TEMAS PARA O D.D.S. - DILOGO DIRIO DE SEGURANA III

  • Published on
    21-Jul-2015

  • View
    998

  • Download
    1

Transcript

Proposta para DDS( 5 MINUTOS DE SEGURANA) no DSACRONOGRAMA DE DATAS:SEMANA DATA SEMANA DATA SEMANA DATA SEMANA DATA01 14 27 03 e 05/07 40 02 e 04/1002 15 28 10 e 12/07 41 09 e 11/1003 16 29 17 e 19/07 42 16 e 18/1004 17 30 24 e 26/07 43 23 e 25/1005 18 31 31/07 e 02/08 44 30/10 e 01/1106 19 -070809 -1011 -1213 26 26 e 28/06 39 25 e 27/09 52 25 e 27/1220 17/0 5 33 21 22 e 24/05 34 21 e 23/08 47 20 e 22/1122 23 05 e 07/06 36 04 e 06/09 49 04 e 06/1224 25 19 e 21/06 38 18 e 20/09 51 18 e 20/1232 07 e 09/08 45 06 e 08/1129 e 31/05 35 28 e 30/08 48 27 e 29/1112 e 14/06 37 11 e 13/09 50 11 e 13/1214 e 16/08 46 13 e 15/11PREMISSAS: o o o o o o o o Abordagem no incio do turno; Pblico alvo; maior quantidade possvel de funcionrios do turno, Local, SDCD MPIV,Linha de Embalagem e Desaguadora Tema, o da semana em referncia conforme cronograma apresentado; Tempo de exposio, 5 minutos; Exposio, todos os Turnos que nestes dias estiverem trabalhando; Responsvel pelo evento e registro, Lder; Palestrante:Lder (na ausncia do Lder o Operador de Painel I )e Operador da Desaguadora. NDICE DE TEMAS: 1 fase1. SEGURANA DEVE FAZER PARTE DO NOSSO DIA-A DIA 2. QUESTO DISCIPLINAR13. EQUIPAMENTO DE PROTEO (EPI) 4. EPI DE QUEM A RESPONSABILIDADE 5. EPI E LEGISLAO 6. CULOS DE SEGURANA 7. EFEITOS DO RUDO NO HOMEN E SEU SISTEMA AUDITIVO 8. VAPORES AGENTE QUMICO 9. TRABALHANDO CORRETAMENTE SE EVITAM ACIDENTES 10. OS TRABALHADORES QUE PENSAM EVITAM ACIDENTES 11. TODOS DEVEMOS PREOCUPAR-NOS COM A PREVENO DE ACIDENTES 12. PORQUE EXISTEM AS NORMAS DE PREVENA 13. A PREVENO DE ACIDENTES E RESPONSABILIDADE DE TODOS 14. A PREVENO DE ACIDENTES UMA NECESSIDADE 15. MANUSEIO/TRANSPORTE/MANUSEIO/DE PRODUTOS QUMICOS 16. CADEIA DE HBITOS 17. A SADE 18. COLUNA VERTEBRAL: 19. LEVANTAMENTO DE PESO E TRANSPORTE DE OBJETOS MANUALMENTE 20. PLANEJANDO O INESPERADO 21. EM BUSCA DAS CAUSAS DOS ACIDENTES E NO DOS CULPADOS 22. TODOS OS ACIDENTES DEVEM SEREM INVESTIGADOS 23. INVESTIG-LOS PARA QUE NO SE REPITAM 24. TODOS OS ACIDENTES TM UMA CAUS 25. SOLDA 26. AT AS LESES MAIS LEVES DEVEM RECEBER PRIMEIROS SOCORROS 27. OS PRIMEIROS SOCORROS SO IMPORTANTES 28. TRATAMENTO DE EMERGNCIA 29. CORTE NAS MOS 30. O TRABALHO EM EQUIPE 31. A UNIO FAZ A FOR 32. SUGESTES 33. O BOM EXEMPLO 34. O PERIGO DA ROTINA 35. A CURIOSIDADE EXCESSIVA 36. A EXPERINCIA E O EXCESSO DE CONFIANA 37. ATIVIDADE FISCAPALESTRAS: 1 FASE01- SEGURANA DEVE FAZER PARTE DO NOSSO DIA-A DIAA melhor forma de evitar que um acidente ocorra estar sempre atento e antecipar medidas de preveno. para isto necessrio que todos pratiquem a segurana prativa. se voc constatar a existncia de um risco, procure elimin-lo imediatamente ou adote alguma medida que possa minimiz-lo. informar a ocorrncia de quase acidente, uma boa medida para evitar acidentes futuros. ao observar atitudes inseguras por parte de um colega de trabalho, procure alert-lo quanto as consequncias.PRATIQUE A SEGURANA ! IDENTIFIQUE OS POSSVEIS RISCOS E ELIMINE-OS.202- QUESTO DISCIPLINARDisciplina! O que significa isto para a segurana de todos ns? Disciplina significa Seguir Risca a Risco, no quebrar o galho, no permitir ou permitir-se agir fora do procedimento ou agir de forma inadequada sabendo que estamos dando asas para um possvel acidente. Ter disciplina ter um timo comportamento, saber o que podemos e como podemos fazer as coisas... ser irrepreensveis quando falamos de atitudes. E quando falamos de segurana cada um de ns deve ter em mente que isto o que a GM mais preza. a sade fsica e mental de cada empregado. A empresa acredita que investir na segurana de seus trabalhadores um bom investimento e por isso a segurana est em primeiro lugar. Devemos manter o resultado positivos, focando a disciplina e praticando a observao e a ateno nas atividades e nos colegas de trabalhos, no sendo tolerantes aos erros e s prticas de atitudes incorretas que levam aos atos inseguros.Tudo uma questo de disciplina...03- EQUIPAMENTO DE PROTEO INDIVIDUAL (IPI) sabido por todos os empregados que j trabalharam ou trabalham em indstrias, a obrigatoriedade do uso do EPI no exerccio de suas atividades. Na maioria das vezes, esta obrigatoriedade no acompanhada de explicao ao empregado, trazendo ento a rejeio e, no raro, atritos entre ele a sua chefia Visando esclarecer este assunto, vamos a poucas palavras explicar a origem do EPI, suas implicaes e necessidades: Primeiramente devemos saber que: - existe uma lei trabalhista federal que obriga o empregador a fornecer gratuitamente o EPI e o empregado a us-lo;04- EPI DE QUEM A RESPONSABILIDADE:EPI todo dispositivo de segurana de uso individual, destinado a proteger a integridade fsica do trabalhador. O EPI deve ser utilizado em funo dos riscos existentes em cada rea, por isso, que a LWARCEL, adota como EPI bsico (de uso geral), o capacete, o culo, o protetor auricular e a botina de segurana para serem usados pelos empregados, no exerccio de suas atividades em todas as unidades operacionais.Os EPIs especficos so aqueles relacionados aos riscos peculiares e inerentes a cada cargo/posto. RESPONSABILIDADES:O assunto EPI, est regulamentado no artigo 158 - da CLT _ Consolidaes das Leis do Trabalho. e na NR 6 da portaria 3214 do Ministrio do trabalho. Obrigaes do Empregador:- Adquirir o tipo adequado atividade do empregado;- Fornecer ao empregado somente EPI aprovado pelo Ministrio trabalho;Treinar o empregado quanto o seu uso adequado;- Tornar obrigatrio o seu uso.Substitu-lo, imediatamente, quando danificado ou extraviado;- Responsabilizar-se pela sua higienizao e manuteno peridica;- Comunicar ao Ministrio do Trabalho qualquer irregularidade observada no EPI adquirido. Obrigaes do empregado quanto ao EPI:- Us-lo apenas para a finalidade a que se destina;- Responsabilizar-se por sua guarda e conservao;- Comunicar ao empregador qualquer alterao que o torne imprprio para uso. O empregador (empresa) representado pela superviso e chefias s quais cabe zelar pelo uso correto de EPI, quando se fizer necessrio, orientando os empregados e garantindo a utilizao adequada. A responsabilidade quanto indicao e orientao sobre uso correto do3servio especializado em Segurana e Medicina do Trabalho em conjunto com a unidade de trabalho (atravs da superviso e chefias). Por outro lado, o acompanhamento quanto ao uso responsabilidade essencialmente do LDER, considerando que ele que est ali, a todo o momento, acompanhando o processo produtivo. LDER conhea bem os EPIs ! (finalidade, uso correto, limitaes, etc.);. conscientize-os sobre a importncia da preveno;. solicite maiores informaes ou treinamentos sobre os mesmos na segurana do trabalho.D bom exemplo usando tambm os EPIs corretamente e em todas as atividades. Assim voc estar realmente trabalhando em favor de uma educao de segurana ativa, participativa e acima de tudo responsvel.Produzir necessrio mas produzir com segurana prioritrio.05- EPI E LEGISLAO:Como ressaltamos no informe anterior o mais eficaz em se tratando de EPI educarmos o trabalhador para a necessidade de seu uso, pois ele deve ser o mais interessado em si proteger. Este princpio educacional esta presente nas prprias normas da empresa que considera, em uma de suas normas gerais conduta de pessoal, o seguinte: a disciplina deve ser mantida pelas chefias, prioritariamente de forma preventiva, atravs de: A) orientao sistemtica de acompanhamento do empregado no desempenho de suas atividades, B) postura adequada quanto ao padro de comportamento.Entretanto, importante que a LIDERANA conhea e aplique, de forma adequada, o que esta prevista pela empresa atravs de normas gerais ou instrues normativas sobre EPI, pois estas normas so fundamentadas na CLT - Consolidao de Leis do Trabalho em seus artigos 158 e 166 que so regulamentadas nas NR- 1 - Disposies Gerais e NR 6- Equipamentos de Proteo Individual da Portaria 3214 do Ministrio do Trabalho.O Servio de Medicina e Segurana do Trabalho, diz que:- o uso do EPI obrigatrio, incorrendo em falta disciplinar o empregado que no o utilizar.Quanto unidade de trabalho, entre outras, de sua responsabilidade:- requisitar