Revista Vitrine Minas - Edição 38

  • Published on
    26-Mar-2016

  • View
    226

  • Download
    8

DESCRIPTION

Leia nesta edio a expedio realizada pelo documentarista Fernando Lara com um grupo de pessoas de Minas Gerais na floresta amaznica. Veja ainda um pouco das delcias da culinria de Belm, capital do Par.

Transcript

Publicao mensal da E2C Editora | Ano Iv, edio no 38 - Abril de 2013 | Distribuio gratuitaAventura selvAgemDocumentarista leva grupode Minas Gerais paraparticipar de expediona Floresta AmaznicaFOTO DE FERNANDO LARARevista mensal de vaRiedadesDistribuilo dirigida em Ipatinga,Coronel Fabriciano e TimteoDistribuio gratuita nosnibus da Viao Presidente,entre Belo Horizonte e Ipatinga.Circulao dirigida em Ipatinga,Coronel Fabriciano e Timteowww.vitrineminas.com.brPublicao mensal da E2C EditoraTels: (31) 3822-9152Avenida Macap, 335, loja 4, VenezaIpatinga/MG CEP 35164-253vitrine@vitrineminas.com.breditora.e2c@gmail.comEditor GeralRuisley Chaves - (31) 9415-6433ruisley@gmail.comComercialDra Chaves - (31) 9415-6424dora@vitrineminas.com.brColaboraram nesta edio Flvio Sad, Edlayne de Paula e Guilherme Chaves (Ipatinga-MG)CTP e Impresso: Cartonagem e Grfica Vale do AoSantana do Paraso/MG - (31) 3821-2473Tiragem desta edio: 2.730 exemplaresVITRInE MInAS IMPRESSA EMPAPEl CouCh 90G. CoM CERTIFICAoAMbIEnTAl E CTP EColGICo.Os artigos assinados so de responsabilidade de seus autores eno expressam a opinio da revista.Proibida a reproduo parcial, total ou qualquerforma de utilizao desta publicao sema autorizao prvia do Editor, conforme previstona lei Federal 9.610, de 19 de fevereiro de 1998,artigo 7, que trata dos Direitos Autorais.Conhea um pouco dos saboresda cozinha ParaensePgina 8O Parque municipal, bem no cento de BH,tem cerca de 280 espcies de rvoresPgina 8O Pato ao Tucupi uma das referncias grastronmicas na capital, Belm, que oferece ainda outras opes de sabores irresistveis, inclusive com sobremesas deliciosas.Qualidade em sade pblicaPgina 10A inaugurao das melhorias e ampliao no Pronto Socorrodo Hospital Mrcio Cunha, em Ipatinga, mostra que possvel oferecer atendimento de qualidade aos pacientes do SUS.Carro futurista faz at 111 km/lPgina 12Fabricado na Alemanh, pela Volkswagen, o XL1 usadois motores, um movido a diesel e outro eltrico. Desenvolve apenas 69 cv e 160 km/h, mas faz surpreendenres 111 km/l.4 | Abril.2013expedio levamineiros paraAmazniaFOTO DE ELVIRA NASCIMENTOAbril.2013 | 5esPeCIAlPor Edlayne de PaulaNada de folia, blocos de rua ou aquela animao que envolve as cida-des em poca de Carnaval. O que um grupo de sete mineiros procurou no feriado mais pago do calendrio bra-sileiro, foram as belezas que envolvem a maior biodiversidade do mundo: a Floresta Amaznica. A Expedio Cul-tural Amaznia I no teve nada de mordomia, conforto de hotel, ar con-dicionado ou restaurante. Os expedi-cionrios ficaram 8 dias acampados fazendo a prpria comida no campo, alm de enfrentarem as chuvas dirias e os mosquitos da regio. O projeto uma realizao da Fau-na e Flora Documentrios e foi chefia-do pelo experiente documentarista de natureza, Fernando Lara, que registra a vida selvagem h 13 anos no Bra-sil e no mundo. A expedio uma extenso do Curso de Documentao e Comportamento em Selva realizado entre novembro e dezembro de 2012. Durante esta primeira fase, os alunos aprenderam tcnicas de sobrevivncia em selva; rastreamento e documenta-o de animais selvagens sem a ne-cessidade de captura; camuflagem e primeiros socorros aplicados a selva. O treinamento foi realizado com au-las tericas e prticas na reserva de Mata Atlntica do Stio Recanto Fauna e Flora, na localidade do Achado, em Santana do Paraso (MG).Na Amaznia, os alunos tiveram a oportunidade de colocar em prtica mais uma vez, tudo que aprenderam comigo no Curso. O mais importante a experincia real que uma expedi-o como esta pode proporcionar a vida profissional e pessoal destes alu-nos, e principalmente a troca de ideias com a populao local, explica Fer-nando Lara. As atividades foram concentradas na regio da APA Caverna do Maro-aga, em Presidente Figueiredo, a 1006 | Abril.2013quilmetros de Manaus. Mais do que o contato com a fauna e flora local, os alu-nos tiveram a oportunidade de conhe-cer e pesquisar a vida dos ribeirinhos. A hospitalidade da populao local foi um dos principais elogios do grupo mineiro.O corao do amazonense pare-ce proporcional ao gigantismo territo-rial e diversidade do estado. A acolhida ao grupo foi to aconchegante que nos despertou laos de amizade to profun-dos que s vezes a emoo nem cabia em si, marejando as vistas relata o ipa-tinguense, Rainer Bicalho. A fotgrafa Elvira Nascimento descreve com mais lirismo sua experincia na expedio. Ainda sonho com a Amaznia. Acor-do a noite e penso que estou dentro da barraca. Tudo que vivemos l foi muito forte, intenso, afirma. A imensido dos rios e a troca dos carros pelos barcos foi o que mais im-pressionou a biloga de Caputira (MG), Clarice Sousa, que tambm comps o grupo que estava na Expedio. A per-cepo de que estvamos a horas de qualquer tipo de socorro tecnolgico mostrava as dificuldades de integrao dessas reas to inspitas. Restavam-nos pedir ajuda a quem conhecia ali como a