Textos diversos

  • Published on
    01-Jul-2015

  • View
    191

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<p>TEXTO 01 - TEXTO BSICO DE EDUCAO AMBIENTALTexto de Joo Lus de Abreu Vieira</p> <p>A Educao a base para o desenvolvimento de um pas, pois atravs dela as pessoas tm subsdios para exigir seus direitos e cumprir os seus deveres, ou seja, as pessoas tm condies de desempenhar o seu papel de cidado. a participao cidad que surge como "mola-mestra" na soluo dos problemas ambientais e na proposta de conviver em sociedade e com a natureza. E a participao pode se dar nos mais diversos nveis: no caso da participao em relao resoluo dos problemas ambientais, ela a principal das profundas transformaes que esto ocorrendo para assegurar a convivncia democrtica, sustentvel e harmnica dos seres humanos entre si e com o ambiente. Nesse processo, a Educao Ambiental entra no somente como uma passagem de informaes - como ocorre geralmente com a Educao Tradicional - mas tambm na aplicao dessas informaes como forma de mudana de comportamentos e atitudes em relao aos problemas ambientais. E quem j aprendeu - o Educador Ambiental - pode partilhar com quem apenas inicia esta jornada - os alunos que sero transmissores desses conhecimentos aos seus pais, vizinhos, amigos, enfim, como se fosse atravs de uma corrente, pois, ao contrrio do que Paulo Freire decidiu chamar de "Educao Bancria", caracterizada pelo acmulo de informaes "pr-fabricadas" sem conexo com o potencial de "evocao" existente em qualquer aprendizagem, a Educao Ambiental se baseia na premissa de que na reflexo sobre a ao individual e coletiva em relao ao meio ambiente que se d o processo de aprendizagem. Ou seja, ela vem da emergncia de uma percepo renovada de mundo chamada de holstica. Em outras palavras, uma forma ntegra de ler a realidade e atuar sobre ela atravs de uma viso de mundo como um todo, no podendo ser reduzida s a um departamento, uma disciplina ou programa especfico. Da a necessidade de ligar aes multi e interdisciplinares Educao Ambiental - contando com a ajuda de profissionais ligados rea da Educao como tambm a Biologia, Artes, Ecologia, Geografia, Histria, Matemtica, Portugus, enfim, todos aqueles que trabalham como professores das disciplinas bsicas nas escolas de primeiro e segundo graus, sendo disseminadores desses conhecimentos que sero inseridos na vida cotidiana de todos os indivduos. A Educao Ambiental uma proposta de filosofia de vida que resgata valores ticos, estticos, democrticos e humanistas. Ela parte de um princpio de respeito pela diversidade natural e cultural, que inclui a especificidade de classe, etnia e gnero, defendendo, tambm, a descentralizao em todos os nveis e a distribuio social do poder, como o acesso informao e ao conhecimento. A Educao Ambiental visa modificar as relaes entre a sociedade e a Natureza, a fim de melhorar a qualidade de vida, propondo a transformao do sistema produtivo e do consumismo em uma sociedade baseada na solidariedade, afetividade e cooperao, ou seja, visando a justa distribuio de seus recursos entre todos. Para viver nosso cotidiano de maneira mais coerente com os ideais de uma sociedade sustentvel e democrtica, necessria uma educao que repense velhas frmulas de vida, propondo aes concretas para transformar nossa casa, rua, bairro, enfim, comunidades, sejam elas no campo ou na cidade, na fbrica, na escola ou no escritrio.</p> <p>TEXTO 02 - A BIODIVERSIDADETexto de Alexandre Schiavetti</p> <p>Toda nao possui trs formas de riqueza: material, cultural e biolgica. As duas primeiras so bem compreendidas, pois fazem parte de nossa vida cotidiana. O problema da biodiversidade consiste no fato de a riqueza biolgica ser levado muito pouco a srio. Mas, o que seria biodiversidade?