A colocação de resseguro facultativo

  • Published on
    08-Jul-2015

  • View
    48

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apresenta-se material de apoio para conhecimento e pesquisa pelos alunos do Curso de Cincias Atuariais da UFF. Trata-se de material de apoio que no substitui os materiais e ensinamentos repassados em sala de aula.

Transcript

<ul><li><p>1 </p><p>A Colocao do Resseguro Facultativo </p><p> Marcus Clementino Maro/2013 </p></li><li><p>2 </p><p>Marcus Clementino </p><p> Formao Acadmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 </p><p> Ph.D. em Matemtica Aplicada - London School of Economics - </p><p>1984 </p><p> Experincia Acadmica Prof. Adjunto da UFF no Depto. de Eng. de Produo desde 1985 </p><p> Cursos na Funenseg (diversos anos): Gerente Tcnico da </p><p>Carteira de Automveis, Introduo ao Resseguro, O Resseguro </p><p>de Property &amp; Casualty, Resseguro - Mercado Internacional </p><p> Experincia Profissional De 1973 a 1978 - Sul Amrica Seguros, rea de TI </p><p> De 1984 a hoje - Sul Amrica Seguros, diversas posies na rea </p><p>Tcnica e a partir de 95, Diretor da Ita Re, resseguradora do </p><p>Grupo. </p></li><li><p>3 </p><p>PROGRAMA </p></li><li><p>4 </p><p> Introduo </p><p> Escolha das Resseguradoras </p><p> Escolha da Corretora de Resseguro </p><p> Processo de Colocao </p><p> Participao do Jurdico </p><p> Aprovao do Negcio </p><p> Certificao e Formalizao Contratual </p><p> Problemas na Colocao </p><p>Programa </p></li><li><p>5 </p><p>INTRODUO </p></li><li><p>6 </p><p>Introduo </p><p> Colocao caso a caso: </p><p> Flexibilidade na escolha da forma de resseguro </p><p> Flexibilidade na definio da reteno </p><p> Problema para a Resseguradora: antisseleo </p><p> Problema para Resseguradora e Seguradora: muita troca de informao </p><p> Importncia da integralizao </p></li><li><p>7 </p><p>ESCOLHA DAS RESSEGURADORAS </p></li><li><p>8 </p><p>Escolha das Resseguradoras </p><p> Dificilmente 100% do risco ser aceito por apenas 1 Resseguradora </p><p> Importante definir previamente com quem trabalhar </p><p> Levantar quais operam com facultativo e em que ramos </p><p> Critrio de escolha: os 5 Cs </p><p> Capital </p><p> Carter </p><p> Competncia </p><p> Cultura e </p><p> Compromisso </p></li><li><p>9 </p><p>Escolha das Resseguradoras </p><p> Capital: definir um rating mnimo e usar empresas especializadas </p><p> Carter: conhecer primeiro, fazer negcio depois - o relacionamento pessoal ainda tem forte influncia no negcio </p><p> Competncia: especializao no ramo, fornecimento de servios </p><p> Cultura: falar mesma lngua importante, entender os usos e costumes tambm </p><p> Compromisso: inteno da Resseguradora em permanecer no Brasil </p></li><li><p>10 </p><p>Escolha das Resseguradoras </p><p> Preparar lista com as Resseguradoras escolhidas contendo: </p><p> Rating </p><p> Ramos em que opera </p><p> Trabalha com proporcionais? </p><p> Trabalha com corretoras? </p><p> Nome, endereo eletrnico e telefone dos subscritores e seus substitutos </p><p> Cuidados com as novas Resseguradoras locais </p><p> Consulta ao site da Susep (www.susep.gov.br) </p></li><li><p>11 </p><p>ESCOLHA DA CORRETORA DE RESSEGURO </p></li><li><p>12 </p><p>Escolha da Corretora de Resseguro </p><p> S passaram a existir oficialmente depois do fim do monoplio </p><p> Corretora remunerada atravs da comisso de corretagem existe um custo adicional </p><p> Justificativas para usar uma Corretora: </p><p> Acesso a mercado mais amplo </p><p> Especializao em ramos que tradicionalmente usam corretoras na colocao </p><p> Reduo do trabalho administrativo </p></li><li><p>13 </p><p>Escolha da Corretora de Resseguro </p><p> Diferenas entre corretoras de seguro e de resseguro: </p><p> Relacionamento entre cliente (Segurado ou Seguradora) e quem aceita o risco (Seguradora ou Resseguradora, respectivamente) deve sempre se dar atravs da corretora. No entanto, o contato entre Seguradora e sua Resseguradora no pode ser impedido. </p><p> Os prmios de resseguro e recuperaes de sinistro transitam pela contabilidade da corretora de resseguro. </p><p> A Seguradora correria risco de crdito, mitigado pela legislao (Lei Complementar 126/07). </p></li><li><p>14 </p><p>Escolha da Corretora de Resseguro </p><p> Disposio da Lei Complementar 126/07 </p><p> O prmio pago pela Seguradora Corretora funciona como se tivesse sido pago Resseguradora (a Resseguradora. </p><p> O sinistro pago pela Resseguradora Corretora s considerado quitado quando recebido pela Seguradora. </p><p> Nestas condies, a Resseguradora s deve trabalhar com Corretora de sua confiana. </p></li><li><p>15 </p><p>Escolha da Corretora de Resseguro </p><p> Documentos emitidos pela Corretora </p><p> nota de cobertura informa que o risco est colocado e indica os percentuais de participao de cada Resseguradora. </p><p> nota de dbito instrumento de cobrana do prmio. </p><p> recomendvel que a Seguradora tenha um cadastro de assinatura das pessoas que possam assinar pela Corretora. </p><p> Critrios para escolha das Corretoras: os mesmos para escolha das Resseguradoras, exceto a exigncia de capital. </p><p> Exigncia adicional: a Corretora precisa gozar de boa reputao. </p></li><li><p>16 </p><p>Escolha da Corretora de Resseguro </p><p> Na prtica </p><p> Corretora de seguro: representa o segurado </p><p> Corretora de resseguro: representa a seguradora </p><p> Negcios casados (seguro trazido pela Corretora com o resseguro j colocado) podem representar conflito de interesses e devem ser tratados com muito cuidado. </p><p> H Corretoras de resseguro que foram criadas para este tipo de operao e h outras que no operam com seguros, apenas com resseguros. </p></li><li><p>17 </p><p>PROCESSO DE COTAO E COLOCAO </p></li><li><p>18 </p><p>Processo de Cotao e Colocao </p><p> Tempo um recurso escasso na colocao de facultativos. </p><p> Se uma Corretora for usada, ela precisa saber com que Resseguradoras a Seguradora quer trabalhar. </p><p> importante definir um slip padro para cada ramo ou segmento em que opera, j relacionando as clusulas que considera aceitveis. </p><p> Por causa da legislao atual, importante incluir algumas Resseguradoras locais entre as que vo cotar. </p><p> Definida a lder, as condies finais so apresentadas s outras para completar 100% da colocao, sem esquecer a exigncia dos 40% com as locais. </p></li><li><p>19 </p><p>Processo de Cotao e Colocao </p><p> Como os riscos facultativos so ofertados s seguradoras via concorrncia, todo este trabalho pode no se concretizar. </p><p> A cotao s deve ser passada ao Corretor do negcio se houver a garantia de 100% colocado. </p><p> Se este no for o caso o patrimnio da Seguradora pode ficar seriamente ameaado. </p><p> Alm do risco tcnico envolvido, h outros riscos operacionais. </p></li><li><p>20 </p><p>PARTICIPAO DO JURDICO </p></li><li><p>21 </p><p>Participao do Jurdico </p><p> A oferta s Resseguradoras feita atravs de um slip. </p><p> Para agilizar a operao necessrio ter um slip padronizado. </p><p> Como as clusulas do contrato de resseguro precisam constar do slip com seu texto completo, fundamental que tenham sido aprovadas pelo Jurdico. </p><p> Desta forma, caso haja algum litgio, os termos contratuais sero de pleno conhecimento do Jurdico que melhor poder se preparar para a disputa. </p><p> Caso seja necessrio algum ajuste na redao a pedido de uma Resseguradora, ele ser pontual. </p><p> Caso concretizado, o Jurdico deve carimbar as folhas do contrato de resseguro. </p></li><li><p>22 </p><p>APROVAO DO NEGCIO </p></li><li><p>23 </p><p>Aprovao do Negcio </p><p> A magnitude dos valores envolvidos implica em no deixar que