palma de sua mo - os ribeirinhos. Quanta cordialidade!, relembra.PROgRAmA - As experincias vividas na Amaznia no ficaro apenas na memria dos alunos. Todos os mo-mentos vo virar programas especiais que sero exibidos em 2013 na tela da TV Cultura Vale do Ao. Os episdios sero veiculados na segunda temporada do Rotas Verdes Brasil TV que ainda re-serva para 2013, expedies pela Mata Atlntica e Pantanal.A Expedio Cultural Amaznia I uma realizao da Fauna e Flora Docu-mentrios, patrocnio da Sucateira Vale do Ao, com parcerias da Invista Comunica-o, Putz Filmes, Dirio do Ao, TV Cul-tura Vale do Ao e Revista Vitrine Minas, e conta com o apoio do Centro Estadual de Unidades de Conservao (CEUC) r-go ligado ao Governo do Amazonas. Veja mais informaes e fotos da expedio no site www.rotasverdesbrasil.com.brFOTO DE ELVIRA NASCIMENTOFOTO DE CLARICE SOuzAFOTO DE ELVIRA NASCIMENTOAbril.2013 | 7FOTO DE CLARICE SOuzAFOTO DE ELVIRA NASCIMENTO FOTO DE ELVIRA NASCIMENTOFOTO DE CLARICE SOuzA8 | Abril.2013Belm, capital do Par, uma da-quelas cidades que guardam deliciosas surpresas. Moderna, a cidade limpa e tem suas ruas e avenidas bem cui-dadas. E ainda oferece uma variedade opes gastronmicas que fazem o vi-sitante desejar voltar cidade o mais rpido possvel.Banhada pelo encontro das guas dos rios Guam e Acar, formando a Baa do Guajar, Belm oferece no fi-nal do dia um esplendoroso por-do--sol. tambm que est localizada a Estao das Docas.O antigo porto de Belm teve res-taurado e adaptados trs de seus gal-pes, transformando-os em reas multiuso. O Armazm 1 abriga o Bou-levard das Artes, onde acontecem ma-nifestaes artsticas e culturais. J no Armazm 2, est o irresistvel Boule-vard da Gastronomia, com seus bares e restaurantes. E o Armazm 3 abriga o Boulevard das Feiras e Exposies.E foi em um dos restaurantes do Boulevard da Gastronomia que a re-vista Vitrine Minas encontrou uma de-liciosa surpresa: o Capone Ristorante. A casa oferece um variado buffet que torna impossvel no cometer o peca-do da gula. Merecem destaques alguns dos pratos tpicos da surpreendente e saborosa culinria local: arroz paraen-se, manioba, Filhote grelhado (peixe tpico de Belm), pato no tucupi, risoto de pato, risoto de jambu e o sorvete de Cupuau (fruto amaznico).seRvIO Capone Ristorante. Estao das Docas, galpo 2, Belm--PA. Funciona diariamente a partir das 12h e vai at a meia noite, sendo que de quinta-feira a sbado, o atendimen-to estendido at as 2h. Telefone: (91) 3212-5566.As delcias da cozinha tpica de BelmCalcado das Docas, em frente a Baia do Guajar: visita obrigatria para quem vai a BelmCapone Ristorante, uma das timas opes gastronmica nas DocasAbril.2013 | 9As delcias da cozinha tpica de BelmManioba com farofa, um dos pratos tpicos do Par Risoto de Filhote ao pesto com castanhas do Par uma das iguarias servidas no Capone RistoranteO Tacac um caldo feito com folhas de jambu (hortalia tpica), goma e camares10 | Abril.2013Apenas um dia aps a cerimnia de inaugurao das obras de ampliao e modernizao do Hospital Mrcio Cunha, realizada no dia 25 de abril e que contou com a presena do Governador de Minas Gerais, Antnio Anast-sia, do Presidente da Usiminas, Julin Eguren, da Prefeita de Ipatinga, Ceclia Ferramenta, alm de diversas autoridades de mbito regional e estadual, o novo Pronto-Socorro deu incio ao atendimento de pacientes peditricos do Sistema nico de Sade (SUS), de convnios e da Usisade, conv-nio de assistncia mdica mantido pelo prprio hospital. O primeiro paciente a passar pelas novas instalaes foi o pe-queno Davi Luiz Pereira da Silva, de um ano e sete meses.Os pais e a tia do menino buscaram assistncia por con-ta de uma virose e, at chegarem ao hospital, no sabiam que j seriam encaminhados para o atendimento na recm--criada Unidade de Observao Infantil e Urgncia Peditri-ca. Foi uma surpresa quando entramos aqui, contou Da-niel Felipe da Silva, pai do garoto. Foi rpido e timo. No podemos nem comparar com outros lugares, completou.A me de Davi, Neuzely Pereira da Silva, tambm apro-vou as novas instalaes exclusivas para Pediatria, um dife-rencial do Hospital Mrcio Cunha. Quando chegamos, es-tava mostrando para o Davi as cadeirinhas, o fraldrio, o Cantinho de Amamentao que tem ali e o banheiro adap-tado para as crianas. Percebi que ele ficou mais animado, mais alegre e mais tranquilo. E a criana fica mais a von-tade, fica entretida com mais crianas num espao s para elas, at serem atendidas, resumiu.sade pblicacom qualidadeFOTO DE NILMAR LAgEA nova Unidade de Observao Infantil e Urgncia Peditrica do Pronto-Socorro conta com oito leitos de atendimentoAbril.2013 | 11O novo Pronto-Socorro da Unidade I do Hospital Mrcio Cunha pos-sui estruturas projetadas tendo como referncia os melhores hospitais do Pas. A nova estrutura de 2.800 metros quadrados de rea construda, possui ainda ampla recepo para pacientes e acompanhantes, Unidade de Observao para Adultos com 17 leitos de atendimento, oito novos consultrios, Sala de Urgncia Clnica e salas de Servio Social, Treina-mentos e Gesto.NOvA eTAPA - A ampliao e modernizao do HMC, referncia para mais de 785 mil habitantes da regio, recebeu investimentos da ordem de R$ 28,5 milhes. O HMC hoje o terceiro hospital de Mi-nas