Coletanea teologica de John Wesley

  • Published on
    07-Jul-2015

  • View
    286

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Coletanea teologica de john wesley

Transcript

  • 1. COLETNIA DA TEOLOGIADEJOO WESLEYCompilao deRobert W. BurtnereRobert E. ChilesTraduo de Messias Freire

2. Do original norte-americano:A Compend of Wesley's Theology. Nashville,Abingdon Press.1 aedio em Portugus: 1960, pela Junta Geral deEducao Crist da I.M.B.2edio: 1995Editor: Filipe P. de MesquitaCapa: Atal da S. NascimentoBURTNER, R.W. e CHILES, R.E., compiladores.Coletnea da Teologia de Joo Wesley. 2. ed.Rio de JaneiroI GREJA METODISTA, Colgio Episcopal, 1995.1. Teologia; 2. Metodismo; 3. Joo Wesley.Setor de Publicaes da Pastoral BennettInstituto Metodista BennettRua Marqus de Abrantes, 55 - Tel.: 285-1001Rio de Janeiro 3. PREFCIOJoo Wesley largamente reconhecido como o lder de umgrande reavivamento religioso do sculo 18 e como homem degrande zelo e de talentos mltiplos e fora do comum. Este livronasceu da convico de que a sua grandeza ainda deve ser medi-daem outro campo - o da teologia. Esta afirmao bem podeparecer estranha, pois j passa mais de uma gerao desde que ateologia de Wesley foi admitida como tal. Somente h poucosanos atrs foi feita uma revalorizao do seu pensamentoreligoso.O arranjo sistematizado de trechos selecionados de seus es-critosteolgicos pode contribuir para o interesse crescente na teo-logiade Wesley em vrios sentidos. O primeiro se baseia no fatode que a coleo de trabalhos de Wesley atinge a bem mais de 30volumes nas edies aqui usadas e que alguns destes no so facil-menteobtidos ou pertencem a edies esgotadas. Alm disso, onmero e a variedade dessas diferentes publicaes perfazem umasoma de material que no facilmente sobrepujada. Uma Colet-nea,at certo ponto, vem ao encontro dessas dificuldades, apresen-tando,num s volume, alguns dos valiosos escritos teolgicos dosnumerosos volumes, e fornecendo referncias a ainda outros. Porsua prpria natureza, esta Coletnea um ndice do pensamentode Wesley, visto que a referncia a cada passagem torna o contexto,do qual ela foi tirada, prontamente acessvel. O ndice de assuntos um guia adicional provendo referncias do material dos outrosvolumes encontrado neste livro.Wesley no foi um telogo sistemtico como foi, por exem-plo,Calvino. na sua vida muito ativa ele raramente estudou umadoutrina suficientemente de modo a dar forma organizada e ade- 4. quada a todos os seus pormenores. Neste sentido ele no diferente de Lutero. Talvez a fonte mais compensadora da teolo-giade Wesley sejam os seus sermes, os quais foram pregadosao povo mais simples. Embora eles sejam lgicos, sucintos e con-duzamanlises doutrinrias a extenses surpreendentes, a suanatureza impede que sejam curtos tratados teolgicos. Esta for-mulaosistemtica, embora no esteja presente em detalhe ex-plcito, contudo pressuposta em toda a parte nos seus escritos.Tal tentativa envolve diversas dificuldades. Na maioria dos ca-soso material precisa ser extrado do seu contexto. Isto exigedecises mais ou menos arbitrrias quanto ao comeo e ao fimdas passagens e a eliminao de comentrio muito til. Surgemproblemas, continuamente, quanto ao arranjo, diviso das dou-trinase proporo do espao, para nada se dizer do problemada continuidade muito necessria. Alm disso, qualquer tenta-tivaem considerar separadamente vrios aspectos da doutrinatende a no ser natural como se pode ver, por exemplo, da doutinade Wesley a respeito do homem. Espera-se que o reconhecimen-todestas dificuldades e um certo grau de precauo possam darvalor positivo a esta Coletnea. Se ela conseguir selecionar eorganizar o melhor do pensamento de Wesley numa forma talque alcance um crculo maior de leitores, ele ter atingido o seuobjetivo.Todos os principais escritos de