e distribuir os EPIS especficos para seus empregados;- comprovar a distribuio do EPI e fiscalizar o uso obrigatrio dos mesmos pelos empregados. Diante disto, ser tambm responsabilidade da superviso direta, quando da ocorrncia de um acidente do trabalho com o empregado que no estejam utilizando EPI devidamente indicados e colocar disposio, conforme orientao e / ou treinamento especficos. Portanto, o no uso do EPI, quando necessrio e sem justificativa motivo, por condio legal e interna da empresa, para aplicao de medida disciplinar.PREVENIR AGIR ANTES, EDUCAR PREVENIR 06- CULOS DE SEGURANA:A proteo dos olhos um dos pontos importantes na preveno de acidentes e a finalidades dos culos de segurana proteg-los contra partculas slidas projetadas e / ou em suspenso. Praticamente em toda rea da usina, existe uma grande variedade de riscos que podem ter como conseqncia a leso nos olhos. por isto, que os culos de segurana considerados EPI bsico, ou seja, indicado e de uso obrigatrio para todo empregado ou pessoa que trabalhe ou transite na rea da usina. Recomendaes sobre o uso e conservao - O culo deve ajustar-se perfeitamente ao rosto, sem deixar aberturas; - A haste ou elstico deve manter os culos firme no rosto, porm sem incomodar ou machucar; - Use-se constantemente durante todo o tempo que permanecer no trabalho para o qual for designado;4- Ao colocar ou retirar no segure o culos apenas por uma haste, mas pelas duas ao mesmo tempo; - Limpe as lentes somente com tecido ou papel limpo e macio;- No deixe que as lentes tenham contato com qualquer superfcie, coloque os culos com as lentes sempre para cima;- No o guarde ou carregue-o nos bolsos traseiros das calas; - No o transporte junto de ferramentas; - No o abandone junto a fontes de calor; - No deixe em local onde possa receber respingos de leo, graxa, cidos, corrosivos, solventes ou qualquer substncia que possa danific-lo; - No use os culos com defeitos (falta de proteo lateral, elstico ou hastes danificadas ou lentes riscadas); - Em locais sujeitos a embaa mento das lentes, use o lquido anti-embaante.07- EFEITOS DO RUDO NO HOMEN E SEU SISTEMA AUDITIVO:(A conseqncia mais evidente a SURDEZ, que depende de alguns fatores, como: Intensidade, tipo de rudo-contnuo, intermitente ou impacto, sua qualidade (sons agudos) so mais prejudiciais que os graves), susceptibilidade individual, tempo de exposio e a idade. A surdez pode ser dividida em trs grupos que so: * Temporria, * Permanente, * Trauma acstico, A surdez temporria: caracterizada pela dificuldade de audio, embora passageira, que notamos aps exposio pr algum tempo a rudo intenso. A exposio prolongada repetida ao rudo capaz no s de causar a surdez temporria como, potencialmente, provocar a surdez permanente. Se a exposio for repetida antes de uma completa recuperao, pode tornar-se em surdez permanente. Podendo ainda ocorrer fadiga dos msculos do ouvido mdio. A surdez permanente: a perda irreversvel da capacidade auditiva, devido exposio contnua, ou seja o trabalhador fica exposto ao rudo de intensidade excessiva, sem proteo auditiva. No princpio, ocorre destruio das clulas no incio do caracol,, sensvel a sons de 4.000 Hz, e a alterao no percebido pr no atingir a freqncia da fala. As perdas progridem at atingir freqncias da comunicao oral, entre 250 e 2.000 Hz, quando a vibrao chega ao ouvido, mas no consegue ser transmitida. O trauma acstico: de instalao repentina, aps a exposio a rudo intenso como de exploses e impactos, que podem causar perfuraes no tmpano e mesmo deslocamento dos ossculos, causando a surdez temporria ou permanente. Outros efeitos possveis: Alm destes, podem ser causados efeitos nos demais sistemas orgnicos, como aes no sistema cardiovascular, aumento da presso sangnea., acelerao da pulsao, aumento da liberao de hormnios, condies idnticas s de situaes de medo ou stress, contrao dos vasos dos vasos sangneos, dilatao das pupilas e msculos tensos, reduo da velocidade de digesto, irritabilidade, desconforto, diminuio da eficincia do trabalho e prejuzo s atividades que dependam da comunicao oral, pois o rudo mascara a voz.508-VAPORES AGENTE QUMICO:Os vapores se comportam de maneira diferente, tanto no que diz respeito do perodo de permanncia no ar, quanto s possibilidades de ingresso no organismo em relao aos gases. A principal via de ingressos a respiratria, j que o pulmo tem de 80 a 90 m2 de superfcie alveolar, que onde ocorre a troca de substncias atravs da respirao. Esta grande superfcie facilita a absoro de gases e vapores, os quais podem passar ao sangue, para serem distribudos a outras regies do organismo. O vapor conceituado como sendo a fase gasosa de uma substncia, que a 250 centgrados e 760 mmhg lquida ou slida. Como exemplos citaremos os vapores de gua, vapores de gasolina , vapores de naftalina, etc.Desta maneira, os vapores como os gases podem ser classificados ou divididos em irritantes, anestsicos e aspirantes. Esta classificao baseiase no efeito mais importante, mais significativo sobre o organismo. Assim sendo as recomendaes para o uso de EPIs para gases vale para vapores. 09-TRABALHANDO CORRETAMENTE SE EVITAM ACIDENTES:Colados s paredes podemos ver cartazes que nos recordam que devemos levar culos de proteo e sapatos de proteo quando os necessitamos. Regularmente nos reunimos aqui durante cincos minutos para reforar todavia mais nossa atitude positiva cerca da preveno de acidentes que o que vemos fazer hoje tambm. E o resultado at agora tem sido que temos adquirindo certa conscincia da necessidade que temos de trabalhar com mais cuidado para evitar lesionar nossos companheiros de trabalho. Conhecer um trabalho em detalhe envolve naturalmente muitas coisas. Em primeiro lugar est a destreza que tiveram que desenvolver quando comearam a aprender seu ofcio. Nem todo mundo pode operar um mquina corretamente. Essa foi uma das primeiras coisas que se lhes exigiu quando comearam a trabalhar aqui. Alm de saber o que podem e o que no podem fazer com o equipamento e materiais com os quais trabalham, alm de possuir a destreza que necessitam para realizar seu trabalho, tm que conhecer todos os possveis perigos que encerram as operaes nas quais trabalham rotineiramente. A pessoa que conhece bem seu trabalho, sabe os perigos a que est exposta e portanto tem muito ao usar sempre o equipamento de proteo necessrio e nunca tem desculpas para no us-lo. Assim que gravemos bem em nossa mente, a primeira norma de preveno de acidentes deve ser trabalhar corretamente. E vocs vero, que quando cheguem a conhecer bem seu trabalho, no se lhes ocorrer pensar que esto livres do perigo de sofrer acidentes.10- OS TRABALHADORES QUE PENSAM E EVITAM ACIDENTES:Temos falado muito ultimamente do homem que pensa, sobre suas decises e escolhas, ou inclusive de suas preferncias sobre os cigarros com filtros ou qualquer outra preferncia. A freqncia dos acidentes poderia ser reduzida substancialmente se todos pensassem seriamente selecionssemos as respostas corretas que se referem proteo no trabalho e fora deste.Trs das razes que se do ao falar de acidentes so:1 _ No o vi; 2 _ No o pensei;3 _ No o sabia. Pensar com lgica nos leva concluso que praticamente todos os acidentes, isto 98%, podem ser prevenidos. Nos ltimos 30 anos houve uma melhora sustentada e crescente nos recordes devido a que os coordenadores de preveno de acidentes/controle de perdas, a gerncia e os trabalhadores, estiveram6pensando em formas de fazer seus trabalhos mais seguros enquanto se mantinha alta produo. O que isto significa para ns aqui em nosso trabalho? Significa que vocs devem pensar na maneira de fazer seu trabalho sem causar leso a vocs mesmos ou a outros. Foi necessrio combinar as idias de muita gente, para desenvolver os mtodos de trabalho mais seguros e melhores. Algumas das melhores sugestes tm vindo de nossos trabalhadores. Gente como vocs podem pensar formas melhores de fazer seu trabalho sem perigo. Gostaria que cada um de vocs pensasse desta forma cerca de seu trabalho. Conhecimento. Ainda que saber fazer um trabalho, seja muito importante, no o suficiente. Vocs tm que colocar em prtica esse conhecimento. Finalmente, se vocs esto certos que vem todos os perigos, que conhecem a