A colocação de resseguro facultativo

  • View
    48

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apresenta-se material de apoio para conhecimento e pesquisa pelos alunos do Curso de Cincias Atuariais da UFF. Trata-se de material de apoio que no substitui os materiais e ensinamentos repassados em sala de aula.

Transcript

  • 1

    A Colocao do Resseguro Facultativo

    Marcus Clementino Maro/2013

  • 2

    Marcus Clementino

    Formao Acadmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971

    Ph.D. em Matemtica Aplicada - London School of Economics -

    1984

    Experincia Acadmica Prof. Adjunto da UFF no Depto. de Eng. de Produo desde 1985

    Cursos na Funenseg (diversos anos): Gerente Tcnico da

    Carteira de Automveis, Introduo ao Resseguro, O Resseguro

    de Property & Casualty, Resseguro - Mercado Internacional

    Experincia Profissional De 1973 a 1978 - Sul Amrica Seguros, rea de TI

    De 1984 a hoje - Sul Amrica Seguros, diversas posies na rea

    Tcnica e a partir de 95, Diretor da Ita Re, resseguradora do

    Grupo.

  • 3

    PROGRAMA

  • 4

    Introduo

    Escolha das Resseguradoras

    Escolha da Corretora de Resseguro

    Processo de Colocao

    Participao do Jurdico

    Aprovao do Negcio

    Certificao e Formalizao Contratual

    Problemas na Colocao

    Programa

  • 5

    INTRODUO

  • 6

    Introduo

    Colocao caso a caso:

    Flexibilidade na escolha da forma de resseguro

    Flexibilidade na definio da reteno

    Problema para a Resseguradora: antisseleo

    Problema para Resseguradora e Seguradora: muita troca de informao

    Importncia da integralizao

  • 7

    ESCOLHA DAS RESSEGURADORAS

  • 8

    Escolha das Resseguradoras

    Dificilmente 100% do risco ser aceito por apenas 1 Resseguradora

    Importante definir previamente com quem trabalhar

    Levantar quais operam com facultativo e em que ramos

    Critrio de escolha: os 5 Cs

    Capital

    Carter

    Competncia

    Cultura e

    Compromisso

  • 9

    Escolha das Resseguradoras

    Capital: definir um rating mnimo e usar empresas especializadas

    Carter: conhecer primeiro, fazer negcio depois - o relacionamento pessoal ainda tem forte influncia no negcio

    Competncia: especializao no ramo, fornecimento de servios

    Cultura: falar mesma lngua importante, entender os usos e costumes tambm

    Compromisso: inteno da Resseguradora em permanecer no Brasil

  • 10

    Escolha das Resseguradoras

    Preparar lista com as Resseguradoras escolhidas contendo:

    Rating

    Ramos em que opera

    Trabalha com proporcionais?

    Trabalha com corretoras?

    Nome, endereo eletrnico e telefone dos subscritores e seus substitutos

    Cuidados com as novas Resseguradoras locais

    Consulta ao site da Susep (www.susep.gov.br)

  • 11

    ESCOLHA DA CORRETORA DE RESSEGURO

  • 12

    Escolha da Corretora de Resseguro

    S passaram a existir oficialmente depois do fim do monoplio

    Corretora remunerada atravs da comisso de corretagem existe um custo adicional

    Justificativas para usar uma Corretora:

    Acesso a mercado mais amplo

    Especializao em ramos que tradicionalmente usam corretoras na colocao

    Reduo do trabalho administrativo

  • 13

    Escolha da Corretora de Resseguro

    Diferenas entre corretoras de seguro e de resseguro:

    Relacionamento entre cliente (Segurado ou Seguradora) e quem aceita o risco (Seguradora ou Resseguradora, respectivamente) deve sempre se dar atravs da corretora. No entanto, o contato entre Seguradora e sua Resseguradora no pode ser impedido.

    Os prmios de resseguro e recuperaes de sinistro transitam pela contabilidade da corretora de resseguro.

    A Seguradora correria risco de crdito, mitigado pela legislao (Lei Complementar 126/07).

  • 14

    Escolha da Corretora de Resseguro

    Disposio da Lei Complementar 126/07

    O prmio pago pela Seguradora Corretora funciona como se tivesse sido pago Resseguradora (a Resseguradora.

    O sinistro pago pela Resseguradora Corretora s considerado quitado quando recebido pela Seguradora.

    Nestas condies, a Resseguradora s deve trabalhar com Corretora de sua confiana.

  • 15

    Escolha da Corretora de Resseguro

    Documentos emitidos pela Corretora

    nota de cobertura informa que o risco est colocado e indica os percentuais de participao de cada Resseguradora.

    nota de dbito instrumento de cobrana do prmio.

    recomendvel que a Seguradora tenha um cadastro de assinatura das pessoas que possam assinar pela Corretora.

    Critrios para escolha das Corretoras: os mesmos para escolha das Resseguradoras, exceto a exigncia de capital.

    Exigncia adicional: a Corretora precisa gozar de boa reputao.

