando a AMD lanou o Bulldozer, ela no s introduziu uma verso melhorada do Turbo Core, como tambm promoveu melhoras nos mecanismos de power gating e implementou um novo estado energtico, o C6. Este estado permitia desligar quase completamente cada um dos mdulos de forma independente.AMD FX-8150 Arquitetura Codinome do Ncleo Soquete Mdulos/Ncleos Frequncia (Base / Turbo) Cache L1/L2/L3 Memria Litografia TDP Instrues Bulldozer Zambezi AM3+ 4/8 3,6 GHz / 4,2 GHzCom essa melhoras, o Turbo Core podia funcionar de maneira mais eficiente, e quando metade dos ncleos estivessem dormindo no estado C6, a outra metade podia ter sua frequncia incrementada em at 1 GHz, em relao frequncia-base, o que tendia a melhorar o desempenho de aplicaes no otimizadas para processadores com vrios ncleos. Fechando a srie FX baseada na arquitetura Bulldozer, temos a famlia FX-8000 e seus dois integrantes (tabela 1), sendo o FX-8150 o ento processador top de linha da AMD. Os processadores desta famlia eram voltados para computadores de entusiastas, equipados com uma ou mais placas de vdeo de ltima gerao, e tambm para aplicaes profissionais altamente paralelizadas. PCAMD FX-8120Especificaes Tcnicas3,1 GHz / 4,0 GHz8 x 16 KB + 4 x 64 KB / 4 x 2 MB / 8 MB DDR3 1866 MHz 32 nm 125 W MMX+, SSE (1, 2, 3, 3S, 4.1, 4.2, 4A), AMD64, AMD-V, AES, AVX, FMA4, XOPF1. Especificaes tcnicas dos processadores da famlia FX-8000.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTestesAMD A8-3870KDaniel NettoAgora que refrescamos a memria do leitor, sobre o que a AMD estava oferecendo desde 2011 para quem precisava de um desktop com vdeo dedicado e um bom poder de processamento, vamos tratar um pouco da primeira gerao de APUs, que tambm chegou ao mercado de computadores de mesa em 2011. Na edio n 96 (download grtis em www.revistapcecia.com.br) publicamos um artigo bastante completo sobre as APUs e suas particularidades, mas, de uma forma simplificada, APU a fuso entre os conhecidos processadores x86 e as GPUs usadas na placas de vdeo (figura 1). O motivo desta unio, aproveitar melhor a eficincia oferecida pela CPU ao processar fluxos sequencias de dados interdependentes e da GPU no clculo paralelo e de vetores. Tendo que lidar com todas as dificuldades dessa integrao, a AMD optou por utilizar como base nessa primeira gerao, apenas arquiteturas de CPU e GPU j maduras e com processos de fabricao bem estabilizados, porisso, as APUs Llano (codinome dessa primeira gerao) eram baseadas na arquitetura x86 K10 (a mesma dos Phenom II), e na parte GPU faziam uso da VLIW5, utilizada pelas Radeon HD 5000 e HD 6800. A srie A de APUs AMD foi subdividida em quatro famlias, cada uma delas apresentando diferentes nveis de desempenho, mas, considerando-se que todas contavam com GPUs competentes, esses processadores eram indicados na construo de computadores com uma boa relao custo x beneficio para pessoas onde uma placa de vdeo dedicada no faria sentido, mas, ao mesmo tempo, a perda de capacidade em multimdia no era uma opo. O AMD A8-3870K foi lanado em dezembro de 2011, cerca de trs meses aps a chegada das primeiras APUs Llano, como o processador mais rpido da srie A. Em relao ao A8-3850, alm de 100 MHz a mais na frequncia-base (2,9 GHz contra 3,0 GHZ), o AMD A8-3870K contava com o multiplicador de clock desbloqueado (repare PC na terminao K).19F1. Diagrama de blocos de uma APU Llano de quatro ncleos.2012 # 101 # PC&CIATestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brAMD FX-8350Daniel Netto20Agora que acabamos essa breve recapitulao dos lanamentos feitos pela AMD em 2011/2012, podemos abordar com mais tranquilidade as novidades trazidas pela empresa para o final de 2012 e que tambm estaro presentes nos produtos lanados em 2013. Cumprindo o roadmap divulgado ano passado e praticamente um ano aps a introduo da microarquitetura Bulldozer, a AMD lanou o Vishera, o sucessor do Zambezi, que baseado em uma nova microarquitetura, chamada de Piledriver. Piledriver o codinome dado pela AMD para a segunda gerao da microarquitetura Bulldozer, que ser a arquitetura que a AMD utilizar em seus produtos at, pelo menos, o final de 2013, inclusive nas APUs, como o leitor ver no artigo seguinte. Basicamente, os chips Vishera trocaram os mdulos Bulldozer usados pelo Zambezi, por mdulos baseados na arquitetura Piledriver, que ainda utiliza o mesmo processo SOI (Silicon on insulator) de 32 nm da GlobalFoundries. Ou seja, no estamos falando aqui de modificaes radicais, como aconteceu na transio do K10 para o Bulldozer, mas sim de um ajuste fino. Portanto, os conceitos que reapresentamosPC&CIA # 101 # 2012para o leitor (arquitetura baseada em mdulos, um arranjo FPU compartilhado entre dois arranjos de inteiros, Turbo Core mais eficiente etc.) continuam sendo vlidos. Mas, mesmo sem poder rea lizar alteraes radicais e tendo que manter a contagem de transistores, a AMD conseguiu alguns avanos nos quesitos consumo eltrico e desempenho em relao gerao anterior. Graas a uma reorganizao interna do chip, os processadores baseados na arquitetura Piledriver so capazes operar em frequncias maiores que os baseados na Bulldozer, semAMD FX-8350 Arquitetura Codinome do Ncleo Soquete Mdulos/Ncleos Frequncia (Base / Turbo) Cache L1/L2/L3 Memria Litografia TDP Instrues Piledriver Vishera AM3+ 4/8 4,0 GHz / 4,2 GHzque isso se traduza em um maior consumo eltrico ou dissipao de calor. Como o leitor pode ver na tabela 1, foram lanados no total quatro novos modelos, de forma que as trs famlias de processadores AMD FX foram contempladas. Note que o processador Vishera AMD FX-8350 tem frequncia-base de 4,0 GHz (4,2 GHz com Turbo Core ativado) e TDP declarado de 125 W, o que faz dele, o primeiro processador multi-core para computadores de mesa a vir de fbrica com essa frequncia de trabalho. No quesito compatibilidade, a maioria das placas-mes AM3+ (geralmente com oAMD FX-6300 AMD FX-4300Especificaes TcnicasAMD FX-83203/6 3,5 GHz / 4,0 GHz 3,5 GHz / 4,1 GHz 6 x 16 KB + 3 x 64 KB / 3 x 2 MB / 8 MB2/4 3,8 GHz / 4,0 GHz 4 x 16 KB + 2 x 64 KB / 2 x 2 MB / 4 MB8 x 16 KB + 4 x 64 KB / 4 x 2 MB / 8 MB DDR3 1866 MHz 32 nm 125 W95 W95 WMMX+, SSE (1, 2, 3, 3S, 4.1, 4.2, 4A), AMD64, AMD-V, AES, AVX, FMA3, XOPEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTestes21soquete na cor preta) devem suportar os novos modelos, bastando para isso uma atualizao de BIOS. E, uma vez que o soquete foi mantido, as solues de refrigerao tambm no precisaram ser trocadas, alias, qualquer uma compatvel com as plataformas AM2/AM2+/AM3 e AM3+ servir, desde que suporte o TDP do processador. Pelo menos por enquanto, no haver lanamento de novos chipsets. Tambm no houve modificao no que tange ao posicionamento de mercado, ou seja, a famlia AMD FX-4000 continua sendo a porta de entrada para mquinas com vdeo dedicado, e a AMD FX-8000 para pessoas que lidam com aplicativos pesados. Para a realizao dos testes, recebemos da AMD um FX-8350, que o processador top de linha dessa nova safra. Alm da verso box, que inclui um cooler a ar comum, existe uma verso especial - e um pouco mais cara que acompanha uma soluo de refrigerao lquida, o que tende a reduzir os rudos e tambm melhorar a margem de overclock, principalmente nos dias mais quentes. Por falar em overclock, todos os processadores da srie AMD FX so Black Edition (inclusive as famlias FX-6000 e FX-4000), ou seja, contam com os multiplicadores de frequncia PC desbloqueados.2012 # 101 # PC&CIATestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brAMD A10-5800KDaniel NettoA22segunda gerao das APUs AMD para computadores de mesa, apelidadas de Trinity, veio para substituir as APUs Llano, lanadas na metade de 2011. As APUs Trinity estrearam primeiramente nos portteis, ainda em maio deste ano, e agora chegam aos desktops, sem tantas restries de consumo e dissipao de calor, encontraremos processadores com frequncias e contagem de ncleos mais elevadas, e portanto, de desempenhos bastante superiores. Como os conceitos sobre as APUs Llano e os processadores Vishera ainda esto frescos na memria do leitor, entender o que o Trinity no ser nenhum desafio. Nessas APUs de segunda gerao, os ncleos x86 (antes baseados na arquitetura K10) agora utilizam a mesma arquitetura Piledriver dos processadores da srie AMD FX, mas com o cache L3 (que seria compartilhado entre todos os mdulos) desabilitado. Acreditamos que essa decisoA10-5800KArquitetura (CPU / GPU) Codinome Soquete Ncleos (x86) Cache L1/L2/L3 Frequncia CPU (Base / Turbo) GPU / Radeon Cores Frequncia GPU Memria Litografia TDP Instrues Desbloqueado Piledriver / VLIW4 Trinity FM2 4tenha partido da diviso de portteis para reduzir o consumo eltrico dos chips. A poro GPU tambm foi atualizada, mas no para a arquitetura de ltima gerao da AMD para placas de vdeo (no caso, a GCN - Graphics Core Next - utilizada nas Radeon HD 7000), e sim para a VLIW4, que a mesma arquitetura das Radeons HD 6000. Baseando-se somente pelo nome, o leitor pode incorretamente deduzir que a arquitetura VLIW5 das APUs Llano, de alguma forma melhor que a VLIW4. Na verdade, esta uma evoluo daquela, e foi desenvolvida especialmente para ser melhor aproveitada pelo jogos modernos.APUA10 (Radeon HD 7660D) A8 (Radeon HD 7560D ou HD 6550D) A6 (Radeon HD 7540D ou HD 6530D) A4 (Radeon HD 6410D)Assim como a gerao anterior, as APUs Trinity so compatveis com o Dual Graphics, uma tecnologia que permite unir a GPU das APUs com uma placa de vdeo dedicada, desde que elas tenham desempenhos semelhantes. Veja na tabela 1 uma lista com as combinaes recomendadas pela AMD. Outra novidade trazida pela segunda gerao de APUs o suporte para a tecnologia multimonitor da AMD, tambm conhecida por AMD Eyefinity Technology. Graas a ela, passa a ser possvel conectar at quatro monitores em uma mquina baseada em uma APU Trinity, com a ajuda de um Hub DisplayPort. No quesito memria, ao contrrio do que indicavam os rumores anterioresGPU Discreta RecomendadaRadeon HD 6670 Radeon HD 6570 Radeon HD 6570 Radeon HD 6450T1. Combinaes recomendadas pela AMD para configurao do Dual Graphics.A10-5700A8-5600KA8-5500A6-5400KA4-53002 2 x 16 KB + 64 KB / 1 MB 3,6 GHz / 3,9 GHz 3,2 GHz / 3,7 GHz 3,6 GHz / 3,8 GHz Radeon HD 7540D / 192 3,4 GHz / 3,6 GHz Radeon HD 7480D / 128 723 MHz DDR3 1600 MHz 65 W No 100 W Sim 65 W No Sim No Radeon HD 7560D / 256 3,4 GHz / 4,0 GHz 760 MHz4 x 16 KB + 2 x 64 KB / 2 x 2 MB 3,8 GHz / 4,2 GHz 800 MHz DDR3 1866 MHz 32 nm 100 W Sim MMX+, SSE (1, 2, 3, 3S, 4.1, 4.2, 4A), AMD64, AMD-V, AES, AVX, FMA3, XOP Radeon HD 7660D / 384T2. Especificaes tcnicas das APUs de segunda gerao.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTestesF1. Da esquerda para direita: FM1que incompatvel com AM3+ e FM2 incompatvel com os dois anteriores. Pelo menos, a fixao do cooler continuou sendo a mesma. 23ao lanamento, o suporte oficial continua em 1866 MHz, mas, algumas placas-me contam com ajustes para frequncias maiores. Entretanto, nesse caso, o funcionamento considerado em overclock e portanto, a estabilidade no 100% garantida. Aproveitando o ensejo, devemos lembrar ao leitor que o desempenho grfico das APUs fortemente influenciado pela frequncia de operao das memrias (mais detalhes e testes na edio n 99), por isso, recomendamos no mnimo mdulos de memria certificados para operao em 1600 MHz, que no chegam a custar R$ 15,00 a mais que os seus equivalentes de 1333 MHz. Veja na tabela 2, as especificaes tcnicas de todas as APUs de segunda gerao, lanadas at o fechamento desta edio. Repare que somente os processadores com a terminao K contam com multiplicadores desbloqueados. Junto com as APUs Trinity, chega tambm um novo soquete, o FM2, que, para o descontentamento de muitos compradores das APUs Llano, incompatvel com soquete FM1 (figura 1). Ou seja: gostou do Trinity? Ento compre uma nova placa-me. Para tentar dissipar a desconfiana de que o FM2 seja mais um soquete de transio, aAMD realizou algumas afirmaes de que ele ser compatvel com, pelo menos, mais uma gerao de APUs. Mas o leitor deve ficar atento, pois tudo leva a crer em uma unificao de soquetes. E para finalizar a lista de novidades, alm de placas-me baseadas nos j conhecidos A55 e A75, estaro disponveis tambm produtos construdos sobre o novo A85X, que o FCH (Fusion Controller Hub) top de linha da plataforma FM2 (chamada de Virgo pela AMD). O novo FCH bastante semelhante ao A75 (j utilizado nas placas-me para APUs Llano), mas ele apresenta algumasModelos de FCHsA55 Codinome Soquete SATA RAID HD udio PCIe GPP Configuraes do PCI Express UMI USB 3.0 / 2.0 / 1.1 Consumer IR Leitor SD/SDHC 33 MHz PCI Hudson-D2 FM1 / FM2 6 x 3 Gbps 0, 1, 10 Sim 4 x1 Gen 2 1 x 16 x4 Gen 2 + DP 0 / 14 / 2 Sim Sim Simnovas funcionalidades interessantes, como o suporte ao AMD CrossFire e ao RAID 5. As especificaes completas, o leitor encontra na tabela 3. Desse modo, o que vemos uma diviso bem clara entre os segmentos que cada FCH vai atender: o A55 estar em computadores bsicos e de custo reduzido, servindo como entrada para a plataforma FM2; o A75, que j um FCH mais elaborado, dever ser a base para produtos focados em multimdia; e finalmente o A85X, que dever equipar computadores de entusiastas, cujos preos PC so um pouco mais elevados.A75 Hudson-D3 FM1 / FM2 6 x 6 Gbps 0, 1, 10 Sim 4 x1 Gen 2 1 x 16 x4 Gen 2 + DP 4 / 10 / 2 Sim Sim Sim A85X Hudson-D4 FM2 8 x 6 Gbps 0, 1, 5, 10 Sim 4 x1 Gen 2 1 x 16, 2 x 8 (AMD CrossFire) x4 Gen 2 + DP 4 / 10 / 2 Sim Sim SimT3. Especificaes tcnicas dos FCHs que equiparo as placas-me soquete FM2.2012 # 101 # PC&CIATestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTeste: AMD FX8350 e A10-5800KDaniel Netto Agora que o leitor j conhece melhor as novas arquiteturas e o que elas prometem, chegou a hora de ver como os novos processadores desempenham frente gerao anterior.P24ara testar as duas novas plataformas, recebemos da AMD um processador FX-8350 (Vishera) e uma APU A10-5800K (Trinity), cada um representando o top em suas respectivas plataformas. Inclumos, tambm, na bateria de testes, um representante de cada famlia FX da gerao passada, assim como um Phenom II X6 1090T e um Phenom II X4 955 que, na poca de seus lanamentos, eram oscarros-chefe da diviso de processadores da AMD. E, apesar de este artigo no tratar de um comparativo entre AMD e Intel, um Core i7 3770K tambm participou dos testes. Assim, os leitores que tenham computadores baseados nessa plataforma podem contar, inclusive, com um ponto de referncia para comprar seus sistemas. Como base para a plataforma AM3+, cont a mos com a plac a-me A SUSPlataformasHardware AMD FX-8350, AMD FX-8150, AMD FX-6200, AMD FX-4170, AMD Phenom II X6 1090T, AMD Phenom II X4 955 Processadores AMD A10-5800K, AMD A8-3870K Intel Core i7-3770K ASUS SABERTOOTH 990FX (BIOS 1604) Placas Me ASUS F2A85-V PRO (BIOS 5109) GIGABYTE A75M-D2H (BIOS F6a) Intel DZ77GA-70K (BIOS 0059) Memria Placa de Vdeo Armazenamento Fonte Software S.O. Windows 7 SP1 Ultimate 64 bits AMD Catalyst Software Suite 12.10 AMD AHCI for Windows 7 12.10 AMD South Bridge Driver 12.10 Drivers Intel Chipset Driver 9.3.0.1021 Intel Rapid Storage Technology 11.6.0.1030 Intel Graphics Media Accelerator Driver 8.15.10.2761 Intel Management Engine Driver 8.1.0.1248 7-Zip 9.20 64 bits CINEBENCH 11.529 64 bits Benchmarks TrueCrypt 7.1a 64 bits DiRT 3 Metro 2033 Benchmark OCCT 4.3.1 2 x 2 GB aXeRAM Transcend (DDR3-1866 MHz / 9-10-9-27 1T) AMD Radeon HD 7970 SSD Corsair FORCE GT 240GB Seasonic X-760 760W (SS-760KM Active PFC F3)T1. Especificaes das plataforma utilizadas no teste.