forma correta de fazer seu trabalho e que pensam quando esto trabalhando, todos vocs podem evitar acidentes. Os trabalhadores que pensam evitam acidentes.11-TODOS DEVEMOS PREOCUPAR-NOS COM A PREVENO DE ACIDENTES:Hoje quero falar-lhes sobre a responsabilidade e a preveno de acidentes. O fato de deixar a responsabilidade de prevenir ou de corrigir alguma situao insegura ao diretor, ao profissional de preveno de acidentes ou ao supervisor, significa que se ignora o fato de que cada um de ns tem a oportunidade para fazer da fbrica um lugar mais seguro. Assim, as inspees de preveno de acidentes especficas e gerais so obrigaes deste departamento onde se usam um determinado equipamento ou mquinas, mas vocs so os que realmente usam esses equipamentos ou que vem outros trabalhadores us-los. Vocs mesmos, outros companheiros de trabalho ou at um visitante, podem ser a pessoa acidentada. obrigao de todos prevenirem e tratar de reduzir ao mnimo o nmero de leses. Este tipo de responsabilidade inclui eliminar o perigo, informar a existncia do mesmo ao supervisor ou prevenir ao visitante. Ns somos os que esto familiarizados com os equipamentos que se usam em nossa rea de trabalho, portanto depende de todos ns zelarmos pelo bom funcionamento dos mesmos e examin-lo com regularidade, j que essa a nica maneira em que podemos reduzir as leses causadas pelas condies inseguras. Qualquer um de ns que se encontre com uma condio perigosa deve corrigi-la e se esta estiver fora de nosso alcance, devemos inform-la ao supervisor ou a outra pessoa capacitada para solucionar o problema. Se vocs tiverem idias ou sugestes sobre certas situaes de equipamentos, normas ou algo similar, devem comunicar-me para assim todos ns juntos podermos colaborar e tomar as medidas necessrias a fim de eliminar o problema. Pense por um momento, como contribuiriam suas sugestes sobre preveno de acidentes s inspees de segurana da rea de trabalho de cada um de vocs. J falamos de quem tem a responsabilidade de realizar as inspees de segurana e dissemos que depende de cada um de ns inspecionarmos detalhadamente nossa rea de trabalho. As leses so provocadas por distintas situaes ou condies perigosas, tais como a existncia de bordas cortantes, problemas eltricos, exposio a produtos qumicos, quedas, objetos que se tm deslocam, etc., para enumerar s uns tantos. As condies de perigo em cada rea de trabalho so diferentes, por isso depende muito de vocs porque so os que tm maior conhecimento cerca de sua rea especfica de trabalho. Quem deve preocupar-se pela preveno de acidentes e de sentir a obrigao de reduzir a um mnimo as leses?. responsabilidade minha, de cada um de vocs, enfim de todos.12- PORQUE EXISTEM NORMAS DE PREVENO:7A verdade que ningum gosta que ter que viver observando normas. Todos ns imaginamos que somos o suficientemente espertos para fazer sem que algum nos tenha que indicar antes os passos a seguir. As normas cumprem a mesma funo. So protees que protegem contra atitudes tolas quando nossa mente no est funcionando bem ou quando no sabemos o que est acontecendo. Para que uma norma seja efetiva temos que conhec-la - e isto no quer dizer que se alguma vez a lemos ou a escutamos e logo a esqueceremos. Devemos gravar a norma to bem na mente para que no se possa esquec-la quanto estivermos ocupados ou preocupados. O motivo pelo qual em todos os locais de trabalho ter letreiros e cartazes para recordar constantemente algo que no devemos esquecer. Esta a razo pela quais os supervisores repetem as coisas uma vez ou outra. As normas devem esto to arraigadas para que no possam ser apagada da mente em um momento de distrao.13- A PREVENO DE ACIDENTES E RESPONSABILIDADE DE TODOS:Muitas vezes lhes tenho dito que as leses pessoais so um dos grandes males da indstria moderna. Esta expresso no nada exagerada, por isso um dos objetos principais que buscamos nestas palestras de cinco minutos, ensinar-lhes a prevenir acidentes. Nos cinco minutos de hoje vamos tratar de esclarecer de quem a responsabilidade de prevenir acidentes e quem a pessoa responsvel quando vocs se acidentam. Com isto quero dizer-lhes to s que em ltimo caso prevenir acidentes responsabilidade de todos ns, de cada um de ns. Se vocs de expem a perigos desnecessrios, por muito que lhe fale, por muitos conselhos que lhes d, servir de muito pouco. Eu posso falar-lhes uma e outra vez sobre a importncia de levar o capacete de proteo, mas se vocs no o pem quando necessitam, minhas palavras tero cado no vazio. Eu poderia evitar que se quebrem a cabea, porque eu no posso levar seu capacete de proteo. Em resumo, de vocs, de cada um de vocs, depende que sofram ou no uma leso. Com as palestras, com filmes, com os programas de treinamento, tratamos de criar um ambiente no quais vocs possam desenvolver atitudes corretas, tratamos de ensinar-lhes a protegerem-se dos perigos que lhes rodeiam. Mas vocs tm a ltima palavra. Portanto, e com isto quero terminar, tratem de desenvolver atitudes que sejam positivas. A integridade fsica de vocs depende em ltima instncia de suas atitudes pessoais. E nunca duvidem que cada um de vocs responsvel por suas aes, vocs so nicos que podem evitar que vocs se lesionem.14- A PREVENO DE ACIDENTES UMA NECESSIDADE:Provavelmente muito de vocs tm se perguntado bastantes vezes: porque falamos tanto sobre a preveno de acidentes?; pr que temos estas palestras de cinco minutos regularmente?; pr que tem um quadro de anncios com cartazes de preveno de acidentes em cada departamento da fbrica?; por que insistimos em que as regras de preveno de acidentes tm que ser observadas?; por que, antes de mais nada, cada trabalhador tem que aprender as regras de preveno de acidentes. Vamos falar durante uns minutos sobre o primeiro ponto. A preveno de acidentes um bom negcio para a empresa. Os acidentes com freqncia custam muito mais do que pensamos. Os equipamentos danificados so caros de reparar. s vezes no se pode reparar e tem que substitu-los. Quando ocorre um acidente com leses quase todas as pessoas que se encontram nas cercanias deixam de trabalhar e tratam de ajudar pessoa lesionada, pelo qual a empresa perde dinheiro j que no se est realizando o trabalho normal .8Em conseqncia disto um homem ou vrios, tm que trabalhar horas extraordinrias para levar adiante a produo que a pessoa lesionada teria que realizar. Tambm est o custo de treinar a um novo trabalhador que tomar o lugar do lesionado at que possa regressar a seu trabalho, se algum dia regressar. Mas tambm custa dinheiro aos trabalhadores. Geralmente nenhum cheque de compensao ser to grande como um cheque de pagamento. Imaginem que difcil que impossvel - seria pagar as contas, educar os filhos, comprar uma casa, com os cheques de indenizao! Com o programa de preveno de acidentes se consegue que prestemos um pouco mais de ateno ao ambiente e aos perigos que nos rodeiam. Com isto se consegue mais produo e mais segurana no trabalho. Uma fbrica onde haja um programa de preveno de acidentes de primeira classe um bom lugar para se trabalhar. A pessoa que v trabalhar nesse lugar querer contribuir para que a fbrica continue sendo um lugar seguro onde trabalhar. Os cartazes, as palestras como esta, os folhetos, as apostilas e todo o material que se usa nos programas de preveno de acidentes, tero algum sentido para essa pessoa. A famlia de vocs - sua esposa e filhos - podero sentir que no s vocs, tambm a empresa, esto prevenindo acidentes, para proteger seu futuro. O programa de preveno de acidentes funciona em dois sentidos: oferece pessoa capaz para assessorar como se podem prevenir os acidentes e os incndios, e ajuda a cada um de vocs a por uma marca segura em tudo o que fazem e dessa forma evitar leses tanto a vocs como a seus companheiros. Quando estivermos trabalhando recordemos que o programa de preveno de acidentes pode resumir-se em poucas palavras a preveno de acidentes paga altos dividendos.15-MANUSEIO/TRANSPORTE/MANUSEIO/DE PRODUTOS QUMICOS:De acordo com as Normas Regulamentadoras do Ministrio do Trabalho, a caracterstica fundamental de um agente qumico, pertencente a um determinado produto qumico, est no tempo de exposio a que o empregado fica submetido ao agente qumico e ao limite mximo