Revista Experimente - 4ª edição

  • Published on
    24-Jan-2017

  • View
    267

  • Download
    14

Transcript

  • 02 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Conselho EditorialClicia Bittencourt / Jota RamosGabrielle Ramos

    FotosAcervo IEMMa e Adriano Gomes

    RevisoClicia Bittencourt / Gabrielle Ramos

    Desgin grficoMundo Imagine

    ImpressoGrfica Sieart

    Instituto Educacional Maria Madalena-IEMMaRua Celso Fonseca, 230 - Centro - Tutoia - MaReconhecido pelo CEE/Ma Resoluo n065/2014

    Fone: 98. 8712 5668

    umaboaescola@hotmail.com

    /institutoeducacionalmariamadalena

    /umaboaescola.blogspot.com.br

    EXPED!ENTE CONTATO

    A cada edio de nossa Revista buscamos um colorido especial, aquele de jardins bem cuidados, cuja beleza reflete o carinho e a dedicao de seus cuidadores!

    Nesses seis anos de existncia, nossa escola, com a pacincia de um jardineiro, vem semeando e cultivando o melhor presente que os pais podem dar a seus filhos: uma boa educao, um ensino escolar de qualidade. #umaboaescola

    Nosso trabalho j rende cores, j colhe frutos e segue plantando cada vez mais. Em 2015, iniciamos com louvor a Educao Infantil, e nossos pequenos obtiverem sucessos de aprendizagem surpreendentes! E reforando nosso mote de escola completa, em 2016, inauguraremos o Ensino Mdio, com o padro de servio eficiente e ensino de qualidade que j oferecemos nesses seis anos! #vemproiemma

    Esta quarta edio da EXPER!MENTE traz fotos e resumos da rotina vivida em 2015 no IEMMa, alm de destaques em atividades extra-classe e em competies internas e externas; resenhas e dicas de leitura; entrevista; artigos e opinies de parceiros sobre assuntos diversos; produes dos alunos da Educao Infantil e muito carinho para voc, leitor!

    Boa leitura!

    ED!TOR!ALSUMR!O

    *O contedo das matrias publicadas aqui, so de responsabilidade exclusiva de seus autores.

    Os Editores

    Pro IEMMa no existem fronteiras. - PG 03

    Entrevista - PG 04

    Depoimento - PG 05

    IEMMa na Mdia - PG 07

    Exposio Mulheres em Destaque- PG 08

    Visita Ilustre - PG 09

    Destaques de 2014 - PG 10

    Palavra de Me - PG 13

    Novidades no IMMA - PG 14

    Um pouquinho de Europa - PG 16

    Histria de Professora - PG 17

    Exposio de Leitura - PG 18

    Contos Infantis - PG 19

    Dicas de Sade - PG 20

    Dicas de Leitura - PG 23

  • 03REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    No ms de Novembro, nossos alunos do Ensino Fundamental visitaram a Usina Elica em Pedra do Sal e tiveram uma aula de anatomia do laboratrio da FACOE em Parnaba PI.

    Aula de anatomia no laboratrio da FACOEem PARNABA PI.

    NO EXISTEM FRONTEIRAS

  • 04 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    ENTREVISTA

    A REVISTA EXPER!MENTE mais uma vez traz para voc, caro leitor, entrevista com personalidades que venceram na vida atravs dos estudos. Trouxemos na edio deste ano uma entrevista com o JUIZ RODRIGO OTVIO TERAS SANTOS que foi entrevistado pelos alunos Joo Neto, Maria Eduarda e Glenda Arajo. Confira s!

    RE! Qual foi seu maior desafio em toda sua vida profissional?

    R.: Decidir sobre a vida das pessoas muito difcil, ainda mais quando tem casos que ao jugar passamos a ter certas dvidas. O caso mais complicado que eu tive e que me gerou muita dvida foi o meu primeiro caso como magistrado, foi na cidade de Timom, um crime de estupro e l eu tive muita dvida se a pessoa era culpa-da ou no e eu ficava naquela coisa deixar um inocente preso ou deixar um abusador de crianas solto, e ento o que eu fiz nesse meu processo, eu orei muito para que Deus me iluminasse. Eu me lembro que eu cheguei a fazer at duas sentenas, uma condenando e uma absolvendo e assim o que passo para os meus colegas de trabalho aqui como a gente deve julgar quando a

    gente t com muita dvida a gente faz duas sentenas, aquelas que vai fluir melhor, aquela que a gente vai con-seguir fazer sem nenhuma dvida, sem nenhum proble-ma, essa a sentena correta e naquele caso por mais incrvel que parea eu julguei pela improcedncia , eu absolvi, eu me convenci que o cidado no era culpado. Ento so casos bem complicados, ento decidi proces-sos dessa natureza bem difcil, mas a gente aprende com o decorrer do exerccio profissional a ver onde que t a verdade e decidir da melhor forma possvel

    RE! Se voc no fosse juiz o que voc seria?

    R.: Antes de ser juiz eu j fui padeiro, j fui entregador de po, j fui instalador de internet. Eu tenho um curso de formao de programao em informtica, eu fiz por uma escola tcnica, na poca o CEFET- escola pblica e eu queria trabalhar com informtica, eu gosto muito, aqui no frum quem concerta os computadores sou eu. Eu gosto muito de mexer em computador, ento talvez se eu no tivesse seguido para rea do Direito em si eu teria seguido para rea da informtica.

  • 05REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Eu sempre fui um bom aluno, sempre gostei de estudar. J

    cheguei a estudar 16 horas pordia prximo ao concurso.

    Dr. Rodrigo Otvio Teras Santos

    RE! H quantos anos voc exerce essa profisso?

    R.: Magistrado tenho 5 anos e 4 meses. Como funcio-nrio do poder judicirio j tenho quase 20 anos, por que eu ocupei vrias carreiras no judicirio. Eu comecei carimbando papel, eu era Auxiliar Administrativo, depois eu passei num concurso dentro da faculdade para Ofi-cial de Justia a em seguida eu fui ser Analista do Tri-bunal a depois eu passei para Analista do TRE e depois Magistrado. Ento foi uma escadinha, eu tenho o Poder Judicirio como uma segunda casa, eu cresci no Poder Judicirio.

    RE! Como voc se sente antes dos seus julgamen-tos?

