Tamanho ótimo do grupo

  • Published on
    19-Dec-2014

  • View
    877

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Tamanho timo do grupo

Transcript

<ul><li> 1. Ecologia de PopulaesTamanhos de Grupos timos nomundo realProf. Dr. Harold Gordon Fowlerpopecologia@hotmail.com</li></ul><p> 2. O que um grupo?Qualquer conjunto de indivduos, pertencentesa mesma espcie, que ficam juntos durante umperodo de tempo e se interagem mais do quecom outros membros da mesma espcie.Wilson 1975.Quando dois ou mais indivduos vivem juntoseles constituem um grupo. Lee 1994. 3. IntroduoO tamanho do grupo depende dos custos e benefciosDificuldades na determinao dos tamanhos timos dos grupos na natureza1. Grupos podem ser muito grandes2. Grupos podem ter distribuies amplas3. Difceis de localizar 4. Tamanhos timos de GruposMuitos animais vivem em grupos durante pelomenos parte de sua vida Variao entre e dentro de espcies epopulaesConseqncia = desenvolvimento de interaessociais e relaes 5. Interaes Entre Indivduos 6. Grupos como RedesTeoria deRedes SociaisNdulosConexes pornduloCliquesFenmenos doMundo Pequeno 7. Seleo Natural e Vida em GruposO que torna a vida em grupo beneficio?Viver em grupos facilita a cooperao entreindivduosAumento direto do aptido ao produziregositcamente nmeros grandes de filhotesTambm: aumento indireto do aptido ao aumentar aprobabilidade de sobrevivncia e reproduo deparentes = proporo compartilhada de seus genes 8. GruposPor que viver em grupos? Benefcios precisam ser maiores do que os CustosComo os animais vivem em grupos? Esperemos que a evoluo proporciona osanimais que vivem em grupos com oscomportamentos apropriados paramaximizar seu aptido 9. Custos e benefcios de viver em grupos:A probabilidade de encontrar alimento podeaumentar com o tamanho do grupo (facilitaosocial)Facilita a captura de presa maiorPode permitir a defesa coletiva de alimentosA probabilidade de visualizar um predadoraumenta com o tamanho do grupo deixa maistempo para se alimentarDilua a probabilidade de ser atacado por umpredador e reduz a razo ataque a matana dopredador 10. Quais so os benefcios deagrupamentos sociais? Forrageio em grupos:os lees comem tanto sozinho como em grupo. Defesa dos filhotes:as fmeas sem filhotes ainda ficam em grupos. Defesa territorial:as fmeas so sensveis ao nmero relativo de intrusos simulados (McComb et al. 1994). 11. Viver em grupos pode ser efetivo ao enfrentarem grupo os predadores potenciais ou: Mais olhos &gt;&gt; deteco maior de predadores. Resposta de fuga de grupo pode confundir os predadores. Enxames (cardumes) aumenta o tempo de procura dospredadores.Ao fazer parte do grupo, nos encontros com predadores oindividuo agora tem uma probabilidade de 1 em X de serpredado contra 1 em 1 se solitrio {no precisa ser maisrpido do que o urso, mas somente mais rpido de outromembro do grupo} Vantagens versus desvantagens de grupos: comendo no centroversus o risco de predao. 12. Conseqncias de GruposBenefcios Anti-predador Encontro de alimento TermaisCustos Competio paraalimento Agresso Infeco 13. Desvantagens de morar emgrupos:Os recursos precisam ser compartilhados comoutros membros do grupoAumento o contato visual para os predadoresAumento da probabilidade individual de seinfectar com parasitasPode resultar num nmero menor defertilizaes para machos fora do parPara o favorecimento de vida em grupos, seusbenefcios precisam ser maiores do que oscustos 14. Custos de formao de gruposO custo principal e compartilhar o alimento.Passer domesticus atrai outros pssaros ao fazer um cantoque sinaliza a disponibilidade de alimento.Quando o risco de predao baixo no canta. 