Gerais em nmero de internaes pelo SUS. O Plano Diretor de obras previsto para o hospital ipatinguense segue agora para uma se-gunda etapa, que ser concluda em 2015. No total, sero R$ 42,7 mi-lhes em investimentos.12 | Abril.2013Fabricado em Osnabrck, distante a 420 km de Berlim, na Alemanha, o Volkswagen XL1 parece mais um des-ses carros-conceito futuristas, mas no . O modelo, que ser comercializa-do em breve na Europa, um hbrido do tipo plug-in, que requer recarga em uma tomada eltrica, e tem um motor diesel e outro eltrico. O XL1 desenvolve 69 cv de potn-cia, pouco para um carro com aparn-cia de grandalho, mas tem sua com-pensao: faz incrveis 111 km/l. A marca alcanada graas a sua aero-dinmica: o Cx de 0,189 e pesa ape-nas 795 kg. O desempenho desse hbrido futu-rista equivale ao de um carro popular com motor 1.0. Ele faz de 0 a 100 km/h em 12,7 segundos e atinge velocidade mxima de 160 km/h. Sozinho, o mo-tor diesel 0.8 de 48 cv, derivado de um 1.6 TDI, enquanto o eltrico tem 27 cv. A transmisso a DSG de du-pla embreagem, com sete velocidades.Baixo, o XL1 tem apenas 1,15 me-tro de altura e mede 3,89 m de com-primento e 1,67 m de largura. Chamam a ateno as portas, que abrem para o alto, e o fato de ser fcil visualizar ele-mentos que remetem a esportivos da marca, como o Scirocco, em suas li-nhas.Perfeito para o trnsito das nos-sas cidades seria o fato de a carroceria no ter espelho retrovisor externo. Essa funo desempenhada por pequenas cmeras, e a imagem conferida in-ternamente pelo condutor. O modelo foi uma das atraes da marca alem no Salo de Genebra, Sua, realizado em maro.Do peso total, 153 kg correspon-dem ao chassi, 230 kg carroceria e 227 kg ao conjunto motriz (incluindo a bateria). Outros 105 kg so da eletrni-ca embarcada enquanto outros equipa-mentos respondem pelos 80 kg restan-tes. Os pneus so 115/80 R15 na frente e 145/55 R16 atrs. H amplo emprego de fibra de carbono, sobretudo no mo-nobloco e nas barras estabilizadoras da suspenso, quase na mesma proporo de ao e ferro.Xl1, o hbrido futurista capaz de fazer 111 km/lEm situao oposta ao mer-cado de novos, o segmento de carros usados continua em bai-xa, desde quando o Governo promoveu a reduo do IPI para os carros novos. Como os car-ros 0 km ficaram mais baratos, os usados caram de preos rapi-damente e o desnimo no setor geral, o que tem dificultado a atualizao dos estoques. Muitas revendas de usados no conse-guem baixar o estoque porque o consumidor acaba optando por um carro novo, principalmente pelos preos mais baixos e pelas facilidades de pagamento. Sem vender, o mercado de usados est se desvalorizando de forma mais rpida. O Fiat Pa-lio Attractive com apenas dois anos de uso perde 19,5% de seu valor e o Chevrolet Agile LT tem desvalorizao de 15,3%. Para os comerciantes de usados, a des-valorizao est assustando os consumidores, que no momen-to da troca, vem seu veculo perder muito do valor pago em pouco tempo.A tendncia o mercado se-guir os rumos de pases desen-volvidos. No primeiro trimes-tre, os carros novos subiram 2,37%, enquanto os usados ti-veram queda de 0,23%. Em 12 meses, o novo ficou 3,22% mais barato e o usado caiu em m-dia 8,16%. No processo de tro-ca por um mesmo modelo mais novo, a desvalorizao aumenta ainda mais. O Agile LT 2011 per-de 24,7% ante o modelo 2013, por exemplo.Mercado de usadosainda sofre impactosda reduo do IPIAbril.2013 | 13A Honda Aircraft Company anunciou o lana-mento de um jato potente, mas - digamos - econ-mico. O HA-420 HondaJet vai custar aproximada-mente US$ 4,5 milhes, preo considerado baixo se comparado com o concorrente Gulfstream, que custa trs vezes mais que o H-420. O HondaJet tem capacidade para transportar seis passageiros e atinge velocidade de 778 km/h e conta com dois motores a jato HF120, que ficam sobre a asa prin-cipal. O cockpit do avio equipado com o sis-tema avinico Garmin G3000, que pode ser per-sonalizado.A fuselagem do HA-420 foi feita em carbono e a asa, com painis de alumnio. A superfcie mais lisa, aliada a um design que reduz o arrasto a al-tas velocidades, propicia a economia de at 40% de combustvel em relao aos concorrentes, se-gundo a Honda.O jato, com capacidade para seis passageiros, j passou por todos os testes necessrios e sua produ-o em grande escala est em andamento.Honda lana jatoeconmico e maisbarato que similar14 | Abril.2013Para o Outono-Inverno 2013, a Upman, empresa que aposta na moda masculina, aposta na loungewear como uma tendncia que parece vir para ficar. Trata-se de uma roupa para momentos de relaxamento, la-zer ou para ficar em casa, privilegiando o conforto e a elegncia de forma simples, chique e gostosa de usarOs modelos de loungewear juntam o corte e o caimento impecvel das roupas sofisticadas com o conforto irresistvel dos pijamas. O estilo despojado fez sucesso com a crise de 2009/2010, j que com pouca ver-ba disponvel para gastar em lazer, a bala-da em casa ficou cada vez mais frequente. Por isso, os trajes para a noite mudaram, as peas que no combinam em nada com o aconchegante sof da sala, saram de cena e deram espao para roupas despojadas e principalmente gostosas de usar.Agora, para o Inverno 2013, a Upman resgatou essa tendncia com a inteno de