Jornal Cidade - Ano II - Nº 36

  • Published on
    05-Jul-2015

  • View
    18.148

  • Download
    8

Embed Size (px)

DESCRIPTION

http://www.jornalcidademg.com.br >Acesse e veja mais notcias Jornal Cidade - Ano II - N 36 - 25 de Outubro de 2014 Principais notcias das cidades do centro-oeste mineiro. Notcias de Lagoa da Prata, Santo Antnio do Monte, Moema, Pedra do Indai e Japaraba.

Transcript

<ul><li> 1. Pgina 17Gilberto Silva apoia campanha OUTUBRO ROSa da Fundao Chiquita Perilolagoa da PraTa S. a. do monTelegislativo quer investirr$ 600 mil em reformado prdio da cmaraagncia do inSSconcluda h mais dedois anos ainda no foiinauguradaPgina 06Pginas 18 e 19 Pgina 06 Pgina 19 Pgina 10 Pgina 08atletas locais,Cmara deHomemJuiz pedenbia eS. a. do Montemorre aps serestudos paraguilhermeaplicaatingido poravaliar retornoso destaquesR$ 740 milraio emdo Rio Sono atletismoem construoSanto antnioFrancisco aonacionalda nova sededo monteleito originalPedrafundamentalmarca inciodas obras deconstruo daUPa de lPeSPorTePolTica Policial meio ambienTe PolTicaPgina 07</li></ul><p> 2. 4 OPIINO www.jornalcidademg.com.brCARTA AO LEITORJuliano Rossi | Jornalista e Diretor do Jornal Cidadejuliano@jornalcidademg.com.brANO ii Edio 3625/10/2014 a 08/11/2014Foi publicado na lti-maquarta-feira o projeto dedecreto legislativo 01/2014,aprovado por 5 votos a 2, naseo ordinria de 20 de ou-tubroda Cmara de Lagoa daPrata, que dispe sobre a sus-taodos efeitos do decretomunicipal 248/2014, de 5 desetembro, de autoria do pre-feitoPaulo Csar Teodoro, quehavia determinado s entida-desque recebem subvenoda prefeitura a demisso deseus colaboradores ou dire-toresque tivessem parentesem at terceiro grau ocupan-doum cargo de agente polti-co.Com a aprovao do de-cretolegislativo, as entidadespodem manter os seus cola-boradorese somente umadeciso judicial pode sacra-mentaras regras conformedeseja o Executivo.A iniciativa da Adminis-traoMunicipal dividiu opi-nies.Por um lado, muitosservidores parentes de ve-Sobre o problema da falta dgua em S. A. do Monte:Sou morador do bairro Dom Bos-coe aqui a falta de gua constan-te.Quando surge o boato de que temgua ela no chega caixa. Acho quetem uns 4 ou 5 dias que estamos seme nos ltimos 15 dias, a caixa s en-cheuumas duas ou trs vezes. Aquiem casa estamos h 2 dias sem guana caixa, em outras palavras, no possvel tomar banho, dar descarga,um luxo seria lavar pratos ou roupas(mas isso nem pensar).Existe uma propaganda de quedevemos fazer uso consciente, eco-nomizaretc. At entendo e adoto to-dasas medidas necessrias. No en-tanto,no vejo como no culpar osverdadeiros responsveis pela faltade gua. Ns somos meros usuriose pagantes desse PSSIMO SERVI-OPBLICO. Tenho vaga lembran-ade que o municpio teve dificulda-desem renovar o convnio com a CO-PASA,assim no seria o momento derever algumas de suas clusulas? Umassunto que corre s sombras dessaconcessionria o fato dela no pres-tarcontas do reinvestimento dos va-loresauferidos pela prestao do ser-viopblico, tenho certeza que issoainda ser um escndalo polticoem nosso Estado, mas esse outroassunto.Por que as autoridades pblicasreadores e agentes polticos estiveram na iminncia deperder os seus empregos. Nose pode generalizar que todosesses funcionrios se benefi-ciaramcom os recursos p-blicosrecebidos pela entida-de,afinal, muitos deles pres-tamservios tcnicos, espe-cficose relevantes h muitosanos, sem qualquer vincula-odireta com a administra-opblica. Todavia, no sepode descartar que algumasentidades tenham praticadoo nepotismo cruzado, aque-leem que se emprega um pa-rentede um agente polticoem troca de um favor nestecaso, a subveno.As treze entidades que re-cebemrecursos do municpioprestam relevantes serviospblicos, e as verbas que rece-bemso aprovadas pela C-marae fiscalizadas pelos r-gosgovernamentais combase em seus planos de tra-balho.O