15. Grupos timos 16. Teoria timaA teoria de otimizao tem como premissa que os organismos tentam maximizar seus benefcios e ao mesmo tempo minimizar seus custos.Assim, podemos prever como os organismos devem se comportar de forma que se maximiza a razo de beneficio a custo. 17. Teoria timaAs razes custo e beneficio so importantes quando podem ser mensurados com preciso, permitindo previses precisas sobre as escolhas de comportamento feitas pelos organismos.Uma maneira de estudar essas decises o uso da teoria de otimizao 18. Ganho ou Perda Energtica(mesmas unidades)BENEFICIOSTamanho do Grupo &gt; CUSTOS Tamanho timo do GrupoBeneficios - Custos 19. Depende da Curva de AptidoAptido14 5 10 Tamanho do Grupo 20. Relao com o AptidoAptidoTamanho do Grupo 21. Depende da Curva deAptidoOs animais devem formar grupos (imigrar) quandorecebem benefcios, e de deixar o grupo (emigrar)quando o retorno da vida solitria &gt; vida em grupoO tamanho timo do grupo = ponto da maximizaodo aptidoOs indivduos de grupos menores se beneficiam aose juntar o grupo de tamanho timo O tamanho timo do grupo no estvel 22. Cooperao entreindivduos no parentesCusto/ benefcio:Cooperao na defesa dos recursos aumenta aprobabilidade de sobrevivncia e reproduo detodos os participantes = MutualismoA Ajuda sem benefcio alem de receber ajudano futuro = altrusmo recprocoPor isso, a evoluo de comportamentocooperativo = aumento de aptido dos indivduosenvolvidos 23. ParentescoAptidoTamanho do grupo ? 24. Quatro fentipos distintos W, X, Y e Z). Ofentipo X tem a razo maior de beneficio a custo e deve aumentar em freqnciaGanho ou Perda de AptidoBENEFICIOSC-B CUSTOSB-CW X YZFentipos 25. Tamanho timo do grupo eegosmo.Muitos grupos provavelmente somanadas egostas.Os indivduos juntam a grupos parabenefcio prprio e no em benefcio dogrupo. 26. Tamanho timo do grupo eegosmo.Se na espcie X o tamanho timo do grupo 10 indivduos, observaria grupos de10 no campo?Por que ou por que no? 27. Tamanho timo do grupo eegosmo.Os grupos devem ser maiores do que otamanho timo at chegar a umtamanho onde o beneficio a umindividuo de juntar ao grupo igual deficar sozinho. 28. Indivduos EgostasAptido1 5 610 11Tamanho do Grupo 29. Indivduos EgostasO comportamento egostico ocorre quando umpredador pode o no estar presente, masnenhum membro do grupo quer descobrir. 30. Defesa em GrupoSegurana em nmeros Os olhos e orelhas podem ser somados Manadas Bandas cardumes 31. Defesa em GrupoMuitos animais so territoriais e vivem em grupos.Indivduos de espcies com territorialidade de grupo obtm vantagem devido a defesa mutua de espao e recursos compartilhados7art-screensavers.com Ron Watkins - PRIMARY IMAGES 32. Defesa em grupo um refgio emdensidades elevadas 33. Evitando a predao: Efeitos de gruposE alguns benefcios de fazer parte de um grupoEfeito de Diluio 1:9 1:1000s 34. Efeito da DiluioO aumento do tamanho do grupo diminua aprobabilidade de que um individuoparticular ser escolhido por umpredador.Exemplo, uma banda de 100 aves temsomente uma probabilidade individual de1% para ser escolhido pelo predador. 35. Efeito da DiluioExemplo extremo do efeito de diluioencontrado em estratgias de torcidaorganizadaMuitas presas sincronizam ocomportamento para tentar modificar acapacidade do predador de predar 36. Efeito da DiluioQuase todo Wildebeest Os predadores no podemdo luz durante umcomer todos osperodo de 2 semanasfilhotes, e assim a maioriasobrevivem 37. Evitando a predao: Efeitos de grupos E alguns benefcios de fazer parte de um grupo Efeito de encontro Animais em grupo so mais difceis de serem encontrados 38. Quem cuida a porta?Indivduos no tamanho timo do grupo noquerem que mais indivduos entram nogrupoMas outros indivduos querem entrar. 39. Evitando a predao: Efeitos de grupos 40. Vigilncia e gruposComportamentos de formao de gruposso comunsVrias vantagens potenciais. 