proporcionar maior conforto e facilitar a vida dos homens que chegam desesperados em casa para tirar a roupa do tra-balho e colocar uma roupa macia para relaxar e descan-sar. A marca apresenta loun-gewears exclusivas, que es-banjam estilo podendo ser usadas tanto em casa, quan-to na rua.A Upman desenvolveu-se no mercado inserindo a moda underwear no universo masculi-no. Apostando em matria-prima nobre, com tecnologia e conforto no DNA, a empresa reconhecida no mercado por desenvolver linhas com de-sign para homens de diferentes personali-dades, com opes nas linhas underwear, homewear, beachwear, Next e Kids. Saiba mais em www.upman.com.brlOUNgeWeAR UPmANModa para usarem casa e nas ruasAlgumas cores nunca saem de moda! O verde, seja exrcito, musgo, ban-deira, abacate ou limo, uma delas. Nessa tempora-da, o tom que impera no mundo da moda o verde esmeralda. A tonalidade transmite elegncia, cal-ma, equilbrio e tranqui-lidade, alm de ser consi-derada uma das cores mais radiantes da cartela.Inspirada nessa forte ten-dncia, a ERHOS Relgios - grife que consagrou o relgio como um acessrio fashion - criou mode-los de estilos diferentes que sublimam o verde e deixam a mulher em sintonia com a moda. As peas com pulseira bra-celete viram destaques no visu-al. Com caixa de metal alloy dourada, fundo da mesma cor que a pulseira e deta-lhes de rebites dourados, o modelo chega para atrair olhares e elogios. J a co-leo com pulseira de cou-ro de tilpia, produto nobre e com certificao de pro-duto ecologicamente corre-to, combina com mulheres sofisticadas. A pea tem caixa redonda em metal alloy doura-do, vidro cristal e dial no mesmo tom da pulseira. Alm do verde esmeralda, cor que cai bem com todos os tons de pele, h ainda as verses em outras cores. Veja mais em www.erhosrelogios.com.brOs verdes relgios da eRHOsAbril.2013 | 15Um dos mais tradicionais do Bra-sil, o Maksoud Plaza Hotel tem algumas tradies criadas e mantidas ao longo de seus 34 anos de histria, entre elas o preparo, sempre, de comemoraes especiais de datas como a do Dia das Mes, Dia dos Pais, Dia dos Namorados. Mas na preparao do cardpio do Dia das Mes que os chefs provam mais de mil vezes e testam todas as suas capaci-dades, porque sabem que no tem nin-gum como uma me para ser sempre exigente e detalhista com o que come e com o que servido sua famlia. No Dia das Mes, 12 de maio, o Cardpio do Brunch do Maksoud Plaza apresenta de abertura, um Buffet com-pleto de saladas e frios variados von-tade. No Buffet de pratos quentes, as opes variadas abrangem todos os gos-tos: Medalho de Fil ao Molho de Vi-nho do Porto e Cogumelos Frescos; Pato Lorange, guarnecido de Batatas Assa-das; Robalo Assado ao Perfume do Mar; Pernil Suno Moda Maksoud guarne-cido de Farofa Rica; Risoto de Aspargos e Vinho Branco; Legumes Grelhados ao Alecrim e Arroz Branco.No Buffet de sobremesas, uma gran-de variedade de doces da ptisserie, alm de frutas da estao. O Brunch de Dia das Mes sair por R$ 105,00, por pessoa. Crianas at 6 (seis) anos no pagam. O lugar tem total acessibilidade. Para reservas, tel. (11) 3145-8000.O Maksoud Plaza Hotel est locali-zado em rea privilegiada de So Pau-lo e considerado uma cidade vertical, bem viva, 24 horas por dia. Os 45 mil m que o Maksoud Plaza Hotel ocupa, no corao da cidade, ao lado da vibrante Avenida Paulista, protegidos por ampla vegetao, segurana total e servios de primeira Toll Free: 0800-134411.Buffet de frios, entradas perfeitas para um almoo de Dia das Mes no Maksou PlazaDia das mes noelegante maksoud PlazaARQUITETURA MINHA MANEIRA DE VOAR COM OS PS NO CHOfotogr a wherlom fernandoARQUITETURA MINHA MANEIRA DE VOAR COM OS PS NO CHOfotogr a wherlom fernandoA ORDEM INTEGRARJoel LimaArquiteto Entre UrbanosCozinha, sala de almoo, piscina, espao gourmet. Aqui, a ordem unir os espaos integrando-os, onde os limites so apenas os grandes panos de vidro. A cozinha torna-se o lugar do convvio, a famlia, os amigos aqui se encontram sem perder a vista privilegiada da piscina e do espao gourmet. No h barreira visual, tudo se comunica. O mobilirio (Hall Interiores), a mesa com cadeiras de telinha nos remete a um tempo em que a sala de jantar separava se do restante da casa, como um espao formal. Neste conjunto a mesa, com tampo de vidro incolor sobre uma base vazada com cadeiras de espadar baixo, prope um aspecto visual leve para o contemporneo. Os tons claros predominam, as cores se fazem presentes no patchwork dos ladrilhos, nas portas de vidro marrom dos armrios (Marcenaria Eco Mveis) dando o calor, com a praticidade que o espao precisa.A rea de lazer marcada pela simplicidade da cascata que faz sua funo sem gerar nenhum elemento volumtrico, surge apenas quando solicitada. A iluminao (Sema Iluminao) marca o conjunto externo sem ofuscar a tranquilidade do lugar. O recorte da cobertura permite uma volumetria com texturas indo do concreto aparente a uma trama com madeira e ao que brincam com a forma. A bancada de Granito Marrom Tabaco (Jova Marmoraria) abriga o necessrio. A churrasqueira com coifa de inox (Sempre Inox) age como um eletrodomstico, sem gerar peso visual. A moblia simplificada por conjunto de mesas, bancos e cadeiras que misturam madeira, ratam envolvidos