Start Stop

  • Published on
    15-Nov-2015

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Sistemas de economia de combustvel

Transcript

  • T E C N O L O G I A V E R D E

    1 8

    por Fbio Reynol

    Indstria automobilstica buscasair da lista dos viles ambientais

    Ao ligar o seu carro para ir ao traba-lho toda manh voc estar entre os prin-cipais responsveis pela emisso de car-bono na atmosfera. Caso voc trafeguepela Grande So Paulo, 97% desse ele-mento lanado diariamente no ar daregio sair do seu e dos outros 7,3milhes de veculos da maior megal-pole do pas. Em mdia, para cada litrode gasolina queimado num motor de car-ro so expelidos mais de dois quilos dedixido de carbono (CO2). Se o combus-tvel for lcool saem do escapamentoaproximadamente 1,4kg de CO2 por litroconsumido.

    Os dados foram registrados pelaCompanhia de Tecnologia de Saneamen-to Ambiental do Estado de So Paulo(Cetesb) e divulgados no recm-publica-do relatrio de 2006 de qualidade do arno estado. Os nmeros mostram a con-sidervel participao dos veculos auto-motores nos nveis de poluio urbanae no conseqente aumento no efeito estu-fa. A indstria automobilstica, por for-a de lei e para atrair um pblico cadavez mais interessado em questesambientais, est respondendo ao pro-blema com novas tecnologias de redu-o de poluentes.

    Uma das respostas do setor ao malque sai dos escapamentos est na pr-xima gerao dos sistemas de partida afrio para motores bicombustveis. Desdeo seu lanamento no fim da dcada de1970, o motor a lcool brasileiro sempre

    apresentou dificuldades para entrar emfuncionamento nos dias frios. De l parac, pouca coisa mudou na soluo encon-trada para contornar o problema: ummini-tanque de gasolina para ajudar napartida. A diferena que na dcada de1980 era o motorista que apertava umboto para injetar gasolina durante asmanhs de inverno, hoje um softwarefaz isso automaticamente, mas o tan-quinho ainda est l anexado aos moder-nos motores flex.

    O novo sistema de partida a frio dosaa quantidade exata de calor necessriopara aquecer o combustvel antes de eleser injetado. "Com isso obtemos umamelhor queima do lcool, gasolina ouqualquer mistura dos dois e reduzimosas emisses de poluentes em torno de18%", revela Fbio Ferreira, gerente dedesenvolvimento de produto da unida-de de sistemas a gasolina da RobertBosch da Amrica Latina, uma das

    empresas que esto desenvolvendo a tec-nologia. Prevista para equipar os carrosbrasileiros a partir do prximo ano, anova partida a frio uma das promes-sas de carros menos poluidores. Em simu-laes de laboratrio, os tcnicos daempresa chegaram a obter uma redu-o de at 40% nas emisses de poluen-tes, segundo Ferreira. Alm disso, elatrar mais segurana ao eliminar o tan-quinho de gasolina.

    Reduzir emisses atravs da econo-mia de combustvel o objetivo de outratecnologia tambm em desenvolvimen-to nos laboratrios da Bosch. Batizadode "Start-Stop", o sistema consiste emum leitor que reconhece uma srie decondies de uso do carro. Desse modo,a unidade de comando desliga automa-ticamente o motor quando o automvelfica parado em marcha lenta por um lon-go perodo. Assim que o motorista acio-na o acelerador o motor religado. O"Start-Stop" deve reduzir o consumo decombustvel entre 5% e 15%, segundo ostcnicos da empresa.