1. Mais olhos aumentam aprobabilidade de detectarpredadores. 2. Defesa melhor em grupo 3. Efeito da Diluio 41. Grupos e Inspeo de PredadoresAs vezes a presa aproxima ao predador Por que?Probabilidadede grupoaproximando opredador 0 200 400600Tamanho do grupo 1. Diminuir risco atual 2. Coleta de informao sobre perigo 3. Advertir outros membros do grupo 42. Grupos e Inspeo de Predadores 4000 3000Distancia que acheta caminhoudo grupo (m) 2000 100000 200 400 600 Tamanho do grupo 43. Grupos e Inspeo de PredadoresFuno possvel Informao Relevante1. Sinal de Alarme- Animais isolados pulam2. Coeso Social- Orientar bunda ao predador3. Efeito da Confuso -- Animais isolados pulam4. Pursuit deterrence 44. Grupos e Inspeo de PredadoresPulando Caa abondanada Caa falhou Gazela mortaSem pular 45. Experimentos por Kenward usando um falcotreinado demonstraram ao aumentar otamanho de grupos, pombos detectaram ofalco a uma distancia maior. 46. Muitos animais se defendem ativamente contra ospredadores. 47. Muitos animais se defendem ativamente contra ospredadores. 48. Caando em GruposAs presas se beneficiam peloagrupamento. Os predadores tambm sebeneficiam pela cooperao na caa depresas.Panthera leo, Crocuta crocuta , Lycaonpictus, Canus lupus e Eciton vaganscaam cooperativamente. 49. EstratgiaPadrode defesa tpico deHabitatdeagrupa-tpico:recursosmentoLeoterritorialsocial savanaPanthera leoTigre floresta solitrioPanthera tigris territorialOnaterritorialsolitrioGeralmentePanthera onca florestaLeopardo solitrioEm todo lugarPanthera pardus territorialFloresta eLeopardo de neve solitrioestepePanthera uncia territorialLeopardo de nuvens territorial solitrioFloresta /Neofelis nebulosa arbrea 50. Utilidade principal do forrageiocooperativo:1. O sucesso da caa aumenta.2. Presas maiores podem ser atacadas. 51. Algumas aves tambmcaam cooperativamente. 52. Desvantagem principal da caa emgrupo o compartilhamento dapresa.No todos os indivduos tmacesso igual ao alimento. 53. Redistribuio Resulta em GruposSuper-timos18 19 19 20 20 20 21 21 2218 19 20 20 20 20 21 21 2117 20 20 20 20 20 21 21 2112 21 21 21 21 21 21 21 21422 22 22 22 22 22 22 22023 23 23 23 22 22 22 2220 54. Compartilhamento de Informao de forrageirosOs forrageiros as vezes podem obterinformao sobre o alimento deoutros indivduos.Corvus corax de Bernd HeinrichCorvus corax usa(i) Melhoramento local. Gritapara recrutar outras aves.A informao do melhoramento local transferida no local do alimento. 55. Outros exemplos de melhoramentolocal.(i) Urubusagrupando paraconsumir umacarcaa.(ii) Aves marinhasmergulhando numcardume depeixes. 56. Corvus corax tambm usa:(ii) Centros de Informao.Poleiro age como centro deinformao. Poleiro longe do alimento,mas onde a informao sobre alocalizao trocada 57. Os corvos adultosdescobrem uma carcaa noseu territrio 58. Um corvo jovem tambm descobre a carcaa mas e espantadopelos adultos. 59. O jovemretorna aopoleirocomunal eo diaseguintelevaoutrospssaros acarcaa 60. O grupo grande supera a defesa dosadultos e tem acesso a carcaa. 61. Coragyps atratus e Cathartes auratambm descansam em grupos. Ospoleiros funcionam como centros deinformao? 62. Os poleiros de Coragyps atratus as vezesservem como centros de informao, masno os poleiros de Cathartes aura . 63. Diferencia principal: Coragyps atratus mais agressivo.Coragyps atratus espanta Cathartes auradas carcaas grandes de durao longa.Coragyps atratus Cathartes aura 64. Coragyps atratus depene de presaspequenas e Cathartes aura dependede carcaas grandes.Coragyps atratus use seu sentido deolfao para localizar suas carcaas. 65. Nariz grande com bulbo olfatrio anteriordos olhos de Coragyps atratus . 66. As diferencias no comportamentodos urubus uma conseqncia desuas capacidades distintas deencontrar alimento e de agresso. 