  • 16

    Escolha da Corretora de Resseguro

    Na prtica

    Corretora de seguro: representa o segurado

    Corretora de resseguro: representa a seguradora

    Negcios casados (seguro trazido pela Corretora com o resseguro j colocado) podem representar conflito de interesses e devem ser tratados com muito cuidado.

    H Corretoras de resseguro que foram criadas para este tipo de operao e h outras que no operam com seguros, apenas com resseguros.

  • 17

    PROCESSO DE COTAO E COLOCAO

  • 18

    Processo de Cotao e Colocao

    Tempo um recurso escasso na colocao de facultativos.

    Se uma Corretora for usada, ela precisa saber com que Resseguradoras a Seguradora quer trabalhar.

    importante definir um slip padro para cada ramo ou segmento em que opera, j relacionando as clusulas que considera aceitveis.

    Por causa da legislao atual, importante incluir algumas Resseguradoras locais entre as que vo cotar.

    Definida a lder, as condies finais so apresentadas s outras para completar 100% da colocao, sem esquecer a exigncia dos 40% com as locais.

  • 19

    Processo de Cotao e Colocao

    Como os riscos facultativos so ofertados s seguradoras via concorrncia, todo este trabalho pode no se concretizar.

    A cotao s deve ser passada ao Corretor do negcio se houver a garantia de 100% colocado.

    Se este no for o caso o patrimnio da Seguradora pode ficar seriamente ameaado.

    Alm do risco tcnico envolvido, h outros riscos operacionais.

  • 20

    PARTICIPAO DO JURDICO

  • 21

    Participao do Jurdico

    A oferta s Resseguradoras feita atravs de um slip.

    Para agilizar a operao necessrio ter um slip padronizado.

    Como as clusulas do contrato de resseguro precisam constar do slip com seu texto completo, fundamental que tenham sido aprovadas pelo Jurdico.

    Desta forma, caso haja algum litgio, os termos contratuais sero de pleno conhecimento do Jurdico que melhor poder se preparar para a disputa.

    Caso seja necessrio algum ajuste na redao a pedido de uma Resseguradora, ele ser pontual.

    Caso concretizado, o Jurdico deve carimbar as folhas do contrato de resseguro.

  • 22

    APROVAO DO NEGCIO

  • 23

    Aprovao do Negcio

    A magnitude dos valores envolvidos implica em no deixar que toda a responsabilidade da colocao fique com um tcnico.

    preciso que a mesma seja autorizada por algum rgo colegiado ou pelo menos pelo VP da rea.

    Para tal devem ser enviados: o slip final, informaes sobre o risco e a margem do negcio.

    Em geral, a empresa define qual a margem mnima que deve ser obtida e se o caso apresentado no atingir este valor, uma justificativa deve ser dada.

    Este procedimento introduz uma crtica ao trabalho do tcnico e reduz a possibilidade de erros operacionais.

  • 24

    CERTIFICAO E FORMALIZAO

  • 25

    Certificao e Formalizao

    A regulamentao em vigor exige que os contratos de resseguro sejam formalizados em 270 dias de vigncia.

    Caso no seja cumprida, a pena o contrato ser considerado nulo.

    O slip, mesmo assinado, no pode ser considerado um contrato porque um documento unilateral.

    Alm disso, no h identificao clara das partes.

    Alm da identificao das partes, necessrio que ambas assinem o contrato.

    Nem sempre o slip contm a participao final da resseguradora, o que obrigatoriamente ocorre no contrato.

  • 26

    Certificao e Formalizao

    Caso haja uma corretora envolvida, ela emite a nota de cobertura, certificando que a colocao foi completada.

    Ela pode emitir tambm uma comprovao de cobertura, que a nota de cobertura com as pginas de assinatura das resseguradoras.

    Nenhum destes documentos constitui uma formalizao contratual porque no contm a assinatura da cedente.

  • 27

    Certificao e Formalizao

    Uma soluo :

    Criar uma folha de rosto identificando a Cedente, a resseguradora ou mencionar que a outra parte so os diversos sindicatos do Lloyd's que assinaram o slip.

    Mencionar na folha de rosto que o slip parte integrante do contrato.

    Acrescentar uma folha para a assinatura da Cedente.

  • 28

    OUTROS PROBLEMAS NA COLOCAO

  • 29

    Outros Problemas na Colocao

    No Brasil, a cesso do facultativo quase sempre feita na base net e comisso de resseguro baixa, entre 5 a 10%.

    No caso de parte do risco ser cedida a um contrato automtico, a cesso feita pelo prmio cheio, em vez do net.

    Esta diferena tem que se levada em conta no clculo da margem do negcio.

  • 30

    Outros Problemas na Colocao

    No Brasil, quando h espao, comum a incluso de um spread, uma valor adicional que constitui um ganho extra da Seguradora no negcio.

    Se o risco est sendo colocado 100% facultativamente, a Seguradora retm integramente spread.

    Quando parte est sendo cedia a um contrato automtico proporcion