Saberes e sabores do Maranhão

  • View
    215

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Resumo do projeto unindo design, artesanato e gastronomia realizado a pedido do Governo do Maranho em 2001

Transcript

  • Programa Estadual do Artesanato

    2008

  • Maranho diverso, tanto na sua histria quanto nos seus aspectos geogrficos. Nenhum outro es-O

    Jackson LagoGovernador do Estado do Maranho

    3

    tado brasileiro possui a variedade de ecossistemas que temos aqui. So cerrados, mangues, praias tropicais, flo-resta Amaznica, delta em mar aberto e o nico deserto do mundo com milhares de lagoas de guas cristalinas, o Parque dos Lenis Maranhenses.

    No s os ecossistemas fazem do nosso estado um lugar nico. O centro histrico de So Luis Patrimnio Mun-dial da Humanidade, tamanha a beleza dos mais de trs mil imveis tombados, a maioria pelo Patrimnio Hist-rico Estadual, e cerca de mil pelo Instituto do Patrimnio Histrico e Artstico Nacional (IPHAN).

    E o que faz deste patrimnio natural e arquitetnico ser to importante a vida que lhes do o povo maranhen-se. Uma gente hospitaleira, criativa, batalhadora e deter-minada. Pessoas capazes de transformar algodo, couro, madeira, argila, a palha do buriti da regio dos Lenis Maranhenses, e at a fibra de uma planta que pouca gente conhece, o guarim, entre outras matrias primas, em his-tria, em cultura popular.

    Nossas riquezas e potencial vo mais alm. A capacidade de crescer do nosso povo imensa. Eu lhes convido a co-nhecer um Maranho de verdade. Venha nos conhecer, nossa cultura, nossa culinria, nossa gente.

  • Maranho, pela sua diversidade tni-ca, tem uma das culinrias mais ricas

    mercado local, nacional e internacional com artesanato competitivo e de valor agregado, gerar emprego e renda, divulgar nossa cultu-ra, entre outros objetivos.

    Para isso trabalhamos oferecendo assistncia tcnica e consultoria aos artesos, dando-lhes a oportunidade de aperfeioar seus conheci-mentos e de experimentar novas tcnicas de produo, para se tornarem multiplicadores deste aprendizado.

    Queremos com isso no s melhorar as con-dies de vida destas pessoas, pois o artesa-nato o setor que mais cresce hoje no Brasil, mas compartilhar com eles a idia de quanto necessrio resgatar nossas razes, preservar nossa histria para as futuras geraes.

    do pas. De norte a sul do estado encontra-mos iguarias que trazem forte influncia dos povos indgenas, africanos, portugueses, franceses e libaneses.

    Quem por aqui passa e no se impressiona com o sabor e a originalidade do cux, da farinha dgua, do piro que acompanha a galinha de parida, as peixadas e camaroadas?

    um prazer indescritvel e no sai da mem-ria de quem experimentou um prato da nossa culinria pelo menos uma vez na vida.

    E como os nossos sabores trazem, cada um, uma histria que retrata as experincias de vida de um povo e de uma poca, decidimos registra-las na coleo Sabores e Saberes do Maranho.

    Saberes e Sabores do Maranho uma cole-o de utenslios de mesa confeccionados de forma artesanal e com design que leva mesa a arte, a cultura, a histria do nosso povo.

    A linha de produtos nasceu da articulao para implantar o Programa Estadual de Ar-tesanato, que tem como objetivos capacitar artesos, criar condies de inclu-los no

    5

    Clay LagoArticuladora do Programa

    O

  • Projeto Saberes e Sabores do Mara-nho foi concebido dentro de uma

    res de opinio)5. Pesquisa de Oferta (artesos e designers)6. Pesquisa Histrica7. Oficina Criativa8. Produo Piloto9. Lanamento das Colees10. Comercializao Experimental

    Conceito

    Os produtos artesanais foram concebidos privilegiando formas mais despojadas, dire-cionadas a um pblico consumidor de nvel cultural elevado e de maior poder aquisitivo.

    As embalagens e todo o discurso visual fo-ram baseados nos grafismos e nas tipografias encontradas nas embarcaes de pesca arte-sanal, nos estandartes das festas religiosas e nas antigas caixas de doces.

    A equipe

    Mais do que a competncia especfica de cada um dos participantes a harmonia do grupo, conquistada pela confluncia de ricas vivn-cias individuais que permitiu a obteno de resultados que ultrapassam as expectativas.

    Seis designers convidados, de diferentes esta-dos do Brasil e de outros pases, cuja distncia crtica permite identificar o extraordinrio e o singular dentro do cotidiano. Igual nme-ro de designers locais, capazes de decodificar os repertrios culturais do Maranho e 26 artesos, apoiados por tcnicos e consulto-res dos diversos organismos envolvidos na promoo do artesanato, conformaram uma equipe heterognea em suas especialidades mas homognea em seus objetivos e em seu compromisso.

    viso estratgica de promoo do artesanato regional, que se inicia pela identificao das demandas, passando pela melhoria de pro-dutos e processos, chegando at a comercia-lizao.

    Atravs de uma ao sistmica, multidis-ciplinar e multi-institucional, este projeto encontra no design a resposta criativa para desenvolver uma oferta seletiva de produtos artesanais relacionados com a gastronomia local.

    Metodologia

    Esta metodologia de trabalho contempla toda a cadeia produtiva, resgatando e respei-tando os usos e costumes locais, as tradies e o folclore, porm com os olhos voltados para o futuro.