Wesley foram colecionadose examinados num esforo para que um trabalho representativoda sua teologia total fosse produzido. De modo geral o nossoobjetivo foi a largueza da seleo representando assuntos sobconsiderao de uma variedade de fontes. Fizemos ainda umoutro esforo pata tornar as selees representativas, examina-dooutros trabalhos secundrios sobre o pensamento de Wesley.Tais esboos de sua teologia foram estudados e freqentementereferidos na organizao desta Coletnea. Alm disso, o materi-alcitado nessas fontes secundrias foi conferido com o originale examinado para a sua possvel incluso. Conseqentemente, 5. mais material do que o constitui este volume foi extrado, consi-deradoe finalmente abandonado.Quase todos os trechos vm de escritos feitos aps a expe-rinciade Aldersgate em 1738. Deu-se, tambm nfase especialaos padres doutrinrios do metodismo histrico. Wesley escre-veue imprimiu nas Atas da conferncia de 1763 (e continuou areimprimi-lo) uma escritura Modelo que teria se ser seguida nosassuntos pertencentes propriedade e ao uso das capelasmetodistas. Entre outras coisas ele estabelece queos administradores das propriedades permitiros pessoas nomeadas pela conferncia anual do povochamado Metodista... e a ningum mais, t-las e des-frutardas mesmas para o fim preestabelecido, desdeque essas pessoas nunca preguem doutrina que noesteja contida nas "Notas sobre o Novo Testemunho"do Sr. Wesley e nos 4 volumes de "Sermes" (ObrasVIII, 330-331).A publicao subseqente de sermes adicionais e a reor-ganizaodos sermes nas edies posteriores produziu incer-tezasobre quais eram os sermes referidos na escritura-modelo.Essa incerteza, no entanto, dissipou-se sendo aceito o ponto devista de que aqueles sermes eram os 44 contidos nos primeiros4 volumes da edio de 8 volumes dos Sermes de Wesley,publicada em 1787-88. Estes e os sermes discutidos bem comouma histria da referida disputa encontram-se na edio dosSermes Padres feita por Sugden. Estes e as Notas formam ospadres doutinrios apontados por Wesley e recomendados aosseus seguidores na Escritura-Modelo. Obedecendo ao desejoexpresso de Wesley, portanto, deu-se, nesta Coletnea, priorida-deaos materiais tirados dos sermes "padres" e os mesmos fo-ramconsiderados como normativos.Na organizao do livro tivemos como critrio a simplici-dade,a facilidade de leitura e o desejo e a conformidade com aVII 6. prpria disposio de Wesley. Fizemos todo o esforo para per-mitirque o prprio Wesley fale. As contradies e as omissesforam mantidas onde ocorrem. Procuramos no torcer o pensa-mentode Wesley forando uma aparncia de exatido e compre-ensoonde, de fato, elas no existam.A organizao do pensamento de Wesley em um compn-dioj foi tentada na Wesleiana, no comeo do sculo 19, quandose fez uma compilao de passagens tiradas quase sem exceodos sermes. Pode-se crer que um homem que fez "extratos eresumos das principais obras de teologia prtica que tm sidopublicadas na lngua inglesa", em sua Biblioteca Crist, aproveesta tentativa destinada a iniciar e estimular o conhecimento dasidias teolgicas que julgou de maior valor.As introdues dos captulos do algumas indicaes daspeculidades e dos problemas de cada captulo e sugerem as suasrelaes com a teologia total de Wesley. Os versos no final doscaptulos, ilustrando as vrias doutrinas, tanto quanto se podedeterminar, foram tirados mais dos escritos poticos de Joo doque de Carlos Wesley.Para facilitar a leitura, tomamos a liberdade de inserir ouomitir palavras ou frases no comeo das passagens onde so ne-cessriaspara tornar o sentido mais exato. Tiramos do texto, emtodos os casos, o nmero dos pargrafos, mas o mesmo foi retidonas referncias identificadoras. Estas referncias ocorrem emforma um tanto abreviada. Os nmeros romanos indicam a par-tee os arbicos a seco da obra citada. Os