Simpatia e antipatia

  • Published on
    05-Jul-2015

  • View
    6.824

  • Download
    4

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li> 1. PROJETO:CONHECER, SENTIR, VIVER KARDECSRIE:CONHENCENDO KARDEC</li></ul> <p> 2. Simpatias e antipatias terrenas LE. q.386 391Relaes de simpatia e antipatia entreespritos. Metades eternas LE. q. 291a 303a 3. 386. Dois seres que se conhecem e se amam podem se encontrar em outra existncia corporal e se reconhecer? Reconhecer-se, no; mas Allan Kardec O livro dos Espritos q. 386 4. Frequentemente, as ligaes ntimas fundadas numa afeio sincera no tm outra causa. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 386 5. Dois seres aproximam-se um do outro por consequncias casuais em aparncia, mas que so de fato a atrao de dois Espritos que se procuram na multido. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 386 6. 388Os encontros que ocorrem, algumas vezes, e que se atribuem ao acaso no sero o efeito de uma certa relao de simpatia? 7. H entre os seres pensantes laos que ainda no conheceis. O que dirigeessa cincia, que compreendereismelhor mais tarde. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 388 8. 389. De onde vem a repulsa instintiva que se tem por certas pessoas, primeira vista?Allan Kardec O livro dos Espritos q. 389 9. LE.390. A antipatia instintiva sempre um sinal de natureza m? A antipatia pode se originar da Mas, medida que se elevam, as divergncias se apagam e a antipatia desaparece. 10. LE. 391. A antipatia entre duas pessoas se manifestaprimeiro naquela cujoEsprito pior ou melhor? Tanto em um quanto no outro, mas as causas e osefeitos so diferentes. Um Esprito mau tem antipatia contra qualquerpessoa que possa julg-lo e desmascar-lo. 11. Ao ver uma pessoa pela primeira vez, sabe que vai serdesaprovado; seu afastamento dessa pessoa setransforma em dio, em cime, e lhe inspira o desejo defazer o mal. O Esprito bom sente repulsa pelo mau porque sabeque no ser compreendido e no partilharo dosmesmos sentimentos, mas, seguro de suasuperioridade, no tem contra o outro dio oucime, contenta-se em evit-lo e lastim-lo. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 391 12. ESE - Amai os vossos inimigos cap. XII, item 3. 13. 291 Alm da simpatia geral de afinidade, os Espritos tm entre si afeies particulares?Allan Kardec O livro dos Espritos q. 291 14. R Sim, como entre os homens. Mas o lao que une osEspritos , porno estarem mais expostos s alteraes e volubilidadesdas paixes. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 291 15. Somente h dio entre os , e so elesque provocam entre vs as inimizades e as desavenas. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 292 16. 293.Dois seres que foram inimigos na Terra conservaroressentimentos um contra o outro no mundo dos Espritos? No. Eles compreendero que seu dio era uma tolice e omotivo, pueril. Apenas os Espritos imperfeitos conservam um certo rancor atque estejam depurados.Se no h antipatia entre eles, o motivo de discusso no maisexistindo, podem se rever com prazer. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 293 17. NOTA DE KARDEC:Como dois escolares queatingiram a idade da razoreconhecem a infantilidade dasbrigas que tiveram na infncia e deixam de se malquerer. 18. 294. A recordao das ms aes que dois homenspraticaram um contra o outro um obstculo simpatia? Sim, isso os leva a se distanciarem. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 294 19. 295. Aps a morte, aqueles a quem fizemos mal, nos perdoam se forem bons, se maus ficam ressentidos e nos perseguem. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 295 20. 296. As afeies individuais dos Espritos so passveis de alterao? Allan Kardec O livro dos Espritos q. 296 21. R. No, porque no podem se enganar. Eles no tm maisa mscara sob a qual se escondem os hipcritas; eis por queas suas afeies so inalterveis quando so puros.Allan Kardec O livro dos Espritos q. 296 22. 297 . As afeies da Terra continuam no mundo dos espritos, sendo mais slidas do que eram, por no terem interesses. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 297 23. 298.No existe a predestinao de duas almas na sua origem, e que fatalmente se uniro. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 298 24. 299. No correta a palavrametade para designar espritossimpticos.Allan Kardec O livro dos Espritos q. 299 25. 300. Dois Espritos perfeitamentesimpticos, uma vez reunidos, osero pela eternidade, ou podem seseparar e se unir a outros?Allan Kardec O livro dos Espritos q. 300 26. Todos os Espritos so unidos entre si. Falo daqueles que atingiram a perfeio. Nas esferas inferiores, quando um Esprito se eleva, j no tem mais a mesma simpatia por aqueles que deixou para trs.Allan Kardec O livro dos Espritos q. 300 27. 301. A simpatia que atrai umesprito para outro resulta daperfeita concordncia de seuspendores e instintos.302 .A identidade necessria existncia da simpatiaperfeita baseada na.Allan Kardec O livro dos Espritos q. 301 e 302 28. 303.Todos os espritos que hoje no so simpticos entre si, no futuro sero. 303 a .Um esprito pode deixar de ser simptica a outro se um deles se aperfeioar. Allan Kardec O livro dos Espritos q. 303 e 303 a. 29. NOTA DE ALLAN KARDEC: A teoria das metades eternas apenas uma figura que representa a unio de dois Espritos simpticos. uma expresso usada at mesmo na linguagem comum e no deve ser tomada ao p da letra. Os Espritos que dela se serviram certamente no pertencem a uma ordem elevada. 30. preciso rejeitar essa idia de dois Espritos criados um para o outro, e que devero, portanto, um dia, fatalmente, se reunir na eternidade, aps estarem separados durante um espao de tempo mais ou menos longo. 31. BIBLIOGRAFIA Allan Kardec - O Livro dos Espritos Relaes de simpatia e antipatia entre espritos.Metades eternas LE. q. 291 a 303 Simpatias e antipatias terrenas LE. q. 386 391 Resumo de O Livro dos Espritos (32. edio daFEB) - Responsvel : Amrico Lus Sucena deAlmeida</p>

Recommended

View more >