67. A informao do melhoramento local comumente usado por pssaros.Porm, so poucos estudos que apiam aHiptese dos Centros de Informao.Um desses e a pesquisa de Greene sobrePandion haliaetus. 68. Forrageio de Pandion haliaetus . 69. Pandion haliaetus se alimente depeixes.As vezes reproduz em colnias.Um indivduo voltando ao ninhocarregando um indivduo de Alosapseudoharengus (peixe de cardume)causa outros procurar alimento nosentido de onde chegou o indivduo. 70. Um indivduo retornaNenhum indivduo retornacom peixecom peixe10 sadas5 sadas1 sadaOrientao dos indivduos que saem 71. Pandion haliaetus que vm seus vizinhosretornando com peixes pescam peixes maisrapidamente do que os indivduos que no vieram Novios InformadosNmero de indivduosPandion haliaetus Tempo gasto para pegar peixe (minutos) 72. Melhor exemplo de um centro deinformao existe em Apis mellifera.Apis mellifera dana paratransmitir informao 73. Karl von FrischFez o trabalhopioneiro sobrea dana dasabelhas 74. Uma abelha que encontrou alimentodana para repassar informaosobre a localizao de alimentos aoutros indivduos da colmia.Se a fonte alimentar est prximaa colmia (&lt; 50m) a abelha usa adana redonda. 75. Dana redondaRound danceRound dance 76. Se a fonte alimentar fica mais distante aabelha usa a dana forroA abelha realiza a dana num caminhoparecido a figura 8.A abelha se desloca numa linha reta e aomesmo tempo samba seu corpo.A abelha depois vira a direta ou a esquerdapara retornar ao comeo do caminho. 77. Se a abelha est fora da colmeia,o sentido da dana sinala diretamentea fonte alimentar. 78. Na colmia, a abelha dana noobscuro sobre uma superfcievertical.Vertical indica a direo do sol.ngulo da dana relativa aovertical indica a direo da fontealimentar em relao ao sol.O comprimento da parte sambaindica a distancia aproximada afonte alimentar. 79. Orientao vertical na colmia Dana da samba. 80. O comprimento da parte samba indica adistancia aproximada da fonte alimentar.Quanto menor o nmero de circuitos dedana realizados em 15 segundos, quantomais distante a fonte alimentar. 81. Testes da eficcia da danasamba .Para transmitir informao dalocalizao de alimento precisatransmitir informao da distanciae da direo. 82. A transmisso da informao direcional.Teste simples. Recrutas treinadas a visitara fonte F.Comparou as abelhas chegando na fonte F eem seis outras fontes de distancia igualda colmia mais em sentidos diferentes.Fonte F com uma maior taxa de visitao. 83. ColmiaNmero deabelhas chegando 84. Para proporcionar informaoda distancia.Recrutas treinados para visitar fonte750m da colmia.O alimento a 750m retirado.Fontes alimentares 200-2500m dacolmia colocadas 85. Maioria das abelhas a 800 m da colmiaMost bees occurred at site 800m from hive.Nmero de abelhas chegando Fonte de alimento 750 m da colmia Metros da colmia 86. Valor adaptiva da dana.Permite a colnia explorarfontes alimentares com maioreficincia. 87. Evoluo da dana das abelhas.Alm de Apis mellifera, outras espciesde Apis tambm usam a dana.A. florea dana sobre o favo horizontalconstrudo no aberto. O danadorsinaliza diretamente ao alimento. 88. Existem estgios intermediriospossveis em vrios parentes de Apis.As abelhas Trigona zumbem e semovimentam com excitao.Outras Trigona cheiram a abelha eprocura aquele alimento.Algumas Trigona colocam trilhas decheiro ao alimento. 89. Melipona fazem pulsos de som.Pulsos mais compridos implicam que oalimento fica mais longe.A abelha que descobriu o alimentorealiza vrios vos curtos no sentidoao alimento, e depois leva outras afonte. 90. A evoluo da dana provavelmenteenvolvei uma padronizao docomportamento excitado paraindicar a quantidade e distncia doalimento.Tambm, a troca de liderana atual aosimblica para indicar direo(resulta...</p>