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br SABERTOOTH 990FX, que, como o prprio nome sugere, equipada com o chipset 990FX, o mais avanado da srie 9 de chipsets AMD. J o A10-5800K, foi montado em uma placa-me baseada no FCH A85X, a ASUS F2A85-V PRO (figura 1), gentilmente cedida pela empresa para realizao do artigo. Nos testes das plataformas AM3+ e FM2, instalamos duas atualizaes fornecidas pela Microsoft (KB2645594 e KB2646060) para o Windows 7, que altera o comportamento do agendador do sistema operacional, a fim de aproveitar melhor os mdulos Bulldozer e Piledriver. Com exceo das APUs, todos os processadores foram testados juntamente com uma placa de vdeo AMD Radeon HD 7970. A fim de garantir a consistncia e fidelidade dos resultados, utilizamos asTestesverses mais recentes de BIOS e drivers que estavam disponveis at o momento da realizao dos testes. Na tabela 1, o leitor encontra a descrio detalhada das plataformas utilizadas. Devemos informar que, por limitaes das controladora de memria integrada dos Phenom II, nesses processadores a frequncia da memria foi reduzida para 1600 MHz, mas as latncias continuaram as mesmas.25F1. Placa-me ASUS F2A85-V PRO utiliza o FCH A85X e compatvel com as novas APUs de segunda gerao.2012 # 101 # PC&CIATestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br 7-Zip O 7-Zip (www.7-zip.org), um des/ compactador de arquivos muito eficiente e com uma capacidade considervel de aproveitar mltiplos processadores. Ele ainda conta com um benchmark embutido e de uso bastante simples, o que o transforma em uma ferramenta muito til para aferir o poder de processamento bruto de processadores com vrios ncleos. Infelizmente este software ainda exclusivamente x86, portanto no aproveita as inovaes da APU. Mas no deixa de ser um teste vlido, afinal ainda teremos aplicaes legadas por muito tempo. Na figura 2 vemos os ndices de desempenho aferidos com este programa. Como era de se esperar, os processadores quad-core ficaram na base do grfico. A surpresa foi ver o j veterano Phenom II X4 955 na liderana do grupo dos processadores com quatro ncleos, superando (por uma apertada margem, para falar a verdade) o A MD FX-4150 (Bulldozer) e, por aproximadamente 5%, o estreante A105800K tambm. No outro extremo nota mos um interessante resultado: alm de superar com folga seu antecessor, o AMD FX-8350 (Piledriver) mostrou desempenho quase 10% superior ao do Core i7 3770K no teste de descompresso. J no de compresso, a vantagem ficou com o processador Intel, que foi aproximadamente 4% superior. CINEBENCH Este software foi desenvolvido pela MAXON (www.maxon.net) para aferir o desempenho de diferentes processadores e placas de vdeo em seu software CINEMA 4D, muito usado em estdios de criao e de cinema. Utilizamos o teste CPUque executa a renderizao de uma complexa cena 3D que exige bastante do processador. Veja na figura 3 que nesta workload o processador da Intel se saiu muito bem, abrindo uma margem de quase 9% em relao ao segundo colocado. Porm, compare o ndice do AMD FX-8350 com o do AMD FX-8150 e o leitor ver que os quatro mdulos Piledriver do primeiro conquistaram um salto de desempenho de 15%. TrueCrypt O TrueCrypt (www.truecrypt.org) uma ferramenta para criptografia de26 F2. Em tarefas de compresso e descompresso, os estreantes AMD FX-8350 e a APU A10-5800K superaram com tranquilidade seus respectivos antecessores.F3. Apesar de a APU A10 no ter superado a A8, o AMD FX-8350 abriu um a vantagem de 15% em relao ao AMD FX-8150.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br discos open source, disponvel nos sistemas operacionais Windows, Linux e Mac OS. Alm de muito utilizado, esse software foi um dos primeiros a oferecer otimizao para as instrues AES-NI, portanto se tornou uma presena constante nos testes de desempenho. Nosso teste foi executado com buffer de 500 MB, utilizando os trs principais algoritmos de criptografia presentes no software: AES, Twofish e Serpent. Na figura 4 podemos ver como os processadores AMD evoluram no quesito criptografia com o passar das geraes. Nas trs ultimas colocaes no houve surpresa, mas, vale a pena explicar porque o Phenom II X4 955 ficou na frente do A8-3870K: lembre-se que o A8 faz uso da mesma arquitetura K10 do Phenom II, entretanto este ltimo conta com frequncia de operao mais elevada. Agora, note o salto de desempenho no algoritmo AES, comeando pelo AMD FX-4170. Esse resultado deve-se ao fato de que a partir na arquitetura Bulldozer a AMD incluiu em seus processadores as instrues de acelerao AES, semelhantes ao conjunto AES-NI da Intel. Essas instrues continuam presentes nos mdulos Piledriver e isso explica por que o A10-5800K oferece uma vazo em AES equivalente a quase quatro vezes a oferecida por seu antecessor, o A8-3870K. Podemos notar tambm que, mesmo contando com essas novas instrues, o AMD FX-8150 (Bulldozer) no capaz de bater o i7-3770K em AES (apesar de praticamente empatar nos outros algoritmos). Em compensao, o seu sucessor (AMD FX-8350) nos apresentou um desempenho bastante interessante, pois ele foi capaz de oferecer, em mdia, 15% mais vazo do que o AMD FX-8150. E com praticamente essa mesma margem, o AMD FX-8350 conseguiu superar o i7-3770K nos algoritmos Serpent e Twofish. DiRT 3 Desenvolvida pela Codemasters, a terceira verso da franquia DiRT de simuladores de rallying faz parte da primeira gerao de jogos com suporte a API DirectX 11. Ao contrrio de jogos visualmente bem feitos mas exigentes nos requisitos de hardware, o DiRT 3 pode ser executado em computadores com GPUs mais simples e ainda assim com uma boa qualidade grfica.Testes27F4. Neste teste o AMD FX-8350 no s superou o seu antecessor como tambm o i7-3770K. A APU A10-5800K se saiu muito bem, e chegou a superar o FX-4170.Usando a ferramenta de benchmark inclusa no jogo, criamos o grficos das figura 5 e 6. O primeiro mostra os desempenhos aferidos com o jogo sendo executado na resoluo de 1280 x 720 pixels, e o segundo em 1920 x 1080 (Full HD). Comeando pelas APUs, podemos notar que a AMD conseguiu fazer um belo trabalho com a A10-5800K. Nas rodadas com detalhamento grfico baixo (em Ultra Low), onde os ncleos x86 so mais requisitados do que a GPU, a A10-5800K chegou a ser aproximadamente 60% melhor do que a A8-3870K na resoluo de 1280 x 720. Conforme aumentamos o nvel de detalhes, essa diferena foi sendo reduzida (mas sempre maior que 35% a favor do A105800K), at o ponto de saturao em que ambas as APU apresentaram desempenhosemelhante e abaixo do mnimo desejvel de 30 quadros por segundo. A titulo de curiosidade, fizemos os mesmos testes na plataforma com o Intel Core i7-3770K, mas utilizando a GPU integrada, uma HD4000. claro que, nenhuma pessoa com srias pretenses de jogar vai comprar um processador que custa R$1.000,00 para utilizar a GPU integrada. De qualquer forma, o teste continua vlido, pois podemos utiliz-lo para extrapolar o desempenho em jogos dos Core i5 e i3 da mesma gerao. De fato, a Intel acordou e a soluo grfica que acompanha os processadores da gerao Ivy Bridge, melhorou bastante em relao s geraes anteriores, sendo capaz de executar jogos modernos com certa fluidez, em alguns casos, at mesmo em2012 # 101 # PC&CIATestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Full HD. Porm, esse desempenho no pode ser comparado ao que est sendo oferecido pelas novas APUs da AMD, que claramente so capazes de entregar uma experincia muito mais agradvel ao usurio. Bastar olhar para os grficos e ver at que nvel de detalhamento o A10-5800K capaz de chegar, sustentando uma boa taxa de quadros por segundo. O AMD FX-8350 tambm se saiu muito bem neste teste, superando o AMD FX-8150 com uma margem mdia de 28% na resoluo de 1280 x 720 e 19% em 1920 x 1080 (com exceo da rodada com todos os detalhes no mximo). Este comportamento no se repetiu na comparao com o processador Intel Core i7-3770K. Mas, aqui cabem alguns comentrios. Com o detalhamento grfico configurado no mnimo, a CPU Intel conseguiu aproximadamente 100 quadros por segundo a mais que o AMD FX-8350, o que sem dvida uma diferena muito grande. Isso aconteceu porque com este nvel de detalhe, a poderosa AMD Radeon HD 7970 (que equipou as duas mquinas), trabalhou longe de sua capacidade mxima, portanto estava aguardando mais dados vindos do processador - e o i7 foi mais rpido em fornec-los. Esta uma daquelas situaes em que o gargalo de desempenho est no processador, tanto verdade, que as maiores leituras de corrente no conector de 12 V, que alimenta a CPU, foram atingidas neste cenrio. Ao aumentar os detalhes, a placa de vdeo comeou a ser mais exigida, tornando-se o novo ponto de estrangulamento do sistema, e portanto, a interferncia do processador no desempenho foi reduzida. Deste modo, a vantagem sobre o processador AMD caiu para aproximadamente 22% em 1280 x 720 e 31% em 1920 x 1080. E finalmente, configurando todos os detalhes no mximo, essa diferena desapareceu, e os dois processadores ficaram praticamente empatados. Isso mostra que, provavelmente, o Intel Core i7-3770K vai se sair melhor enquanto as configuraes grficas do jogo estiverem de tal maneira que a CPU seja o fator limitante. Mas c entre ns... quem compraria um computador com um Core i7-3770 ou FX8350 e uma placa de vdeo top de linha, para jogar no nvel mnimo de detalhes? Por isso, quando falamos de jogos, o que realmente importa, poder jogar na melhor qualidade grfica possvel, com a maior taxa28F5. A Radeon HD 7660D presente na APU A10 mostrou-se muito superior gerao passada.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF6. A GPU integrada da Intel evoluiu, mas a soluo da AMD continua oferecendo uma melhor experincia.TestesEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br de quadros por segundo possvel. E neste caso, o AMD FX-8350 capaz de oferecer o mesmo desempenho do concorrente, porm custando cerca de 30% a menos. Metro 2033 Compatvel com a coleo de APIs DirectX 11, este jogo atualmente um dos mais exigentes com o hardware. Com o benchmark incluso no prprio jogo, executamos a cena fontline nas resolues de 1280 x 720 pixels (figura 7) e em 1920 x 1080 pixels (figura 8). O que vemos no Metro 2033, a repetio do comportamento anterior, s que desta vez o i7 no conseguiu abrir toda aquela diferena no teste com baixo detalhamento grfico, pois este jogo realmente bastante pesado. Ao abrir uma vantagem de mais de 40% no rodada Low (AAA / AF4x) em 1280 x 720 a APU A10-5600K mostrou-se mais uma vez, muito superior sua antecessora. Alis, nesta mesma resoluo, ela ainda conseguiu uma mdia de 31,67 fps na rodada em High (AAA / AF4x), o que j confere uma experincia satisfatria. J em Full HD, nenhuma das APUs conseguiu sustentar uma taxa de quadros por segundo aceitvel, o que j era de se esperar, pois rodar jogos nessa resoluo no o propsito delas (muito menos um dos mais pesado do mercado). Com a resoluo em 1920 x 1080, o desempenho do FX-8350 se igualou ao do i7 j na segunda rodada, com detalhes High (AAA / AF4x) e se manteve assim at a rodada com as configuraes mximas, quando eles executaram o jogo apenas 37,67 fps. Alis, caso o leitor no tenha reparado, todos os outros processadores obtiveram praticamente os mesmos resultados. Isso indica que o desempenho foi limitado pela Radeon HD 7970 e no pelas CPUs. Consumo A fim de extrair o maior consumo energtico possvel, utilizamos o software OCCT (www.ocbase.com) no modo POWER SUPPLY com os seguintes pa r metros: DirectX10, Resolution: (1920x1080), FullScreen, 64 bits Linpack e Use all Logical Cores no caso do i7-3770K. Com essa configurao estressamos, simultaneamente, os ncleos x86 e tambm a controladora grfica.30F7. Mesmo com detalhes em High (AAA / AF4x), a APU A10-5800K conseguiu sustentar um frame rate aceitvel.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF8. O computacionalmente pesado Metro 2033 conseguiu saturar a Radeon HD 7970 j no teste Very High (AAA / AF4x) e, por isso, os ndices de desempenho foram semelhantes a partir deste ponto.TestesNa figura 9 mostramos o consumo total, em watts, dos sistemas sob carga e tambm em repouso, com os recursos para economia de energia habilitados. De acordo com o grfico, o consumo total do sistema sob carga equipado com o AMD FX-8350 foi cerca de 4% maior do que aferido com o AMD FX-8150. J em repouso, a situao se inverteu, e o consumo total com o novo processador foi quase 4% menor. A APU A10-5800K se saiu melhor que sua antecessora em mais um teste, apresentando um consumo total aproximadamente 12% inferior sob carga. Mas, aqui cabe uma ressalva, as APUs foram testadas em placasme diferentes, e nesse caso a eficincia do circuito regulador de tenso pode ter interferido no resultado. Ao que podemos ver, o grande calcanhar de aquiles dos novos processadores AMD o consumo eltrico. De fato, a APU A10-5800K melhor nesse quesito que a A8-3870K, o que realmente representa um avano, mas no necessariamente significa algo bom. Se o i7-3770K, que tem TDP declarado de 77 W, j consumiu menos que a APU A10-5800K (TDP de 100 W) no teste sem a Radeon HD 7970, podemos imaginar que essa diferena ser ainda maior se a comparao for feita com seu concorrente direto, o i3-3220, que tem TDP de apenas 55 W. Esse cenrio s deve se alterar quando a AMD conseguir melhorar o processo de fabricao para algo menor do que os atuais 32 nm. Considerando apenas o universo dos computadores pessoais, verdade que a primeira gerao dos processadores AMD FX, os Bulldozers, no foram to bem recebidos pela imprensa e por causa disso, no alcanaram todo o sucesso que a AMD gostaria. No que eles fossem produtos ruins, longe disso, mas um dos problemas que os softwares e sistemas operacionais para desktops no esto totalmente otimizados para utilizar todo o potencial da nova arquitetura (o Windows 8 comea a mudar essa histria). Cenrio totalmente diferente do ambiente de servidores, onde a nova arquitetura foi muito bem recebida. Com a introduo da arquitetura Piledriver, por meio do lanamento da segunda gerao de processadores AMDPC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br32F9. Sob carga, a APU A10 consumiu cerca de 12% menos que a A8. Mas, no geral, consumo eltrico dos processadores AMD continua mais alto do que o da concorrncia.ConclusoFX, a AMD volta a ter um produto para desktops muito competitivo, que supera com folga as duas geraes passadas e ainda por cima se compara aos processadores top de linha da concorrente. Por falar em concorrente, oficialmente a AMD posiciona a famlia de processadores AMD FX-8000 contra os Core i5 Ivy Bridge. Por exemplo, o AMD FX-8350 deve chegar ao Brasil custando aproximadamente R$ 650,00, justamente a faixa de preo do Core i5-3570K. Ou seja, a AMD no est concorrendo, pelo menos no oficialmente, com os Core i7. Porm, ju lg a ndo os nd ic e s de desempenho aferidos em nossos testes, podemos realizar um posicionamento extra-oficial em que o AMD FX-8350 consegue entregar um desempenho muito semelhando ao oferecido pelo Core i7-3770K na maiorias das tarefas realizadas por um usurio mdio, mas custando cerca de 30% menos. Essa diferena pode ser investida em uma placa de vdeo melhor ou em umSSD, tornando o sistema como um todo ainda melhor. A nova gerao de APUs Trinity tambm merece destaque. A APU A10-5800K que recebemos para o teste foi melhor que sua antecessora na maioria dos testes envolvendo somente os ncleos x86, chegando at mesmo a incomodar o AMD FX-4170 (Bulldozer) em alguns casos. Na parte grfica, ela no s repetiu o resultado como aumentou a margem de vantagem, vencendo com tranquilidade a Radeon HD 6550D da APU A8-3870K e a HD 4000 presente no i7-3770K. E claro, no podemos esquecer do grande potencial que essas novas APUs guardam, haja vista que o suporte ao GPGPU, seja por OpenCL ou DirectCompute, continua presente nestes chips. Por isso, se hoje elas esto concorrendo em preo e desempenho com os Core i3 Ivy Bridge, pode ser que no futuro elas consigam se aproximar do desempenho oferecido pelos i5 e quem sabe PC at mesmo dos i7.Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brHardwareDois produtos em um:F1. O acabamento do produto do tipo black piano. Discreto e simples.33soluo full HD para uso com o computadore, na outra, um televisor com sintonizador de canais digitais integrado. Conhea a linha de monitor/tv da Philips.Monitor e TV Philips 221TE4LB QEm uma mo temos um monitor com reRonnie Arata uando estamos na frente do computador, sempre h aquele momento em que nos desperta a vontade de olhar a TV para ver o que est acontecendo no mundo (fora do nosso!). Porm, em muitos casos, a TV est longe de onde fica o computador, ento, desistimos de ir at ela. Com um Monitor/TV essa questo est resolvida! o caso do modelo 221TE4LB que testamos (figura 1). Por unir as duas funes em um mesmo lugar, este produto pode tornar mais prtica a vida do usurio.EspecificaesSeguem as especificaes tcnicas completas do modelo: Imagem/tela Tela de cristal lquido: LCD TFT; Tipo de iluminao traseira: Sistema W-LED; Medida diagonal da tela (pol.): 21,5 polegadas; Medida diagonal da tela (cm): 54,6 cm; Proporo da imagem: 16:9, Widescreen;2012 # 101 # PC&CIAHardwareEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brInstalaoA montagem do monitor bem simples e depende apenas de encaix-lo na base e apertar trs parafusos. possvel inclinar a tela alguns graus para trs, o suficiente para o ajuste de altura da viso para conforto do usurio. O painel de controle fica no lado direito, como vemos na figura 2, ele conta com os controles de volume, mudana de canais, boto de liga/desliga e mais dois que servem para habilitar o menu de configuraes ou escolha de entrada de imagem, ou seja, onde voc pode alternar entre os modos TV e Monitor. Mas, quem que precisa de painel de controles quando se tem um controle remoto? Apesar de ser possvel fazer tudo com o painel integrado, ainda incluso um controle remoto que acentua ainda mais o conforto.F2. Painel de controle com sete botes.ControlesComo monitor34 Resoluo no painel: 1920 x 1080; Tempo de resposta (tpico): 5 ms; Brilho: 250 cd/m; SmartContrast: 20.000.000:1; ngulo de viso: 170 (A) / 160 (V), @ C/R > 10; Contraste (tpico): 1000:1; Aprimoramento de imagens: Progressive Scan; Recursos de vdeo: Tela com revestimento antirreflexo. Som Potncia de sada (Watt RMS): 3 W x 2; Recursos de udio: Incredible Surround, Smart Sound; Sintonizador/Recepo/Transmisso Entrada da antena: 75 ohms coaxial, tipo F; TV: PAL M, PAL N, NTSC; Reproduo de vdeo: NTSC, PAL; Display do sintonizador: PLL; TV Digital: ISDB-Tb, SBTVD-T; Suporte a MPEG-2 e MPEG-4: Sim Faixas do sintonizador: Hiperbanda, UHF, VHF.PC&CIA # 101 # 2012O modelo que recebemos tem tela de 21,5, mas a mesma linha ainda composta por outros dois modelos: um de 23 e outro de 18. No entanto, apenas os dois maiores suportam a resoluo 1080 p (Full HD). A resoluo do modelo menor de 1366 x 768. Para usar o monitor com o computador preciso escolher o source, a origem da imagem, e isso pode ser feito de duas maneiras: utilizando o segundo boto de baixo para cima no painel, ou pelo controle remoto apertando o boto source, que fica logo abaixo do boto de liga/desliga. Sero mostradas as seguintes opes: TV, AV, HDMI1, HDMI2, Component e PC. A s mais comuns utilizadas pelo computador so as opes HDMI e PC. Isso depende de qual interface sua placa de vdeo oferece e qual voc utiliza. No nosso teste, por exemplo, usamos a interface HDMI1 que, inclusive, transmite o som alm da imagem. Caso use a opo PC (conector VGA), voc ainda pode usar as caixas de som embutidas no monitor, mas, para isso, precisar conectar o cabo P2/P2, que tambm est includo. Outras interfaces de conexo como o vdeo componente, SPDIF e sada de som RCA tambm fazem parte do painel traseiro, mas sentimos falta de uma interface DVI.O controle adiciona praticidade a um F3. produto que j prtico.Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br Como podemos ver na figura 4, ela no est presente. em one-seg, isto fica escolha do usurio), volte para a aba Adicionar Canais. Enfim, selecione a opo Comear para o incio do rastreamento dos canais, e espere at que o sintonizador termine seu trabalho.Hardwareespecificaes tcnicas de outros monitores concorrentes. Se o usurio quiser economizar mais ainda, possvel escolher a opo de Smart Picture, no modo econmico. Neste modo o consumo caiu para 25 W, porm, a qualidade da imagem ficou um pouco degradada.Como TVEste modelo traz um sintonizador de TV integrado, mas o uso de uma antena externa ainda necessrio. Selecione com o boto source, a fonte de imagem TV. muito provvel que a tela fique azul. O motivo disso que at esse ponto a TV ainda no detectou nenhum canal. Como encontrar canais Para sintonizar os canais aperte o boto menu, uma tela de configurao aparecer. Escolha a opo configurao. Outra tela ser aberta, esta ter as abas de Imagem, Som, Instalao e Configurao. Selecione a aba de Instalao e v para a direita. Se voc desejar receber os canais abertos pela antena, certifique-se de que a fonte de sinal de TV esteja marcada como Ar (mais abaixo, ainda possvel habilitar os canaisUSBA entrada USB, que se localiza na parte traseira do modelo, ainda permite ao 221TE4LB reproduzir contedo multimdia presente em pendrives e HDs externos.ConclusoConsumoPor ter dois tipos de uso, este produto provavelmente se manter mais tempo em funcionamento do que se fosse somente monitor, ou somente TV. Neste caso, o seu baixo consumo um ponto positivo muito forte. Medimos um consumo constante de 32 W, com pequenas variaes entre 30 W e 33 W. Essa taxa de consumo no a menor do mercado, mas inferior s informadas nasO consumidor est cada vez mais bem informado e, em consequncia, exigente. Alm disso, o poder de consumo est maior e, ao mesmo tempo, a tecnologia melhora constantemente. Assim, esperamos ver logo o fim da produo de monitores/ tv com resolues inferiores a Full HD. Por conta do preo que atingem, no acreditamos que haver demanda para esses modelos. O 221TE4LB da Philips, no modelo de 21,5, custa em mdia R$ 550,00. Preo bom, se considerarmos que, em geral, outros modelos com as mesmas dimenses, resoluo e tambm com sintonizador de TV passam facilmente PC dos R$ 600,00.35F4. A adio de um conector DVI ofereceria compatibilidade com mais placas de vdeo.2012 # 101 # PC&CIAHardwareEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brConectividade wireless comPlacas adaptadoras wireless permitem conexo com a tecnologia Wi-Fi e eliminam a necessidade de cabos para quem no precisa... ou no quer! Conhea os modelos da Edimax! Ronnie ArataAdaptadores EdimaxT36anto a conexo Wi-Fi quanto a rede cabeada funcionam bem, mas, dependendo da situao, uma delas mais adequada que a outra. Os portteis, por exemplo, se beneficiam da conexo Wi-Fi, uma vez que, normalmente, prezam pela facilidade de locomoo. J na transferncia de uma grande quantidade de dados, o mais indicado a rede por cabo, que oferece maior vazo de dados. Muitas das atividades feitas pela maioria dos usurios no necessitam de uma conexo de alta velocidade. Principalmente se a rede for de ambiente caseiro. Assim, o uso da internet por Wi-Fi se justifica. Os notebooks tiveram, e ainda tm, grande apreo dos consumidores, no entanto, h pessoas que s tm desktops e no podem, ou no querem, adquirir outro computador. Almdisso tambm preferem no ter que espalhar cabos de rede pela casa toda ou, ainda, querem eliminar os que j esto instalados. O problema que, normalmente, os desktops convencionais no vm equipados com placas wireless como opo de conexo, fazendo com que o dono, posteriormente, tenha que adquirir uma parte, se quiser utilizar o sinal Wi-Fi. Tivemos a chance de testar duas destas placas adaptadoras wireless, ambas da Edimax, modelos EW-7722In e EW-7722UTn, que oferecem uma soluo.EW-7722In e EW7722UTn V2Um dos modelos, o EW-7722In (figura 1), do tipo PCI e requer um pouco mais de trabalho e ateno na hora de conect-lo ao computador, considerando-se que preciso abrir o gabinete e ter todo o cuidado para no danificar nenhum outro componente por conta da descarga de energia esttica.F1. EW-7722In, o modelo PCI vem com duas antenas destacveis. EW-7722UTn V2, F2. o modelo USB tem apenas 3,5 cm de tamanho.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF4. O EZMAX Setup Wizard d as boas-vindas ao usurio.HardwareTela para seleo da linguagem de F3. instalao.O mesmo driver serve para a instalao do modelo EW7711, mas escolhemos o F5. segundo modelo da figura.Este modelo com duas antenas compatvel com a tecnologia MIMO (multiple-input and multiple-output), que fornece ganhos tanto de velocidade quanto de alcance. A placa envia os sinais de uma forma que eles no se cancelam quando transmitidos pelas antenas. Pelo contrrio, as ondas se somam e conseguem formar mais de um caminho de conexo com outros dispositivos. Diferentes das antenas SISO, que produzem apenas um nico sinal entre o transmissor e receptor, as compatveis com a tecnologia MIMO se beneficiam dos diferentes caminhos que a onda percorre ao se refletir em diferentes objetos e paredes do ambiente at chegar antena receptora. Para que haja este ganho de velocidade, tanto o dispositivo que recebe quanto o que transmite precisam ser compatveis com a tecnologia MIMO. J o modelo EW-7722UTn V2 (figura 2) se conecta via USB, mais prtico e conta com um recurso de economia de energia. O modelo PCI funciona nativamente no Windows 7 e na distribuio Ubuntu 12.04. Ele precisou de instalao manual do driver apenas no Windows XP. O modelo USB precisou de instalao de driver no Windows 7 tambm, funcionando automatica mente apena s no Linu x (obviamente, dependendo da distribuio, a instalao manual pode ser necessria). Como caractersticas mtuas, as duas placas tm compatibilidade com os padres wireless 802.11 b, g e n, velocidade suportada de 300 Mbps e boto de WPS, que configura de maneira fcil e rpida, o dispositivo com o ponto de acesso, que, por sua vez, tambm precisa ser compatvel com a tecnologia.F6. Instrues bsicas para a montagem da placa no computador so mostradas nesta tela.37Este recurso muito cmodo mas, por motivos de segurana, recomendvel no utiliz-lo e, se possvel, at desabilit-lo no roteador, pois uma brecha de segurana foi revelada ainda no final de 2011. Para um ataque de validao do nmero PIN (chave de oito dgitos usada pelos dispositivos com tecnologia WPS), que daria controle sobre a conexo, seriam necessrias apenas 11 mil tentativas, uma quantidade relativamente pequena para um computador, que poderiam ser feitas em cerca de quatro horas. Apesar do ganho de popularidade de novos sistemas operacionais, importante lembrarmos que no todo mundo que faz o upgrade e migra logo que uma verso nova lanada. Por exemplo, muita gente ainda utiliza o Windows XP, tanto em casa quanto na empresa, mesmo com o Windows 7 j disponvel h anos e o Windows 8 sendo lanado. Por isso, recentemente importante falarmos da instalao nesse sistema tambm.InstalaoWindows XP O autorun do Windows XP pedir para rodar o programa de instalao assim que o CD for colocado no drive ptico. Voc ser levado para a primeira tela (figura 3), que serve apenas para selecionar a linguagem da instalao. Caso isso no acontea, voc deve abrir o programa de instalao pelo arquivo EZWizard, que se encontra dentro da pasta Wizard correspondente linguagem que pretende usar. As duas formas iro lev-lo para a segunda tela (figura 4), que apenas comunica o usurio da instalao e d as boas-vindas. Clique em seguinte. A prxima tela (figura 5) pedir que voc escolha qual a placa que pretende instalar, a que testamos a de modelo EW-7722In. Ao escolh-la vemos uma tela igual da figura 6, que pede para que a placa seja instalada. O ideal, obviamente, j t-la conectada no computador antes de comear a instalao do driver, porm, se voc ainda no fez isso, dever seguir as instrues e recomear a instalao.2012 # 101 # PC&CIAHardwareEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF9. Ateno! Se a senha estiver incorreta, a instalao no termina.Se chegar at esta tela a configurao foi F10. bem-sucedida.F7. Contrato de licena mostra onde obter a ltima verso dos drivers (www.edimax.com)Se no encontrar o nome F8. de sua rede nesta tela, clique em rescan para tentar novamente.38Com a placa instalada, clique em seguinte e ver a tela com o contrato de licena (figura 7). Leia-o e aceite-o clicando, novamente, em seguinte. O instalador levar alguns segundos para detectar as redes Wi-Fi disponveis e as listar, como vemos na figura 8. Escolha a sua rede e clique em seguinte. Se, por algum motivo, sua rede no for encontrada, ter a opo de rescan para procurar novamente. preciso autenticar j a conexo, e fornecer a senha da rede que pretende se conectar (figura 9). Ao escolher a rede, se ela no for aberta, ser solicitada a senha dessa rede. Fornea-a e clique em seguinte, uma ltima vez. A tela final (figura 10) j lhe mostrar que o driver foi instalado com sucesso. Windows 7 Provavelmente, o Windows 7 reconhecer o driver automaticamente e far com que a placa funcione assim que voc iniciar o sistema, j com ela conectada. Caso contrrio, voc pode seguir o mesmo passo a passo do Windows XP, as telas so iguais. importante lembrar que a instalao do driver traz um software utilitrio, o Edimax Wireless Utility (Box 1), uma ferramenta boa para manuteno e configuraes avanadas do dispositivo. Se deixar que o Windows utilize seu prprio driver, o software obviamente no ser instalado.PC&CIA # 101 # 2012Os botes existentes tanto na parte superior quanto na inferior da tela de instalao do driver, no funcionam no Windows XP, mas no Windows 7 eles tm funes de Guia rpido, que abre um arquivo com o mesmo contedo do guia que vem impresso com o produto, e o manual do utilizador, que mostra um arquivo PDF contendo as informaes completas da placa. Linux O Ubuntu, verso 12.04 para desktop, tambm reconhece a placa adaptadora wireless modelo PCI automaticamente, e o acesso a Internet funciona sem precisar instalar nenhum pacote adicional. Caso o leitor utilize outra distribuio Linux e a placa no funcione nativamente, poder ser necessrio baixar o driver no site do prprio fabricante, http://www.edimax. com/en/, na aba Support. Novamente, nesse caso, o modo de instalao varia, dependendo da distribuio utilizada.O modelo USB ainda pode ser de grande valia, por exemplo, para quem tem um notebook que est com problema nos componentes de Wi-Fi e no consegue se conectar pela placa integrada do porttil. Tambm pode ser muito conveniente para adicionar conexo Wi-Fi a um computador do tipo All-in-one, que no permite a instalao de placas PCI. E mesmo em um desktop tradicional, o uso do adaptador USB evita ter de abrir o gabinete e perder a garantia de PC um computador recm-comprado.Box 1. Edimax Wireless Utility Apesar da instalao ter suporte ao idioma portugus, o software instalado junto com o driver, o Edimax Wireless Utility, em ingls, no entanto, isso no impede seu uso. No painel de controle, alm de ver estatsticas da conexo, trocar a rede e ver informaes do software, ainda possvel configurar a conexo WPS e as regras de QoS tambm (figura A).ConclusoO preo da placa adaptadora EW-7722In de cerca de R$70,00, enquanto o modelo USB EW-7722UTn V2 custa aproximadamente R$60,00. O preo bastante honesto comparado a outros modelos disponveis, especialmente se considerarmos a velocidade de 150 Mbps (muitas placas Wi-Fi baratas s oferecem 54 Mbps)FA. Interface do Edimax Wireless Utility com a aba de configurao de QoS ativa.Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brHardwareTradecomp CactusDaniel Netto Que tal um computador com APU AMD do tamanho de um roteador, e cujo consumo eltrico seja inferior ao de uma lmpada de seta do seu carro? Este o Terminal Cactus, da Tradecomp!Na edio n 96 desta revista, alm de apresentarmos os processadores Brazos e Llano para portteis e desktops respectivamente, mostramos para o leitor que as APUs AMD chegaram tambm ao mercado de embarcados, trazendo para esse universo ganhos em desempenho x86 e abrindo novos horizontes de aplicaes por causa do OpenCL e DirectCompute. Na ocasio recebemos para anlise uma verso do Terminal Sequoia, tambm da Tradecomp, equipada com a APU T56N (dois ncleos x86 de 1,6 GHz cada e 80 Radeon Cores a 500 MHz), que o processador top de linha da plataforma de embarcados AMD. No h nada de errado com o Sequoia, mas nessa configurao, em alguns casos, ele simplesmente forte demais. Quiosques informativos e Thin Clients so exemplos de aplicaes em que, apesar de exigirem pouqussimo poder computacional, o emprego de PCs bastante comum (em alguns casos mais bizarros, com gabinete ATX e tudo) por motivos de compatibilidade. justamente para estes cenrios, onde o que importa no o desempenho, mas sim o baixo consumo eltrico, a resistncia ao calor, p e vibrao, que a Tradecomp oferece o Terminal Cactus (figura 1). Entretanto, adiantamos que, por se tratar de um computador compacto baseado em uma APU, ele conta com um trunfo na manga principalmente para o crescente mercado de Digital Signage.sem partes mveis, vibraes e poeira no so problemas para o perfeito funcionamento do aparelho assim como ambientes confinados e com pouca ventilao. Agora que j entendemos um pouco melhor o conceito por trs do produto, vamos conhecer o hardware empregado em sua construo. Caractersticas O gabinete escolhido fabricado em plstico e tem um visual bastante espartano. Medindo apenas 180 mm x 30 mm x 125 mm (A x L x P) ele compacto o suficiente para ser escondido em mveis e molduras39Terminal Cactus bem provvel que o leitor tenha achado o nome do produto um tanto inusitado, mas a analogia feita pela Tradecomp faz bastante sentido: Imagine um cacto... A primeira imagem que passou pela cabea do leitor deve ter sido a de um deserto rido e quente, pois esse o ambiente ao qual os cactos esto muito bem adaptados. Da mesma forma, o Terminal Cactus tambm capaz de enfrentar ambientes hostis pois,F1. A refrigerao dos componentes internos feita passivamente por meio das ranhuras laterais.2012 # 101 # PC&CIAHardwareEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF2. Boa seleo de conectores.de televises. Se munido de um suporte de fixao no padro VESA, o Terminal Cactus ainda pode ser afixado na parte de trs do monitor e com um pequeno suporte ele pode ser posicionado na vertical. A parte frontal abriga um conector USB 2.0, um LED de status, os dois conectores de udio (Fone / Microfone), boto Liga/Desliga e um plugue tipo P1, que no de udio, mas sim para possibilitar que o dispositivo seja ligado ou desligado mesmo embutido dentro de um mvel ou mquina. Uma vez que a refrigerao da APU e do FCH feita passivamente por um dissipador40de alumnio, h ranhuras nas laterais do gabinete para permitir a circulao de ar por convexo, e mais nada. J na parte traseira (figura 2), que onde est a maioria das interfaces, encontramos a entrada para alimentao 12 V (DC), que feita por uma fonte bivolt (100 V ~ 240 V AC) externa, igual s usadas em notebooks, uma sada de 5 V (DC), um conector VGA, um RJ-45 da rede Gigabit, dois conectores USB 2.0, uma sada de vdeo/udio HDMI e um conector do tipo eSATAp (eSATA + USB). O leitor encontra especificaes tcnicas mais detalhadas na tabela 1.Retirando os dois parafusos presentes no painel traseiro, podemos remover uma das tampas laterais e ter acesso ao interior do pequeno gabinete, onde encontramos uma velha conhecida (figura 3). Um olhar mais atento revelar que trata-se do mesmo projeto de placa-me Nano-ITX (148 mm x 116 mm), utilizada no Terminal Sequoia e no Endurance Engine 1.6 (avaliado na edio n 98). Sob o dissipador de alumnio, alm do FCH A50M, encontramos a APU AMD Fusion T40N que apresenta um TDP de somente 5,5 W, o que um valor bem razovel se