nmeros indicandoexatamente o volume e a pgina das edies que foram usadasso dados entre parnteses. Um "S" no comeo dos sermes in-dicaa edio de Sugden dos Sermes Padres e um "J" indica alista de Jackson dos sermes restantes. As edies citadas so asmais aceitas e usadas. As referncias encontradas atravs do li-vroso feitas a estas edies. Todavia, na maioria dos exemplos,a informao dada suficiente para se localizarem as passagensem qualquer edio completa.VIII 7. A Coletnea recebeu o benefcio de sugestes de sbios eestudantes a respeito de Wesley. Somos gratos a Edwin Lewisque leu o manuscrito e deu sugestes teis, e , tambm, a ArthurW. Nagler e Albert C. Outler. Diversos membros da Faculdadedo Instituto Bblico Garrett e do Seminrio Teolgico Unio( Nova York) bondosamente leram e comentaram o manuscritoem diversas partes. Os Bispos encorajaram a publicao do mes-mo.Somos gratos a todas estas pessoas.Este livro, contudo, deve a sua origem e realidade a DavidC. Shopley mais do que a qualquer outra pessoa, O trabalho foiconcebido pela sua inspirao. O seu interesse e conselho aju-daram-nos a termin-lo. Somos-lhe imensuravelmente devedo-res.Expressamos finalmente a nossa gratido s nossas esposasCleo e Virgnia que nos ajudaram com pacincia neste trabalhode amor.ROBERT W. BURTNERROBERT E. CHILES 8. NOTA DA 2 EDIOO livro Coletnea da Teologia de Joo Wesley foi traduzi-doe publicado em Portugus em 1960.Tornou-se de inestimvel auxlio para os interessados e osestudiosos do Metodismo, e para os metodistas de um modo ge-ral.A obra de Joo Wesley vasta e s especialistas tm tempoe condies de estud-la em sua amplitude. Assim, esta Colet-nea,adequadamente organizada por seus compiladores, umaobra ao mesmo tempo ampla e resumida, para propiciar aos lei-toresuma viso a respeito de diversos temas teolgicos discuti-dose comentados por Joo Wesley, e que so bsicos ao Meto-dismoem particular, e ao cristianismo, em geral.Esta obra , por outro lado, uma obra didtica que ofereceaos leitores e leitoras mais simples a possibilidade de lerem,entenderem e se apropriarem dos escritos de um dos maioresvultos da Igreja Crist, que foi mestre na arte de falar para opovo e ao povo - Joo Wesley, o telogo, o pastor, o pregador, oevangelista.Filipe P. de MesquitaEditor 9. NDICEI - CONHECIMENTO RELIGIOSO E AUTO-RIDADE151. A Bblia 182. Revelao e razo 233. Experincia religiosa 284. Tradio crist 335.A criao natural 36II - DEUS 391. Os atributos de Deus 412. O carter de Deus e a predestinao 463. A atividade de Deus como criador 524. Atividade de Deus como governadorou preservador 555. A atividade de Deus como juiz 596- A atividade de Deus como redentor 62III- JESUS CRISTO 651. A pessoa de Cristo 672. A obra de Cristo como sacrifcio pelopecado 723. Outras conseqencias da obra de Cristo 77 10. I V - O ESPRITO SANTO 831. A obra redentora do Esprito Santo 852. Testemunho do Esprito (certeza) 893. Frutos do Esprito 96V - O HOMEM 991. Imagem de Deus 1012. A queda e seus resultados 1043. Culpa e depravao do pecado original 1104. Pecado original e pecados atuais 1155. O homem natural 1186. Livre arbtrio 124VI - SALVAO 1271. Natureza geral da Salvao 1302. Salvao pela graa 1343. Graa Salvadora 1374. Arrependimento 1425. F 1476. Justificao pela f (perdo e aceitao) 1547. Novo Nascimento (regenerao) 1578. O pecado nos crentes 1649. O arrependimento dos crentes 16910. Santificao completa 173 11. VII. O IDEAL MORAL 1811. A Lei 1832. Amor Cristo 1903. Perfeio crist 1954. O reino de Deus 205VIII - O PADRO MORAL 2091. Carter cristo 2112. Os deveres cristos 2173. A famlia 2264. A ordem econmica 2295. A ordem poltica 235IX - A IGREJA 2391. Natureza da Igreja 2412. As Sociedades Unidas (congregaes) 2463. O ministrio 2484. O sacramento da Ceia do Senhor 2515. O sacramento do Batismo 255X - ESCATOLOGIA 