Versao Final Locimar

  • Published on
    08-Jul-2015

  • View
    427

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<p>Locimar Massalai</p> <p>O LIE da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Mdio Juscelino Kubistchek de Oliveira como espao de promoo da aprendizagem</p> <p>Paula Andra Prata Ferreira</p> <p>J-Paran Novembro de 2010</p> <p>Locimar Massalai</p> <p>O LIE da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Mdio Juscelino Kubistchek de Oliveira como espao de promoo da aprendizagem</p> <p>Trabalho de concluso de curso apresentado Coordenao do Curso de Especializao Tecnologias em Educao como requisito parcial para obteno de ttulo de Especialista em Tecnologias em Educao.</p> <p>Orientador</p> <p>Profa. M. Sc. Paula Andra Prata Ferreira</p> <p>Coordenao Central de Educao a Distncia Curso de Especializao Tecnologias em Educao</p> <p>J-Paran Novembro de 2010</p> <p>Todos os direitos reservados. proibida a reproduo total ou parcial do trabalho sem autorizao do autor, do orientador e da universidade.</p> <p>Perfil do alunoSou vrgula e nunca um ponto final. Feito de sonhos, movido por projetos. Aprendi gostar do meu nome e, por conseguinte gostar de mim. Trs coisas me salvaram do desespero: ter uma famlia, ser amado e a paixo pela leitura. Catarinense por questes biolgicas e Jiparanaense por circunstncias scioculturais. Formado em Pedagogia- Educao Infantil e Anos Iniciais e Orientao Educacional. Ps-graduado em Metodologia do Ensino Superior, Psicopedagogia Clnica e finalizando o Curso de Servio Social. Atualmente exercendo a funo de Orientador Educacional na Escola de Ensino Fundamental e Mdio Juscelino Kubitschek de Oliveira em Ji-Paran.</p> <p>DedicatriaPara: rica Massalai, me e anjo cuidador. Mrcia Andria K. Massalai, irm e amiga. Josane, irm por adoo e confidente. Jurema, diretora da escola Juscelino Kubistchek de Oliveira por me recolher quando estava rodado na Representao de Ensino, sem escola para trabalhar. Cida, Dila, Ins e Neide, meninas da secretaria da escola pela ajuda atenta e valiosa em todos os momentos. Divina e Francis, por me acolher incondicionalmente no LIE. Todas as professoras e professores da escola pelo respeito e validao do meu trabalho. As senhorinhas da cozinha e dos servios gerais por me paparicar tanto. Clo do NTE de JiParan por ser to delicada e elegante comigo fazendo-me ver e crer o quanto sou capaz. s crianas e adolescentes do 1 ao 6 ano pelo milagre da alegria irreverente, do sonho e da festa. Ao Ney Leal, amigo e companheiro de vida comum.</p> <p>Agradecimentoss colegas do Curso por serem exemplo de superao e apoio. s queridas Ana Paula Abreu Fialho, Mediadora e Paula Prata, Orientadora, pela pacincia pedaggica firme e afetiva, promotoras de amadurecimento.</p> <p>ResumoO trabalho que segue antes de tudo um exerccio de leitura e compreenso mais atenta de como funciona o Laboratrio de Informtica educativa da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Mdio Juscelino Kubistchek de Oliveira, no municpio de Ji-Paran em Rondnia, nos trs perodos em que a escola atende sua clientela, a saber: matutino, vespertino e noturno, cada perodo acompanhado por uma coordenadora especfica para tal. Como relato de experincia, este exerccio de pesquisa tem como objetivo precpuo perceber, entender e posteriormente identificar como professores e alunos ocupam e utilizam o espao do LIE para promoo da aprendizagem. Foram ouvidos professores, alunos e coordenadoras do LIE e ainda feitas algumas observaes no prprio LIE, observaes estas com caractersticas da observao participante. Percebeu-se que o LIE um espao muito mais utilizado pelos alunos do que pelos professores ou por estes com seus alunos. Notou-se que todos o percebem de fato como um espao de aprendizagem em que o elemento pesquisa tem preponderncia sobre outros. Alm disso, quando os professores acompanham o aluno, este aproveita melhor o espao do LIE. Ficou bastante claro tambm que muitos professores utilizam as tecnologias em suas aulas e com experincias significativas, mas que no so compartilhadas com seus pares em momento algum, pois cada um trabalha de forma isolada. Cada um na sua solido.</p> <p>Palavras-chave1. Informtica Educativa. 2. Aprendizagem. 3. Currculo. 4. Formao de Professores. 5. Gesto Democrtica.</p> <p>SUMRIOLista de Imagens ...................................................................................................... 8 Lista de Grficos ...................................................................................................... 9 Lista de Tabelas ...................................................... Erro! Indicador no definido. 1 - Introduo......................................................................................................... 10 2 As novas tecnologias e a escola da educao bsica ....................................... 15 2.1 - A escola na cultura digital ....................................................................... 166 2.2 - O letramento digital ou a alfabetizao tecnolgica .................................. 