Síndromes Geriátricas

  • View
    69

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

artigo de reviso

Principais sndromes geritricasMain geriatric syndromesEdgar Nunes de Moraes1, Marlia Campos de Abreu Marino2, Rodrigo Ribeiro Santos 3

resUMo1 Coordenador do Ncleo de Geriatria e Gerontologia, Faculdade de Medicina da UFMG, Belo Horizonte, MG - Brasil. Professor Adjunto do Departamento de Clnica Mdica. Coordenador do Centro de Referncia do Idoso Prof. Caio Benjamin Dias/HC-UFMG, Belo Horizonte, MG Brasil. Especialista em Geriatria pela SBGG. 2 Professora Adjunto do Departamento de Clnica Mdica da Faculdade de Medicina da UFMG, Belo Horizonte, MG Brasil. Especialista em Geriatria pela SBGG. 3 Especialista em Geriatria pela SBGG. Membro Colaborador do Ncleo de Geriatria e Gerontologia, Faculdade de Medicina da UFMG, Belo Horizonte, MG - Brasil. Preceptor do Centro de Referncia do Idoso do HC-UFMG, Belo Horizonte, MG - Brasil. Mestrado pelo Instituto de Cincias Biolgicas da UFMG, Belo Horizonte, MG - Brasil. Doutorando em Neurocincias.

Reviso acerca das grandes sndromes geritricas: incapacidade cognitiva, instabilidade postural, imobilidade e incapacidade comunicativa, com enfoque nos aspectos etiolgicos, diagnstico e condutas teraputicas. A sade do idoso est estritamente relacionada com a sua funcionalidade global, definida como a capacidade de gerir a prpria vida ou cuidar de si mesmo. Essa capacidade de funcionar sozinho avaliada por meio da anlise das atividades de vida diria, que so tarefas do cotidiano realizadas pelo paciente. A sade do idoso determinada pelo funcionamento harmonioso de quatro domnios funcionais: cognio, humor, mobilidade e comunicao. A perda dessas funes resulta nas grandes sndromes geritricas abordadas. Palavras-chave: Geriatria; Idoso; Sade do Idoso. aBstraCt Review about major geriatric syndromes: cognitive impairment, postural instability, immobility and communicative disability, focusing on the etiology, diagnosis and therapeutic aspects. The health of the elderly is closely related to their overall functionality, defined as their ability to manage their own life or take care of themselves. This ability of functioning alone is evaluated by the analysis of the daily activities, which are the daily tasks carried out by the patient. The elderly health is determined by the harmonic functioning of four functional domains: cognition, mood, mobility and communication. The loss of these functions results in the major geriatric syndromes addressed. Key words: Geriatrics; Aged; Health of the Elderly.

introdUoA sade do idoso est estritamente relacionada com a sua funcionalidade global, definida como a capacidade de gerir a prpria vida ou cuidar de si mesmo. O idoso considerado saudvel quando capaz de funcionar sozinho, de forma independente e autnoma, mesmo que tenha doenas. Desta forma, resgata-se o conceito de sade estabelecido pela Organizao Mundial de Sade como sendo o mais completo bem-estar biopsicossocial-cultural-espiritual, e no simplesmente a ausncia de doenas. Essa capacidade de funcionar sozinho avaliada por meio da anlise das atividades de vida diria (AVDs), que so tarefas do cotidiano realizadas pelo paciente. As AVDs avaliam o grau de autonomia e independncia do indivduo.1 A autonomia a capacidade individual de deciso e comando sobre as suas aes, estabelecendo e seguindo as prprias regras. Significa capacidade para deci-

Recebido em: 29/07/2009 Aprovado em: 22/10/2009 Instituio: Faculdade de Medicina e Hospital das Clnicas da UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil Endereo para correspondncia: Departamento de Clnica Mdica de Faculdade de Medicina UFMG Avenida: Alfredo Balena, 190, 2 andar CEP: 30130-100 Belo Horizonte - MG, Brasil Email: racfled@dedalus.lcc.ufmg.br

54

Rev Med Minas Gerais 2010; 20(1): 54-66

Principais sndromes geritricas

dir e depende diretamente da cognio e do humor. A independncia refere-se capacidade de realizar algo com os prprios meios. Significa execuo e depende diretamente de mobilidade e comunicao. Portanto, a sade do idoso determinada pelo funcionamento harmonioso de quatro domnios funcionais: cognio, humor, mobilidade e comunicao. Tais domnios devem ser rotineiramente avaliados na consulta geritrica.2 A cognio a capacidade mental de compreender e resolver os problemas do cotidiano. constituda por um conjunto de funes corticais, formadas pela memria (capacidade de armazenamento de informaes), funo executiva (capacidade de planejamento, antecipao, sequenciamento e monitoramento de tarefas complexas), linguagem (capacidade de compreenso e expresso da linguagem oral e escrita), praxia (capacidade de executar um ato motor), gnosia (capacidade de reconhecimento de estmulos visuais, auditivos e tteis) e funo visuoespacial (capacidade de localizao no espao e percepo das relaes dos objetos entre si). O humor a motivao necessria para os processos mentais. A mobilidade a capacidade de deslocamento do indivduo. Depende da postura/marcha, da capacidade aerbica e da continncia esfincteriana. E, finalmente, a comunicao a capacidade de estabelecer relacionamento