2591. Destino humano 2612. A vida eterna 2643. Coisas eternas 268 12. Conhecimento religiosoe autoridade 13. Conhecimento religioso e autoridadeA Bblia para Wesley a constante e ltima fonte deconhecimento e autoridade. O seu credo "eu sou um homem de umlivro" manifesta-se atravs dos seus sermes e de suas obras. De modogeral, como sugerem as suas Notas, Wesley no se prende aoliteralismo, embora ele constantemente faa afirmaes polmicas noseu esforo por estabelecer a infalibilidade da Bblia. Wesley prescrevepara todos a mesma disciplina mental que caracteriza a sua prpriavida, negando vigorosamente que os metodistas renunciam ao critrioda razo. A sua doutrina distintiva da experincia religiosa usadacomo prova posterior para as idias religiosas. Ela consiste em doiselementos: uma experincia interna e direta do amor de Deus e umapelo comunidade dos crentes em favor da confirmao da condutae da doutrina. Isto pode ser chamado na sua essncia de teologiaemprica, pois nisso nada existe de abstrato e de terico. Wesleyrepetidamente cita estes trs elementos "a Escritura, a razo e aexperincia" em confirmao dos seus juzos religiosos. Duas outrasfontes de conhecimento religioso e de autoridade so indicadas: atradio crist que reflete a formao espiritual de Wesley na IgrejaAnglicana e inclui os escritos dos Pais da Igreja Primitiva, os credosecumnicos e o Livro Comum de Oraes anglicano, e a criao naturalque sugere o seu profundo interesse pelo mundo fsico.***1- A BbliaEu no tenho receio de revelar os meus pensamentos maisntimos aos homens sinceros e sensatos. Eu tenho pensado que souuma criatura de um dia passando pela vida como uma frecha atravsdo ar. Sou um esprito vindo de Deus e que para ele voltar; esprito 14. apenas pairando sobre o grande abismo, at que daqui a uns poucosmomentos eu no seja mais visto e entre numa eternidade imutvel!Quero saber uma coisa - o caminho para o cu; como desembarcar-mecom segurana naquela praia feliz. O prprio Deus condescendeuem ensinar o caminho; para este fim, ele veio do cu. Ele o escreveuem um livro. Oh! d-me esse livro! Por qualquer preo, d-me o livrode Deus! Eu o tenho. Aqui h conhecimento suficiente para mim.Seja eu o homem de um livro. De modo que estou distante doscostumes atarefados dos homens. Eu me assento a ss: somente Deusest aqui. Em sua presena abro e leio o seu livro; para este fim acharo caminho do cu. H alguma dvida a respeito do significadodaquilo que leio? Parece alguma coisa difcil ou intricada? Ergo omeu corao ao Pai das luzes; "Senhor, no tua palavra, se algumnecessita de sabedoria pea a Deus? Tu ds liberalmente e no lanasem rosto. Tu disseste: se algum quiser fazer a tua vontade, ele aconhecer. Eu quero faz-la, d que eu conhea a tua vontade." Euento pesquiso e considero as passagens paralelas das Escrituras,"comparando as coisas espirituais com as espirituais." E ento meditocom toda a ateno e sinceridade de que capaz a minha mente. Seainda persiste alguma dvida, consulto aqueles que soexperimentados nas coisas de Deus e, ento, os escritos que estavamquase mortos, ainda falam. E o que assim aprendo, isso ensino.Prefcio aos Sermes, 5 (S, 1, 31-32)***Com referncia s Escrituras em geral, pode-se observar que apalavra do Deus vivo que dirigiu tambm os primeiros patriarcasfoi escrita no tempo de Moiss. Foram adicionados a esta os escritosdos outros profetas em vrias geraes posteriores. Depois osapstolos e os evangelistas escreveram o que o Filho de Deus pregoue o que o Esprito Santo falou atravs dos apstolos. Isto o que nsagora chamamos de Escritura Sagrada. Esta a palavra de Deus quepermanece para sempre; dessa palavra no passar um til, emborapassem os cus e a terra. Portanto, a Escritura do Antigo e do NovoTestamentos o mais slido e precioso sistema de verdade divina.Todas as...