de forma ldica, sem deixar de lado o conforto.O conjunto, com sua integrao permite a famlia uma combinao de lazer, praticidade e o prazer em receber. Rua Raimundo de Souza Neto, 57 Funcionrios / Timteo www.entreurbanos.com / 31 3849 151618 | Abril.2013Para as pessoas, comemorar um aniversrio sempre motivo de festa, momento de sonhar e fazer planos para o futuro. Mas para as cidades do Vale do Ao que com-pletam aniversrios de emancipao poltica neste dia 29 de abril, a situao no bem de comemorao ou festas.A maioria dos prefeitos que assumiram os cargos em primeiro de janeiro encontram cidades com os caixas va-zios, muitas dvidas e problemas demais a serem adminis-trados em 2013. Se o momento atual exige serenidade, habi-lidade e competncia gerencial para superar os problemas financeiros, h que se lembrar que h nesse momento uma oportunidade nica para as cidades experimentarem um novo ciclo de crescimento e desenvolvimento econmico.Durante dcadas, muitos dos prefeitos viram na Usimi-nas e na antiga Cia Acesita, as provedoras das necessidades bsicas regionais. Foram as siderrgicas que construram hospitais, escolas e clubes de lazer, alm de contribuir com todo tipo de ajuda a creches, times de futebol, equipes de esportes amadores, festas comunitrias e atividades cultu-rais. Isso acabou criando o pensamento errneo de que as grandes empresas deveriam manter as cidades para sem-pre, sendo responsveis pela gerao da riqueza regional.Hoje, a realidade do mercado outra. As empresas precisam cada vez mais concentrar seus esforos nas suas atividades afins, recuperar mercados perdidos e minimi-zar os prejuzos para tranqilizar os acionistas. Com isso, os administradores pblicos precisam entender que devem pensar e agir coletivamente, buscando novas alternativas econmicas.As aes desenvolvidas nas ltimas semanas pela FIE-MG, em parcerias com o SINDIMIVA e outras instituies srias, mostram o caminho: preciso qualificar a mo de obra e as indstrias da regio para conseguir buscar no-vos mercados, como j o fazem algumas empresas. Mes-mo distante a 440 quilmetros do mar, empresas da regio praticamente produzem navios cargueiros para atender as demandas dos setores de petrleo e gs com o surgimen-to do pr-sal.E no s o setor industrial que se destaca. O comr-cio e a prestao de servios tambm seguem o mesmo caminho e expandem suas atuaes para outros mercados. A empresa NTW, que atua em contabilidade gerencial, se tornou a primeira do segmento a abrir franquias pelo pas, estando presente, inclusive na capital federal.A expanso do Shopping do Vale do Ao outra inicia-tiva que comprova o potencial de crescimento do comr-cio. Alm de duplicar a quantidade de lojas instaladas, o empreendimento ainda vai trazer lojas das grandes redes varejistas, transformando Ipatinga tambm em plo comer-cial de destaque no interior.A regio um celeiro de talentos, de competncia in-questionvel. O que precisa para viver um novo ciclo de crescimento econmico e desenvolvimento ter o apoio dos rgos pblicos em todos os nveis. preciso ter mais agilidade na busca de solues para a duplicao da BR 381, apontada em todos os segmentos como um dos gar-galos que impede o desenvolvimento regional. Mas no podemos esquecer tambm do projeto de construo de ferrovias anunciado pelo Governo Federal, ligando Ipatin-ga a Salvador, na Bahia, e de Belo Horizonte a So Paulo.A construo de um hospital regional com capacidade apropriada de atendimento s necessidades do Vale do Ao, alm da implantao de cursos de nvel superior mantido pelos governos Estadual ou Federal, outra necessidade urgente. Qualificar, educar e capacitar jovens garantir mo-de-obra especializada para atender as necessidades do crescimento que a regio poder vivenciar nas prxi-mas dcadas.Amadurecer para crescerIpatinga, Timteo, Ipaba e Santana do Paraso comemoramaniversrio tendo como desafio superar as dificuldades econmicas31-004-12D_AdRev_VitrineM_20,5x29.indd 1 15/04/13 18:2520 | Abril.2013Realizado no dia 17 de abril pelo Sistema FIEMG e o Sindicato Intermunicipal das Indstrias do Vale do Ao (SINDIMIVA), a assinatura de dois acordos com empres-rios noruegueses representa a oportunidade para o desen-volvimento da cadeia produtiva do setor metalmecnico do Vale do Ao. A ideia transform-lo em fornecedor qualifi-cado de companhias que exploram petrleo e gs. A ao empresarial se soma a iniciativa do Ministrio do Desenvol-vimento, Indstria e Comrcio Exterior (Mdic) de incluir a regio em seu projeto de Arranjos Produtivos Locais (APLs) que atendero a Petrobras.A referncia da Noruega um dos principais pases produtores de petrleo do mundo para o setor metalme-cnico no Vale do Ao o cluster NCE Node. Com ele, o SINDIMIVA e a FIEMG as-sinaram um acordo que apro-xima Minas Gerais de 58 em-presas europeias, para troca de informaes, tecnologia e conhecimento. Os noruegue-ses tm enorme competncia para atender ao setor de pe-trleo, gs e naval. Ns temos mercado e empresas interes-sadas. Com essa unio, po-demos desenvolver e gerar negcios fornecendo produ-tos com alto valor agregado, disse o presidente da FIEMG, Olavo Machado Jr.Para o presidente da FIE-MG Regional Vale do Ao, Lu-ciano Arajo, as indstrias locais podem aumentar sua