    Esta a chave para o sucesso deste tipo de em-preendimento, cujas principais etapas so: 1. Planejamento Estratgico2. Pesquisa Iconogrfica3. Seminrio de Identidade Cultural4. Pesquisa de Demanda (turistas e formado-

    7

    O

  • OS SABERES DO SABOR

    Cheiro de terra molhada de chuva,gosto de histria,

    viso de mar, de pr-do-sol,e uma redinha armada

    num lugar de pensamento.

    No prato:alimento para o corpo,

    com saberes nas palavrase sabores nas entranhas.

    No prato:um olhar com olho diverso;um comer com boca diversa,

    sentindo na alma o aroma do cux,caruru e camaro.

    No prato:saberes e sabores

    do Maranho.

    9

  • CANOAColeo

  • CANOA

    O sabor de salcom sol

    debaixo do cu,como a carne

    que entranha o solcomo tempero.

    O sabor de solcom sal

    manta de boi estendida,lenol de interior,

    l onde a terra cheiraa carvo queimando,

    enquanto a farofa espera.

    11

  • Receita

    12

    CARNE DE SOLAutor: Rgis Fialho (Restaurante Cabana do Sol)

    iNgREDiENtESMiolo de alcatraSal a gostoAlholeoLeite lquido

    MODO DE pREpARAR

    Retire o excesso de pele e abre a carne. Faa uma pas-ta de alho modo no liquidificador com leo e sal. Tempere a carne com esta mistura. Aps acrescente o leite, tambm com um pouco de sal. A carne deve ficar de molho no leite durante uma hora. Escorra a carne e estenda a mesma em local protegido por quatro horas. Deve ser assada na brasa.

    RECEITA S DAS GUARNIES

    ARROZ BRANCORefogue alho e leo, acrescente o arroz refogue por mais alguns minutos e acrescente para cada medida de arroz duas medidas de gua quente. Deixe ferver em fogo baixo at evaporar toda a gua.

    BAIO DE DOISCozinhe o feijo verde com gua e sal, depois de cozido tempere com tomate, cebola e alho acres-cente o arroz cru que deve ser cozido dentro do feijo aproveitando o caldo.

    FEIjO DE CALDOCozinhe o feijo verde com gua e sal, aps tempe-re com tomate, cebola, alho e leo. Deixe ferver um pouco para absorver os temperos. Depois de pron-to deve ser adicionados maxixe, quiabo e abbora que devem ser cozidos a parte.

    PAOCACorta a carne de sol em cubos mdios. Coloque no fogo com sal e gua para cozinhar. Aps frita

    a carne no leo, depois soque no pilo, acrescente a farinha branca fina e a cebola em cubos e aquea para servir.

    PUR DE MANDIOCARetire as cascas, cozinha em gua e sal. Aps cozida bata no liquidificador com leite, sal e margarina.

    BANANA A MILANESA Utilize banana prata. Retire a casca, em seguida faa uma mistura com gema de ovo, clara e um pouco de gua. Passe a banana nesta mistura, empane na fari-nha de rosca e frite em gordura quente.

    MANTEIGA DE GARRAFAManteiga caseira da terra

    RAPADURA Caseira , servida em cubos

  • 13

  • Conceito

    Um dos mais expressivos cones que configu-ram a identidade cultural do Maranho so suas singulares embarcaes, e dentre elas des-taca-se a canoa costeira, barco de transporte de cargas cujo design aperfeioado ao longo dos sculos deriva-se de um Cutter ingls, adap-tado s condies martimas da regio.

    Esta canoa serviu de inspirao para a con-cepo dos vasilhames utilizados para servir a carne de sol, prato tpico da culinria nordesti-na, que no Maranho diferencia-se pelo modo como servida, com seis acompanhamentos, e sempre em refeies compartilhadas por vrias pessoas.

    pratoCermica esmaltada.Dim.: 37x42 / 2,5 cm

    CanoaCermica esmaltada.Dim.: 17,5x14 / 8,5 cm

    14

  • 15

  • LENISColeo

  • LENiS

    O Maranho oferece seu leitoe cozinha do seu jeitoo sabor de sua gente.

    E faz de um modo to quenteque peixe deita nos lenis

    enquanto o apetite acontece.

    17

  • Receita

    18

    PEIXE ESCABECHEAutor: Francisca da Silva Oliveira

    INGREDIENTES1 kg de postas de pescadasal a gusto2 limes colher de vinagre1 vidro de leite de coco natural1 colherrsa de oleo soja1 mao de cheiroverde1 tomate1 cebola2 dentes de alhopisado copo de extrato

    MODO DE PREPARAR

    Primeiramente prepare o molho com vinagre, sal, limo e alho. Reserve o peixe no molho por dez minutos. Aps frite o peixe no leo bem quente.Em seguida refogue o tomate, a cebola, cheiro verde, com o leo. Depois coloque o peixe dentro e deixe cozinhar por mais cinco minutos. Servir com vinagrete, farofa e arroz.

    TORTAS SALGADASAutor: Maria dos Remdios Moraes Coelho Cozinheira tradicional

    INGREDIENTES2 kg de camaro seco e fresco200g de batata1 duzia de ovos1 colher de sopa de farinha de trigo ou maisena200ml de leite de coco03 pes francs limo, cheiro verde, pimenta de cheiro, extrato de tomate a gostos