19 2.3 - A Escola de Ensino Fundamental e Mdio Juscelino Kubistchek de Oliveira histria e contexto ........................................................................... 211 2.4 - O cenrio e a metodologia da pesquisa ..................................................... 28 2.5- A fala dos sujeitos: coordenadoras, professores e alunos ........................... 30 2.6- As fichas de agendamento para alunos e professores no LIE como instrumento de racionalizao.......................................................................... 422 2.7- A Noite Cultural: Diversidade Cultural na Amrica Latina e Caribe....... 455 Concluso ............................................................................................................ 488 Referencias Bibliogrficas ................................................................................... 522 Anexos ................................................................................................................. 544 Anexo I Plano de ao do Laboratrio de Informtica Educativa da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Mdio Juscelino Kubitschek de Oliveira . 544 Anexo II ficha de agendamento para alunos ................................................... 56 Anexo III Ficha de Registro de aula para o Laboratrio e Telessala Seduc 57 Anexo IV Ficha de agenda para as professoras do perodo vespertino .......... 58</p> <p>Lista de ImagensImagem 01: espao de lazer chamado Beira Rio Cultural que fica localizado as margens do Rio Machado que corta a cidade........................................................23 Imagem 02: campinho de futebol improvisado localizado na Rua Maring prximo ao Estdio de Futebol chamado Bianco.................................................24 Imagem 03: Logomarca do Programa Gescolar....................................................26 Imagem 04: Crianas do 5 A fazendo pesquisa no LIE sobre Juscelino Kubistchek de Oliveira, para projeto, cujo objetivo era resgatar a histria da escola.....................................................................................................................41 Imagem 05: Viso panormica do LIE da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Mdio Juscelino Kubistchek de Oliveira em dia reservado para o uso exclusivo de professores........................................................................................................41 Imagem 06: Cartaz afixado na porta do LIE lembrando aos alunos os horrios em que o mesmo est reservado somente para professores ........................................42 Imagem 07: Cartaz confeccionado por uma turma de alunos do Ensino Mdio Regular do perodo noturno, representando trazendo informaes sobre a culinria cubana....................................................................................................................46 Imagem 08: Mesa enfeitada com comidas frutas e comidas tpicas.....................46 Imagem 09: Grupo de alunos do Ensino Mdio caracterizados para executar uma dana tpica.............................................................................................................47 Imagem 10: Desfile das Bandeiras de todos os Pases da Amrica Latina e Caribe.....................................................................................................................47</p> <p>Lista de GrficosGrfico 01: Local de nascimento dos alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Mdio Juscelino Kubistchek de Oliveira ano de 2010...............27 Grfico 02: Curso do Proinfo Integrado Introduo educao digital............37</p> <p>Lista de TabelasTabela 01: Nmero de alunos e local de nascimento.............................................27</p> <p>1 - IntroduoAprender a pesquisar, fazendo pesquisa prprio de uma educao interdisciplinar, que, segundo nossos dados, deveria se iniciar desde a prescola. (FAZENDA, 1995, p.88)</p> <p>A primeira pergunta que poderamos nos fazer, simples por sinal, tem um carter teleolgico: para que serve o laboratrio de informtica educativa em uma escola?. Qual sua finalidade dentro de um contexto em que a escola no pode ser uma ilha, medida que o seu entorno - e leia-se aqui, todos os outros espaos possuem dimenses pedaggicas e de aprendizagens que transcendem o currculo escolar e que muitas vezes o superam. J foi o tempo em que a escola era concebida como a nica promotora de saber. Hoje ela apenas uma juntamente com tantas outras. Porm, no queremos dizer que perdeu sua importncia para a formao das pessoas. Olhando com mais ateno a realidade das escolas estaduais e municipais de J-Paran, constata-se que em sua grande maioria que existem laboratrios de informtica educativa. Este um fato. Agora, se questionamos como este espao est sendo habitado, a a histria muda de figura. verdade tambm que de uma forma ou de outra, os alunos acessam a internet e tem contato com o computador via lan houses da cidade. Isto foi comprovado por mim mesmo quando acompanhava uma atividade de pesquisa com a professora Abiu1 em uma turma do 4 ano do Ensino Fundamental. Ao comear as atividades com Geografia, motivou os alunos que antes pesquisassem em casa o significado da palavra Geografia, e a, foi dando exemplos de fontes de pesquisa. Ficamos surpresos que, a grande maioria citou a internet como fontes de pesquisa e dos 35 alunos da sala, 21 tinham acesso internet, e muitos destes, nas lan houses de seus bairros.