objetivo inicial do de-nodevem ser omissas neste mo-mentoe porque no culpa (ao me-nosdiretamente) da populao a fal-tade gua?Um, no somos ns que autorizamosconstrues nas proximidades dasnascentes ou sobre elas. (como o ca-soda Escola Senhora de Ftima, doSenai e tantos outros).Dois, a populao no lucra com is-so,alis, paga (no somos scios daCOPASA).Trs, a concessionria e o Municpioso responsveis pela manutenodas nascentes e ao que tudo indicano o fazem.Quatro, o fornecimento de gua prestao de servio pblico sendoresponsvel pela mesma, tanto a Ad-ministraoDireta como o TerceiroSetor enquanto concessionria.Cinco, a concessionria no prestacontas dos valores que devem serreinvestidos, nem fiscalizada emsuas obrigaes. (Alm de ficar que-brandoasfalto revelia).Seis, somos administrados/consu-midores,no entanto, estamos sub-metidoss condies da concessio-nria.A conta vem todo ms, mas ea gua? No nos interessa enquantoconsumidores de onde vai vir a gua,se do cu, da terra, ou importada daChina. Contando que venha.creto do Executivo vai deencontro demanda da so-ciedade,que exige, cada vezmais, o mximo de transpa-rnciana relao entre os r-gospblicos e as entidadescom as quais se relaciona.Diante do imbrglio, umaideia que poderia ser estuda-dapelo governo, cmara e en-tidades,seria a proibio denovas contrataes de pa-rentesde agentes polticos(mesmo que seja em tercei-rograu) para prestarem ser-viosde qualquer naturezas entidades. A proibio te-riavalidade com data ante-riora trs meses da nomea-oou posse do agente pol-tico.Dessa forma, as entida-desteriam tempo e regrasdeterminadas para se ade-quareme os funcionrios decarreira dessas instituies aqueles que trabalham porcompetncia e no por indi-cao no seriam prejudi-cados.Sete, somos agraciados pela Cons-tituiopor incontveis princpiosentre os quais destaco o princpio dacontinuidade do servio pblico, dadignidade da pessoa humana e direi-to sade.Claro que a intenso desta no-tano isentar a populao do con-sumoconsciente, mas evidenciara falta de zelo da Administrao aolongo de muitos anos. No estou pre-ocupadoem apontar os culpados en-quantopessoas, a culpa do prefei-tofulano, ou foi o beltrano, se foi a si-tuaoou a oposio que fez ou dei-xoude fazer. A questo que medi-daspaliativas como buscar gua aliou aqui vo resolver por uns tempos,e pensar no fato de que as chuvas es-tochegando tambm no vai resol-vero problema de nossas nascentes.No sou ambientalista, no sei exata-menteo que deve ser feito (refloresta-mento,cerca nas nascentes), mas seique se as coisas continuarem assimano que vem vamos enfrentar essafalta de gua mais uma vez.Reforo aqui, que o conceito de Go-vernanainclui a participao da po-pulao,ou seja, todos ns devemosem certa medida assumir nossas res-ponsabilidades.Assim como espera-mosde nossos representantes postu-rasemelhante.Cmara suspende efeitosdo decreto das entidadesUma nota de repdio administrao pblicaEnviado pelo leitor Gilberto de Andrade Pinto (Morador de S. A. do Monte)LAGOA DA PRATA 3. 6 PLOTACI www.jornalcidademg.com.brCmara aplica R$ 740 mil emconstruo da nova sedeANO ii Edio 3625/10/2014 a 08/11/2014s. a. do monteFOTO: DivulgaollSer inaugurada hoje apartir das 19 horas a novasede da Cmara Municipalde Santo Antnio do Monte.As novas instalaes custa-ramR$ 740 mil reais aos co-frespblicos e foram exe-cutadaspela ConstrutoraAnglo (a mesma que cons-truiua UPA local, cuja obra,segundo o Ministrio Pbli-co,apresentou 28 irregula-ridades).De acordo com o verea-dorLus Resende, presiden-teda Cmara, o Legislativoprecisava de uma sede pr-pria.Fizemos um prdioque viabilizasse a partici-paoda populao. Assim,criamos o Centro de Aten-dimentoao Cidado (CAC),onde as pessoas podero fa-zeragendamentos da Pre-vidnciaSocial, marcar pe-rcias,cadastros, achados eperdidos, certido de ante-cedentescriminais, segun-davia de documentos (CPF,RG, etc), inscrio em