Simpósios Editorial Cáritas

  • Published on
    24-Jul-2016

  • View
    214

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

A Critas Arquidiocesana de Braga na Universidade Catlica

Transcript

  • OS SIMPSIOS DA EDITORIAL

    A CRITASDE BRAGANA UNIVERSIDADE CATLICA

    CritasEditorial

    PortuguesaCaritas

    N. 00 | NOVEMBRO 2015

  • EDITORIAL CRITAS

    Praa Pasteur, n 11 - 2., Esq.1000-238 LISBOAcaritaseditora@caritas.ptTel. +351 218 454 220, fax. +351 218 454 221

    NDICECRITAS DE BRAGA E UNIVERSIDADE CATLICA VOLTA DOS LIVROS 4

    A ALIANA DO PENSAR E DO FAZER,D. Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz de Braga 6

    CRISTOS PENSADORES DO SOCIAL,Joo Duque, Universidade Catlica 9

    JEAN-YVEZ CALVEZ,Joo Duque, Universidade Catlica 10

    ENTREVISTA A JOS CARLOS MIRANDA 15

    ENTREVISTA A ANTNIO MORO 17

  • 3A ALIANA DO PENSAR E DO FAZER

  • 4CritasEditorial

    PortuguesaCaritas

    CRITAS DE BRAGAE UNIVERSIDADECATLICA VOLTA DOS LIVROS

    Um conjunto de quatro obras da Editorial Critas foi apresentado, na passada semana, no Auditrio de Cincias Sociais da Universidade Catlica de Braga. Uma iniciativa que juntou a Critas Portuguesa, a Critas Arquidiocesana de Braga e a Universidade Catlica. Joo Duque, Diretor do Centro Regional de Braga da Universidade Catlica, a importncia desta aliana entre duas instituies ao nvel do pensar e do fazer: esta aliana com a Universidade uma boa iniciativa da Critas. O assunto precisa de ser pensado tambm ao nvel universitrio. Joo Duque explica a forma como estas duas dimenses se cruzam no contexto da Universidade Catlica de Braga: a Critas tem uma dimenso teolgica porque uma atividade da Igreja e, portanto, tem de ser pensada a e isso j comeou na Faculdade de Teologia h mais tempo, a teologia a pensar a dimenso social e, por outro lado, a Critas, como instituio a pensar a Teologia. Depois, noutra dimenso, sobretudo na interveno social, que a UCP privilegia, so reas que tm de ser pensadas academicamente

    no s quanto sua realizao pragmtica, como tcnicas de interveno, mas tambm em relao sua fundamentao. A aliana com uma Instituio que est no terreno e tem a sua prtica prpria parece-me muito benfica, so interesses e objetivos muito comuns e, por isso, s faz todo o sentido trabalharmos em comum.Neste contexto e perante um auditrio, essencialmente acadmico, Eugnio Fonseca, presidente da Critas Portuguesa, destacou a importncia dos jovens que se preparam para serem atores da ao social tomarem conhecimento das linhas de pensamento dos principais autores que estudaram os temas da Doutrina Social e do Pensamento Social Cristo.Estas sesses de apresentao dos ttulos publicados pela Editorial Critas so parte de uma estratgia que ultrapassa a questo comercial, sublinhou. Eugnio Fonseca, explicando que este um esforo de revolucionar aquilo que a partir do pensamento dos autores possa ser o contributo que dos participantes para cada tema. Queremos que, para alm das

    pessoas poderem ficar com o livro na mo, possam tambm ter uma reflexo inicial que lhe permita olhar para a obra no apenas como um instrumento de reflexo e pensamento mas como uma forma de melhorar a sua ao presente ou futura, no que ao social diz respeitoColocando a dimenso social lado a lado com a dimenso da teologia e da filosofia, a Editorial Critas promove o aprofundamento daquilo que so efetivamente as nossa preocupaes, explica Eugnio Fonseca, destacando a importncia desta ligao da Critas ao meio universitrio. A Critas no s partilha de bens materiais, tem de o fazer, sem dvida, em primeira linha, zelando pelo cumprimento dos direitos humanos, mas tem tambm de ser agente de transformao social e estas sesses criam condies para isso, contribuindo para a mudana de um modelo social que j nos revelou as suas fragilidades.A Editorial Critas um trabalho desenvolvido pela Critas Portuguesa, tem como objetivo a publicao de obras consideradas fundamentais e que servem de pilar para a ao que se concretiza

  • 5A ALIANA DO PENSAR E DO FAZER

    CRITAS DE BRAGAE UNIVERSIDADECATLICA VOLTA DOS LIVROS

    PortuguesaCaritas

    diariamente. Isto mesmo foi testemunhado nesta manh, por Eva Ferreira, da Critas Arquidiocesana de Braga, conhecimento da realidade e das prticas de interveno fundamental para alcanar uma ao de proximidade, que o objetivo da Critas na resposta diria vida das pessoas e isto, esta expresso do Amor ao Prximo, no pode ser feita sem que as duas conhecimento terico e prtica da realidade - andem de mo dada. O Amor ao Prximo, alimenta-se do conhecimento.Presente no encerramento deste encontro, D. Jorge

    Ortiga, sublinhou a importncia dos agentes sociais da Igreja pensarem o agir evitando o erro de se brincar caridadezinha. Reconhecendo que nem sempre fcil conciliar o pensar e o agir: muitas vezes os agentes ligados pastoral social colocam a tnica do pensamento no abstracto. Para D. Jorge Ortiga importante inverter esta situao e, aqui, revela-se muito importante o papel da Editorial Critas: esta espcie de aliana entre a Faculdade e a Critas essencial nos tempos que correm.