ou tolerncia em que este no produz qualquer dano a sade do empregado. Todo produto qumico dever trazer no lado externo de sua embalagem suas caractersticas fsicas e qumicas, bem como o cuidado com o seu manuseio, a maneira correta de transport-lo e principalmente como deve ser armazenado e tambm o que fazer em caso de intoxicao com o produto. Devemos diluir o produto nas quantidades recomendadas e usar os EPIs recomendados. Todo produto com qualidade deve conter em sua embalagem todos estes dados. Produtos qumicos sem qualquer identificao externa no deve ser manipulado nem como teste . Sua identificao deve ser completa , clara e objetiva. Quando no conhecemos a substncia qumica no devemos manuse-la, pois no saberemos agir quando esta substncia estiver prejudicando nosso organismo.16-CADEIA DE HBITOS:Cada vez que fazemos algo sem pensar e o fazemos sempre da mesma forma, porque adquirimos um hbito. como se tivssemos dentro de ns mesmos um boto que ao apert-lo, como numa mquina de cigarros sasse marca que queremos.Se um trabalhador se acostumar desde o primeiro dia a levantar cargas dobrando os joelhos, pouco a pouco se acostumar a dobrar os joelhos sempre que tiver que levantar algo, no precisar repassar mentalmente todos os passos necessrios para levantar uma carga corretamente. Como isto algo que no podemos evitar, ainda que quisssemos,9devemos adquirir hbitos corretos, j que to fcil adquirir hbitos incorretos. Quanto mais hbitos corretos adquirirmos menos leses sofreremos.16- A SADE:Estou seguro que a maioria de vocs goza de bastante sade. Pelo menos esto suficientemente sos para trabalhar diariamente. muito provvel que muitos no dem demasiada importncia sade de que gozam e crem que a tero at uma idade bastante avanada. Espero que assim seja, ainda que desgraadamente para alguns a realidade ser diferente. possvel que alguma enfermidade ocorra a qualquer momento. Algumas pessoas vivem constantemente pensando em que algo no est bem com sua sade, a este se chama hipocondracos. Significa que imaginam coisas que no so reais. Isto no bom j que a atitude mental que se tenha possa afetar a sade. Se tiverem sintomas preciosos como por exemplo uma dor de cabea que se repete, ou indigestao, ou a sensao de sentir-se enfermo sem ter nenhuma razo especfica para isso, o melhor ser que procurem um mdico e se faam um exame geral. Se algo realmente anda mal, o mais provvel que o mdico consiga fazer um diagnstico e cur-los. As maiorias das enfermidades graves fazem sentir seus sintomas antes que seja demasiado tarde. Tratadas a tempo, geralmente podem ser curadas. Por hiptese qualquer dor que tenham tambm afeta sua segurana. mais difcil trabalhar com segurana quando no se sente bem - portanto tero que ser mais cuidadosos que de costume. Quando um se sente bem quando melhor faz seu trabalho. Os msculos trabalham melhor, as mos esto mais firmes, a mente est mais clara. Pode-se pensar melhor. A maioria de ns pode manter-nos em boas condies fsicas com bastante facilidade, o mais importante evitar os excessos de qualquer tipo: comer regularmente; dormir suficiente e viver com moderao. Por suposto que todos precisam descansar - o suficiente para manter um equilbrio entre o trabalho e as distraes. Ir trabalhar sentindo-se cansado pode ser a causa de acidentes. Quando se est cansado os acidentes acontecem com mais facilidade. A forma em que tratamos a nossos companheiros tambm importante para a segurana. Se todo o mundo se encontra de bom humor mais fcil cooperar, o trabalho se faz melhor e com mais facilidade. Isto significa que tero menos possibilidade de que ocorram acidentes e em conseqncia de que a gente se lesione. Porm um s indivduo de mau humor pode criar problemas para todo o grupo. Cuidar da sade importante. No h que duvidar-se de que esta no tem preo e se ns descuidamos podemos perd-la facilmente.18 -COLUNA VERTEBRAL:Provavelmente todos sabem que no se deve levantar peso de qualquer maneira. Se ns paramos a pensar por um momento nos daremos conta de que so os msculos das pernas os que devem fazer o trabalho. Mas por que no o fazemos sempre assim? A resposta a este problema simples. Ter que praticar-se a nova forma de faz-la at que se faa na forma correta. Quando se chegar a este ponto ainda haver de ter-se cuidado por um tempo e assegurar-se de que o novo hbito est dominado. Os hbitos arraigados no se deixam modificar com facilidade. As colunas fracas so um dos problemas de sade mais comuns, principalmente quando os anos se acumulam. Nem todas as dores de coluna se devem ao fato de levantar incorretamente ou levantar peso demasiado, mas provavelmente as maiorias o so. As dores de coluna do bastantes trabalhos aos mdicos e so problemas difceis de solucionar. Uma coluna lesionada possvel que nunca volte a ser to boa como quando estava s. No difcil dar-se conta porque uma dor de coluna que apenas incomoda no princpio pode transformar-se em muito dolorosa. A medula espinhal est rodeada de ossos, as vrtebras que a protegem. Entre cada vrtebra tem um disco cartilaginoso muito pequeno que impede que as vrtebras se atritem umas com as outras. Ao largo da10coluna, os nervos saem parecidos com as ramas de uma rvore. Ao se fazer muito esforo com a coluna os msculos e ligamentos cedero o suficiente como para que um dos discos saia de seu lugar ou ao mesmo comprima algum nervo. assim como se produz a inflamao. Ento sim h problemas. Esta explicao tem por objeto fazer-lhe entender por que deve ser cuidadosos quando levantam coisas pesadas. Qualquer pessoa pode levantar com os msculos das pernas e evitar desta forma lesionar-se a coluna. A forma de faz-lo muito simples. (Aqui o supervisor ou a pessoa que est dando a palestra poder fazer uma demonstrao da forma correta de levantar). Uma ltima recomendao, se deve mover algo que muito pesado para uma s pessoa, no vacilem em pedir ajuda. As dores de coluna so muito dolorosas, sendo necessrio, peam ajuda.- PROTEO DOS PULMES:O aspecto mais importante a ter em conta com respeito aos pulmes que eles evitam que qualquer substncia daninha se introduza no sangue - substncias que podem estar no ar que respiramos. Os pulmes so formados por milhes de clulas to pequenas. S podem ser vistas com um microscpio muito potente. O revestimento de cada uma destas clulas um filtro muito bom. Permite que o oxignio do ar passe ao sangue. Ao mesmo tempo permite que o dixido de carbono do sangue saia atravs da respirao. Se o oxignio fosse o nico gs que pudesse passar atravs do sangue no haveria problemas. Sem dvida uma grande quantidade de vapores e gases venenosos tambm pode passar ao sangue. Alguns deles so muitos perigosos e este o motivo pelo qual em muitas circunstncias necessrio usar mscaras contra gases apesar de que se tenham tomado outras medidas para elimin-los do ar. Tambm temos os ps. Sempre tem p no ar - mesmo nos lugares mais limpos. Como resultado os pulmes se acham adaptados ao p fluente mas quando e se muito espesso e muito fino, os pulmes no tem defesa contra eles. A maioria do p que se respira exalada. O p fluente (solto) que se assenta nas passagens grandes de ar elimina-se tossindo. somente o p muito leve que penetra nas clulas pequenas o que as tapa e pode causar problemas. Suponho que melhor maneira de manter limpo o ar do lugar de trabalho evitando que a substncia daninha entre neles. Isto significa que as operaes e processo que produzem substncias daninhas devem estar controlados por exaustores. Sem dvida, certas operaes no podem ser protegidas completamente, alguns ps e vapores ficam soltos. Uma boa ventilao soluciona o problema em muitos casos, mas quando isto no suficiente devero usar-se mscaras ou respiradores. Provavelmente seria mais correto dizer que os respiradores e mscaras so protetores dos pulmes. O problema que muita gente no quer us-los. Dizem que lhes causa algum incmodo - o que no tm em conta o incmodo que lhes podem causar os pulmes cheios de p. E se este p que se respira venenoso, o problema pode ser muito srio. O aspecto no qual queremos insistir que se indica-lhes um protetor, devem uslo. Se no o fazem assim se estaro criando um problema muito srio, mais srio do que possam imaginar. As substncias perigosas