    R.: Hoje muito natural julgar para mim. Depois da-quele caso que eu contei inicialmente, eu aprendi que a gente no deve julgar as pessoas, isso o mais im-portante. Quem julga as pessoas no o magistrado Deus, Ns magistrados estamos aqui na terra para julgar os fatos, as coisas que aquelas pessoas fizeram, ento quando eu vou julgar um processo eu no vejo se beltrano ou cicrano eu pego e vejo o seguinte, o que foi que essa pessoa fez, ento eu me prendo a julgar o fato, ento a partir do momento que eu me prendo a julgar o fato eu tenho mais liberdade e a conscincia mais limpa para exercer minha profisso, ento eu no procuro me prender a pessoas e sim ao fato que est no processo.

    RE! Quantas horas por dia voc estudava para pas-sar no concurso e ocupar a vaga que ocupa hoje?

    R.: Na verdade eu sempre fui muito estudioso. Ento sempre que eu no estava exercendo um cargo eu es-tava estudando. Eu sempre estudei uma hora quando dava, ou duas. Quando eu estava de folga, que dava para estudar cinco a dez horas; prximo ao concurso eu estudava catorze, quinze horas por dia. E isso no significa dizer que voc vai ficar doido no, pense que isso uma fase na sua vida, voc tem que estudar sem-pre, uma hora duas horas e eu sempre trabalhei, mas eu sempre estudava.

    RE! O que levou o Meretssimo a escolher o curso de direito?

    R.: Eu acabei escolhendo por conta dessas minhas visi-tas como instalador de internet na casa de advogados de juzes, bem certo que j tinham pessoas que fala-vam que eu ia ser advogado, porque eu gostava de me meter de dar conselho. O certo que depois que passei para o curso de Direito me apaixonei, eu sou apaixo-nado pela minha profisso, sou apaixonado pela minha

    rea de atuao.

    RE! O que deve ser feito para que a populao para sinta o Poder Judicirio mais prximo dela?

    R.: Desde muito tempo a funo do poder judicirio sempre foi a de julgar processos. Isso que a socieda-de entende como sendo o papel do juiz e do poder judicirio e o que a gente sempre escuta na mdia, ah o poder judicirio moroso, ah o poder judicirio no julga. Na verdade o poder judicirio do Brasil um dos que mais trabalha, um dos que mais julgam no mun-do inteiro. Ento, o problema de hoje no Brasil que a gente perdeu capacidade de dilogo, a gente perdeu a capacidade de resolver as coisas sem recorrer a terceiros no caso o poder judicirio, hoje voc brigou na rua, uma falou com outro, um brigou com outro processo, n, ningum mais conversa, tudo se procura o poder judi-cirio seja porque no sabe resolver ou por que queira uma indenizao ou coisa do tipo; ento, com isso ficou extrema essa judicializao. Isso no s a imagem que o poder judicirio deve construir, hoje no, o poder ju-dicirio tem um carter mais humanizado, mais social e essa aproximao do poder judicirio com a sociedade tem a ver justamente com participao do magistrado na vida ativa da sociedade seja em discusses, em apro-ximao, em projetos que tratam da criana e do idoso

    RE! Voc poderia dar alguns conselhos para nos-sos colegas que acham que estudar uma coisa chata?

    R.: Eu sempre fui muito estudioso, por dois motivos, eu vim de uma famlia pobre, papai e mame diziam que a soluo o estudo e no existe outra. Ficar a depender de terceiros muito difcil, depender que algum lhe d um emprego que algum lhe d alguma coisa muito difcil, voc tem que correr atrs e o nico caminho para se chegar a isso estudar. Eu sempre fui um bom aluno, j ganhei at prmio na escola como bom aluno, meus irmos tambm todos foram bons alunos, mas tudo isso se deve a uma base familiar que te move.

  • 06 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    DEPOIMENTO

    Professora, Graduada em Letras-Portugus na UESPI, atualmente reside na Itlia.

    Ana RenataBraz Arajo

  • 07REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Novamente levamos o nome de Tutoia ao cenrio nacional, junto a escolas respeitadas como as que esto tambm no Jornal.

    Uma matria sobre a aula de Filosofia da Prof. Helena Maria no 8 ano, publicada no JORNAL CORUJINHA N. 76 - 2 Trimestre de 2014 ao lado de matrias de escolas do Brasil inteirinho! Estamos muito orgulhosos e agradecidos!

    Aula de filosofia no jornal corujinha Reconhecimento

    Esse ttulo nos foi dado pela sociedade tutoiense que acolheu e acolhe o IEMMa acreditando naquilo que oferecemos. No teramos este reconhecimento se no fosse a confiana depositada em cada um que administra, cuida e leciona no IEMMa. Este certificado s um simbolo do que j fizemos e podemos ainda fazer com a permisso e a bno de Deus pela educao de nossas crianas. Agradecemos a confiana dos pais e colaboradores que acreditam no nosso trabalho.

    NA MDIA

    Fomos notcia no G1! Veja a matria completa na pgina a seguir!

  • 08 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Exposio fotogrfica com o ttulo Mulheres em Destaque, foi organizada com sucesso pela professora de Histria Helena Maria, em 2014, com o intuito de ressaltar o importante papel desempenhado por algumas mulheres em diferentes perodos da histria do Brasil. Para destacar a importncia

    EXPOSIO MULHERES EM DESTAQUE

    Carmem Miranda representada pela aluna Camille Soares.

    I Mostra FotogrficaMulheres em Destaque

    dessas mulheres, sete alunas do IEMMA se caracterizaram para participar de um exposio fotogrfica. As alunas foram fotografadas pelo fotgrafo e parceiro da escola Adriano Set. A Exposio recebeu visita de alunos e professores de outras escolas da cidade.

  • 09REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    FALA, PAI! FALA, ME!

    O IEMMa uma escola que surgiu h 6 anos para ampliar os conhecimentos e despertar nos tutoienses a importncia do investimento numa educao dequalidade. Pois, os resultados obtidos at agora, so satisfatrios. Eu como me procuro sempre oferecer o melhor para as minhas filhas.

    Roberta, me da aluna Rayka do 2 ano

    Com entusiasmo que recebemos em nossa escola, o Colgio Dez (Parnaba-Pi), em 2014, compartilhando conosco o Projeto Jovem Cidado - Respirando alegria, experimentando amor. Estiveram no IEMMa, a Diretora Rossana Souza, o Professor Wndel Camapum, responsvel pelo projeto, e seus alunos, com atividades de palestra e pea teatral, para nossos alunos do 8 e 9 anos. Para ns, sempre gratificante mostrar galerinha bons exemplos que sirvam de inspirao. Temos um carinho especial pelo Colgio Dez, pois boa parte de nossos professores e diretores passou por l. Parabenizamos a escola pela Projeto e nos colocamos disposio para receb-los sempre com muita satisfao! Que seja o primeiro encontro de uma importante parceria!