  • 6CritasEditorial

    PortuguesaCaritas

    A ALIANA DO PENSAR E DO FAZERD. JORGE ORTIGA, ARCEBISPO PRIMAZ DE BRAGA

    Editorial Critas: Esteve recentemente na apresentao de alguns livros da Editorial Caritas na Universidade Catlica em Braga. Falou-se nesse contexto de uma aliana entre o fazer e o pensar. Como que v esta aliana? d. JorgE ortiga: Ningum ignora que a sociedade actual se deixa movimentar pura e simplesmente por aquelas ideias do espontneo, do imediato, muitas vezes do irreflectido. Permite-se que o emotivo venha ao de cima de modo quase intempestivo, no permitindo uma interveno verdadeiramente reflectida. Por isso eu creio que imperioso hoje mais do que nunca fazer uma aliana entre aquilo que ns teremos de fazer, no caso concreto no domnio social, mas tambm naquilo que devemos pensar. Alis estou profundamente convencido que s um pensamento

    Precisamos de ter voluntrios e no s voluntrios, porque hpessoas tambm que trabalham para a Critas,mas devidamente qualificados.

    bem estruturado e consequentemente tambm um trabalho para que isso acontea atravs de diversos meios, portanto pensar bem a realidade social que nos permitir tambm depois agir de um modo adequado e no apenas respondendo com respostas imediatas, mas numa interveno toda ela mais estruturada. E da que esta aliana, disse-o naquela altura, fundamental. fundamental na rea do social, como fundamental em qualquer outra rea da pastoral, mas no social hoje mais do que nunca. imperioso conhecer profundamente os problemas, porque s conhecendo os problemas conseguiremos chegar s causas desses problemas e naturalmente no nos resignaremos a um assistencialismo, a ir ao encontro de uma situao concreta, mas depois o problema continua por resolver, e s deste modo iremos construindo naturalmente uma sociedade diferente. Alis os papas nomeadamente So Joo Paulo II, ou Bento XVI e agora o papa Francisco falam muitas vezes desta crise, deste momento da crise no qual ns nos encontramos e dizem que esta crise no meramente econmica, mas uma crise sinal de uma alterao de uma civilizao ou

  • 7A ALIANA DO PENSAR E DO FAZER

    de uma cultura. Estamos perante uma nova cultura, uma nova civilizao. Da a importncia de conhecer esta nova cultura, esta nova civilizao, para fazer com que a aco social da igreja seja centralmente muito mais objectiva e consequentemente mais realista e que seja factor de ultrapassar os diversos problemas que hoje existem. EC: A Critas Portuguesa uma das instituies que est no terreno justamente com essa perspectivas da proximidade aos mais desfavorecidos. Qual o papel que a editorial Critas pode ter na formao de agentes sociais que actuam nas parquias a nvel do voluntariado, mas tambm a nvel dos profissionais nas reas

    de interveno social?

    JO: Esse j um outro sector. Evidentemente que a Critas e toda a dimenso social ou scio-caritativa da igreja, interpretada normalmente por voluntrios. O voluntrio, como a palavra em si mesma diz, est cheio de boa vontade, mas hoje ns no iremos muito longe s com boas vontades. A boa vontade necessita de ser tambm formada e preparada, se bem que temos tambm na dimenso social, nomeadamente nos centros sociais paroquiais - estou a fugir Critas, pelo desculpa por isso- ns temos tambm profissionais, digamos assim, a trabalhar. Mas seja como for, olhando para a Critas , mais concretamente onde efectivamente o voluntariado emerge, mesmo no voluntariado e naqueles e naquelas que

    trabalham todos os dias para a Critas, esta formao qualquer coisa de imprescindvel. Sem a formao, no conseguiremos como atrs referia, chegar causa dos problemas e responder adequadamente a esses problemas. Portanto, uma aposta na formao para todos os agentes da pastoral social imperioso, e um trabalho de igreja que a Critas tem realizado no sentido de publicar alguns livros abordando temticas muito concretas para essa mesma formao. Bastaria que os nossos agentes da pastoral social pegassem nesses livros, reflectissem sobre eles individualmente e depois tambm em grupo para que, olhando para aquilo que o pensar nos diz depois, sendo agentes de proximidade, encontrassem as respostas mais oportunas para aquele lugar, aquele momento onde se encontram. EC: Ou seja, valoriza o papel da Editorial Critas na formao, no investimento que est a fazer tambm na cultura dos agentes de aco social? JO: Precisamos de ter voluntrios e no s voluntrios, porque h pessoas tambm que trabalham para a Critas, mas devidamente qualificados. Qualificados para que no vivamos de um amadorismo, no faamos as coisas de qualquer modo e de qualquer maneira, mas apostemos numa realidade que tambm importante, que um certo profissionalismo. O papa Bento XVI na Deus Caritas Est diz que no chega o profissionalismo, que necessria mais a formao

    do corao, mas meso a, nessa rea de formar o corao tambm necessrio trabalhar e tambm necessrio fazer com que o nosso prprio corao, a nossa sensib