con-curso,elaborao de curr-culo,segunda via de contade gua, luz e telefone, im-pressogratuita de at seisfolhas para todos os cida-dose requisio do segu-roDPVAT.Resende ainda salien-touque a estrutura do plen-rio semelhante a de um ci-nema,com acesso para du-zentaspessoas sentadas,quatro vagas para cadeiran-tes,acessibilidade em qual-querparte do prdio, inclu-sive tribuna, som embuti-do,projetor de imagem e in-ternet.Muitas vezes o cida-dono sabe como proce-derem alguns casos ou on-deir para resolver algumasquestes, assim a Cmaraest desenvolvendo esteprojeto para que o cidadoresolva o mximo possvelde suas questes em SantoAntnio do Monte, afirma.A inaugurao ter in-ciocom a bno do PadreAdelzires Morais, inaugu-raodas salas e posterior-menteo plenrio. Eu, comopresidente do Poder Legis-lativo,estou muito realiza-do,no somente com a es-truturaque o municpio deSamonte ter, mas tambmcom os servios que iremosoferecer populao. Esta-mosinaugurando uma sedeque no pode ser usada so-mentepara a Cmara e simpara formaturas, confe-rncias,entre outros even-tosque sejam viveis para aestrutura, destaca.Legislativo quer investir R$ 600mil em reforma do prdiol l O presidente da C-maraMunicipal de Lagoada Prata, vereador EdmarNunes, tambm pretendefazer melhorias na estru-turade trabalho dos vere-adorese servidores do Le-gislativo.A Cmara pre-cisade uma reforma quesolucione os problemas.Fizemos um oramentoque deu mais ou menos R$600 mil, porm, a prefeitu-ratem outros interessesno momento, destaca.Nunes ainda salientouque a principal necessi-dadeda Cmara garan-tira acessibilidade de de-ficientesfsicos e garan-tirmais privacidade aostrabalhadores. Quando apessoa chega na Cmarae vai at a sala que ante-cedea do assessor jurdi-co,automaticamente elaj tem acesso a ele, e, svezes, este est em umareunio ou fazendo umLagoa da prataDe acordo com informaes da Secretaria Municipal de Obras, recursosso suficientes para pavimentar 17 quarteires e beneficiar 200 famliasservio que exige con-centrao,e, no entanto,muitas vezes interrom-pido.Temos o exemplode mofo e infiltraes emvrios locais, argumenta.O prdio da Cmara de La-goada Prata j possui umelevador para cadeirantese deficientes fsicos.O presidente ressaltaque deixar a casa em or-dem um dos seus objeti-vos.Precisamos garantirum local adequado, tantopara receber a populaoquanto para gerar condi-esde trabalho para osfuncionrios, afirma.A inteno da pre-sidnciada casa em fa-zera reforma na Cma-radivide a opinio entreos prprios vereadores.Enquanto existir pesso-asmorando em ruas decho, no podemos gas-taresse dinheiro com a re-formada Cmara. Depoisque pavimentarmos todasas ruas de Lagoa da Prata,a, sim, podemos fazer es-sasmelhorias no prdio.Atualmente, Lagoa da Pra-tatem outras prioridadese so obras mais impor-tantespara a populao,afirma o vereador Adria-noMoraes/PV.FOTO: DivulgaoFOTO: Divulgao 4. ANO ii Edio 3625/10/2014 a 08/11/2014facebook.com/jornalcidademg POLTICA 7s. a. do monteObra concluda h mais de dois anosainda no foi inauguradaSegurados do INSS reclamam da demora e transtornos que sofremquando precisam recorrer s agncias de Lagoa da Prata e Divinpolisl lConstruda e equipa-dah mais de dois anos, aagncia do INSS (InstitutoNacional do Seguro Social)da cidade de Santo Antniodo Monte nunca abriu asportas para o atendimento populao local, que pre-cisaviajar a Lagoa da Prataou Divinpolis para resolveros seus problemas de segu-ridadesocial.Tendo que enfrentar fi-lase o transtorno para resol-versuas questes do INSS,trs segurados ouvidos peloJornal Cidade relatam as di-ficuldadesquando precisamdo atendimento. De acordocom Getlio Freitas, o mu-nicpiode Santo Antniodo Monte totalmente de-pendentede Lagoa da Pra-ta,e que ele, como cidado,se sente envergonhado. estarrecedor saber que te-mosuma agncia prontaaqui e a gente tem que sairdo municpio pra ser aten-dido,e por causa