We Used to Be Friends

  • Published on
    05-Oct-2015

  • View
    223

  • Download
    0

DESCRIPTION

little book

Transcript

Quatro de Maro de Dois Mil e Dez

Quatro de Maro de Dois Mil e Dez

Eu uso esse programa fantstico que deixa a tela toda preta pra escrever sem distraes, j viu? Enfim, s uma meta-observao pra fingir que eu sei como comear. Voc diz que eu sempre quis parecer o lado com menos traumas e isso tem um tanto de verdade, mas talvez voc tambm nunca tenha perguntado o que me incomoda e quais problemas me parecem insolveis. Mas a questo que mesmo que voc tivesse perguntado eu provavelmente teria feito alguma piada e mudado de assunto. Eu sempre quis te mostrar meu lado bom e que faria voc ficar, ou o lado ruim que nunca te fizesse mais querer manter a porta aberta. O que voc (voc e mais ningum, provavelmente) nunca viu meu lado fraco, meu lado que eu escondo em mil camadas. Toda a minha vida adulta eu tentei evitar as questes que me formaram, meus grandes problemas impressos na minha infncia e realmente complicados de resolver. Bem, eu acho que cheguei ao ponto inevitvel em que eu j tinha crescido tudo que eu podia crescer nos espaos no doloridos da minha cabea (gato escaldado tem medo de gua fria e tudo o mais) que acabei comeando a mexer nas reas que eu sempre evitei, e olha, eu descobri um monte de coisa que eu fiz questo de esquecer pra sempre. Acho que a gente romantiza demais a infncia e no fundo todo mundo teve uma infncia de merda, mas a minha vida pr-independncia muito estranha pra ser contada, at porque pra contar eu teria que relembrar e cada factide desenterrado tem umas pedras maiores do que eu achei que poderia levantar, mas eu cresci e agora elas parecem nem to definitivas assim, n? (Um amigo estava contando que ele acha que o cachorro, um boxer gigantesco, o respeita at hoje por um dia que ele desobedeceu ainda filhote e fez uma viagem horizontal pelo ar at o canil. Ento at hoje ele pensa: tenho que respeitar esse ser gigante e super forte que consegue at me fazer voar pra longe. Eu acho que esse era o respeito que eu tinha pelas minhas pedras. but everything underground, we gotta dig it out somehow) Eu no sei se sei falar de tudo que me incomoda e que no voc, mas eu quero tentar falar porque voc sempre foi um espelho bem sincero e eu no diria pra quem s me daria sorrisos de condescendncia em troca. If i tell you all my secrets would you stay? Would you stay anyway? Ou eu vou ficar chato como um brinquedo que voc j desvendou? Eu sempre tive facilidade de contar minha vida (e ouvir a vida) de pessoas que no esto no mesmo mundo que eu. Pessoas casadas, pessoas que j conquistaram muita coisa, pessoas que j desistiram de tudo, pessoas que j sabem (na prtica) o segredo da vida e sabem que o peso do mundo insuportvel se voc descobre cedo demais ento vamos beber mais uma cachaa. Esse um prlogo intil, o gatilho j foi puxado e agora eu estou s me acostumando com a idia, esperando a temperatura da gua ficar do jeito que eu gosto. Eu acho que eu no respondi nenhuma pergunta e no sei se deixo gancho pra dilogo, mas eu acho que isso, tenho mais um pargrafo breve, mas vou deixar pra depois.