que se usam na indstria so analisadas e estudadas continuamente. Quando a gerncia recebe a informao de que tem que usar proteo contra estas substncias, imediatamente pe disposio dos trabalhadores o equipamento correspondente. Se a Gerncia est preocupada com nossa sade, por que ns?ATENO: Usem equipamentos de proteo respiratrios.1110- HOJE NO O MESMO QUE ONTEM:Os trabalhos industriais so muito mais complexos cada dias, pelo que o conceito de preveno de acidentes se tem desenvolvido a tal ponto que necessitamos conhec-lo completamente para poder evitar acidentes. Talvez alguns de ns tenhamos trabalhado o tempo suficiente na indstria para dar-nos conta das mudanas que se tem experimentado. fcil ento hoje dar-se conta que levamos em considerao muitos aspectos que antes se passava por cima. A forma em que atuamos, em que reagimos ante determinadas situaes e problemas reflete em grande parte na forma em que pensamos e na forma em que concebemos a vida. Quero dizer, que se em nosso trabalho temos cuidado, interesse, preocupao e ateno, estamos refletindo uma atitude segura que a se? Deve adotar, manter e desenvolver, no somente no trabalho mas em todas as atividades que realizamos. Isto muito importante porque a atitude de uma pessoa influi sobre a atitude de outras que a rodeiam e se essa atitude errada, ento a influncia ser negativa. A atitude positiva ante a preveno de acidentes pode comear por uma pessoa, mas pensem vocs quanto mais efetiva pode ser se o grupo inteiro se muda totalmente cerca da formao de atitude seguras e positivas. Todos ns devemos estar cientes dos perigos que nos rodeiam, assim como de tudo o que podemos fazer para corrigir as condies inseguras. Devemos sempre seguir e obedecer s normas de preveno de acidentes, esteja ou no presente o supervisor ou outra pessoa encarregada do grupo, j que por ltimo e ao trmino se suceder algo indesejvel o prejudicado ser o que cometer o erro. Tenha uma atitude que muito pessoal e ao mesmo tempo totalmente coletiva; a preocupao pela preveno de acidentes. Se todos adotarmos esta atitude e constantemente trabalharmos para melhor-la, poderemos estar seguros de que em anos vindouros se ver claramente o futuro da mesma. Talvez nossos filhos, no dia de manh, possam olhar atrs e dizer que nos preocupamos e interessamos por melhorar as coisas. Se algum de ns todavia no tenha comeado a interessar-se na causa da preveno de acidentes, hora de que olhe o passado, o compare com os esforos que se realiza em nossos dias, se convena de que j tempo de comear.14- PLANEJANDO O INESPERADO:No suficiente conhecer e observar as normas de segurana, tem que estar preparado para os perigos inesperados. Pode haver condies perigosas que se apresentem sem prvio aviso ou podem ser aes inesperadas e perigosas realizadas por outras pessoas. Podem ser aes impulsivas ou fora de controle de uma mesma. Ns sempre nos deparamos com situaes em qualquer tipo de trabalho, em que cada um tem que estar preparado para o inesperado. Uma das coisas mais comuns a presena de mquinas, ferramentas, extenso, deixados no ambiente de trabalho, nos quais podemos tropear e cair. Com estas atitudes poder levar algum ou at mesmo ns a cair e sofrermos leses. Em casos de extenses eltricas podemos ter algum que esteje utilizando uma furadeira ou lixadeira e podemos prever quais sero as conseqncias. Nota para o LDER: Sendo possvel faa com que os participantes dem exemplos leses que poderiam ter sido evitadas mediante uma ao defensiva. Isto ajudar a fortalecer o conceito sobre a necessidade de se proteger contra os perigos inesperados.1215- EM BUSCA DAS CAUSAS DOS ACIDENTES E NO DOS CULPADOS:Eu creio que todos os acidentes podem ser evitados. No creio nessa de acidentes inevitveis. Muitos de vocs podem pensar que estou exagerando, mas no assim, a palavra inevitvel uma das mais abusadas no vocabulrio industrial quando aplicada aos acidentes. Especialmente quando usada para explicarem um acidente de que forma este ocorreu. Eu investigo todos os acidentes porque sei que os resultados da investigao nos ajudaro a prevenir outros no futuro com perdas e leses indesejveis. A gerncia de nossa empresa, e com muita razo no quer informes de acidentes em que como causa principal, saia frases como esta o trabalhador teve um descuido, ou foi inevitvel A gerncia quer que todas as pessoas da empresa se beneficiem com as investigaes que se faz em nosso departamento e que ns nos beneficiemos com as investigaes feitas em outros departamentos. Quero que agora em diante quando houver a ocorrncia de um acidente, e que estivermos investigando as causas, no pensem que estamos procurando culpados. Estaremos buscando simplesmente a causa, para que futuramente no venha a ocorrer acidentes.16- TODOS OS ACIDENTES DEVEM SEREM INVESTIGADOS:Quando ocorre um acidente, com leso ou sem leso, a gerncia quer saber por que ocorreu e a nica forma de sab-lo fazendo uma investigao completa das circunstncias que a causaram para preveni-lo no futuro. A evoluo que se tem conseguido na indstria, em preveno de acidentes, atravs dos anos, se deve em geral ao conhecimento adquirido atravs das investigaes minuciosas de acidentes, o que tem dado por resultado muitas das regras de preveno de acidentes que existem na atualidade. Os trabalhadores podem trabalhar com mais segurana devido s regras de preveno de acidentes que so o resultado da investigao destes acidentes. Em uma investigao de acidentes se descobrem as condio e prticas perigosas a fim de que no haja acidentes por causas semelhantes. Isto pode conseguir mediante: a) uma investigao detalhada de toda leso sofrida no trabalho; b) o estudo ou anlise de todos os acidentes sem leses; c) o estudo das causas que originam o acidente; e, d) a recomendao de medidas corretivas para evitar que se repita. As primeiras inspees e investigaes de acidente se fizeram para descobrir os perigos fsicos ou as condies inseguras que as ocasionavam, porm no passou muito tempo para que se visse a necessidade de analisar as coisas que a gente fazia j que isto tambm causava acidentes. Desta forma a investigao de acidentes se ampliou para incluir tanto as condies como os atos inseguros. Com a investigao de acidentes tudo o que descobrimos porque e como ocorrem, j que com esta informao podero evitar-se outros no futuro. Algo que nunca se busca ao fazer a investigao de acidentes o culpado. Em preveno de acidentes no existem culpados e sim trabalhadores que tm que aprender a trabalhar corretamente.17- INVESTIG-LOS PARA QUE NO SE REPITAM:A princpio a investigao de acidente teria por objeto encontrar os perigos fsicos a fim de que estes pudessem ser corrigidos, contudo, no passou muito tempo at que os atos inseguros fizessem sua apario. Estes ampliaram as investigaes e as mesmas13comearam a incluir todos os detalhes dos atos que produziam o acidente - as coisas que no se deveriam ter feito, e as que se deveriam ter feito mas no se fizeram. Isto permitiu escrever normas de preveno de acidentes mais amplas para cada classe de trabalho. O investigar os acidentes para amplamente ajudar a evitar que se repitam. Mediante as investigaes aprendemos muitas coisas. Se fizerem presentes muitos hbitos incorretos dos que teriam conhecimentos e ajuda a desenvolver atitudes mais seguras.18- TODOS OS ACIDENTES TM UMA CAUSA:Sempre temos ouvido dizer que as coisas no acontecem por si s, e sim que sempre tem um motivo que as produz. O tema da palestra de hoje esse: as causas dos acidentes. Para ser especfico, falo de condies e atitudes que mais tarde ou mais cedo provocaro um acidente. Quando se produz um fato que no desejamos e que algum saia lesionado ou que simplesmente se quebre uma xcara, sempre h algo que nos perguntamos e tratamos de averiguar, como aconteceu?. Contudo, talvez fosse mais conveniente perguntarmos, o que causou o acidente?. Os acidentes no trabalho a maioria deles so provocados por uma combinao de falhas e descuidos. provvel que muitos de ns tenhamos violado algumas normas de preveno de acidentes, mas quando violamos ou ignoramos alguma norma sem prevenirmos de que existem outros fatores perigosos, o resultado que a simples violao se converte em um desastre.19- LEVANTAMENTO DE PESO