UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - Coque Vive ?· representação do Coque, no jornal Folha de Pernambuco,…

  • Published on
    11-Nov-2018

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

    DEPARTAMENTO DE COMUNICAO SOCIAL

    Coque Vive Comunicao, Educao e Cultura

    RELATRIO FINAL DE INICIAO CIENTFICA PIBIC FACEPE/CNPq (Referente s atividades realizadas de Agosto 2008 a Julho 2009)

    IDETIFICAO Nome do Orientador: Yvana Carla Fechine de Brito Nome do Bolsista: Andra Maciel Aquino (BIC-1270-6.09/08) rea/Sub-rea do projeto: Comunicao/Processos da Comunicao Ttulo do projeto: Discursos miditicos sobre o bairro do Coque:

    um estudo a partir dos jornais dirios (1970-2007) Ttulo do subprojeto: Discursos miditicos sobre o bairro do Coque: anlise do

    caso da Folha de Pernambuco (1998-2007) EQUIPE TCICA Yvana Carla Fechine de Brito Coordenadora do projeto Coque Vive

    Andra Maciel Aquino Bolsista FACEPE / CNPq

    Rafael Filipe Souza da Silva Bolsista UFPE / CNPq

    Joo Vale Neto Mestrando em Comunicao / UFPE

    Monick Carla de Frana e Silva Bolsista BIA

    Gutemberg Vieira de Lima Pesquisador voluntrio

  • DISCURSOS MIDITICOS SOBRE O BAIRRO DO COQUE: UM ESTUDO A PARTIR DOS JORAIS DIRIOS (1998-2007)

    Relatrio final de iniciao cientfica Pibic FACEPE/CNPq referente s atividades realizadas de Agosto 2008 a Julho 2009

    Recife, 15 de agosto de 2009

    _______________________________________________

    Andra Maciel Aquino (bolsista)

    _______________________________________________ Yvana Carla Fechine de Brito

    (orientadora)

  • RESUMO DO TRABALHO

    O Coque uma comunidade localizada na Ilha de Joana Bezerra, prximo a reas ricas,

    como o bairro de Boa Viagem e o plo mdico da Ilha do Leite. No imaginrio

    recifense o nome Coque, porm, remete a um lugar perigoso, de gente violenta.

    Apesar de essa imagem ter um incio verificado j no sculo XVIII, a m fama imputada

    ao lugar e seus habitantes, especialmente na segunda metade do sculo XX, est

    relacionada representao da comunidade nos meios de comunicao, que contribuem

    para a construo da realidade. Considerando a construo discursiva das mdias locais,

    esta pesquisa investigou notcias relacionadas ao Coque publicadas no jornal Folha de

    Pernambuco, peridico de carter sensacionalista, entre os anos de 1999 e 2007. O

    material analisado na pesquisa composto por 455 matrias, a maior parte delas

    veiculadas entre os dias 1 e 15 de cada ms, todas coletadas no Arquivo Pblico de

    Pernambuco.

    Nos textos, observamos representaes recorrentes sobre o Coque: 1) lugar de lutas

    polticas (protestos, manifestaes); 2) espao fsico sem corpo e sem voz (alvo de

    aes do governo); 3) local carente, de pessoas necessitadas (merecedor de piedade e de

    salvao); rea violenta (onde acontecem crimes em geral). Apesar da aparente

    representao multifacetada, h uma predominncia quantitativa da representao do

    Coque como um local violento.

    Em todos os anos, a maior parte das matrias sobre o Coque est no caderno Polcia.

    Mesmo na segunda editoria mais comum, Grande Recife, composta por textos

    relacionados vida na cidade, o Coque se torna notcia, em grande parte, com assuntos

    relacionados violncia. Mesmo com a diminuio progressiva no nmero de matrias

    policiais relacionadas ao Coque, no ocorreu um aumento quantitativo de textos em

    outras editorias. Podemos concluir, ento, que a principal forma de visiblidade /

    representao do Coque, no jornal Folha de Pernambuco, no perodo analisado, refora

    o estigma da violncia.

    Palavras-chave: Coque, representaes sociais, Folha de Pernambuco, violncia,

    sensacionalismo

  • SUMRIO 1 ITRODUO 1.1 Realidades em construo 1.2 Extenso e pesquisa 2 IVESTIGAO 2.1 Objetivos 2.2 Corpus e metodologia 2.3 Nosso objeto: a Folha de Pernambuco 3 RESULTADOS E DISCUSSES 3.1 Representaes

    3.1.1 Espao fsico sem corpo e sem voz 3.1.2 Lugar de lutas polticas 3.1.3 Local carente e de pessoas necessitadas 3.1.4 rea violenta

    3.2 Por editoria 4 BIBLIOGRAFIA 5 DIFICULDADES ECOTRADAS 6 ATIVIDADES PARALELAS DESEVOLVIDAS PELO BOLSISTA AEXO 1: Exemplos de representaes recorrentes AEXO 2: Lista de matrias coletadas

  • 1 ITRODUO 1.1 Realidades em construo

    O Coque uma comunidade localizada na Ilha de Joana Bezerra, no Recife, prximo a

    reas de grande desenvolvimento econmico, como o bairro de Boa Viagem e o plo

    mdico da Ilha do Leite. No imaginrio recifense o nome Coque remete a um lugar

    para se temer, e, sobretudo, morada de gente violenta. De acordo com Freitas (2005),

    desde o incio do sculo XVIII essa fama j era imputada aos moradores do lugar na

    poca, se estabeleceram no Coque jagunos que vigiavam o transporte da cana-de-

    acar para o Porto do Recife.