</p> <p>A palavra biodiversidade, que tem um amplo significado, vem sendo muito utilizada tanto nos meios cientficos como no cotidiano dos meios de comunicao, serve tanto para tratar da Variabilidade Gentica (diferena existente entre indivduos da mesma espcies quanto a caractersticas especficas, como a cor dos olhos) como da Diversidade Biolgica (nmero de espcies) e dos Processos Ecolgicos (por exemplo, quanto se est absorvendo de energia por espcie) existentes em algum local. Bom, mas por que ela importante? A diversidade uma fonte potencial de imensas riquezas materiais ainda no exploradas, seja sob a forma de alimentos, medicamentos ou bem-estar. A fauna e a flora tambm so parte do patrimnio de uma nao, produto de milhes de anos de evoluo concentrada naquele local e momento e, portanto, to merecedora da ateno nacional quanto as particularidades da lngua e da cultura. E ns podemos us-la? A Conservao da Biodiversidade hoje discutida por cientistas, polticos e simpatizantes da questo ambiental, como forma de assegurar o uso, pelo ser humano, dos benefcios atuais e futuros deste recurso, como os produtos farmacuticos e industriais. O Brasil possui esta diversidade? A regio tropical, localizada entre os Trpicos de Capricrnio e de Cncer, rica em nmero de espcies, principalmente as Florestas midas Brasileiras, as quais possuem a maior biodiversidade conhecida e ainda a ser descoberta do planeta, sendo declarada pela ONU como uma das reas emergenciais para a conservao. Uma reflexo: "Ser que temos o direito de destruir estas formas de vida que ainda nem sequer conhecemos, e que podem at salvar nossas vidas? E as espcies que no nos ajudam, devem desaparecer?" Bibliografia Recomendada WILSON, E.O. Diversidade da Vida. Trad.. C.A. Malferrari. So Paulo: Companhia das Letras, 1994. 447 p.</p> <p>TEXTO 03 - DESENVOLVIMENTO SUSTENTVELTexto de Marina Ceccato Mendes</p> <p>Voc j parou para pensar no que significa a palavra "progresso"? Pois ento pense: estradas, indstrias, usinas, cidades, mquinas e muitas outras coisas que ainda esto por vir e que no conseguimos nem ao menos imaginar. Algumas partes desse processo todo so muito boas, pois melhoram a qualidade de vida dos seres humanos de uma forma ou de outra, como no transporte, comunicao, sade, etc. Mas agora pense s: ser que tudo isso de bom no tem nenhum preo? Ser que para ter toda essa facilidade de vida ns, humanos, no pagamos nada? Voc j ouviu algum dizer que para tudo na vida existe um preo? Pois , nesse caso no diferente. O progresso, da forma como vem sendo feito, tem acabado com o ambiente ou, em outras palavras, destrudo o planeta Terra e a Natureza. Um estudioso do assunto disse uma vez que mais difcil o mundo acabar devido a uma guerra nuclear ou a uma invaso extraterrestre (ou uma outra catstrofe qualquer) do que acabar pela destruio que ns, humanos, estamos provocando em nosso planeta. Voc acha que isso tudo um exagero? Ento vamos trocar algumas idias. E o Desenvolvimento Sustentvel?</p> <p>O atual modelo de crescimento econmico gerou enormes desequilbrios; se, por um lado, nunca houve tanta riqueza e fartura no mundo, por outro lado, a misria, a degradao ambiental e a poluio aumentam dia-a-dia. Diante desta constatao, surge a idia do Desenvolvimento Sustentvel (DS), buscando conciliar o desenvolvimento econmico com a preservao ambiental e, ainda, ao fim da pobreza no mundo. As pessoas que trabalharam na Agenda 21 escreveram a seguinte frase: "A humanidade de hoje tem a habilidade de desenvolver-se de uma forma sustentvel, entretanto preciso garantir as necessidades do presente sem comprometer as habilidades das futuras geraes em encontrar suas prprias necessidades". Ficou confuso com tudo isso? Ento calma, vamos por partes. Essa frase toda pode ser resumida em poucas e simples palavras: desenvolver