    Em paralelo com as pesquisas de oti-mizao de consumo esto as de desen-volvimento de motores que usam com-bustveis mais limpos. no que apostaa unidade brasileira do grupo francsPSA Peugeot Citron. Desde junho aempresa exporta motores bicombust-veis para o mercado europeu. A fbricade Porto Real (RJ) a primeira do Brasila fornecer motores flex para outros pa-

    POR FORA DA LEI E PARA ATRAIR UM

    PBLICO CADA VEZ MAIS INTERESSADO EM AESPARA A PRESERVAO DO MEIO AMBIENTE, SETOR

    INVESTE EM NOVAS TECNOLOGIAS DE REDUO

    DE POLUENTES

    inova18-19autom.qxd 11/13/2007 9:42 AM Page 2

  • 1 9

    ta o qumico Miguel Dabdoub, coorde-nador do Ladetel e Presidente da CmaraSetorial de Biocombustveis do Governodo Estado de So Paulo. "Todos os esta-dos brasileiros podero se desenvolvercom o biodiesel atravs da utilizao deoleaginosas oriundas de cada regio,"aposta o pesquisador.

    Os combustveis de origem vegetaltambm so a maior esperana de outramontadora francesa, a Renault, paracumprir a sua meta mundial: venderat 2008 um milho de veculos queemitam menos de 140 gramas de di-xido de carbono (CO2) por quilmetrorodado. Com isso, a empresa pretendefigurar em 2009 entre as trs mais efi-cientes automobilsticas do mundo embaixa emisso de CO2. At l, a Renaultespera ter 50% de seus veculos a gaso-lina vendidos na Europa equipados commotores bicombustveis. "A tecnologiaflex brasileira ser a referncia para osistema europeu", afirma o supervisorde engenharia da Renault no Brasil,Carlos Bonote.

    Outra cartada da montadora france-sa para reduzir emisses o chamado"downsizing" que nada mais que adiminuio da cilindrada dos motores,mas mantendo o desempenho de mode-

    los mais robustos. Com essa filosofiaa empresa criou o TCE, um motor de1,2 litro com potncia de 100 cv, tpicade motores 1,4 litro, e torque de 145Nm, prprio dos carros 1,6 l. Utilizandoo mesmo princpio, a General Motorsdo Brasil desenvolveu o motor 1,4Econoflex. Com uma taxa de compres-so maior, o motor apresenta potn-cia superior a veculos 1,6 litro.

    Alm do chamado marketingambiental, todos esses investimentostm por trs outro poderoso motiva-dor, a legislao. Baseado em pasesdesenvolvidos, o Programa de Controlede Poluio do Ar por Veculos Auto-motores (Proconve) estabelece redu-es graduais de emisses nos vecu-los novos. Desde o seu incio em 1986,o Programa registrou uma reduo deat 96% nos poluentes em comparaoaos motores produzidos h duas dca-das. Atualmente, os veculos leves soa maior prioridade do Proconve. Devido sua grande quantidade, os carros depasseio formam o grupo que leva amaior culpa pela baixa qualidade do ardos grandes centros. Por isso, autom-veis que poluem menos podem signifi-car cus mais azuis e conscincias maisleves na hora de ligar o motor.

    ses e atualmente equipa veculos vendi-dos na Frana e na Sucia. Com umalegislao ambiental cada vez mais exi-gente, a Europa viu na tecnologia brasi-leira uma alternativa de reduo da polui-o. Os motores flex feitos aqui se ajus-taram bem ao lcool europeu, que usabeterraba como matria-prima e ven-dido sempre misturado gasolina.

    Ainda visando o exigente mercadoeuropeu, a PSA firmou uma parceriacom o Laboratrio de Desenvolvimentode Tecnologias Limpas (Ladetel) da USPde Ribeiro Preto para testar veculosde passeio movidos a biodiesel. OLaboratrio tem obtido sucesso com oB30, 30% de biodiesel misturado com70% de leo diesel. Um dos objetivosdo projeto examinar amostras de bio-diesel feitas a partir de diferentes mat-rias-primas como soja, soja com mamo-na e palma. At agora os tcnicos noencontraram sinais de desgaste emcomponentes provocados pelo novocombustvel e ainda registraram umareduo de 23% na emisso de partcu-las e de 11% nas emisses de monxi-do de carbono.

    Alm das vantagens ambientais, obiodiesel pode trazer benefcios sociaise econmicos ao Brasil. no que acredi-

    Divulgao

    Laboratrio da USP de Ribeiro Preto

    testa veculos movidos a biodiesel

    inova18-19autom.qxd 11/13/2007 9:42 AM Page 3