Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 3 - "Redes Sociais")

  • Published on
    24-Jun-2015

  • View
    97

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Matheus Albergaria de Magalhes - Curso Aplicaes Criativas em Economia. Faculdade de Cincias Econmicas de So Paulo da Fundao Escola de Comrcio lvares Penteado (FACESP/FECAP), Campus Liberdade, So Paulo, 28 de Janeiro a 1 de Fevereiro de 2013.

Transcript

  • 1. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eAplicaoes Criativas em Economia c Aula 3 - Redes Sociais Matheus Albergaria de Magalhes a29 de Janeiro de 2013Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co

2. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eOrganizao caObjetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias ePalestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 3. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eObjetivosIlustrar aplicaes do instrumental econmico a temas co o relacionados ` Internet, com nfase em redes sociais. a e Apresentar distintos exemplos de redes. Identicar poss veis pontos de convergncia entre Economia e e outras cincias no caso do estudo de redes. ePalestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 4. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eMotivao ca Internet e Redes Sociais so cada vez mais importantes hoje. a Por qu? Porque tanto a internet quanto as redes afetam o e modo de viver das pessoas (Recuero 2005). Alguns economistas falam da importncia de redes desde a a dcada de 1970, pelo menos (Becker 1974). e Formao de Redes pode explicar diversos fenmenos, como ca o laos sociais, disseminao de doenas, cultura, moda e c ca c hbitos de mercado, por exemplo (Christakis e Fowler 2009). a Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 5. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eMotivao ca Redes Sociais Contemporneas: a MySpaceOrkutFonte: Google Imagens .Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia coFacebook 6. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Exemplo de Rede: Brigada de Incndio eFonte: Cristakis e Fowler (2009). Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 7. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Exemplo de Rede: Ligaes Telefnicas co oFonte: Cristakis e Fowler (2009). Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 8. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Exemplo de Rede: Esquadres Militares oFonte: Cristakis e Fowler (2009). Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 9. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Exemplo de Rede: ObesidadeFonte: Cristakis e Fowler (2009). Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 10. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Exemplo de Rede: AmizadeFonte: Barabsi (2006). a Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 11. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Distribuio em Cauda Longa (Anderson 2005) caFonte: Google Imagens . Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 12. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Distribuio em Cauda Longa: contatos em uma rede social caFonte: Magalhes e Toscano (2011, Grf.1). a a Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 13. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Namoro virtual funciona?Fonte: Google Imagens . Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 14. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Estudo baseado em um website de namoro virtual (Hitsch et al. 2010) demonstra que : 1. Tanto homens quanto mulheres tendem a exagerar atributos f sicos. 2. Usurios buscam parceiros com atributos semelhantes, em a mdia. e 3. Mulheres tendem, em mdia, a preferir atributos nanceiros em e relao a atributos f ca sicos, em proporo superior aos homens. ca 4. No h evidncias de comportamento estratgico neste tipo de a a e e ambiente.Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 15. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Estudo baseado no volume de correspondncia virtual entre e universitrios (Marmaros e Sacerdote 2006) demonstra que: a 1. Alunos do primeiro ano tendem a interagir com colegas geogracamente prximos. o 2. Fatores como proximidade geogrca e raa so mais a c a importantes para a formao de laos que interesses em ca c comum, curso ou background familiar. 