E TRANSPORTE DE OBJETOS MANUALMENTELevante o peso de maneira correta. Mantenha suas costas eretas, firme os msculos abdominais e faa suas pernas receberem a maior parte do peso a ser erguido. O esforo na coluna vertebral Para levantar 40 kg mantenha a coluna verticalLembre-se de que o homem no guindaste. Pea sempre auxilio, nos transportes e manuseios pesados. Suas mos no so alavancas importante transportar materiais compridos sempre no mesmo ombro para evitar descompasso. Ao transportar materiais de grande extenso, cuidado para no atingir outros empregados que se desloquem em sentido contrario. Colocar o material no mesmo ombro Cuidado ao manusear peas com rebarbas; use sempre luvas nos transportes e manuseio desse tipo de peas.20- PLANEJANDO O INESPERADO: 14No suficiente conhecer e observar as normas de segurana, tem que estar preparado para os perigos inesperados. Pode haver condies perigosas que se apresentem sem prvio aviso ou podem ser aes inesperadas e perigosas realizadas por outras pessoas. Podem ser aes impulsivas ou fora de controle de uma mesma. Ns sempre nos deparamos com situaes em qualquer tipo de trabalho, em que cada um tem que estar preparado para o inesperado. Uma das coisas mais comuns a presena de mquinas, ferramentas, extenso, deixados no ambiente de trabalho, nos quais podemos tropear e cair. Com estas atitudes poder levar algum ou at mesmo ns a cair e sofrermos leses. Em casos de extenses eltricas podemos ter algum que esteje utilizando uma furadeira ou lixadeira e podemos prever quais sero as conseqncias. Nota para o LDER: Sendo possvel faa com que os participantes dem exemplos leses que poderiam ter sido evitadas mediante uma ao defensiva. Isto ajudar a fortalecer o conceito sobre a necessidade de se proteger contra os perigos inesperados.21- EM BUSCA DAS CAUSAS DOS ACIDENTES E NO DOS CULPADOS:Eu creio que todos os acidentes podem ser evitados. No creio nessa de acidentes inevitveis. Muitos de vocs podem pensar que estou exagerando, mas no assim, a palavra inevitvel uma das mais abusadas no vocabulrio industrial quando aplicada aos acidentes. Especialmente quando usada para explicarem um acidente de que forma este ocorreu. Eu investigo todos os acidentes porque sei que os resultados da investigao nos ajudaro a prevenir outros no futuro com perdas e leses indesejveis. A gerncia de nossa empresa, e com muita razo no quer informes de acidentes em que como causa principal, saia frases como esta o trabalhador teve um descuido, ou foi inevitvel A gerncia quer que todas as pessoas da empresa se beneficiem com as investigaes que se faz em nosso departamento e que ns nos beneficiemos com as investigaes feitas em outros departamentos. Quero que agora em diante quando houver a ocorrncia de um acidente, e que estivermos investigando as causas, no pensem que estamos procurando culpados. Estaremos buscando simplesmente a causa, para que futuramente no venha a ocorrer acidentes.22-TODOS OS ACIDENTES DEVEM SEREM INVESTIGADOS:Quando ocorre um acidente, com leso ou sem leso, a gerncia quer saber por que ocorreu e a nica forma de sab-lo fazendo uma investigao completa das circunstncias que a causaram para preveni-lo no futuro. A evoluo que se tem conseguido na indstria, em preveno de acidentes, atravs dos anos, se deve em geral ao conhecimento adquirido atravs das investigaes minuciosas de acidentes, o que tem dado por resultado muitas das regras de preveno de acidentes que existem na atualidade. Os trabalhadores podem trabalhar com mais segurana devido s regras de preveno de acidentes que so o resultado da investigao destes acidentes. Em uma investigao de acidentes se descobrem as condio e prticas perigosas a fim de que no haja acidentes por causas semelhantes. Isto pode conseguir mediante: a) uma investigao detalhada de toda leso sofrida no trabalho; b) o estudo ou anlise de todos os acidentes sem leses; c) o estudo das causas que originam o acidente; e, d) a recomendao de medidas corretivas para evitar que se repita.15As primeiras inspees e investigaes de acidente se fizeram para descobrir os perigos fsicos ou as condies inseguras que as ocasionavam, porm no passou muito tempo para que se visse a necessidade de analisar as coisas que a gente fazia j que isto tambm causava acidentes. Desta forma a investigao de acidentes se ampliou para incluir tanto as condies como os atos inseguros. Com a investigao de acidentes tudo o que descobrimos porque e como ocorrem, j que com esta informao podero evitar-se outros no futuro. Algo que nunca se busca ao fazer a investigao de acidentes o culpado. Em preveno de acidentes no existem culpados e sim trabalhadores que tm que aprender a trabalhar corretamente.23-INVESTIG-LOS PARA QUE NO SE REPITAM:A princpio a investigao de acidente teria por objeto encontrar os perigos fsicos a fim de que estes pudessem ser corrigidos, contudo, no passou muito tempo at que os atos inseguros fizessem sua apario. Estes ampliaram as investigaes e as mesmas comearam a incluir todos os detalhes dos atos que produziam o acidente - as coisas que no se deveriam ter feito, e as que se deveriam ter feito mas no se fizeram. Isto permitiu escrever normas de preveno de acidentes mais amplas para cada classe de trabalho. O investigar os acidentes para amplamente ajudar a evitar que se repitam. Mediante as investigaes aprendemos muitas coisas. Se fizerem presentes muitos hbitos incorretos dos que teriam conhecimentos e ajuda a desenvolver atitudes mais seguras.24-TODOS OS ACIDENTES TM UMA CAUSA:Sempre temos ouvido dizer que as coisas no acontecem por si s, e sim que sempre tem um motivo que as produz. O tema da palestra de hoje esse: as causas dos acidentes. Para ser especfico, falo de condies e atitudes que mais tarde ou mais cedo provocaro um acidente. Quando se produz um fato que no desejamos e que algum saia lesionado ou que simplesmente se quebre uma xcara, sempre h algo que nos perguntamos e tratamos de averiguar, como aconteceu?. Contudo, talvez fosse mais conveniente perguntarmos, o que causou o acidente?. Os acidentes no trabalho a maioria deles so provocados por uma combinao de falhas e descuidos. provvel que muitos de ns tenhamos violado algumas normas de preveno de acidentes, mas quando violamos ou ignoramos alguma norma sem prevenirmos de que existem outros fatores perigosos, o resultado que a simples violao se converte em um desastre.25- AT AS LESES MAIS LEVES DEVEM RECEBER PRIMEIROS SOCORROS:Quando vocs sofrem um corte ou uma queimadura profunda,. Que fazem ?.... Seguramente, e com razo, procuram imediatamente por primeiros socorros ou a enfermaria para se curarem. Vocs sabem que necessitam de ajuda e que a sala de primeiros socorros o lugar para obt-la. Mas o que fazem quando se arranham, lhes entram uma farpa no dedo ou cai p de serra nos olhos? Digam-me, costumam ir geralmente aos primeiros socorros para que os atendam?... No, vocs mesmos se curam, s vezes com ajuda de um companheiro. Em nossa fbrica se exige que se informem todas as leses, por mais leves que sejam. Muitos de vocs no se dem de que as leses classificadas como leves, s vezes terminam por causar mais problemas que as graves e podem inclusive ser fatais.16Nem eu, nem vocs sabemos as conseqncias que pode ter uma leso leve, por esta razo, sempre que nos lesionarmos, ainda que levemente, devemos procurar os primeiros socorros e deixar que os nossos mdicos e enfermeiros decidam o que necessitamos.26- OS PRIMEIROS SOCORROS SO IMPORTANTES:Um corte, uma contuso, um arranho, um golpe, podem causar srios problemas se no lhes prestar os cuidados necessrios. Tais leses que em princpio parecem insignificantes, podem aumentar significativamente em gravidade e causar grandes perdas de tempo e de dinheiro. Freqentemente o fator decisivo a aplicao corretas dos primeiros socorros. Creio que todos ns conhecemos a importncia que tm os primeiros socorros. Muitas vezes podem significar a diferena entre a vida e a morte. Por isso que quero que gravem profundamente esta mensagem, para que sempre que sofram uma pequena leso lhes dem importncia que requer, pensando sempre que se no a cuidamos devidamente em uns poucos dias pode converter-se em uma infeco grave.27- TRATAMENTO DE