Alinhamento de-eixos

  • Published on
    25-Jun-2015

  • View
    7.753

  • Download
    3

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li> 1. Consultoria e Servios de Engenharia .cse@belsol.com.br - fone: (35) 3712-4175 - fax: (35) 3714-2349 Rua Guaicurus, 460 - Vila Togni - Poos de Caldas - M.G. cep:37 704 347_______________________________________________________________________________________________ Seo de treinamento Alinhamento de eixos </li></ul><p> 2. ALINHAMENTO DE EIXOSI-INTRODUO:A- A vida de um mancal depende de: carga, velocidade, lubrificante e temperatura em conjunto com aconservao das folgas corretas.As folgas de mancais, em grande parte dependem de um bom alinhamento.B - Vibraes provocadas por desbalanceamento e tenses geradas por distores da carcaa doacionador, causadas por foras externas ou por procedimentos incorretos ao calar (shim) podem causarproblemas de fadiga no componente.C-A causa mais frequente de fadiga em eixos o desalinhamento que provoca o flexionamento do eixoem cada giro de 180. O eixo poder se romper em minutos ou dias, dependendo do desalinhamento edas tenses por ele provocadas.D- A vida de um acionamento est em funo da perfeio de seu alinhamento, chaveteamento, seutamanho correto, lubrificao, do espaamento axial, e acima de tudo um bom alinhamento.E- Vibraes devido a desalinhamento poder ter efeitos adversos na qualidade do produto, como porexemplo: O acabamento da superfcie de chapas num trem laminador.FATORES QUE AFETAM O ALINHAMENTOA- Os pontos de apoio devem ser planos e no caso de no estarem no mesmo plano geomtrico devem emqualquer caso estarem paralelos. Muitas unidades so recebidas do fornecedor com seus componentesmontados numa base comum, j acoplados e fixos.Esses conjuntos no devem ser montados no campo, sem antes terem sidos inspecionados osacoplamentos abertos e o alinhamento.Checados e rechecados aps sua instalao definitiva na estrutura.CSE consultoria e servios de engenharia ltda.2 3. B- Quando um ponto de apio da base no estiver no mesmo plano, os esforos se acentuaro nestasregies onde existe folga, fazendo com o sistema tenha vida mais curta.Isto chamado de calo curto. Esta situao deve ser corrigida com a aplicao de calos, para deixar osps do equipamento igualmente apoiados.C- Unidades acionadas, quando forem instaladas em estado de novas ou recondicionadas, devero serchecadas para se certificar que todos os encanamentos dutos, eixos e outras partes, esto perfeitamentealinhados.Esforos muito grandes podero ser criados pelo desalinhamento de componentes, que provocaro adistoro da unidade acionada, reduzindo drasticamente a vida dos mancais, retentores e carcaa.D- A preciso exigida no alinhamento de um eixo determinada pela velocidade, carga e de certa forma,pelo tamanho do equipamento.Um eixo de dimetro grande no fletir o mesmo que um eixo de dimetro menor, submetido ao mesmoesforo.E- A medio depender :- Da habilidade de montar corretamente os instrumentos- Da preciso dos instrumentosCSE consultoria e servios de engenharia ltda. 3 4. - Da capacidade de ler corretamente os instrumentos, durante o trabalho- Do posicionamento do acoplamento- Do aperto dos parafusos de ancoragem- Das duas metades que devero ser marcadas com linhas de f ( de referncia ) e mantidas na mesmaposio angular durante os trabalhos de verificao de paralelismo ou da folga. extremamente importante que os conjuntos, eixos e acoplamentos, sejam girados como uma unidade,quando se est efetuando medies de erro de alinhamento, de forma que, a posio relativa dos centrosdos eixos sero indicadas e corrigidas, em vez de se corrigir as discrepncias dos acoplamentos.