VERTIGEM Abordagem em MGF Pedro Henriques – USF Alves Martins Ângela Pinho- USF Viseu Cidade

  • Published on
    22-Apr-2015

  • View
    111

  • Download
    5

Embed Size (px)

Transcript

  • Slide 1
  • VERTIGEM Abordagem em MGF Pedro Henriques USF Alves Martins ngela Pinho- USF Viseu Cidade
  • Slide 2
  • Definio Vertigem nos CSP Classificao das vertigens Diagnstico MCDTs Tratamento Referenciao O trunfo de ser MF Abordagem em MGF
  • Slide 3
  • Tontura sintoma no-especfico 4 categorias: 1-Pr-sincope (sensao de perda de conscincia) 2-Desequilbrio (sensao de queda aparente, no exclusivamente associada a movimento) 3-Enturpecimento (literatura anglo-saxnica light headness) 4-VERTIGEM (iluso de movimento) CAUSA MAIS FREQ. DE TONTURA, diagnstico CLNICO Abordagem em MGF
  • Slide 4
  • Distino entre VERTIGEM vs outro tipo de Tontura: Quando est tonto sente A CABEA LEVE ou AS COISAS A RODAR SUA VOLTA? Abordagem em MGF
  • Slide 5
  • VERTIGEM = 54% dos casos de tonturas nos CSP 90% destes so provocados por: -Vertigem Paroxstica Posicional Benigna (VPPB) -Neuronite vestibular -Doena de Mniere Abordagem em MGF
  • Slide 6
  • - no idoso : muitas vezes associada a doenas cardiovasculares, neurolgicas, disfuno multissensorial ou iatrogenia - no doente jovem: muitas vezes associado a perturbaes vestibulares (vertigem posicional paroxstica benigna (VPPB), labirintite), perturbaes psiquitricas, uso de sedativos, antidepressivos ou tranquilizantes Abordagem em MGF
  • Slide 7
  • Vascular Desmieli- nizao Tumor Visual Somato sensorial Vestibular Abordagem em MGF
  • Slide 8
  • Precipitada por: - Posies pouco habituais da cabea/pescoo - Movimentos de rotao (Cinetose) O tratamento consiste em repouso e frmacos anti- emticos para controlar as nuseas. Abordagem em MGF
  • Slide 9
  • Associada a ataques de pnico, agorofobia Pode ser despertada por hiperventilao Suspeitar doentes que permanecem longos perodos de tempo fechados em casa O nistagmo est ausente durante a vertigem Abordagem em MGF
  • Slide 10
  • O tratamento: Inibidores selectivos da recaptao da serotonina citalopram, fluoxetina, sertralina Inibidores da recaptao da serotonina e norepinefrina milnacipram, venlafaxina, duloxetina Benzodiazepinas Alprazolam, diazepam, lorazepam Psicoterapia Abordagem em MGF
  • Slide 11
  • Causa Visual - culos novos ou lentes incorrectas Causa Somato-sensorial - Neuropatia perifrica (ex. Diabetes Mellitus) Causa Vestibular - incio brusco, durao minutos a horas - evoluo por crises. Abordagem em MGF
  • Slide 12
  • Vertigem Postural Paroxstica Benigna- VPPB A ++++ frequente Disfuno labirntica unilateral aguda A + freq. em jovens Geralmente precedida de infec. Respiratria respiratria sup. Disfuno labirntica unilateral recorrente Geralmente deve-se Doena de Mniere = Trade: vertigem, acufenos e perda progressiva de audio Vertigem Postural Paroxstica Benigna- VPPB A ++++ frequente Disfuno labirntica unilateral aguda A + freq. em jovens Geralmente precedida de infec. Respiratria respiratria sup. Disfuno labirntica unilateral recorrente Geralmente deve-se Doena de Mniere = Trade: vertigem, acufenos e perda progressiva de audio Abordagem em MGF
  • Slide 13
  • Vertigem vestibulotxica intoxicao por frmacos (+ aminoglicosdeos) ou lcool Fstula perilinftica traumatismo, barotrauma ou cirurgia do ouvido mdio Abordagem em MGF
  • Slide 14
  • Patologia perifrica horizonto rotatrio. Nistagmo agudo direciona para o lado da leso. Nistagmo Romberg Babinski Weil Dix- Hallpike Abordagem em MGF
  • Slide 15
  • Colocar o paciente em posio ortosttica, com os calcanhares unidos e pontas dos ps separados em 30, cabea reta. Colocar os braos ao longo do corpo Fechar os olhos durante um minuto. Em caso de leso perifrica o paciente cai para o lado da leso Nistagmo Romberg Babinski Weil Dix- Hallpike Abordagem em MGF
  • Slide 16
  • O paciente deve caminhar, de olhos fechados num percurso aproximadamente de 1,5m. No caso de leso vestibular unilateral, o tnus muscular ser assimtrico, provocando desvio da marcha para o lado lesado marcha em estrela. Nistagmo Romberg Babinski Weil Dix- Hallpike Abordagem em MGF
  • Slide 17
  • O paciente colocado sentado. Posto rapidamente em decbito dorsal, com a cabea pendente, ao mesmo tempo em que a cabea girada 45 para o lado. mantido nesta posio por 10- 15 segundos, observando-se o aparecimento de nistagmo. Volta a sentar-se e repete para o lado oposto. Pacientes com VPPB desencadeiam nistagmo durante a realizao da prova e, na sua maioria, tendo leso vestibular unilateral, apresentam nistagmo ao girar a cabea para o lado lesado. Esta manobra especfica para VPPB. Nistagmo Romberg Babinski Weil Dix- Hallpike Abordagem em MGF