EMERGNCIA:Quando falamos da importncia dos primeiros socorros, geralmente pensamos em leses leves, mas hoje quero falar-lhes das leses graves que podem acontecer aqui no trabalho... em nosso departamento. Falaremos do tratamento imediato que se deve dar vtima e da necessidade de conseguir ajuda mdica sem demora. Na maioria dos casos a regra No temos que tratar o acidentado. Informar o acidentado. Informar o acidente solicitar ajuda mdica imediatamente. No temos que apressar-nos a mover o acidentado j que um movimento poder agravar as leses. H alguns casos, supostamente, nos quais temos que atuar rapidamente, por exemplo, quando h uma hemorragia sria. Uma pessoa pode dessangrar (Perder todo o sangue) em poucos minutos se lhe foi cortada uma artria ou uma veia maior, sobretudo uma artria. Quando se corta uma veia o sangue flui de forma uniforme escuro, quando se corta uma artria o sangue sai borbulhante e de um vermelho rutilante (Brilhante). O que se deve fazer em caso de hemorragia? Temos que diminu-la ou det-la solicitar ajuda mdica sem demora. O primeiro que temos que fazer controlar a hemorragia aplicando a presso direta sobre a ferida. Fazer uma compressa grande com um material mais limpo que tenha disponvel (gaze esterilizada da caixa de primeiros socorros o melhor que se pode utilizar), coloc-la diretamente sobre a ferida e mant-la firmemente, aplicando presso com mo at que se possa aplicar uma ligadura. Se notar que a hemorragia no se pode ser controlada com presso direta ter que ser aplicada presso no vaso sangneo lesionado, em um ponto afastado da ferida, onde o fluxo possa ser controlado. Para controlar uma hemorragia de uma artria h seis pontos de presso em cada lado do corpo. Outra situao sria que pode apresentar-se, a falta de respirao. Se no estamos certos se a vtima est respirando ou se respira to pouco que est ficando arroxeada, deveremos aplicar respirao artificial imediatamente. importante manter oxignio no sangue, seja atravs do mtodo de respirao artificial boca a boca ou o mais antigo levantamento de braos e presso na espdua. O ingerir veneno um problema muito srio. Na maioria dos casos o melhor que se deve fazer conseguir a ajuda mdica imediatamente. importante dizer ao mdico, o que a vtima ingeriu, j que o tratamento para salvar-lhe a vida depender do antdoto correto. Se o veneno no conhecido o melhor ser dar ao mdico o recipiente suspeito que possa conter resto.17Outras leses que podem ser graves so as queimaduras que cobrem uma grande parte do corpo, o que ocasiona bastante dor e possivelmente choque. Novamente o melhor que se pode fazer pedir ajuda mdica sem demora depois de cobrir a rea com uma gaze esterilizada. O principal evitar uma infeco e por isso se deve cobrir a queimadura com algo esterilizado e manter a vtima tranqila at que um mdico possa encarregar-se do caso. Uma fratura geralmente no leso to urgente como as anteriores, todavia, dever ser solicitada ajuda mdico o mais rpido possvel. Entretanto o melhor ser no mover a vtima, o necessrio conseguir que a vtima se to cmoda quanto seja possvel. Um bom treinamento em primeiros socorros nos permitir saber o que devemos fazer e o que no podemos fazer em caso de emergncia.28- CORTE NAS MOS:Com muito poucas excees, a maioria de ns queremos chegar ao trabalho com dez ferramentas muito valiosas. Elas vm em dois jogos de cinco e esto fixas a dois portasferramenta desenhados com muito cuidado. Todos j devem imaginar a que estou referindo. Tratam-se nada mais nada menos que as mos e os dedos. J pensaram alguma vez que os dedos so ferramentas? Imaginamos que todos conhecem o ditado Conhece o mecnico por suas ferramentas. Isto significa que um mecnico altamente especializado extremamente cuidadoso com suas ferramentas. Sabe que so insubstituveis e tem que proteg-las. No conta com outro de ferramentas iguais s mos. Tambm sabe que estas ferramentas nunca se gastaro e durar toda a vida se forem conservadas em boas condies. Perguntamos-nos qual seria a diferena se todos tratassem suas mos e dedos da mesma forma, como se fossem ferramentas preciosas que no podem ser substitudas. Estamos certos que no haveria tantas leses nas mos e nos dedos. No se requer muito para manter as mos e dedos fora de perigo. No necessrio trabalhar vagarosamente. Tudo que se necessita ter um pouco de cuidado e bom senso. A maioria das leses que se sofrem so cortes ou rasgos ao se usar ferramentas manuais. Geralmente a forma que os trabalhadores as manejam. Um trabalhador sustenta algo em uma mo e com uma ferramenta o empurra. Um pequeno escorrego e a faca ou o cinzel ou a chave de fenda ou o que seja, se clava na carne. s vezes chega a atingir o osso. O mesmo acontece com o martelo e ferramentas similares. Um dedo machucado di mais que um corte, mas geralmente se cura mais rpido, a menos que se tenha fraturado o osso. So inumerveis as formas em que a gente se corta , golpeia ou fere os dedos e a mo. Tudo que se pede ter cuidado com estas dez ferramentas preciosas. Todos as queremos t-las em boas condies e no perder nem se quer uma .29- O TRABALHO EM EQUIPE:Trabalhar em equipe significa que devemos trabalhar unidos, sempre pensando no bem estar de todos por igual. De fato o trabalho em equipe torna possvel, no s que se ganhe nos esportes e que se levem a terminar grande nmero de tarefas, como tambm18se previnem os acidentes. Vrios olhos vem mais que dois, vrias mos podem fazer mais que duas e vrias mentes podem prevenir muito mais que uma s. Quando falamos em trabalhar em equipe na indstria necessrio ter em mente que devemos manter nossa equipe de trabalho intacta, quero dizer, que nenhum de ns venha a sofrer um acidente e nem lesionar-se. Recordem vocs que, estamos trabalhando em equipe e que se um de ns comete um erro s porque decidiu no seguir uma norma j estabelecida pela empresa e se acidenta, o resto da equipe perde algo. Tudo isto tem como conseqncia, perda na produo e sobretudo perda Humana.30- A UNIO FAZ A FORA:Ainda que as maiorias de ns tenham nosso trabalho, uma tarefa especfica que nos tenham encomendado, quer dizer, trabalhamos mais ou menos independentes, durante as oito horas que passamos na empresa, h inumerveis ocasies em que temos e necessitamos trabalhar, dependendo dos demais. No importa qual seja tarefa, sempre, ser um trabalho em conjunto que fazemos dentro da empresa. Trabalhar em equipe significa estarmos sempre conscientes de que nossa tarefa em particular um elo na cadeia de produo da empresa, que nossa tarefa e a dos demais companheiros, que esto intimamente unidas, pelo qual temos que nos auxiliarmos em todo momento, sempre que o necessitamos. Como em qualquer outra atividade humana, em nossa empresa, tambm quero que se duvidem nunca disto, a unio faz a fora.32- SUGESTES:Nesta palestra quero falar-lhes das sugestes. Todas as empresas cujas gerncias esto interessadas na preveno de acidentes, querem receber sugestes dos trabalhadores neste tema. Constantemente me pedem idias para que os procedimentos e ambientes de trabalho sejam o menos perigoso possvel. Quero que entendam que no queremos que faam sugestes pelo simples fato de faz-las. O que queremos que faam sugestes slidas e queremos tantas como possam pensar. Portanto, ponham-se a pensar e transmitam-me suas idias. E no se limitem exclusivamente ao trabalho que fazem. Olhem por toda a empresa. Outro ponto importante que se uma sugesto no aceita, este lhe ser explicada o motivo pela qual no est sendo aceita e tambm aquelas que forem aceitas certamente sero explicadas o porqu foram aceitas. Pois h aquelas em que para coloc-la em prtica levar tempo para planejamento. Acatar sugestes de preveno de acidentes pode ajudar a evitar acidentes. muito fcil ver o porqu. Se realmente procurar coisas para sugerir, encontraro formas mais adequada de fazer o trabalho. E tambm encontraro formas mais fcil de faz-lo. Isto tambm lhes ajudar a fazer um trabalho melhor e em conseqncias em que a empresa tenha um melhor conceito de vocs- OS CIMES SO UM VENENO MORTALUma natureza ciumenta ou invejosa um obstculo gigante que cria toda uma srie de complicaes. intil invejar a algum que melhor que ns, j que por muito que nos esforcemos, sempre encontraremos