ca-pacidade de produzir e de fornecer para outros estados do Brasil e para o mundo. A regio tem trs empresas-ncoras importantes, Cenibra, Aperam e Usiminas. Agora, o cresci-mento passa pela explorao de novos mercados. A certeza do apoio delas s companhias de Ipatinga e de seu entorno d condio de ganharmos novos ares, comentou.O presidente do SINDIMIVA, Jeferson Coelho, explicou que esse crescimento significa um ciclo virtuoso de desen-volvimento do Vale do Ao. Para ele, o APL metalmecnico criado para atender aos setores de petrleo, gs e naval vai alm da usinagem, calderaria e produo de estruturas me-tlicas. Quando eles setores vo bem, toda a cadeia produ-tiva se movimenta. reas como as de metrologia, serralhe-ria, fundio, logstica, montagem industrial, dentre outras, so demandadas, informou.Esse caminho de desenvolvimento se assemelha com a trilha percorrida por empresas norueguesas do setor. O CEO da NCE Node, Kjell Johannessen, lembrou que h 40 anos iniciou a procura por tecnologias para atender s companhias da Noruega de explorao de petrleo. Vejo em Ipatinga o mesmo movimento que fizemos, de atuao conjunta de empresas, num formato de arranjo produtivo local, disse.O segundo acordo assinado com os noruegueses en-tre o Senai-MG e a Nortrain, um centro de formao de mo de obra qualificada para perfurao e manuteno de poos de petrleo, que for-ma mil alunos por ano em diferentes pases do mundo. Com ele, sero instalados em Ipatinga cursos tcnicos nessa rea e instrutores da entidade sero treinados em Stavanger, cidade do pas europeu.APL VALE DO AO A secretria da produo do Mdic, Helosa Menezes, apre-sentou aos empresrios em Ipatinga o Projeto de Desen-volvimento de Arranjos Pro-dutivos Locais para os Setores de Petrleo, Gs e Naval do Mdic e do Programa de Mo-bilizao da Indstria Nacio-nal de Petrleo e Gs (Prominp), do Ministrio de Minas e Energia. O Vale do Ao est entre as regies brasileiras es-colhidas pelo Governo Federal, em ao que faz parte do Plano Brasil Maior.O Vale do Ao deve aproveitar a forte indstria j ins-talada na regio, que fornece s trs empresas-ncoras para ganhar novos mercados, alertou. Menezes ainda destacou a possibilidade do APL Metalmecnico fornecer no somente Petrobras. Para ela, os negcios vo alm, com as forne-cedoras da estatal e com os acordos com os noruegueses. Somando todas essas companhias, existem pontos de con-tato com todo o mundo. Isso significa reduzir dependncia e ganhar competitividade, disse.Novas oportunidadesAPL Metalmecnico abre mercado para empresas fornecerempara cadeia produtivo do petrleo, do gs e navalAs indstrias do Vale do Ao esto cada vez mais prximas da cadeia produtiva do pr-salBeatriz MatosEsteticista facialDouglas S. FerreiraMdico - CRM-MG 52427 aser CO2 fracionado aser para remoo de tatuagens plicao de botox Tratamento para acne e clareamento facial Tratamento para estrias uz intensa pulsada eeling/Dermaroller aquiagem definitiva impeza de pele Depilao a laser longamento de clios colado fio fio ermanente de cilios ipocavitao com radiofrequncia assagem relaxante/redutora assagem com fisioterapeuta Drenagem linftica Tratamento pr e ps operatrio cupuntura aser CO2 fracionado aser para remoo de tatuagens plicao de botox Tratamento para acne e clareamento facial Tratamento para estrias uz intensa pulsada eeling/Dermaroller aquiagem definitiva impeza de pele Depilao a laser longamento de clios colado fio fio ermanente de cilios ipocavitao com radiofrequncia assagem relaxante/redutora assagem com fisioterapeuta Drenagem linftica Tratamento pr e ps operatrio cupunturaAv. Carlos Chagas, 182, sala 2, Cidade Nobre - Ipatinga - 3824-654222 | Abril.2013COM O NOVO CTP ECOLGICO A DAMASCENO IMPRIME UMA NOVA CARA NO MERCADO.CTP - Computer to Plate. A aplicao dessa tecnologia consiste na gravao da chapa atravs de tecnologia a laser, dispensando o uso do fotolito. Tudo feito atravs de modernos computadores substituindo o trabalho manual de montagem na pr-impresso. Alm da qualidade e agilidade, o CTP adquirido pela Damasceno elimina totalmente o uso de componentes qumicos que agridem o meio ambiente. Damasceno, a primeira grfica do interior de Minas Gerais com CTP-Ecolgico.A Grfica Damasceno agora tem CTP.E A CONCORRNCIA?CLIENTES MAISSATISFEITOSO MEIO AMBIENTE AGRADECEwww.idamasceno.com.brTel: 31 3846.119524 | Abril.2013Vinhos & SaboresA revoluo dosvinhos californianosA histria do vinho califor-niano comeou quando o Rei de Espanha envia, em 1769, um grupo de exploradores espa-nhis e junto a eles mission-rios da Ordem de So Francisco de Assis, que levaram as pri-meiras videiras para produzi-rem o vinho, to importante no ritual da Igreja Catlica. Naque-la poca a Califrnia ainda era anexada ao Mxico. Em 1850 os EUA conquistaram, durante a Guerra Mexicano-Americana, parte da Califrnia passando a fazer parte do seu territrio, e, a partir da fazendeiros imi-grantes (italianos, franceses, alemes e hngaros) che-garam Califrnia e comearam a cultivar as uvas.Os vinhos californianos comearam a ganhar fama internacional a partir de 1976, na Frana, durante uma degustao as cegas, onde seus vinhos foram mais bem pontuados que os vinhos franceses da categoria Premier Grand Cru, os mais importantes