consideramos que ela conta com um ncleo x86 rodando a 1,0F3. Com TDP de somente 5,5 W, APU T40N refrigerada passivamente.PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br GHz e uma Radeon HD 6290 com 80 Radeon Cores operando na frequncia de 280 MHz. O armazenamento de dados fica por conta de um SSD da Asint que, para ficar paralelo placa-me, est plugado em um adaptador. O Terminal Cactus vendido com com SSDs de 16 GB at o mximo de 128 GB. A memria utilizada neste produto tambm no foge muito do que o leitor j est acostumado, pois ele conta com um slot SO-DIMM (o mesmo utilizado em notebooks), o que favorece para a versatilidade do projeto, pois produtos embarcados geralmente apresentam os chips de memria, soldados diretamente sobre a placa de circuito impresso. Por restries da arquitetura, o Terminal Cactus suporta oficialmente o mximo de 4 GB de memria DDR3 1066 MHz, mas funciona perfeitamente com mdulos de 1333 MHz, por exemplo, ainda que no aproveite toda a sua velocidade. Utilizada em diversos produtos, a placame bastante verstil e oferece uma boa quantidade de conectores internos. Logo abaixo do SSD encontramos um Mini PCI Express onde podem ser conectado diversos tipos de dispositivos, como uma placa de rede sem fios (neste caso, o gabinete contempla um pequeno furo para acomodao da antena). Pode parecer contraditrio um projeto de computador embedded contemplar tantas interfaces e possibilidades de expanso, mas se imaginarmos que uma empresa pode utilizar o mesmo equipamento em diversos cenrios, toda essa versatilidade pode ser muito bem-vinda. Retomando a ideia do comeo do artigo, o Terminal Cactus tem seu mercado nas aplicaes onde a demanda por resistncia e baixo consumo so maiores que a por desempenho como: SetTop Boxes, pontos de venda, servidores de mdia, quiosques de informao, vending machines e claro, Thin Clients. Mas, repare que dissemos ...maiores que o desempenho..., pois afinal de contas, estamos falando de um produto baseado em uma APU, que alm de ter um ncleo Bobcat rodando a 1 GHz (mais detalhes na edio n 96), ainda conta com 80 Radeon Cores, que possibilitam a decodificao de vdeos Full HD. Alis, esta uma capacidade bastante importante quando falamos de Digital Signage (propagandas veiculadas em LCDs), pois no minimo desagradvel apresentar uma marca por meio de um vdeo com uma baixa taxa de quadros por segundo e ainda por cima cheio de quadrados. E claro, no podemos esquecer que ele compatvel com OpenCL e DirectCompute. Assim que os softwares estiverem otimizados, estaremos falando de um computador super compacto com 81 ncleos e consumo eltrico mximo inferior a 15 W (equipado com T40N ou T16R). Como desktop, o terminal Cactus uma tima opo para situaes em que o usurio passa a maioria do tempo com apenas um software ativo por vez, como o caso de recepes, balces de atendimento ou mesmo empresas em que o funcionrio faz todas as suas tarefas em um ERP ou CRM online. Ateno Quando tratamos de um produto como o Cactus, preciso muita cautela ao design-loEspecificaes TcnicasAMD T56N (Dual Core 1,6 GHz) / TDP 18,0 W APUs Compatveis AMD T40N (Single Core 1,0 GHz) / TDP 5,5 W AMD T16R (Single Core 615 MHz) / TDP 4,5 W Radeon HD 6310 (T56N) Vdeo FCH Memria Rede udio Armazenamento Expanso Radeon HD 6290 (T40N) Radeon HD 6250 (T16R) A50M (Hudson-M1) 1 x DDR3 SO-DIMMs 1066 MHz (Mx. 4 GB) Realtek 8111C 10/100/1000 Mbps Realtek ALC662 HD udio SSD SATA II 16 GB / 32 GB / 64 GB / 128 GB 1 x Mini PCIE 1 x Entrada para Alimentao 12 V (DC) 1 x Sada 5 V (DC) 1 x VGA Painel Traseiro 1 x RJ45 2 x USB 2.0 1 x HDMI 1 x eSATAp (eSATA + USB) 1 x Plugue para extenso do boto de Liga/Desliga 1 x Boto Liga/Desliga Painel Frontal 2 x Conectores de udio (Fone / Microfone) 1 x LED de Status 1 x USB 2.0 Dimenses (A x L x P) 180 mm x 30 mm x 125 mm Linux Windows Embedded CE 6.0e Windows Embedded Compact 7 Sistemas Operacionais Windows XP Windows Vista Windows 7 Windows 8 Consumo Mximo T40N e T16R < 15,0 W T56N < 30,0 WHardwarepara o uso como computador de mesa. claro que perfeitamente possvel utiliz-lo com Windows 7 ou uma distribuio Linux para desktop. O que no podemos, esperar uma experincia em multitarefa excepcionalmente boa, pois esse no o foco do produto.ConclusoSe o leitor estiver com algum projeto que demande um computador compacto, resistente e com consumo eltrico reduzido, recomendamos que ele considere seriamente o Terminal Cactus como uma das opes de compra, pois alm dos mritos tcnicos, ele pode ser adquirido por consumidores finais por um preo bastante acessvel. Mais informaes, acesse: www.tradecomp.com.br. A propsito, a grande maioria das lmpadas de seta usadas em automveis tem potencia PC declarada de 25 W.41Para quem ?T1. Tabela com as especificaes tcnicas do Terminal Cactus.2012 # 101 # PC&CIAHardwareEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brBenQBL2400:Conforto que proporciona42produtividadeO monitor um dos componentes mais importantes para quem trabalha muito tempo na frente do computador, pois o uso de um monitor inadequado pode causar dor de cabea, rigidez no pescoo e ardor nos olhos. Ningum quer trabalhar assim! Conhea o BenQ BL2400, que casa a produtividade com a ergonomia e visa o mercado profissional.OMembro da equipe de redao e laboratrio da revista, dedica-se ao estudo de jornalismo e Tecnologia da Informao.Ronnie Aratalhar e entender as especificaes de um produto antes de compr-lo muito importante, principalmente, se a quantidade de informao for muito grande, como no caso dos monitores atualmente. A tecnologia utilizada pelas TVs e monitores gerou muitos dados e caractersticas para se prestar ateno. Qualidade de imagem e consumo de energia so apenas alguns exemplos. Porm, o consumidor esperto! Ele ainda est atento ao peso, ao tamanho, s conexes, resoluo da tela. Pesquisa a marca, o modelo, se certifica se h um conversor digital, antena integrada e se tem iluminao com LEDs. Ele pergunta se o modelo tem caixas de som integradas, sabe ver os preos e pesquisa, na Internet, a opinio de outras pessoas que j compraram o mesmo produto. No entanto, h um fator a que pouca gente presta ateno em um monitor e, por isso, no leva em considerao na hora da compra: o conforto! Muitas vezes, a preocupao maior com a qualidade da imagem.Em ambientes corporativos, ento, onde normalmente se passa mais tempo na frente do computador, a ergonomia e o conforto so ainda mais interessantes, pois um funcionrio cansado, provavelmente, ter menor rendimento.Produto certo para cada tipo de usoMais importante que as caractersticas do produto saber para qual pblico e o tipo de uso que ele destinado. Desse modo, a chance de ficar insatisfeito com a compra menor. No caso das TVs e monitores, as fabricantes, normalmente, dividem seus produtos em diferentes linhas com o objetivo de atingir pblicos diversos, passando por modelos mais enxutos e econmicos at os mais complexos e cheios de recursos extras.BL2400PTO modelo BenQ BL2400PT um monitor voltado para o profissional. Ele tem tela de 24 e resoluo 1080 p ( 1920x1080, tambm chamada de FullPC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brHardwareF1. Sua base prtica para deixar objetos como a chave do carro, entre outras coisas.HD). o nico da sua linha no Brasil (pelo menos, at o fechamento da edio). Nos Estados Unidos existe tambm um modelo de 22, o BL2201PU (l o de 24 se chama BL2400PU), e no vemos nada que impea o modelo menor de ser lanado aqui tambm. H muitas caractersticas neste monitor que contribuem para uma opinio muito positiva a seu respeito (na tabela 1 vemos todas as caractersticas principais). Caractersticas fsicas Os pontos positivos comeam pela facilidade de montagem, sendo que a tela se prende base apenas por um parafuso que pode ser apertado com as prprias mos, ou com uma chave Philips para maior firmeza. A segunda vantagem que vemos na sua parte fsica que, apesar do tamanho de 24, sua base no espaosa demais, a ponto de atrapalhar, mas tambm no pequena a ponto de deixar a tela instvel. Pelo contrrio, depois de bem encaixada a tela dificilmente balana. Alm de se manter firme na mesa, a base ainda tem o formato quadrado e cncavo (figura 1) que pode ser usada, por exemplo, para deixar uma calculadora, o bloco de notas, as chaves do carro ou o celular. Diferente de alguns monitores que, mesmo com a espessura da tela fina, tm a base mais estilizada e cheia de detalhes que acabam sem conseguir dividir espao com outros objetos teis na mesa de trabalho. Alm da linha BL, a BenQ ainda tem a linha G, tambm de monitores focados para o ambiente profissional, porm, o modelo que testamos se destaca por ser o nico,Regulagem de F2. altura ajuda a evitar postura incorreta do usurio. 43entre eles, que se ajusta a vrias posies para fornecer maior conforto em relao vista do usurio. Ajustes ergonmicos Os ajustes de altura e esteramento (horizontal e vertical) so ideais para queEspecificaoTamanho da Tela Formato de Tela Resoluo mxima Tamanho do Pixel Brilho Contraste Contraste Dinmico Tempo de Resposta Dimenses Peso Lquido Montagem da Parede VESA Ajuste de Lateral (Swivel) Ajuste de ngulo (Tilt) Ajuste de Altura Trava Kensington Tecnologia Senseye Tecnologia AMAo usurio trabalhe com a postura correta e no tenha problemas de viso (ou de dor nos msculos) mais tarde. A regulagem de altura tem 130 mm no total (figura 2). Na horizontal, o monitor consegue virar at 45 graus para cada lado (figura 3) e, na vertical,BenQ BL2400PT24,0 (LED) 16:9 1920 x 1080 p (Full HD) 0,276 mm 250 cd/m 3000 : 1 20 Milhes : 1 8 ms 576,4 x 432,35 x 235,6 mm 6,2 Kg 100 x 100 mm 45/45 - 5 a 20 130 mm Sim Senseye 3 w/o GAME SimT1. Principais caractersticas do BenQ BL2400.2012 # 101 # PC&CIAHardwareEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF3. A rotao para as laterais tambm ajuda na hora de conectar ou desconectar os cabos do monitor.44Angulao vertical completa F4. o ajuste de posio do monitor.F5. Este recurso prtico e bastante til para diversas tarefas.so 5 graus pra baixo e at 20 para cima (figura 4). Outra caracterstica deste modelo a rotao da tela em 90 graus para a direita, como vemos na figura 5. Esse um timo recurso, bastante cobiado por quem trabalha com diagramao ou edio de imagens e textos. Muitos trabalhos so melhor visualizados na vertical. Apesar de haver a possibilidade de mudar sua posio, o monitor no se comunica com o sistema para reorientar a imagem automaticamente. Neste caso, o usurio que optar por utiliz-lo na vertical dever configurar o sistema operacional manualmente para rotacionar a imagem. No Windows 7, essa opo est acessvel atravs do menu para configurao de aparncia do vdeo (figura 6), basta selecionar a opo de orientao para retrato. J no Linux, a orientao da imagem depender de como cada desenvolvedora de distribuio implementa os painis de controle. No Ubuntu 12.04 e no Mint 13 (Maya), por exemplo, a opo de rotacionar a tela est disponvel pelo painel dePC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br configurao dos Monitores, que fica em preferncias do sistema (figura 7). No entanto, em algumas distribuies, a configurao tem que ser feita manualmente. Para isso, utiliza-se o comando: xrandr Com ele, o sistema fornecer informaes sobre as entradas de vdeo e as resolues compatveis com a interface que est conectada. No nosso exemplo, a placa de vdeo estava ligada pelo cabo DVI-I, como vemos na figura 8. Em outros computadores a conexo pode ser diferente, ento vale a pena sempre conferir primeiro. No caso em que h mais do que uma interface do mesmo tipo no monitor, o xrandr as identifica e as numera (exemplo: VGA-1 e VGA-2). Por isso o nome da conexo que ns usamos DVI-I-1, o que adicionaremos agora no prximo comando: xrandr --outputDVI-I-1 --rotate leftHardwareF6. preciso reorientar a imagem manualmente para usar o monitor na vertical.O sentido em que a imagem fica disposta corretamente com a rotao do monitor para a esquerda, por isso o left acrescentado na linha de comando. Para voltar a imagem orientao original, basta substituir o left por normal no comando. Ainda possvel usar as posies right e inverted, mas para este monitor no so configuraes teis, uma vez que ele no vira para estas direes. Descanse os olho: eles merecem Para os profissionais que ficam com dor nos olhos aps usar o computador por um tempo de trabalho, o BL2400 ainda apresenta outro recurso muito simples mas que timo para o descanso da vista. O Smart Reminder apenas mostra uma mensagem na tela: Descanse seus olhos: eles merecem. Ele habilitado na penltima aba, a de ergonomia, do menu acessvel pelos botes na parte inferior do monitor (figura 9). Este recurso pode ser desligado ou configurado para aparecer de 20, 40, 60, 80 ou 100 minutos.45Sensor EcoO Windows, por si s, tem um recurso configurvel que suspende as atividades do computador, quando no o estamos utilizando, e o coloca em modo de descanso para economizar energia. Mas com o Sensor Eco do monitor BL2400, a economia pode ser maior. Repare que, logo abaixo do logotipo da BenQ no monitor, na parte inferior da telaF7. Tela de configurao de monitores na distribuio Linux Mint 13.2012 # 101 # PC&CIAHardwareEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brF8. Sada do xrandr com informaes sobre as interfaces do monitor.46(figura 10), h um sensor ptico. Ele serve para identificar quando o usurio sai da frente da tela e suspende a atividade do monitor, desligando-o. Isso faz com que ele deixe de consumir 29 W, passando para apenas 2 W. Quando o usurio volta para frente do monitor, o fato notado pelo sensor, que liga o monitor novamente. Este recurso pode ser desabilitado no menu do monitor, pois em alguns casos ele atrapalha, como quando queremos mostrar algo de certa distncia, e ele desliga sozinho. Mas na maioria das situaes ele um diferencial enorme, pois economiza energia com a vantagem adicional de evitar que qualquer um fique bisbilhotando sua tela.ConexesNas conexes deste modelo esto includas as entradas VGA, DVI-D e uma DisplayPort, como vemos na figura 11. O foco deste monitor no na exibio de contedo multimdia, e acreditamos que este tenha sido o motivo da dispensa da porta HDMI. Alm das entradas de vdeo, vemos dois conectores do tipo P2. Um deles, o verde, para a entrada do som, que permite ouvir udio diretamente pelos alto-falantes de 1 W presentes no monitor. Das conexes disponveis, a DisplayPort a nica que carrega som pelo mesmo cabo, sendo que nasPC&CIA # 101 # 2012F9. Botes para configurao do monitor ainda contam com ajuste automtico da imagem.Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br outras duas necessrio conectar um cabo de udio sada de udio do computador, por isso a presena do conector verde. O segundo conector, de cor preta, uma sada de som que pode ser usada para conectar fones de ouvido ou outra caixa de som, diretamente ao monitor. DisplayPort O conector DisplayPort e a ausncia do HDMI so caractersticas marcantes de que este modelo destinado ao pblico profissional. No s pelo fato de que a interface HDMI mais focada em entretenimento, mas o DisplayPort um padro aberto que pode ser utilizado sem as questes de royalties e, por ser tecnicamente superior, est presente em muitas placas de vdeo profissionais, como as NVIDIA Quadro. Alm disso, este tipo de conector oferece a possibilidade de trafegar oito canais de udio, paralelamente ao sinal de vdeo, a uma largura de banda de 10,8 Gbits/s e no sofre com problemas de atenuao de sinal em cabos de at 15 metros.HardwareF10. O sensor ptico um dos diferenciais que mais destaca este modelo.Concluso47No muito frequente a procura por um monitor com as caractersticas do BL2400PT da BenQ, principalmente por consumidores. At porque, atualmente, muitas compras so feitas pela Internet, e infelizmente, deste modo, as caractersticas de ergonomia, as vantagens da interface DisplayPort, entre outros aspectos que fazem deste monitor um modelo profissional de qualidade, no se destacam e ele acaba sendo colocado em concorrncia com outros modelos de 24, como se o tamanho da tela fosse a nica caracterstica que importa. Como vimos, h muito mais aspectos para se prestar ateno em um monitor e o tipo de uso que lhe ser dado o mais importante deles. Quem procura pelo BL2400PT, provavelmente, no est querendo um monitor para uso no dia a dia ou jogos. E quem procura por um monitor de uso comum, no escolher este modelo, pois, o preo de R$ 699,00 dele no compete com o preo dos modelos para esse tipo de uso dirio. Agora, quem procura por um monitor profissional com tima imagem, interfaces condizentes com seu propsito e excelente ergonomia por um preo muito vivel, encontrar no BenQ BL2400PT uma das PC melhores propostas do mercado.F11. O HDMI, voltado para o entretenimento foi dispensado neste monitor profissional.Box 1 Ghosting Os pixels que compem as telas de LCD levam alguns milissegundos para mudar de uma cor para outra e exibir a imagem correta. Isso o que define o tempo de resposta, uma das caractersticas informadas pelos fabricantes e uma das que o consumidor mais informado presta ateno. Isso porque se o tempo de resposta for muito