Seis de Maro de Dois Mil e Dez

Eu estou bbado e um pouco desconexo ento vou escrever o que eu ia guardar pra um pouco mais tarde. Eu estou achando isso tudo um tanto esquisito porque minhas vontades originais seriam fazer o que a gente sempre fez que voltar como se nada nunca tivesse acontecido e ontem vi um filme e blablabl. Eu acho que essa fase de readaptao deve ser longa mesmo. Eu acho que essa talvez seja a nossa chance de consertar as coisas, no sei com que resultado, se o resultado vai ser o free ourselves ou alguma outra soluo. Mas eu estou realmente satisfeito de estar te conhecendo de novo de alguma maneira. No lembro quem, provavelmente eu, criou essa regra de no mostrar os defeitos, os pontos fracos e sempre tratar o outro como se uma guerra estivesse prestes a acontecer. Eu fao isso bastante, ento assumo a culpa. Por outro lado eu sempre quis te enxergar como perfeita e que todos os seus passos em falsos, desmemrias e despropsitos pudessem ser explicados simplesmente por ela m. Eu sei que no , pelo menos no s isso. A questo que eu quero que voc conhea tudo agora e quero conhecer tudo pra que a gente possa ter uma dimenso mais humana e aceitar que meus erros so fruto de umas razes tortas que eu tive l atrs e no tem nada contigo nem com minha vontade de ser mais forte, independente, fazer ginstica e andar de bicicleta. Voc provavelmente no sabe da minha segunda (e mais frutfera) incurso no zen budismo, foi depois de voc. A verdade que eu no entendia as coisas direito e achava que o fato de eu no querer te fazer mal nem me fazer mal justificava minha/sua ausncia nas nossas vidas. Mas eu no acho que essa seja a soluo, mesmo. E mesmo que seja, uma soluo covarde. Eu quero estar por perto (mesmo que no agora, no ainda) e quero conhecer suas cicatrizes e te mostrar as minhas pra que as coisas valham um pouco mais que deixar pra l que ela se recupera com qualquer nova distrao. Eu decidi que no quero fazer parte disso se no existir um lado positivo. E o lado positivo, pelo menos no momento, querer ouvir. Eu quero voltar a te ouvir, quero voltar a te conhecer do zero. Eu sei que no existe como apagar todas as coisas imbecis que j disse, mas tem como as coisas novas se tornarem mais relevantes que. Eu sei que provavelmente a gente ainda vai ter que gritar mentiras um com o outro, porque assim que a gente faz, mas eu no quero ter que fingir que vou embora pra sempre de novo. Well find a way. We are scientists we will not be afraid. Eu s sei que tem horas que parece que tudo s comea a fazer sentido quando eu comeo a escrever, e quando eu comeo a escrever eu s consigo pensar em escrever pra voc. E eu espero que um dia a gente faa essa viagem que eu possa contar todos os detalhes que esqueci pra voc enquanto eu durmo no banco de passageiro. Eu sei que isso que eu escrevi e no vou reler talvez soe como um peso exagerado no nosso momento de jogo de xadrez e responsabilidades adultas, mas no tanto. Enfim, mais uma vez eu escrevo mil coisas e no comeo a dizer o que eu queria e muito menos a te responder, mas talvez seja isso mesmo, nascer leva um bom tempo. Eu no quero mais ser um personagem pra ti, quero ser eu, com todas as minhas falhas e problemas e canes ruins.