    Relembramos com carinho a visita feita pelo Monsenhor Hlio Maranho a nossa escola no ano de 2011. Com uma biografia recheada de ttulos e conquistas, teve vrios livros publicados, foi fundador da Academia de Cincias, Artes e Letras de Tutoia, e uma das personalidades importantssimas da histria de Tutoia. Na ocasio, visitou todas as salas do matutino e at deu autgrafos para os alunos do 7 ano. Na sada, abenoou o IEMMa!

    (Professoras Rossana Souza, Giselle Ramos, Clicia Bittencourt, Jota Ramos e o professor Wndel Camapum)

    Esteve tambm em nossa escola o Secretrio Adjunto da Seduc Fbio Rondon e a equipe da URE, no dia 23/10/2015, que nos deram a honra de receb-los para um caf e apresent-los nossa escola! Voltem sempre!

    VISITA ILUSTRE!

  • 10 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Confi ra s a matria publicada 13/11/2014 s 10h40 no Portal G1.

    Trs estudantes do municpio de Tutia, que fi ca a aproximadamente 450 km de So Lus, no Maranho, foram destaque na Olimpada Brasileira de Qumica Jnior de 2014. Eles iro receber o certifi cado de Meno Honrosa no prximo dia 28, na cidade de Fortaleza, no Cear. O certifi cado de Meno Honrosa entregue aos alunos que atingem notas de 50 a 69,9.

    Mateus Soares, do 9 ano, Thayane Vieira Reis, aluna do 9 ano; e Petrcio Neves, do 8 ano; so alunos do Instituto Educacional Maria Madalena (IEMMa). A escola, que desde 2012 participa de competies, j coleciona 75 medalhas e este ano inscreveu 25 alunos na competio de qumica. Desses, 11 foram aprovados para a 2 fase e trs fi caram entre os melhores do Maranho.

    As provas da primeira etapa da Olimpada Brasileira de Qumica Jnior foram realizadas no dia 08 de agosto e, a segunda

    DESTAQUES EM 2014!

    etapa, no dia 27 de setembro. Apesar das medalhas no terem sido conquistadas neste ano, os estudantes esto felizes com o reconhecimento do esforo.

    Estou ansioso para ir receber o meu certifi cado, estudei muito para conseguir, estudei muita qumica este ano, declarou Petrcio Neves. Para Thayane Vieira, valeu a pena se dedicar rotina intensa de estudos. A gente se preparou muito para essa competio, at aos sbados amos para escola para nos prepararmos para essa prova, ressaltou a estudante.

    Para o professor e fundador da escola, Jota Ramos, o bom resultado na competio fruto de um esforo feito durante todo o ano.

    Os resultados positivos que obtemos so decorrentes de um trabalho estruturado e planejado, que vem desde os primeiros anos de estudo dos alunos. H competies internas na escola, como as de soletrao, simulados, Prmio Cientista Mirim, entre outros, afi rma. Os resumos dos trabalhos cientfi cos produzidos pelos estudantes so publicados na Revista Experimente, que lanada pela escola h trs anos.Raquel Soares Do G1 MA

    Nossos estudantes sonotcia no Portal G1

  • 11REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Professora do 2 ano, Liziane Ramos, sua turma obteve melhor resultado na Olmpada Brasileira de Astronomia e Astronutica. Parabns, Professora!

    Medelhistas da Olimpada Brasileira de Astronomia e Astronutica em 2014.

    Alberto Lus Rodrigues Silva, aluno do 2 ano, campeo do SOLETRTINHA nvel 1 - 2014

    Guilherme Mendes da Conceio, aluno do 2 ano vencedor do SOLETRINHA nvel 1 - 2015

  • 12 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Lorena Fonseca PintoCampe do Soletrinha Nvel 2 - 2014

    Maria Eduarda de Aquino da Silva,Campe do Soletra 2015

    Campees do Soletrinha por turma. Parabns a todos!

  • 13REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    o trabalho j foi desgastante o suficiente ou mesmo a falta de interesse, afinal, muitos pais no acreditam que a educao possa mudar a vida de um filho. Vejo muito isso, fico triste com este pensamento to medieval, na falta de crena na capacidade do outro. No posso imaginar que por no ter tido xito, o meu filho tambm estar fadado ao fracasso.

    Pelo contrrio, sei de onde vim e sabia exatamente o que poderia fazer pelos meus filhos. No poderia dar carro, roupas de grife, nada, apenas o que dei foram os melhores colgios.

    Com alguns anos de casada me mudei com minha famlia para o interior do estado e, l a educao no era muito boa. Mas desde cedo eu via a vontade dos meus filhos em estudar, principalmente no mais velho, que os professores costumavam chamar de gnio e quem me enchia de tanto orgulho. Este foi o primeiro a querer sair do interior para estudar em So Lus. Ainda com 14 anos, sozinho, veio para c morar na casa de parentes. No ano seguinte, no agentei ter de deix-lo sozinho e viemos eu e os outros trs para c. Deixei o marido morando sozinho, pois no tinha como ser transferido do emprego. Assim, abrimos mo de uma vida muito mais estvel e pacata para virmos para c.

    Os colgios infinitamente mais caros, o salrio um pouco menor, mas conseguimos nos adaptar e colocar os quatro filhos em escolas particulares. Um ambiente propcio para quem realmente quer que seja extrado o mximo do potencial de um filho e, foi isso que conseguimos. O mais velho, logo que terminara o segundo grau no Colgio Marista passou no vestibular de Medicina, corroborando que tnhamos feito o certo. Alguns amigos criticavam nossos esforos, visto que nos privvamos de qualquer luxo para podermos arcar com os estudos deles, mas faramos tudo novamente. Em seguida, vieram os outros trs que seguiram o mesmo ritmo do mais velho, as meninas passaram em Direito e o outro em Odontologia. Este ltimo ainda passou em primeiro lugar geral da UFMA, no curso de Engenharia.

    Cada dinheiro gasto em livros e colgios no foi um investimento, mas um incentivo para que eles pudessem conquistar seus objetivos. E, seguirem o meu exemplo de colocar seus filhos em colgios particulares, assim como segui o exemplo de meu pai.

    Hoje, sinto a satisfao do dever cumprido ao v-los cada um alcanando suas metas e, mais feliz ainda, por agora ser coadjuvante da histria deles, mas sem nunca deixar de fazer parte desta histria que comecei a escrever e cabe a eles dar o melhor final possvel.

    Florize da Silva e Silva natural de Parnaba-Pi, casada com Francisco Leocdio Oliveira e Silva. Residem em So Lus-Ma e sempre vm a Tutoia.