grande, o problema que chamamos de ghost image (ou, imagem fantasma) fica perceptvel ao olho humano, que, em mdia, consegue perceber facilmente este problema quando o tempo maior do que 5 ms. O ghost image um problema que cria um rastro dos objetos em movimento de uma cena, j que o pixel demora para assumir a nova cor. A soluo que as fabricantes adotam so de diferentes nomes e a da BenQ chamada de AMA (Advanced Motion Accelerator), recurso que tambm habilitado pelo menu do monitor e que aumenta a tenso das clulas de cristal lquido para que, dessa forma, elas consigam agir mais rapidamente, diminuindo o efeito de ghost. Ns colocamos o BL2400 prova e rodamos alguns jogos. Apesar de no serem o uso proposto para o modelo, jogos geis como alguns FPS so capazes de tornar evidentes problemas de ghosting. Com o AMA ligado, foi possvel perceber uma leve melhoria na fluidez da imagem, principalmente em cenas rpidas. Mesmo com o recurso desligado, a jogabilidade no ruim de forma alguma, mas, uma vez que o recurso est disponvel, por que no utiliz-lo?2012 # 101 # PC&CIASistemas OperacionaisEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brServer 2008 R2 chegou sua verso final! Alm de novasfuncionalidades, o Windows Server 2012 est carregado de veja um passo a passo da instalao.novos conceitos. Saiba, neste artigo, o que mudou e tambmWindows Server2012Em fim, o sucessor natural do j bem estabelecido Windows48SEspecialista em TI com experincia nas reas de sistemas virtualizados e integrao de hardware para servidores e desktops. membro de diversas comunidades sobre hardware e GNU/Linux, ao qual dedica grande parte de seu tempo de estudo.Daniel Nettoem dvida, 2012 est sendo um ano bastante agitado para o pessoal da Microsoft: eles esto trabalhando na finalizao da dcima quinta verso da suite de aplicativos Microsoft Office, lanaram h pouco a verso RTM do Windows 8, e os dispositivos com o Windows 8 RT j esto comeando a pipocar no mercado. Alm disso, a empresa implementou vrias melhorias em seus servios baseados em nuvem. E por falar em Cloud Computing, 2012 tambm foi o ano em que a conhecida famlia Windows Server ganhou mais um integrante: o Windows Server 2012. possvel que alguns leitores estejam achando um pouco estranha essa relao Windows Server x Computao em nuvem, mas que a nuvem foi o ponto de partida do desenvolvimento dessa nova verso. Com a ajuda de diversos parceiros e suas experincias, a Microsoft modelou o Windows Server 2012 especialmente para criao de nuvens, sejam elas privadas, pblicas ou hbridas. claro que a criao de nuvens j estava disponvel no Windows Server 2008 R2, a diferena que agora existem mecanismos que facilitam no s a criao, mas tambm o gerenciamento e a integrao com outros servios e at mesmo com outras nuvens. Para quem entrou agora no mercado, o Windows Server um sistema operacional totalmente compatvel com ambiente de software Microsoft Windows, porm voltadopara uso em servidores. De foma simplificada, em comparao com o Windows para desktops, como o Windows 7 por exemplo, o Windows Server d menos nfase a multimdia e servios que um usurio normal utiliza. Em contrapartida, ele conta com investimento de milhes de dlares nas reas de segurana, conectividade, estabilidade e desempenho. Dessa forma, o Windows Server uma ferramenta muito mais adequada para atuar como um servidor de arquivos, banco de dados, mquinas virtuais e etc, e recomendamos fortemente que quem executa essas tarefas em um PC com Windows para desktop que conhea este S.O.O que h de novo? sabido que Cloud Computing e virtualizao so tecnologias que andam juntas. Por isso, falar de uma sem lembrar da outra, tarefa praticamente impossvel. No a toa que um dos componentes do Windows Server 2012 que mais recebeu melhorias foi justamente o Hyper-V, que chegou sua terceira verso, mais robusto e cheio de novos recursos nas reas de armazenamento e rede. Atendendo a inmeros pedidos, o hardware virtual para da VMs criadas no Hyper-V 3 foi melhorado e substancialmente melhor do que o oferecido pela verso anterior. Para o leitor ter uma ideia, no Windows Server 2008 R2, cada mquina virtual podia ter no mximo quatro processadores e 64 GB de memria. No Windows ServerPC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br 2012, esse limite de 64 processadores e um terabyte (TB) de memria para cada mquina virtual. Evidenciando ainda mais o foco no Cloud Computing e para acompanhar o aumento da adoo de novas formas de trabalho, a Microsoft decidiu facilitar a criao do ecossistema de VDI (Virtual Desktop Infrastructure) para acesso via dispositivos mveis ou no Home-Office. O que antes necessitava de vrias etapas preliminares, agora pode ser feito selecionando apenas uma opo. Todas essas melhorias em sua soluo de virtualizao, e inclusive de marketing, sinalizam que a Microsoft deseja entrar com fora no crescente segmento de computao em nuvem, concorrendo de igual para igual com os outros grandes players do mercado. Outra grande mudana diz respeito interface grfica. Aquele visual tradicional, parecido com Windows 95, foi substitudo por uma interface totalmente redesenhada, semelhante j conhecida nova interface do Windows 8 (anteriormente chamada de Metro). A Microsoft justifica a mudana se apoiando no fato de que manter dois estilos diferentes poderia causar algum tipo de confuso entre os usurios, e tambm porque a nova interface mais adequada quando o assunto acesso remoto ao servidor via dispositivos mveis e suas telas sensveis ao toque. Se o leitor como ns, e no dispensa uma linha de comando, saiba que a Microsoft tambm pensou nisso, adicionando e melhorando uma srie de Cmdlets do PowerShell. claro que as novidades no param por a. Temos um novo sistema de arquivos com foco na estabilidade, chamado ReFS, e muitas mudanas em servios importantes como o de DHCP, DNS e Active Directory. Para saber mais sobre essas mudanas, recomendamos que o leitor acesse: technet.microsoft.com/ pt-br/library/hh831769.aspx. A Microsoft aproveitou a oportunidade do lanamento para dar uma enxugada no nmero de edies e, de certo modo, simplificar o licenciamento. At a concluso deste artigo, o Windows Server 2012 estava disponvel em quatroEdioDatacenterSistemas OperacionaisFuncionalidadesTodas as funcionalidades disponveis e instancias virtuais ilimitadas Todas as funcionalidades disponveis e duas instancias virtuais Interface simplificada, configuraes baseadas em assistentes, sem direito a virtualizao Servidor de propsito geral sem direito a virtualizaoPublico alvoAmbientes de nuvem privada e hbridaModelo LicenciamentoN de Soquetes + CALStandardAmbientes de baixa densidade ou no virtualizadosN de Soquetes + CALEssentialsPequenas empresasPor Servidor (Limite de 25 usurios)FoundationServidor custo x benefcio de uso geralPor Servidor (Limite de 15 usurios)T1. Edies disponveis do Windows Server 2012. Processadores lgicos Memria fsica Processadores virtuais por Host Processadores virtuais por mquina virtual Memria por mquina virtual Mquinas virtuais ativas Numero mximo de ns de cluster Mquinas virtuais por custerWindows Server 2008 R264 1 TB 512 4 64 GB 384 16 1000Windows Server 2012320 4 TB 2048 64 1 TB 1024 64 4000T2. Comparativo entre o Hyper-V do Windows Server 2012 e do Windows Server 2008 R2. 49Versesedies principais, a saber: Windows Server 2012 Datacenter, Windows Server 2012 Standard, Windows Server 2012 Essentials (antigo Small Business Server) e Windows Server 2012 Foundation. Este ltimo, no ser comercializado para usurios finais, pois destinado somente aos integradores de hardware (OEM). Veja na tabela 1, uma breve comparao entre as edies. importante observar que as verses Datacenter e Standard so iguais em termos de funcionalidades disponveis. A diferena entre elas fica na quantidade de vezes que a licena pode ser virtualizada, sem custos adicionais. De uma forma mais simples, ao adquirir a verso Datacenter, alm da instalao sobre o hardware do servidor, o administrador pode criar ilimitadas mquinas virtuais, utilizando a mesma licena. J na verso Standard, apenas duas instncias virtuais so permitidas. Apesar de pouco divulgadas, existem ainda uma quinta e uma sexta edio, chamadas de Windows Storage Server 2012 Workgroup e Windows Storage Server 2012 Standard. Ambas so voltadas para criao de storage apliances, ou seja, computadores fabricados com o propsito nico de atuarem na funo de NAS (Network Attached Storage).Requisitos de Hardware Antes de migrar, o leitor precisa saber que o Windows Server 2012 s pode ser instalado em servidores que estejam equipados com processadores de pelo menos 1,4 GHz e que tenham suporte as instrues de 64 bits pois, assim como o Windows Server 2008 R2, no h verso de 32 bits. As aplicaes 32 bits continuam sendo normalmente suportadas, graas a um componente chamado WoW64 Support, que por ter carter opcional, pode ser removido. Neste caso, instalaes no modo Server with a GUI sero convertidas para Server Core (adiante, abordaremos com mais detalhes os modos de instalao). Nos quesitos memria e armazenamento, so necessrios, respectivamente, no mnimo 512 MB e 32 GB. Este ltimo requisito pode variar em funo da quantidade de memria RAM instalada no servidor (pois isso afeta o tamanho dos arquivos de paginao e despejo). Agora falando de limites mximos de hardware, a verso Datacenter suporta at 320 processadores lgicos, 4 TB de memria RAM e 64 ns de failover cluster. Para uma visualizao mais fcil das mudanas, compilamos a tabela 2, onde o leitor encontra2012 # 101 # PC&CIASistemas Operacionaisuma comparao entre o Windows Server 2008 R2 e o Windows Server 2012. Assim como ocorria com seu antecessor, durante a instalao do Windows Server 2012 podemos escolher entre o modo Server Core Installation ou Server with a GUI (equivalente ao modo Full InstallationEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br presente no Windows Server 2008). Veja na figura 1 a aparncia do Windows Server 2012 instalado no modo Server Core Installation. Optando pelo modo Server with a GUI, ao trmino da instalao, o usurio ter disposio a j conhecida interface-padro (chamada de Server Graphical Shell), com direito ao Windows Explorer, Internet Explorer e etc. O Server Core Installation relativamente novo, ele foi introduzido como uma das novidades do Windows Server 2008. Nesta modalidade, depois de instalado, o usurio recebe apenas uma janela de terminal e quaisquer configuraes devem ser feitas localmente, via linha de comando, ou por meio de um painel de controle remoto. Uma das mudanas que chegaram com o Windows Server 2012 foi que ao contrrio do que acontecia nas verses anteriores, a deciso por um desses modos no mais uma escolha irreversvel. No Windows Server 2008 e Windows Server 2008 R2, se durante a instalao o usurio optar pelo modo Server Core Installation, no h como mudar para o modo Full Installation sem uma reinstalao completa. No Windows Server 2012, existem trs modos de implementao, e cada um deles fornece diversas funcionalidades opcionais. Como esses modos so integrados, o administrador livre para transitar entre eles sempre que precisar, sem a necessidade da reinstalao (figura 2). Essa maleabilidade bastante til e pode facilitar muito a vida do administrador: ele pode, por exemplo, instalar o Windows no modo Server with a GUI, utilizar as ferramentas grficas para configurar todos os aspectos do servidor e no fim do servio, converter para o modo Server Core (se as funes, ou roles, escolhidas forem compatveis). Padro Server Core Ao optar pelo modo Server Core Installation, apenas os componentes essenciais so instalados. Isso, alm de economizar aproximadamente 4 GB em relao instalao no modo Server with a GUI, que ocupa algo em torno de 10 GB, representa um sensvel aumento de segurana, pois com menos binrios presentes no sistema, a superfcie disponvel para ataques menor. Outro ponto importante que menos correes de segurana precisam ser aplicadas, o que se traduz em uma reduo do downtime necessrio para aplicao dos patches e reincio do servidor. Foi considerando esses fatores que a Microsoft tornou o Server Core Installation o modo padro do Windows Server 2012 e recomenda que os administradores o utilizem sempre que possvel, ao realizar novas instalaes e upgrades. Mas, como algumasOpes de implantao50F1. Aparncia da interface grfica do Windows Server 2012 no modo Server Core.F2. A mudana entre os trs estgios de interface pode feita a quente. No h necessidade de reinstalao!PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brSistemas Operacionais51F3. No modo Minimal Server Interface, o administrador ainda conta com algumas ferramentas grficas.aplicaes no suportam gerenciamento remoto e precisam de um ambiente grfico completo para serem executadas, o modo Server with a GUI foi mantido por motivos de compatibilidade. Um Estagio Intermedirio Alm dos dois modos que acabamos de citar, o Windows Server 2012 ainda pode ser configurado em um estgio intermedirio, chamado de Minimal Server Interface (cerca de 300 MB menor que a instalao completa). Neste modo no esto disponveis o Internet Explorer, Windows Explorer nem o ambiente de desktop como um todo, e por isso, a aparncia final de um servidor no modo Minimal Server Interface bem parecida com a de outro no Server Core. Entretanto, como o leitor pode ver na figura 3, neste estgio intermedirio continuamos contando com algumas ferramentas de gerenciamento grficas como,por exemplo, o Server Manager, o Microsoft Management Console (MMC) e algumas funcionalidades do painel de controle. Para alcanar o Minimal Server Interface, a instalao deve ser realizada no modo Server with a GUI, e por meio do Server Manager, o administrador deve desinstalar o Server Graphical Shell. Existem diversas maneiras de completar uma instalao do Windows Server 2012 e cada uma delas tem suas vantagens e desvantagens. Por isso, a deciso de qual o melhor mtodo uma escolha que o administrador deve fazer, com base nas necessidades do ambiente. Quando for necessrio preparar uma grande quantidade de servidores, com configuraes de software e hardware parecidas, uma opo utilizar o Microsoft Deployment Tools 2012 (MDT). Com ele,Mtodos de instalaodepois de instalar e configurar um servidor, voc pode capturar a imagem do sistema operacional pronto e utiliz-la nos outros servidores. Esse mtodo chamado de Lite Touch, mas com a ajuda do System Center, podemos tornar essas instalaes totalmente automticas (Zero Touch). Outra opo utilizar o Windows Deployment Services (WDS). Este mtodo bem mais sofisticado e necessita de uma certa infraestrutura prvia, pois ele usa um protocolo chamado PXE (Preboot Execution Environment) para realizar a instalao via rede. Um das vantagens consiste em poder instalar dezenas de servidores ao mesmo tempo. A Microsoft diz ser possvel mais de 300 por vez. E como no poderia deixar de ser, a tradicional instalao via DVD (chamada de High Touch), ou pendrive USB, tambm suportada. Scripts e ferramentas de implantao criados para o Windows Server2012 # 101 # PC&CIASistemas OperacionaisEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brAqui voc pode escolher entre um upgrade ou uma instalao F6. limpa. Neste artigo cobriremos a segunda opo.F4. Tela da primeira etapa do processo de instalao do Windows Server 2012.52F5. Escolha uma verso e o modo de instalao.F7. Crie o layout de particionamento que desejar. S no esquea de reservar no mnimo 32 GB para o Windows.2008 R2 devem funcionar normalmente com o 2012. Este ser o mtodo de instalao que utilizaremos neste artigo. Para quem quiser testar o novo sistema operacional para servidores da Microsoft, possvel fazer o download de uma imagem ISO, em que cada instalao vlida por 180 dias. Como o procedimento de instalao o mesmo para as duas verses disponveis na imagem ISO (Standard e Datacenter), neste artigo, abordaremos somente a instalao da Datacenter (que a mais completa) no modo Server with a GUI. Se o leitor preferir o modo Server Core, tambm possvel seguir este passo a passo, pois o processo o mesmo. Para comear, acesse: technet.microsoft. com/pt-br/evalcenter/hh670538.aspx ePC&CIA # 101 # 2012Instalaodescarregue a imagem ISO. O leitor notar, que alm dela, tambm disponibilizado um arquivo do tipo VHD (Virtual Hard Disk). Este formato interessante principalmente para aqueles que j contam com um servidor Hyper-V. Ao trmino do download, existem duas opes: gravar a imagem ISO em um DVD ou utilizar um pendrive USB. O processo de instalao do Windows Server 2012 bem parecido ao do Windows 7 e o leitor vai notar essa semelhana logo na primeira etapa, onde devemos configurar o idioma a ser instalado, o formato de data e moeda e o layout de teclado (os padres utilizados no Brasil so o ABNT e o ABNT2). Como o ISO disponibilizado pela Microsoft no contm a traduo para o Portugus do Brasil, no primeiro campo devemos escolher um dos oito idiomas oferecidos: alemo, chins (simplificado),espanhol, francs, ingls, italiano, japons e russo. J os outros dois campos trazem configuraes adequadas para o Brasil (figura 4). Na prxima tela, simplesmente clique