em harmonia com as limitaes ecolgicas do planeta, ou seja, sem destruir o ambiente, para que as geraes futuras tenham a chance de existir e viver bem, de acordo com as suas necessidades (melhoria da qualidade de vida e das condies de sobrevivncia). Ser que d para fazer isso? Ser que possvel conciliar tanto progresso e tecnologia com um ambiente saudvel? Acredita-se que isso tudo seja possvel, e exatamente o que propem os estudiosos em Desenvolvimento Sustentvel (DS), que pode ser definido como: "equilbrio entre tecnologia e ambiente, relevando-se os diversos grupos sociais de uma nao e tambm dos diferentes pases na busca da equidade e justia social". Para alcanarmos o DS, a proteo do ambiente tem que ser entendida como parte integrante do processo de desenvolvimento e no pode ser considerada isoladamente; aqui que entra uma questo sobre a qual talvez voc nunca tenha pensado: qual a diferena entre crescimento e desenvolvimento? A diferena que o crescimento no conduz automaticamente igualdade nem justia sociais, pois no leva em considerao nenhum outro aspecto da qualidade de vida a no ser o acmulo de riquezas, que se faz nas mos apenas de alguns indivduos da populao. O desenvolvimento, por sua vez, preocupase com a gerao de riquezas sim, mas tem o objetivo de distribu-las, de melhorar a qualidade de vida de toda a populao, levando em considerao, portanto, a qualidade ambiental do planeta. O DS tem seis aspectos prioritrios que devem ser entendidos como metas: - A satisfao das necessidades bsicas da populao (educao, alimentao, sade, lazer, etc); - A solidariedade para com as geraes futuras (preservar o ambiente de modo que elas tenham chance de viver); - A participao da populao envolvida (todos devem se conscientizar da necessidade de conservar o ambiente e fazer cada um a parte que lhe cabe para tal); - A preservao dos recursos naturais (gua, oxignio, etc); - A elaborao de um sistema social garantindo emprego, segurana social e respeito a outras culturas (erradicao da misria, do preconceito e do massacre de populaes oprimidas, como por exemplo, os ndios); - A efetivao dos programas educativos. Na tentativa de chegar ao DS, sabemos que a Educao Ambiental parte vital e indispensvel, pois a maneira mais direta e funcional de se atingir pelo menos uma de suas metas: a participao da populao.</p> <p>Bibliografia Recomendada SATO, M.; SANTOS, J. E. Agenda 21 em sinopse. So Carlos, 1996. 41 p. Programa de PsGraduao em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de So Carlos.</p> <p>CAVALCANTI, C. Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentvel. So Paulo, Cortez Editora, 1995. 429 p.</p> <p>TEXTO 04 - DEVASTAO DAS FLORESTASTexto de Raquel Baraldi Ramos Soares</p> <p>O homem precisa satisfazer suas diversas necessidades, e para isso est sempre recorrendo Natureza, retirando dela tudo aquilo que precisa. Para isso damos o nome de explorao. Hoje, j sentimos as conseqncias da explorao indiscriminada dos recursos naturais no nosso dia-a-dia e temos conhecimento dos problemas enfrentados pelo planeta com tudo isso. Um dos maiores recursos naturais explorados pelo nosso pas so as florestas. As florestas guardam uma grande riqueza em sua diversidade. Plantas e animais desconhecidos, madeira, minrios e outros recursos explorados fazem parte deste tesouro e so de grande interesse - principalmente econmico - para o homem. A explorao leva retirada da vegetao natural para a obteno de madeira, usada pelas fbricas de mveis, pela indstria de papel e celulose ou para exportao. Com isso, a rea devastada pode ser utilizada para a monocultura agrcola, para a formao de pastos, para criao de animais, e ainda explorada pela indstria mineradora. Aos poucos, pela explorao descontrolada, as florestas vo desaparecendo. Animais e vegetais que