3. Alunos brancos apresentam quase trs vezes mais chance de e interao entre si que alunos de raas distintas. ca c 4. Mas, se um aluno branco e um negro forem colocados no mesmo dormitrio durante o primeiro ano de faculdade, a o probabilidade de interao entre eles triplica. ca Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 16. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Estudo relacionado ao Orkut (Magalhes e Toscano 2011) a reporta os seguintes resultados: 1. Um usurio t a pico desta rede: (i) tem entre 18 e 30 anos; (ii) busca amizades; (iii) solteiro(a); (iv) branco(a); (v) e catlico(a); (vi) no possui viso pol o a a tica denida; (vii) no a fuma; (viii) mas bebe socialmente. 2. Ocorre um padro de cauda longa nos dados. a 3. No h coincidncia entre usurios com maiores nmeros de a a e a u contatos e comunidades.Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 17. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eEvidncias e Padro comum em redes sociais: homolia (criao de laos a ca c entre indiv duos similares) (Currarini et al. 2007). Por sua vez, h um estudo demonstrando a importncia de a a laos sociais e formao de grupos baseados em etnia e local c ca de origem para a sobrevivncia de prisioneiros em campos de e concentrao (Costa e Khan 2006). ca Estudo relacionado ao Facebook (Lewis et al. 2008) aponta para a ocorrncia de signicativas diferenas de e c comportamento entre usurios dessa rede quando considerados a grupos baseados em raa, gnero e status socioeconmico. c e o Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 18. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eConcluses o Redes Sociais podem revelar importantes informaes co relacionadas ao comportamento de pessoas, empresas e at e mesmo governos... ...mas, economistas ainda esto descobrindo as principais a vantagens de se trabalhar com dados desta natureza (Jackson 2008; Scheinkman 2008). Restam importantes desaos (em n veis terico e emp o rico) relacionados ` compreenso da formao e consolidao de a a ca ca redes sociais (Amaral et alli. 2004). Vantagem: Internet representa hoje uma potencial fonte de dados e idias para economistas. e Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 19. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eReferncias e AMARAL, L.A.N.; BARRAL, A.; BARABASI, A.L.; CALDARELLI, G.; DE LOS RIOS, P.; ERZAN, A.; KAHNG, B.; MANTEGNA, R.; MENDES, J.F.F.; PASTOR-SALORRAS, R.; VESPIGNANI, A. Virtual round table on ten leading questions for network research. The European Physical Journal B, v.38, n.1, p.143-145, 2004. ANDERSON, C. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Elsevier, 2006, 256p. BECKER, G.S. A theory of social interactions. NBER Working Paper n.42, Jun.1974, 55p.Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 20. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eReferncias eCOSTA, D.L.; KAHN, M.E. Surviving Andersonville: the benets of social networks in POW camps. UCLA, manuscrito, Jun.2006, 40p. CHRISTAKIS, N.; FOWLER, J. O poder das conexes. Rio de Janeiro: o Campus, 2009, 336p. CURRARINI, S.; JACKSON, M.O.; PIN, P. An economic model of friendship: homophily, minorities and segregation. Stanford University, manuscrito, Jan.2007, 46p.Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 21. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eReferncias eHITSCH, G.J.; HORTACSU, A.; ARIELY, D. What makes you click? Mate preferences in online dating. Quantitative Marketing and Economics, forthcoming, 2010. JACKSON, M.O. Network formation. In: NEWMAN, P. (Org.). The New Palgrave Dictionary of Economics and the Law, Macmillan, 2008. MAGALHAES, M.A.; TOSCANO, V.N. Quem voc conhece? Uma e anlise exploratria de redes sociais a partir de dados do Orkut. Eptic a o Online, v.13, n.3, Set.-Dez.2011.Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 22. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eReferncias eMARMAROS, D.; SACERDOTE, B. How do friendships form? Quarterly Journal of Economics, v.121, n.1, p.79-119, Feb.2006. RECUERO, R.C. Redes sociais na Internet: consideraoes iniciais. c E-Comps, v.9, n.1, p.1-15, 2005. o SCHEINKMAN, J.A. Social interactions. In: DURLAUF, S.N.; BLUME, L.E. (Eds.). The New Palgrave Dictionary of Economics, Second Edition, London: McMillan, 2008.Palestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co 23. Objetivos Motivao ca Evidncias e Concluses o Referncias eObrigado! Matheus Albergaria de Magalhes a matheus.albergaria.magalhaes@gmail.com http://www.sites.google.com/site/malbergariademagalhaesPalestrante: Matheus Albergaria de Magalhes aAplicaes Criativas em Economia co