( comoexcentricidade ) .Com o centro de dois eixos formando uma linha contnua, no haver flexionamento.Com os esforos surgidos durante a operao podero aparecer erros que sempre sero pequenos, quandoo alinhamento estiver correto.F- Quando durante as medies verificamos que o eixo est fora de centro, h desalinhamentos tantoradiais quanto angulares que devem ser corrigidos.Observar que os motores tem uma folga axial para a centralizao do rotor em seu centro magntico,durante o funcionamento.Devemos forar levemente o eixo na direo de sua unidade, para que a medio seja feita sem considerara flutuao do eixo. - Os acoplamentos devem ter um ajuste de interferncia para evitar a roadura entre as superfcies do furo e do eixo. As metades do acoplamento devem estar muito bem centradas no dispositivo quando for efetuada a operao de furao do furo central para o eixo, para impedir a descentralizao radial.As chavetas devero ter tambm ajustes de interferncia com as laterais do rasgo do eixo e do cubo.Dever existir uma folga entre o fundo do rasgo do cubo do acoplamento e do rasgo do eixo com achaveta, para impedir a formao de asperezas por agarro de metal durante a montagem e impedir adistoro radial pela deformao do cubo.A distoro radial e axial de pares de acoplamentos sero resultados de furos muito grandes com asmetades fixadas nos eixos por meio de parafusos.Os acoplamentos no devem ser forados a entrar ou sair dos eixos, pois os mancais e retentores serodestruidos neste ato.Os acoplamentos no devem ser aquecidos com maaricos, exeto em raras ocasies e assim mesmo commuito cuidado em distribuir o calor uniformemente para permitir uma expanso por igual, de modo queno provoque o empenamento.CSE consultoria e servios de engenharia ltda.4 5. Para a desmontagem nestes casos, a aplicao do calor dever ser feita rapidamente para se evitar que oeixo tambm se expanda junto com o acoplamento.Todavia, para se montar os acoplamentos com ajuste de interferncia, o aquecimento recomendado embanho de leo.Para sacar um acoplamento, deve ser usado um sacador.Quando for necessrio o uso de calor por meio de maarico, instalar primeiro o sacador e aplicar foraantes de comear a aquecer. Gire rapidamente a rosca do sacador para sacar o acoplamento.Assim que ele descolar, CUIDADO!!! NO DEIXE NINGUEM EM FRENTE DO CAMINHO DOMOVIMENTO DE SACAR, POIS AS PEAS PODERO VOAR DO EIXO COMO BALAS.III-TIPOS DE DESALINHAMENTOO alinhamento de eixos de equipamentos rotativos um requisito extremamente crtico, particularmentena indtria.A vida dos mancais, engrenagens, carcaas, acoplamentos e outros componentes a resultante dapreciso do alinhamento dos eixos, conjuntamente com a velocidade, carga lubrificao e temperatura.O eixo um componente que transmite aos equipamentos cargas de impacto e cargas de fadiga.Com os centros dos eixos perfeitemente alinhados em toda a extenso, o dobramento ser zero.As metades dos acoplamentos dos eixos so montadas nos equipamentos e mquinas antes doalinhamento.Por essa razo devemos compreender como determinar o centro dos eixos, depois de efetuar as mediesdas metades do acoplamento.A- POSIES DE VISO PARA O ALINHAMENTO :O eixo pode ser visto de duas posies para fins de alinhamento:CSE consultoria e servios de engenharia ltda. 5 6. O primeiro ponto de vista ser a condio de alinhamento quando olhando o acoplamento diretamente decima.Olhando o acoplamento desta posio ns chamamos de "VISTA DE PLANTA".A segunda vista ser olhando o acoplamento e eixos, em conjunto, de lado.Ns denominamos esta direo como "ALINHAMENTO LATERAL".Usamos cada uma destas vistas para marcar as medies de correo de desalinhamento, tanto angularcomo de paralelismo.No "DESALINHAMENTO ANGULAR", as linhas de centro dos eixos cruzam o acoplamento formandoum ngulo.A grandeza deste desalinhamento medida por esse ngulo.Normalmente necessrio corrigir o desalinhamento tanto angular como paralelo, no processo dealinhamento dos