Vídeo de bolso

  • Published on
    12-Jan-2015

  • View
    170

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Plano B caso a internet no funcione na escola no primeiro dia da oficina do Cmera Cotidiana. Mas sempre melhor acompanhar pela sala de aula do site, seguindo o plano que o Nacho Durn postou.

Transcript

  • 1. Primeiro dia

2. Motivos para usar cmeras cotidianas As cmeras digitais, em geral, e os celulares so pequenas, agis, e geralmente fceis de ter na mo em qualquer momento. Alguns modelos tm preos acessveis e so uma boa forma, no intrussiva, de realizar entrevistas informais, ou produes experimentais, alm de ser cada vez mais acessvel a edio dos vdeos no prprio aparelho e publicar diretamente o contedo desde o dispositivo, assim como public-lo. Alguns motivos para escolher a captao com pequenas cmeras como o celular so: estar sempre perto e disponvel ser fcil para manipular ser leve para usar em diversas condies poder ser usado de forma discreta, no invasiva para gravar em situaes de emergncia facilidade para compartilhar as produes possibilidades de georreferenciamento 3. Vdeo de Bolso Mobile Video O que chamamos de Vdeo de Bolso poderia ser assim resumido: produo feita a partir de filmadoras caseiras, mquinas fotogrficas digitais, celulares, scaneamento de imagens, download e remixagem de material na web; editado no celular ou no computador, com edio das imagens, do som, eventual dublagem ou legendagem, letreiros, geralmente com sofware livre mas no obrigatoriamente; com at 5 minutos de durao, dependendo do gnero; publicado em blogs, videologs, You Tube e semelhantes, enviado por e-mail, enviado por mensagens MMS de celular a celular, ou ainda por bluetooth ou infravermelho entre celulares e outros dispositivos, ou compartilhado por softwares peer-to-peer (P2P); quanto s temticas, podem ser microdocumentrios, microfices, videoarte, animaes, remixagens de trechos de filmes e outros materiais, abordando contedos polticos, sociais, humorsticos etc. 4. A influncia da Nouvelle Vague Francessa nos Vdeos de Celular Muitos vdeos feitos atualmente com celulares e outras cmeras cotidianas tem muita relao na linguagem e tcnicas usadas com caractersticas da nouvelle vague e por extenso seria o cinema moderno em geral que propunha um estilo pessoal, histrias pessoais, filmes autorais. Mobisdio Movisdio ou Mobisdio um neologismo que se refere a um episdio de uma srie criado especificamente para ser assistido atravs de um dispositivo mvel, como celular, tablet, mp4 Embora no existam regras bem definidas, habitualmente os episdios so tipicamente curtos, tendo entre 30 segundos e 5 minutos. 5. Roteiro mnimo O roteiro de um vdeo de 30 a 90 segundos deve conter: Incio parte 1 Apresentao dos personagens, do local ou do que voc est pretendendo produzir. Ponto de virada parte 2 Aqui onde a histria muda radicalmente. O prncipe transforma-se em sapo, a mocinha largada pelo namorado, o cachorro foge, o carro quebra, ou seja, o mundo do filme vira de cabea para baixo. Final parte 3 O encerramento do enredo da histria. O final pode ser feliz, triste, enigmtico, engraado, enfim, o que der na cabea. 6. Experimentao Um roteiro no precisa necessariamente de comeo, meio e fim nessa ordem rgida. Se voc quiser, pode comear seu vdeo pelo final, retornar ao comeo da trama e concluir a histria no meio da narrativa. Experimente e liberte a sua criatividade. V em frente. O que importa que o seu roteiro tenha lgica e possa contar a sua histria para o espectador. O roteiro pode ser adaptado de um livro ou de uma pea de teatro. Pode surgir de um poema ou de um conto que emocionou voc. Pense em quantas adaptaes cinematogrficas de Hamlet e de Romeu e Julieta, de William Shakespeare, j foram produzidas. Nesse caso, dizemos que o roteiro adaptado ou inspirado numa obra anterior. Se o filme parte de uma ideia inteiramente nova, dizemos que se trata de roteiro original. Quer pular o roteiro e sair filmando? Fique vontade. Voc ver que, mesmo Sem formalizar o roteiro, ele est presente de alguma maneira na sua cabea e ir se compondo a cada cena que voc filmar. 7. Captao com cmeras cotidianas: dicas bsicas Preferir a captao o mais perto do objeto ou da pessoa possvel, abusando dos planos fechados (closes), que registrar imagens mais ntidas e fceis de assistir em telas pequenas; Preferir a proximidade com a fonte de udio; Evitar movimentos rpidos com mudanas rpidas do fundo das cenas, j que exigir mais processamento do celular e perder qualidade; Evitar o uso do zoom digital, faa esses movimentos movendo a cmera; Tentar apoiar a cmera/celular em alguma superfcie ou trip e segurar com ambas as mos; Realizar testes de vdeo e udio antes de comear a gravao das tomadas finais; 8. Captao: Estabilizao Para no deixar as imagens tremidas, tente usar, sempre que necessrio, um trip. Isso evitar que movimentos no planejados estraguem a sua filmagem. No tem trip? Use uma vassoura para servir como apoio. Isso dar estabilidade s imagens captadas. 