</p> <p>1</p> <p>Usaremos nomes de frutas como codinomes, de forma a preservar a identidade dos professores. Assim, o abiu uma fruta silvestre da regio amaznica e do Peru, levemente adocicada.</p> <p>10</p> <p>Diante do aumento de tantas possibilidades causadas pelas transformaes tecnolgicas e seu adorvel mundo novo, a era da internet ou da informatizao, (no sei bem qual definio ficaria melhor aqui), trouxe mudanas inexorveis no apenas em termos de praticidade, mas na viso de mundo e na forma de como concebemos as coisas. Nossa viso de mundo foi e est mudando pela rapidez das transformaes causadas pela interne. So novas necessidades causadas por tantas mudanas. Weiss (2001) defende a idia de que a informtica tornou-se uma necessidade no mundo em que vivemos. Assim, a escola que tem a misso de preparar o indivduo para dar respostas aos desafios desta sociedade e no pode simplesmente ignor-la ou deixar de tom-la como aliada no processo de ensinoaprendizagem, at porque as crianas j nascem mergulhadas em um ambiente altamente tecnologizado. E, que neste sentido, a informtica educativa pode auxiliar na promoo de um currculo acadmico integrado, mas que preciso definir quais so os objetivos da Informtica Educativa na escola. A realidade pede um professor atento s mudanas e no apenas um nelatra. Um professor que veja seu aluno como parceiro no imenso desafio de transformar informao em conhecimento, e que, neste sentido, jamais ser superado, pois como afirma Demo (2008, p. 14) desafiando-nos a caminhar, a nos colocarmos em marcha, apesar do atraso histrico:No entanto, como as novas tecnologias vieram para ficar e s fazem inovar-se com pressa cada vez maior, elas acabam impondo-se revelia da escola. uma pena que a inovao tenha de vir de fora, compulsoriamente. Vamos pagar caro por esse atraso. No entanto, se quisermos mudanas de dentro, no sentido de saber lidar com as novas tecnologias em nome do direito de estudar da populao, a figura-chave o professor. Ele o elo mais estratgico dessa corrente.</p> <p>Percebemos muitos professores na escola, com boas prticas quando usam as tecnologias, mas solitrios no seu fazer. Vejo isto em minha escola. Temos poucos espaos para trocas e partilhas. Perde-se uma riqueza muito grande porque</p> <p>11</p> <p>os professores no tm este espao de trocas. Dentro deste contexto, Ramos (2009, p.4) diz claramente que:A insero do computador na escola para prover aprendizagem sugere mudanas pedaggicas que englobam a organizao da escola, a dinmica da sala de aula, o papel do professor e dos alunos e a relao com o conhecimento. necessria uma reestruturao do ensino, no s na sua estrutura fsica e metodologia, bem como nas inter-relaes, o que demanda uma nova postura profissional dos professores e um repensar dos processos educacionais, principalmente aqueles relacionados com a formao de profissionais e com os processos de aprendizagem.</p> <p> claro que o desafio de se avanar uma tarefa herclea com o modelo de escola e de gesto que temos. Porm, possvel faz-lo comeando com a formao dos professores e de como esta dever ser feita. Tomando como base a realidade da escola onde atuamos, percebemos uma presena constante dos alunos no Laboratrio, no horrio oposto das aulas, principalmente alunos dos anos finais do ensino fundamental e ensino mdio. Os alunos freqentam o LIE para fazer pesquisas solicitadas por seus professores, montar slides no Power Point para apresentao de trabalhos escolares, procurar vdeos no You Tube para alguma apresentao cultural e tambm para digitao de atividades. No usam MSN ou Orkut porque esto bloqueados. Tais alunos muitas vezes esto frente dos professores e sabem mais do que eles. Neste descompasso, se assim poderamos dizer, preciso no somente dar aos professores uma formao tcnica do tipo como usar o computador, etc. Acreditamos que seja preciso aos poucos mudar toda uma cultura do uso de tais recursos. No apenas usar as novas tecnologias com mentalidade tradicional. Mudar a mentalidade e a forma de ver tais instrumentos. triste constatar, por exemplo, que a escola onde atuamos est entre as trs piores no ndice do IDEB2 dentre as escolas estaduais de nosso municpio.</p> <p>2</p> <p>O IDEB o ndice de Desenvolvimento da Educao Bsica. Foi criado em 2007 com o objetivo de medir a qualidade do ensino das escolas da rede pblica.</p> <p>12</p> <p>Com o pouco tempo que tivemos do tempus fugit, voltamos nossa ateno sobre como os professores utilizam o laboratrio de informtica educativa da escola, como eles vem este espao e quais as dificuldades que sentem em utilizlo, pois pelo que constamos, eles precisavam ser ouvidos e gostaram de conversar conosco. Trabalhamos com falas das duas coordenadoras do LIE, alguns professores e alunos dos anos finais do ensino fundamental e do terceiro ano do ensino md...</p>