de capri-chopoltico no se benefi-ciao povo. A agncia est ls para o segurana mesmo,porque para o povo ela estfechada. O mais difcil tero espao fsico, e ns temos.Agora eu queria saber doExecutivo por que no estfuncionando. O cidado temque perder um dia de servi-opara resolver um proble-minha.Deve existir algumconvnio entre Samonte eLagoa da Prata, porque so-mosdependentes em tudo.O povo de Samonte tem queir pra rua e dar o grito, por-queeles esto nos engolin-do.Imposto a gente tem quepagar, mas cad os direitos.Isso no dar valor ao povoque precisa e depende des-tesservios, reclama Frei-tas.O segurado Jesus Ca-bralreclama que perde umdia inteiro de servio quan-doprecisa se deslocar a umaagncia do INSS em outra ci-dade.Eu j tive que ir paraLagoa da Prata e Divinpo-lis.Fui bem atendido, mas notria a falta de profissio-nais.Isso um dos maioresabsurdos do mundo. Essaagncia foi construda como dinheiro do povo e para opovo. Eu tenho informaesde que at as mesas j estocom pranchetas e compu-tadores,est faltando s opessoal chegar e trabalhar.Para ir Lagoa da Prata per-coum dia de servio, sendoque poderia fazer tudo poraqui, lamenta.Segundo MarcelinoAlves, o atendimento naagncia do INSS em Lagoada Prata deixa a desejar. Agente agenda, mas no temespecialista para atender ea temos que vir embora.L est sobrecarregado.Quem mais sofre o pobreque perde um dia de servi-oe esse dia descontado.A gente no tem carro e te-mosque ir de nibus ou pe-dirpara algum vizinho le-var.Sem menosprezar aclasse, a gente fica com ca-rade palhao, uma sensa-ode descaso. A constru-odo prdio foi feita comum dinheiro que foi jogadofora, porque o prdio est le ningum nunca usou. Ca-bea boa vontade dos verea-doresem pressionar o pre-feitopara ele resolver jun-toaos rgos competentes.A agncia est l pra quem?Para os morcegos? A gentetem que mendigar serviosque a obrigao deles for-necerem,disse Alves.O OUTRO LADODe acordo com Rena-toCouto, chefe de gabine-teda prefeitura de SantoAntnio do Monte, a agn-ciano foi aberta ainda pe-lafalta de funcionrios doprprio INSS. Desde o in-ciodo ano passado, tanto oprefeito quanto o vice-pre-feitovem se empenhandopara a abertura da agncia,com reunies na regionalde Divinpolis, reunies noMinistrio da PrevidnciaSocial, em Braslia, e solici-taode apoio a vrios par-lamentarese lideranas.O gerente regional doINSS em Divinpolis, Ale-xandreGomes, confirma aexplicao do chefe de ga-bineteda prefeitura. Essasituao do conhecimen-toda instituio e acredita-mosque nos prximos me-ses,quer seja por concursode remoo interna ou con-cursopblico para admis-so,teremos condies deinaugurar a agncia. denosso interesse fazer comque a agncia comece a fun-cionar,destacou.O vereador Carlos Al-bertoCampos/PTB (Car-losCampinho) destaca quea demora da inauguraopode estar ligada a ques-tespolticas. A agncia foiconstruda na administra-odo ex-prefeito LeonardoCamilo. Est faltando von-tadepoltica. Falta ao atualprefeito bater mais pesadoem cima disso, porque esse um anseio de trinta anos.Por causa da contrataode quatro ou cinco funcio-nriosa populao est sedesgastando. Cad o empe-nho?Se quisessem resolveristo j teriam resolvido, re-clama Campinho.DENNCIAEm entrevista ao Jor-nalCidade sob a condiode que seja preservada asua identidade, uma teste-munhaligada ao INSS emLagoa da Prata afirma queo prdio no tem as mni-mascondies de atenderas pessoas. pura bact-riae um calor infernal. So4.500 reais de aluguel joga-dosfora. Aquele lugar umcaixote com odor horren-do,destaca.O interlocutor aindadestacou que, por medo desofrer retaliaes, os fun-cionriosmuitas vezesno fornecessem as infor-maesaos segurados. Ltudo motivo para aplicarum processo administra-tivocontra o servidor. Tu-do movido a interesse eo segurado no tem sada.Ningum quer ajudar a nin-gum.Eles sonegam infor-maese o segurado sai del pior do que entrou, frisa.A fonte ga...</p>