Oito de Maro de Dois Mil e Dez

De todas as minhas promessas no verbalizadas de reveillon, (ante?)ontem eu quebrei a ltima. Deve ser uma espcie de recorde. Teve esse namoro estranho que foi um plano de emergncia e uma opo alm de um dia a gente se odeia, um dia a gente odeia o resto do mundo junto. O plano era um ms de namoro e se no desse certo a gente nunca mais se via. E como a vida tem sempre novos jeitos de criar problemas, o primeiro ms foi perfeito e no aniversrio uma ida ao banheiro e uma olhada nos sms antigos transformou o prximo ms numa corrida nuclear. Teve uns momentos que eu achei que fosse funcionar, como quando ela se fantasiou fantasticamente bem e foi um doce com todo mundo na festa junina do estdio ou nos sbados que ela tambm preferia ficar vendo filmes em preto e branco e dormir cedo, mas por algum motivo no parecia suficiente. Bem, e acabou e o plano era nunca mais e bla bla bl. Sbado eu at estava com esta outra garota que apaixonada por noseiquem mas a gente sempre acaba se beijando e achando engraado e fantstico como a gente continua amigo no outro dia e consegue no estragar tudo mas por coincidncias foradas e a vontade dela de contar as histrias de Portugal ns acabamos juntos de novo e mais uma promessa quebrada. Pelo menos de manh isso acaba. Mas sempre uma pena, no por mim, quando eu no ligo eu sou muito resiliente. O problema que eu quero que ela se acostume a planejar uma vida sem mim, uma vida em que eu seja s mais um amigo de amigos ou uma pessoa que ouve os mesmos discos, mas no tem msicas em comum.Eu no sei se levaria qualquer pessoa do mundo pra uma ilha deserta. Eu tenho sido sozinho por tanto tempo que difcil pensar em qualquer outro plano. Eu continuo preferindo dormir com companhia, mas tenho preferido companhias que falem demais sobre si mesmas pra se preocuparem se eu corro ou se mato ou se jogo. Eu tenho cada vez mais olhado pra dentro e ficado em casa (essa uma das partes ruins de ficar o dia todo em casa, a casa parece cada vez mais confortvel). Isso tudo s pra dizer que cada vez eu odeio mais esses finais de semana. Sbado sempre tudo timo e ns temos muitas histrias pra contar, domingo sempre sou eu pensando que a vida no devia ser esse ciclo, sonhos estranhos com frases do futuro, todos os avanos na meditao que eu perdi em uma noite e que eu tenho preferido os livros e cafs dos dias teis e que eu tenho que voltar a correr e a ser feliz e lcido ao mesmo tempo e parar de achar que tudo que acontecer tudo bem, experincia e um dia vai virar livro, disco, filme, camiseta No sei se vai.

Nove de Maro de Dois Mil e Dez

Hoje eu quis ficar em casa pra escrever sobre meu problema em fazer planos, mas acabei indo pro cinema ver o filme que ganhou o Oscar e assim que comprei o ingresso decidi ir pro japons e fiquei horas me divertindo (e divertindo os outros) com o verbete da wikipedia sobre a novela renascer. A abertura dela foi a primeira em CGI. Foi feita com DOIS computadores que dividiam 20 MEGA de RAM. Tem microondas com mais que isso hoje em dia, quer dizer. E eu cantei a msica tema. Ando feliz sem motivo, talvez pra no lembrar da raiva que eu estou da estagiria que deletou 140 Gigabytes de trabalhos meus e eu no sei se vai dar pra recuperar. Eu tenho pensado bastante em ir embora, mas no consigo decidir pra onde, nem pra fazer o qu.Eu acho que primeiro preciso descobrir se ainda penso em letras, se j penso em imagens ou se estou voltando a pensar em nmeros. A cincia tem sido minha alegria, meu cobertor do linus. Ler sobre um novo algoritmo que salva vidas pois consegue fazer MRIs centenas de vezes mais rpido me d um n na garganta. Ler a histria do menino que construiu um moinho de vento com dois livros de fsica, uma bicicleta e mais algumas sucatas e salvou a aldeia dele, no meio da frica, faz com que eu me sinta um idiota. Ler sobre a improbabilidade de estar aqui, vivos, nesse planeta, a quantidade de acidentes felizes que nos trouxeram aqui e o quanto isso tudo instvel me enche de alegria e preguia. Os meus mergulhos no zen budismo tem me ensinado tantas coisas e 90% das pessoas que vivem comigo ainda acham que piada quando eu digo que alan watts mudou minha vida e o quanto parecido com os surrealistas e similares que eu sempre amei. Mas mudou, em muitas maneiras e um dia eu falo mais sobre isso s pra voc rir e desconversar, achar que eu estou s inventando uma nova moda e que quem dera que eu botasse em prtica essas coisas que eu prego(mas eu at boto, de um jeito torto, mas eu erro umas 99 vezes por dia. Eu sou um punhado de defeitos e erros que ainda bem que ningum percebe/comenta. um caminho muito longo quando a gente resolve tentar ser tudo que acha que devia ser. Provavelmente eu vou morrer antes disso, mas existe algum sentimento bom em estar contribuindo, tentando parar a roda do samsara. Mas repito, no me ache hipcrita por isso, eu realmente tento bastante, mas ainda estou longe de ser a pessoa desapegada e compassiva que eu quero. Talvez seja s sangue ruim ou uma criatividade mal direcionada. difcil ser bom, mas as pequenas recompensas valem a pena, quando eu consigo. Enfim. Its a long way, n?).