9. Estabilizador de Cmera (Steadycam) Steadycam um equipamento criado em 1975. Consiste de um sistema em que a cmara acoplada ao corpo do operador por meio de um colete no qual instalado um brao dotado de molas, e serve para estabilizar as imagens produzidas, dando a impresso de que a cmara flutua. O estabilizador tem como funo bsica isolar os movimentos do operador, de modo que esse movimento no seja transferido para a cmara, causando as inconvenientes tremidas. Em equipamentos de baixo custo, apenas se usa o steadycam, sem o brao e colete. 10. Cmera Na Mo Para gravar vdeo com a maior estabilidade possvel, na ausncia de um trip ou estabilizador de cmera, o ideal segurar a cmera ou celular com as duas mos, e o mais perto do corpo possvel, com os cotovelos colados ao corpo se possvel, e realizando os movimentos de cmera com o corpo em lugar das mos, criando movimentos mais suaves. Para estabilizar a cmera tambm se recomenda realizar movimentos naturais e fluidos, ou se apoiar em muros ou sobre alguma superfcie. A diferena entre segurar a cmera com uma ou duas mos muito grande, a cmera perde estabilidade e as imagens ficam mais tremidas e com pior qualidade, j que se precisa de mais processamento por parte do aparelho. 11. Captao: Zoom O uso do zoom problemtico na maioria de modelos de cmeras e celulares: No todos os zooms so ticos, normalmente so feitos digitalmente ao ampliar a imagem, o que gera mais rudo no vdeo, ficando mais pixelado; Tanto o zoom tico como o digital fazem tremer mais a imagem capturada, o que requer uma melhor estabilizao; O zoom pode fazer um barulho excessivo, os botes e o motor, que ser capturado no udio do vdeo, e s vezes o zoom bloqueia a gravao de udio enquanto o boto do zoom est pressionado; Recomenda-se fazer o zoom com a cmera, aproximando ou separando a cmera do sujeito ou objeto. 12. Captao de udio com celular No se pode confiar na boa qualidade do som gravado por uma cmera digital ou celular, e como normalmente no tem uma entrada para microfone externo, sempre existe a necessidade de minimizar as imperfeies desse tipo de gravaes, como por exemplo: localizar aonde fica o microfone do celular, normalmente no lugar oposto lente, e tentar falar diretamente para ele; chegar mais perto da fonte do som, ou orientar o microfone para ela; usar um gravador externo (se no tiver, usar outro celular) para captar o udio mais perto da fonte, depois sincronizando o udio e o vdeo no computador, geralmente com a ajuda de uma claquete; evitar gravar pessoas falando o tempo todo, apontando a cmera para outros enquadramentos, assim se evitar problemas com a sincronia labial (lip sync) que costuma dar muitos problemas em vdeos gravados com celular e editados no computador; usar espuma ou outras protees ao redor do celular para evitar o barulho do vento ou outros udios no desejados; 13. Captao de udio com celular necessrio planejar antes da gravao essas questes relacionadas com o udio, para facilitar o processo de edio, j que pode consumir mais tempo do previsto no futuro. Assim, em filmagens externas, na rua por exemplo, podem ser feitas com um gravador de udio externo ou outro celular para minimizar os barulhos captados, para usar como backup ou registrar outros sons a serem usados na produo. 14. REFLEXO Qualidades de udio e Vdeo Conseguimos facilmente assistir um vdeo com baixa qualidade de imagem e uma boa qualidade de udio, mas no ao contrrio, no suportamos muito tempo um vdeo feito com boa qualidade de imagem e qualidade ruim de vdeo. 15. DICA Aplicativos gravadores de udio A maioria dos celulares tem uma funo ou aplicativo para gravao de udio, o que s vezes permite gravar o udio em alta qualidade (WAV ou AIF), usando como gravador auxiliar de udio nas gravaes de vdeo. 16. Como exportar um vdeo para celular, dispositivos mveis e internet? As propriedades para exportar um vdeo para celular e dispositivos mveis dependem de vrios fatores: os formatos, codecs de udio e vdeo, o tamanho da tela, a capacidade de processamento e armazenamento do aparelho ou do sistema operacional em que ser reproduzido, assim como o tamanho final do arquivo, na hora da distribuio (download via operadora ou Internet para o celular, Bluetooth, download para o computador via Internet). Quanto maiores sejam as exigncias (mais qualidade, tamanho) para reproduzir um vdeo, haver um pblico mais reduzido que possa assisti-lo. Se se deseja atingir um pblico mais amplo dever ser feito diminuindo parmetros do vdeo e udio, como o tamanho, taxa de bits, quadros por segundo ou o codec a ser usado, o que prejudica a qualidade final. 17. Configuraes para exportar um vdeo para celular Estas informaes se aplicam media de aparelhos de celular e smartphones, porm muitos modelos j trabalham com formatos de altssima qualidade e corresponderia exportar como se fosse para a internet, esquecendo que um celular. 18. Configuraes de vdeo: Formato/container: 3GPP (.3gp) qualidade mdia / 3GPP2 (.3g2) qualidade baixa Tamanho ideal: de 512Kb a 2 Mb por minuto Codec de vdeo: H.264 / MPEG-4 / H.263 (em ordem descendente de qualidade) Taxa de bits: de 64 a 512 Kbps Tamanho do vdeo: 12896 (SubQCIF), 176144 (QCIF) ou 320240 (QVGA) Taxa de quadros