  • Slide 18
  • https://www.youtube.com/watch?v=wgWOmuB1VFY Abordagem em MGF
  • Slide 19
  • Nistagmus Alteraes auditivas Exame cabea e pescoo Otoscopia Cardiovascular (++ idosos) Manobra Dix-Hallpike- ajuda distino entre perifrica e central Abordagem em MGF
  • Slide 20
  • Sintomas/SinaisPerifricaCentral IncioBruscoInsidioso EvoluoPor criseCrnico IntensidadeSeveraModerada DuraoMinutos/horas/diasDias/meses Sintomas CoclearesPresentesAusentes Sintomas NeurolgicosAusentesPresentes Sensao VertiginosaRotaoDesequilbrio OtoscopiaNormal ou alterada NistagmusHorizontal ou rotatrioQualquer direco Babinski-WeilDesvio para o lado afectadoInstvel, no lateralizada Abordagem em MGF
  • Slide 21
  • Testes laboratoriais NO indicados na abordagem inicial ECG com D2 longo- suspeita de sncope; se sncope evidente: Holter Audiometria- doena de Mniere TAC: (= a referenciao ?) sinais/sintomas neurolgicos- Afasia, disartria, paralisia facial Factores de risco de doena cerebro-vascular Perda progressiva unilateral de audio Abordagem em MGF
  • Slide 22
  • 3 componentes: Especfico Dirigido causa, por vezes curativo Ex. manobra de Epley na VPPB- canal post. Sintomtico Ex.supressores vestibulares na neuronite vestibular aguda Exerccios de Reabilitao vestibular Aps estabilizao dos sintomas agudos e da paragem dos supressores vestibulares Tto definitivo para muitos doentes Abordagem em MGF
  • Slide 23
  • Controle de FR Reduo da PA Diminuio da dislipidemia Cessao tabgica Inibio da funo plaquetria Abordagem em MGF
  • Slide 24
  • Crise aguda: Geralmente melhora espontaneamente (24-48h) Repouso, antiemticos (Metaclopramida) e agentes bloqueantes vestibulares (Beta-histina) alvio sintomtico NO devem ser usados cronicamente ! Curto ciclo de prednisona pode auxiliar A deambulao precoce favorece a compensao. Abordagem em MGF
  • Slide 25
  • FrmacoDose Antihistamnicos/ Antivertiginosos Prometazina 12.525.0 mg VO, IM ou rectal, a cada 4-12h Betahistina416 mg de 8/8h Benzodiazepinas Diazepam 210 mg VO ou IV, a cada 4-8h Lorazepam 0.52.0 mg VO, IM ou IV a cada 48h Antiemticos Proclorperazina 510 mg VO ou IM, a cada 68h ou 25 mg Rectal, a cada 12h Metoclopramida 1020 mg VO, a cada 6h ou 10-20mg IV (infuso lenta), a cada 68h Abordagem em MGF
  • Slide 26
  • https://www.youtube.com/watch?v=9SLm76jQg3g
  • Slide 27
  • Doena de Mnire Tratamento agudo semelhante s restantes situaes. Dieta pobre em sal (
  • Slide 28
  • Tumores Esclerose mltipla Ps-AVC Epilepsia Enxaqueca 25% doentes tm vertigens Abordagem em MGF
  • Slide 29
  • Nas afeces centrais, a queda ocorre geralmente para frente ou para trs (Rombergclssico). Nas cerebelopatias o paciente procura manter a base alargada (abasia), caindo ao aproximar os ps, mesmo de olhos abertos. O paciente coloca os braos estendidos de olhos fechados durante 1-2min. Ocorre desvio no conjugado dos braos nas leses centrais (conjugado para o lado lesado nas perifricas) Marcha Ebriosa a cada passo ocorre um desvio excessivo de todo o corpo; incio indeciso da marcha; retardo da marcha; paradas incertas; passo desigual e irregular; membros inferiores muito projetados; tronco inclinado para trs. Com os olhos fechados, o paciente dever levar o dedo indicador ponta do nariz, ao joelho e ao indicador da mo contrria. A leso cerebelosa impede a concordncia do movimento. O nistagmo pode assumir qualquer direco, mas particularmente o nistagmo vertical indicar origem central Nistagmo Romberg Braos Estendidos Babinski - Weil Indicador nariz joelho indicador Referenciar! Abordagem em MGF
  • Slide 30
  • incio sbito cefaleia/cervicalgia de novo hipoacusia sinais neurolgicos Neuroma do Acstico - Cirurgia e radioterapia Abordagem em MGF
  • Slide 31
  • Acompanhamento a longo prazo do doente Conhecimento de antecedentes pessoais Seguimento da medicao crnica Respostas a teraputicas no passado Perfil psicolgico do doente . Abordagem em MGF
  • Slide 32
  • Harrisons. 16 Edio Principles of Internal Medicine. Editora McGraw-Hill 2005 Condutas na Vertigem ; Ganana MM et al, Grupo editorial Moreira; 2004 Vertigem e Desequilbrio- Noes Bsicas; Grupo de Estudos da Vertigem / Portugal; 1997 http://www.fauquierent.net/ Acta Med Port 2010;23:095-100 Abordagem em MGF
  • Slide 33
  • Obrigado pela ateno VERTIGEM- Abordagem em MGF