poderiam ser utilizados pela Cincia e pela Medicina desaparecem, pois j no possuem mais seu habitat, os solos so compactados ou degradados pela eroso e os rios sofrem assoreamento devido retirada da mata ciliar. Precisamos, antes de tudo, repensar a importncia que as florestas possuem em nossas vidas, assim como as reas verdes em nossas cidades, e as conseqncias da real possibilidade de seu desaparecimento. Precisamos pensar tambm na possibilidade de Explorao e Natureza poderem "conviver" de forma equilibrada (ver texto sobre Desenvolvimento Sustentvel) sem causar danos maiores ao nosso ambiente e nossa forma de viver. Voc sabia... - que a Mata Atlntica cobria todo o litoral brasileiro (1 milho de km2) e hoje est reduzida a apenas 4% do seu estado original? - que a Floresta Amaznica brasileira representa 40% das reservas de florestas tropicais midas ainda existentes no planeta?</p> <p>- que as queimadas contribuem para a emisso de grandes quantidades de gs carbnico na atmosfera, contribuindo para o efeito estufa? - que as matas, alm de diminurem os riscos de eroso, contribuem tambm para a manuteno do ciclo hidrolgico e da estabilidade climtica? - que as florestas tropicais possuem solos muito pobres e que a sua manuteno realizada pela rpida reciclagem dos materiais (serrapilheira e animais mortos) em decomposio encontrados nestes lugares?Bibliografia Recomendada CIP - BRASIL. Educao Ambiental: uma abordagem pedaggica dos temas da atualidade. 3a Edio. Erexim: CRAB, 1995. 88 p.</p> <p>TEXTO 05 - PERCEPO AMBIENTALTexto de Sandra Faggionato</p> <p>O homem est constantemente agindo sobre o meio a fim de sanar suas necessidades e desejos. Voc j pensou em quantas das nossas aes sobre o ambiente, natural ou construdo, afetam a qualidade de vida de vrias geraes? E nos diversos projetos arquitetnicos ou urbansticos que afetam as respostas dos seus usurios e moradores? E no estamos falando de respostas emocionais, que dependem do nosso humor ou predisposio do momento, mas da nossa prpria satisfao psicolgica com o ambiente. Cada indivduo percebe, reage e responde diferentemente frente s aes sobre o meio. As respostas ou manifestaes so, portanto, resultado das percepes, dos processos cognitivos, julgamentos e expectativas de cada indivduo. Embora nem todas as manifestaes psicolgicas sejam evidentes, so constantes, e afetam nossa conduta, na maioria das vezes, inconscientemente. Em se tratando de ambiente urbano, muitos so os aspectos que direta ou indiretamente, afetam a grande maioria dos habitantes - pobreza, criminalidade, poluio, etc. Estes fatores so relacionados como fontes de insatisfao com a vida urbana. Entretanto h tambm uma srie de fontes de satisfao a ela associada. As cidades exercem um forte poder de atrao devido sua heterogeneidade, movimentao e possibilidades de escolha. Uma das manifestaes mais comuns de insatisfao da populao o vandalismo. Condutas agressivas em relao a elementos fsicos e arquitetnicos, geralmente pblicos, ou situados prximos a lugares pblicos. Isso se d na grande maioria, entre as classes sociais menos favorecidas, que no dia-a-dia, esto submetidos m qualidade de vida, desde problemtica dos transportes urbanos, at a qualidade dos bairros e conjuntos habitacionais em que residem, hospitais e escolas de que dependem, etc. Assim, o estudo da percepo ambiental de fundamental importncia para que possamos compreender melhor as inter-relaes entre o homem e o ambiente, suas expectativas, satisfaes e insatisfaes, julgamentos e condutas. E o que tem a ver percepo ambiental e Educao ambiental? Saber como os indivduos com quem trabalharemos percebem o ambiente em que vivem, suas fontes de satisfao e insatisfao de fundamental importncia, pois s assim, conhecendo a cada um, ser poss...</p>

Recommended

View more >