algum que nos supere em algo, sempre haver algum que ser melhor que ns. O melhor antdoto contra a inveja a confiana. Os trabalhadores que realizam um bom trabalho e que sabe que seu trabalho de boa qualidade, no sentem inclinados a invejar o xito de outros companheiros. Sabem que mais cedo ou mais tarde, eles19tambm tero xito. Em nossa empresa no h lugar para invejosos. Temos que trabalhar unidos, ajudar-nos uns aos outros. Sempre que elogiarmos os trabalhos dos nossos companheiros, certamente iro elogiar o trabalho que fizermos.28 - ORGULHO...FONTE INESGOTVEL DE SATISFAO:O tema que hoje vamos tratar em nossa palestra pode ser que parea que no tenha a ver com preveno de acidentes. a cerca do orgulho que cada um de ns deve sentir pelo trabalho, Seu Trabalho pelas ferramentas e equipamentos que voc usa; enfim, por seu Ambiente de Trabalho. Esta palavra Ambiente significa tudo que nos rodeia, solo, os equipamentos, a bancada de trabalho, os suportes para as ferramentas, as prateleiras, a luz, etc. A empresa a qual trabalhamos uma empresa excelente, extraordinria. uma boa fbrica muito melhor das que vocs conhecem. A gerncia nos d bons equipamentos e boas ferramentas para que trabalhemos sem perigos. A gerncia se esfora para que realizemos o trabalho sem sofrer nenhuma leso. Cuida muito seriamente em que no nos lesionemos, ainda que s se trate de leses muito leves. Assim que temos muito do qual sentirmos orgulhosos. Orgulhemo-nos das coisas que nos rodeiam, que so boas para ns e se alguma vez observarmos que algo no suficientemente bom e do qual no nos possamos orgulhar, empreguemos nosso orgulho para melhor-lo. Este pequeno esforo nos recompensar em satisfao prpria e em proteo pessoal.29- O BOM EXEMPLO:Muitos trabalhadores veteranos em nossa empresa, dizem, que eles no so os guardies dos trabalhadores novos. Talvez muitos pensem que a empresa quer que sejam guardies ou mestres , deve-se pagar-lhes algo extraordinrio. Nossa empresa no pretende que vocs sejam professores, simplesmente tenham um pouco mais de cuidado em atuar mais corretamente quando pressentirem que algum trabalhador novato estiver lhes observando. Neste mundo em que vivemos, tudo que fazemos tem influncia naqueles que esto ao nosso redor, e quanto mais nos admira e nos respeita como bons profissionais e assim temos mais obrigaes de trabalhar com cuidado sabendo que nossa influncia ser maior.Sei que em nossa empresa, muitos de vocs pem em prtica tudo isto a que me referi, nesta palestra, mas h outros, sem dvida, que o esquecem freqentemente e semeiam um mau exemplo. Espero que de agora em diante tenhamos sempre presente este importante conceito.34- O PERIGO DA ROTINA:Quando comecei a trabalhar neste departamento, pensava que teria solues para todos os problemas existentes. Sem dvida, medida que o tempo passava, fui dando conta que havia problemas que cuja soluo encontraria por mim mesmo em futuro prximo, porm, mais tarde, comprovei que eu sozinho no posso encontrar todas as solues. Pois necessito a cooperao de todos. Se trabalharmos todos juntos para encontrarmos as solues para os problemas do nosso departamento, podemos encontrar mais solues que qualquer de ns se trabalharmos sozinho. Isto se v com mais clareza quando chega o momento de encontrar formas de evitar acidentes. s vezes me dou conta, como vocs daro conta. Um trabalhador veterano, com muitos anos de experincia tem uma habilidade especial para atender situaes rpidas e podem descobrir situaes de perigo de acidentes, onde trabalhadores com menos experincia, no as poderiam descobrir. Da mesma forma, um trabalhador novo que todavia no conhece suficientemente os problemas ocultos que existem em nosso departamento, pode descobrir, s vezes, perigos que esto vista e que podem passar despercebidos para um trabalhador veterano.Por comodidade nos acostumamos a fazer as coisas de maneira rotineira e no pensamos se encerram algum perigo potencial. s vezes uma20pessoa que est trabalhando em uma situao perigosa, possvel que por costume, no possa ver a forma mais segura de realizar seu trabalho. Aqui a participao e as idias de todos ns podem ser benficas. Estou certo que se prestarem um pouco de ateno, podero encontrar muitas destas situaes perigosas. Espero que de agora em diante todos faam um esforo especial, para quebrar a rotina, com que realizamos s vezes em nossas tarefas.35- A CURIOSIDADE EXCESSIVA:A curiosidade uma caracterstica natural do ser humano. na infncia que esta caracterstica se manifesta de maneira mais acentuada.Toda criana nos seus primeiros anos de vida excessivamente curiosa. Quer conhecer o mundo, dominar sua linguagem e o significado das coisas. Ela pergunta, observa e toca em tudo. Isto representa o desenvolvimento normal e fonte de aquisio de conhecimento de seu processo de crescimento. E neste processo ela necessita ser bem orientada.A curiosidade continua no adulto, faz parte de sua busca constante de conhecimento, embora de forma diferente da criana, tambm fator de crescimento e de progresso.No entanto, numa empresa, onde os agentes agressivos presentes so diversos , a curiosidade, quando excessiva, constitui um fator de risco para o curioso e para outras pessoas envolvidas. A curiosidade do questionamento, da busca do saber saudvel, no entanto, a curiosidade que leva a uma ao inconseqente e despreparada pode ser fator potencial de acidentes. Permanecer em reas agressivas sem necessidade de servios, operarem um equipamento sem conhecimento, manipular produtos sem o conhecimento de suas propriedades qumicas e fsicas, etc., so exemplos de curiosidade crticas e que podem terminar mal. Cada ao a ser desenvolvida deve ser analisada e pensada e o empregado deve ter pleno conhecimento do que e como fazer.36- A EXPERINCIA E O EXCESSO DE CONFIANA:A experincia fator muito importante na preveno de acidentes, no entanto, por mais incoerente que parea, para algumas pessoas pode se tornar um fator de insegurana devido ao excesso de confiana . Todos ns temos em menor ou maior grau certo medo ou receio de situaes novas, entretanto, quando dominamos a situao, nos colocamos em desafio ao perigo e deixamos de usar daqueles cuidados e cautelas que usamos quando tnhamos menor domnio ou experincia na atividade. O exposto pode ser observado com muita freqncia em varias situaes de nossa vida e, a exemplo disso, observe o motorista que acabou de receber sua habilitao. Normalmente respeitam as leis de trnsito, as sinalizaes e opera o veculo com mais cautela. Aps seis meses de experincia j no mais o mesmo e chega a colocar nas estradas brasileiras velocidade de 120 km/h e at mais. E acha que no roda-dura! Na empresa onde os riscos so grandes, quer seja pelo processo, produto ou mquinas, o trabalhador ao iniciar sua vida profissional, normalmente se sente assustado e preocupado com os riscos e quando bem orientado, cerca-se de cuidados e cautelas buscando a preveno de acidentes, com o passar do tempo, o ambiente passa a fazer parte da rotina de vida, sua experincia profissional cresce e , apesar das vantagens que esta situao traz, ela pode ser tambm negativa porque ele pode adquirir um excesso de confiana, deixando de lado comportamentos seguros e praticando atos inseguros. Concluindo, a experincia profissional ajuda na preveno de acidentes desde que o trabalhador continue alerta e consciente dos riscos a que est exposto.37- ATIVIDADE FISCA: a maneira pela qual fazemos com que nosso corpo se movimente.21A atividade fsica busca tornar as pessoas mais auto confiantes, menos deprimida e com mais resistncia, levando a uma longevidade ou tempo de vida maior, diminuindo a morte precoce (antes dos 50 anos). A inatividade faz com que as pessoas morram jovens, por problemas do corao na maioria das vezes. O corao, um msculo e por isso precisa estar sempre em forma. Quanto mais o corpo se exercita mais forte de atividade fsica. Qualquer pessoa pode ficar em forma praticando uma atividade fsica aps consultar um mdico. necessrio que seja praticada devagar, especialmente no incio, pois o corpo e a mente levam certo tempo para se acostumarem s tenses da atividade fsica. PRATIQUE EXERCCIOS REGULARMENTE, PELO MENOS DE DUAS A QUATRO VEZES POR SEMANA.22