da Frana. Este evento ficou conhecido como O Julgamento de Paris. O clima da Califrnia tipicamente mediterrneo, com ventos frescos, muito sol e chuvas bem locali-zadas. Seu territrio composto de pequenos vales, cada um com clima e solo particulares, criando ter-roirs propcios ao desenvolvimento de vinhos de qua-lidade. As regies californianas mais importantes so Napa Valley e Sonoma Valley e o cultivo e vinificao dos vinhos na Califrnia esto dentre os mais moder-nos do mundo. O conceito de baixa produtividade visando qualidade bastante enfocado, utilizando-se a fermentao em barricas de Carvalho Americano e Francs para o amadurecimento. Em geral, os vinhos no so filtrados.As principais uvas tintas utilizadas so Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir e Zinfandel, sendo que esta uva, que considerada como parente prxima da Primitivo Italiana, tratada como patrimnio na-cional. Os vinhos oriundos da Zinfandel, de alta qua-lidade, so complexos, densos, ricos e cheios de sa-bor. De cor tinto granada com toques rubi, aromas de ameixa, pimento verde, baunilha e coco, ao pa-ladar possui uma acidez refrescante, redondo e com um final longo.Nos vinhos brancos reina a Chardonnay, um cone dos vinhos americanos, com uma grande variedade de estilos. Alguns so frescos e refrescantes, outros so densos, amanteigados e com toques de baunilha devido ao amadurecimento em barricas de carvalho novo. Apresentam cor amarelo dourado, aromas deli-cados de ma em compota, abacaxi, pssego e ave-l. No paladar opulento, equilibrado por uma boa acidez, com um belo final longo e intenso. Podemos citar outras uvas brancas da Califrnia como a Chenin Blanc, Sauvignon Blanc, Viognier e Gewurztraminer.BONs PRODUTORes De vINHODO NAPA vAlleyBeaulieu Vineyards, Chateau Montelena, Dominus, Fogs Leap, Robert Mondavi, Stags Leap Wine Cellars.Abril.2013 | 25sUgesTO DO msvinhos at R$ 50,00HAyes RANCH CHARDONNAysAfRA 2009Estados Unidos, regio da Califrnia, San Francisco Bay. Variedade 100% Chardonnay. Teor alcolico de 13,5. Notas de degustao: tom amarelo es-verdeado, lmpido e cristalino, aroma floral e frutado (frutas brancas), fresco e algo mineral, notas ctricas e de ma verde com persistncia mdia. Harmo-nizao: salmo na grelha. Temperatu-ra de servio: 10 a 12oC. Disponvel na Tutto Itlia, em Belo Horizonte.ReDTRee ZINfANDelsAfRA 2011Estados Unidos, regio da Califrnia. Variedade 100% Zinfandel. Teor alco-lico de 14,1. Notas de degustao: cor vermelho-granada com reflexos verme-lho morango, aroma floral violeta com frutado framboesa, morango e groselha, com suave aroma de baunilha, mel e tostado. Na boca, fresco e mdio cor-po. Temperatura de servio: 15 a 17oC. Disponvel na Tutto Itlia, em Belo Ho-rizonte.feTZeR ZINfANDelsAfRA 2010Estados Unidos, regio da California, produzido po Fetzer Vineyards Hopland. Variedade Zinfandel. Teor alcolico de 13,5. Notas de degustao: apresenta uma bela cor rubi, aromas de especia-rias (pimenta), no paladar equilibrado com uma intensidade marcante reme-tendo a sabores de frutos vermelhos es-curos. Harmonizao: churrasco e carne grelhada. Temperatura de servio: 15 a 17oC. Disponvel na Grampian, em Ipa-tinga.Flvio Sadsadflavio@gmail .comNo dia 24 de maio de 1976, em Paris, ocorreu um pequeno evento com uma avaliao as cegas, entre os grandes vinhos franceses e californianos, que at hoje ainda considerado a degustao mais importante do sculo XX. Quem organizou o evento foi Steven Spur-rier, um britnico apreciador e proprietrio de uma loja de vinhos em Paris. Era respeitado no meio e um frequente juiz nas competies de vinhos. A sua in-teno era mostrar aos franceses o que estava acon-tecendo com os vinhos californianos. Na primavera de 1976, Spurrier foi ao Napa Valley selecionar alguns vinhos Chardonnay e Cabernet Sauvignon para com-petir com os franceses. Chegando l, escolheu vrios vinhos de que gostou. De volta Paris, Steven reti-rou de sua loja alguns vinhos franceses considerados os melhores da Frana: Chteau Haut-Brion como um dos Cabernets, e o Puligny-Montrachet Les Pucelles da Domaine Leflaives nos Chardonnays. Convidou vrios experts franceses, inclusive alguns proprietrios dos grandes Chteau. Os vinhos californianos se apresen-taram como os protagonistas do evento, superando as notas dos vinhos franceses, tanto no vinho tinto com um Stags Leap Wine Cellar 1973 com a uva Cabernet Sauvignon,como no branco Chateau Montelena safra 1973 com a uva Chardonnay.Os juzes deste evento no poderiam imaginar que o resultado deste evento transformaria completamen-te o mercado de vinho, dando incio a uma idade de ouro para a vinicultura que estende o mundo do vinho para alm das fronteiras da Frana para Austrlia, Amrica do Sul, Nova Zelndia e por todo o mundo. AvAlIAO As CegAsNa avaliao as cegas, o avaliador no sabe a mar-ca e nem o tipo de vinho que est degustando, uti-liza apenas os seus sentidos para avaliar e dar notas ao vinho em questo. No fim da prova os vinhos so apresentados e divulgados com as notas obtidas na degustao.eRRAR De vINHO HUmANO, eRRARCOm O vINHO DIABlICOPof. Dr. Julio Anselmo de Sousa Neto O Julgamento de Paris26 | Abril.2013Dra Chavesdorachaves.2008@gmail.comA ACIATI-CDL realizaram no dia 5 de