em Install now para que em poucos segundos aparea uma lista com as verses e modos de instalao disponveis. Como informamos ao leitor anteriormente, para este artigo optamos pela verso Datacenter no modo Server with a GUI (figura 5). Ao clicar em Next, ser preciso aceitar a licena de uso para prosseguir para a prxima etapa, que o momento onde podemos optar entre fazer um upgrade de uma instalao preexistente do Windows Server 2008 ou realizar uma instalao limpa. Devemos alertar o leitor de que nem todas a verses do 2008 suportam o upgrade (veja a tabela 3 para os compatveis), e que o upgrade direto do 2003 para o 2012 noEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brSistemas OperacionaisAo pressionar o boto ao lado da senha, ela ser revelada. til para detectar F8. erros sistemticos de digitao.F10. Digite a senha que voc acabou de criar.53F9. Tela de logon do Windows Server 2012. Pressione Ctrl+Alt+Delete para mostrar o campo de autenticao. possvel. Nestes casos, primeiro preciso atualizar o 2003 para uma verso compatvel do 2008. Tambm no possvel realizar upgrades entre arquiteturas diferentes como, por exemplo, do Windows Server 2008 R2 32 bits para Windows Server 2012, que somente 64 bits. E claro, no se esquea de verificar se as aplicaes instaladas no servidor so compatveis com o 2012. Clique em Custom: Install Windows only (advanced) para uma instalao limpa e siga para a prxima etapa (figura 6). O assistente de instalao ir solicitar que o usurio defina em qual dispositivo de armazenamento ser feita a instalao (figura 7). Neste artigo utilizamos toda a capacidade o Drive 0, mas caso o leitor precise alterar o tamanho da partio, clique em Drive options (advanced). Apesar de a instalao no modo Server with a GUI poder ser feita em partiesmenores de 11 GB, a Microsoft recomenda, no mnimo, 32 GB. Com tudo configurado, basta clicar em Next. A partir deste ponto, a instalao seguir automaticamente e o computador ser reiniciado algumas vezes. O tempo necessrio ir depender de muitos fatores, como mdia escolhida e do hardware (o POST de servidores geralmente so bastante demorados). Ao trmino da instalao, ser necessrio definir uma senha para o usurio AdministratorVerso AtualWindows Server2008R2 Datacenter SP1 Windows Server2008R2 Enterprise SP1 Windows Server2008R2 Standard SP1 Windows Server 2008 Datacenter SP2 Windows Server 2008 Enterprise SP2 Windows Server 2008 Standard SP2 Windows Web Server2008R2 Windows Web Server 2008e como nas verses anteriores, essa senha deve conter pelo menos trs, dos cinco tipos de caracteres permitidos: Nmeros (0 a 9) Caracteres especiais (%, #, $, !) Letras minsculas Letras maisculas Outros caracteres Unicode (Idiomas asiticos) Obser va ndo e sse s requ isitos de complexidade, um exemplo de senha vlidaUpgrade paraWindows Server 2012 Datacenter Windows Server 2012 Standard e Datacenter Windows Server 2012 Standard e Datacenter Windows Server 2012 Datacenter Windows Server 2012 Standard e Datacenter Windows Server 2012 Standard e Datacenter Windows Server 2012 Standard Windows Server 2012 StandardT3. Verses compatveis com o upgrade para o Windows Server 2012.2012 # 101 # PC&CIASistemas Operacionaisseria Pas$word. Deste modo, digite a senha no campo Password, confirme-a no campo Reenter password e clique no boto Finish (figura 8). Em poucos segundos, a tela de logon ser apresentada (figura 9) e como de praxe, devemos pressionar a combinao de teclas Ctrl+Alt+Delete para mostrar o campo de autenticao (figura 10). Insira a senha que acabamos de configurar e tecle Enter. Logo aps o logon, o Server Manager ser carregado automaticamente (figura 11). Como o prprio nome sugere, por meio dele que a maioria das tarefas de administrao relacionadas com o servidores podem ser executadas como, por exemplo, adicionar roles (Active Directory, DNS e DHCP Server, Hyper-V ) e adicionar/ remover componentes (Server Graphical Shell, Failover Clustering). Pelo Server Manager, possvel inclusive gerenciar outros servidores (agrupados ou no por role), o que permite a configurao simultnea de dezenas de servidores. Alm da administrao da instalao local, podemos conect-lo a outros servidores, como uma instalao do Windows Server 2012 no modo Serve Core. Est sentindo falta do boto Iniciar? Lembre-se que o Windows Server 2012 adota uma interface semelhante a do recm-lanado Windows 8. Para acessar a tela com os tiles dos aplicativos instalados (figura 12), simplesmente pressione a tecla Windows do seu teclado.Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brPrimeiro LogonF11. O Server Manager o principal painel de gerenciamento do Windows Server 2012.54ConclusoCom o lanamento da nova verso, a Microsoft tentou tornar a administrao mais simples e intuitiva, mesmo para ambientes complexos com dezenas de servidores. J era de se esperar certa nfase na computao em nuvem e a empresa no mediu esforos em melhorar sua soluo de virtualizao para este ambiente computacional. A adoo da nova interface e da pos sibi l id a de de ut i l i z a r re c u r sos multimdia gera certa polmica, pois em geral no so coisas que se espera ver em um servidor. Por outro lado, til para quem deseja administrar seus servidores por meio de dispositivos touch screen,PC&CIA # 101 # 2012F12. Nova interface, semelhante do Windows 8, facilita o gerenciamento remoto.como tablets, nos quais a digitao de comandos complexos incmoda. Haja vista a facilidade de alternar entre os diferentes modos, e o fato da interface Server Core ser a padro e a recomendada, s ter de lidar com a nova interface quem quiser. No vamos nem entrar na discusso se o Windows Server melhor ou maisusado do que outros SOs para servidores. Mas inegvel que, por meio dele, muitos profissionais iniciam suas carreiras no mercado de TI. Dessa forma, ainda que no o utilize diretamente, importante que o leitor se mantenha atualizado e conhea a nova verso do principal sistema operacional para servidores da PC Microsoft.Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTendncias56Heat Recording (HAMR) Assisted MagneticEm um futuro prximo, a capacidade de armazenamento dos discos rgidos ir crescer, e muito. A Seagate desenvolveu uma nova tecnologia de gravao de dados, chamada HAMR, que promete dobrar a capacidade de armazenamento dos HDs aumentando a densidade de dados gravados. Igor Beserra Engenheiro de Aplicaes para a Seagate na Amrica LatinaAgravao de dados no disco um processo eletromagntico, onde um campo eletromagntico gerado pela cabea de escrita, e com a proximidade do disco, que um material magntico, os dados (bits 0 e 1) so gravados. Hoje, os fabricantes de HDs aumentam a densidade e a capacidade ao encolherem os bits de dados gravados em uma polegada quadrada de espao em disco, e tambm reduzem as faixas de dados (os crculos concntricos na superfcie do disco). Mesmo com o aumento da densidade (mais bits de dados por polegada), necessrio faz-lo sem corromper a magnetizao dos bits e, por consequncia, perder dados. O funcionamento de gravao pode ser exemplificado como uma brincadeira de criana: quando esfregamos uma rgua no cabelo e vemos os pequenos pedaos de papis se aproximarem da rgua. Isso acontece porque a rgua est eletricamente carregada. Com o disco acontece a mesma coisa, quando ele est eletricamente carregado o bit 1, e quando no est carregado o bit 0. Para que esses bits fiquem gravados no disco sem perda de informao, preciso gerar o campo eletromagntico por um determinado perodo de tempo e por certo espao. Esse tempo e espao variam de acordo com a temperatura do disco. Quanto mais quente o disco, mais fcil ser a gravao dos dados, ou seja, mais rpido e uma menor rea do disco ser usada. Dessa forma, os bits ficaro mais prximos e a capacidade do disco aumentar.Seagate HAMRA sigla HAMR, em ingls, significa Heat-Assisted Magnetic Recording (gravao magntica termicamente assistida) e vem para substituir o padro atual PMR (Perpendicular Magnetic Recording gravao magntica perpendicular). A tecnologia HARM, uma abordagem promissora para permitir grandes aumentos na densidade de armazenamento do disco rgido. Um laser usado para aquecer momentaneamente a rea do meio do disco, a fim de reduzir a sua coercividade abaixo do campo magntico. Sendo assim, a tecnologia HAMR permite amplificar o campo magntico do material durante a gravao, e faz com que os dados sejam registrados em espaos mais estreitos, economizando espao. A tecnologia HAMR, desenvolvida pela Seagate, aumenta a densidade de rea ao encolher os bits de dados nos pratos do disco para caber mais dados por polegada quadrada de espao em disco. Ao mesmo tempo, tambm reduz as faixas de dados. Ne ste si stem a , os m ater ia i s de gravao tm um nvel muito elevado de anisotropia magntica, que essencial para a estabilidade trmica da magnetizao dos gros extremamente pequenos no meio em utilizao. A tecnologia H AR M oferece um novo grau de liberdade: por meio da temperatura estende a rea de densidade de armazenamento dos dados magnticos. Com o aquecimento durante o processo de gravao, a mdia pode ser reduzidaabaixo da aplicao disponvel no campo magntico de gravao, permitindo assim maior anisotropia e portanto menores gros termicamente estveis. A regio aquecida , depois, resfriada rapidamente na presena do campo cuja orientao codifica os dados gravados. Com um feixe de laser, o processo de gravao semelhante gravao magntica, mas num sistema HAMR a leitura realizada com um elemento magnetorresistivo, ou seja, por bobinas atravs das quais fluem ondas eltricas de alta voltagem criando um campo magntico. Para a tecnologia HAMR a Seagate trabalha no desenvolvimento de uma srie de novos componentes, que incluem o sistema de fornecimento de luz, o escritor termomagntico, uma interface de disco robusta, e rpidos meios de refrigerao. A previso de que a gravao perpendicular ser limitada a cerca de 1 Tb/in (terabit por polegada quadrada) porque o campo de gravao que pode ser produzido por uma cabea de gravao magntica limitado a cerca de 2,5 T (tesla) por densidade mxima de fluxo de saturao dos conhecidos materiais magnticos. Esta limitao torna impossvel dimensionar a cabea com a coercividade da mdia, o que necessrio para aumentar a densidade linear mantendo a estabilidade trmica na mdia. A tecnologia HAMR utiliza a energia trmica produzida por um laser incorporado na cabea de gravao para superar estaPC&CIA # 101 # 2012limitao de espao. O calor gerado pela absoro da luz do laser reduz a anisotropia durante o processo de gravao, o que torna possvel gravar com uma disponibilidade maior de espao. Alm disso, o campo do disco rgido, no qual determina a largura e preciso da escrita de bits, consideravelmente maior do que com a tecnologia HAMR. Atualmente, os HDs oferecem no mximo 3 TB (terabytes) de capacidade de armazenamento, essas unidades usam uma tecnologia de gravao chamada de gravao magntica perpendicular (PMR). A tecnologia PMR foi lanada em 2006 para substituir a gravao longitudinal, um mtodo em vigor desde o incio dos discos rgidos em 1956, e dever atingir seu limite de capacidade de cerca de 1 Tb/in (terabit por polegada quadrada) nos prximos anos. A escrita ideal requer que a mdia com a tecnologia HAMR seja aquecida perto de suas temperaturas de Curie, que so 750 e 840 K (graus Kelvin). Para alcanar tal temperatura exige-se uma potncia do laser significativa na interface do disco, que, por sua vez, pode causar protuberncias, assim como meios de deformao e danos ao lubrificante do disco, a menos que os lubrificantes que so mais resistentes a tais temperaturas elevadas possam ser encontrados. Alis, encontrar o lubrificante ideal uma das metas. Com a primeira gerao de drives HAMR, a Seagate atingiu uma marca que at pouco tempo atrs era considerada impossvel: uma densidade de dois milhes de bits por polegada linear, ou seja, um pouco mais de um trilho de bits por polegada quadrada. Este nmero ultrapassa o total de estrelas da Via Lctea (algo entre 200 bilhes e 400 bilhes de estrelas). Incrvel? S para melhor entendimento de quo pequenos so os bits magnticos, em uma unidade HAMR com densidade de 1 Tb/ in, cada bit tem apenas 12,7 nanmetros de comprimento ou cerca de uma dzia de tomos. E estamos falando aqui apenas do comeo: as pesquisas da Seagate indicam que o limite terico de densidade nesses discos pode ficar entre 5 e 10 terabits por polegada quadrada, ou seja, HDs de 30 TB a 60 TB de capacidade no seu computador de casa e de 10 TB a 20 TB no seu notebook. PC Fantstico no ?2012 # 101 # PC&CIATendncias57Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brOpinio58Manter sistemasoperacionais antigos tambm significa gasto de energiaH um equvoco generalizado de que a eficincia energtica de um computador depende exclusivamente do quo moderno e eficiente o seu hardware. Mas de nada adianta um equipamento to atual, se o sistema operacional for antigo e inadequado para hardware moderno. Fabio Hara Especialista de Infraestrutura de DPE da MicrosoftAcada ano o mercado de tecnologia recebe uma srie de novas tecnologias tornando cada vez mais rpidos os equipamentos, e tambm permitindo novos cenrios de uso. Isto significa que a cada ano um determinado equipamento / dispositivo sofrer uma atualizao. Um dos pontos que tem guiado o aparecimento destas novas tecnologias no mercado a eficincia no uso de energia. No adianta ter uma tecnologia que oferea altos ndices de desempenho se o consumo de energia necessrio para seu funcionamento for exagerado ou excessivo, tornando-a invivel. Devido grande preocupao (e presso) do mercado por redues de consumo de energia, impossvel no ficar atento a isso.Projetado para ser eficienteDo lado do sistema operacional existe uma fase onde feito o desenho e concepo da arquitetura do mesmo. Em geral, nesta fase h a participao de fabricantes de equipamentos e peas para auxiliar no processo de desenho e tambm para definir o hardware ideal. A arquitetura, ento, prev o surgimento de novas tecnologias que possam vir a surgir e como o sistema operacional ir trabalhar com as mesmas. Entretanto, por mais que a arquitetura do sistema operacional seja capaz de contemplar estes novos dispositivos e tecnologias, chega um ponto onde as mudanas so muitas, demandando uma nova arquitetura.PC&CIA # 101 # 2012SO Antigo versus Atual O ponto desta reflexo toda que, se analisarmos por exemplo o Windows XP, na poca que foi concebido, o seu hardware mnimo recomendado era um processador de 233 MHz, com 64MB de RAM. A recomendao ideal de memria na poca que foi concebido era de 128MB de RAM, e se comparado aos dias de hoje, encontramos pessoas usando o mesmo com 2 GB a 4 GB de RAM. Sua alocao de dados na memria foi planejada na poca para blocos de 4 KB, e este tamanho era o ideal para o perodo em que foi desenvolvido e concebido para o mercado. Os atuais sistemas operacionais j esto preparados para trabalhar com grandes bancos de memria, em especial devido ao fato da arquitetura x64 comear a se tornar um padro de mercado. Os desktops vendidos em pequenas e grandes lojas j possuem quantidade mnima em 4 GB na sua grande maioria, suportando maiores quantidades de memria. Outro fator que contribui bastante referese aos novos processadores (SLAT Second Level Address Translation), que trabalham com alocaes de blocos de 2 MB, tornando-se mais eficiente em mquinas com grandes quantidades de memria. Alm disso, os discos das mquinas costumam ser em geral prximos dos 500 GB de alocao, exigindo novas controladoras, novos drivers, etc. No caso especfico de memria, o Windows XP pode ser mais eficiente em um equipamento antigo. Entretanto se ele for executado em um hardware mais novo, com uma quantidade maior de memria, poderhaver um uso excessivo de processamento, uma vez que sua alocao de dados no foi feita para alocar grandes quantidades na memria. O resultado disso um consumo maior de energia e, consequentemente, maior desgaste do equipamento e diminuindo o tempo de vida do mesmo. Se voc analisar o consumo de um equipamento com sistema operacional antigo em um hardware mais novo poder notar o consumo de alguns watts a mais do que o normal. Ao analisar um parque de vrios desktops em uma empresa, esta pequena diferena de watts somada quantidade de mquinas pode representar um custo razovel para uma empresa....Se voc analisar o consumo de um equipamento com sistema operacional antigo em um hardware mais novo poder notar o consumo de alguns watts a mais do que o normal...Ver para crerPara tornar mais fcil o entendimento basta realizar um teste simples: voc vai precisar de um wattmetro para medir o consumo em watts e 1 desktop ou notebook, com 2 parties distintas (uma com Windows XP e outra com Windows 7/8). Faa a instalao do sistema operacional em cada partio e, atravs do wattmetro, analise o consumo em watts do desktop/notebook em tarefas rotineiras.Em mdia, o consumo de energia do Windows 7/8 costuma atingir de 30% a 40% de economia se comparado com o Windows XP. Uma srie de tecnologias implementadas nos novos sistemas operacionais otimizam acesso ao processador, disco e demais dispositivos no computador. Somente