    No sculo XX, nas dcadas de 70 e 80, o Coque continuou sendo mal visto tanto

    devido ao de movimentos populares resistentes ditadura militar como pela ao de

    criminosos o mais famosos deles, o jovem conhecido como Galeguinho do Coque.

    No final do anos 80, intensificou-se no bairro a atividade de grupos ligados ao

    narcotrfico.

    No podemos, porm, relacionar puramente esse histrico imagem negativa que o

    Coque possui atualmente, j que, no Recife e em sociedade urbanas em geral, a maioria

    dos cidados no possui acesso direto a grande parte dos acontecimentos. Os relatos

    desses fatos so propagados atravs dos meios de comunicao, que atuam como

    mediadores entre o ser humano e o seu amplo mundo (MEDITSCH, 1992).

    Os meios de comunicao e o jornalismo atuam como construtores sociais da realidade

    na medida em que recortam a experincia vivida, pautam a sociedade e hierarquizam os

    acontecimentos. As notcias indicam o que atual e relevante, agendam debates que

    podem proporcionar pontos de vista e intervenes sobre o mundo; participam da

    realidade social em que se inserem, constituindo referentes coletivos, modificando e

    construindo tal realidade (SOUSA, 2002).

    Ao contruir socialmente a realidade, o jornalismo contribui igualmente para a

    construo das chamadas representaes sociais, smbolos construdos e

    compartilhados por uma sociedade. S (1996), referindo-se ao conceito usado por

    Denise Jadelet, afirma que

  • ... uma representao social uma forma de saber prtico que liga um sujeito a um objeto. Com relao ao objeto, que pode ser de natureza social, material ou ideal, a representao se encontra em uma relao de simbolizao (est no seu lugar) e de interpretao (confere-lhe significados). (p. 32-33)

    As representaes sociais esto presentes - e, por vezes, institucionalizadas - nas

    estruturas e comportamentos. As leis e convenes sociais, porm, no so o local

    privilegiados das representaes, e sim a linguagem (MINAYO, 1995). Consideramos,

    pois, a anlise dos textos jornalsticos um instrumento para se perceber e construir as

    representaes sociais. Essas representaes no so espelho da realidade, mas influem

    na forma como esta se constitui1.

    Partindo de tais pressupostos, um dos principais desafios do projeto de extenso Coque

    Vive, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), intervir nesse espao de

    interao miditica para construir representaes alternativas sobre o bairro do Coque e

    seus moradores, dentro e fora da comunidade, representaes que fujam e superem o

    estigma da violncia. O presente projeto de pesquisa, ao inventariar e analisar tais

    representaes, subsidia teoricamente essas aes ao mesmo tempo que se constitui, por

    si s, em uma interveno, na medida em que seus resultados contribuiro para as

    atividades de extenso.

    Uma forma de unir pesquisa e extenso a participao nas etapas da pesquisa, da qual

    sou bolsista, de integrantes do Coque Vive entre eles, dois jovens moradores do

    Coque que j fizeram parte do curso de extenso promovido pelo projeto (como consta

    no item 2.2, que descreve a metodologia dessa investigao).

    Outro exemplo de possibilidade prtica de articulao pesquisa-extenso a cartilha

    Educao para as mdias, publicada pelo Coque Vive em 2009. Ela composta de

    notcias publicadas no Dirio de Pernambuco dos anos de 1970 aos 2000 e usada nas

    atividades de extenso. Os textos presentes na cartilha foram coletados durante a

    pesquisa Coque Vive: investigao sobre o repertrio sociohistrico de uma

    comunidade da periferia do Recife (PE, Brasil), realizada em 2007/2008 no mbito da

    Coletivo Latinoamericano de Jovens da Faculdade Latino Americana de Cincias

    1Sobre a "realidade", tomaremos como pressuposto o teorema de W.J. Thomas (apud MINAYO, 1995), segundo o qual se algum define situaes como reais, elas so reais em suas conseqncias.

  • Sociais (FLACSO). Produto semelhante poder ser publicado como resultado do

    inventrio a que me propus na presente pesquisa.

    1.2 Extenso e pesquisa

    O projeto Coque Vive, desde 2006 - juntamente com o Ncleo Educacional Irmos de

    Francisco de Assis - NEIMFA (ONG que atua h mais de 20 anos no bairro) e

    Movimento Arrebentando Barreiras Invisveis MABi (coletivo que aglutina

    integrantes de movimentos culturais e das bandas de rock do bairro), desenvolve aes

    diversas na rea de comunicao, atravs, principalmente, de cursos de formao de

    jovens da comunidade.

    As aes de formao tm dado nfase particular discusso sobre o prprio sentido de

    ser morador do Coque, problematizando as representaes correntes