abril, diante de um pblico expressi-vo, a posse da diretoria e do Conselho da Mulher Empreendedora Binio 2013-2015. Tomaram posse como Presiden-te, o carismtico Antnio Teixeira Neto, ACIATI-CDL, e Rosngela Alves Gomes, do Conselho da Mulher Empreendedora. Estiveram presentes associados das enti-dades e autoridades de grande represen-tatividade como os presidentes Jos C-sar da Costa, da FCDL de Minas Gerais, Wander Luis, da Federaminas, o prefei-to Municipal Keisson Drumond, Ilder Ca-margo, Diretor de RH da Aperam, Lucia-no Arajo, Presidente da FIEMG Regiobal Vale do Ao, presidentes das Associaes Comerciais e CDL s de Ipatinga, Coronel Fabriciano e Caratinga, vereadores, re-presentantes de entidades regionais, en-tre outros. Logo aps a solenidade, um coquetel foi servido aos convidados. O evento aconteceu na Fundao Aperam.Posse Aciati/CDLTIMTEOHigiene & Bem EstarCOMBINA COM O SEU ESTILOAntonio Teixeira, Luciano Arajo, Jos Cezar e Flvio LealAs gerentes Daniela (Aciapi), Tnia (Aciati) e Soraya (Acicel)Rosimeire Garcia, Natalia Castro e Filipe Pessoa (Castro Auto Peas)Jos Benedito e a esposa Neiva (ICEM)Sonia Andrade e Cleber JosJnior Damasceno (Acicel), Antonio Teixeira (Aciati), Mrcio Pena (CDL/Ipatinga) e Ivair Andrade (Mveis Andrade)Rinara, Rita, Sabrina, Tnia e Poliana (Equipe Aciati)Maurcio Borges, Benedito Pacfico e Marlene (Hotel Metropolitano)Presidentes dos Conselhos, Mrcia, Roh e MarinhaWalter Oliveira, Daniela Srio, Antonio Teixeira, Luis Henrique e Nivio LageAntonio Teixeira e a esposa MarleneAbril.2013 | 27Diretores da ACIATI-CDLConselho da Mulher Empreendedora da AciatiIvair Andrade (Mveis Andrade), Paulo e Nvio Lage (Nossa Loja)Dlio Bicalho (Casa e Luz) e Everaldo SilveiraDerlane e Hiller Flix (Sistema HDR Top Car) Jair Zanella (Sindcomrcio) e Marcos da Luz28 | Abril.2013Dra Chavesdorachaves.2008@gmail.comCom o slogan Um clube feito para a Famlia, no teria mesmo como se esquecer de uma comemorao desta. No dia 21 de abril, domingo que fecha a Semana da famlia, uma do-mingueira especial com atraes convidativas agradou os s-cios que passaram todo o dia compartilhando bingo, msica ao vivo, torneios, jogos de futebol de campo e salo. Domingueira da FamliaYasmin Machado representa as crianas que tem um grande espao no clubeKarol e Cida MatiasRenata, Beth Nogueira e ngela VieiraMrcia e o filho HeitorAdelson, Moiss e MarconePedro Fioravante, presidente do clube, e Joo Carlos, seu diretor social30 | Abril.2013Dra Chavesdorachaves.2008@gmail.comA Prefeitura de Coronel Fabriciano continua dando aula em educao. Por isso, mais uma vez, saiu na frente com a volta s aulas e entrega do kit escolar. J foram distribudos cerca de 10 mil kits para todos os alunos da rede municipal, da Educao Infantil ao 9 ano, da EJA e creches conveniadas. Esta mais uma grande conquista para pais e alunos da nossa cidade, que, alm de economizar com material escolar, ainda so contemplados com uma educao exemplar e de qualidade.Prefeitura de Coronel Fabriciano. Administrao nota 10!Marlia do Santos, 5 ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Said AlbenyComo diz o ditato popular, quem tem um amigo tem um tesouro. Com a alegria de sempre, Cida Faria abriu o aconchegante espao de festas de sua residncia, no Bela Vista. Foi assim que ela comemorou mais um ani-versrio junto das filhas Mariana, Kely e Mayara, e claro, do marido Mrio Faria, alm dos muitos amigos que foram por l abra-la. A noite estava perfeita: clima agradvel com um leve friozinho, que foi devidamente aquecido pelas bebidas variadas colocadas disposio com generosidade. Para acompanhar, os deliciosas pe-tiscos preparados por Mrio Faria. O caldinho de ba-calhau com batatas fez sucesso entre os convidados e o churrasco com carnes variadas, preparadas no ponto ideal, estava perfeito.Cida Faria celebrando as boas amizadesRonaldo, Miriam, Cida, Conceio e NiaCida Faria e Creuza Cida Calhau e Lourdes BastosCamila Canedo e Jussara Hosken Cida Faria, Adriana Dantas, Lourdes e Lurdinha FreitasA Prefeitura de Coronel Fabriciano continua dando aula em educao. Por isso, mais uma vez, saiu na frente com a volta s aulas e entrega do kit escolar. J foram distribudos cerca de 10 mil kits para todos os alunos da rede municipal, da Educao Infantil ao 9 ano, da EJA e creches conveniadas. Esta mais uma grande conquista para pais e alunos da nossa cidade, que, alm de economizar com material escolar, ainda so contemplados com uma educao exemplar e de qualidade.Prefeitura de Coronel Fabriciano. Administrao nota 10!Marlia do Santos, 5 ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Said AlbenyA Prefeitura de Coronel Fabriciano continua dando aula em educao. Por isso, mais uma vez, saiu na frente com a volta s aulas e entrega do kit escolar. J foram distribudos cerca de 10 mil kits para todos os alunos da rede municipal, da Educao Infantil ao 9 ano, da EJA e creches conveniadas. Esta mais uma grande conquista para pais e alunos da nossa cidade, que, alm de economizar com material escolar, ainda so contemplados com uma educao exemplar e de qualidade.Prefeitura de Coronel Fabriciano. Administrao nota 10!Marlia do Santos, 5 ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Said Albeny