este aspecto j representa uma economia significativa em consumo de energia, e voc, como profissional de infraestrutura, poder mostrar para sua empresa (ou cliente) que a rea de TI pode impactar na reduo de custos. TI deixa de ser a rea que gasta e passa a ser vista como a rea que ajuda na reduo de custos. Em equipamentos mais novos, instalar um sistema operacional menos recente pode representar dois pontos de preocupao: os drivers e o suporte ao hardware. Os fabricanteslanam novos equipamentos e perifricos com velocidade impressionante e o custo para manter suporte para dispositivos/equipamentos antigos exige um valor mais elevado. Alm disso, um sistema operacional mais antigo que no foi desenhado para um hardware/equipamento mais novo pode resultar em um uso no to eficiente, se comparado a um sistema operacional atual preparado para o mesmo.ConclusoNos exemplos citados fica claro que h um ponto de inflexo onde um sistema operacional no consegue aproveitar da melhor forma os equipamentos e dispositivos mais recentes. Manter softwares e equipamentos antigos pode representar uma economia a curto prazo, entretanto, a mdio e longo prazo pode acabar se tornando mais caro.2012 # 101 # PC&CIAOpinio59Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEntrevista60Reduo de custoscom servio de seguro de celularesaparelho eletrnico. Acidentes acontecem! E ningum est livre desta regra! Conversamos com Daniel Hatkoff, fundador da Pitzi, que apresentou um conceito inovador em seguro para celulares e smartphones, alm de ter dado dicas sobre o que fazer quando se adquire um novo Entrevistado: Daniel Hatkoff, fundador da Pitzi PC: Ao mandar aparelhos quebrados, o lixo deixa de ser uma preocupao para o cliente e passa a ser de responsabilidade da Pitzi. Como vocs lidam com o descarte e reciclagem dos componentes? DH: O descarte de um aparelho eletrnico deve ser considerado um caso dos mais extremos, pois tem implicaes muito srias em relao ao meio ambiente. Nossa proposta que os aparelhos sejam reparados de quaisquer danos. Em casos onde isso no seja possvel e a soluo seja enviar um aparelho novo, ainda h muito a fazer com o que est quebrado. H diversas organizaes que os reutilizam de muitas formas, tanto reaproveitando peas como encontrando outra funcionalidade. Nosso dever, alm de proteger os celulares, faz-lo de forma tica. Exemplos de como se deve proceder com aparelhos velhos podem ser encontrados no nosso blog: http:// blog.pitzi.com.br/. PC: H alguma dica que possa dar para diminuir a chance de acidentes com os aparelhos? DH: H, sim, algumas coisas simples que podemos fazer para no dar sorte para o azar! A primeira coisa a se pensar em proteger a tela, pois ela o que h de mais problemtico para se consertar. Por exemplo, existem algumas capas de celulares com uma borda mais alta, que ajudam a evitar que a tela seja danificada no caso de uma queda. As pelculas protetoras de tela so de extrema importncia para prevenir pequenos arranhes. Outro exemplo bom consiste em plugues que impermeabilizam algumas entradas do celular, de modo que se voc estiver num dilvio, seu celular no morrer afogado. PC: Quais so as dicas para quem adquire um novo aparelho? DH: O descarte de qualquer aparelho eletrnico, requer uma srie de cuidados. Por isso, preciso conscincia no momento de decidir qual ser o destino do aparelho. Ele funciona? Se o aparelho funcionar, doe para um conhecido que no tem, ou precise de um. Outras funes Que tal us-lo como MP3 player, despertador, calculadora, peso de papel, ou at um controle de ignio para o seu carro? Enviando para doaes Saiba que algumas entidades sociais e ONGs aceitam os aparelhos, fazem reparos e direcionam para quem faz bom uso do celular ou de suas peas. Algumas ainda remetem cartas ao antigo dono com o paradeiro do ex-aparelho. De volta ao fabricante Se o aparelho estiver totalmente inutilizado, uma das alternativas encaminh-lo para assistncias tcnicas autorizadas ou mesmo lojas de telefonia celular, pois elas fazem o descarte correto dos aparelhos e evitam qualquer dano ao meio ambiente. Reciclagem de eletrnicos H locais especializados em reciclagem de aparelhos eletrnicos. Leve os aparelhos velhos a um desses projetos e incentive-as. PCPC&Cia: Como surgiu a Pitzi e como ela funciona? Daniel Hatkoff: Temos 242 milhes de celulares no Brasil. Destes, 25,6% falham a cada dois anos e 18,1% dessas falhas ocorrem por acidente. Nenhuma garantia ou seguradora cobre falhas por acidente, ento a Pitzi surgiu para acabar com a dor de cabea que ter um celular quebrado e oferece um servio rpido, cmodo e confivel. A Pitzi um clube onde voc inscreve seu celular novo e fica protegido dos possveis acidentes que ocorrero com ele. Se o celular quebrar, o cliente envia o aparelho danificado por uma caixa Sedex pr-paga (disponibilizada pelo clube) e em at cinco dias teis ter seu aparelho devolvido, consertado. O Clube traz inovaes de logstica, knowhow tecnolgico e diverso para transformar o jeito como as coisas funcionam. Alm disso, a experincia dos especialistas da Pitzi garante que somente peas originais sejam utilizadas e que, caso necessrio, um aparelho novo seja enviado ao cliente. PC: Quando ocorre uma falha e o cliente no sabe explicar se hardware ou software, ele ainda pode mandar o aparelho? Como ser resolvido? DH: O Clube Pitzi protege celulares de qualquer dano que ocorra por acidente, seja de hardware ou software. No caso de uma falha, o cliente dever acessar sua conta, e ns entraremos em contato rapidamente. Assim, poderemos retirar o aparelho e avaliar o procedimento adequado, que ser realizado por nossos especialistas.PC&CIA # 101 # 2012CIOuma unio e BYOD: enfim,com final felizEduardo Siqueira Gerente de Canais da FortinetOmiai, ou casamento arranjado, uma tradio japonesa da Era Meiji na qual os casais acatavam a vontade dos pais. No existia o casamento por amor ainda depois do final da Segunda Guerra Mundial, e o costume perdurou at o final dos anos 60. Da mesma maneira, no d para dizer que a unio entre os CIOs (Chief Information Officers) e o BYOD (Bring Your Own Device) se deu por amor, mas agora j possvel que convivam em harmonia dentro do ambiente corporativo. Seguindo o contexto da analogia, os pais no casamento CIOs/BYOD so os gestores da corporao e os prprios colaboradores. De um lado, a empresa espera reduzir custos transferindo para o colaborador a responsabilidade pela manuteno de seu dispositivo, alm de aumentar a produtividade e a satisfao de seus funcionrios. Do outro, o colaborador deseja acessar constantemente sua aplicaes preferidas, especialmente mdias sociais e comunicao privada, por meio de um nico dispositivo dentro da empresa. Resta ao CIO estabelecer uma relao saudvel com o BYOD. De acordo com uma pesquisa sobre a perspectiva do BYOD feita pela Fortinet entre maio e junho deste ano, 55% dos 3.800 entrevistados responderam que entendiam utilizar seus dispositivos no trabalho como um direito e no um privilgio. Na prtica, no existe uma opo e sim uma adequao a esta nova realidade. Para um casamento dar certo necessrio entender as diferenas existentes e endere--las da melhor forma possvel. comum ouvirmos de que se trata de um jogo de concesses: um cede um pouco aqui e o outro ali e, assim, se faz o convvio harmonioso entre ambos. Desta forma natural que, para desfrutar de seu dispositivo pessoal dentro da empresa, o colaborador tenha que aceitar algumas polticas impostas pela corporao, uma vez que o BYOD por si s j traz uma gigantesca exposio de sua rede, aplicaes e dados. Os colaboradores descobriram que os dispositivos mveis no so submetidos s mesmas polticas que um desktop, e se aproveitam disso para acessar outras aplicaes durante o expediente, o que gera alto consumo da banda e uma queda de produtividade. Com a utilizao dos dispositivos fora da empresa, o risco de perda de dados aumenta muito, seja pela perda do aparelho em si, ou ainda por furto, roubo, ou mesmo por acidente, alm do fato de que h sempre o risco de infeco do aparelho. Outro desafio na busca pela segurana dos dispositivos mveis a inconsistncia de polticas entre os diferentes dispositivos. Para cada fabricante e verso de sistema operacional existem pequenas diferenas em que a poltica pode ser aplicada. Para exemplificar a situao, basta imaginar a complexidade a que se pode chegar na combinao entre os vrios fabricantes e as vrias verses de sistemas operacionais. Por outro lado, incontestvel a vantagem trazida pelo BYOD, sob o ponto de vista da conectividade, mobilidade, rapidez na obtenode respostas e, sobretudo, satisfao levada ao colaborador, sem contar a economia de custos que ele representa para a corporao. Assumindo-se que o saldo deste casamento entre o CIO e o BYOD seja positivo, qual seria ento a abordagem a tomar para que, no final, esta unio seja harmoniosa? preciso que se leve em conta uma estratgia direcionada tecnologia e que seja capaz de proteger de maneira abrangente. O CIO deve considerar como parte da soluo o dispositivo de segurana da rede, a aplicao e o usurio, onde quer que ele esteja. Para a segurana da rede, a soluo deve contemplar firewall, preveno de intrusos, controle de aplicaes, acesso remoto seguro e anti-malware e Filtro de Contedo Web. J com relao ao risco de vazamento de dados, necessria uma proteo granular que contemple uma tecnologia como DLP (Data Leak Prevention). Por ltimo, a proteo de usurios deve ser feita quando o colaborador estiver fora da empresa, permitindo uma comunicao criptografada de qualquer localidade, somada, se possvel, a um mecanismo de autenticao de dois fatores como um token, garantindo que o usurio daquele dispositivo mvel de fato o colaborador. Com esta abordagem, torna-se definitivamente possvel abenoar o casamento entre o CIO e a tendncia BYOD - to importante nos dias atuais. A harmonia entre os dois proporciona somente ganhos, tanto para a corporao quanto para o colaborador, o que j representa um incio de final feliz para PC ambas as partes.2012 # 101 # PC&CIATendncias61Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brTendncias62BYOD: equilbrio em busca doA tendncia corporativa demonstra atualmente que o fenmeno BYOD, quando o funcionrio utiliza seu prprio dispositivo no trabalho, est deixando de ser um preconceito e dever ser adotado de forma geral. Por qu?perfeito entre flexibilidade e seguranaFernando Mollon Diretor geral, VMware Amrica LatinaAtualmente, tecnologia e produtividade andam lado a lado. Um rob qua se milagroso chega a Marte e nos envia fotos que comprovam a existncia de neve de hidrognio no planeta vermelho. As ferramentas e equipamentos complexos se tornam cada vez mais fceis de manusear e as normas que ontem regiam o mundo corporativo, agora tomam outros rumos devido aos imperativos da tecnologia e sua aplicao para o crescimento da produtividade. A tendncia corporativa demonstra atualmente que o fenmeno BYOD (Bring Your Own Device - ou traga o seu prprio dispositivo) est deixando de ser um preconceito e dever ser adotada de forma geral. Por qu? Primeiro porque representa um corte drstico nos custos de uma empresa que at agora tinha que prover smartphones, tablets e laptops aos seus funcionrios, gastar com manuteno, substituies, planos de telecomunicaes, programas e aplicativos. Com o BYOD elasaproveitam a possibilidade de fazer com que seus prprios funcionrios se abasteam com seus equipamentos e assumam suas exigncias e custos. E acontece que as empresas entraram em um perodo ps-PC, no qual a rede deve se adaptar s novas opes. A virtualizao dos desktops em nuvem impe a centralizao das operaes em uma plataforma remota e o acesso a ela a partir de vrios dispositivos mveis.BYOD, crescimento e seguranaUm estudo recente realizado pelo instituto Gartner demonstrou que, embora as empresas acreditem que cerca de 34% dos usurios se conectam nas redes corporativas com dispositivos pessoais, a realidade que a cifra chega a 69%. Por isso, o mesmo estudo concluiu que 60% dos CIOs planejam estabelecer em curto prazo uma poltica flexvel, segura e escalvel para atender ao desafio do BYOD (Gartner, User Survey Analysis: Impact...garantindo que as empresas com uma poltica BYOD disponham de uma vantagem competitiva sobre as demais...PC&CIA # 101 # 2012of Mobile Devices on Network and Data Center Infrastructure, Junho de 2012). A tendncia est se convertendo em uma exigncia real porque, uma vez que as empresas contratam pessoas que esto sempre em movimento, oferecem a oportunidade de trabalhos mais ativos, mantm os funcionrios disponveis por mais horas ao dia e, sobretudo, cumprem o critrio de 80% dos gerentes de TI, garantindo que as empresas com uma poltica BYOD disponham de uma vantagem competitiva sobre as demais. Todavia, essa tendncia tambm implica um risco de segurana. Pesquisa publicada pela empresa global de tecnologia Cisco Inc. no ltimo ms de maio - realizada com 600 gerentes de TI e de negcios nos EUA - sugere que, ainda que a maioria das empresas aceite o fenmeno, e 95% dos entrevistados afirmem que suas organizaes permitem o uso de dispositivos de seus funcionrios no ambiente de trabalho, na realidade h uma incerteza generalizada de que devem combinar as preocupaes com a segurana e o suporte tecnolgico aos benefcios derivados da tendncia BYOD (Cisco, BYOD e Virtualizao: 10 concluses destacadas do estudo da Cisco, Estudo Cisco IBSG Horizontes, Junho de 2012). A esse propsito, Neil Sutton, vicepresidente da Carteira Global da BT Global Services, disse recentemente que o gnio BYOD saiu da lmpada para oferecer oportunidades sem precedentes s empresas, mas tambm novas ameaas. Por ta nto, h o desa f io de cria r ferramentas que permitam colocar nas mos das empresas plataformas inovadoras, capazes de oferecer um espao de trabalho corporativo flexvel em nuvens para os trabalhadores mveis - o que significa a possibilidade de conectar-se a partir de qualquer ponto utilizando qualquer dispositivo. Sem dvida, trata-se de permitir aos clientes transformar o legado do desktop Windows na era da computao em nuvem. Somos convocados a adotar uma plataforma flexvel, capaz de combinar os princpios de identidade, contexto e poltica para separar os espaos de trabalho pessoais e de negcios, mas permitindo um acesso consistente s aplicaes e dados atravs de qualquer dispositivo pessoal....trata-se de obter um equilbrio entre flexibilidade e segurana para abrir as portas da forma adequada para uma realidade qual ningum poder resistir....A Gartner afirmou que a demanda pelo BYOD mais forte nos pases BRIC (Brasil, Rssia, ndia e China) devido maior presena de funcionrios jovens e da gerao E, em comparao com os mercados mais maduros. A esses quatro pases, somam-se tambm outros pases da regio, como o Mxico. Acrescente-se a penetrao dos smartphones no mercado que outro fator associado a esse fenmeno, e que impe o uso de solues em nuvem (Gartner, User Survey Analysis: Impact of Mobile Devices on Network and Data Center Infrastructure, Junho de 2012). Falando especificamente da nossa regio, o nmero de funcionrios adeptos do BYOD poderia superar 60% at o ano 2015, sobretudo com o grande nmero de pequenas e mdias empresas existentes, segundo disse imprensa Federico Amprimo, diretor de programas de vendas e marketing integrados para a Amrica Latina da IDC. Durante a ltima conferncia Consumerizao da TI, organizada pela IDC em Santiago do Chile, foi confirmado que 43% dos que acessam as redes corporativas o fazem com seus prprios smartphones, e 19% com seus prprios tablets (IDC, Conferncia Consumerizao da TI, Federico Amprimo, Junho de 2012). Hoje em dia, a oferta de Virtual Desktop Infrastructure (VDI), fcil de implementar, capaz de hospedar entre 50 e 1000 desktops virtuais e abastecer centenas deles em menos de uma hora, o que ideal para as pequenas e mdiasDas novas geraes s pequenas e mdias empresasempresas. O modelo pode ser ampliado para grandes organizaes. Tudo aponta para o aumento da crescente fora de trabalho mvel, que coloca os trabalhadores disposio 24/7 para atender s necessidades da empresa que, com a implementao de nuvens de alto rendimento compatveis com os aplicativos j existentes, permite aumentar a produtividade, reduzir os custos, manter o desktop virtual sempre ao alcance do dispositivo mvel, e contar com solues seguras. Portanto, as empresas que desenvolvem as solues so convocadas a investir e inovar no que se refere computao para o usurio final. Isso ajudar as organizaes de TI a livrarem-se dos escritrios, redefinindo o espao de trabalho e adotando uma nova forma de trabalhar na era ps-PC.ConclusoO grande desafio ser entregar solues integradas que permitam a gesto adequada de escritrios fsicos e virtuais, que incluam sistemas simplificados e a administrao de aplicaes, maior segurana e controle, uma grande disponibilidade e agilidade, alm de trabalhar com base em ferramentas que ajudem os ad ministradores de TI oferecendo a melhor arquitetura do seu ambiente e o necessrio para uma implementao rpida do desktop administrado. Sem dvida nenhuma, trata-se de obter um equilbrio entre flexibilidade