    Hoje, vendo a correria diria das mes que tentam conciliar o trabalho com a rotina dos filhos, percebo que a minha profisso que era rotulada como apenas do lar, nada tem de pequeno ou de inferior a qualquer outra. Sim, o que antes eu dizia at de forma envergonhada hoje meu maior motivo de orgulho. Ter dado dedicao exclusivamente para minha famlia, para junto do meu marido criar nossos filhos e reafirmar nossos laos de amor foi o grande motivador de tudo. Para quem acha isso pouco, com certeza no tem filhos ou no tem o compromisso que tive e ainda tenho.

    Como dona de casa tive a oportunidade de ter tantas outras profisses, fui professora, mdica, psicloga, enfermeira, na verdade uma me so tantas coisas. Mas, principalmente, fui tudo e no fui nada, porque tudo era feito por mim, mas no para mim. Tudo sempre foi em funo deles e para eles, para que pudessem ter uma vida prspera e no terem que passar pelos infortnios que eu e meu marido passamos para v-los hoje como esto. Criamos 4 profissionais, mas acima disso formamos dois homens e duas mulheres de valores, com princpios, que temem a Deus e respeitam o seu prximo.

    Embora no tenha tido xito em me graduar em qualquer universidade, isso no me impediu de almejar isso para os meus filhos. A formao escolar deles sempre foi minha grande preocupao. Todos sabemos que somente a educao capaz de formar e transformar o destino. Infelizmente, nem todos tem a oportunidade que tive, pois pude colocar todos meus quatro filhos para estudar em colgios particulares e, acredito que sem essa formao foi decisiva para a vida deles.

    Mesmo sem querer generalizar, so poucos os alunos que terminam o ensino mdio na rede pblica que conseguem entrar em uma boa faculdade. Os baixos salrios dos professores, a falta de recursos para os mesmos aliado com o desinteresse dos alunos torna quase impossvel a formao de um aluno potencialmente apto a passar numa faculdade. H um certo pacto tcito entre alunos e professores, onde um finge que ensina e o outro, que aprende.

    E, parece que no h nenhuma cobrana por parte dos pais, seja por falta de tempo, seja pelo cansao pois

    PALAVRA DE MAME

  • CRESCENDO JUNTOS IQuando iniciamos as aulas em 2010, em nosso primeiro ano letivo, tnhamos apenas a vontade de construir UMA BOA ESCOLA em Tutoia, com um ensino srio, comprometido com a aprendizagem signifi cativa.

    Ao longo deses seis anos, conquistamos a confi ana das sociedades tutoiense, paulinonevense e de proximidades, concretizando um trabalho que vem sendo reconhecido pelos sucessos de aprendizagem que vem alcanando. Nosso foco sempre foi ENSINAR PARA APRENDER, desbancando falsas crenas de que isso s possvel com metodologias da moda.

    Em 2015, demos um passo importante, acrescentando em nossos servios, a Educao Infantil, que se desenhou em linhas fi rmes e coloridos surpreendentes. Os avanos em aprendizagem alcanaram os nveis planejados conforme a idade, a maturidade, as difi culdades e as capacidades de cada criana. Alguns mais lentos e sutis, outros com saltos maiores, percebemos crescimento em cada aluno em toda as atividades propostas.

    A disciplina, aliada afetividade, que fundamentam nossa metodologia, respeitam o ritmo de cada aluno, mas tambm estimulam comportamentos e ajudam a construir outras habilidades, mostrando que possvel, ensinar com regras e com afeto. E o resultado a aprendizagem tranquila e consistente, o que deixa papais e mames orgulhosos e felizes!

    NOVIDADES NO

  • CRESCENDO JUNTOS IIA vontade de construir UMA BOA ESCOLA em Tutoia, vinha da preocupao em afastar crianas to cedo do seio familiar, em busca de um ensino de qualidade fora da cidade, da surgiu o IEMMa. Fomos caminhando juntos, dando consistncia ao nosso mtodo, colhendo bons resultados, escrevendo nossa histria com a parceria valiosa daqueles que nos confi aram a educao escolar de suas crianas.

    Com a segurana de um grupo preparado, motivado e consciente das necessidades de aprendizagem do pblico adolescente, bem como na alegria de satisfazer o desejo dos pais em manterem perto seus fi lhos, em 2016, iniciaremos nossa primeira turma de Ensino Mdio, com a mesma efi cincia e o padro de qualidade IEMMa!

    A galerinha Top, que est concluindo o 9 ano, que sempre quis estudar numa boa escola, e sonha com a Universidade, agora pode vir pro Ensino Mdio IEMMa! Porque se TOP, IEMMa! #vemproiemma #umaboaescola

    CRESCENDO JUNTOS IIIVolte l na pgina 18 e veja um pouquinho do quanto importante aprender outra Lngua, o que possibilita alm do crescimento profi ssional, grandes chances de conhecer lugares cuja beleza e histria nos enriquecem culturalmente e ainda nos do oportunidade de contemplar maravilhas do mundo!

    Pensando nisso, abriremos nossas primeiras turmas no Curso de Lngua Inglesa, com mesma simplicidade e o mesmo compromisso com o conhecimento, j peculiares no nosso trabalho. As aulas j iniciam em janeiro! Informaes na Secretaria do IEMMa!

    15REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

  • 16 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Hi! My name is HelgaZelenynski and I am a biology PhD student from Budapest - Hungary. My research is focused on transgenic plants. So a Hungarian Professor, writing in English in a Brazilian student newspaper, what else could be more international? English connects us! English is also very important in science. People read and write publication, go to international conferences, give lectures and talk in English with fellow scientists from all around the word. So English is the key to open many doors. Learning languages is easier in younger age, so you are in a very susceptible age for learning English very well! Internet and smart phones make learning cushy you can learn English by watching your favorite series or browsing about your hobby.

    Ol! Me chamo HelgaZelenynski e sou estudante de Phd em Budapeste Hungria. Minha pesquisa focada em plantas transgnicas. Ento, uma professora hngara, escrevendo em ingls em uma revista de estudantes brasileira, o que poderia ser mais internacional?O ingls nos!E tambm muito importante em cincia. As pessoas leem e escrevem publicaes, vo para conferncias internacionais, ministram aulas e falam em ingls com colegas cientistas de todo o mundo. Assim, ingls a chave para abrir vrias portas. Aprender lnguas mais fcil quando voc jovem, estando em uma idade mais apta para aprender muito bem ingls. Internet e celulares fazem a aprendizagem mais confortvel, voc pode aprender ingls assistindo sua srie favorita ou navegando nos seus hobbies.