eixos.B- CORREO DOS TIPOS DE DESALINHAMENTO :CSE consultoria e servios de engenharia ltda.6 7. DESALINHAMENTO ANGULAR VISTO DE LADO :O desalinhamento angular visto de lado corrigido com calos (shims), colocados em baixo dos pontosde fixao do equipamento, na parte da frente ou na parte de trs, conforme for o caso.A medio e o clculo da espessura dos calos para a correo do desalinhamento angular visto de lado, o ponto mais difcil no processo de alinhamento de eixos.DESALINHAMENTO PARALELO VISTO DE LADO :O desalinhamento paralelo visto de lado, tem sua correo conseguida pela aplicao de calos, iguais emtodos os pontos de fixao.DESALINHAMENTOS ANGULARES E PARALELOS VISTOS DE CIMA :Os desalinhamentos angulares e paralelos visto de cima, so corrigidos movendo-se o motor depois queos desalinhamentos vistos de lado, forem corrrigidos.CSE consultoria e servios de engenharia ltda. 7 8. NOTAS :O alinhamento de alta preciso, no deve ser tentado, antes de ter sido verificado se os eixos no estotortos.Os acoplamentos devem tambm ser checados com respeito sua concentricidade radial e axial.A exentricidade permissvel, determinada pelo tamanho do acoplamento, pela rotao e pela carga.O desalinhamento radial e axial em um acoplamento poder dar o mesmo efeito de um eixo torto emqualquer das duas unidades, (acionadora ou motora) .Pequenos desalinhamentos em, acoplamentos, podero ser tolerados quando a rotao for muito baixa eno causar vibraes.Pequenos desalinhamentos radiais, podero ser balanceados quando forem iguais nas duas metades.Quando for possvel, gire o ponto de mxima descentralizao 180 da outra metade.Desalinhamentos radiais em acoplamentos, ocorrem quando as peas no so fixadas centradas com ocentro da mquina que vai proceder o broqueamento do furo para o eixo; ou quando os parafusos defixao so apertados em demasia num acoplamento de paredes finas; ou quando o cubo de umacoplamento que no tem um ajuste de interferncia fixado ao eixo por meio de parafusos.Uma folga entre o eixo e o furo do acoplamento, provocar um desgaste excessivo na superfcie do eixo eno furo do acoplamento, piorando as condies de funcionamento.Chavetas muito grandes, sem folga entre o fundo do rasgo da chaveta do eixo e o fundo do rasgo do cubo,provocar desalinhamento.Numa montagem, sempre a unidade acionada, dever ser instalada primeiro, antes de se tentar instalar ealinhar o acionador (motor) .Muitas unidades acionadas, so conectadas a outras unidades, atravs de dutos, tubos, estruturas, etc.A unidade acionada, dever estar em sua posio definitiva final, com todos os seus parafusos apertadosantes que se possa alinhar o acionador.CSE consultoria e servios de engenharia ltda.8 9. O motor, s dever ser colocado sobre sua base, aps uma operao de rebarbao, tanto da base quantodos pontos de contato do motor, sendo necessrio tambm proceder a remoo de toda a ferrugem esujeira, antes de se tentar o incio do alinhamento.O motor colocado sobre a base, sem nenhum calo corretivo (shims), quando ento se checar, se noh calo de base que seja curto.Esta verificao realizada, com um calibrador de folga (apalpador) de 0,0015" de lmina, tentandointroduzi-lo entre a carcaa do acionador e a base, nos pontos de fixao.Qualquer ponto com folga maior que 0,001" dever ser calada para eliminar a folga existente antes deprosseguir.Se os parafusos de ancoragem forem apertados com o torque correto, mantendo-se a folga superior especificada, provocar o empenamento da carcaa do acionador, reduzindo a vida til da unidade.A condio de "calo curto" no indica uma diferena real de comprimento do calo, pode acontecer queos calos soldados base no estejam nos lugares correspondentes do acionador.Os quatro parafusos de ancoragem s devem ser apertados depois de corrigida esta situao de "CALOCURTO".BASE BEM APERTADA