e segurana para abrir as portas da forma adequada para uma realidade qual PC ningum poder resistir.2012 # 101 # PC&CIATendncias63Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEdio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEntrevista64BYOD tendncia inevitvel, se no pode venc-los...A tendncia das pessoas levarem seus prprios equipamentos para o trabalho, conhecida como BYOD, comea a ser observada pelas empresas. Para que os nossos leitores tenham uma viso melhor do que ela causa no mercado, conversamos com Cezar Taurion, Gerente de Novas Tecnologias da IBM Brasil. Segundo ele, a melhor opo para as empresas se adequar em vez de ignorar ou resistir. PC: Algumas pessoas dizem que o BYOD uma tendncia inevitvel. Como lidar com isso? CT: Cada vez mais a adoo de tecnologias surge no mercado de consumo, sendo depois adotada, pelas empresas. Hoje, por exemplo, os dois maiores eventos de novidades tecnolgicas so o CES (Consumer Electronics Show) e o MWC (Mobile World Congress). Antes apenas consumidores apareciam por l e agora grande parte do pblico formada por profissionais e gestores de TI. Alm disso, as maiores empresas de tecnologias e servios de TI tm stands nesses eventos. Assim, a consumerizao, ou seja, a influncia dos usurios que adotam primeiro tecnologias de ponta como smartphones e tablets, e, consequentemente, querem us-las nas empresas, forte e no deve diminuir nos prximos anos. Portanto, a estratgia de mobilidade das empresas deve contemplar o fato de que os funcionrios esperam utilizar no seu trabalho os equipamentos que j esto acostumados a usar no seu dia a dia pessoal. Surge ento o fenmeno do BYOD (Bring Your Own Device). O usurio traz seu prprio dispositivo e o integra nos sistemas da corporao. O BYOD cria uma disrupo no atual modelo de controle rgido por parte de TI quanto a homologao e uso dos dispositivos de computao pelos seus usurios. Para muitas empresas este movimento tem sido visto dePC&CIA # 101 # 2012 Gerente de Novas Tecnologias IBM BrasilCezar Taurionforma positiva, mas para outras a reao tem sido totalmente negativa. No entanto, com o tempo, as que lutam contra tero que aceitar o jogo, caso contrrio perdero muitos dos seus principais funcionrios. PC: Na sua opinio, como voc enxerga a adoo de BYOD? Realmente vai haver uma grande mudana nos negcios e meios de trabalho, ou a tendncia passageira? CT: BYOD inevitvel, mas como as empresas so compostas de pessoas, sua formas de reao, muitas vezes emocionais, quando confrontadas com novas ameaas s suas prticas e polticas, me lembram de um livro que li h muitos anos atrs, chamado de On Death and Dying, da mdica Elisabeth Kbler-Ross. Adaptando as reaes das empresas frente a quase catstrofes s das pessoas quando frente perspectivas da morte, observamos que as reaes so muito similares. Os estgios das pessoas frente perspectiva da prpria morte so, primeiro o choque e a negao, depois vem a raiva, a barganha, a depresso e, finalmente, a aceitao. Vamos olhar a reao de algumas empresas frente ao movimento BYOD. Primeiro o choque e a negao. Vemos declaraes de executivos de muitas empresas dizendo que BYOD no aceitvel diante das polticas restritas de segurana adotadas pela empresa. Serve para outras empresas, no para a minha...BYOD no um movimento consistente e slido e que em breve ser apenas mais uma moda que ficar para trs. A reao negar a existncia do movimento BYOD, ou pelo menos ignor-lo. Exatamente como as pessoas reagem: no acreditam no diagnstico e se negam a acreditar que exista algo errado com elas. Depois vem a raiva. As pessoas se mostram inconformadas e se perguntam por que comigo?. No mundo corporativo a reao similar. a reao emocional, atacando o movimento BYOD com intensidade. o momento de empregar a tcnica do FUD (Fear, Uncertainty and Doubt medo, incerteza e dvida), tentando mostrar os riscos para a segurana e as desvantagens do novo inimigo. Vem ento o momento da barganha. Acreditamos que promessas podem trazer a cura. Se eu ficar curado, juro que.... Na nossa analogia surgem as iniciativas como permisses restritas. OK, traga seu smartphone, mas no use o DropBox e no esquea que posso apagar o contedo dele quando voc for desligado da companhia! A depresso vem a seguir. As pessoas perdem interesse pela vida. No BYOD o caos. No ser mais possvel garantir a segurana das informaes. Perdemos o controle da situao... E finalmente, a ltima etapa a aceitao. Se no posso lutar contra, melhor conviverda melhor forma. No ambiente corporativo, o BYOD se traduz em: por que no desenhar uma estratgia que considere a mobilidade como o cerne dos dispositivos de acesso? E, com isso, redesenhar as polticas de governana, segurana e privacidade criadas no tempo dos desktops? O BYOD desafia o tradicional modelo de controle ditatorial da rea de TI sobre quais e como os dispositivos mveis podem ser usados nas empresas. Smartphones e tablets j fazem parte do nosso dia a dia. Inovaes nas suas interfaces surgem a cada hora e impedir seu uso, ou pior, no explorar estas novas tecnologias para trazer vantagens competitivas desperdiar chances que no sero mais recuperadas. BYOD no uma tendncia passageira, mas um novo modelo de adoo de tecnologias, que as empresas, queiram ou no, tero que adotar. PC: Voc considera o BYOD como reduo de custos e aumento de produtividade, ou como brecha de segurana e um trabalho a mais a ser feito pelo departamento de TI? CT: Toda novidade tecnolgica gera um novo desafio de segurana. A razo simples: os processos de segurana so estabelecidos em cima de tecnologias e processos j existentes. Quando surge algo novo, um risco potencial, sem dvida. Mas o fenmeno do BYOD ocorre porque, usando-se um tablet ou smartphone, torna-se cada vez mais difcil separar as atividades que executamos profissionalmente das que so estritamente pessoais. Acessar via smartphone ou tablet um buscador como o Google, ou entrar no Facebook, pode representar a obteno imediata de uma informao til para o cumprimento de uma tarefa de negcios. A presso por parte dos usurios, sejam eles executivos ou operacionais, pelo uso de seus dispositivos pessoais no trabalho grande, e tende a aumentar na medida em que eles se disseminam. Hoje um tablet ou smartphone j o objeto de desejo de quase todos ns, suplantando o velho PC. Impedir BYOD praticamente impossvel. Se a rea de TI tentar impedir seu uso, descobrir que os usurios encontraro, por conta prpria, meios de acessar os dados corporativos. Por outro lado, embora TI no deva e nem possa impedir a onda do BYOD entrar nas empresas, necessriodesenhar uma estratgia de mobilidade clara e objetiva. Uma pesquisa da Symantec mostrou que embora 90% dos funcionrios das empresas pesquisadas admitissem poder usar seus prprios dispositivos mveis no trabalho, 60% das empresas no tinham uma poltica especfica para BYOD. Claramente existe uma lacuna que gera insegurana e riscos de exposio indevida de informaes corporativas. A nuvem pessoal merece um captulo a parte. A sua facilidade de uso incentiva os usurios a adotarem nuvens como iCloud e Dropbox para armazenarem suas informaes pessoais, mas entre elas podem estar tambm muitas informaes corporativas. Por exemplo, entre as fotos pessoais podem estar fotos de produtos ainda em testes, no lanados ao pblico, ou o contedo de webinars internos. E, o pior, um usurio pode fazer uso de diversas nuvens, o que amplifica a complexidade das iniciativas de segurana. As empresas devem adotar uma poltica de BYOD de acordo com suas prprias caractersticas e necessidades. Na verdade podemos pensar em um balanceamento entre duas foras: uma inibidora, que seriam as presses por segurana, sejam elas internas (cultura organizacional avessa a riscos e a novidades tecnolgicas) ou externas (aderncia a regras especficas do setor de indstria) e outra, impulsionadora, que o valor que a mobilidade e a estratgia de BYOD traro para o negcio. Assim, salvo poucas excees de empresas que avaliem que a presso por segurana seja muito alta e o valor para o negcio baixa, e portanto BYOD ser inibido ou impedido, a maioria vai identificar claramente que os riscos existem e a presso por segurana no desprezvel, mas os benefcios de uso de smartphones e tablets sero claros e tangveis. Compensar, portanto, desenhar uma estratgia de BYOD, que defina uma poltica para acesso e uso seguro aos dados e sistemas corporativos. necessrio implementar tecnologias e processos de segurana adequados a este novo contexto, com tecnologias que incluam virtualizao do dispositivo, MDM (Mobile Device Management) e NAC (Network Access Control). PC: Se os sistemas operacionais dos aparelhos forem danificados, seja por vrus ou por uso incorreto, os funcionrios podero culpar a empresa? A empresa seresponsabilizar pelo aparelho enquanto ele estiver no ambiente de trabalho? CT: Para responder a esta pergunta, nada melhor que um exemplo prtico. A IBM um exemplo interessante de uso de BYOD. Est implementando uma estratgia BYOD para seus mais de 400.000 funcionrios no mundo todo. uma fora de trabalho altamente mvel e, portanto, adotar uma estratgia BYOD faz todo o sentido, pois traz alto valor para o negcio. Por outro lado, no pode correr o risco de perder o controle sobre dados essenciais e crticos a sua operao, uma vez que o mercado de TI altamente competitivo. Assim, a IBM adotou uma poltica BYOD que libera seu uso, mas mantm controle sobre aspectos crticos. Por exemplo, a poltica explcita que o funcionrio que quiser usar seu prprio dispositivo concorde que seja instalada uma tecnologia chamada Tivoli Endpoint Manager, que permite que a empresa apague o contedo dos dispositivos em caso de perda, roubo ou mesmo sada do funcionrio da companhia. Alm disso, a poltica BYOD impede o uso de nuvens pblicas como Dropbox e iCloud, alm do Siri, assistente pessoal criado no iPhone 4S. O Siri, por exemplo, envia dados de voz para a nuvem da Apple para que seja feito o reconhecimento e interpretao da voz. Ele tambm exige acesso a informaes pessoais como contatos e ganha acesso localizao do aparelho. Todas estas informaes so enviadas para a nuvem da Apple, na qual a IBM no tem nenhum controle. Assim, o framework de MDM (Mobile Device Management) adotado desabilita o acesso ao Siri para os dispositivos usados na poltica BYOD. A ideia que tarefas simples como agendar reunies, enviar e-mails, adicionar contatos e configurar lembretes podem parecer tarefas inocentes primeira vista, mas embutem riscos potenciais se forem gravadas e analisadas em um local inadequado. PC: Quais so os pontos principais para uma boa poltica geral de BYOD? CT: Recomendo desenhar uma estratgia de BYOD, que defina uma poltica para acesso e uso seguro aos dados e sistemas corporativos. Mas no s isso. necessrio estimar os custos para manter esta poltica, pois o ciclo de atualizao dos smartphones e tablets muito mais rpido que os dos PCs, bem como a rea de RH deve ser2012 # 101 # PC&CIAEntrevista65Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.br66envolvida, uma vez que os usurios estaro potencialmente conectados 24 horas. A estratgia BYOD deve ser implementada de forma corporativa e multidisciplinar, e no apenas por TI. Alm de TI, que deve liderar o processo, tambm as reas jurdicas, RH e claro, as de negcios, devero desenhar em conjunto esta estratgia. O que deve constar na estratgia? Sugiro listar alguns pontos importantes que incluem: A) Quem vai pagar os gastos com compra dos aparelhos e suas taxas mensais de uso? Geralmente, os funcionrios pagam e a empresa arca com os custos mensais de sua utilizao. B) Quem fornecer o suporte tcnico? Algumas empresas suportam um conjunto finito de aparelhos, deixando os demais por conta dos fornecedores. Neste ltimo caso, o funcionrio quem deve correr atrs do suporte. No caso de suporte interno, no se esquea de preparar os tcnicos para que tenham os skills adequados. O esforo maior do suporte interno provavelmente ser de resolver problemas mais ligados interfaces dos dispositivos mveis com os aplicativos internos, e menos com as caractersticas tcnicas dos aparelhos. C) Que aparelhos sero aceitos na poltica BYOD? Hoje existe uma profuso de aparelhos e necessria uma limitao, principalmente por questes de segurana. Assim, sugiro, para minimizar estes riscos, que sejam definidos limites mnimos de funcionalidades de segurana que o aparelho implementa, para que possa ser aceito na poltica BYOD da empresa. Por exemplo, necessrio dispor de funcionalidades que permitam controle de sincronizao, roaming, uso de senhas, timeout por inatividade, criptografia de dados e desabilitao remota, em caso de roubo ou perda. D) Enfatize educao no uso destes equipamentos, mostrando claramente os riscos de uso indevido, quais softwares so permitidos, o que bloqueado, e assim por diante. E) Estabelea claramente as regras de uso, e torne obrigatria sua divulgao e aceite formal por todos funcionrios que fizerem parte da poltica BYOD. F) Implemente tecnologias e processos de segurana adequados a este novo contexto, com tecnologias que incluem virtualizao do dispositivo, MDM (Mobile Device Management) e NAC (Network Access Control).PC&CIA # 101 # 2012Edio Gratuita. Download em www.revistapcecia.com.brEntrevistaImpedir BYOD praticamente impossvel. Se a rea de TI tentar impedir seu uso, descobrir que os usurios vo encontrar, por conta prpria, meios de acessar os dados corporativos...PC: Para voc, qual a maior vantagem e desvantagem que se tem com o BYOD? CT: O cenrio da consumerizao e o fenmeno do BYOD iro ganhar a guerra, se que existe mesmo tal guerra contra ela por parte da TI, mais cedo ou mais tarde. Portanto, em vez de lutar contra, a rea de TI deve liderar o processo de aglutinar a empresa em uma estratgia corporativa de mobilidade e poltica BYOD, definindo claramente o que pode, e o que no pode e nem deve ser usado. Com o BYOD e a consumerizao, o foco das iniciativas de segurana deve passar da gesto e controle do equipamento fsico (como fazemos no mundo atual do PC) para gesto e controle da informao, onde quer que ela esteja. Este o cerne da mudana de paradigma de MyDocuments (tipico do PC) para MyDropbox, emblemtico do novo mundo centrado nas nuvens. O mundo que podemos chamar ps-PC ou mesmo neo-PC (lembrando que PC passa a ser Personal Cloud) um novo estilo de usarmos computadores. No somos agora mais dependentes de um nico aparelho, o onipresente Personal Computer, mas podemos ter acesso aos nossos documentos, fotos e aplicativos a partir de qualquer dispositivo e de qualquer lugar. uma viagem sem retorno. Os usurios esto cada vez mais acostumados com as facilidades proporcionadas pela mobilidade e interfaces touchscreen. A prxima gerao digital talvez nem saiba mais usar um mouse e muito menos conseguiro imaginar porque era necessrio copiar um arquivo para um pendrive para ento lev-lo para outra mquina. Smartphones no usam pendrives! Este mundo do Personal Cloud provoca uma profunda mudana no que dever ser a TI de uma empresa. As velhas ideias de processos de homologao, nos quais selecionava-se quais dispositivos a empresa iria suportar, no est mais adequada velocidade com que os aparelhos surgem no mercado. Estes processos precisam serrevistos e modernizados. Em poucos meses o mercado de smartphones e tablets muda significativamente. Os usurios hoje escolhem para seus smartphones e tablets os aplicativos que querem, com interfaces intuitivas. Simplesmente vo a uma App Store. Por outro lado, nas empresas, tm que lidar com muitas barreiras para acessarem sistemas internos e precisam cursos de treinamento de vrios dias para poder us-los. Talvez a TI tenha que repensar sua arquitetura. Claro que continuaro existindo sistemas integrados e complexos, mas ser que muitas vezes pequenos e intuitivos apps no resolveriam muitos dos problemas dos usurios? Alm disso, por que dentro da empresa o usurio s pode ter acesso a determinado sistema por um PC? Em casa ele acessa os servios que quer a partir de qualquer dispositivo. Outra mudana o conceito de selfservice. Para se usar um DropBox ou qualquer outro servio disponvel em uma nuvem, o usurio vai l e, por conta prpria, se serve. o conceito de self-service por excelncia. E ele se questiona... Por que, para cada coisa que preciso da TI na minha empresa tenho que falar com algum? Por que no posso ter autosservio para solicitar o que preciso? Na verdade estamos dando os primeiros passos em direo ao mundo do Personal Cloud, onde no mais o PC e sim a nuvem ser o centro das informaes e servios de computao. Samos do mundo dos equipamentos para o mundo dos servios. Cloud Computing , em ultima instncia, TI-as-a-Service. Para a TI do mundo corporativo isto significa que cada usurio, seja ele funcionrio ou cliente, vai demandar acesso aos seus sistemas de qualquer dispositivo, em qualquer lugar. E ele mesmo quer se servir destes servios. Neste cenrio, TI dever aparecer para seus usurios como uma nuvem. O conceito tradicional que usvamos de client-server passa a ser client-cloud, com os dispositivos clientes, smartphones e tablets sendo escolhidos pelos seus prprios usurios. PC um novo mundo.