    HelgaZelenynski estudante de PhD, mora em Budapesteonde desenvolve seus projetos sobre transgnicos na ELTE University.

    A experincia do intercmbio foi nica, principalmente para minha carreira profissional em dois pontos: Primeiro que eu utilizo ingls no meu ambiente de trabalho diariamente, e segundo que utilizo muitos dos conhecimentos adquiridos na empresa em que trabalhei no exterior. Em resumo, parece que eu vivi uma vida toda em um ano e meio, carrego uma nova forma de enxergar as coisas ao meu redor, coisas essas que podem vir a melhorar o pas.

    Aps finalizar meus estudos fora do pas, estou me preparando para uma nova etapa na minha vida que iniciar o Mestrado Acadmico. Tudo aquilo que aprendi vivendo em uma nova cultura e falando outro idioma,iro me dar o suporte necessrio para que eu alcance sucesso nessa nova empreitada.

    UM POUQUINHO DE EUROPA...

    David Souza um ex-estudante CSF Hungria cursando Cincia da ComputaoUniversidade Estadual de So Paulo/USP, atualmente trabalha na Pollux Automation.

    Thiago Cond um ex-estudante CSF Hungria cursando Biologia na Universidade Federal de Lavras/UFLA.

  • 17REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Estar na sala de aula, ensinar, ser professora, foi isso que escolhi como profisso. O contato com os alunos, com os livros, com computador, com a caneta, com o ca-derno, ser professora isso e um pouquinho mais... responsabilidade, compromisso, entrega, dedicao! Na sala de aula eu tento ser aquela que ensina, que incentiva, que motiva, sei o que ter um bom professor, tive vrios durante minha vida escolar.

    Este ano para finalizarmos o ano letivo, sugeri aos meus alunos do 9 a organizao de uma Feira de Qumica,

    onde eles teriam que apresentar trabalhos sobre os seguintes temas: Como tirar impresso digital, Eletro-floculao da gua, Chuva cida, Analisando gasolina adulterada, Experimento sobre xidos. Eles aceitaram o desafio e convidamos o 9 ano da Escola Nemsio Neves para assistir as apresentaes, os alunos vieram acompanhados da professora Giselle Ramos. A integra-o entre as turmas foi um sucesso!

    Prof. Clicia Bittencourt

    HISTRIA DE PROFESSORA

  • 18 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Lendo no mnimo 1 livro por ms, desde a Educao Infantil, os alunos do IEMMA fazem da leitura um hbi-to, uma atividade prazerosa e rotineira.

    E como bom ler! Nossos pequenos adoram e mos-traram seu apreo pela leitura e pelos livros na nossa segunda Exposio de livros paradidticos.

    EXPOSIO DE LEITURA

  • 19REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    CONTOS INFANTIS

    O TREM-NAVIO

    A TURMA DO STIO

    A CORAGEM DE PEDRINHO

    RABIC COME TUDO!

    Era uma vez um grupo de crianas, passeando pelo mar em seu trem-navio quando derrepente apareceu um gigantesco tubaro e engoliu a todos. Porm, como eles so espertos traaram um plano de fuga e fizeram o tubaro vomit-los na grama. Conseguiram uma carona e pararam no shopping do papai Noel onde todo mundo ganhou presente e foram felizes !

    A crianada da Educao Infantil criou lindas histrias na Semana de Monteiro Lobato!

    Era uma vez um stio muito bonito. L morava o Tio Barnab, Pedrinho e o Visconde de Sabugosa. Eles gostam de plantar Alface. O alface usado para fazer uma salada muito gostosa.

    Texto coletivo criado por alunos de 3 anos. Valentina, Juclia, Lus Gustavo, Maya, Pierre, Samuel Victor, Samuel Baquil, Enzo, Maria Vitria, Matheus, Pietro). Tia Mariana e Tia Kelly.

    O Rabic pegou os doces da Tia Nastcia a formiga pegou os quitutes tambm. A narizinho e a Emlia viram tudo. A Emlia disse:- Larga isso Rabic. Rabic respondeu:- No vou fazer isso!Rabic foi para o esconderijo e comeu tudo.

    Textos coletivos criados por alunos de 5 anos. Samuel, Gabriel, Aquiles, Jos Miguel, Pietro, Emlio, Davi, Pedro Andr, Melissa, Yasmim, Ana Jlia, Brbara. Tia Raimunda e Tia Aldicia.

    Era uma vez um Stio onde Emlia brincava com seus amigos no quintal olhando para cima. Eles gostavam de olhar o cu, o Sol, as nuvens e os pssaros. Narizinho estava de joelho e Pedrinho estava em p olhando a Emlia sentada l fora. Quando de repente a Cuca surgiu e pegou o brinquedo da Emlia. Cuca saiu correndo sem dar tchau, saiu muito rpido, correndo igual o flash!

    Visconde estava olhando seu livro no meio do caminho, quando a Cuca passou tambm por ele correndo. Ele s viu a calda dela, A malvada dizia que iria jogar um feitio nas crianas para transform-las em sapos e disse para ele que iria transform-lo em sapo tambm. Foi a que o Visconde viu a calda dela e disse que iria amarrar aquela calda feiosa. A Cuca ficou com raiva dele e prometeu que iria dar umas porradas na cara do Visconde.

    Visconde decidiu ligar para Pedrinho e chamou-o para poder pegar o brinquedo de Emlia. A Cuca foi para sua casa. Chegando l ela pegou seu caldeiro e disse:

    - Olha essas crianas aqui, eu vou transform-las em sapo! Pedrinho foi pegar tambm um monte de pedras e seu estilingue e atirou na malvada. Cuca caiu no cho.

    Pedrinho pegou o brinquedo da Emlia e foi correndo devolver para ela. Emlia ficou muito contente por Pedrinho ter pego seu brinquedo, pois ele um menino muito corajoso. Emlia disse para Pedrinho:

    - Obrigada! Ento eles se abraaram e viveram felizes para sempre e Cuca nunca mais pegou o brinquedo das crianas.

    Texto coletivo criado por Antonieli, Heitor, caro, Kathariny, Pedro Isaac. Tia Acria e Tia Ana Patrcia.

  • 20 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Exemplo de pais e educadores fundamental para modulao do comportamento alimentar na infncia.

    Na infncia, assim como em outras fases do cresci-mento e desenvolvimento da criana, a alimentao saudvel um dos fatores determinantes para o ti-mo crescimento, desenvolvimento e promoo da sua sade, prevenindo doenas associadas alimentao excessiva ou deficiente como a obesidade, desnutri-o, diabetes tipo 2 (sim!), colesterol alto e deficin-cias vitamnicas.