Treze de Maro de Dois Mil e Dez

Eu ainda no te contei sobre esse negcio de trabalhar em casa, n? Agora que provavelmente est acabando, deixa eu contar. fantstico, mas aumenta exponencialmente a minha estranheza com o mundo. O fato de conviver diariamente com pessoas extremamente normais acaba me deixando com uma casca de normalidade. Em todos esses anos, eu que sempre vivi olhando pra dentro, passei a usar cada vez menos meus fones e virar cada vez mais a pessoa que soluciona os problemas, paciente pra ouvi e tem boa vontade. Eu sempre achei que eu fosse o contrrio. O meu mito de ser mau e egosta sempre me protegeu de muita merda na vida, de repente perceber que eu sabia trabalhar em equipe e no ficar puto com o colega que ralou o joelho e fez o time perder a corrida foi um susto. Eu sempre fui individualista e centralizador, sempre achei que se eu no pudesse fazer algo era melhor no ser feito, provavelmente sairia uma porcaria. Com o tempo eu passei a ser mais compreensivo com as limitaes dos outros, sei l, nem todo mundo leu os livros que eu li, mas eu morro de vergonha at de pedir uma pizza no telefone. Morria. Eu acho que essa convivncia me fez perder um pouco da timidez. engraado que hoje em dia tem gente que eu digo sou tmido e recebo uma gargalhada de volta. Eu continuo me sentindo estranho 99% do tempo. Eu no sei o que as pessoas fazem nos intervalos de tempo, sabe? O que se faz enquanto espera um nibus, a digesto, o garom, a garota do travesseiro ao lado acordar. No sei o que fazer com as mos, acho que por isso bebo tanto, confortvel girar o gelo com o canudo ou segurar uma long neck. Sei l porque eu no fumo regularmente, nunca funcionou comigo. De vez em quando eu acho que isso explica boa parte do meu receio em deixar as pessoas chegarem perto. Tenho medo de que na convivncia diria as pessoas percebam minha confuso, meus vcuos, meus medos dos espaos vazios entre as horas teis. Meus pargrafos chatos. Meu jeito errado de amarrar os cadaros, o destino que eu no sei dar aos caroos de azeitonas. Isso provavelmente vem do fato de eu ter sido uma criana selvagem por uns cinco anos. Na idade que eu devia estar me civilizando, dos 9 aos 14, provavelmente, meus pais estavam muito preocupados em fazer a minha irm sobreviver. O Matheus sempre foi inteligente, sabe se virar sozinho. Ento era o dia inteiro sozinho com a minha imaginao, super mario world, os dois ou trs livros que me interessavam naquela casa e horas e horas no terrao observando o movimento dos pssaros. A cidade era cheia de pardais, minha rua tinha muitas andorinhas. Chegou um ponto que eu acho que eu poderia pegar uma delas no ar, de to traadas que as parbolas dos vos estavam na minha cabea. Eu tentei uma vez, mas tive medo de esmagar alguma delas e acabei deixando pra l e voltei a escrever meu nome 300 vezes no fundo da caixa dgua e esperar a hora de ir jantar na minha v e meu pai chegar e perguntar como foi o dia? vamos marcar um mdico? vamos comer direito? vamos ver novela? quer alugar algum faroeste? Ento quando isso acabou tudo que eu queria era ir pra longe e a primeira opo parcial foi passar 12 horas por dia na cidade ao lado e depois a fuga final e entre todas essas fugas no deu tempo pra aprender muita coisa que as pessoas normais faziam. Quer dizer, eu sempre era convidado pras festas, mas gostava do meu canto e dos eventuais platonismos mas isso provavelmente tambm j outra histria. Voltando ao tpico principal agora que eu revelei o trauma nmero 2, ou como no aprendi a lidar com a proximidade de pess...

Recommended

View more >