PELOS PARAFUSOS DE ANCORAGEM DE ABSOLUTANECESSIDADE ANTES DE SE PROCEDER A QUALQUER MEDIO DE DESALINHAMENTOANGULAR OU PARALELO. CSE consultoria e servios de engenharia ltda. 9 10. Tenses introduzidas em um componente acionado por fatores estticos, tais como desalinhamento decomponentes, tubulaes dutos, correntes de acionamento e eixos, podero ser grandemente ampliadassob condies dinmicas de operao.Desalinhamento de flanges de tubulao, podero ser em direo de "X", de "Y" ou ambas.A unidade acionada poder sofrer mais tenses, dependendo dos suportes das tubulaes.Toda tubulao dever estar devidamente fixada, utilizando-se juntas de expanso para compensar ascontraes e expanses e devero estar convenientemente apoiadas em suportes independentes, naunidade acionada.IV-PROCEDIMENTO PARA O ALINHAMENTO :A- VERIFICAES INICIAIS1- Eixo e acoplamento, devero ter ajuste de interferncia de ( 0,0005" de polegada, por polegada dedimetro do eixo )Aquecer o acoplamento em banho de leo ou forno.No recomendamos o uso de maarico, devido ao perigo de empenamento ou exentricidade da pea.Exemplo: Um eixo com dimetro de 2 1/2" deveria ter um ajuste de interferncia de: 0,0005 x 2,5 =0,00125" .Para sabermos a medida em milmetros, multiplicamos o resultado por 25,4 e teremos : 0,00125 x 25,4 =0,03175 mm .Este o valor de interferncia que devemos manter para este acoplamento.2- A excentricidade de um eixo normalmente zero.CSE consultoria e servios de engenharia ltda.10 11. A flutuao do eixo poder aparecer como excentricidade no comparador, ms um problema diferentecomo veremos seguir:Eixos cujas pontas giram fora de centro (normalmente indicando eixo torto) e desalinhamento tanto radialcomo axial dos acoplamentos, devem ser corrigidos se forem excessivos para o equipamento emconsiderao.O eixo exibir uma folga, axial dependendo dos mancais e do equipamento.Os motores eltricos tem um centro eletro-magntico que deve ser respeitados para que operemsilenciosamente, e com a mxima eficincia.Motores grandes tem mancais de bucha, com previso para permitir que o rotor "flutue" de forma que seucampo eletro-magntico possa se alinhar com o campo eletro-magntico do estator.Este centro no deve ser alterado por espaos no adequados, entre as duas pontas de eixo.Motores menores, so equipados com mancais comuns ou de anti-frico ( de rolamentos).Mancais de rolamento de motores, so do tipo de pistas com canal profundo, (tipo conrad) que permitiracomodar algum empuxo longitudinal . Tambm podero ter, uma mola de ao longitudinal, parapermitir a centragem do rotor.Ao se fazer a medio de erros angulares, os dois eixos devem ser empurrados em direo s unidades deforma delicada, afastando-os da base dos acoplamentos, de forma que a "flutuao" dos eixos, noprovoque uma leitura de medida erratica, no consistente.Eixos que giram fora de centro e desalihamento tanto radial (paralelo) como axial (angular), devem sercorrigidos ..Observar que em motores, existe uma folga axial, para centralizao do rotor, no centro magnticoquando em funcionamento, neste caso, forar levemente o eixo em direo sua unidade, para que amedio seja feita sem considerar a flutuao do eixo.3- EXCENTRICIDADE DO ACOPLAMENTO :A- Excentricidade axial poder ser tolerada em grau mnimo.Se no for corrigida poder causar vibraes.B- Excentricidade Radial :- Quando duas metades de um acoplamento tem a mesma quantidade de excentricidade radial, as duasmetades, podero ser giradas 180, compensando assim, a excentricidade de cada uma.EXCENTRICIDADE RADIAL em um acoplamento no afeta a possibilidade, de se ALINHAR OSEIXOS, porm,a excentricidade radial de um acoplamento poder causar vibraes, cuja amplitude estarCSE consultoria e servios de engenharia ltda. 11 12. em funo da massa (o mesmo que grandeza da ex...</p>

Recommended

View more >