    Nesse contexto, o consumo de alimentos saudveis e em bom estado de conservao, devero satisfazer as necessidades dirias das crianas e incluir necessaria-mente alimentos de todos os grupos alimentares (veja o guia alimentar: Pirmide dos alimentos).

    Os pais, a famlia e os educadores em geral desempe-nham um papel muito importante na aprendizagem do saber comer porque, semelhana do que acon-tece em outras reas do saber, as crianas no esto dotadas de conhecimentos para escolher os alimen-tos em funo do seu benefcio e valor nutricional. As crianas apreendem os hbitos alimentares atravs da observao dos adultos, vivenciando a escolha, pre-parao e confeco dos alimentos.

    O ponto de partida para essa tarefa rdua dar o exemplo e demonstrar criana sobre a importncia dos alimentos saudveis e de saborear alguns exces-sos alimentares em poucos momentos. Como querer que o pequeno coma legumes se ele nunca os v no prato dos pais ou se no oferecido nem citado na escola?

    Outra palavra de ordem para os responsveis : bom senso. Primeiramente, nunca use o alimento como premiao ou negociao. Sabe aquela histria de, se voc no comer tudo, no vai passear? passado. Essa atitude gera um trauma na criana, que sabe que vai ter de dar conta do prato. E, como quer pas-sar logo para outra atividade [um passeio ou uma brincadeira], ela enxerga a alimentao como um peso, afirma Ana Merzel, psicloga do Hospital Al-bert Einstein (SP).

    DICAS DE SADE Atitudes extremas, tanto de insistir com a comida (empurrar) quanto de banir um lanchinho vez ou outra, podem contribuir para o descontrole alimentar da criana, e, como consequncia, lev-la a ganhar peso ou desenvolver distrbios alimentares e aver-ses por certos alimentos.

    Como foi demonstrado por um estudo realizado pela Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, com crianas em idade pr-escolar, sugere que aquelas que so foradas a comer toda a comida colocada pelos pais podem no desenvolver o autocontrole das crianas com os alimentos, justamente numa fase em que esto formando hbitos que vo carregar para o futuro.

    Esse comportamento justificado pelo fato de que tudo que proibido vai gerar mais interesse da crian-a. Assim que ela tiver oportunidade de comer, longe dos pais, ela vai fazer, e em quantidade maior. No lu-gar da proibio preciso existir uma educao ali-mentar. Segundo estudiosos, a restrio pode fazer, inclusive, com que a criana passe a ter averso aos bons alimentos.

    Para acertar a quantidade e a qualidade da alimen-tao o ideal fracionar as refeies (5 a 6 ao dia) e envolver a criana no ambiente da alimentar e isso vai desde as compras na feira at a montagem do pr-prio prato. A elaborao da refeio, dosando os car-boidratos, legumes e verduras, fica por conta do adul-to, mas a quantidade pode ser sugerida pela criana.

    importante lembrar tambm que os pequeninos passam por fases. H pocas em que eles comem melhor e outras nas quais no gostam de determi-nados alimentos (principalmente quando esto com doenas agudas). Isso no quer dizer que deve- se desistir de oferecer a ele um legume que o mesmo rejeitou. D criana a possibilidade de experimentar aquele alimento em outro momento.

    Usando medidas simples como essas pode-se con-duzir a histria alimentar da crianada a um outro desfecho, fazendo com que a alimentao e o prazer sejam aliados na promoo da sade e preveno das doenas na infncia e na fase adulta.

    Thaynara Helena Ribeiro e SilvaEspecialista em Nutrio EsportivaUniversidade Estcio de S - RJ

  • 21REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    Classifi car o estado nutricional Crescimento Ideal Desenvolvimento Ideal

    Identifi car o Desnutrido, com sobrepeso, obesidade ou risco nutricional

    Identifi ca carncias nutricionais especfi cas

    Permite planejamento adequado nutricional

    COMO SEGUIR O GUIA ALIMENTAR PARA CRIANAS

    PIRMIDE ALIMENTAR

    Nmero depores ao diarecomendada deacordo com a faixaetria, segundogrupos da PirmideAlimentar

    Nveis daPirmide Grupo Alimentar

    Idade1 a 3 meses

    IdadePr-escolar

    IdadeAdolescentes

    Cereais, Pes,Tubrculos e Razes

    Verduras eLegumes Frutas

    Leites, Queijos e Iogurtes Carnes e Ovos Feijes

    leos e Gorduras Acar e Doces

    COMO SE D A AVALIAO DO ESTADO NUTRICIONAL DO SEU FILHO?

    1

    2

    3

    4

    5 5 5 a 9

    3-4 3-3 4-5

    3-2-1 3-2-1 3-2-1

    2-1 1-1 1-2

  • 22 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    A adoo de hbitos de vida saud-veis, bem como os cuidados com a higiene bucal e visitas regulares ao Cirurgio dentista podem evitar agravos e recuperar e manter sua sade bucal, evitando outros proble-mas que afetam asade geral.Abaixo listamos algumas curiosida-des que provavelmente voc desco-nhecia, mas a partir de agora poder dar maior importncia. VOC SABIA QUE...

    1. 1mL de saliva contm 150 mi-lhesde bactrias e 1 (um) grama de placa bacteriana abriga 100 bilhesde bactrias? Esses microrganismos po-dem cair na corrente sangunea e atingir os mais diferentes rgos.

    2. A crie a doena mais comum da cavidade bucal e caracteriza-se pela perda progressiva dos tecidos dent-rios, culminando com a destruio total e pode ser evitada com mudanas de hbitos e visitas regulares ao Cirurgio--dentista?

    3. A doena periodontal caracteriza--se por infl amao nos tecidos de pro-teo e suporte dos dentes e inicia-se com a gengivite, ou seja, sangramento gengival. As doenas da gengiva reper-cutem na sade em geral.

    4. Para reduzir os riscos de problemas bucais, necessrio realizar a higieniza-o bucal aps cada refeio e, princi-palmente, antes de dormir?

    Seu sorriso depende de voc!

    5. H evidncias cientfi cas relacio-nando a infl amao na gengiva e osso dental com as doenas cardacas? Quem possui doena periodontal tem duas vezes mais chances de ter um in-farto.

    6. H relao da doena periodontal com a artrite reumatide? Mediadores da infl amao gengival esto relaciona-dos a infl amao nas articulaes.

    7. Pessoas com hipertenso arterial apresentam 7 (sete) vezes mais chances

    de ter periodontite (infl amao no osso e gengiva), aumentando o risco de so-frerem infarto ou derrame cerebral?