produtivo com o meio (habilidade de se comunicar). Depende de viso, audio e fala. (Figura 1) A perda dessas funes resulta nas grandes sndromes geritricas: incapacidade cognitiva, instabilidade postural, imobilidade e incapacidade comunicativa. O desconhecimento das particularidades do processo de envelhecimento pode gerar intervenes capazes de piorar o estado de sade da pessoa idosa - a iatrogenia, que representa todo o malefcio causado pelos profissionais da rea de sade. A incontinncia urinria tambm reconhecida como uma das grandes sndromes geritricas. Ela afeta a independncia do indivduo, comprometendo, indiretamente, a funo mobilidade. O idoso com incontinncia esfincteriana sofre limitao de sua participao social, em virtude da insegurana gerada pela perda do controle miccional. A famlia, por sua vez, outro elemento fundamental para o bem-estar biopsicossocial e sua ausncia capaz de desencadear ou perpetuar a perda de autonomia e independncia do idoso (insuficincia familiar). Os idosos so vtimas em nmero significativo de sndromes semelhantes, independentemente de doenas especficas1, denominadas gigantes da geriatria. Descritas inicialmente por Isaacs3, as grandes sndromes geritricas no incluam a incapacidade comunicativa e a insuficincia familiar. A sua inclu-

SADE

FUNCIONALIDADE GLOBAL

CAPACIDADE DE FUNCIONAR SOZINHO Gerir a prpria vida Cuidar de si mesmo

ATIVIDADES DE VIDA DIRIA

AUTONOMIA

INDEPENDNCIA

COGNIO Figura 1 - Domnios de Sade do Idoso

HUMOR

MOBILIDADE

COMUNICAO

Rev Med Minas Gerais 2010; 20(1): 54-66

55

Principais sndromes geritricas

so deve ser contemplada, pois so sndromes frequentes e que atuam diretamente na sade do idoso, totalizando os 7 Is da Geriatria.1 (Figura 2)

Esquecimento Perda de memria ou lapsos de memria

Incapacidade cognitivaDesigna o comprometimento das funes enceflicas superiores capaz de prejudicar a funcionalidade da pessoa. As alteraes nas funes superiores que no apresentam prejuzo na funcionalidade do paciente no podem ser classificadas como incapacidade cognitiva. Essas alteraes constituem o transtorno cognitivo leve. Para o estabelecimento do diagnstico de incapacidade cognitiva. fundamental a constatao do prejuzo na funcionalidade do indivduo ou perda de AVDs. (Figura 3) As principais etiologias da incapacidade cognitiva so: demncia, depresso, delirium e doenas mentais, como esquizofrenia, oligofrenia e parafrenia. recomendado o uso de normas padronizadas para detectar as alteraes na funcionalidade dos idosos pelo desempenho em suas atividades bsicas ou instrumentais de vida diria, por intermdio das escalas de Katz4 e de Lawton-Brody5, respectivamente. (Figura 4)AUTONOMIA (Deciso)

Ausncia de perda cognitiva (Triagem cognitiva normal)

Presena de perda cognitiva (Testes de triagem cognitiva anormais)

Transtorno Cognitivo Leve AVDs preservadas

Incapacidade Cognitiva AVDs comprometidas

Figura 3 - Incapacidade cognitivaINCAPACIDADE COGNITIVA Baixo performance nos testes cognitivos Dependncia nas atividades de vida diria

DELIRIUM

DEPRESSO

DEMNCIA

DOENA MENTAL Esquizofrenia Parafrenia Oligofrenia

Causas Reversveis

Causas Irreversveis

Figura 4 - Os quatros Ds da incapacidade cognitiva INDEPENDNCIA (Deciso)

COGNIO

HUMOR

MOBILIDADE

COMUNICAO

Memria Funo Executiva Linguagem Funo visoespacial Gnosia Praxia

Motivao Viso Audio Fala

Postura e Marcha Capacidade aerbica

Continncia es ncteriana

INCAPACIDADE COGNITIVA

INSTABILIDADE POSTURAL

IMOBILIDADE

INCONTINNCIA ESFINCTERIANA

INCAPACIDADE COMUNICATIVA

IATROGENIA INSUFICINCIA FAMILIAR Figura 2 - Grandes sindromes geritricas

56

Rev Med Minas Gerais 2010; 20(1): 54-66

Principais sndromes geritricas

O miniexame do estado mental (MEEM), descrito por Folstein6, representa o principal teste de triagem das funes enceflicas superiores. Todos os testes de triagem cognitiva so influenciados pelo nvel de escolaridade (instruo) dos pacientes. O indicador de escolaridade possibilita a correo dos escores dos testes. No MEEM utiliza-se como ponto de corte o escore 18 para indivduos analfabetos e 26 para aqueles com escolaridade superior a oito anos.7 A Figura 5 mostra um fluxograma para a triagem de dficit cognitivo. O diagnstico etiolgico nem sempre fcil, j que as causas de incapacidade podem coexistir no mesmo paciente. O delirium (estado confusional agudo) tambm pode simular ou associar-se demncia ou depresso. A histria pregressa constituise em elemento dos mais importantes para a distino entre a demncia e as doenas psiquitricas (Tabela 1). O critrio mais utilizado para o diagns