toda a responsabilidade da colocao fique com um tcnico. </p><p> preciso que a mesma seja autorizada por algum rgo colegiado ou pelo menos pelo VP da rea. </p><p> Para tal devem ser enviados: o slip final, informaes sobre o risco e a margem do negcio. </p><p> Em geral, a empresa define qual a margem mnima que deve ser obtida e se o caso apresentado no atingir este valor, uma justificativa deve ser dada. </p><p> Este procedimento introduz uma crtica ao trabalho do tcnico e reduz a possibilidade de erros operacionais. </p></li><li><p>24 </p><p>CERTIFICAO E FORMALIZAO </p></li><li><p>25 </p><p>Certificao e Formalizao </p><p> A regulamentao em vigor exige que os contratos de resseguro sejam formalizados em 270 dias de vigncia. </p><p> Caso no seja cumprida, a pena o contrato ser considerado nulo. </p><p> O slip, mesmo assinado, no pode ser considerado um contrato porque um documento unilateral. </p><p> Alm disso, no h identificao clara das partes. </p><p> Alm da identificao das partes, necessrio que ambas assinem o contrato. </p><p> Nem sempre o slip contm a participao final da resseguradora, o que obrigatoriamente ocorre no contrato. </p></li><li><p>26 </p><p>Certificao e Formalizao </p><p> Caso haja uma corretora envolvida, ela emite a nota de cobertura, certificando que a colocao foi completada. </p><p> Ela pode emitir tambm uma comprovao de cobertura, que a nota de cobertura com as pginas de assinatura das resseguradoras. </p><p> Nenhum destes documentos constitui uma formalizao contratual porque no contm a assinatura da cedente. </p></li><li><p>27 </p><p>Certificao e Formalizao </p><p> Uma soluo : </p><p> Criar uma folha de rosto identificando a Cedente, a resseguradora ou mencionar que a outra parte so os diversos sindicatos do Lloyd's que assinaram o slip. </p><p> Mencionar na folha de rosto que o slip parte integrante do contrato. </p><p> Acrescentar uma folha para a assinatura da Cedente. </p></li><li><p>28 </p><p>OUTROS PROBLEMAS NA COLOCAO </p></li><li><p>29 </p><p>Outros Problemas na Colocao </p><p> No Brasil, a cesso do facultativo quase sempre feita na base net e comisso de resseguro baixa, entre 5 a 10%. </p><p> No caso de parte do risco ser cedida a um contrato automtico, a cesso feita pelo prmio cheio, em vez do net. </p><p> Esta diferena tem que se levada em conta no clculo da margem do negcio. </p></li><li><p>30 </p><p>Outros Problemas na Colocao </p><p> No Brasil, quando h espao, comum a incluso de um spread, uma valor adicional que constitui um ganho extra da Seguradora no negcio. </p><p> Se o risco est sendo colocado 100% facultativamente, a Seguradora retm integramente spread. </p><p> Quando parte est sendo cedia a um contrato automtico proporcional, a parte correspondente do spread deve ir junto com a cesso. </p><p> Isto porque este tipo de contrato automtico usa o prmio da aplice como base da cesso e o spread faz parte deste prmio. </p></li><li><p>31 </p><p>Outros Problemas na Colocao </p><p> No caso do resseguro ser colocado por uma Corretora que tambm opera em seguros, ela pode avaliar a cotao da Resseguradora e acreditar que h espao para aumentar o custo do resseguro, acrescentando, para ela, um spread. </p><p> Como a Seguradora deve receber o slip assinado, ela fica em uma situao difcil perante uma auditoria. </p><p> A Corretora pode tentar incluir uma comisso de corretagem no valor do spread na nota de dbito mas a Seguradora no ter como pagar esta comisso. </p><p> A nica forma de fazer este pagamento atravs de um contrato especfico de prestao de servios. </p></li><li><p>32 </p><p>Outros Problemas na Colocao </p><p> Finalmente: como o IRB agia tradicionalmente desta ou daquela forma antes da abertura, no significa que uma Resseguradora internacional far o mesmo. </p></li><li><p>FIM </p></li></ul>

Recommended

View more >