    8. A periodontite pode regredir com modifi caes do estilo de vida, incluindo escovar corretamente os dentes e reali-zar uma limpeza bem feita da gengiva?

    9. Existe uma via de mo dupla entre a diabetes e a doena gengival? Quem possui diabetes agrava a doena gen-gival e quem possui esta pode agravar a diabetes.

    Fique atento! Seu sorriso coisa sria!

    10. As gestantes com gengivite e doena periodontal tem 2 vezes mais chances de ter parto prematuro e 1,6 vezes mais chances de dar luz be-bs com baixo peso?Faa seu pr-natal odontolgico.

    11. Gestantes com doena perio-dontal tem 2,8 vezes mais chances de desenvolver pr-eclmpsia? Faa seu pr-natal odontolgico.

    12. importante fazer a limpeza da boca do beb aps o aleitamento ma-terno com uma frauda ou gaze umede-cida com gua?

    Cuide do sorriso do seu beb!

    13. O sorriso combate a depresso e o estresse, diminui a presso arterial, melhora a digesto, desintoxica o orga-nismo, espanta a dor, deixa a pela mais bonita e melhora seu convvio social? No deixe de sorrir.

    14. O sorriso o carto de visitas de qualquer pessoa?

    No esconda seu sorriso. Cuide dele!-Sorrir faz bem!

    15. Ranger os dentes noite pode causar srios problemas como dores na articulao temporomandibular, cansa-o dos msculos da face e desgaste dos dentes?

    16. Escovar os dentes de maneira errada aplicando uma fora excessiva, alm de no limp-los completamente, pode causar desgaste nos dentes?

    HIGIENE NA BOCA

    Moara e Silva Conceio Pinto.Cirurgi-dentista graduada pela UESPIMestranda em Cincias Biomdicas - UFPIEspecialista em Endodontia - UNINOVAFAPIEspecialista em Docncia do Ensino Superior -FATECIProfessora Substituta do curso de Odonto-logia - UESPI

    Tenha amor para com seu sorriso! No o agrida!

    17. A ltima estimativa de novos casos de Cncer na cavidade oral para 2014, segundo o Instituto Nacional do Cncer, foi de 15,290 novos casos, sen-do 11.280 em homens e 4.010 em mu-lheres?

    18. Prteses mal-adaptadas podem ocasionar leses orais como aftas? E que preciso realizar a higienizao das prteses para preveno de doen-as como a candidase?

    Previna-se! Cuide da sua sade!

    Cuide da sua SADE BUCAL e de quem voc AMA!Procure um Cirur-gio-dentista da sua confi ana. Seu sorriso coisa sria! Valorize seu sorriso!

    Elaborao: Moara e Silva Conceio Pinto. Cirurgi-dentista Endodontista.Reviso e colaborao: Maysa Maus e Marlia Fontenele. Acadmicas do IX perodo do curso de Odontologia da UESPI

  • 23REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    DICAS DE LEITURA

    PARA ADOLESCENTE LER

    Podemos comear perguntando:

    - Voc sofre pelo futuro? Sua mente agitada e hiperpensante?

    - Acorda cansado, tem dores de cabea, irrita-se com pequenas coisas, no tolera pessoas ou situa-es lentas, tem dficit de memria, no suporta ser contrariado?

    - Sofre s de pensar em parar para ler um livro? No consegue ler uma frase sem pular quase todas as palavras s para terminar logo?

    - Voc sabe de cor, os nmeros dos telefones de seus amigos e familiares mais prximos?

    Vivemos uma rotina rodeada de estmulos visuais, auditivos, por meio de aparelhos eletrnicos com as mais diversas funcionalidades. Nossas relaes so mais virtuais que reais, temos mais amizades com desconhecidos do que contato com as pessoas mais prximas de ns. Quantas vezes, por dia, pais, mes, filhos, irmos, familiares, amigos em geral, percebem--se conversando de fato, sem um aparelhinho ligado, sem uma tela brilhando no meio do assunto? Tudo isso pode estar gerando uma ansiedade fora do comum, em pessoas de todas as idades, em especial em crian-as e adolescentes.

    O livro ANSIEDADE - como lidar com o mal do sculo para filhos e alunos, do Augusto Cury, leva dois adolescentes e seu av, o Dr. Marco Polo, a uma aventura emocionante e divertida, com a turma da floresta viva rumo a muitas descobertas! Durante a viagem, os dois adolescentes e os outros persona-gens vivem situaes atravs das quais aprendem a gerenciar suas emoes, a serem generosos, exercitam a tolerncia e a pacincia, virtudes to escassas entre a galerinha jovem de hoje, alm disso, tm uma lio importantssima de respeito pela experincia dos mais velhos.

    Os dois irmos, Cac e Carol, so como quase todos os adolescentes que conhecemos, no gostam tanto de estudar, vivem se desentendendo e o celular seu companheiro inseparvel. post em uma rede social, foto em outra; os dois chegam at a conversar pelas redes sociais quando esto lado a lado, em vez de dialogar olho no olho. Alguma semelhana com os jovens ao seu redor, leitor?

    Augusto Cury, por meio dessa aventura, questiona nossa incapacidade de cuidar e de proteger nossas emoes, quando estamos sempre preocupados com a nossa segurana pessoal, da casa, do emprego etc. Alm disso, incita pais e professores a estimularem a inteligncia emocional em crianas e adolescentes, ensinando-os a gerenciar seus sentimentos, por meio de atitudes simples e que alm da higiene fsica, pos-svel tambm fazer higiene mental, diante de tanto lixo emocional que acumulamos no dia a dia.

    uma leitura para alunos e filhos, como sugere o ttulo, mas que ser muito mais proveitosa se pais e professores embarcarem nessa instigante aventura!

  • 24 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    O gnero chick-lit, literatura mulherzinha, sem nenhum preconceito, ideal para dias de higiene mental, em que uma leitura leve o remdio perfeito para limpar a mente de lembranas estressantes. Que tal, desligar a TV e o ce-lular, encontrar um lugar con-fortvel e mergulhar nessa deliciosa histria de amor? Eu li e gostei muito! A professora Mary Carla (4 ano) tambm! Sentir! Sentir, sentir, sentir! O sen-timentos estavam atrapalhando minha sensao de bem-estar!p. 150

    Don acredita que tudo pode ser programado, planejado, crono-metrado. Com uma rotina toda organizada para no desperdiar tempo, dividindo-se entre suas pesquisas, o trabalho, as compras e o esporte, assim que vive o geneticista Don Tillman. Pouco competente no trato social, ele

    conta somente com dois amigos, o casal Gene e Claudia.

    Tenho 39 anos, sou alto, estou em forma e sou inteligente; tenho um status relativamente elevado e uma renda acima da mdia como professor associado. segundo a lgica, eu deveria atrair uma am-pla variedade de mulheres. p. 9

    O dia a dia de Don simples, come lagostas todas as teras e faz compras trs vezes por se-mana (na sua despensa tudo organizado conforme o cardpio do dia da semana). Ele mantm um cronograma de atividades domsticas, que incluem lavar o banheiro, como tambm reserva um tempo antes de dormir para praticar aikid e carat. Qualquer desarranjo ou imprevisto nessa rotina, um transtorno para Don, a no ser que ele possa substituir alguma atividade. Restaurantes so campos mina-dos para os socialmente ineptos, e eu estava nervoso, como sempre fico nessas situaes.p.10

    Embora seja geneticista ainda no descobriu em seus estudos, a causa de sua incapacidade para arranjar uma esposa. Ento, com o objetivo de encontrar uma es-posa compatvel com seus hbitos e esquisitices, ou at mesmo uma amiga para somar ao seu limitado grupo de amigos, Don elabora um questionrio minucioso que exige no fumantes e exclui qualquer mulher que se atrase aos compro-missos. Inicia assim, sua jornada no Projeto Esposa, contando com a ajuda de Gene e Claudia na dis-tribuio dos formulrios, na sele-o das candidatas e nos conse-lhos de que sempre necessita.

    Don acreditava que com uma vida organizada, poderia incluir

    mais esse projeto em sua rotina, j que lhe exigiria dedicao e tem-po para analisar as respostas das candidatas. Entretanto, as coisas no acontecem como o planejado e Don conhece Rosie - fumante, vegetariana, sempre atrasada, e a se incia uma srie de eventos em que o imprevisto passou a ser mais comum do que Don imagi-nava em sua vida. O mais inacre-ditvel que a incompatibilidade entre Don e Rosie no afasta o ra-paz, pelo contrrio ele se v cada vez mais envolvido pela moa.

    A convivncia com Rosie provo-cou algumas mudanas no s no cotidiano do geneticista, mas tambm o fez repensar sua inabi-lidade social, procurando superar esse problema.

    Minha agenda e minhas com-petncias sociais agora esta-vam alinhadas com a prtica corrente, da melhor forma possvel segundo minhas ca-pacidades e o tempo que eu reservara para isso.

    uma histria atraente que torna a leitura divertida, como se esti-vssemos vendo uma daquelas comdias romnticas do cinema. Don e Rosie nos mostram que s vezes no somos ns que en-contramos o amor, ele quem nos encontra.

    Ttulo: O Projeto RosieAutor: Graeme SimsionPginas: 319Editora: RecordAvaliao:

    RESENHA - O Projeto RosiePor Gabrielle Ramos

  • 25REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

  • 26 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

  • 27REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos

    rotineiro em salas de aula o desapego aos livros. Em casa, no trabalho, no dia a dia... Os livros no compem a estrutura dos adolescentes. Apesar do esforo das propagandas e do marketing em aproxim-los, livros e adolescentes so quase como antagnicos. Em contrapartida, outras coisas que os circundam parecem grudadas a essa meninada. Quem dera os livros tivessem esse poder.

    Perodos festivos, as ruas, casas e at carros costumam parecer mais, digamos, chamativos. O brilho pendurado em postes e rvores acende a imaginao de rapazes e moas, chamando-os a participarem dos eventos madrugadas a fora. O brilho nos olhos da moada d mais vida ainda quelas crianas lotadas de energia. Pena que so provocados por desregras e vaidades inteis. Festas, celulares, redes sociais consumidos em exagero, assim como ingerir lcool e outras drogas, retardam o amadurecimento dos adolescentes. Apesar de o lazer ter incontestavelmente um papel na formao do jovem, ao torn-lo regra esquece-se da importncia do cumprimento de responsabilidades que o faro promissor. Deixando-os escolher entre a dura rotina de estudos e passeios, festas e jogos, a maioria ir para o que for mais fcil. quase uma luta incessante contra correnteza de bravos mares. E isso evidencia o papel da famlia, dos pais melhor dizendo, na imposio de limites e no controle do cotidiano e na vida escolar dos fi lhos.

    No necessariamente ordens guiaro essa garotada - pelo ao menos no sozinhas. Crianas e adolescentes precisam saber o que devem fazer e tudo precisa ser explicado, exemplifi cado e repetido. Aes dirias dos pais moldaro comportamento de seus fi lhos. E sim, tudo deve ser pensado com antecedncia, planejado, o que requer responsabilidade - no adianta exigir sacrifcio do fi lho sem sacrifi car-se. Para o bem de sua criana o poder dela de escolha tem de ser limitado... E no por super proteo, mas por necessidade!

    Alm de sonhar com um futuro de sucesso para seu fi lho necessrio alocar devidamente os degraus para esse caminho. Cercar-se de aes corretas, de pensamentos legtimos, conhecendo bem seus valores e repassando-os gradativamente para a famlia. sempre possvel acordar cedo com seus fi lhos, insistir para que banhem aps acordar. prudente tomar o caf da manh com eles mesa, desligar mais vezes a televiso, faz-los chegarem cedo escola e busc-los no horrio correto, assim como perguntar como foi a aula, quantas e quais so as tarefas e oferecer-lhes ajuda, almoar com eles, tambm mesa, l algo na frente deles todos os dias e mostr-los o que voc est lendo e que voc gosta

    do que est lendo. essencial divertir-se ao lado deles e com eles. primordial determinar o momento certo dos estudos em casa, desligando a televiso, celulares, msicas, jogos. imprescindvel respeitar a hora de dormir, determinada com antecedncia, fazendo-os cumpri-la. Parece exaustivo e impossvel. exaustivo, entretanto, muito possvel! Nunca ser fcil exercer infl uencias positivas aos jovens, aos fi lhos, pois isso sempre depender da conduta dos pais. E quantos pais esto dispostos a deixar de assistir sua novela para sentar ao lado de seu fi lho e ler um bom livro? Quantas mes deixariam passeios aos fi ns de semana para dedicarem-se exclusivamente semana de estudos que passou preparando seu fi lho para os estudos que viro na semana seguinte?

    Educar uma tarefa rdua sim. Mas o que ser mais importante do que tentar sempre o melhor para seus fi lhos?

    Jota RamosProfessor e Diretor do IEMMaLicenciado em Cincias Exatas - UFMABacharel em Administrao de Empresa com Habilitao em Marketing- FAPCursando Especializao em Gesto, Planejamento e Organizao escolar - INTA

  • 28 REVISTA EXPER!MENTE | IEMMa 6 anos